Posts com a Tag : Tampa Bay

Análise Tática #2 – Sobre um domingo muito complicado

Jameis Winston foi um dos melhores QBs da semana 1, quando completou 23/32 passes, para 281 jardas, 4 TDs e 1 INT na vitória fora de casa do Tampa Bay Buccaneers contra o Atlanta Falcons. Na semana 2, porém, a coisa desandou e forma retumbante: foram 4 INT, 1 fumble perdido, 27/52 passes completados e apenas 1 TD. O Buccaneers acabou derrotado por 40×7 pelo Arizona Cardinals.

Mas o que fez o time passar de sensação da semana 1 para uma das grandes decepções da semana 2? Não dá para colocar tudo na conta de Jameis Winston: alguns passes foram péssimos, mas Winston não teve muita ajuda de seus companheiros e enfrentou um adversário inspirado, que teve muito mérito em várias jogadas.

Nossa análise tática #2 tentará descobrir por que cada uma das 4 INT lançadas por Winston aconteceu.

Interceptação 1 – Culpa de quem?

A primeira interceptação de Jameis Winston aconteceu em uma tentativa de passe em profundidade para o WR Mike Evans, no alto da tela. A movimentação do Safety (no círculo amarelo) para marcar a rota do RB foi decisiva para a leitura de marcação individual do CB Patrick Peterson na rota em profundidade de Evans.

winston1-1

Com a jogada em andamento, percebemos que Winston tinha duas opções: o passe curto para o RB Doug Martin ou a bomba para Mike Evans. Como o Arizona Cardinals não mandou blitz, os outros dois recebedores estavam muito bem marcados por cinco defensores.

winston1-2

A escolha pelo passe longo é difícil de ser questionada, já que Mike Evans é um gigante e costuma vencer a disputa de bolas com defensores. Mesmo não tendo quase nenhuma separação de Peterson, como percebemos na imagem abaixo, se o passe tivesse sido bem posicionado e se Evans tivesse a concentração adequada para buscar a bola, poderia ter dado certo.

winston1-3

Porém, o que aconteceu foi exatamente o oposto. Winston lançou o passe um pouco à frente e Evans não teve a mesma perspicácia de Peterson, que acabou com uma INT relativamente fácil.

winston1-4

Interceptação 2 – Que passe nojento!

Na jogada da segunda interceptação, o Arizona Cardinals mandou blitz com os dois LBs posicionados no meio do campo. Os quatro recebedores, com rotas diversas, teriam marcação individual.

winston2-1

Mesmo enfrentando blitz, Winston praticamente não sofreu pressão. Na imagem abaixo percebemos que o pocket estava limpo e que os recebedores estavam todos em marcação individual, com o Safety fazendo a leitura da jogada.

winston2-2

Winstou decidiu lançar para o recebedor que tinha a rota em direção à lateral. A escolha foi boa, já que havia uma pequena separação, mas a execução foi péssima. O passe foi para o único lugar que não podia ser lançado: atrás do recebedor.

winston2-3

Por outro ângulo, podemos ver que o recebedor nem percebeu a chegada da bola. Novamente, além do passe ruim, o defensor do Cardinals fez uma excelente leitura da jogada.

winston2-4

Interceptação 3 – O azar!

A terceira interceptação aconteceu numa tentativa de um screen pass. Essa talvez tenha sido a interceptação em que Winston teve menos culpa. O RB Charles Sims, posicionado no alto da tela, receberia um passe curto e contaria com o bloqueio de seus companheiros.

winston3-1

O problema desse tipo de passe é que, quando o defensor faz a leitura correta, ele pode ser facilmente desviado. E foi exatamente isso que aconteceu.

winston3-2

Mesmo com o desvio, Charles Sims teve a chance de segurar a bola, ou talvez de, pelo menos, impedir que ela fosse interceptada.

winston3-3

Porém, Sims permitiu que a bola batesse em suas mãos e sobrasse suavemente para o defensor do Cardinals interceptar e retornar para o TD, em uma gloriosa PICK SIX.

winston3-4x

Interceptação 4 – O desespero!

