Posts com a Tag : Vic Beasley

Podcast #3 – uma coleção de asneiras III

Trazemos as lesões mais recentes da NFL e discutimos jogadores injury prone. Realidade? Mentira? O que comem? Onde habitam? Em seguida, apresentamos a realidade de alguns times, se são bons ou ruins. Por fim, sugerimos alguns jogos para o amigo leitor ficar atento nas próxima semanas!

Agradecemos a atenção e desde já nos desculpamos por pequenas falhas no áudio – somos eternos amadores em processo de aprendizagem. Prometemos que, se existir um próximo, será melhor.

Top Pick Six #4: os 15 melhores LBs da NFL

Quinta-feira, dia de rankings! Após uma semana com uma breve pausa, voltamos com tudo classificando os melhores LBs da NFL! Nos mesmos moldes da lista que fizemos com os WRs, TEs e CBs, ao todo 8 pessoas selecionaram seus 15 melhores LBs (incluindo suas ramificações: OLB, MLB e ILB) entrando na temporada de 2017. Não é uma lista que contém os 15 melhores do ano passado. Não é uma lista contendo os 15 melhores para o futuro da franquia. É uma lista com os 15 melhores, jogadores essenciais e que podem fazer a diferença para seus times já na próxima temporada – desconsiderando o draft, claro.

Para confecção do ranking, cada um selecionou 15 jogadores. Se o jogador estava na posição 1, lhe atribuí 1 ponto. Na posição 2, 2 pontos, e assim sucessivamente. Se o jogador não apareceu na sua lista, atribuí 16 pontos. O jogador com menos pontos, em média, (soma dos valores dividido por 8) ficou em primeiro lugar, e assim por diante. É possível verificar as somas na tabela ao final desta coluna.

Os LBs são jogadores fundamentais, atuando no meio da defesa, entra a linha e os defensive backs. Muitos deles são jogadores monstruosos, de extrema força física e alguns até com boa velocidade. Alguns dos melhores nomes da historia do esporte são Lawrence Taylor, Ray Lewis, Dick Butkus, Derrick Thomas e Junior Seau.

Participaram da formulação do ranking:

Integrantes do Pick Six: Cadu, Digo, Ivo, Murilo e Xermi.

Duas pessoas referência na internet quando o assunto é NFL e que, diferente de nós, realmente sabem o que falam sobre football: Felipe, do @oQuarterback e Vitor, do @tmwarning.

– E um leitor convidado!

Embaixo dos nomes dos jogadores, colocamos a ordem que cada um de nós classificou este jogador. Caso ele não esteja no top 15 de alguém, um traço está no lugar. A ordem é Xermi, Digo, Cadu, Murilo, Ivo, Felipe, Vitor e Ruan. Vamos ao que interessa! 

15° Bruce Irvin
15 | – | – | – | – | 6 | – | 14
Time: Oakland Raiders
Idade: 29 anos
Draft: 2012 / Round: 1 / Pick: 15
College: West Virginia
Career Stats
Total tackles: 188
Sacks: 29.0
Forced Fumbles: 10
Interceptions: 3
Touchdowns: 2

Maloqueiro, abandonou a escola durante o ensino médio (ou tentou, porque afinal de contas ainda acabou na faculdade), mas craque é craque. Surpreendeu muita gente ao ter sido escolhido no primeiro round de 2012, mas correspondeu às expectativas graças principalmente ao seu talento físico. Foi contratado pelos Raiders para complementar a dupla Aldon Smith e Mack, mas com os problemas do primeiro, acabou tendo que assumir a responsabilidade. Os stats não são os mais impressionantes, mas sua presença em campo sim. Também é o único jogador a ser expulso em um Super Bowl, por dar um soco em Rob Gronkowski, o que por si só deveria garantir um lugarzinho na lista.

TOP PICK SIX 1: OS 15 MELHORES WRS DA NFL

14° Lavonte David
– | 9 | 10 | – | – | 14 | 10 | –
Time: Tampa Bay Buccaneers
Idade: 27 anos
Draft: 2012 / Round: 2 / Pick: 58
College: Nebraska
Career Stats
Tackles: 664
Sacks: 18.0
Forced fumbles: 12
Interceptions: 10

Ao contrário de Irvin, David foi selecionado muito mais tarde do que deveria. Uma máquina de tackles e um dos líderes da defesa dos Bucs, além de ser queridinho dos técnicos que passaram por Tampa, ele também é uma dessas raças raras de linebacker que tem capacidade de defender o passe, essencial na NFL atual.

