Posts com a Tag : Geno Atkins

A volta dos que não foram

Após um 2017 decepcionante, mudanças pareciam inevitáveis em Cincinnati. Pareciam, mas na verdade, os Bengals seguem apostando na mesma espinha dorsal que, para o bem ou para o mal, os levou para cinco aparições consecutivas nos playoffs durante a primeira metade da década: o HC Marvin Lewis, apesar dos rumores de que já estava com a senha na fila do INSS, retorna para sua 16ª temporada na NFL.

Lewis, aliás, chegou a pegar seu número: no último dia 17 de dezembro, o divórcio chegou a ser anunciado; naquela época para a surpresa de exatamente ninguém:

O fato é que Marvin não teria durado tanto tempo em qualquer outra franquia, sobretudo com seus números na pós-temporada: 0-7. 2017 também havia sido o segundo ano seguido com mais derrotas do que vitórias e seu contrato estava espirando. Poderia ter sido o fim para uma boa história de amor que durara 15 anos, afinal já era hora de injetar sangue novo na fria Cincinnati. Mas então Lewis não foi a lugar algum e renovou por mais dois anos. Quando você pensou que ele estava morto, ele retornou das cinzas.

O caso de Lewis mostra que a baixa rotação em seus principais pilares, ao menos indica que o Bengals é uma franquia estável – algo um tanto incomum em uma NFL cada vez mais sedenta pelo imediatismo.

Andy Dalton, o queridinho de Buffalo, será o QB titular pelo oitavo ano consecutivo – e terá AJ Green ao seu lado mais uma vez. Além disso, Vontaze Burfict, mesmo suspenso (novidade) pelas quatro primeiras partidas, será um dos líderes do sistema defensivo – para ele, já são sete anos em Ohio.

Estabilidade, porém, não basta. E será preciso que algumas peças ressurjam para que Cincinnati possa retornar a pós-temporada pela primeira vez em três anos. 

Ponto de partida

Dalton esteve longe de mostrar a consistência e os números que conquistou em 2015, mas mesmo assim ele está longe de ser uma peça descartável – ou mesmo dar indícios para o Bengals considerarem uma mudança na posição. 2018 será sobre Andy ser mais efetivo dentro da redzone e, sobretudo, conseguir vencer defesas sólidas; em 2017 foram cinco derrotas em que a equipe conseguiu apenas um TD ofensivo, e em nenhuma destas derrotas Dalton teve um rating superior a 80.

LEIA TAMBÉM: A perspetiva do jogo pela Sky Cam

Para isso, claro, ele precisa que suas armas estejam saudáveis – isso passa pelo TE Tyler Eifert deixar a enfermaria; Tyler somou apenas 10 partidas nas últimas duas temporadas, com apenas 5 TDs (todos em 2016); em comparação com seu melhor ano (2015), em que anotou 13 TDs e esteve em campo 13 vezes, a queda de produção de Eifert está diretamente ligada ao declínio ofensivo do Bengals. Também é fato que, quando saudáveis, Eifert e AJ Green, são opções que se completam a Dalton, tornando o ataque do Bengals dinâmico e eficiente.

O histórico, porém, indica que é improvável que Tyler consiga reviver seus melhores dias, então ajudaria se John Ross, agora em seu segundo ano, fosse capaz de receber UM PASSE – desculpem, mas ao que consta, aparentemente esta é a função de um WR.

Ross lidou com uma lesão no ombro em 2017 (foram apenas três partidas, mas zero passes tentados em sua direção) e agora espera-se que entregue algo nesta temporada. Pelo chão, a esperança está em Joe Mixon – extremamente talentoso em sua carreira universitária, mas aparentemente um maloqueiro que lida com problemas extracampo.

Mixon teve uma média ridícula de 3.5 jardas por tentativa em sua temporada como rookie, mas é possível dividir esta fatura com uma péssima OL; agora com melhores jogadores no setor, Mixon pode ser muito mais eficaz e ir além das 626 jardas conquistadas com muito suor em 2017. Giovani Bernard também segue no backfield, uma alternativa razoavelmente confiável em 3rd downs e boa opção para o jogo aéreo.

