Posts com a Tag : Matthew Stafford

Um peru amargo, um golpe de marketing e um time ruim

Você deve se perguntar porque diabos, ano após ano, o Lions passa vergonha no dia de Ação de Graças. A resposta óbvia é, que bem, é uma tradição – e todos sabemos que tradições devem ser respeitadas. Então, todos os anos, desde 1934 – excetuando uma pequena interrupção durante o período da segunda Guerra Mundial -, o Detroit Lions entra em campo na quinta-feira de Thanksgiving.

O fato é que hoje os Lions não são sinônimo de muitas coisas boas, então talvez a associação com o dia de “Ação de Graças” seja a melhor delas.

História

Há quase oito décadas, na última quinta-feira de novembro, Detroit se divide entre perus e a bola oval – seja nas épocas boas (qualquer ano com Barry Sanders carregando a pelota em direção ao nada), ou nas más (volte na linha do tempo até 2008 e relembre a gloriosa temporada 0-16).

A tradição, porém, começou com um golpe publicitário de fazer inveja a qualquer agência descolada da Vila Olimpia (SP) nos dias atuais: em 1934 os Lions estavam em sua primeira temporada em Detroit, após deixar Portsmouth (Ohio), ainda como Spartans; uma bela cidade, dizem os registros, mas pequenas demais para uma franquia da NFL.
Mas, mesmo com uma campanha com 10 vitórias e apenas uma derrota, os registros de público eram constrangedores: em média 10 mil #guerreiros acompanhavam o time, em uma cidade cujo a grande paixão era o baseball – o próprio Detroit Tigers tinha vencido um bilhão de jogos naquele distante ano, ocupando todo o espaço no coração daquele sofrido povo de Michigan.

À essa altura ainda havia esperança.

Desesperado para parar de passar vergonha, George A. Richards, proprietário de uma rede de rádios e que havia comprado a franquia e a levado para Detroit teve então a brilhante ideia de “adiantar” o duelo contra o Bears alguns dias – além de usar sua influência para que mais de 90 estações de rádios ao redor dos EUA transmitissem a partida.

Detroit, claro, perdeu, mas uma multidão para os padrões da época (26 mil desocupados) passou pelas catracas, além de muitos (10 mil, esses ainda mais desocupados), terem acompanhado a partida nos arredores do University of Detroit Stadium.

Hoje o Lions tem um campanha de 36 vitórias, 39 derrotas e 2 empates em jogos no dia de Ação de Graças. Entre 2004 e 2012, aliás, uma sequência de 9 derrotas – interrompida por quatro animadores triunfos nos anos seguintes. De qualquer forma, frustrar uma torcida também parece ser tradição em Motor City.

Tradição

Por que passar o feriado mais importante do país sentado ao longo da avenida Woodward enquanto suas extremidades congelam lentamente? Tradição e família, responderá qualquer morador de Detroit, que chegou à Woodward antes mesmo das 8 horas da manhã.

Um povo sofrido.

Então resta acompanhar um dos maiores desfiles do país por cerca de três horas e entao rumar para o Ford Field, assistir o Lions. A casa da franquia, aliás, traz um pouco de calor: é um dos estádios mais charmosos da NFL e, quase como aquela sua tia simpática, o presenteia logo na chegada.c

Dias antes do jogo, em entrevista à imprensa local, o S Glover Quin foi questionado sobre sua memória favorita do dia de Ação de Graças: “Vencer, eu acho. Eu estou invicto”, respondeu. E até então, o Lions vinha com uma campanha incrível em novembro sob o comando de Jim Caldwell (11 vitórias e 3 derrotas, desde 2014). Aliás, com Caldwell como HC, foram 4 vitórias na tradicional data.

“O duelo contra o Eagles foi muito divertido”, relembrou o QB Matthew Stafford, se referindo a partida de 2015. “Sempre que você vence, o peru tem um gosto melhor”, completou.

Naquele dia, Stafford completou 27 passes em 38 tentativas, para 5 TDs e mais de 300 jardas. E, bem, foi um bom dia em Detroit.

Ganhar é melhor que perder. Mas perder faz parte. 

“Tudo bem perder”

Nesta quinta-feira de Ação de Graças o Lions recebeu o Vikings, disputando o topo da NFC North, já que o Bears não merece ser levado a sério e o Packers sem Aaron Rodgers é, na melhor das hipóteses, um amontado de figurantes de The Walking Dead.

E o Lions perdeu, é claro. Como quase sempre perde. Stafford foi irreconhecível nos primeiros trinta minutos e Jim Caldwell ainda não percebeu que tem um time física e mentalmente incapaz de correr com a bola. Mesmo assim, Eric Ebron não dropou nenhuma bola, chocando a torcida local em um claro milagre de Thanksgiving.