13° Thomas Davis
– | – | – | 15 | 7 | 8 | 12 | –
Time: Carolina Panthers
Idade: 34 anos
Draft: 2005 / Round: 1 / Pick: 14
College: Georgia
Career Stats
Total tackles: 939
Sacks: 25.5
Interceptions: 13
Forced fumbles: 18

Thomas Davis é um mito simplesmente por conseguir correr: entre 2009 e 2011, ele conseguiu o feito de acabar as 3 temporadas na injury reserve por ter rompido os ligamentos do joelho. Ainda assim, como (insira aqui algo que depois de quebrado, melhora), Davis voltou melhor do que era anteriormente, realizando mais de 100 tackles em todas as temporadas desde seu retorno em 2012. Assim como Lavonte David, é outro que domina a arte de brincar de cornerback e é o complemento ideal do outro monstro (mais a frente) Luke Kuechly.

12° Jamie Collins
11 | 12 | – | 10 | 15 | 10 | 15 | –
Time: Cleveland Browns
Idade: 27 anos
Draft: 2013 / Round: 2 / Pick: 52
Career Stats
Total tackles: 360
Sacks: 12.5
Forced fumbles: 11
Pass deflections: 16
Interceptions: 5

É bom pra caralho, mas joga nos Browns.

“Oh meu deus, Bill Belichik trocou um de seus melhores defensores, qual o problema dele? ” – e pior ainda, Collins foi mandado para Cleveland. Apesar da sacanagem, até o momento não percebemos qual o seu problema, afinal, ele continua sendo o mesmo belo LB de sempre e se espera que ele seja um dos principais pilares da reconstrução dos Browns. Talvez, o problema seja que ele simplesmente é pior que o seu antigo companheiro de defesa (spoiler: sétimo colocado do ranking, mas 6.5 milhões mais pobre).

11° Jerrell Freeman
12 | – | – | 8 | 11 | – | 8 | –
Time: Chicago Bears
Idade: 30 anos
Draft: 2008, Undrafted
College: Mary Hardin-Baylor
Career Stats
Total tackles: 587
Sacks: 12.0
Interceptions: 4
Forced fumbles: 8
Fumble recoveries: 3
Touchdowns: 2

“Ninguém se importa com esse cara, quem votou nele? Não vamos escrever nada sobre ele!”, MORAES, Rodrigo, 2017.

10° Melvin Ingram
13 | – | – | – | 10 | 5 | 7 | –
Time: Los Angeles Chargers
Idade: 27 anos
Draft: 2012 / Round: 1 / Pick: 18
College: South Carolina
Career Stats
Total tackles: 203
Sacks: 24.5
Forced fumbles: 11
Pass deflections: 18

Melvin Ingram demorou para engrenar, mas desde que começou a jogar temporadas completas, é o terror dos quarterbacks, prova disso é que Los Angeles usou a franchise tag nele. Além disso, ele foi por muitos anos o lobo solitário da defesa de San Diego, mas com a chegada de Joey Bosa as oportunidades devem aumentar, junto com o seu valor, o número de sacks e o contratinho que deve aparecer em algum momento de 2017.

TOP PICK SIX #2: OS 15 MELHORES CBS DA NFL

09° Sean Lee
9 | 13 | 11 | 4 | 12 | 7 | 6 | 15
Time: Dallas Cowboys
Idade: 30 anos
Draft: 2010 / Round: 2 / Pick: 55
College: Penn State
Career Stats
Tackles: 567
Sacks: 2.5
Interceptions: 12
Forced fumbles: 2
Touchdowns: 2

O representante da “linebacker university” nesse ranking, Sean Lee é um dos grandes azarados da liga: o seu potencial sempre foi muito claro (11 INTs nos seus primeiros 4 anos, por exemplo), mas lesões variadas atrasaram o seu desenvolvimento. Finalmente, nos dois últimos anos, ele tem se mantido razoavelmente saudável e os resultados são os esperados: quase 300 tackles acumulados ente as duas temporadas e sendo um dos principais jogadores de uma defesa que todos esperavam ser medíocre ou menos. Enquanto seu corpo aguentar, ele é um dos principais na posição da NFL.

“Amo Sean Lee e vou protegê-lo”, BASSO, Murilo, 2017.

