Posts com a Tag : Todd Bowles

Esperando sentado

A terceira temporada com Todd Bowles no comando não foi exatamente diferente da segunda, permitindo que, como pessoas de bem, esquecêssemos a de 2015 com o lendário Ryan Fitzpatrick (e Chan Gailey, o milagreiro) no comando do ataque, que fez parecer que o time havia encontrado um novo messias no seu Head Coach. Ao menos, se 2017 deixou alguma nova lição foi a de que não se vai longe sem um QB legítimo, por mais que Josh McCown tenha cumprido seu papel tão bem quanto possível.

Não à toa, o time trocou três escolhas de segunda rodada (para o único time que, teoricamente, não precisava de um QB e estava escolhendo no topo, os Colts) para subir no draft – mesmo ganhando apenas dois jogos dos últimos 11, os Jets estavam em sexto lugar na ordem de escolha – atrás daquele que acreditavam ser o lançador ideal para seu futuro: Sam Darnold, de USC.

É interessante apontar a sequência de decepções que têm sido os QBs saídos da universidade do sul da Califórnia nesse século: o mais marcante para os verdes, obviamente, será Mark Sanchez, que chegou duas vezes à final da AFC antes de cair na realidade da sua mediocridade e virar piada nacional; além disso, temos Matt Leinart, vencedor do Heisman (e 10ª escolha do primeiro round de 2006) que passou muita vergonha em Arizona e faz parte da extensa lista de QBs que tentaram atrapalhar a carreira de Larry Fitzgerald; J.D. Booty e Matt Barkley tinham boas expectativas, mas foram desmascarados até mesmo antes do draft e não jogaram muito na NFL apesar do destaque na universidade; por último, Cody Kessler teve suas chances em Cleveland, mas hoje é apenas reserva do grande Blake Bortles.

LEIA TAMBÉM: O primeiro dia após a neve

O único exemplo favorável é Carson Palmer, que fez boas temporadas por alguns times medianos da NFL, e apesar dos bons números, não chegou a conquistar exatamente tudo o que se gostaria de uma primeira escolha geral (2003); Sam Darnold, para ser considerado um verdadeiro sucesso, deve conseguir mais do que isso (#qbwinz).

Até o momento, as performances têm sido encorajadoras (29 passes completos, 244 jardas, 2 TDs e 1 interceptação) e Sam sequer deve dar a oportunidade para seus competidores começarem a temporada enquanto Bowles nos enganaria dizendo que “era tudo uma competição e o melhor joga”, apenas para colocar Darnold em campo depois de duas derrotas.

Sobre McCown e Bridgewater

Os que estivessem mais desconfiados da capacidade da turma de QBs de 2018 – ou mais fiéis ao valor de três escolhas de segunda rodada – têm, após alguns jogos da pré-temporada, argumentos também para ir contra a escolha de Darnold. Josh McCown não foi horrível em 2017 (enquanto o ataque ao seu redor é, esse sim, abaixo da média) e é tão sólido quanto se esperaria de um veterano (venceu, por exemplo, Jaguars e Chiefs em 2017) e talvez aguentasse mais uma temporada esperando um reforço realmente diferenciado.

Por outro lado, Teddy Bridgewater chegou em Nova York por uma miséria (6M, mas apenas 1M de dólares garantidos) pelo famoso VAI QUE. E, não fosse pela necessidade óbvia de utilizar Darnold porque ele é a primeira escolha, o desempenho na pré-temporada de Teddy seria mais do que suficiente para colocá-lo como titular que traria um futuro melhor para os Jets.

Nota: o autor é um fã e não falará mais sobre o assunto para não ficar chorando sobre joelhos explodidos.

A defesa de Mark Sanchez

Já que aproveitamos mais um ano de texto sobre os Jets para mencionar Mark Sanchez e cutucar a ferida, usemos ele também para reviver boas memórias e trazer esperança para a galera – naquela época, é válido lembrar, a defesa comandada por Darrelle Revis engolia os ataques adversários. A de agora está em processo de construção para tentar igualar a receita.

Já no começo da temporada passada, Sheldon Richardson foi trocado por um dos second round que se tornou Sam Darnold, e agora Muhamad Wilkerson vazou para os amigos de Aaron Rodgers, transformando uma linha defensiva outrora dominante, especialmente no jogo corrido – nessa linha de trabalho, o time também perdeu Demario Davis, maior número de tackles e sacks (5!) do time em 2017.

