Posts com a Tag : Sammy Watkins

Análise Tática #16 – Semana #9: Jared Goff, o ex-bust

Bust é o termo utilizado para denominar jogadores que não justificam em campo a crença neles depositada. Todo o processo do Draft da NFL é baseado em julgar atletas em fundamentos que podem ou não se traduzir no futebol americano profissional (baseado em porra nenhuma).

Jared Goff é um desses casos. Primeira escolha geral em 2016, com direito a uma troca que penhorou o futuro do Los Angeles Rams. O primeiro ano de Goff na NFL foi sofrível. Apesar de Jeff Fisher, o signal caller dos Rams sobreviveu.

A chegada de Sean McVay trouxe um novo fôlego a uma carreira que parecia destinada ao fracasso antes mesmo ter começado direito. Um ataque mais criativo e com leituras mais simples, foi o suficiente para renascer as carreiras de Goff e Todd Gurley, peças principais do time. As chegadas de Robert Woods, Sammy Watkins e o recém-draftado Cooper Kupp (caro leitor, pesquise tweets da época do Draft e você verá críticas ferrenhas a esta escolha) acrescentaram armas para um QB que tem a missão de não estragar tudo. Como dissemos semana passada, técnicos são pagos para maximizar o rendimento de seus atletas, e é exatamente isso que Sean McVay vem fazendo em LA.

Com objetivo de trazer sempre uma perspectiva nova do football ao leitor da coluna, e também para não desgastar o formato, essa semana focaremos no papel de Jared Goff para o esquema dos Rams, utilizando a partida contra os Giants como exemplo. Ao se analisar o desempenho de um quarterback dentro de campo, costumo observar os seguintes traits: mecânica de passe, trabalho de pés, velocidade das leituras e progressão ao longo do campo e o uso dos olhos e corpo para deslocar defensores. Evidentemente, não somos a palavra final e nem pretendemos ser, portanto, o debate é sempre bem-vindo.

Quanto aos atributos físicos, a mecânica do movimento de passe tem por objetivo fazer com que a bola oval entre em espiral e atinja uma velocidade favorável para chegar ao recebedor. Existem vários tipos e técnicas de passe no nível profissional que se adequam à árvore de rotas e a situação descida-distância em campo, mas no contexto geral, o movimento perfeito deve ser curto e encerrando na altura da orelha do QB. O trabalho de pés é importante para que o jogador possua o equilíbrio necessário para executar qualquer um dos passes na jogada, bem como gerar a força que é transferida ao longo do corpo até chegar na ponta dos dedos e ser direcionada à bola.

Quanto aos apectos mentais, o QB deve conhecer a jogada a ser realizada, possibilitando a leitura  do posicionamento da defesa em campo. Novamente fazendo um jabá do livro Take Your Eye off the Ball (ainda estamos esperando o contato, Amazonde Pat Kirwan, em seu capítulo destinado a quarterbacks, o autor menciona a quantidade assustadora de elementos que um jogador profissional precisa processar ao longo da jogada. Primeiramente, deve-se reconhecer o posicionamento e a quantidade de safeties em campo, seguindo aos cornerbacks. Isso permite ao atleta reconhecer o tipo de cobertura e ajustar as rotas, se o mesmo tiver essa liberdade. De forma resumida, em seguida, deverá reconhecer a existência ou não de blitz e de onde a mesma vem, comunicando o ajuste de proteção à linha ofensiva.

É comum observar QBs gritando pré-snap, “54 (ou outro número) is the Mike!”. Isso sinaliza à OL o inside linebacker, ponto de referência dos bloqueios da jogada, corrida ou passe. A partir do momento em que ocorre o snap, o QB precisa processar tudo o que reconheceu na fase anterior da jogada e perceber se o mesmo está realmente acontecendo. É nesse ponto que entra a velocidade das leituras: 2,5 segundos já são suficientes para gerar um sack na jogada, e antes desse tempo, o QB precisa reconhecer padrões de defesa e soltar a bola no ponto certo, um trabalho quase impossível.

Contra marcações em zona, bons QBs movem os jogadores de secundária para longe de onde se desenvolve o melhor matchup em campo com o uso dos olhos. Marcadores em zona observarão para onde o QB está movendo a cabeça, e isso pode ser usado como isca.

Agora depois de todo essa longa e resumida (e ao mesmo tempo, ainda insuficiente) explanação do trabalho de um quarterback da NFL em campo (não é à toa tem tanto cidadão ruim jogando no seu time, caro leitor, o trabalho é difícil mesmo), vamos ao tape. Lembrando que hoje o objetivo não é dizer por que os Rams ganharam dos Giants, e sim observar como Sean McVay está ajudando Jared Goff, e esse por sua vez, o ataque como um todo.

Jogada 1 – Rotas Cruzadas

Uma das formas de ajudar um QB a ESMERILHAR uma defesa é utilizar rotas que se cruzam. Isso faz com que a defesa precise se comunicar devidamente para que ninguém fique livre em uma cobertura em zona, ou que os defensores se atrapalhem entre si no tráfego de uma cobertura mano-a-mano. Aqui, os Rams estão em uma 3rd & 2 na linha de 8 do campo de ataque. Goff em shotgun, stack formation com 1-1 personnel.

Sean McVay abusa das crossing routes, desenhando um padrão que intercala praticamente todos recebedores da jogada, fazendo com que apenas Sammy Watkins execute uma fade route. A defesa dos Giants responde com a tentativa de mostrar uma blitz do nickel corner, que recua. Os demais jogadores de secundária protegem a linha de gol em um padrão semelhante a um cover 3.

Observe que mesmo com alguns tropeções de recebedores, a defesa dos Giants fica confusa com o cruzamento, abrindo um espaço no meio da endzone. Jared Goff executa um 3-step droback. Seu footwork é bem deficitário, mas trabalhando em um ambiente favorável, Goff consegue vender a ameaça de Todd Gurley olhando em direção à sua wheel route. Ele observa que sua OL limpa o caminho em direção ao TE no meio da endzone, projeta seu corpo em direção a essa rota e lança um dagger para o touchdown.

Jogada 2 – A eficiência do No Huddle 

Vimos no texto sobre o drive da vitória dos Raiders contra os Chiefs, que campanhas no huddle, além de clock management, têm por objetivo explorar um pacote errado colocado pela defesa. Por exemplo, caso o adversário esteja esperando a corrida e coloca jogadores mais pesados em campo para contê-la, aproveitar-se do no huddle vale a pena para cansar esse personnel com jogadas de passe.

Além disso, o no huddle também pode ser usado fora de situações de pouco tempo no relógio, aumentando o fator surpresa. Com mesma formação vista no touchdown anterior, o Rams aproveita a tentativa dos Giants (alinhados com formação base de defesa 3-4) em conter a corrida para surpreender com uma big play.

Como é Jared Goff em campo, essa chamada foi feita por Sean McVay via ponto eletrônico no capacete do quarterback (jogadores mais experientes ou melhores teriam a liberdade de escolher a melhor jogada para a situação dentro de um pacote). Ele usa Todd Gurley como isca para a defesa dos Giants, que pressiona com 5 rushers. Enquanto isso, Sammy Watkins executa uma rota vertical. Conceito semelhante ao dagger, porém com rotas saindo de pontos opostos do campo. A quebra de rota de Cooper Kupp deixa Watkins no mano-a-mano com Landon Collins.