08° Chandler Jones
6 | 8 | 7 | – | 9 | 4 | – | 3
Time: Arizona Cardinals
Idade: 27 anos
Draft: 2012 / Round: 1 / Pick: 21
College: Syracuse
Career Stats
Total tackles: 260
Sacks: 47.0
Interceptions: 1
Forced fumbles: 14
Fumble recoveries: 3
Touchdowns: 2

Chega a ser absurdo pensar que o 7º, 8º e 12º dessa lista jogaram juntos para Bill Belichik; para a sorte dos adversários, ele mesmo achou melhor trocá-los por escolhas do draft para que eles fossem ser ricos em algum outro canto. Ao contrário de seus dois ex-companheiros, Chandler Jones (irmão DAQUELE Jon Jones, sempre legal lembrar) é um especialista em perseguir quarterbacks: e demonstrou tranquilamente seu valor para Arizona, conquistando 11 sacks, além de toda a pressão que botava neles.

07° Dont’a Hightower
7 | 10 | 6 | 13 | 8 | 9 | 9 | 4
Time: New England Patriots
Idade: 27 anos
Draft: 2012 / Round: 1 / Pick: 25
College: Alabama
Career Stats
Tackles: 372
Sacks: 17.0
Interceptions: 0
Forced fumbles: 2

Hightower foi um dos heróis improváveis do último Super Bowl, ao forçar um fumble de Matt Ryan em um dos momentos cruciais para a virada do Patriots, afinal, nem só de estrelas ofensivas vive a NFL: é preciso ter jogadores capazes de decidir partidas dos dois lados do campo. Nesta offseason, o LB chegou flertar com os Steelers, mas acabou retornando para Boston (4 anos, US$43,5 milhões) e tem tudo para ser um dos pilares da defesa de New England na próxima temporada.

06° Bobby Wagner
8 | 6 | 4 | 11 | 4 | 11 | 5 | 11
Time: Seattle Seahawks
Idade: 26 anos
Draft: 2012 / Round: 2 / Pick: 47
College: Utah State
Career Stats
Total tackles: 645
Sacks: 12.0
Pass deflections: 24
Interceptions: 6
Forced fumbles: 2
Touchdowns: 2

Em 2015, Bobby Wagner recebeu um voto para MVP –  e isso por si só já é muito insano. 2016, sem nenhuma surpresa, também apenas evidenciou seu talento: foram 165 tackles (liderando a NFL e atingindo o recorde de sua franquia), 4.5 sacks e outra meia dúzia de estatísticas surpreendentes. E nada indica que ele não manterá o nível na próxima temporada.

O sorriso de quem acaba de ficar milionário.

05° Vic Beasley
5 | 4 | 5 | 7 | 6 | – | 11 | 5
Time: Atlanta Falcons
Idade: 24 anos
Draft: 2015 / Round: 1 / Pick: 8
College: Clemson
Career Stats
Total tackles: 65
Sacks: 19.5
Forced fumbles: 8
Pass deflections: 5
Interceptions: 1

Beasley é a diferença em um sistema defensivo mediano – e ele só tem 24 anos! E embora poucos realmente prestassem atenção no que ele estava fazendo enquanto liderava a NFL em sacks na última temporada e forçava meia dúzia de fumbles, as características intangíveis (como sua capacidade de exercer pressão no QB ou seu poder de adaptação após o snap) conferem ainda mais qualidade ao OLB do Falcons, que só tende a evoluir em 2017.

TOP PICK SIX #3: OS 15 MELHORES TES DA NFL

04° Justin Houston
4 | 7 | 8 | 3 | 5 | 12 | 4 | 7
Time: Kansas City Chiefs
Idade: 28 anos
Draft: 2011 / Round: 3 / Pick: 70
College: Georgia
Career Stats
Total tackles: 286
Sacks: 60
Interceptions: 3
Forced fumbles: 9
Fumble recoveries: 4
Touchdowns: 1

Quarterbacks são indiscutivelmente as grandes estrelas da NFL e, no atual momento do esporte, um bom pass rusher talvez seja tão fundamental quanto as grandes estrelas que distribuem passes para a construção de grandes equipes. E, saudável, Justin Houston é um desses caras. Se em 2016 lesões atrapalharam seu desempenho, em 2017, sem contratempos, Houston tem tudo para ser um dos pilares do Kansas City Chiefs.

