Posts com a Tag : Clay Matthews

A dicotomia em forma de time

As franquias da NFL podem ser explicadas pela seguinte relação antagônica: há aqueles times que só precisam de um QB para se tornarem competitivos e outros que possuem seu signal-caller, mas pecam em todo o resto. O Green Bay Packers é um exemplo da segunda parte desse fenômeno. Após anos com Brett Favre no comando, sucedidos por anos de Aaron Rodgers, a franquia é daquelas raras situações de estabilidade longeva na posição de quarterback que só conseguimos ver se repetir com o Indianapolis Colts (nesse caso mais na cagada mesmo). 

Ao contrário do coirmão da AFC, os Packers já estão na etapa final de seu segundo first ballot hall of famer QB seguido, e Rodgers possui só um anel de campeão nos dedos para mostrar aos coleguinhas. Após o título do Super Bowl XLV, Green Bay bateu na trave do Grande Jogo duas vezes nas últimas quatro temporadas, e é urgente que o time consiga chegar lá novamente, já que dificilmente conseguirá dar sequência ao alto nível de seus quarterbacks quando chegar a hora de Aaron curtir a aposentadoria.

Brinquedos novos no ataque

É perceptível que é impossível desassociar as pretensões dos Packers à disponibilidade de Aaron Rodgers em campo. O QB mostrou por vezes e vezes que se tiver a última bola do jogo, o torcedor de Wisconsin já pode ir comemorando por que a vitória é certa (pergunte para um amigo torcedor dos Cowboys. Só por diversão mesmo). Ao mesmo tempo que, em caso de lesão, a temporada do time está acabada – o que surpreendeu a diretoria do site, que pagou para ver Rodgers e levou uma atuação de gala de Brett Hundley.

Quase como uma maldição que assombra os QBs de elite (pense em Joe Flacco, por exemplo) da NFL, Rodgers é quase que obrigado a transformar jogadores medianos em peças funcionais de seu ataque. Basicamente, tirar leite de pedra. E assim será mais uma vez na temporada de 2018. Os Packers dispensaram Jordy Nelson e estão colocando Randall Cobb no trade block (mesmo que aleguem não ser verdade). Jeff Janis e Richard Rodgers também saíram, apesar de serem nomes de final de rotação.

Como reposição, chegaram os TEs Jimmy Graham e Marcedes Lewis, sendo que essas foram as únicas adições relevantes para o ataque. Calouros de ataque, entretanto, apenas os recebedores J’Mon Moore (133ª escolha) e Equanimeous St. Brown, que pode até não vingar, mas já é um dos melhores nomes da liga. No jogo corrido, os Packers precisam lidar com o comitê composto por Jamaal Williams, Aaron Jones e Ty Montgomery, nenhum deles excepcional de fato.

A linha ofensiva tem bons nomes em David Bakhtiari e Bryan Bulaga, mas após as saídas de Josh Sitton e TJ Lang vem tendo problemas com a parte interior. O center Corey Linsley parece estar completamente recuperado, enquanto Lane Taylor e Justin McCray completam o grupo titular.

Taticamente, é inegável que o ataque é dependente da capacidade de Rodgers, mas até aí o leitor deve estar pensando “até eu” (e todos os outros 31 times seriam). O trabalho de Mike McCarthy e Joe Philbin (coordenador ofensivo) aqui visivelmente é integrar melhor o jogo corrido, e encontrar um RB principal de facto, mesmo com a possível deficiência no interior da linha ofensiva.

Em relação aos recebedores, por mais que queiramos divagar sobre a contribuição de cada peça, a verdade é que Aaron Rodgers os fará produzir mais que o normal, a menos que o jogador seja incrivelmente ruim. Nesse caso, destaque para Jimmy Graham, cuja principal característica é jogar em times que tenham bons QBs, e será fator preponderante para o ataque dentro da redzone

Defesa em reformulação

Os Packers tiveram Don Capers por anos como coordenador defensivo. Como mostramos nessa análise tática do ano passado, o trabalho do coordenador por anos funcionou, mas caiu obsoleto nas últimas temporadas. A conta chegou e Capers acabou demitido, e para seu lugar foi trazido Mike Pettine. O treinador estava sem trabalho na liga desde a passagem como HC dos Browns, terminada em 2015.

Pettine foi formado sob a árvore do lendário Brian Billick, técnico dos Ravens no início da década de 2000, e teve seus últimos dois trabalhos como coordenador defensivo muito bons, nos Jets (2009 a 2012) e nos Bills (2013). Seu esquema é baseado em um front com jogadores com biótipo de 3-4 baseado em leituras de esquemas 4-3, uma defesa versátil, como disse o próprio a ser anunciado.