O safety dos Giants, fora de posição no início da jogada devido à ameaça de corrida, é batido em profundidade. Sean McVay aproveita-se dos tempos de Goff em Cal, em que executava um ataque da filosofia air-raid, resumidamente se trata de execução de rotas longas. A adição de um bom jogo terrestre permite ao QB explorar o play-action e pegar a defesa desguarnecida. Outro ponto importante dessa jogada é a noção de Goff de onde está a pressão, protegendo-se no ponto oposto ao qual a linha desliza.

Jogada 3 – Queimando a blitz 

Defesas que não encontram respostas em campo costumam mandar mais blitzes que o normal a fim de criar um fato novo. Já outras defesas, como o Titans de Dick LeBeau, o Jets de Todd Bowles e o Cardinals de Bruce Arians baseiam-se em métodos específicos de pressionar o QB com homens a mais que o normal. Para todos esses casos, existe a resposta: ou você tem um jogador da velocidade de raciocínio de Tom Brady ou você precisa ser criativo com as rotas.

Observe as rotas que se cruzam no meio. Elas formam o núcleo de um conceito popular em ataques West coast conhecido como mesh concept. Os Giants sinalizam a overload blitz pelo lado do right tackle, enquanto a secundária está com marcação individual.

Fonte: @ITPylon

No conceito mesh, a marcação individual indica que os recebedores X e Y executantes da shallow-cross devem seguir até o outro lado do campo. O tráfego no box fará com que o recebedor Y esteja livre do outro lado do campo. E é exatamente isso o que aconteceu no MetLife Stadium. Execução de manual de um conceito simples do futebol americano.

Quanto ao trabalho de Goff na jogada, trata-se de um 5-step dropback (conte os passos após o snap, leitor). Quanto ao trabalho de olhos, ele não precisa necessariamente atrair marcadores para determinado ponto do campo, nem conseguiria, já que em marcações individuais, os defensores preocupam-se apenas em acompanhar as rotas – nesse caso, Goff só precisa não ser estúpido o suficiente a ponto de telegrafar o passe. Contra a blitz, o principal fator é a velocidade de processamento da jogada. Observe que o mesmo mantém o olho focado na região em que se desenvolverá o conceito mesh. Goff reconhece o camisa #17 livre após cruzar as hashmarks e manda o passe no mesmo momento em que é atingido pelo pass rusher. Touchdown.

  • Diego Vieira aparentemente capturou os GIFs com uma pedra e obrigou o editor a ir atrás do gametape. 

Jared Goff estrelando “O verdadeiro bust era Jeff Fisher”

O que faz um bom jogador? Talvez essa seja a pergunta mais difícil de se responder no futebol americano – e se soubéssemos a resposta já estaríamos ricos. Anualmente, milhares de jovens deixam suas faculdades para entrar na NFL, onde as franquias procuram filtrar esses atletas para selecionar os melhores. Mas como isso é feito? Algumas equipes apostam no atleticismo, outras apostam no conhecimento de jogo, outras no potencial e algumas tentam aliar as três características.

E, anualmente, percebemos que não sabemos qual desses atributos é o mais importante ao avaliar quem será a próxima estrela da liga. Tom Brady teve testes ridículos no Combine e seu talento não era visto por ninguém como algo transcendental. Mas o que permitiu a Brady atingir o (enorme) sucesso que ele alcançou?

Primeiramente, seu próprio mérito, principalmente o comprometimento com o jogo e como ele se prepara para ele. Além, claro do seu talento, temos que avaliar o contexto: quando estreou na liga, Tom não precisou carregar um bando de imbecis – o bando de imbecis não era um bando de imbecis, mas jogadores que ajudaram a tirar a pressão e o peso de seus ombros. Além disso, Brady contou uma comissão técnica extremamente eficiente e que permitiu a ele jogar de acordo com suas capacidades.

Nosso último texto também discutiu essa questão, ao abordar o caso de Alex Smith: até que ponto o ambiente em torno de um jovem prospecto influencia seu jogo? Mais uma vez, não sabemos a resposta exata para essa pergunta, mas uma coisa podemos ter certeza: é melhor ser treinado por Andy Reid e Jim Harbaugh do que por seja lá quem treinou Alex no início de sua carreira. Ou por Jeff Fisher.

Como tentar estragar a carreira de um jovem e ainda gastar múltiplas escolhas do draft no processo

Quando foi selecionado com a primeira escolha geral do draft em 2016, Jared Goff se encaixava na categoria do “jogador com potencial”. Sabia-se que ele era “cru”, muito em função do esquema em que estava inserido na faculdade. Jared talvez precisasse até mesmo não jogar em sua temporada de calouro, primeiro porque ele não tinha a capacidade de fazê-lo, segundo porque um ano ruim pode desgraçar a cabeça de alguém para sempre – e aí já era.

Os Rams sabiam de tudo isso quando escolheram Goff, mas o que talvez a franquia não sabia (nós sabíamos, você sabia, o mundo sabia) era que Jeff Fisher é um péssimo técnico. Além disso, na comissão comandada por Fisher, não havia nenhuma mente ofensiva brilhante capaz de ajudar a desenvolver o talento de seu quarterback: Rob Boras, o coordenador ofensivo, é hoje técnico de Tight Ends no Buffalo Bills. Chris Weinke, o técnico de QBs, é hoje “analista ofensivo” em Alabama (seja lá o que isso queira dizer).

Los Angeles até começou fiel ao plano de manter Jared no banco ao início da temporada, mas as atuações errantes de Case Keenum (mais um nome que compõe a lista de pessoas-que-você-não-quer-ensinando-o-seu-franchise QB) fizeram com que Goff assumisse a posição de titular. Vamos poupar sua visão dos números, mas acredite, eles são horríveis – coloque no Google estando ciente dos riscos.

Novos amigos

O tempo passou, Jeff Fisher (sdds) foi demitido e os Rams iniciaram o processo de consertar as merdas feitas. Abordamos elas aqui (spoiler: são muitas). A franquia sabia que poderia resolver todos seus problemas, mas de nada adiantaria se Jared Goff continuasse sendo um QB abaixo da linha da crítica (em linguagem popular: ruim para caralho). Para isso, o foco na contratação do novo treinador era apenas um: encontrar alguém que fosse capaz de fazer Jared jogar bola como gente.

Sean McVay foi o escolhido e teve a liberdade de remontar o ataque da forma como entendia (e ele entende para caralho). No draft (nós criticamos, é verdade) as escolhas de Cooper Kupp e Gerald Everett deram a Goff duas armas confiáveis: um TE  atlético e um slot receiver confiável (até certo ponto). Na free agency, o LT Andrew Whitworth foi contratado para melhorar uma linha ofensiva que era qualquer coisa, menos confiável.

“Aquilo ali é um hater?”

