Posts com a Tag : Marshal Yanda

Tempo de recomeçar

Uma das franquias mais estáveis da NFL inegavelmente atravessa um período turbulento: Ozzie Newsone, único GM desde que os Ravens desembarcaram em Baltimore há pouco mais de 20 anos, deixará o cargo após esta temporada.

Steve Bisciotti, também conhecido como O HOMEM QUE PAGA A CONTA, admitiu recentemente que John Harbaugh, inquestionável até então, balançou no cargo após não chegar aos playoffs pelo terceiro ano consecutivo – eliminação confirmada em um jogo patético diante de um Cincinnati Bengals que não tinha mais nada a perder, exceto a dignidade – seja lá o que isto signifique.

Todo o cenário desenhado aponta que, em 2018, o Ravens joga pela vida de Harbaugh e, claro, de Joe Flacco – que está sob os holofotes (e não do ponto de vista positivo) como nunca esteve em nenhum momento de seus 10 anos de NFL até aqui.

Reconstruindo sem implodir

O Baltimore Ravens protagonizou algum BAFAFÁ no último draft, com um trade up ao final o primeiro round para selecionar Lamar Jackson, quarterback de Lousville vencedor do Heisman Trophy; uma decisão até certo ponto lógica, considerando que Joe Flacco assinou um novo contrato de seis anos pela bagatela de US$125 milhões há duas temporadas e, como habitual, muitas questões pairam sobre o QB que liderou o Ravens na conquista do seu mais recente Super Bowl.

LEIA TAMBÉM: Um conto de dois Joe Flaccos

É honesto se perguntar se Joe conseguirá, em algum momento, aproximar-se do nível de atuação que o consagrou em 2012; tanto a idade (33), como inúmeras lesões reduziram a eficiência do quarterback com o passar do tempo. É bem verdade, claro, que o elenco de apoio não contribuiu, mas é o preço a se pagar quando se investe toneladas de cap space (também conhecido como DÓLARES) em um QB de qualidade (no mínimo) questionável.

Neste contexto, também é justo pensar se os Ravens não deveriam emular um movimento similar ao que o Texans fez há pouco tempo, ao sacrificar um ano (e um draft) para se livrar do contrato de Brock Osweiler. Recomeçar com Lamar, claro, um jovem ainda extremamente cru, mas com imenso potencial físico, não seria uma atitude digna de repreensão – obviamente Jackson não está pronto para assumir o controle da franquia (talvez nem da própria vida), então assistir a última chance de RGIII enquanto o garoto de Louisville realiza a transição para o football profissional, faria algum sentido; neste cenário, os Ravens não iriam para os playoffs em 2018, mas bem, também parece improvável que eles cheguem lá se considerarmos os últimos três anos de Joe Flacco.

As novas (velhas) armas

Podemos considerar que Baltimore teve uma significativa melhora no seu corpo de recebedores  – mas as mesmas palavras foram ditas quando eles contrataram Jeremy Maclin em 2016, e todos sabemos o final desta história (errado é quem espera diferente). De qualquer forma, Michael Crabtree é uma ameaça real na endzone (são 25 TDs nas últimas três temporada), mas ele já ultrapassou a casa dos 30 anos, então é possível (e provável) que seus melhores dias sejam apenas uma lembrança.

Além disso, da FA também vieram John Brown (ex-Cardinals) e Willie Snead (ex-Saints) – é improvável acreditar que Snead contribua de fato (como sabemos, Joe Flacco não é Drew Brees), mas Brown, apesar de sofrer com diversos problemas médicos nos últimos anos, tem algum potencial.

Os TEs também são novos: tanto Hayden Hurst quanto Mark Andrews vieram do draft, dando a perspectiva de que os Ravens conseguirão ameaçar o seam, algo que não acontecia desde aquela época em que Dennis Pitta estava vivo.

De qualquer forma, embora não pareça um cenário completamente animador, as perspectivas são melhores do que as oferecidas por Mike Wallace, Jeremy Maclin e Breshad Perriman (in memorian) em 2017 – e também não é como se piorar fosse uma opção.

