Posts com a Tag : John Ross

A volta dos que não foram

Após um 2017 decepcionante, mudanças pareciam inevitáveis em Cincinnati. Pareciam, mas na verdade, os Bengals seguem apostando na mesma espinha dorsal que, para o bem ou para o mal, os levou para cinco aparições consecutivas nos playoffs durante a primeira metade da década: o HC Marvin Lewis, apesar dos rumores de que já estava com a senha na fila do INSS, retorna para sua 16ª temporada na NFL.

Lewis, aliás, chegou a pegar seu número: no último dia 17 de dezembro, o divórcio chegou a ser anunciado; naquela época para a surpresa de exatamente ninguém:

O fato é que Marvin não teria durado tanto tempo em qualquer outra franquia, sobretudo com seus números na pós-temporada: 0-7. 2017 também havia sido o segundo ano seguido com mais derrotas do que vitórias e seu contrato estava espirando. Poderia ter sido o fim para uma boa história de amor que durara 15 anos, afinal já era hora de injetar sangue novo na fria Cincinnati. Mas então Lewis não foi a lugar algum e renovou por mais dois anos. Quando você pensou que ele estava morto, ele retornou das cinzas.

O caso de Lewis mostra que a baixa rotação em seus principais pilares, ao menos indica que o Bengals é uma franquia estável – algo um tanto incomum em uma NFL cada vez mais sedenta pelo imediatismo.

Andy Dalton, o queridinho de Buffalo, será o QB titular pelo oitavo ano consecutivo – e terá AJ Green ao seu lado mais uma vez. Além disso, Vontaze Burfict, mesmo suspenso (novidade) pelas quatro primeiras partidas, será um dos líderes do sistema defensivo – para ele, já são sete anos em Ohio.

Estabilidade, porém, não basta. E será preciso que algumas peças ressurjam para que Cincinnati possa retornar a pós-temporada pela primeira vez em três anos. 

Ponto de partida

Dalton esteve longe de mostrar a consistência e os números que conquistou em 2015, mas mesmo assim ele está longe de ser uma peça descartável – ou mesmo dar indícios para o Bengals considerarem uma mudança na posição. 2018 será sobre Andy ser mais efetivo dentro da redzone e, sobretudo, conseguir vencer defesas sólidas; em 2017 foram cinco derrotas em que a equipe conseguiu apenas um TD ofensivo, e em nenhuma destas derrotas Dalton teve um rating superior a 80.

LEIA TAMBÉM: A perspetiva do jogo pela Sky Cam

Para isso, claro, ele precisa que suas armas estejam saudáveis – isso passa pelo TE Tyler Eifert deixar a enfermaria; Tyler somou apenas 10 partidas nas últimas duas temporadas, com apenas 5 TDs (todos em 2016); em comparação com seu melhor ano (2015), em que anotou 13 TDs e esteve em campo 13 vezes, a queda de produção de Eifert está diretamente ligada ao declínio ofensivo do Bengals. Também é fato que, quando saudáveis, Eifert e AJ Green, são opções que se completam a Dalton, tornando o ataque do Bengals dinâmico e eficiente.

O histórico, porém, indica que é improvável que Tyler consiga reviver seus melhores dias, então ajudaria se John Ross, agora em seu segundo ano, fosse capaz de receber UM PASSE – desculpem, mas ao que consta, aparentemente esta é a função de um WR.

Ross lidou com uma lesão no ombro em 2017 (foram apenas três partidas, mas zero passes tentados em sua direção) e agora espera-se que entregue algo nesta temporada. Pelo chão, a esperança está em Joe Mixon – extremamente talentoso em sua carreira universitária, mas aparentemente um maloqueiro que lida com problemas extracampo.

Mixon teve uma média ridícula de 3.5 jardas por tentativa em sua temporada como rookie, mas é possível dividir esta fatura com uma péssima OL; agora com melhores jogadores no setor, Mixon pode ser muito mais eficaz e ir além das 626 jardas conquistadas com muito suor em 2017. Giovani Bernard também segue no backfield, uma alternativa razoavelmente confiável em 3rd downs e boa opção para o jogo aéreo.

Sobre a OL, Cincinatti fez um movimento ousado para tentar solucionar o problema, adquirindo o OT Cordy Glenn, ex-Buffalo Bills, um bom upgrade para um setor combalido. Do draft veio o C Billy Price, de Ohio State, enquanto nomes como Jake Fisher e Bobby Hart (ex-Giants) devem brigar por posição. O G Clint Boling, um dos melhores da anêmica OL de 2017, também está de volta.

Um bando de malucos

Cincinatti recebeu más notícias na offseason quando foi anunciada a suspensão do LB Vontaze Burfict. Vontaze é maluco, mas é fato inegável que o Bengals é significativamente pior sem ele. Para suprir sua ausência, a franquia buscou Preston Brown (ex-Bills); Preston foi sólido em 2017, mas está longe de ser espetacular – e terá que lutar para suprir a incapacidade de nomes como Vincent Rey e Nick Vigil (já dizia o sábio: “o problema de ter perebas no elenco é que, hora ou outra, eles precisaram jogar”).

Enquanto o corpo de LBs (sem Burfict) é o elo mais fraco do sistema defensivo, a DL é ponto forte: Geno Atkins segue como um dos melhores DTs da liga. Ryan Glasgow teve bons momentos em sua temporada de estreia, e tudo aponta para uma evolução. Além deles, Carlos Dunlap teve ao menos 7 sacks em cada uma de suas últimas sete temporadas e segue eficiente no combate ao jogo corrido. Do draft veio Sam Hubbard, de Ohio State, cotado para as primeiras rodadas, mas selecionado pelo Bengals apenas no terceiro round.

Na secundária também há talento: o CB William Jackson, selecionado no primeiro round em 2016, perdeu seu primeiro ano devido a lesões, mas mostrou potencial em 2017. Outra escolha de primeira rodada (2014), Darqueze Dennard, decepcionou em seus primeiros três anos, mas vem de um bom 2017, e há espaço para melhorar. Espera-se, também, que Dre Kirkpatrick consiga se recuperar de problemas no ombro. Já os Safeties preocupam: com a partida de George Iloka (graças aos Deuses), Jessie Bates III, rookie selecionado no segundo round, é a esperança para que, em algum momento, seja possível compensar as inúmeras deficiências do setor.

Palpite:

A verdade é que Cincinnati não é um time muito bom; Andy Dalton foi capaz de levar a franquia aos playoffs anos atrás, a OL será melhor (não é como se fosse possível piorar), Burfict está fora de 25% da temporada e não há razão para crer que Tyler Eifert ressurgirá dos mortos. Um novo 7-9 é uma hipótese mais provável, mas também está longe de ser absurdo acreditar que, com um pouco de sorte, ele se transforme em um 9-7 e uma vaga no Wild Card se torne realidade. No melhor dos cenários, Marvin Lewis atualizará seu recorde em jogos de playoffs para 0-8 em janeiro.