Esses movimentos têm se mostrado acertados: Kupp tem 19 recepções, 265 jardas e 2 TDs; Everett não tem números brilhantes, mas já foram três jogadas para mais de 20 e uma para mais de 40 jardas – em 2016 os Rams simplesmente não tinham peças explosivas como ele na posição. Já Whitworth tem sido sólido como era esperado, e se não sabemos como ele estará nos próximos anos em função da sua idade, pelo menos agora ele tem proporcionado mais segurança do que alguém como Greg Robinson (hahahahaha) um dia proporcionou.

Adicione a isso duas novas dimensões: Todd Gurley voltou a correr como gente e Sammy Watkins é uma ameaça perigosa. Gurley deixou o péssimo ano de 2016 para trás, e tem sido uma arma confiável tanto recebendo passes como correndo com a bola. Assim, o ataque fica mais balanceado e a ameaça de um jogo terrestre eficiente abre espaços para os Rams lançarem passes. Sammy Watkins ainda não teve uma atuação astronômica, mas seu talento e ameaça em profundidade abrem novas dimensões para o jogo de Los Angeles. Além disso, quantos jogadores na liga fazem jogadas como essa?

Os tempos de “dar um jeito de colocar a bola nas mãos de Tavon Austin” ser a principal jogada da equipe acabaram. Hoje, Austin é só mais um role player que, devido ao seu salário, mais um grande legado de Jeff Fisher, não deve durar muito tempo em Los Angeles.

Você é com quem você anda

Criada toda uma estrutura em seu entorno, Goff finalmente recebeu a oportunidade de brilhar: sua primeira partida no ano, um duelo contra os Colts de Scott Tolzien, serviu para dar confiança na temporada que começava; sua defesa jogou bem, marcou pontos e, contra a fragilizada secundária de Indianapolis, Jared lançou mais de trezentas jardas pela primeira vez na carreira.

Na semana seguinte, vimos que ainda havia muito a ser feito: os números pioraram, e uma interceptação no final do jogo custou aos Rams a chance de vencer o jogo. Repare como a jogada foi juvenil: Goff olha para o seu recebedor desde o momento que recebe o snap. O LB, percebendo isso, consegue interceptar o passe.

Em seguida, duas vitórias maiúsculas: contra os 49ers, em que Goff lançou 3 TDs e completou mais de 78% de seus passes naquele que foi o primeiro jogo de horário nobre da sua carreira: o país todo viu que ele não era mais a desgraça em forma de QB. A segunda vitória, em Dallas, mostrou para todos que Goff, mesmo com números razoáveis, não ia estragar tudo: os Rams merecem ser levados a sério.

O duelo contra Seattle foi duro. Jared completou menos da metade de seus passes e lançou duas interceptações, mas, incrivelmente, o saldo final foi positivo. Contra uma das melhores defesas da liga, Goff levou seu time até o campo de ataque no final do jogo e, se não fosse pelo drop de Cooper Kupp, os Rams teriam vencido a partida. Repare uma evolução em relação ao último drive que Goff teve para tentar vencer o jogo. Veja esse belo passe:


Agora, com o auxílio do All 22, perceba que Goff olhou para o outro lado o tempo todo e assim conseguiu tirar Earl Thomas da jogada.

O mesmo aconteceu no já citado drop de Kupp, e o próprio Thomas reconheceu isso.

Somos amadores e mesmo assim temos uma chance 74% maior de perceber esses detalhes do jogo que Jeff Fisher.

Afinal, quem é Jared Goff?

Goff não é o bust que seu primeiro ano indicava, disso podemos ter certeza: afinal, ser ruim daquele jeito constantemente talvez seja humanamente impossível (até Blake Bortles já conseguiu enganar). Mesmo assim, ainda não sabemos quem ele será. Talvez não se torne um Aaron Rodgers – aquele tipo de QB que transforma qualquer grupo de palermas ao seu redor em bons jogadores; mas o início da atual temporada indica que Jared pode ser capaz de levar longe um grupo bem treinado e recheado de boas peças – veja o quanto vale um Kirk Cousins, por exemplo.

É apenas sua segunda temporada, que poderíamos estar chamando de primeira. Jared ainda tem muito que jogar, evoluir e aprender. Afinal, agora, como você definiria o estilo de jogo dele? Ainda é cedo pra dizer. O que sabemos é que hoje Goff está em posição de mostrar suas habilidades: não precisando mais se preocupar com seu entorno, ele depende só de si para ser a cara do Los Angeles Rams por muitos anos.

Mais do que tudo, o exemplo de Goff nos mostra como é difícil avaliar um jogador em um esporte tão coletivo como a NFL. Se mesmo com carreiras longas não sabemos o que pensar de alguns jogadores (oi de novo, Alex Smith!), tirar uma conclusão sobre alguém em 13 jogos é mais que precipitado: é burrice.

Um final feliz.

OBS: Acontece que ser burro é muito mais fácil que esperar para tirar conclusões. É o que fazemos aqui no Pick Six e por isso falamos tanta bobagem.

Quando derrotas chegam mais cedo que o esperado

Como o leitor já deve ter visto no texto sobre Tampa Bay, cada membro do site escolheu os times sobre os quais queria escrever. Quando escolhi os Bills, acreditando que eles tinham feito a escolha certa com Tyrod Taylor, esperava um time que finalmente fosse dar um passo extra e se firmaria como um desses candidatos anuais de wild card por algum tempo e finalmente romperia a sequência de 17 temporadas sem playoffs (o único time que ainda não chegou lá no século XXI).

Entretanto, as ideias começaram a desandar quando o GM que se dispôs a dar um novo contrato para o novo potencial franchise quarterback e tinha acabado de escolher novos jogadores no draft de 2017, Doug Whaley, foi demitido no dia seguinte, junto com toda a sua equipe de olheiros (ou seja, os caras que deram as informações que motivaram as escolhas de seis novos jogadores – três deles nos dois primeiros rounds – que, teoricamente, serão a base do time nos próximos anos).

Além disso, é válido lembrar que Whaley com certeza esteve envolvido na escolha de um novo HC: Sean McDermott, antigo coordenador defensivo do Carolina Panthers – onde conseguiu ter uma defesa top 10 em quatro (2012-2015) dos seus seis anos ali -, que recebe sua primeira oportunidade como treinador principal de alguma equipe na sua carreira. Ao menos não deverá faltar entrosamento entre ele e o novo GM, Brandon Beane, que também era funcionário dos Panthers e foi ganhando importância e valor com o decorrer dos anos na Carolina do Norte.

A troca de Sammy Watkins

O novo comandante do pedaço chegou determinado a estabelecer uma mentalidade vencedora. No entanto, algumas das principais peças do regime anterior não pareciam cumprir as condições desejadas: inclusive o craque do ataque (sério, fale com alguém pouco viciado em NFL, que jogue aquele fantasy casual, e provavelmente os dois únicos nomes conhecidos de Buffalo serão McCoy e Watkins). E, no passado 11 de agosto, trocas aconteceram, dando aquela tradicional chacoalhada no twitter.

Para resumir tudo, Beane trocou o seu WR 1, o já citado Sammy, e o seu CB1 bastante razoável, Ronald Darby (que deveria ocupar o espaço deixado por Stephon Gilmore, agora em Boston), pelos medíocres EJ Gaines e Jordan Matthews (um slot receiver defeituoso, considerando que o time já tinha o seguro veterano Anquan Boldin), além do mais importante: escolhas de segundo e terceiro round no draft de 2018, para iniciar uma outra reconstrução com essa “cara vencedora” (leia: jogadores que serão chutados da cidade daqui 3 anos, quando a diretoria mudar de novo).