Sobre a OL, Cincinatti fez um movimento ousado para tentar solucionar o problema, adquirindo o OT Cordy Glenn, ex-Buffalo Bills, um bom upgrade para um setor combalido. Do draft veio o C Billy Price, de Ohio State, enquanto nomes como Jake Fisher e Bobby Hart (ex-Giants) devem brigar por posição. O G Clint Boling, um dos melhores da anêmica OL de 2017, também está de volta.

Um bando de malucos

Cincinatti recebeu más notícias na offseason quando foi anunciada a suspensão do LB Vontaze Burfict. Vontaze é maluco, mas é fato inegável que o Bengals é significativamente pior sem ele. Para suprir sua ausência, a franquia buscou Preston Brown (ex-Bills); Preston foi sólido em 2017, mas está longe de ser espetacular – e terá que lutar para suprir a incapacidade de nomes como Vincent Rey e Nick Vigil (já dizia o sábio: “o problema de ter perebas no elenco é que, hora ou outra, eles precisaram jogar”).

Enquanto o corpo de LBs (sem Burfict) é o elo mais fraco do sistema defensivo, a DL é ponto forte: Geno Atkins segue como um dos melhores DTs da liga. Ryan Glasgow teve bons momentos em sua temporada de estreia, e tudo aponta para uma evolução. Além deles, Carlos Dunlap teve ao menos 7 sacks em cada uma de suas últimas sete temporadas e segue eficiente no combate ao jogo corrido. Do draft veio Sam Hubbard, de Ohio State, cotado para as primeiras rodadas, mas selecionado pelo Bengals apenas no terceiro round.

Na secundária também há talento: o CB William Jackson, selecionado no primeiro round em 2016, perdeu seu primeiro ano devido a lesões, mas mostrou potencial em 2017. Outra escolha de primeira rodada (2014), Darqueze Dennard, decepcionou em seus primeiros três anos, mas vem de um bom 2017, e há espaço para melhorar. Espera-se, também, que Dre Kirkpatrick consiga se recuperar de problemas no ombro. Já os Safeties preocupam: com a partida de George Iloka (graças aos Deuses), Jessie Bates III, rookie selecionado no segundo round, é a esperança para que, em algum momento, seja possível compensar as inúmeras deficiências do setor.

Palpite:

A verdade é que Cincinnati não é um time muito bom; Andy Dalton foi capaz de levar a franquia aos playoffs anos atrás, a OL será melhor (não é como se fosse possível piorar), Burfict está fora de 25% da temporada e não há razão para crer que Tyler Eifert ressurgirá dos mortos. Um novo 7-9 é uma hipótese mais provável, mas também está longe de ser absurdo acreditar que, com um pouco de sorte, ele se transforme em um 9-7 e uma vaga no Wild Card se torne realidade. No melhor dos cenários, Marvin Lewis atualizará seu recorde em jogos de playoffs para 0-8 em janeiro.

Top Pick Six #6: os 15 melhores DLs da NFL

Dia de mais um ranking no Pick Six! Agora listamos os 15 melhores DL (defensive linemen) da NFL, com DTs (defensive tackle) e DEs (defensive end). Nos mesmos moldes das listas que já fizemos, ao todo 8 pessoas selecionaram seus 15 melhores DLs entrando na temporada de 2017. Não é uma lista que contém os 15 melhores do ano passado. Não é uma lista contendo os 15 melhores para o futuro da franquia. É uma lista com os 15 melhores, jogadores essenciais e que podem fazer a diferença para seus times nesse ano.

Para confecção do ranking, cada um selecionou 15 jogadores. Se o jogador estava na posição 1, lhe atribuí 1 ponto. Na posição 2, 2 pontos, e assim sucessivamente. Se o jogador não apareceu na sua lista, atribuí – pontos. Os jogadores com menos pontos, em média, (soma dos valores dividido por 8) ficou em primeiro lugar, e assim por diante. É possível verificar as somas na tabela ao final desta coluna.