Para tentar ocupar o espaço na linha ao lado de Leonard Williams e Steve McLendon, 143kg de Nathan Shepherd foram draftados para New York. Além disso, o time realizou outra troca com os Colts para trazer Henry Anderson com o objetivo de melhorar a pressão nos QBs adversários: mesmo que não tenha nunca conseguido produzir em Indianapolis (ninguém consegue sem Luck por lá), saiu da universidade muito bem cotado e ainda é jovem, além de ter passado muito tempo lutando contra lesões.

Para reforçar o grupo de LBs, o time contratou Avery Williamson de Tennessee e Kevin Minter, que vem dos Bengals, mas foi importante nos anos anteriores em Arizona, mas nenhum dos dois como pass-ruhers. A menos que alguma troca aconteça (deveria) por Khalil Mack por exemplo, ou algum dos jogadores disponíveis hoje (como o atlético Darron Lee, o jovem Jordan Jenkins ou o veterano Josh Martin) dê uma virada absurda, é bem provável que qualquer linha ofensiva semi-competente gere bastantes espaços contra a equipe.

Uma nova ajuda disponível para a luta contra o jogo aéreo adversário (sempre válido lembrar que estamos na divisão de Tom Brady) é a existência, agora sim, de um CB1 para acompanhar uma jovem dupla de safeties (duas primeiras escolhas do time em 2017, inclusive), além de Morris Claiborne e Buster Skrine. Trumaine Johnson recebeu aproximadamente 1 bilhão de reais (72,5M de dólares) para ficar até morrer (5 anos) com os Jets e ancorar uma defesa que tem altas expectativas da torcida e, como vimos, não tem muita ajuda à frente.

Apoio para o rookie

Outro ponto essencial para formação de uma carreira feliz para um rookie é o grupo que lhe dá suporte. E enquanto a defesa produz uma miséria de sacks, o ataque cedeu 47 – aproximadamente três por partida. Sendo Sam Darnold um pocket passer do estilo tradicional e amado pelos clássicos, a linha ofensiva tem que fazer um trabalho melhor (de acordo com o site PFF, é a segunda pior da NFL, na frente apenas do seu time. Exato, qualquer fã de futebol americano sabe que a linha ofensiva é a pior da liga e matará seu QB).

Para isso, complementando Kevin Beachum e James Carpenter, que estiveram bem do lado esquerdo da OL, o resto deve evoluir: o C Spencer Long veio de Washington, onde era mediano; Brian Winters já deve jogar saudável, o que também é uma evolução em relação a 2017; e, por último, Brandon Shell deve ser o RT, um ano mais experiente.

O grupo de RBs deverá ajudar também na proteção do QB, já que Bilal Powell é bom nessa linha e o time ainda trouxe Charcandrick West, outro que é conhecido por ser um bom apoio no pass block. Em relação a realmente produzir jardas, a expectativa ficará por conta do rookie de 6ª rodada Trenton Cannon (63 jardas na pré-temporada), de Virginia State, e Isaiah Crowell, que foi produtivo nos últimos anos pelos Browns.

Como alvos interessantes para Darnold, temos Terrelle Pryor, o ex-QB maloqueiro de Oakland e Washington, que inevitavelmente deve evoluir para WR1 por razões de talento, além de Robby Anderson (que foi de zé-ninguém para relevante a partir da metade de 2017) e Jermaine Kearse, mesmo que este esteja lutando contra lesões. De novo, é difícil enxergar um grande alvo no time dos Jets, e a produção deles é difícil de prever até enxergarmos do que Darnold é realmente capaz.

Palpite:

Como qualquer time que começa a temporada com um novo QB, especialmente um novato de 21 anos, os planos são apenas ver o garoto florescer e evoluir ao longo da temporada. Porrada nele não deverá faltar ao enfrentar Jaguars, Broncos e Vikings em uma sequência de apenas quatro semanas, por exemplo. Além disso, é até bom que ele demore um pouco para se desenvolver e assim a gente não perde tempo falando de competição na AFC East – divisão que Tom Brady ganhará outra vez ou enquanto estiver vivo.