A calmaria antes da tempestade.

Mas, por um momento, Detroit empatou o jogo nos instantes finais, bloqueando um FG e retornando-o para TD (confira o lance aqui). Durante aqueles poucos segundos, desconhecidos se abraçaram, o Lions ganhou alguns novos torcedores e tudo fez sentido – mesmo que na realidade, Darius Slay tenha cometido uma falta e Nevin Lawson tenha corrido 85 jardas em vão.

Quando falamos que desconhecidos se abraçaram, não mentimos. Essa foi a nossa reação na arquibancada. Como assistimos o jogo atrás do Goal Poast (o popular “Y”), não deu para ver a falta que eventualmente anularia a jogada. Por isso, fomos do êxtase à decepção em questão de segundos. Ouça como foi:

Por muito tempo, o jogo de Ação de Graças trazia consigo uma dualidade para Detroit: uma equipe horrível em campo, mas que por um dia o país pararia assisti-la. Perder, no esporte, normalmente lhe faz mais forte e, de qualquer forma, jogar (e perder) no maior feriado nacional, ano após ano, provavelmente seria uma tradição insignificante para torcedores de Patriots, Packers ou Steelers, franquias acostumadas aos holofotes e ao frio de fevereiro.

Mas ir ao Ford Field após congelar na Woodward Avenue ainda é a única a coisa que os Lions têm – e, graças a Deus, esporte não é sobre vencer.

Porque, eventualmente, as coisas têm que dar certo

A maldição de Bobby Layne

Bobby Layne comandou Detroit em três títulos da NFL, até ser trocado em 1958. Ele havia se machucado na última temporada, e os Lions decidiram mandá-lo para Pittsburgh. Ao deixar a cidade, Layne praguejou: seu ex-time não venceria mais nada por 50 anos.

Dito e feito. No intervalo da “maldição”, Detroit só venceria um jogo de playoff – em 1991, o suficiente apenas para não ser a franquia há mais tempo sem vencer na pós temporada. Desde aquela partida, são oito viagens aos playoffs. E oito derrotas.

A maldição deveria terminar em 2008. Naquele ano, a torcida até acreditou que o azar havia acabado, com um grand finale digno de cinema: a temporada marcou os Lions para sempre na história, como o único time a perder todos os dezesseis jogos. Dali pra frente, não dava para cavar mais fundo. A franquia só podia ir para cima. Porém, como não estamos em Hollywood, Detroit até melhorou nos anos subsequentes, mas nada que fizesse o torcedor bater no peito com o orgulho e bradar: “Aqui é Lions, PORRA!!!

Força, amigo.

A desgraça, ela é eterna

Todo time é feito de ídolos. Sem eles, você acaba sendo um New England Patriots: a menos que o melhor técnico de todos os tempos e um menino de ouro salvem a franquia do anonimato, ninguém conhecerá sua história.

Antes que você, torcedor dos Patriots, destile seu ódio nesse texto sobre o Lions, pare para pensar em quantos ídolos você conhece antes de Brady – não vale citar Drew Bledsoe.

Nota da edição: Procuramos por Patriots Idols no Google Imagens e só vimos fotos de jogadores recentes ou da década passada. Então deixamos essa menção aleatória ao time de New England passar.

Mas, e se os ídolos do seu time resolverem parar de jogar por ele, porque simplesmente não aguentam mais? É o caso dos Lions.

Barry Sanders, o maior ídolo da franquia, resolveu se aposentar porque estava insatisfeito com a incapacidade dos Lions de montar um time competitivo. “Era difícil me manter focado em motivado“, Sanders contou em seu livro, que revelou para o mundo o verdadeiro motivo de sua aposentadoria.

Com Calvin Johnson Jr. não foi diferente. O jogador, que abandonou a NFL quando ainda poderia produzir muito, também demorou, mas revelou os motivos de sua aposentadoria: “Não via a chance de eles ganharem um Super Bowl na época. Pelo trabalho que eu fazia, não valia meu tempo continuar batendo a cabeça na parede, e não chegar a lugar nenhum.”

Não os culpamos.

O messias e seus amigos

Finada a maldição de Bobby Layne, os Lions esperam que um homem leve a franquia de volta para o caminho das vitórias: Matthew “is he worth it?” Stafford. Stafford é o quarterback de Detroit desde 2009, quando foi escolhido na primeira escolha geral do draft. Hoje ele é o jogador mais bem pago da liga – amanhã será outro QB de outro time desesperado.