Pelo chão, Baltimore redescobriu o jogo corrido após dois anos fedendo. Alex Collins, que chegou no início de setembro após ser chutado de Seattle, correu para 973 jardas e seis TDs, deve continuar sendo a primeira opção, afinal os Ravens parecem acreditar que o desempenho de Alex não se trata de um ponto fora da curva, mas sim que este pode inclusive crescer se ele permanecer saudável. Kenneth Dixon também está voltando de lesão, mas resta saber se John Harbaugh confiará no menino (spoiler: não).

Já a OL, que permitiu menos de 30 sacks no último ano, traz Marshal Yanda e Alex Lewis de volta dos mortos – parece, porém, não ser suficiente, já que gente como Matt Skura e James Hurst tendem a ser incapazes de bloquear um pato manco.

Se nada der certo, já sabemos o que esperar: basta chegar ao meio do campo e esperar Justin Tucker fazer alguma mágica.

Ponto de equilíbrio

Os Ravens seriam um fracasso se sua defesa fossa abaixo da média – o que está longe de ser o caso; o sistema defensivo, que retorna praticamente intacto, permite que a equipe se mantenha competitiva: Baltimore cedeu o sexto menor número de pontos em 2017 (18.9) e liderou a liga em takeaways (34). Mas quando a pressão aumentou, a corda estourou; como nos momentos finais do duelo contra o Steelers em dezembro, ou o já citado CREPÚSCULO DE ANDY DALTON, quando um TD de 49 jardas deixou a equipe fora da pós-temporada.

De qualquer forma, a secundária é a força motriz do sistema: Jimmy Smith é um ótimo CB e Marlon Humphrey, que já impressionou em sua temporada de estreia, deve evoluir ainda mais. Tavon Young também retorna de lesão e dá ainda mais profundidade para o setor. Já o grupo Safeties tem talento de sobra em Eric Weddle e Tony Jefferson.

A DL ainda é capaz de pressionar os QBs adversários, graças a Terrell Suggs – que mesmo já cruzando a barreira dos 35 anos, vem de uma temporada com mais de 10 sacks. Além disso, Baltimore cercou Suggs com diversos jogadores jovens e talentosos, para aprender com um dos melhores atletas da posição: Matt Judon, Za’Darius Smith, Tim Williams e Tyus Bowser podem aproveitar muito a presença de Terrell – Judon, aliás, teve 8 sacks em 2017.

O corpo de LBs, porém, levanta algumas dúvidas: CJ Mosley é um monstro, mas não esteve em sua melhor forma no último ano – sobretudo graças a uma cirurgia no ombro. Ele deve retornar melhor, claro, mas outros nomes do setor, como Patrick Onwuasor (fede), tem sido uma decepção até aqui.

Palpite:

Os Ravens, por muito tempo, recusaram-se a partir para mudanças drásticas, sempre afirmando que estavam a um ou dois jogos dos playoffs (o que, enfim, não deixou de ser verdade). Mesmo assim, desde que venceu o SB XLVII, Baltimore está 40-40 na temporada regular – ser medíocre é uma boa opção na vida de uma pessoa comum, mas parece não ser uma estratégia inteligente em esportes profissionais. De qualquer forma, tudo passa por Joe Flacco: se ele redescobrir sua capacidade de conectar grandes jogadas (agora sem a importante ajuda de Rahim Moore), é possível brigar por playoffs. Se ele não o fizer, bem, pode ser a hora de começar a olhar para Lamar Jackson com mais carinho – talvez seja o que acontecerá após um 8-8.

Podcast #3 – uma coleção de asneiras III

Trazemos as lesões mais recentes da NFL e discutimos jogadores injury prone. Realidade? Mentira? O que comem? Onde habitam? Em seguida, apresentamos a realidade de alguns times, se são bons ou ruins. Por fim, sugerimos alguns jogos para o amigo leitor ficar atento nas próxima semanas!