Que porra tá acontecendo?

Ainda que a questão do contrato de Sammy seja relevante (ele só tinha mais um ano jogando com os Bills), ele seria peça crucial para este ataque funcionar, especialmente levando em conta a mudança do antigo-WR2 Robert Woods para Los Angeles. Seu substituto, Matthews, se lesionou no primeiro treino com a nova equipe, assim como o importante LT titular, Cordy Glenn (que pode acabar na IR). Já Boldin, que chegou ao norte de Nova York sonhando com o Super Bowl, pediu a aposentadoria depois de poucos dias de contrato “para se dedicar a trabalhos sociais”.

De qualquer forma, a mensagem que foi passada é que a temporada está largada e, ainda na segunda semana da pré-temporada, o clima ali é de fim de feira. Assim, tentar prever como funcionará o grupo em Buffalo em 2017 é impossível. Mais do que isso: é irrelevante. Portanto, façamos um favor para a NFL e abramos o balcão de negócios do senhor Beane: venham e peguem!

Valores da defesa

O craque dessa defesa é o DT Marcell Dareus, mas, com um cap hit anual de 16M, ele não sairá de Buffalo tão cedo (coitado), assim como Micah Hyde, que ainda em março assinou com Doug Whaley um contrato de 5 anos e 30 milhões de dólares. Além deles, são poucos os valores que poderiam fazer uma diferença real por aí:

  • Shaq Lawson: escolha de primeira rodada de 2016 (12 sacks e meio por Clemson em 2015), jogou 10 jogos meio baleado na temporada passada depois de piorar uma lesão no ombro ainda da época da universidade. Como a sua saúde está em dúvida, tem o seu valor prejudicado para que apareça algum time atrás dele com uma oferta decente, de maneira que talvez McDermott tenha que tentar tirar algo dele;
  • Jerry Hughes: desde que foi trocado pelos Colts, se encontrou com os Bills e é o principal pass rusher da equipe (o número de sacks diminuiu, mas mais por falta de ajuda que por queda nas capacidades). Um bom pass rusher com um cap hit de 10M poderia resolver problemas em defesas especialmente pobres no tema, como a do Dallas Cowboys;
  • Lorenzo Alexander: aos 34 anos, teve em sua 12ª temporada o seu breakout year, sendo finalmente titular em todos os 16 jogos (o máximo que já tinha conseguido era 12, em 2010 em Washington, e com 6 temporadas sem ser starter mesmo jogando os 16 jogos) e produzindo 12.5 sacks. Se algum time que joga num 3-4 quiser apostar em um veterano, que certamente sairia por troco de bala, valeria a pena tentar busca.

Valores do ataque

Por outro lado, no ataque Brandon Beane poderia sim mudar temporadas da NFL. Os únicos jogadores que certamente não serão trocados desse lado são Cordy Glenn, porque está machucado, e o FB Patrick DiMarco, porque assinou recentemente por 4 anos (outro coitado). No mais, separamos aqui alguns grandes jogadores que os times deveriam vir buscar em Buffalo e livrá-los do sofrimento:

Corre, cara!

  • G Richie Incognito: mais famoso pelo episódio de bullying contra Jonathan Martin em Miami (lembra? Válido lembrar que Martin já está aposentado), que fez ele ser despachado para o norte, o bom guard tem sido bastante sólido protegendo o QB e especialmente chato abrindo espaço para os RBs. Precisando de uma ajudinha na OL, vem com uma escolha de 5º round e leve esse poço de simpatia para casa;
  • RB LeSean McCoy: chegando aos 30 anos, McCoy vem de uma temporada em que conseguiu 5.4 jardas por corrida e 14 TDs totais, sendo que teve apenas 284 toques na bola, longe daqueles 350 do tempo de Chip Kelly. Se o objetivo dos Bills é perder a temporada, McCoy provavelmente é a maior ameaça que encontrarão. Também para o bem do fantasy, esperamos que ele vá para um time que queira ver ele correndo contente por aí aproveitando seu potencial enquanto ainda tem idade para aguentar carregar um ataque. LeSean vale uma escolha de segundo round, mas provavelmente sairia por uma de quarto;
  • QB Tyrod Taylor: já demos argumentos suficientes pró-Tyrod, mas, quando acreditamos que Buffalo havia entendido, essa reviravolta acontece. Existem times que já estão cansados de perder e têm mais estrutura para chegar aos playoffs com esse bom QB – só falta tê-lo. Siemian parece ter sido confirmado como titular em Denver, mas Blake Bortles está balançando. Vamos lá, Shahid Khan! Joga pra frente, paga aquela escolha de terceira rodada que vocês desperdiçam em punter em Jacksonville e leva o menino Tyrod para o Super Bowl!

Preview: “Tão longe dos playoffs, mas tão perto do New England Patriots” – poderia ser a grande frase para contar a história dos Bills. Como leio sempre no Twitter, se eles não tentarão fazer algo nessa temporada, não sei porque deveríamos tentar prever algo também. Entretanto, fica uma previsão ousada: Bills conseguirá mais vitórias que o New York Jets (2, porque eles têm obrigatoriamente que se enfrentar e New York está muito determinado em ser rebaixado para empatarem).

Deixando o fantasma de Jeff Fisher para trás

Existem grandes momentos. E existem momentos que nós não vamos esquecer. A demissão de Jeff Fisher é um deles. Após empatar o recorde de maior número de derrotas de um head coach na história da NFL, Fisher foi chutado do Los Angeles Rams. O momento da demissão e o discurso final foram gravados pela HBO em sua série All or Nothing, que acompanha a temporada de algum time da liga e, em 2016, deu o azar de acompanhar os Rams.

Resolver os problemas que cinco anos de Fisher trouxeram não será fácil. O time ainda colhe frutos das decisões tomadas por seu antigo técnico, mas não podemos deixar de apontar também para o GM Les Snead. À seu favor consta que o histórico no draft não é dos piores – vejam Ryan Grigson, por exemplo.

Claro, algumas escolhas deram muito errado, outras deram muito certo, é assim em toda NFL. Porém Snead falhou completamente em um lado da bola: o ataque. Seleções como as de Tavon Austin e Greg Robinson não vingaram e o dispêndio de escolhas altas nesses jogadores criou buracos no elenco, pois acreditava-se que eles resolveriam problemas existentes nas suas posições. Além deles, nenhum WR escolhido pelos Rams desde a chegada de Snead, seja em St. Louis ou em LA, vingou na liga.

Para piorar, esse exemplo de modelo de “gestão” tem outra dificuldade: superar seus erros. A demora para demitir Fisher demonstra isso claramente. Além disso, renovar com jogadores como  Austin por quantias absurdas fez com que os Rams se tornassem, hoje, a equipe com menos espaço disponível no Salary Cap (Sério, já pararam pra pensar no quão absurdo isso é? Existem elencos muito mais talentosos ao redor da liga com muito mais espaço para gastar com salários.). E esse feito foi conquistado sem ao menos ter sido realizada a astronômica renovação de contrato do DT Aaron Donald. Concomitantemente, a franquia deixou o CB Janoris Jenkins partir em favor do CB Trumaine Johnson. Jenkins teve uma temporada de destaque em Nova York, enquanto Johnson está em sua sua segunda franchise tag: além de optarem pelo cara errado, os Rams ainda não sabem o que fazer com Trumaine e seu contrato.