03° Luke Kuechly
3 | 2 | 2 | 6 | 3 | 3 | 3 | 9
Time: Carolina Panthers
Idade: 25 anos
Draft: 2012 / Round: 1 / Pick: 9
College: Boston College
Career Stats
Tackles: 693
Sacks: 9.0
Interceptions: 12
Passes defended: 43
Forced fumbles: 4
Touchdowns: 1

Luke é um dos melhores LBs na cobertura de passe e, incrivelmente, ele melhora ano após ano! Outro ponto a seu favor é sua capacidade de mesclar instintos com senso de posicionamento de forma quase única – o que ele já explicou ser fruto de sua dedicação em estudar adversários aliado a, claro, uma confiança extrema em suas habilidades. Lesões também o prejudicaram em 2016, mas saudável, nada indica que ele não continuará evoluindo na próxima temporada.

02° Khalil Mack

2 | 3 | 3 | 1 | 1 | 2 | 1 | 2
Time: Oakland Raiders
Idade: 26 anos
Draft: 2014 / Round: 1 / Pick: 5
College: Buffalo
Career Stats
Tackles: 226
Sacks: 30.0
Forced fumbles: 8
Interceptions: 1
Touchdowns: 1

Khalil vai para seu quarto ano na NFL. Em dois anos, ele foi escolhido para o Pro Bowl como LB e como DE. Acho que não precisamos falar mais nada além disso!

01° Von Miller
1 | 1 | 1 | 2 | 2 | 1 | 2 | 1
Time: Denver Broncos
Idade: 28 anos
Draft: 2011 / Round: 1 / Pick: 2
College: Texas A&M
Career Stats 
Tackles: 338
Sacks: 73.5
Forced fumbles: 19
Fumble recoveries: 5
Interceptions: 1
Touchdowns: 2

Aqui deixaremos as imagens falarem por nós!

Algumas curiosidades do ranking:

– Apenas Von Miller e Khalil Mack foram unanimidades no top 3 e top 5.
– 7 jogadores são comuns aos 8 rankings: Miller, Mack, Kuechly, Houston, Wagner, Hightower e Lee.
– Um total de 33 jogadores diferentes foram citados, veja na tabela final abaixo.
– O top 15 contempla 8 jogadores da NFC e 7 da AFC.
– 9 jogadores foram escolhas de primeiro round em seus drafts: Miller, Mack, Kuechly, Beasley, Hightower, Jones, Ingram, Davis e Irvin.
– Somente um jogador não foi draftado: Jerrell Freeman.
– 6 são campeões do Super Bowl: Miller, Wagner, Hightower, Jones, Collins e Irvin.
– Vic Beasley é o jogador que aparece com maior diferença de posição entre dois rankings: é o 4° no ranking do Digo e não está no ranking do Felipe.
– Apenas dois times, Raiders e Panthers, tiveram 2 jogadores entre o top 15: Mack/Irvin (OAK) e Kuechly/Davis (CAR).
– Ficaram fora do top 15, em ordem: Lorenzo Alexander (BUF), Clay Matthews (GB), Anthony Barr (MIN), Tamba Hali (KC), C.J. Mosley (BAL), Ryan Shazier (PIT), Kiko Alonso (MIA), Brandon Marshall (DEN), Terrell Suggs (BAL), Malcolm Smith (SF), Vontaze Burfict (CIN), Julius Peppers (CAR), Nick Perry (GB), Whitney Mercilus (HOU), Kwon Alexander (TB), Telvin Smith (JAX), Zach Brown (BUF), Eric Kendricks (MIN).
– Este é o ranking que fizemos até o momento com o maior número diferente de atletas citados: 33.
– Todos os atletas citados são milionários!

Razões para o Atlanta Falcons vencer o Super Bowl (e não só esse ano)

As histórias dos esportes muitas vezes são contadas através de narrativas. Aspectos do jogo e dos personagens envolvidos são cuidadosamente selecionados para que seja criado um roteiro com começo, meio e fim. Como em toda história, as narrativas esportivas envolvem o mocinho contra o bandido, o bem contra o mal, a luta pela justiça e a busca pelo final feliz. No Super Bowl LI, a narrativa predominante parece ser a cruzada por vingança do poderoso New England Patriots e de seu QB superstar, submetidos a punições controversas em um caso que chega a murchar nossas bolas de tão ridículo que foi. Mesmo os que não gostam do Patriots sentiriam um gostinho especial se Roger Goodell fosse obrigado a entregar o troféu para Tom Brady. Para o Patriots, vencer o próximo Super Bowl vai muito além de Brady conquistar seu quinto anel e tornar a equipe um dos times mais vitoriosos da história da NFL: é a oportunidade de obrigar a poderosa liga a se curvar diante do time que superou todas as adversidades e, mais uma vez, atingiu o topo.