Na última jogada da partida, com o time perdendo por 40×7, não há explicação nenhuma para que Jameis Winston e Mike Evans estivessem em campo correndo o risco de sofrer uma contusão. Mas estavam; e continuavam fazendo cagadas. A jogada se resumia a duas rotas verticais dos WRs, Mike Evans no alto da tela e Vincent Jackson na parte de baixo.

winston4-1

O Cardinals não mandou blitz e os dois WRs tiveram marcação individual dos CBs com dois Safeties aguardando o passe em profundidade. Winston sofreu pressão pelo seu lado esquerdo e teve que correr para o lado direito para evitar o sack. Enquanto isso, o CB que marcava Vincent Jackson escorregou e deixou o WR completamente sozinho.

winston4-2

Sem a visão do que acontecia do lado esquerdo do ataque, Winston forçou o passe para Mike Evans, que já estava marcado por dois jogadores. Na parte de baixo da tela, vemos novamente como Jackson estava completamente sozinho.

winston4-3

Mesmo bem marcado, o passe poderia ter sido completado se Winston tivesse lançado para o fundo da endzone, já que Evans conseguiu uma pequena separação dos marcadores.

winston4-4

Porém, Winston acabou lançando em direção à lateral da endzone, o que permitiu a recuperação do marcador, que conseguiu a interceptação e selou uma performance bem abaixo da média do QB do Bucs.

winston4-5

O futuro parece brilhante, mas quem drafta kicker não merece respeito

A temporada de 2015 deve ter sido um misto de emoções para os torcedores e também para a equipe dos Buccaneers, porque serviu para ratificar fortemente a escolha de Jameis Winston com a primeira escolha do draft – considerando que ele superará os defeitos de novato, mas o talento que ele mostrou (além de números como mais de 4000 jardas e 28 TDs) simplesmente não se encontra todos os dias, com especial esperança na sua evolução quando se considera que ele foi o jogador mais jovem a lançar para essas 4000 jardas, com apenas 21 anos.

Obviamente, apesar do otimismo que possa ter gerado, uma temporada com apenas seis vitórias e último lugar na divisão tem consequências além da decepção da torcida. Após ter conseguido apenas duas vitórias em 2014 (e a primeira escolha do draft que permitiu Jameis Winston), o general manager Jason Licht perdeu a paciência com Lovie Smith e o mandou embora logo ao fim da sua segunda temporada.

Para seu lugar, foi promovido Dirk Koetter, coordenador ofensivo de Smith. O seu sucesso como coordenador é inegável desde os tempos de Jaguars e Falcons, além da sintonia que demonstrou com Jameis. Resta saber como ele trabalhará com as responsabilidades maiores de head coach, ainda que ele saiba que possa contar com o auxílio do DC Mike Smith, antigo treinador dos Falcons (onde trabalharam juntos), no lado defensivo do time.

O mistério do draft

Em um bom draft, existem boas escolhas, existem escolhas óbvias, existem escolhas absurdas e existem escolhas que deveriam gerar a demissão imediata da pessoa que a fez. E aí, por último, depois do fundo do poço, no pré-sal, existe escolher um kicker na segunda rodada. Isso mesmo, se você perdeu a notícia na época do draft, leia de novo e seguimos.

É importante lembrar que Tampa tinha um kicker razoável. Connor Barth não é nenhum monstro que chuta todas de 50 jardas, mas poucos são. Além disso, sua carreira de quase 10 anos na liga mostra o quanto estável ele é: em 2015, ele foi automático em todos os chutes dentro das 40 jardas, indo para 23/28 no total e errando apenas um XP (normal, depois da mudança de regra). E os Bucs consideraram essa como uma das posições que mais necessitava de reforço.

E aí entrou Roberto Aguayo, na 59ª escolha (após trocar picks com Kansas!), a frente de jogadores bem cotados como Vonn Bell (safety, Ohio St) e Jonathan Bullard (DT, Florida) que, veremos a seguir, poderiam servir para essa defesa.

Para piorar, a pré-temporada tem sido algo ingrata com o jovem, que já perdeu um XP e 2 FGs – e ainda admitiu estar sentindo a pressão e buscando ajuda psicológica. Alguém não aprendeu a lição que Bryan Anger (punter, Jaguars, 70ª escolha de 2012) tentou deixar para todos nós, não é mesmo, Licht?