Virando a página

O homem encarregado de resolver as cagadas supracitadas atende pelo nome de Sean McVay. Sean chega a Los Angeles principalmente para resolver os problemas do ataque. Para isso, ele terá que fazer mágica, tendo em vista que Jared Goff, quando jogou, pareceu qualquer coisa, menos um QB titular da NFL.  Não acreditamos que Goff tenha um futuro promissor, mas é preciso ser justo com ele: todos sabiam que Jared era um jogador cru, e ter seu primeiro ano no sistema de Jeff Fisher não ajudou em nada o seu desenvolvimento. Podemos até taxá-lo como bust, mas Goff ainda pode mostrar resultados.

Ainda no ataque, McVay terá o trabalho de reencontrar o futebol de Todd Gurley, perdido no meio dos buracos que a OL de Los Angeles abre – para os defensores adversários. Gurley estava claramente insatisfeito com a comissão técnica anterior, afirmando inclusive que o sistema parecia um “ataque de escola”. Essa talvez seja a missão mais fácil que o novo técnico encontrará: Todd tem muito talento e, a situação, pior que estava, dificilmente ficará.

Ele arruinou o Fantasy de milhões de pessoas.

E falando em linha ofensiva, ela terá algumas mudanças importantes: Andrew Whitworth, um dos melhores LTs da NFL, chega para o lugar de Greg Robinson, que foi trocado para Detroit por um saco de bolas vazias e um pirulito. O resto do grupo deve se manter o mesmo e, agora em um novo sistema, os jogadores terão chances de mostrar mais resultado. Intriga um pouco, porém, a inércia da equipe no draft em relação a OL, já que nenhum jogador da posição foi escolhido.

Já no corpo de WRs, a principal mudança é a chegada de Sammy Watkins, trocado junto aos Bills. Todos conhecemos o potencial de Sammy – quando ele está em campo, embora essa seja sua maior dificuldade. Robert Woods também chega de Buffalo e, ainda falando em mudanças,  o time crê que Cooper Kupp e Josh Reynolds, escolhidos no último draft, possam ajudar a suprir a perda de Kenny Britt, líder da equipe em recepções na temporada passada. Por fim, espera-se que Tavon Austin consiga produzir no sistema de McVay; do contrário, ele dificilmente continuará em LA por muito tempo.

Na posição de Tight End, os Rams esperam ver uma evolução de Tyler Higbee, escolha de quarta rodada, agora em seu segundo ano na liga, além de boas atuações de Gerald Everett, escolha de segunda rodada neste draft, a primeira da equipe. Se eles conseguirem um bom desempenho – o que é de se esperar, visto que McVay fez um bom trabalho com TEs em Washington -, Los Angeles terá mais força tanto no ataque aéreo quanto terrestre.

Um novo xerife na cidade

Não, não estamos falando de Dan Orlovsky, mas sim do “novo” coordenador defensivo, Wade Phillips. Wade dispensa apresentações, mas, se você não sabe quem ele é, saiba que estamos falando do arquiteto da defesa dos Broncos que carregou aquilo-que-diziam-ser-Peyton-Manning para o Super Bowl. Phillips chega para o lugar de Gregg Williams – chamado por muitos de, simplesmente, “um babaca”.

Se com Williams a defesa já era forte, agora ela pode dar o próximo passo e se tornar uma das melhores da NFL. Aaron Donald é um dos cinco melhores jogadores da liga por apresentar capacidades que nenhum outro atleta da sua posição possui. Capaz de gerar pressão no QB adversário, além de parar as corridas, tudo isso pelo interior da DL, Donald é o melhor Defensive Lineman do país.

Paguem o homem!

Porém ele está em busca de um contrato novo, como já havíamos mencionado. Aaron ainda não se apresentou para os treinos, mas esperamos que ele não deixe de jogar durante a temporada regular, apesar dos rumores de que se trata de uma possibilidade real (seria muita burrice dos Rams se isso acontecesse).

O front 7 é a principal força dessa defesa, que conta, na linha defensiva, com o já citado Donald (que sozinho já vale mais que muitas defesas inteiras) e com o bom Michael Brockers, antiga escolha de primeira rodada. No corpo de LBs Alec Ogletree e Mark Barron formam uma dupla versátil; e agora o grupo também conta com Robert Quinn, que deixou de ser DE para se tornar um OLB no novo esquema tático. Além deles, Connor Barwin, recém-chegado da Philadelphia, promete ajudar, tanto com suas jogadas como com sua experiência.

No entanto, a secundária ainda é um ponto de interrogação. Trumaine Johnson e Maurice Alexander são os titulares da última temporada que retornam para uma nova aventura. Nas outras posições, brigam pela titularidade na posição de cornerback Nickell Robey-Coleman e Kayvon Webster. Já entre os safeties, John Johnson, escolha de terceira rodada no último draft, e Lamarcus Joyner, disputam a última vaga de titular.

Não é só isso

Assim como fizemos com Kansas City, é importante lembrar dos Special Teams dos Rams. Esse, que foi o grupo mais bem-sucedido da era-Jeff Fisher, segue inalterado: Greg “The Leg” Zuerlein continua como kicker, assim como Johnny Hekker como punter e Tavon Austin retornando chutes. O técnico John Fassel, que assumiu a equipe interinamente após a demissão de Fisher, retorna para o cargo de coordenador. Esperamos, assim, que Los Angeles continue com suas jogadas divertidas nos times especiais – especialmente aquelas que enganam Seattle.

Palpite: Os Rams ainda não são um time bem balanceado. O ataque precisa de playmakers, já que, hoje, não podemos confiar 100% em Sammy Watkins e Todd Gurley. A defesa fará o suficiente para vencer muitos jogos, mas, no final, o time esbarrará nas limitações técnicas de Jared Goff e da linha ofensiva. Após esse ano, o experimento com Goff terminará. E, quem sabe com a iminente campanha medíocre, Los Angeles possa escolher um verdadeiro franchise QB na suposta classe recheada de 2018.

Esqueçam Tony e Jimmy: tudo o que o Bills precisa está em Tyrod Taylor

A temporada de 2016 chegou ao fim da maneira mais eletrizante possível, com um dos melhores Super Bowls dos últimos tempos. Infelizmente, junto com ele vem a depressão que chamamos de inter ou pré-temporada, afinal, como já disse Belichick, o trabalho para 2017 já começou na segunda feira passada: o show não para.

Mas como preencher o grande vazio em nossos corações. Explorar outros esportes? Priorizar outras partes importantes da vida? Obviamente não. Vamos especular fatos que podem acabar não acontecendo, criticar decisões que podem acabar sendo as corretas e tudo isso envolvendo a principal peça de cada time: o quarterback.