5 mentiras da offseason que ninguém consegue acreditar

A offseason da NFL é um terreno fértil para que histórias, daquelas bem fantasiosas, sejam contadas sistematicamente. Sem jogos ou performances para avaliar, técnicos e jogadores parecem coagidos a tentar criar um futuro artificial e utópico para mascarar a dura realidade que enfrentarão em breve. Mas você, estimado leitor do Pick Six, não será mais uma das vítimas do conto do vigário. Nós ligamos o nosso detector de mentiras e vamos expor alguns dos Pinóquios da NFL na offseason de 2017:

John Fox e Todd Bowles: dois senhores lunáticos

Em 2016, Chicago Bears e New York Jets tiveram temporadas péssimas: juntos, eles conseguiram somar apenas oito vitórias. Obviamente, tratam-se de times muito fracos, que precisariam de muitos reforços para apenas começar a pensar em ser competitivos em 2017. Mas o que aconteceu com ambos foi justamente o contrário: Bears e Jets perderam seus QBs titulares, Jay Cutler e Ryan Fitzpatrick, e vários outros jogadores-chave, como Alshon Jeffery, Brandon Marshall e Nick Mangold.

Os times fracos e a perda de jogadores relevantes parecem não ter limitado a capacidade dos head coaches John Fox e Todd Bowles de criar um mundo paralelo. John Fox declarou que acredita que o Chicago Bears está em “striking distance”, que pode ser traduzido por algo como “em posição de causar estrago”. Já Todd Bowles acredita que “o elenco possibilita que o Jets seja competitivo em 2017” e que “as expectativas são altas, mas que é muito cedo para saber se o time é capaz de chegar aos playoffs”.

Fox e Bowles são dois grandes mentirosos. Mesmo tendo muita boa vontade e considerando que as “perdas” de Jay Cutler e Ryan Fizpatrick podem, na verdade, ser verdadeiros reforços para os times, não há como levar a sério as declarações dos técnicos. O tempo de Cutler e Fitzmagic enganarem os torcedores realmente acabou e isso é muito bom para que as franquias superem o fim do relacionamento que não deu certo e busquem seu verdadeiro par perfeito. Porém, a falta de respostas, tanto na free agency quanto no draft, para a posição mais importante do football condena os dois times a viver muito abaixo da linha de mediocridade em 2017.

Mesmo que Mike Glennon e seja-lá-quem-for-o-QB-do-Jets façam trabalhos razoáveis, nenhum dos ataques superará a perda de Alshon Jeffery e Brandon Marshall. Além disso, o Chicago Bears joga em uma divisão que tem três times muito fortes e o New York Jets não tem nem chance de sonhar vencer a AFC East enquanto Tom Brady continuar respirando.

John Fox deve acreditar que “striking distance” significa “lutar para não ficar em último na divisão”. Se não acreditar, trata-se apenas de um mentiroso tentando minimizar o desastre da temporada anterior e criar um ambiente favorável à manutenção de seu emprego. Já Bowles deveria ter vergonha de mencionar “Jets” e “playoffs” na mesma frase e saber que o time será competitivo apenas quando se trata da disputa pela primeira escolha do draft de 2018.

Obviamente, não esperamos que nenhum dos dois treinadores venha a público dizer que seus times são dois lixos. Jogadores precisam de motivação. Mas precisam mentir tão descaradamente?

Acredita quem quer.

Tom Brady e Drew Brees e o dilema da reforma da previdência

A idade parece não ser um problema para Tom Brady e Drew Brees, que estão se aproximando dos 40 e não estão nem cogitando o inevitável declínio físico trazido pela velhice. Brady declarou recentemente que pretende jogar por até mais cinco anos, o que levaria a uma aposentadoria aos 44 na temporada 2021. Drew Brees parece ter ficado com ciúme e logo em seguida afirmou o desejo de permanecer ativo até os seus 45 anos de idade, que o deixaria em campo até a longínqua temporada 2023.

Por mais que os torcedores do New England Patriots e do New Orleans Saints queiram muito acreditar que o prolongamento das carreiras de Brady e Brees vai acontecer, não é o que a história da NFL nos mostra. Nenhum QB conseguiu obter resultados significativos após ultrapassar a marca dos 40 anos. Brett Favre parece ter sido o único a conseguir se aproximar de conseguir vitórias expressivas após completar 40 anos, quando disputou a final da NFC pelo Minnesota Vikings em 2009.