Participaram da formulação do ranking:

Integrantes do Pick Six: Cadu, Digo, Ivo, Murilo e Xermi.

Duas pessoas referência na internet quando o assunto é NFL e que, diferente de nós, realmente sabem o que falam sobre football: Felipe, do @oQuarterback e Vitor, do @tmwarning.

– E um leitor convidado!

Embaixo dos nomes dos jogadores, coloquei a ordem que cada um de nós classificou este jogador. Caso ele não esteja no top 15 de alguém, um traço está no lugar. A ordem é Xermi, Digo, Cadu, Murilo, Ivo, Felipe, Vitor e Rovere.

Vamos ao que interessa!

15° Fletcher Cox
13 | 8 | – | 14 | – | 11 | 7 | 15
Time: Philadelphia Eagles
Idade: 26 anos
Draft: 2012 / Round: 1 / Pick: 12
College: Mississippi State
Career Stats:
Total tackles: 255
Sacks: 28.5
Pass deflections: 9
Forced fumbles: 6
Defensive touchdowns: 1

Abrindo nosso ranking de DLs, Fletcher Cox. Para se ter ideia do quanto bom ele é, em 2012, seu ano de calouro, Cox trocou socos com jogadores dos Lions e foi multado em 21 mil dólares! Após isso, melhorou sua personalidade e seu jogo: com excelentes números durante toda sua carreira assinou, em 2016, uma extensão de contrato de 6 anos, valendo 103 milhões de dólares, com 63 milhões garantidos.

TOP PICK SIX 1: OS 15 MELHORES WRs DA NFL

14° Carlos Dunlap
– | – | – | 8 | 13 | 7 | – | 6
Time: Cincinnati Bengals
Idade: 28 anos
Draft: 2010 / Round: 2 / Pick: 54
College: Florida
Career Stats:
Tackles: 315
Quarterback sacks: 57.0
Pass deflections: 35
Forced fumbles: 15

Dunlap começou seu ano de calouro no banco, mas acabou jogando 12 partidas após substituir atletas lesionados. Carlos terminou aquele ano com 9,5 sacks, o número mais alto anotado por um calouro na história dos Bengals. Em 2013, assinou um contrato de 40 milhões de dólares com o time de Cincinnati, onde já provou seu valor com boas temporadas – dois anos depois, teve a melhor temporada da carreira, com 13,5 sacks e uma vaga no Pro Bowl.

13° Olivier Vernon
8 | 15 | 10 | – | 12 | – | – | 4
Time: New York Giants
Idade: 26 anos
Draft: 2012 / Round: 3 / Pick: 72
College: Miami (FL)
Career Stats:
Total tackles: 259
Sacks: 37.5
Forced fumbles: 4

Vernon iniciou sua carreira dos Dolphins e até teve certo sucesso. Pedindo um salário alto, o time de Miami resolveu negociá-lo e, em 2016, Vernon assinou com os Giants um contrato de 5 anos: 85 milhões de dólares, 52,5 garantidos.

Ao menos sabe comemorar o 4 de julho.

12° Cameron Wake
– | – | 4 | 15 | – | – | 6 | 7
Time: Miami Dolphins
Idade: 35 anos
Draft: 2005, Undrafted
Career Stats:
Total tackles: 288
Sacks: 81.5
Forced fumbles: 21
Fumble recoveries: 2
Interceptions: 1

Cameron só não está ranqueado mais alto porque já tem 35 anos, provavelmente em final de carreira. Draftado em 2005 pelos Giants, mas nem chegou a atuar pela equipe de Nova York e foi dispensado em junho. Sem contrato foi atuar na CFL pelo BC Lions, onde jogou por dois anos. Em 2008, voltou aos EUA e assinou com os Dolphins, onde está até hoje. O time de Miami fez um negócio da China: deu a Wake um contrato de “apenas” 4,9 milhões de dólares, por 4 anos. Este ano, logo após o SB, ele assinou uma extensão até 2018, onde deve atuar suas duas últimas temporadas.