Logicamente, se já nessa época da temporada seu time não tem definido quem será o titular que o levará aos playoffs, saiba que tudo começará mal. Pare de ler um instante e confira os participantes dos últimos SBs: nos últimos 30 anos, somente Trent Dilfer, que venceu o SB XXXV pelo Baltimore Ravens, chegou no time e no mesmo ano disputou (e no caso dele, ganhou) o grande jogo. Para colaborar com a história, ele foi dispensado no ano seguinte, o que prova que ele mais “não atrapalhou” do que realmente ajudou aquela incrível defesa campeã.

Entretanto, existem times que acham que podem repetir o feito dos Ravens – e, inevitavelmente, irão quebrar a cara tentando. Com vocês, a participação especial do Buffalo Bills, que sequer chegou aos playoffs nas últimas 17 temporadas, pior marca da NFL, querendo se livrar de Tyrod Taylor – o QB que, provaremos, é melhor do que as demais opções.

Além de tudo, com o salário “mixaria” que deverá ter: US$ 27.5 milhões garantidos apenas por quatro anos. Lembra do salário do Osweiler? Não olharei porque não quero me deprimir. Enfim, tudo o que Bills deveria fazer era nada e deixar o contrato ativar-se no dia 12 de março de 2017. Mas parece que Buffalo resolverá “tomar uma atitude”.

Spoiler: será uma grande besteira.

“Confiem em mim, porra!”

Por que optar pela imobilidade

E quando falo em imobilidade, quero dizer que os Bills não deveriam fazer nada e não que eles deveriam trocar o veloz Tyrod Taylor pelos pocket passers que estão como opção no mercado. Primeiramente, vamos ter claras as opções: Jay Cutler deve ser dispensado, mas não seríamos loucos de propor um absurdo desses a qualquer time, o tempo de Cutler já passou e ele fracassou. Já Kirk Cousins também pode acabar sem contrato, mas os Redskins serão obrigados a dar os 20 e poucos milhões de dólares que ele peça simplesmente porque é assim que a vida funciona.

Também temos a classe de rookies, que pode ser resumida em um “talvez um ou outro se torne um bom jogador, mas certamente não será em 2017”.

Isso tudo acabará restringindo nossa discussão a dois QBs de mesma origem: Eastern Illinois, universidade que basicamente tudo o que produziu de útil para o mundo da NFL dentro das quatro linhas possivelmente estará restrito a estes nomes: Tony Romo, quarterback de melhor rating e pior ombro da história da NFL, e Jimmy Garoppolo, mais um rostinho bonito, desses que estão em falta na liga. Mas entre estes nomes, a decisão sábia seria manter Taylor.

Primeiro, porque os dois devem custar escolhas do draft para consegui-los. Jerry Jones pode até ser amigável e imitar o que Indianapolis fez com Peyton Manning, dispensando Romo por gratidão para que ele possa estender um pouco mais sua carreira (ainda que declare o contrário, já que “Romo ainda pode ser útil”, “me doeria muito vê-lo com outra camisa” e blablabla). Mas Garoppolo certamente não sairá de graça. Sequer barato. Porque quem manda em Garoppolo é Belichick e “it’s all business”.

Estabelecidos custos, ainda há mais motivos para não ir atrás de Romo. Com Romo, o seu time deve estar pronto para tentar o Super Bowl por dois ou três anos, para em seguida começar todo o processo de buscar uma solução na posição novamente (ou ficar preso com um QB que nunca se sabe quando te deixará na mão, não é mesmo, Arizona Cardinals?).

Mais do que isso: uma pancada bem dada e você acaba na mão de um reserva medíocre como estava em março. Tudo bem, você pode até acreditar que o próximo ano será saudável para Romo, mas 2016 também deveria ter sido. E melhor ainda: os números de Dak Prescott, que mantiveram Romo no banco em 2016, foram os seguintes: 1,8 TDs, 0,5 turnovers e 247 jardas por jogo. Os de Tyrod Taylor? 1,5 TDs, 0,5 turnovers e 240 jardas por jogo, sem o seu melhor alvo e sem a melhor OL da liga – aliás, muito longe disso.

Jimmy Garoppolo tem um asterisco ainda maior ao lado do seu nome. Em apenas duas partidas, ele certamente pareceu muito bom, dominante, seguro. Mas extrapolar de 2 a 16 é sempre temerário, como aprendemos todos os anos na NFL. Essencialmente, Garoppolo ainda é um rookie em termos de tempo de jogo, o que clama por erros estúpidos até ele se acostumar com a vida real.

A lógica também diz que quarterbacks de segunda rodada não chegam prontos à liga e precisam sofrer para crescer. Somados a isso, voltemos a Belichick: se talvez nem Tom Brady seria Tom Brady não fosse o trabalho de Bill, por que vamos nos deixar levar pela mesma situação que produziu pérolas como Matt Cassel e Brian Hoyer?

Por que Tyrod Taylor?

Seguindo o raciocínio aplicado a Garoppolo, Tyrod Taylor está entrando em seu terceiro ano prático de NFL. Obviamente, seus quatro anos em Baltimore após ser escolhido na sexta rodada do draft de 2011 (aquele maravilhoso, de Locker, Gabbert e Ponder) lhe ajudaram a se acostumar à velocidade do football profissional, mas observando sua produção nesses anos anteriores, percebe-se que ele também não teve snaps significativos na posição, algumas vezes até sendo utilizado como running back ou em trick plays. Desta forma, sua carreira começou com Rex Ryan em 2015, após assinar um contrato de apenas três milhões de dólares em 2 anos e ainda assim vencendo uma disputa contra E.J. Manuel e Matt Cassel pela titularidade.

Com boas atuações enquanto efetivamente “aprendia” a ser um QB titular, especialmente protegendo a bola e não se “auto-destruindo” em nenhum jogo, elevando o nível da estrela do ataque, Sammy Watkins, ao final da temporada de 2015 Taylor recebeu um novo contrato, de possíveis 6 anos/92 milhões de dólares (15,3 ao ano, 16º na NFL), com letras pequenas que diziam: “esse contrato só valerá após o final de 2016, caso os Bills não decidam dispensá-lo e ir atrás de outro QB”.

Bora lá, caras…

2016 veio e, não surpreendentemente, sua produção foi praticamente a mesma. Entretanto, tudo o que deu errado para o time (como acabar a temporada com apenas 7 vitórias) acabou caindo na conta do jogador – que cometeu mais de um turnover apenas uma vez, enquanto a defesa de Rex Ryan definhava (19ª em jardas, 16ª em número de pontos) ou Greg Roman, seu coordenador ofensivo, era demitido após a segunda semana de temporada. Também é válido lembrar que Tyrod manteve sua produção tendo como principais alvos disponíveis o TE Charles Clay e o RB LeSean McCoy, já que Robert Woods e Sammy Watkins somaram “18 starts” e 79 recepções apenas, números que deveriam ter individualmente.

Ainda assim, seus números foram acima da média (3 TDs para cada turnover é, insistimos, trabalho de alguém que merece ser titular na NFL), somados a flashes de que não é um mero QB medíocre, como contra a sempre assustadora defesa de Seattle. Inclusive o quarterback dos Seahawks, Russel Wilson, é facilmente uma das melhores comparações do potencial que Taylor pode alcançar, assim como RGIII ou Michael Vick que, coincidentemente, saiu da mesma universidade, Virginia Tech.