É uma história realmente muito interessante. Ou, talvez, seja apenas a história mais fácil de se tornar uma bela narrativa, mas não é a única desse Super Bowl. Do outro lado do campo, o New England Patriots encontrará o inexpressivo Atlanta Falcons, time que chega apenas pela segunda vez à grande final da NFL e nunca conquistou o título. Seu líder é um QB que tem menos carisma que um poste e que até a temporada 2016 poucas vezes tinha passado da linha da mediocridade.

Contar uma história sobre Matt Ryan definitivamente não é fácil. Seus coadjuvantes também não chamam muita atenção. São competentes, mas estão longe de ser grandes estrelas e poderiam ser substituídos tranquilamente por grande parte dos jogadores da NFL. A exceção talvez seja o WR Julio Jones, que é um dos melhores recebedores da liga quando é considerada a mescla de tamanho, velocidade e talento natural. Julio, porém, tem uma ética de trabalho admirável e é avesso às polêmicas que envolvem outros WRs, como Odell Beckham Jr e Antonio Brown. Ou seja, é mais um personagem difícil de virar parte central de uma bonita história.

A sorte do Atlanta Falcons é que as narrativas esportivas são superestimadas e tendem a distorcer um pouco a percepção que as pessoas têm do que realmente importa quando o objetivo é lançar uma bola e marcar mais pontos do que o adversário. Não, não é uma tentativa de menosprezar Tom Brady, mas é muito mais fácil enxergar nele um QB com poderes sobrenaturais do que reconhecer e valorizar tudo que Matt Ryan fez nessa temporada. É muito mais fácil perceber as virtudes de um QB que disputará seu sétimo SB do que dar o valor adequado a um time que tem, entre todos os seus jogadores, cinco participações na grande decisão. Existe um contraste midiático muito grande entre Patriots e Falcons. Porém, narrativas à parte, o fato é que o Atlanta Falcons é um time melhor que o New England Patriots. Mesmo que não seja uma história bonita, que vá emocionar e trazer lágrimas aos olhos, não há motivo algum para ter receio de dizer: não vai ser fácil, mas Matt Ryan levantará o Lombardi Trophy no próximo domingo.

Fiquem sussa, caras.

Um ataque perfeito

Poucos ataques na história da NFL se aproximaram da perfeição. O Atlanta Falcons de 2016 é um deles. Mesmo com apenas uma grande estrela, Julio Jones, o sistema ofensivo do Falcons funciona com uma eficiência poucas vezes vista. Na temporada regular, foram 33,8 pontos por jogo, melhor da NFL, 415,8 jardas totais, segundo melhor, 295,3 jardas passadas e 120,5 jardas corridas, terceiro e quinto melhores números da liga, respectivamente. Ou seja, eles estão no top 5 da NFL em todas as estatísticas ofensivas relevantes.

Desavisados podem pensar que a temporada regular pode não ser o parâmetro ideal, já que o Falcons enfrentou times fracos que poderiam ter colaborado com a inflação dos números. Mas a resposta veio rápida: nos dois jogos de pós-temporada que disputou, inclusive contra a defesa do Seattle Seahawks, Atlanta marcou 80 pontos. OITENTA, uma média de sete pontos a mais que na temporada regular e a terceira melhor marca da história dos playoffs.

O ataque explosivo começa com Matt Ryan, virtual vencedor do prêmio de MVP da temporada. Ryan é o cérebro que distribui a bola como nenhum outro e, além de ter sido o melhor jogador da temporada regular, parece ainda melhor na pós temporada. Nos jogos contra Seahawks e Packers foram 730 jardas passadas, 7 TDs e 0 INT, que gerou um rating de 132,6. Voltando à história inicial das narrativas, como esses números foram produzidos por Matt Ryan, e não por Tom Brady, eles parecem um pouco menosprezados. Mas a verdade é que estamos diante de uma performance histórica que tem grandes chances de continuar no Super Bowl.