A defesa de Mike Pettine é focada no pass rush, e apresenta como principais formações os fronts do tipo sink, odd e over. Teorias de defesa típicas do 4-3, mas que Pettine aplica com atletas de biótipo de 3-4. Essas formações facilitam a aplicação do pacote nickel, mantendo a responsabilidade dos jogadores aos gaps. Os atletas da linha com “mão na terra” alinham-se em techs amplas, enquanto os linebackers cobrem os espaços internos. No front over, o pass rusher vai alinhar em frente ao tight end adversário, e essa responsabilidade será dividida entre Clay Matthews e Nick Perry de acordo com a situação jarda/descida.

Como dito anteriormente, no esquema de Pettine os DEs e DT alinham-se em techs amplas. Nesse caso, o objetivo é dobrar o rush nos OTs, aproveitando-se da capacidade física de bend dos atletas da defesa. Para isso, Mike Daniels e a nova contratação Muhammad Wilkerson serão essenciais para gerar esse cenário de double team, forçando os adversários a tirar TEs e RBs de execução de rotas.

Nota do editor: Eu também pulei essa parte.

Em questão de curva de aprendizado, o leitor deve estar se perguntando se um sistema assim não é complexo o suficiente a ponto de gerar o mesmo contragolpe do fire zone blitz de Don Capers. A resposta é sim, de certa forma. Porém, com a diferença de que, à princípio, o objetivo de Pettine é gerar interceptações de pressão, enquanto Capers tentava criar confusão na leitura do QB a reconhecer a secundária pré e pós-snap. De qualquer forma, a princípio, a chegada do coordenador defensivo é excelente para facilitar a vida da secundária, que por vezes nos últimos anos esteve entre as piores da liga, mas agora terá vida mais fácil em função do novo modelo de jogo.

Palpite

Por mais que haja a promessa de melhora defensiva, a temporada dos Packers ainda inevitavelmente depende da saúde de Aaron Rodgers. Se o QB permanecer saudável, os Packers são favoritos a vencer a NFC North, pendendo o desempenho contra a defesa dos Vikings. Devido a esse confronto, a campanha do time deve variar entre as 10 e 12 vitórias. Depois disso, seja o que Deus quiser.

Enfrentando os mesmos velhos problemas

Após uma nova implosão e a perda do NFC Championship Game para o Atlanta Falcons por 44 a 21 – aliás, a segunda vez que Green Bay bateu na porta do Super Bowl em três anos –, Aaron Rodgers foi a público, com ar não tão sutil como o habitual.

Não creio que precisamos nos reconstruir. Precisamos, na verdade, nos recarregar”, disse naquela noite após a derrota. “Temos apenas que ter certeza que temos todo o necessário para vencer a cada ano”, completou.

O fato é que as expectativas sempre estarão altas quando nos referirmos a um ataque comandado por Aaron Rodgers; as esperanças dos cheeseheads de retornar ao Super Bowl estão seguras enquanto Rodgers liderá-los. O outro lado da linha, porém, é onde está o caminho para o sucesso: mais uma vez, os sonhos de Green Bay, passam pela defesa.

Reconstruindo sem implodir

Green Bay viu nesta offseason um Ted Thompson mais arrojado (para os padrões de Ted Thompson, claro), com alguns movimentos na free agency e uma dúzia de escolhas no draft focadas em preencher buracos específicos no roster: a cobertura contra o passe, por exemplo, beirou a tragédia na última temporada, então o GM trouxe Davon House de volta para Wisconsin e selecionou o CB Kevin King no topo da segunda rodada também para reforçar o setor.

Já para o corpo de linebackers, Thompson trouxe o veterano Ahmad Brooks, cortado pelo 49ers – você pode não se empolgar com esta contratação, e será compreensível, mas lembre-se do novo gás que o Packers proporcionou para a carreira do também veterano Julius Peppers quando o contratou. Já para o ataque, a adição do TE Martellus Bennett fez com que a equipe nada se importasse com a perda de Jared Cook.

Pelo chão

Um sucesso ofensivo de Green Bay ainda maior que o esperado passa por seu jogo corrido: Ty Montgomery agora é o motor de arranque inquestionável deste sistema ofensivo – e uma ameaça constante; obviamente, seu passado recente como WR mostra que ele pode alternar posições e se tornar um recebedor confiável, tornando-se uma possibilidade a mais que defesas adversárias terão que encontrar forma de neutralizar.

Mas apesar do sucesso na metade final do ano passado, Ty ainda precisará provar que pode lidar com a carga de uma temporada completa – e, para isso, ele contará com a ajuda de três rookies: Jammal Wiliams, Aaron Jones e Devante Mays, selecionados na quarta, quinta e sétima rodadas do último draft.

Durante a pré-temporada, William se mostrou um ótimo bloequador, enquanto Aaron Jones teve algumas boas jogadas explosivas – já Mays tende a alternar entre o nada e o Practice Squad. De qualquer forma, já é um cenário melhor para o jogo terrestre do que aquele que o Packers viveu nos últimos anos – Lacy nos deixou pela gastronomia de Seattle e James Starks (obrigado por tudo) já deve estar curtindo a aposentadoria.