Observem: ainda que às vezes percam as jogadas mais fáceis, como aquele tight end livre entre os safeties e os linebackers (com uma leve insistência em lançar para os lados do campo), têm a capacidade de lançar bombas a 50 jardas (quando tem WR capaz de recebê-las) e são tão perigosos com os pés, tanto para escapar de sacks claros como para produzir corridas absurdas dignas de running back – o que, sabemos, é uma ameaça que sempre ajuda o verdadeiro corredor, vide as 5.4 jardas por corrida de LeSean McCoy.

Tudo isso de maneira frequente, não somente em situações esporádicas. Além disso, podemos notar dois problemas também comuns aos quatro: a altura abaixo do ideal (o que ainda, sabe-se lá os motivos, broxa muitos front-offices da NFL) e a necessidade de que o OC se adapte ao jogador que tem. Mas quando seu QB pode fazer isso qual a dificuldade em se adaptar?

Para mim, especialmente com o salário devido, Taylor é uma melhor opção que Kirk Cousins. Ele não se apoia em bons recebedores nem em uma grande proteção. A consistência que ele tem com suas habilidades mostra que você pode criar um bom ataque ao seu redor. Ele não é um Jay Cutler, é um cara que pode criar jogadas, estendê-las e melhorar os jogadores que tem no seu time”, declara Cian Fahey, colaborador do site Pre-Snap Reads e autor de um livro com estatísticas após observar cada snap de cada QB da liga.

Os coaches

Existe um problema a mais em relação a Tyrod ficar em Buffalo: por mais que saibamos que Rex Ryan era um estorvo, Taylor era um de seus homens, desde quando ganhou a posição em 2015. “Nós acreditamos que temos um grande jogador em Tyrod, mas também um líder”, enfatizava o antigo treinador, antes da última temporada, sobre a crença no jogador e em sua evolução.

Entretanto, uma das principais razões para a demissão de Rex antes do fim da temporada também foi sua fidelidade a Taylor, já que os Bills, sem chances de chegar aos playoffs, queriam que o jogador não disputasse o último jogo da temporada sob o risco de sofrer uma lesão (na verdade, agravar uma lesão já existente no seu ombro) que garantiria o seu contrato. Demitido o head coach, Tyrod esquentou o banco.

Sean McDermott, o novo treinador em Buffalo, por outro lado, chegou com declarações políticas sobre Taylor: “Tomemos o nosso tempo para tomar decisões em relação à uma posição tão crítica”. Apesar disso, Rick Dennison, novo coordenador ofensivo da equipe de McDermott, é conhecido por utilizar um ataque West Coast, que poderia servir bem para Taylor, ainda que o treinador tenha mais experiência em trabalhar com jogadores mais “tradicionais”, mesmo que de diferentes níveis, como Peyton Manning, Jay Cutler e a aposta em Trevor Siemian.

De qualquer forma, fica estabelecido que Taylor será uma boa opção e que fará algum time feliz em 2017, seu terceiro ano como titular, normalmente um período de breakout para muitos jogadores. Palpite? 4 mil jardas totais e um ratio de 5 TDs para cada turnover, além de finalmente aterrorizar nos playoffs. Resta saber se os Bills serão sábios o suficiente para serem os vencedores dessa brincadeira ou Tyrod levará seus talentos para algum outro lugar – que não seja Cleveland, que não seja Cleveland, que não seja Cleveland…

O complicado conto de fadas do quarterback e seu treinador

Quando assumiu o comando do Buffalo Bills, no início de 2015, Rex Ryan foi logo garantindo que o time conseguiria a classificação aos playoffs. É o tipo de declaração ousada e irresponsável, especialmente para o novo técnico de um time que há anos não faz nada digno de ser lembrado e que sustenta a indesejável marca de mais tempo sem disputar uma partida de pós-temporada – aliás, a última aparição do Bills lá foi há 16 longos anos. Desde então, foram apenas duas temporadas com mais vitórias do que derrotas e uma série de vexames dentro da divisão: entre 2008 e 2013, por exemplo, foram seis temporadas consecutivas terminando em último lugar na AFC East.

Se o passado precisa ser esquecido, tudo que resta ao torcedor do Buffalo Bills é a esperança de um futuro melhor. E quando surge um técnico que vem logo garantindo glórias, alguns desavisados podem acabar acreditando. O problema é que todo mundo sabe que Rex Ryan é um grande fanfarrão. Nunca esqueceremos que, quando era o head coach do New York Jets, chegou a garantir que o time ganharia um Super Bowl. A confiança na transcendência daquele Jets que ele ajudou a construir era tanta que Rex tatuou uma imagem de sua esposa vestindo a inesquecível camisa 6 de Mark Sanchez. Você provavelmente não acredita que algo tão bizarro e doentio possa ser verdade, mas temos provas do crime.

BRpXB3HCMAAGcaV.jpg large

A imagem mais incrível que a NFL pode nos proporcionar.

Rex chegou muito perto de cumprir sua promessa, é verdade – o Jets perdeu dois AFC Championship Games consecutivos, logo em seus dois primeiros anos. Se tivesse vencido pelo menos um Super Bowl, provavelmente ainda estaria no Jets e a tatuagem de Sanchez talvez não nos parecesse um sinal de algum transtorno psiquiátrico ainda desconhecido. Mas não venceu, assim como o Buffalo Bills não foi aos playoffs em 2015. As promessas foram em vão.

Quando se trata do Buffalo Bills– ou de qualquer outro time que coleciona fracassos recentes– não podemos nos ater muito ao que passou. Se Rex não cumpriu sua promessa, ao menos conseguiu desenvolver uma base sólida para os próximos anos, especialmente no ataque. O Bills, depois de muito tempo, tem estrelas: LeSean McCoy e Sammy Watkins, quando saudáveis, estão entre o top 5 de suas posições em termos de talento. Tyrod Taylor ainda não alcançou o mesmo status, mas é um quarterback que dá sinais de que talvez possa evoluir ao nível de um titular acima da média.

Se juntarmos esse ataque talentoso a uma defesa sólida, que vem evitando vexames ainda maiores, podemos criar a ilusão de que o Bills chegará a algum lugar em 2016. Porém, ao contrário de Rex Ryan, não vamos prometer nada. Afinal, trata-se de um time que conseguiu perder quatro Super Bowls consecutivos na década de 90 e que, simplesmente, não consegue dar o próximo passo.

Tyrod Taylor, o semideus

Tyrod Taylor talvez tenha sido o QB mais improvável de 2015. Venceu a disputa pela titularidade em uma batalha com o veterano Matt Cassel e com E.J. Manuel, uma das escolhas de primeiro rodada mais absurdas de todos os tempos e que ainda permanece no elenco do Bills. Como titular, teve uma temporada de um sucesso que no máximo pode ser classificado como moderado. Porém, em um time que já dependeu de E.J. Manuel, foi logo colocado em um pedestal e recebeu o exagerado apelido de TyGOD Taylor. A admiração da torcida e a temporada razoável em 2015 renderam uma extensão contratual de cinco anos valendo US$ 92 milhões.