Mesmo que Bill Belichick seja conhecido por criar esquemas eficientes para barrar os pontos fortes dos ataques adversários, o Falcons é equilibrado o suficiente para tornar essa missão praticamente impossível. Não adianta criar um esquema de marcação dupla, ou mesmo tripla, para parar Julio Jones. Se isso acontecer, Matt Ryan encontrará Mohamed Sanu, Taylor Gabriel, Austin Hooper e outros ilustres desconhecidos completamente livres. Se Bill decidir enfatizar a defesa contra o passe, o Falcons tem em Devonta Freeman e Tevin Coleman a dupla de RBs mais dinâmica e produtiva da NFL que certamente vai causar estragos.

O cobertor é curto e, por mais genial que Belichick seja, a defesa do Patriots (ou qualquer defesa da NFL) não parece ser capaz de neutralizar ou reduzir significativamente os estragos provocados pelo ataque do Falcons. Esse argumento pode parecer falho, já que a defesa de New England é a melhor da NFL em termos de ponto por jogo. Mas é necessário lembrar que trata-se de uma defesa que ainda não foi verdadeiramente testada, especialmente nos playoffs. Convenhamos que o Houston Texans de Brock Osweiler e o Pittsburgh Steelers sem Le’Veon Bell não estão nem perto do que é o Atlanta Falcons. No duelo ataque do Falcons contra defesa do Patriots, a vantagem é de Atlanta.

Defesa arroz com feijão

Como o Super Bowl LI tem como protagonistas dois ataques prolíficos, que dificilmente serão parados, há quem considere que o jogo será um duelo de defesas: quem fizer o melhor trabalho, ganha. Esse pode ser um dos motivos que abalam levemente a convicção de que o título vai acabar na Georgia, já que a defesa do Atlanta Falcons não é um primor, muito longe disso. O Falcons tem a sexta defesa que mais cedeu pontos na temporada regular da NFL, em contraste com a defesa do Patriots, a melhor neste quesito. Nos playoffs, porém, Atlanta mostrou uma evolução significativa e só permitiu 41 pontos combinados para o razoável ataque do Seattle Seahawks e para o excelente Green Bay Packers.

O segredo da boa performance nos dois jogos de playoff que venceu parece ser a capacidade de colocar pressão no QB adversário. Mesmo que não tenha conseguido um número significativo de sacks contra Wilson e Rodgers, o Falcons conseguiu mover a linha ofensiva adversária o suficiente para que os QBs ficassem incomodados e apressassem suas decisões. A mesma fórmula deve funcionar com Tom Brady, que perdeu dois SBs para o New York Giants, que não tinha uma defesa espetacular, mas contava com um pass rush eficiente. Vic Beasley, que liderou a liga em sacks em 2016, pode acabar se tornando uma espécie de Von Miller no SB L, fazendo a diferença no jogo.

Esse dia foi massa.

Além de incomodar Tom Brady, o Atlanta Falcons terá que usar uma estratégia completamente diferente as usada pelo Pittsburgh Steelers, que preferiu colocar cones em campo e acabou comido vivo por Julian Edelman e Chris Hogan. Pelas características do ataque e dos recebedores do Patriots, é fundamental optar por mais marcação homem a homem e menos marcação por zona. Edelman e Hogan são recebedores pequenos, que têm dificuldade em ganhar disputas físicas com os marcadores e buscam sempre o espaço vazio que as marcações em zona permitem. É claro que é impossível parar completamente o ataque do Patriots, mas se conseguir marcar fisicamente os recebedores na linha de scrimmage, acabando com a precisão das rotas e com o timing das jogadas, o Atlanta Falcons aumenta significativamente suas chances. É necessário fazer o arroz com feijão e limitar possíveis ganhos grandes de jardas: se ficar assistindo Chris Hogan anotar TDs de 60 jardas, como o Steelers fez, estará escrita a receita para o fracasso.

O sucesso da defesa do Falcons no SB também está atrelado ao ataque. Se abrir uma boa vantagem no começo do jogo, como costuma fazer, New England terá que abandonar, em parte, o jogo corrido e terá um ataque unidimensional que, teoricamente, será mais fácil de ser marcado. Se seguir essa cartilha básica, é provável que o Atlanta Falcons pelo menos não seja ridicularizado, como o Pittsburgh Steelers foi, o que aumentará significativamente as chances de Atlanta vencer seu primeiro Super Bowl.

Palpite: 33×27, em um jogo em que o Falcons abrirá uma boa vantagem no primeiro tempo, mas permitirá uma reação no segundo. Haverá um pouco de emoção no final, mas a vantagem de seis pontos será mantida e Matt Ryan ajoelhará para a glória.