Pode confiar.

Uma incógnita em forma de linha

Green Bay teve uma das melhores OLs da NFL na temporada passada – mas perdeu TJ Lang e JC Tretter nesta offseason. O adeus de Tretter não seria tão sentido se Corey Linsley não estivesse retornando de (mais uma) cirurgia no tornozelo; Corey é um ótimo C, mas perdeu 10 partidas nas duas últimas temporadas, então sua saúde se torna uma questão central, já que não há um substituto viável para ele.

Já a deserção de Lang para Detroit (Deus encarregou de puni-lo o despachando para aquela desgraça de time), é muito mais preocupante: apesar da tristeza por vê-lo vestindo azul, é inegável que TJ se consolidou com um dos melhores G da NFL em Green Bay – além de um dos melhores atores que Hollywood já viu.

TJ será substituído por Jahri Evans e só de pensar nisso meus olhos já sangram. Como se isso não bastasse, há ainda Lane Taylor, outra desgraça em forma de guard. O lado bom é que os tackles David Bakhtiari e Bryan Bulaga retornam e, considerando o estado atual do interior da OL de Green Bay, isso já deve bastar para deixar Aaron Rodgers minimamente feliz.

Pelo ar

O arsenal ofensivo de Rodgers permanece praticamente o mesmo, exceto pela partida de Jared Cook – Cook sempre foi um alvo cobiçado por qualquer franquia, especialmente devido ao seu potencial atlético, mas também é verdade que ele nunca respondeu a altura das expectativas.

Para seu lugar foi contratado Martellus Bennett, e nenhum torcedor do Packers em sã consciência sentirá saudades de Cook. Martellus, aliás, vem de uma temporada em que recebeu 55 passes para 701 jardas e 7 TDs com os Patriots; ele será um alvo intermediário para Aaron muito mais confiável do que foram Cook e Richard Rodgers nos últimos anos.

Como WRs, as três principais opções se mantém: Jordy Nelson, um dos melhores WRs da NFL (aceitem logo e parem de negar a verdade), recém completou 32 anos, então um pequeno declínio pode ser sentido, mas com Nelson se mantendo saudável, nada que possa preocupar. Randall Cobb, porém, precisa se recuperar após duas temporadas medianas e com algumas lesões, enquanto para Davante Adams basta repetir 70% do que fez em 2016 e o torcedor do Packers já estará feliz.

A grande interrogação

A principal razão para Green Bay ter iniciado a última temporada com 4 vitórias e 6 derrotas foi a desgraça que se tornou sua secundária: nenhum CB foi minimamente confiável. Então utilizar sua primeira escolha no draft em um atleta da posição foi natural.

Kevin King veio de Washington para preencher esta lacuna, mas apesar de talentoso e com ótimo potencial físico, trata-se de um jogador ainda cru, que talvez precise de algumas semanas para assumir a titularidade. Enquanto isso não ocorre, também para o setor, há o retorno de Davon House, que lutou contra um Jaguars horrível no último ano, mas mesmo assim teve bons jogos individuais.

Já com os S não há tanto com o que se preocupar: Morgan Burnett e HaHa Clinton-Dix são ótimos talentos, e não existe razão para acreditar que eles irão regredir, já que estão com 28 e 24 anos respectivamente – aliás, Burnett entra em seu ano final de contrato com os Packers, que também podem significar seus últimos dias em Green Bay antes de garantir a aposentadoria dos seus bisnetos.

Já Julius Peppers retornou a Carolina, deixando com o recém chegado Ahmad Brooks a função de preencher os espaços deixados por Clay Matthews, já que há muito tempo, lutando contra lesões, Clay não é mais o mesmo. O ponto positivo é que Nick Perry (11 sacks em 2016) retorna cada vez melhor e tanto Kyler Fackrell e Vince Biegel (este quando conseguir estrear), podem trazer um pouco mais de profundidade ao setor.

Para a DL, Green Bay trouxe Ricky Jean-Francois na FA e Montravius Adams na terceira rodada do draft; ambos devem alternar com Kenny Clark, que deve retornar melhor após uma temporada de estreia apenas razoável. O melhor jogador, porém, seguirá sendo Mike Daniels – subestimado, afinal, os números não refletem seu real valor.

Palpite: enquanto existir Aaron Rodgers e uma defesa minimamente capaz de permanecer em pé, Green Bay levará a NFC North. Para trazer o Lombardi Trophy de volta para o Wisconsin, porém, é preciso de muito mais que um sistema defensivo com coordenação motora e hoje Green Bay não possui uma grande defesa. É preciso então que essa infinidade de rookies se encaixem sem maiores problemas, quase que com uma sinergia cósmica. A boa notícia é que estamos em um ano em que os planetas estarão perfeitamente alinhados, então resta apenas esperar, gelar a cerveja e se decepcionar novamente em janeiro.