Matthew é um bom jogador, mas possui números bastante questionáveis quando joga contra times com um winning record. Ao menos é a maior certeza que o time tem na posição de quarterback desde que as cores existem.

A banda agora é de um homem só.

Jogando na posição de running back, os Lions contam com Ameer Abdullah e Theo Riddick. O primeiro é mais eficiente correndo com a bola, enquanto o segundo é melhor recebendo passes. Se eles conseguirem se manter saudáveis (não foi o caso em 2016), o backfield pode ser bastante produtivo. Ao menos Zach Zenner, atualmente o segundo melhor RB branco da liga, se mostrou um backup razoável.

O corpo de WRs será comandado por Golden Tate, um dos jogadores mais divertidos da NFL. Marvin Jones Jr, porém, irritou muito a torcida no ano passado, mas já teve seus momentos de destaque. Fecha o grupo Kenny Golladay, que, após jogadas brilhantes na preseason, entrou no radar de muita gente como futuro membro do Hall da Fama – o futuro sem Calvin Johnson realmente não parece muito empolgante. 

Não espere, neste site, mais uma take do tipo “esse é o breakout year do Eric Ebron!“. Nós não diremos isso, porque não será. E é bem possível que Michael Roberts, escolha de quarta rodada esse ano, se destaque mais que ele.

A linha ofensiva foi reforçada durante a offseason, mas perdeu o OT Taylor Decker, que só deve voltar de lesão no meio da temporada. Para o seu lugar, o time trocou dois bonés por Greg Robinson, que é péssimo. Será a missão de Graham Glasgow, Travis Swanson, TJ Lang e Rick Wagner consertar suas eventuais cagadas. Eles são bons jogadores, se pelo menos isso serve de alento.

Tentando ser boa pela primeira vez na história

Começando pela linha defensiva, a defesa de Detroit está repleta de incertezas. A’Shawn Robinson, escolha de segunda rodada em 2016, e Haloti Ngata, já em final de carreira, jogam pelo meio. Com a perda de Kerry Hyder, Ziggy Ansah deve ser o único pass rusher de destaque da equipe.

O corpo de linebackers não era bom, e os reforços que vieram também não são certezas absolutas, o que preocupa. Jarrad Davis não foi a escolha mais empolgante da primeira rodada desse ano, e Paul Worrilow também é recém-chegado, mas vem de uma temporada decepcionante em Atlanta – onde perdeu a titularidade. Tahir Whitehead teve um bom ano em 2016, e talvez seja o jogador mais confiável do grupo.

A secundária é comandada por Darius Slay, um dos melhores cornerbacks da liga. Opostos a ele, Nevin Lawson e Teez Tabor, escolha de segunda rodada, devem revezar a titularidade. O safety Glover Quin tem sido um bom jogador em Detroit, e agora jogará ao lado do pouco-inspirador Tavon Wilson.

Palpite: O time dos Lions não empolga. A ida aos playoffs no ano passado foi algo aleatório, e esse ano a briga será para não ser o pior time da divisão. A equipe conseguirá vencer no máximo meia dúzia de jogos em 2017. A ideia de ser grande vai continuar para o futuro. Essa também será a última temporada (graças a Deus) de Jim Caldwell como um head coach da NFL. 

Como ser um time melhor sem um dos melhores jogadores da sua história

Durante o duelo contra o Jacksonville Jaguars na semana 11, em um dos milhares de intervalos comerciais proporcionados pela NFL, Calvin Johnson apareceu no telão do Ford Field. Era na verdade uma pequena peça promocional desejando boa sorte a um dos maiores ídolos da franquia em seu novo projeto pós-aposentadoria: Dancing With Stars. Vários aplausos, mas lá no fundo, tudo soava como falso apoio de amantes recém rejeitados – semanas depois, como um bom Lions, ele terminaria a disputa na terceira colocação. Mas essa é outra história.

A dor é compreensível, afinal, a perda de um grande amor nunca é facilmente superada. E Calvin Johnson sempre esteve naquele rol de jogadores que, mesmo que você odiasse os Lions, era impossível não adorar vê-lo em campo em uma tarde de domingo. E, claro, Calvin tinha um dos apelidos mais legais de todos os esportes: Megatron. Enfim, impossível não gostar de Calvin Johnson.