Kyle Shanahan e Matt Ryan (ou porque devemos levar o Falcons a sério)

Do quarteto que chega às finais de conferência de 2017, você certamente já ouviu falar muito sobre Tom Brady, seu retorno após suspensão e como ele fica melhor com o passar do tempo; do assustador trio BBB do ataque de Pittsburgh e dos milagres de Aaron Rodgers. Já a opinião sobre o quarto time deste seleto grupo, antes da temporada iniciar, estava restrita a um “vai cumprir tabela e ser interessante para o fantasy”, afinal o potencial desse ataque para produzir era claro – mas obviamente não esperávamos nada além disso, especialmente porque se acreditava que a mediocridade tomaria conta de Matt Ryan: hoje, um QB que passa para 4000 jardas e 25 TDs em 16 partidas é considerado normal? Sam Bradford conseguiu praticamente a mesma coisa! E, bem, também se esperava que a defesa de Atlanta fosse perder muitos jogos.

Tínhamos em Atlanta os Bengals da NFC (perdão, amigos!); era o time menos atrativo da sua divisão, já que o Saints e Brees PRECISAM ALGUM DIA conseguir não perder para a própria defesa; o Panthers vinha de um Super Bowl com o atual MVP da liga e Tampa Bay era uma equipe em franco crescimento e que deve incomodar mais ainda nos próximos anos.

Mas obviamente nos enganamos. Nada fora do padrão Pick Six – e aqui já adiantamos que ninguém será demitido por isso.

A defesa de Dan Quinn

Há muitos anos o elo fraco da equipe é seu sistema defensivo, tanto que, em 2015, a equipe contratou o DC da mítica defesa de Seattle para tentar consertar seu caos particular. O 8-8 da temporada passada mesmo com Devonta Freeman e Julio Jones inspiradíssimos rodada após rodada, contando também com o líder de sacks do time, Vic Beasley, conseguindo quatro na temporada toda, mostra que o processo não ocorreu tão rapidamente quanto se gostaria. E logo no primeiro jogo de 2016 o time sofreu 31 pontos dos Buccaneers, então a certeza era de que a sina continuaria.

Já quando o time chegou à semana 11 cedendo menos de 20 pontos somente uma vez (para Trevor Siemian!) e mais de 30 em metade dos jogos, parecia questão de tempo até que os velhos hábitos voltassem e o Falcons acabasse inevitavelmente fora dos playoffs com um ataque espetacular. Mas os ajustes aconteceram. Os turnovers (por exemplo, Beasley e o rookie S Keanu Neal são números 1 e 2 em fumbles forçados com 6 e 5 respectivamente) só aumentavam as chances de um ataque que marca pontos em mais da metade das suas posses de bola (obviamente líder da NFL no quesito). O sinal da evolução, porém, só ficou claro logo após a bye week: nas 7 vitórias que teve desde o descanso, o Falcons cedeu mais de 20 pontos somente uma vez. Contra New Orleans, claro, em nome da tradição.

E se Matt Ryan é o MVP da NFL e quem está carregando esse time nas costas, lembre-se que Atlanta também tem seu próprio projeto de Von Miller: o já citado Vic Beasley, aquele que liderou o time em 2015 com quatro sacks, repetindo o feito esse ano com incríveis 15.5, dessa vez liderando também a NFL, deixando para trás outros nomes muito mais famosos.

Foto artística.

Válido também acentuar outro grande responsável por essa ascensão, o veterano dos spin moves que chegou esse ano para provavelmente encerrar a carreira em Atlanta: Dwight Freeney tomou o jovem para ensiná-lo de perto desde a pré-temporada e demonstrou orgulho do seu pupilo, o considerando defensor do ano: “Agora mesmo, acho que nossa defesa está jogando melhor que a dos Broncos. Acho que isso diz muito sobre o que Vic tem feito. E acho que seria incrível que seu nome fosse mencionado”, disse Dwight.

Um trio ou quarteto ou quinteto ou… um conjunto!

Todos esperavam uma temporada decente de Ryan, do nível que ele é acostumado a proporcionar ano após ano – em comparação a negações que temos por aí, Ryan sempre mostrou “bons” resultados, mas nunca suficientes para enfrentar a elite de QBs da liga e carregar uma defesa sofrível.

