Posts com a Tag : Cameron Brate

Agora ou nunca (nunca)

Um ano atrás, antes da PELOTA subir, o Bucs bradou aos quatro ventos sua relevância  na NFC South – mas, ao contrário do que pretendia, terminou com apenas cinco vitórias e assistiu as outras três franquias da divisão visitarem os playoffs.

Agora Jameis Winston está entrando em sua quarta temporada e (espera-se) recuperado de uma lesão no ombro que o fez perder três jogos em 2017. O torcedor mais otimista, porém, pode pensar que houve tempo também para Jameis encontrar a sinergia dom DeSean Jackson e reconstruir a defesa – mesmo que a seca por ver TDs em janeiro (uma década repleta de frustrações) continue ali.

“É sobre esse playoffs, cara”, disse Winston durante a offseason. “É sobre conquistar algumas vitórias, trazer a torcida para o nosso lado e realmente mudar a cultura por aqui – estamos caminhando nessa direção, e agora é a hora de fazer acontecer”.

Altos e baixos (e mais baixos)

Se a segunda temporada de Winston mostrou sinais claros de evolução, seu último ano pareceu um passo atrás; ele foi extremamente inconsistente e, se havia bons lampejos em determinadas partidas, Jameis parecia completamente perdido na maioria delas.

Você pode afirmar que Winston tem talento de sobra para fazer um excelente 2018 – e não estará errado –, mas a grande questão é se ele estará focado para dar o próximo passo. O que parece, infelizmente, não ser o caso – o quarterback já está suspenso pelas três primeiras partidas e será substituído por (provavelmente) Ryan Fitzpatrick – como já diria o sábio:

O problema de ter um pereba no elenco é que, invariavelmente, alguém fará merda ou se lesionará e, bem, o pereba precisará jogar.

O fato é que se o Bucs não chegar aos playoffs (spoiler: não chegará, e errado é quem espera diferente), Winston receberá boa parte da fatura, mas, se vivemos em um mundo justo (spoiler: não vivemos), é preciso apontar outros “culpados”.

LEIA TAMBÉM: Jimmy G, San Francisco e a busca pelo QB ideal

Mike Evans é uma aberração física e parece ter o talento natural a um WR de elite – mas questiona-se muito sua conduta profissional; em 2017, por exemplo, ele teve apenas 71 recepções (uma queda significativa se comparadas as 96 recepções de 2016) – mas, mesmo assim, Evans chegou a quarta temporada consecutiva com mais de 1000 jardas. Pelo pacote completo, Tampa decidiu apostar no garoto e ofereceu um novo contrato de cinco anos e mais de US$ 80 milhões. Se Mike não corresponder ao dinheiro investido, é certo afirmar que Tampa estará em apuros. No game tape, podemos analisar Evans como o recebedor que deixa as bolas fáceis passarem para só pegar as difíceis.

Ao seu lado, Evans terá DeSean Jackson e… bem, estamos em 2018, você ainda acredita em DeSean Jackson? DeSean é (talvez) um dos WRs mais superestimados da NFL (seu primeiro ano em Tampa foi um fracasso: 50 recepções para pouco mais de 650 jardas) e sua principal habilidade é tornar piores os sistemas ofensivos por onde passa.

Por outro lado, os Bucs tem um bom slot receiver em Adam Humphries e uma promissora dupla de TEs, com Cameron Brate e OJ Howard (de quem se espera uma evolução nítida em sua segunda temporada, para que se torne um alvo mais efetivo para Winston, sobretudo na redzone).

Chris Godwin, WR selecionado no terceiro round em 2017, também deixou uma boa impressão final e de quem é possível esperar um pouco mais de protagonismo – foram 111 jardas na despedida da temporada contra New Orleans.

Há esperança, também, em uma melhora no jogo terrestre (convenhamos: piorar não é uma possibilidade). Graças ao bom Deus, Doug Martin foi despachado – com pelo menos duas temporadas de atraso – para iludir o já sofrido torcedor de Oakland e a camisa 22 agora será usada por Ronald Jones II, selecionado no segundo round do último draft; o jovem teve 12 corridas para mais de 40 jardas durante seus anos em USC, o que mostra bons sinais para o futuro – Martin, por outro lado, teve duas temporadas de 1400 jardas por Tampa Bay, mas nos dois anos derradeiros na Flórida os números despencaram e o RB conseguiu menos de três jardas por tentativa.