11° Gerald McCoy
7 | 3 | 9 | – | 1 | 1 | – | – | –
Time: Tampa Bay Buccaneers
Idade: 29 anos
Draft: 2010 / Round: 1 / Pick: 3
College: Oklahoma
Career Stats:
Tackles: 222
Quarterback sacks: 42.5
Passes deflections: 19
Forced fumbles: 6

McCoy foi um atleta universitário completo, sendo um dos mais dominantes de sua posição. Não à toa, foi draftado na pick 3 overall. Sua carreira na NFL começou promissora: em sua estréia forçou um fumble na vitória sobre os Browns, em 2010. McCoy já disputou 5 Pro Bowls, o que lhe garantiu, em 2014, um extensão de contrato de 7 anos, valendo 98 milhões de dólares, com 51,5 garantidos. Ele também é um grande filantropo, tendo ajudado diversas pessoas e instituições de Tampa: em 2012, doou US$ 100,000.00 para construção do Tampa Bay Buccaneers Field, onde junto a alguns colegas de time dão aulas de futebol americano para crianças carentes da região.

TOP PICK SIX #2: OS 15 MELHORES CBs DA NFL

10° Ndamukong Suh
11 | 7 | 8 | – | 10 | – | 5 | –
Time: Miami Dolphins
Idade: 30 anos
Draft: 2010 / Round: 1 / Pick: 2
College: Nebraska
Career Stats:
Total tackles: 372
Sacks: 47.0
Forced fumbles: 2
Interceptions: 1
Pass deflections: 26

Um “4-star recruit” ao sair da universidade, Suh foi a pick 2 do draft de 2010, escolhido pelos Lions, após o Rams selecionar Sam Bradford (haha). Suh foi um dos últimos atletas universitários que logo em seu ano de calouro recebeu um contrato muito alto: 5 anos, 68 milhões de dólares, 40 garantidos (hoje essa farra acabou). Suh sempre foi um atleta dominante e, às vezes, se envolvia em confusões – muitos o consideram um jogador sujo. Mesmo assim, jogou em 5 Pro Bowls e, em 2015, assinou com os Dolphins um contrato elevadíssimo de 6 anos, 114 milhões. Esses valores fizeram de Ndamukong o atleta de defesa mais bem pago da história da NFL, ultrapassando J.J. Watt.

Curiosidade: durante sua carreira, Suh já pagou US$ 216,875.00 em multas.

09° Ezekiel Ansah
6 | 10 | – | 6 | 8 | 6 | – | –
Time: Detroit Lions
Idade: 27 anos
Draft: 2013 / Round: 1 / Pick: 5
College: Brigham Young
Career Stats:
Tackles: 163
Sacks: 32.0
Forced fumbles: 9

“Ziggy” Ansah, como é conhecido, tem se mostrado um jogador melhor a cada ano. Ele não era cotado para ser escolhido no draft de 2013 mas, na metade da temporada do college, acabou subindo e chegou a ser colocado no final do primeiro round em alguns mocks. Depois de uma performance absurda no Senior Bowl, Ansah foi considerado o sleeper do draft. Bom, acabou saindo como 5° overall, não tão sleeper. De qualquer forma, sua melhor temporada com os Lions foi em 2015, quando anotou 14,5 sacks, caindo muito de produção em 2016 – sofreu com lesões e teve apenas 2 sacks. Mesmo, assim os Lions usaram a opção do quinto ano de contrato dele e apostam no defensor.

TOP PICK SIX #3: OS 15 MELHORES TEs DA NFL

08° Everson Griffen
12 | 6 | – | 7 | 9 | 8 | 15 | 10
Time: Minnesota Vikings
Idade: 29 anos
Draft: 2010 / Round: 4 / Pick: 100
College: USC
Career Stats:
Total tackles: 234
Sacks: 48.0
Forced fumbles: 7
Fumble recoveries: 4
Interceptions: 1
Defensive touchdowns: 2

Os Vikings conseguiram uma steal no draft ao selecionar Griffen no round 4. Um atleta de força física e habilidades raras, tinha como ídolo Terrell Suggs. Os últimos três anos foram os melhores de sua carreira, e 2017 parece promissor para ele e pra defesa dos Vikings.