Mas desta vez ele veio provar que estávamos enganados. Obviamente, como diria gente velha, “uma andorinha sozinha não faz verão” – e, curiosamente, o paralelo com Cincinnati, especialmente o do ano passado, na melhor temporada da vida de Dalton (atenção aos parênteses), fica assustadoramente claro; como ponto positivo, aqui se nota a diferença que Matt Ryan faz em relação a Andy Dalton, produzindo bem mais e não pipocando, contra um sempre bom time dos Seahawks.

Mas como elenco de apoio, para a sorte dos Falcons, há talentos genuínos, e não simplesmente fabricados por um QB mágico: Julio Jones (AJ Green) e suas 1409 jardas recebidas, independente de quanto marcado esteja; Devonta Freeman (Giovani Bernard) e sua capacidade de achar 1541 jardas totais, além de 13 TDs só no rebolado; Tevin Coleman (Jeremy Hill) atropelando defesas para complementar o jogo corrido; além de Mohamed Sanu e Taylor Gabriel, complementando o rolê fazendo os alvos de segurança. Somado a isso, todos estes jogadores conseguiram manter-se saudáveis: a linha ofensiva é uma das únicas que repetiu a mesma formação em todas as partidas da temporada, garantindo estabilidade e entrosamento.

E assim, graças a todo um grande conjunto, Matt Ryan produziu sua grande temporada – ainda que, por comparação, percebemos que ele poderia ter simplesmente atrapalhado. Mas assim como Dalton teve em seu tempo o auxílio de Hue Jackson, Matt Ryan também tem uma grande cabeça ao seu lado.

Sangue no zóio.

O verdadeiro MVP

Confesso que existia vontade de questionar seriamente o título que Ryan inevitavelmente ganhará no sábado de Super Bowl, falando em Tom Brady (que, de qualquer forma, já ganhou tantas vezes que é quase um hors concours) ou em como Derek Carr tinha um time inferior ao seu redor e mesmo assim foi mais divertido. Mas o grande mestre que poderia (deveria) tirar o título de Ryan não compete com ele; na verdade é talvez o grande responsável pela inevitável coroação de Matt: Kyle Shanahan – enquanto digitamos estas linhas, ainda OC dos Falcons, mas provavelmente em um futuro não muito distante HC dos 49ers.

Filho do lendário Mike Shanahan (head coach dos Broncos de John Elway bicampeões do Super Bowl), Kyle chegou à liga com aquela ajuda do papai, alguma indicação aqui e ali, tornou-se o coordenador ofensivo mais jovem da história da NFL, mas manteve-se nela porque realmente entende os “X’s and O’s” do esporte, como ele mesmo gosta de dizer.

Um nerd assumido, Kyle teve problemas até para fazer seus próprios jogadores compreenderem os conceitos de seu ataque. “No primeiro ano ele quis fazer tudo do jeito dele e tivemos problema em entender que tínhamos os mesmos objetivos”, comentou Julio Jones, que ainda assim recebeu para 1871 jardas em 2015. Entretanto, o time também foi o que mais cometeu turnovers na redzone na temporada passada, fazendo com que mesmo sendo o sétimo em número de jardas, algo habitual na carreira de Shanahan, que coordenou um ataque top10 em jardas sempre que teve um QB minimamente capaz, fosse apenas o 21º ataque em número de pontos.

Já em 2016 o time claramente entendeu a proposta de Shanahan, finalmente transformando jardas em pontos e vitórias. “Ele entende como colocar-nos em posições para fazer o que fazemos melhor. Ele entende o que todos fazem e o que ele quer que eles façam nesse ataque. E nós também”, disse o WR Aldrick Robinson.

O Ludacris torce para o Falcons?

E basta observar alguns lances de Ryan e compará-los com outros QBs para entender o poder que Shanahan tem nesse ataque. É tudo tão bem desenhado que, desde que todos executem suas funções estabelecidas e as leituras sejam bem-feitas (SEMPRE TEM ALGUÉM LIVRE), a defesa não terá opção senão tentar minimizar danos, seja no jogo aéreo das mãos de Ryan, seja no jogo corrido com a dupla Coleman-Freeman.

Sem mágicas, sem jogadas criadas no calor da partida; o verdadeiro MVP dos Falcons é um gênio que tem tudo desenhado antes da jogada acontecer. Mesmo que ele não esteja tão certo disso: “Minha esposa, Mandy, seria a primeira a dizer que eu não sou tão inteligente assim. Ela te contaria quantas vezes não consigo encontrar as chaves do carro. Ou seja, se eu não servisse para o football, estaria em grandes problemas”.