De qualquer forma, Calvin já era excelente quando estava no college. Quando chegou à NFL, seu sucesso era certo. Joe Anoi, seu companheiro de equipe na faculdade, certa vez chegou a declarar. “Para ser tão talentoso como ele é, para ser tão fisicamente dominante como ele é… Calvin é uma obra-prima que só Deus pode construir. E o que ele faz em campo sequer se compara com o tipo de pessoa que ele é”. Opinião semelhante tem Chan Gailey, seu treinador na universidade de Georgia Tech. “Nunca tive outro como ele, seja na faculdade ou na NFL. Nunca tive outro WR tão grande e rápido e com esta coordenação olho-mão”.

Mas, claro, sempre há que se considerar os argumentos dos detratores: Calvin jogou no período certo para um WR. Hoje, você não pode mais parti-los ao meio, não pode exercer pressão após míseras cinco jardas, não pode marretar seus crânios, você não pode sequer trombá-los quando estão correndo. Caras como Jerry Rice ou Lance Alworth devem ver as partidas atuais e imaginar seguidas temporadas com 2000 jardas e 20 touchdowns – e eles não estariam exagerando. Mas abrir esta margem para a discussão apenas evidencia o quão efetivamente é impossível comparar atletas de eras diferentes; são novas regras, períodos opostos no tempo e situações distintas.

Ao mesmo tempo, se torna impossível desconsiderar suas sete (em nove) temporadas com mais de 1100 jardas recebidas. Ou o absurdo que foi seu ano de 2012, beirando as 2000 jardas – ao todo, foram 1964 – com, fato curioso, apenas 5 TDs. Em nove temporadas, Calvin atingiu 11619 jardas, com uma média de 15,9 jardas por recepção e 83 touchdowns. E tudo isso com um quarterback como Matthew Stafford.

Fazendo coisas impossíveis.

Presente e futuro

E aqui já podemos começar a falar sobre Stafford e o presente do Detroit Lions. Com a aposentadoria repentina de Calvin, a principal dúvida que pairava sobre os fãs do Lions residia também sobre seu QB. Stafford é realmente bom? Matthew tem potencial para ser realmente grande? Ou é apenas mais um quarterback superestimado? Talvez ele apenas tivesse ganhado na loteria ao ter Megatron ao seu lado, não? Quais seriam seus números reais se retirássemos as 20 ou 30 recepções absurdas, toda temporada, que nenhum outro mortal seria capaz de fazer?

As respostas começaram a vir em 2016, com uma versão Lions-sem-Megatron que não faz nada que seja digno de nota: até a semana 15, Detroit tinha uma média de 21.5 pontos por jogo, a 20ª da NFL; eram também 253,6 jardas aéreas (12ª), 81.7 jardas corridas (30ª) para uma média final de 335.3 jardas totais (30ª). A defesa também esteve longe de encher os olhos, sendo uma das poucas a permitirem a Case Keenum (que Deus o tenha!) um jogo de 300 jardas na carreira – algumas semanas depois, ele seria relegado ao banco em Los Angeles.

A sensação é que sem o talento de Calvin Johnson o Lions é chato, pragmático, quase tedioso e incapaz de impor seu jogo sobre qualquer adversário. E mesmo assim, eles estão 9-5. Mas por que uma equipe destinada a perder insiste em vencer?

Bem, enquanto o Lions não se destaca em nenhum aspecto do campo, ao menos eles têm sido minimamente sólidos em cada setor. “Creio que conseguimos construir uma equipe com muita profundidade”, disse o WR Golden Tate durante uma entrevista coletiva. “E quando isso ocorre, você começa a perceber que cada um fazer seu trabalho individual trará bons resultados, e pode ser o suficiente para vencer”, completou.

Senso de equipe

Mesmo que nada salte aos olhos, o Lions tem hoje safeties e cornerbacks seguros, um quarterback, sem seu principal alvo, talvez mais ciente de suas limitações e, consequentemente, mais disposto a jogar a bola para fora ou aceitar o sack, no lugar de lança-la desesperadamente para frente e rezar para que Megatron esteja lá. O Lions tem reduzido riscos inerentes a individualidade, Stafford completa mais de 66% dos passes, segunda melhor média de sua carreira, com 22 touchdowns e apenas 8 interceptações até a week #15. E, bem, ao menos até o duelo contra o Giants na semana #14, nenhum RB havia atrapalhado Detroit.

“Quando você tem 11 caras fazendo seu trabalho, você pode esperar que a outra equipe, em algum momento, force o jogo e cometa um erro. É assim que Caldwell trabalha e eles estão se certificando de que joguemos football de forma inteligente”, disse o linebacker Tahir Whitehead. “Estamos começando a confiar em nossa preparação e no que temos por aqui. Estamos nos provando o tempo todo”, explica Golden Tate.