Agradecemos a atenção e desde já nos desculpamos por pequenas falhas no áudio – somos eternos amadores em processo de aprendizagem. Prometemos que, se existir um próximo, será melhor.

Elite é só uma questão de ser

O que você pensa quando pensa no Baltimore Ravens? Talvez venha a memória a vitória no Super Bowl XLVII, talvez você se lembre que o time tem sido deveras medíocre desde então, ou talvez você simplesmente dê uma risadinha ao pensar nas piadas “Is Joe Flacco Elite?

A verdade é que ninguém sabe o que esperar dos Ravens. Se em 2014/2015 eles quase derrotaram os Patriots em New England, no ano seguinte a campanha foi de 5-11. Já no ano passado, um meio-termo: 8-8, e a não-ida aos playoffs foi decidida por um touchdown de Antonio Brown no apagar das luzes.

Antes desse intervalo, temos uma temporada de 8-8 e, um ano antes, o título do Super Bowl em 2012, que já citamos. Voltando ainda mais no tempo, entre 2008 e 2012 Baltimore venceu pelo menos um jogo de pós-temporada em todas as temporadas, perdendo duas finais da AFC no meio do caminho.

Mas o que mudou? Por que a franquia perdeu a consistência de outrora para se tornar, hoje, um time medíocre (na plena acepção da palavra)? Afinal, não sabemos se o time escolherá no Top 10 do draft ou brigará de igual para igual contra Pittsburgh ou New England nos playoffs.

Uma das causas do declínio de Baltimore pode ser o salário de Joe Flacco. Desde que teve seu vínculo renovado, Flacco passou a ocupar uma parte considerável do Salary Cap, o que impediu o time de trazer reforços, ou manter quem era da casa – veja Kelechi Osemele, um dos melhores Guards da liga, hoje em Oakland, como um bom exemplo deste paradoxo. Ao mesmo tempo que expulsava outros talentos do time, Joe se mostrou incapaz de ser o carregador de piano que se espera de um QB Elite (sim, é uma piadinha infame).

Outra provável causa é a perda de jogadores que foram peças importantes durante a boa fase da equipe. Ray Lewis e Ed Reed se aposentaram depois do Super Bowl XLVII, e talvez nunca serão substituídos a altura – tratam-se de dois Hall of Famers. Além deles, os Ravens também não contam mais com Haloti Ngata, peça importante da linha defensiva campeã da liga. Já Terrell Suggs, a última âncora daquela defesa que continua na cidade, tem envelhecido e sua produção não é mais a mesma.

Squad goals.

Do outro lado da bola, Baltimore também viu algumas peças que davam identidade ao ataque deixarem a equipe. Desde a saída de Ray Rice, o time só teve um bom ano correndo com a bola – em 2014, justamente aquele que voltou aos playoffs. Além dele, Anquan Boldin também foi embora e, com as lesões de Denis Pitta, Joe Flacco não teve mais a mesma consistência de seus recebedores (sabemos que Steve Smith Sr jogou bem, mas sofreu com algumas lesões e, quando estava em campo, era praticamente a única peça confiável recebendo a bola).

Concluindo: a perda de peças importantes e a confiança em um quarterback razoável fizeram com que os Ravens se tornassem uma franquia extremamente irregular. Será a missão de John Harbaugh evitar que seu time continue navegando rumo a ilha da insignificância, onde habita o Cincinnati Bengals.

O único lugar do mundo em que Joe Flacco é rei

O ataque dos Ravens não foi bem em 2016 (vigésima quarta posição em DVOA). E em 2017, para piorar, contará com um Joe Flacco baleado e que corre o risco de não começar a temporada jogando, apesar do que diz a comissão técnica. Logo, a expectativa não é a maior do mundo.

Considerando que Joe esteja saudável, não acreditamos que isso fará muita diferença. Se você o assistiu jogando recentemente, sabe que ele não é o cara que vai inspirar um ataque. Flacco fará o suficiente para que seu time vença algo em torno de 6 jogos – qualquer record acima disso será fruto do time ao redor dele.