Na nossa idealização de fãs, nossos ídolos são super heróis que podem vencer qualquer barreira, inclusive a da idade. Não queremos acreditar que eles são meros seres humanos, mas são, mesmo que não pareçam. O declínio chega de maneira abrupta. Peyton Manning é a prova disso: conquistou vários recordes da NFL em 2014 e em 2015 foi literalmente carregado pelo Denver Broncos para vencer o SB 50 aos 39 anos.

Em algum momento, em breve, o declínio físico vai atingir Brady e Brees, que parecem mesmo ter a vontade de jogar por muitos anos. Como o desejo de jogar em idade avançada parece ser legítimo, tratam-se de mentiras sinceras, mas ainda assim são mentiras.

“Na primavera ou em qualquer das estações”

Houston Texans: Deus no céu, Tom Savage na terra

A aposentadoria de Tony Romo ainda faz corações despedaçados sangrarem em Houston. Romo parecia a única solução para um time a um QB de distância de uma corrida ao Super Bowl. Não é o que o Texans parece acreditar. De acordo com James Palmer, repórter da NFL Network, o time se sente “confortável” com o inexpressivo Tom Savage sendo o QB titular na próxima temporada.

Essa talvez seja a mentira mais fácil de ser desmascarada. Desde 2014, quando foi draftado pelo Houston Texans, Savage participou de cinco jogos em temporada regular, dois como titular. Conseguiu o astronômico número de 0 TDs anotados e 0 passes para mais de 40 jardas. Portanto, não se enganem: Houston será agressivo no draft e, provavelmente, trará um veterano como Jay Cutler (credo!) ou Colin Kaepernick.

Um monumento temperamental

Ben Roethlisberger é, indiscutivelmente, um grande QB. Nada do que será dito a seguir tem a pretensão de diminuir sua qualidade ou relevância. Mas precisamos dizer a verdade: ele adora fazer um draminha. Nenhum outro jogador da NFL é capaz de se esforçar tanto para mostrar que está jogando machucado. Ben precisa mancar mais do que o necessário e se arrastar em campo para mostrar seu heroísmo. Nessa offseason o drama se estendeu para um discursinho super falso de uma possível aposentadoria precoce.

“Vou usá-la para avaliar, para considerar todas as opções, para avaliar questões de saúde e familiares, avaliar a próxima temporada, se haverá uma próxima temporada”, disse Roethlisberger.

Ninguém no Pìttsburgh Steelers parece ter levado as declarações muito a sério. Por um bom motivo: não demorou muito tempo para Ben encerrar o teatro e anunciar que estará em campo em 2017.

Como disse Terrell Suggs, do rival Baltimore Ravens, antes de uma partida em que Ben era dúvida, “ele vai agir como ‘ai, não vou jogar, não sei, fiz só trabalhos individuais, lancei um pouco, mas ainda não sei’ e então vai colocar seu traseiro gordo no campo e jogar normalmente”.

Sempre divertido usar esta foto.

O time do futuro (que nunca chega)

A offseason é o momento perfeito para tentar reconstruir a imagem de jogadores que já mostraram flashes de talento, mas depois falharam completamente. Quem nunca ouviu o famoso “o QB X está trabalhando com um guru de QB” ou “o QB Y está trabalhando para melhorar sua mecânica”?

Blake Bortles parece ser o personagem perfeito para esse modelo de enganação. Depois de um ano muito promissor em 2015, na última temporada Bortles nos proporcionou momentos de ruindade épicos. O Jacksonville Jaguars, porém, está preso a Bortles, já que se trata de um QB de primeiro round do draft e que ainda mostra uma pequena esperança de recuperar pelo menos um pouco do talento que já mostrou.

Nada de anormal até aqui, certo? Mas o general manager Dave Caldwell parece ter ido um pouco longe demais em suas declarações. Entre outras coisas, Caldwell disse que “podemos vencer muitos jogos com Blake. Podemos vencer um Super Bowl com Blake, acho que o futuro é brilhante para ele”. Gostaríamos muito de acreditar em você Dave, mas simplesmente não conseguimos. Aliás, nem sua mãe conseguiria.