É está abordagem de equipe, de coletividade, que tem feito Stafford ter o segundo melhor rating de sua carreira (95.8, contra 97 na temporada passada). Em meados de outubro, Jim Bob Cooter, coordenador ofensivo da equipe, já reconhecera que não ter um talento do nível de Calvin Johnson como alvo estava auxiliando Matthew a perceber melhor as nuances do campo: “Quando você tem Calvin Johnson à disposição, um dos melhores WRs de todo o tempo é óbvio que você tenderá a lançar a bola em profundidade, não faz muito sentido não priorizá-lo e, às vezes, você substitui a leitura para fazer isso”.

Em paz com o passado

Claro, tudo isso seria considerado heresia se dito há um ano: somos condicionados a crer que grandes WRs tiram a pressão de WRs secundários e running backs, permitindo que o jogo, tanto aéreo como corrido, flua com mais naturalidade. Quando isto não ocorre, tendemos a culpar os WRs de apoio e não o quarterback. Inegavelmente, esse foi o roteiro do Lions na última década, sempre retornando ao discurso de que Calvin não tinha a ajuda necessária e era sobrecarregado. O Lions até tentou auxiliá-lo e investiu pesado no draft, selecionando Titus Young na segunda rodada em 2011 e Ryan Broyles também na segunda rodada em 2012 – que teve uma carreira digna de nota: 420 jardas, 32 recepções e 2 TDs em três temporadas. Houve tempo ainda para selecionar o TE Eric Ebron na primeira rodada de 2014, mas nada mudou até a chegada de Golden Tate.

Com Tate a pressão sobre Megatron realmente pareceu diminuir – em 2014 foram 144 targets em direção ao ex-WR do Seahawks, o maior número de qualquer recebedor do Lions que não se chamasse Calvin Johnson desde 2001. Naquele ano, o Lions terminou 11-5, contando também com um ótimo e consistente sistema defensivo.

Amizade sincera e verdadeira.

Mas essa ascensão de Golden Tate escondeu outro problema, que só seria revelado na temporada seguinte, quando a defesa ruiu: quando tudo apertava ou parecia perdido, Stafford voltava a recorrer exclusivamente a Calvin.

Em linhas gerais, Golden Tate ainda teve bons números em 2015, com 90 recepções, para 813 jardas e seis TDs – Calvin, porém, foi alvo de 23% dos passes de Stafford, com 88 recepções para 1214 jardas. O problema residia, claro, em situações de two-minute warning, quando Matthew voltava a sua estratégia corriqueira: aqui Calvin foi alvo em mais de 40% das tentativas, ou seja, apesar da solidez de Golden Tate, Johnson ainda era o a fortaleza de Stafford quando realmente importava, limitando possibilidades e restringindo sua capacidade de leitura.

A aposentadoria repentina de Megatron obrigou o Lions a se transformar em momentos críticos – tanto que boa parte das vitórias nesta temporada vieram no último quarto e por uma diferença inferior a 7 pontos. Nestas situações, hoje, nenhum recebedor é alvo em mais de 25% das tentativas.

Como disse o S Glover Quinn: “quando você tem alguém tão talentoso como Calvin, às vezes você só quer forçar a bola para que ele lhe tire de determinadas situações. Isso não irá acontecer mais”. Já o próprio Calvin, quando questionado sobre o sucesso do Lions sem ele, refletiu. “Pensava que seria mais fácil, porque normalmente iriam com marcação dupla em mim, especialmente em certas situações”.

Obviamente, em vez de tornar Detroit completamente previsível, Stafford poderia ter balanceado o talento de Johnson, distribuindo melhor a bola em situações decisivas. É o que grandes quarterbacks fariam. Como Stafford iria procurá-lo em todas as oportunidades, logicamente o adversário iria sobrecarregar os setores do campo em que Calvin estivesse.

Nem tão bom quanto esperávamos, nem tão ruim quanto imaginávamos.

Mas hoje Matthew enfim assumiu uma nova identidade, que tantas equipes tem dificuldade de encontrar. A ausência de Megatron fez com que fosse possível, definitivamente, enxergar nele um bom quarterback – ainda distante dos melhores, claro, mas também bem distante da linha da mediocridade. E talvez o Lions novamente não chegue a pós-temporada em 2016, mas o legado deste ano não pode ser perdido e o futuro pode ser promissor.

“Quem quer que seja, em determinado dia, ele estará lá”, diz Quin, sobre aqueles que agora podem decidir jogos em favor do Lions. “Na semana seguinte, tudo bem, poderá ser outra pessoa: quando você pode confiar em cada atleta do grupo, todos os 53 rapazes podem contribuir e jogar bem, o football se torna mais divertido”.