Nunca mais.

No corpo de recebedores, a aposentadoria de Steve Smith deixou um buraco. Sem ele, Baltimore ficou sem um autêntico WR 1. Mike Wallace já provou que não é capaz de cumprir a função; e Breshad Perriman, escolha de primeira rodada em 2015, tem lutado contra lesões e é uma incógnita. Jeremy Maclin foi contratado e poderá assumir o posto, considerando que já fez esse papel em Kansas City e na Philadelphia com algum sucesso. Vindo de um ano de lesão, porém, não sabemos se ele conseguirá. Por fim, Griff Whalen, talvez o gênio mais incompreendido de toda a NFL, fecha o grupo.

Nota do Editor: Houve uma briga muito grande sobre citar ou não Griff Whalen no texto, já que ele está enterrado no fundo do Dept Chart. Após ameaças de demissão, decidimos ceder.

Os RBs serão Terrance West e Danny Woodhead. Woodhead talvez seja o que inspire mais confiança, mas, além de ter dificuldades em se manter saudável, ele é mais eficiente recebendo passes do que carregando a bola. Já West teve no ano passado o seu melhor ano carregando a bola, com 4 jardas por tentativa. Conclusão: ele também não é a solução para o jogo corrido, mas é o que o time tem.

Dentre os TEs, podemos citar dois fatos: o primeiro é que você provavelmente nem conhece os caras. O segundo é que está todo mundo machucado. Maxx Williams e Benjamin Watson, que devem ser os titulares, são incertezas, já que voltam de lesões.

Por fim, a linha ofensiva, que não é um dos problemas da equipe, mas não conta com jogadores muito conhecidos – somos fiéis ao ideal de não encher linguiça com nomes que o amigo leitor nunca ouviu falar. Ronnie Stanley, escolha de primeira rodada em 2016, e Marshal Yanda, um dos melhores Guards da NFL devem ser os destaques do grupo. Além deles, os Ravens escolheram Nico Saragusa (quarta rodada) e Jermaine Eluemunor (quinta rodada) no último draft.

Os verdadeiros responsáveis por levar Joe Flacco longe

Baltimore resolveu reforçar a defesa durante a offseason. Tanto na free agency quanto no draft. Talvez Ozzie Newsome tenha finalmente percebido que não dá pra esperar que Joe Flacco seja o responsável por levar o time às vitórias.

A linha defensiva terá a volta de Brandon Williams, que renovou seu contrato e é um sólido DT, e Terrell Suggs, que já citamos, e, mesmo com a idade, ainda é um bom jogador. Para ajudá-los , foram escolhidos o DT Chris Wormley e o OLB Tim Williams. O grupo tem tudo para ser uma força essa temporada.

Já dentre os LBs, o excelente CJ Mosley será o comandante da unidade, que contará também com o rookie Tyus Bowser e o segundo-anista Kamalei Correa, de quem se espera uma evolução em relação ao seu ano de calouro. 

Ainda dói.

Na secundária, Brandon Carr, recém-chegado de Dallas, e Marlon Humprey, escolha de primeira rodada, chegam para acabar com os problemas da posição de CB 2. O bom Jimmy Smith será o CB 1. Por fim, os safeties titulares serão Eric Weddle, que foi muito bem em seu primeiro ano em Baltimore, e Tony Jefferson, jogador bastante underrated e que chega de Arizona.

O melhor para o final.

Não nos esquecemos de Justin Tucker, o melhor kicker da NFL. É o que diz a máxima: “quem tem Tucker pode sonhar.” Com ele em campo, os Ravens não precisam chegar muito perto da endzone para garantir alguns pontinhos – basta chegar ao meio do campo.

Palpite: Baltimore focou nos problemas da defesa durante a offseason, mas deixou o ataque com muitos buracos. John Harbaugh é um excelente técnico (o editor deste site aparentemente o ama), mas o time não conseguirá chegar aos playoffs, já que existem times melhores na AFC. Um 6-10 da vida é o que podemos esperar em 2017.