Pena que joga no Vikings.

07° Robert Quinn
4 | – | – | 5 | 5 | – | – | 2
Time: Los Angeles Rams
Idade: 26 anos
Draft: 2011 / Round: 1 / Pick: 14
College: North Carolina
Career Stats:
Total tackles: 186
Sacks: 54.0
Forced fumbles: 18
Fumble recoveries: 2
Defensive touchdowns: 1

Quinn é um dos principais jogadores dos Rams (convenhamos, não há muitos). Já tendo atuado em dois Pro Bowls, teve como seu melhor ano 2013, quando anotou incríveis 19 sacks, forçou 7 fumbles e recuperou outros dois. Ano passado ele foi colocado no IR com uma concussão e pode sim, por conta da lesão, sofrer um declínio em 2017. Independente disso, seu talento é grande e há potencial para mais alguns anos jogando em alto nível.

06° Geno Atkins
10 | 12 | 7 | – | 7 | 3 | 8 | –
Time: Cincinnati Bengals
Idade: 29 anos
Draft: 2010 / Round: 4 / Pick: 120
College: Georgia
Career Stats:
Total tackles: 244
Sacks: 52.0
Pass deflections: 6
Forced fumbles: 8
Fumble recoveries: 2
Defensive touchdowns: 1

Outra steal de um draft, Atkins foi selecionado no 4° round de 2010, pelos Bengals. Em 2012, anotou 12,5 sacks, mas no ano seguinte sofreu uma grave lesão nos ligamentos que poderia ter afetado sua carreira. Efeito reverso, desde 2014, Atkins jogou os 16 jogos da temporada regular e foi para três Pro Bowls seguidos.

TOP PICK SIX #4: OS MELHORES LBs DA NFL

05° Joey Bosa
5 | 9 | 3 | 12 | 6 | 15 | 12 | 14
Time: Los Angeles Chargers
Idade: 21 anos
Draft: 2016 / Round: 1 / Pick: 3
College: Ohio State
Career Stats:
Tackles: 41
Sacks: 10.5
Forced fumbles: 1
Fumble recoveries: 0

O que falar deste garoto que mal entrou na NFL e já é top 5 em um de nossos rankings? Bosa é dominante. Apesar de ter perdido alguns jogos ano passado devido à lesões, ele anotou 10,5 sacks e foi considerado o Defensive Rookie of the Year. Sua carreira no college, em Ohio State, também foi excepcional. Bosa iniciou na NFL já de forma controversa: em uma disputa com os Chargers por questões salarias envolvendo seu contrato de calouro, sua mãe chegou a dizer que “deveríamos ter dado uma de Eli Manning”, referindo-se à rejeição de Eli em atuar pelos Chargers, após o draft de 2004.

“Peço desculpas ao jovem Joey Bosa e todos os torcedores do Chargers por um dia ter duvidado de Joey”, Moraes, Rodrigo, 2017.

“Te fode, Rodrigo!”

04° Calais Campbell
9 | – | 6 | 4 | 3 | 5 | 4 | 12
Time: Jacksonville Jaguars
Idade: 30 anos
Draft: 2008 / Round: 2 / Pick: 50
College: Miami (FL)
Career Stats:
Total tackles: 501
Sacks: 56.5
Passes Defended: 42
Forced fumbles: 8
Interceptions: 3
Defensive touchdowns: 1

Campbell jogou até 2016 pelos Cardinals, time que o draftou. Inclusive foi um dos principais atletas do time de Arizona na campanha que os levou à disputa do Super Bowl XLIII. Em 2017, assinou um contrato de 4 anos, 60 milhões, com os Jaguars e deve manter o alto nível de suas atuações por mais alguns anos.