Você deve estar pensando que um QB mediano, abaixo da média de peso e altura e que teve apenas uma temporada razoável como titular não valha tudo isso. E não vale mesmo. Assim como Rex Ryan, o salário de Taylor promete algo que provavelmente não vai cumprir. O Bills se cercou de cuidados e acrescentou cláusulas que proporcionam total flexibilidade, permitindo que o time se livre de Tyrod a partir de 2017 sem grandes consequências no salary cap. Basicamente, trata-se de um contrato de um ano que vale apenas US$ 9,5 milhões.

É um excelente negócio para o Bills, que dá mais uma oportunidade de crescimento para um QB promissor sem colocar em risco o futuro do time. Para Taylor, é a oportunidade de jogar em um nível muito mais alto do que já jogou para fazer com que o contrato seja cumprido até o fim.

Entre os cenários disponíveis, o mais provável é que Tyrod mantenha o que mostrou em 2015, o que pode ser difícil para um QB que depende muito das pernas para ganhar jardas. Nos últimos anos vimos Colin Kaepernick, Robert Griffin III e Michael Vick conseguirem bastante sucesso correndo com a bola e logo em seguida desaparecerem completamente. As defesas da NFL se adaptam muito rapidamente às novidades e Tyrod já não é mais o desconhecido que até pouco tempo esquentava o banco de Joe Flacco no Baltimore Ravens. Taylor terá que melhorar, principalmente, em passes de curta e média distâncias, já que em 2015 foi um dos QBs mais eficientes da liga em passes longos. Quando não corria com a bola, lançava passes longos em play actions, o que é muito pouco para quem quer ser um franchise quarterback. Ele precisa aprimorar sua capacidade de leitura rápida em jogadas com rotas curtas/médias. Precisa, resumidamente, ser um pouco mais pocket passer.

Sammy Watkins, LeSean McCoy e quem mais?

O sucesso de Tyrod Taylor – e de qualquer QB mediano – passa, em grande parte, pelo desempenho de seus recebedores. WRs acima da média, como Calvin Johnson e Odell Beckham Jr., conseguem potencializar o jogo de seus QBs.

Sammy Watkins é, sem dúvida, um dos melhores recebedores da NFL atualmente. Mas para que seu potencial seja plenamente atendido, ele precisa se manter saudável, o que parece ser um grande desafio se levarmos em conta seus dois anos como profissional. Ainda se recuperando de uma cirurgia para corrigir um osso quebrado no pé, Watkins começa a temporada de 2016 como a grande chave para o sucesso ofensivo do Bills. Se conseguir participar de pelo menos 12 jogos na temporada, é praticamente certo que passará de 1000 jardas recebidas e se aproximará de 10 TDs.

Se olharmos para o grupo de recebedores do Buffalo entenderemos por que Sammy Watkins é tão importante. Tirando o WR Robert Woods e o TE Charles Clay, que já tiveram alguns momentos produtivos, o restante dos jogadores faz parte de um grupo de desconhecidos que poderiam estar fritando hamburger em um fast food qualquer.

Talvez o Buffalo Bills nem precise de muitas opções em seu ataque aéreo. Além de falar bastante, Rex Ryan gosta muito de ver seu ataque correndo com a bola: Buffalo liderou a NFL em jardas terrestres e foi o segundo em tentativas de corrida em 2015.

LeSean McCoy já foi o melhor RB da liga e só não permaneceu no posto devido a contusões e a um comportamento questionável fora de campo, que inclusive colaboraram com a troca que o mandou para Buffalo pelo LB Kiko Alonso, que foi para o Philadelphia Eagles. Assim como Watkins, a questão para McCoy é a saúde. Se conseguir permanecer saudável, com o volume de carregadas que receberá, é difícil imaginar um cenário em que não termine no top 10 da liga em jardas e TDs.

Karlos Williams, o reserva de McCoy que foi uma das revelações de 2015, quando marcou 7 TDs, está suspenso por quatro jogos pelo uso de substâncias proibidas. Além da suspensão, Williams já tinha aparecido para treinar muito acima do peso. Segundo ele, a culpa dos quilos a mais era da gravidez de sua namorada, já que ele não podia deixar que ela atendesse aos desejos de grávida sozinha. Bizarrices à parte, pelo menos durante a sua suspensão, não há nenhuma opção além de LeSean McCoy. Com o histórico de contusões do titular, o jogo corrido do Bills pode se tornar rapidamente uma grande bagunça.

tyrodao

Destrói lá, Tyrod. Mas sem pressão, tá?

Uma defesa desfigurada

Com esquemas complexos, que envolvem muito movimento e blitz exóticas, Rex Ryan criou a fama de ser um especialista em defesa. Nos anos em que levou o NY Jets à final da AFC, sua defesa foi a número dois da liga. Porém, como já vimos antes, Rex também é especialista em falar demais. Logo que assumiu o comando do Bills, além de prever a classificação aos playoffs, afirmou também que sua defesa seria a melhor da NFL em 2015. Como todas as suas promessas, essa também não se realizou. Muito pelo contrário: o Bills foi a quarta melhor defesa da liga em 2014, enquanto em 2015, o primeiro ano da era Rex, a defesa foi apenas a número 19. Uma queda vertiginosa.

O péssimo desempenho pode ser explicado pela ausência de pass rush. O Bills foi o segundo pior time da liga em 2015 em sacks, com apenas 21. Para efeito de comparação, o Denver Broncos, vencedor do Super Bowl, conseguiu 52.

O Bills até tentou melhorar nesse aspecto e procurou suprir as necessidades defensivas no draft. As três primeiras escolhas do time foram defensores. No primeiro round, draftou o DE Shaq Lawson, que acabou tendo que fazer uma cirurgia no ombro e não deve fazer sua estréia até  sexta semana. A escolha de segundo round, LB Reggie Ragland, que deveria ser titular, deve perder toda a temporada com os ligamentos do joelho rompidos.

Além dos calouros, o Bills perdeu também o DT Marcell Dareus, suspenso por quatro jogos por uso de substâncias ilícitas. A perda de Dareus, que no início da temporada de 2015 assinou um contrato de seis anos com US$ 60 milhões garantidos, deve colaborar com a piora tanto da defesa contra o jogo corrido quanto da pressão no quarterback adversário.

Outra perda, que não deve ser tão sentida quanto a de Dareus, foi a do LB IK Enemkpali, famoso por ser o responsável pelo soco que tirou Geno Smith dos primeiros jogos do Jets em 2015, que rompeu os ligamentos do joelho no jogo contra o Indianapolis Colts pela pré-temporada.

Como não consegue se conter, Rex Ryan já foi avisando que, mesmo com as contusões e suspensões, a defesa do Bills em 2016 será melhor do que a da temporada passada. Já não acreditamos mais, Rex.

Palpite: LeSean McCoy e/ou Sammy Watkins perderão vários jogos com contusões, Tyrod Taylor mostrará que não passa de um bom reserva e o Bills não irá aos playoffs. Rex Ryan será demitido e terá que se reinventar na arte de confeccionar promessas inviáveis como coordenador defensivo de um time ainda mais irrelevante.