A defesa que poderia evoluir

Além da bizarra escolha de Aguayo, as outras três das primeiras quatro seleções do draft do time foram para tentar ajudar o lado defensivo. Com as adições da offseason, a linha defensiva deve se repetir como a unidade mais forte da defesa: os DEs Robert Ayers (9.5 sacks em 2015 pelos Giants) e o novato Noah Spence (11.5 sacks na sua última temporada na universidade de Eastern Kentucky, após ser banido do Big Ten por problemas com drogas) devem tocar o terror nos ataques adversários flanqueando o monstruoso Gerald McCoy, que é basicamente um Suh que joga limpo.

Os linebackers também devem garantir algo de solidez – ainda que só Lavonte David possa ser garantido como um diferencial. Kwon Alexander teve um ano regular como novato, enquanto o recém-chegado Daryl Smith, de 34 anos, foi dispensado dos Ravens mesmo após produzir mais de 100 tackles no ano passado.

O problema mais sério se concentra na secundária: os recém-chegados Brent Grimes, desde o Dolphins (que o cortou porque ele não quis reestruturar o contrato), e Vernon Hargreaves, 11ª escolha do draft, deveriam trazer alguma estabilidade – mas considerando que são essenciais pelo menos 3 CBs para ter uma defesa efetiva, será necessário que, entre Alterraun Verner e Johnthan Banks, saia alguém minimamente capaz.

Os gigantes do ataque e o Muscle Hamster

O grande defeito de Winston saindo da universidade (o que acabou gerando muita controvérsia no período pré-draft, porque ele botou boa parte da culpa nos seus recebedores) e na sua primeira temporada foi sua mira. Para colocar em perspectiva, ele acertou apenas 58.3% dos passes, enquanto Joe Flacco (que não é nenhum Drew 68.3% Brees) acertou 64.4%. Ou seja, com uma pequena melhora nisso, sua produção deverá aumentar ainda mais.

E não é como se os seus alvos não ajudassem. 1.96m é o que têm Mike Evans e Vincent Jackson (“as torres gêmeas”, de acordo com o GM Jason Licht), e lhes falta habilidade – são dois jogadores que buscariam mesmo passes lançados por Josh Freeman, desde que consigam se manter saudáveis, considerando que os dois perderam jogos em 2015.

Além disso, também não é possível excluir o tight end Austin Seferian-Jenkins, que batalhou contra lesões em suas duas primeiras temporadas de liga, mas, dizem, estará finalmente saudável para ser o terceiro amigo monstruoso de Jameis.

E ainda que seja um ataque dominado por gigantes, sobra espaço para um pequeno de 1.75m: Doug Martin, “o hamster musculoso” do alto das suas 1402 jardas (2ª melhor marca da NFL ano passado), que lhe renderam um novo contrato de 5 anos e 36 milhões de dólares. Infelizmente esse contrato coloca dúvidas sobre o desempenho futuro de Martin, que pode ficar muito confortável e suscetível a lesões (como em 2013 e 2014) com tanto dinheiro.

Por fim, para que Martin possa funcionar e Winston tenha tempo suficiente para “caprichar na mira” desde o pocket, será importante um bom trabalho da linha ofensiva. O retorno do RT Demar Dotson de lesão deve colaborar, mas a evolução crucial está nas mãos de Donovan Smith no lado cego, após um primeiro ano fraco, e do recém contratado J.R. Sweezy, que recebeu mais de 30 milhões de dólares mesmo sendo uma negação em Seattle (mais uma grande decisão para conta de Licht!).

Importante lembrar para fechar o ataque: Roberto Aguayo será uma decepção. Acertará menos de 80% dos chutes e será culpado por pelo menos uma derrota do time – deixando Licht tentado a simplesmente assumir o erro e seguir em frente. Como um bom GM cabeça-dura que se recusa a admitir picks desperdiçadas (como a maioria da liga), seguirá empurrando com a barriga por pelo menos mais um ano.

VEM MONSTRO, TEM PRESSÃO NÃO, SAÍ DE CASA COMI PRA CARALHO

Palpite: a NFC ainda está muito forte para os Buccaneers. Fosse na AFC, o time provavelmente teria chance de chegar aos playoffs. Entretanto, existe o fator Jameis para se levar em consideração – quem sabe ele evolua mais rápido do que esperamos e melhore sua produção de 2015. Provavelmente Tampa chegará às nove vitórias e terá novamente a oportunidade de ajeitar a defesa e se preparar para brigar pelos playoffs em 2017.