03° Michael Bennett
3 | 4 | – | 3 | 4 | 9 | 3 | 11
Time: Seattle Seahawks
Idade: 31 anos
Draft: 2009, Undrafted
College: Texas A&M
Career Stats:
Tackles: 253
Quarterback sacks: 45.5
Forced fumbles: 8
Pass deflections: 3

Um dos principais jogadores da defesa dos Seahawks, o mais impressionante é que Michael não foi draftado. Seu começo de carreira não foi tão brilhante: logo foi dispensado pelo Seahawks e puxado dos waivers pelos Bucs, onde jogou por quatro temporadas. De volta a Seattle, os melhores anos: venceu o SB XLVIII e teve uma temporada fantástica em 2015, quando anotou 10 sacks, 52 tackles e forçou 2 fumbles.

TOP PICK SIX #5: OS MELHORES Ks DA NFL

02° Aaron Donald
2 | 2 | 2 | 2 | 2 | 2 | 2 | 3
Time: Los Angeles Rams
Idade: 25 anos
Draft: 2014 / Round: 1 / Pick: 13
College: Pittsburgh
Career Stats:
Tackles: 164
Sacks: 28.0
Forced fumbles: 4

Quase uma unanimidade como número 2, Aaron Donald é um dos melhores atletas da NFL, independente da posição. Foi ao Pro Bowl em todas as temporadas que jogou e justificou a escolha de primeiro round em 2014, quando também foi o Defensive Rookie of the Year. Ano passado foi o melhor de sua carreira, com 59 tackles, 28,5 tackles for loss, 11 sacks e 4 fumbles forçados. Em 2017, os Rams optaram pela cláusula de quinto ano de contrato, o que indica que ano que vem, ele assinará se tornará multimilionário.

01° J.J. Watt
1 | 1 | 1 | 1 | 1 | 1 | 1 | 1
Time: Houston Texans
Idade: 28 anos
Draft: 2011 / Round: 1 / Pick: 11
College: Wisconsin
Career Stats:
Tackles: 379
Quarterback sacks: 76.0
Passes defended: 45
Forced fumbles: 15
Interceptions: 1
Touchdowns: 5

Não tinha como ser diferente: Watt foi unanimidade como número 1. Um dos atletas mais dominantes da NFL – se não o mais – só não tem números ainda mais assustadores por conta de lesões. O 3x Defensive Player of the Year já jogou 4 Pro Bowls e é uma máquina de sacks e atropelos nos QBs adversários. Em 2012 e 2014, anotou incríveis 20,5 sacks. Já anotou também TDs ofensivos, em formações bizarras. Em 2014, tornou-se um dos atletas mais bem pagos da NFL, quando assinou um contrato de 6 anos, valendo 100 milhões de dólares.

Algumas curiosidades do ranking:

– J.J. Watt é o segundo atleta de todos os rankings que fizemos até agora que recebeu todos os votos para número 1. O outro foi o kicker Justin Tucker.
– Watt e Donald são os únicos unânimes no top 3.
– Este é o ranking que teve o menor número de atletas comuns aos 8 rankings: 3 (Watt, Donald e Bosa).
– Um total de 31 jogadores diferentes foram citados, veja na tabela final abaixo.
– O top 15 contempla 8 jogadores da NFC e 7 da AFC.
– 8 jogadores foram escolhas de primeiro round em seus drafts: Watt, Donald, Bosa, Quinn, Ansah, Suh, McCoy, Cox.
– Apenas Michal Bennett é campeão do Super Bowl, dos jogadores da lista.
– Robert Quinn é o jogador com maior diferença entre dois rankings: é o segundo na lista do Rovere, e não aparece em três rankings.
– Ficaram fora do top 15, em ordem: Mike Daniels (GB), Cliff Avril (SEA), Cameron Jordan (NO), Jadeveon Clowney (HOU), Jason Pierre-Paul (NYG), Kawann Short (CAR), Jurrell Casey (TEN), Muhammad Wilkerson (NYJ), Brandon Graham (PHI), Charles Johnson (CAR), Danielle Hunter (MIN), Damon Harrison (NYG), Sheldon Richardson (NYJ), Chris Long (PHI), Malik Jackson (JAX), Frank Clark (SEA).
– Todos os atletas citados são milionários!