Razões para acreditar

Os Bucs parecem ter focado na reconstrução de seu sistema defensivo. Com sua primeira escolha no último draft, eles selecionaram o DT Vita Vea, um monstro em Washington que inevitavelmente conseguirá pressionar o ataque adversário (pior que tá não fica, diria o outro). Além disso, ele será um ótimo complemento para Gerald McCoy, um dos melhores atletas de sua posição (que merece muito mais reconhecimento do que lhe é conferido).

Tampa ainda apostou alto, e buscou no atual campeão, Philadelphia Eagles, Beau Allen e Vinny Curry. Além disso, trouxe Jason Pierre-Paul, ex-Giants – o entrosamento, claro, pode demorar um pouco para chegar, mas de qualquer forma já é um cenário animador para aquela que até então era uma das piores defesas da liga.

A secundária, porém, levanta algumas interrogações: Brent Grimes e Vernon Hargreaves ainda estão ali – Grimes, contudo, já beira os 35 anos e esperar um declínio em suas atuações não seria absurdo. Os rookies MJ Stewart, de North Carolina, e Carlton Davis, de Auburn, competem com Ryan Smith pelo posto de CB3 – e, conforme se saírem, podem também beliscar a vaga de Grimes.

Já o corpo de linebackers segue o mesmo: Lavonte David é excelente e Kwon Alexander (espera-se) livre das lesões é um reforço considerável. Kendell Beckwith deixou a desejar em 2017, mas era apenas seu primeiro ano e, claro, há espaço para evoluir, sobretudo com Noah Spence, do qual se espera finalmente alguma contribuição em campo.

Palpite:

Em 2018 Winston precisa se estabelecer como um quarterback capaz de liderar uma franquia – e, por consequência, levá-la aos playoffs. A tabela, porém, é cruel: nos três primeiros confrontos, Tamba enfrenta Saints (fora), Eagles e Steelers (em casa), todos sem Jameis. Na sequência visita a Chicago e Atlanta e, bem, esperar apenas uma vitória nas cinco primeiras partidas não é uma previsão irrealista. Se tudo der errado e, ao menos, levar a demissão do HC Dirk Koetter, poderemos considerar que foi um bom ano – resta aceitar uma campanha semelhante a de 2017, com no máximo cinco ou seis vitórias, a lanterna da NFC South e planejar o futuro com um HC capaz de colocar Winston nos eixos.

O que os olhos veem e o coração sente

Você, leitor, certamente não sabe, mas quando chega o final de julho e começamos a escrever nossas previsões para a temporada fazemos uma espécie de draft para distribuir os times entre os integrantes do site.

Por motivos óbvios, cada um escreve sobre o time que torce, mas os demais estão lá para ser livremente selecionados. As escolhas não têm uma lógica definida. A qualidade do time, por exemplo, não influencia muito nossa vontade de escrever sobre ele: ninguém parecia muito interessado em redigir um texto de duas páginas contando como o New England Patriots já está na final da AFC em 2018, mesmo que ainda estejamos em meados de agosto.

Há, porém, algumas escolhas interessantes, como a do nosso menor aprendiz, que decidiu usar sua primeira escolha com o Los Angeles Rams, por algum motivo que apenas diversas sessões de psicanálise seriam capazes de explicar. Nosso editor chefe usou sua primeira escolha no Cleveland Browns, aparentemente por gostar de escrever sobre fracasso e melancolia.

Os motivos que levaram meus companheiros de site a priorizar escrever textos sobre Rams e Browns não importam. A NFL, ao contrário de alguns outros esportes, é bastante democrática. Podemos torcer por um time e ter simpatia por mais uns dois, cinco ou 31 times. Somos livres para nos fascinar por pequenos detalhes, que muitas vezes são incompreensíveis para os outros, mas que, para nós mesmos, fazem todo o sentido.

Não tive dúvidas na minha primeira escolha: por diversos motivos, o Tampa Bay Buccaneers é o time que mais me interessa em 2017, com exceção do maior de todos, o New York Football Giants. Mas por que o Bucs me fascina e por que o escolhi como primeira opção para escrever um texto sobre seu futuro brilhante?

Pequenos (grandes) laços afetivos

Podemos começar falando de Jameis Winston. Todos nós guardamos na memória algumas jogadas que não se tornam icônicas por não terem impacto profundo no resultado de um jogo ou de um campeonato, mas que são espetaculares e devem sempre ser relembradas.

Jameis Winston foi o responsável pela jogada mais espetacular da temporada 2016 da NFL. O jogo era em Tampa contra o Chicago Bears. O terceiro quarto tinha acabado de começar e o Bucs tinha a bola na linha de 25 jardas do próprio campo em uma 3rd&10. Jameis recebeu o snap e logo foi pressionado pela linha defensiva do Bears. Ao invés de desistir da jogada e aceitar o sack, Winston foi recuando e se esquivando dos defensores até chegar a sua própria endzone.

O sack e o consequente safety eram praticamente inevitáveis, mas Jameis conseguiu deixar os três defensores que ainda o perseguiam para trás, ganhar mais umas 15 jardas e lançar um passe de mais ou menos 60 jardas para o WR Mike Evans.

A jogada resume bem quem é Jameis Winston e por que ele é um dos motivos que me fazem acreditar que Tampa Bay pode chegar longe em 2017. Há uma energia diferente no jogo de Jameis, uma intensidade maior do que vimos na maioria dos QBs.

Ao contrário de idiotas como Jared Goff, Jameis é um líder natural que não desiste das jogadas e carrega o time nas costas, mesmo que aos trancos e barrancos. É como se ele fosse uma mistura da energia de Philip Rivers e da capacidade de improvisação de Ben Roethlisberger. Apesar de ter lançado para mais de quatro mil jardas, seus números não são espetaculares e há muito o que melhorar, especialmente quando falamos em QB rating e fazemos a relação entre número de passes para TD e número de interceptações, que em 2016 terminou 28/18. Jameis ainda precisa cuidar melhor da bola e 2017 deve ser o ano em que ele dará o próximo passo para chegar ao nível de um dos grandes QBs da NFL.

Jameis: isso ainda vai ser grande na NFL.

Uma nova arma

Ajuda para isso não vai faltar: na offseason, Tampa Bay assinou com o explosivo WR DeSean Jackson, que mesmo em fim de carreira deve trazer uma dimensão a mais para o ataque, a da velocidade nos lançamentos em profundidade. Além dele, o Bucs draftou O.J. Howard, que muitos especialistas consideram o melhor TE a chegar à NFL em anos, já que mistura qualidades de bloqueador e recebedor. Normalmente rookie TEs não causam tanto impacto logo em suas primeiras temporadas, mas se isso acontecer o problema não será tão grande, já que em 2016 o Bucs descobriu em Cameron Brate um TE bem efetivo.

Esses jogadores são todos úteis e talentosos, mas são apenas complementos à principal arma de Jameis e mais um dos motivos que me fazem gostar do Bucs. Mike Evans. Em nosso ranking de WRs, fui quem o colocou mais alto, em terceiro, porque acho que ele é um monstro e pode, rapidamente, se tornar o melhor recebedor da NFL.

Evans tem todas as qualidades que um WR top precisa: tamanho, velocidade, agilidade, capacidade de correr rotas e mãos confiáveis. É assustador pensar os números que ele pode conseguir em 2017, levando em conta que as defesas não poderão focar em coberturas duplas ou triplas nele, já que o cobertor será curto se lembrarmos de todos os alvos de Jameis Winston. Somadas todas as dimensões e possibilidades que o ataque do Buccaneers terá em 2017, tenho que confessar que estou apaixonado.

As interrogações

Se existe uma ressalva no encanto que sinto por esse time, é o jogo corrido. Doug Martin é um bom jogador, mas ultimamente está machucado ou suspenso, dificilmente em campo. É difícil contar com ele pra qualquer coisa e houve rumores de que inclusive poderia ser dispensado. Sobram no depth chart Jacquizz Rodgers e Charles Sims, que são razoáveis e podem quebrar um galho, mas não trazem brilho aos olhos.

Filme repetido.

Já a defesa do Tampa Bay Buccaneers não encanta tanto quanto o ataque, mas não chega a atrapalhar ou impossibilitar nossa história de amor. Seu principal jogador é o DL Gerald McCoy, que já está em sua oitava temporada na liga e em 2016 mostrou pequenos sinais de declínio, mas mesmo assim conseguiu sete sacks. Para ajudar os trabalhos de McCoy na linha defensiva, a principal contratação foi o free agent Chris Baker, que chega do Washington Redskins trazendo seus 9,5 sacks, cinco fumbles forçados e 100 tackles em seus dois anos em DC.

No corpo de LBs, o Bucs vai continuar contando com os versáteis Lavonte David e Kwon Alexander, que combinaram para seis sacks e duas interceptações em 2016 e são bons em tackles. A fraqueza da defesa parece estar na secundária: Brent Grimes é um bom jogador, mas já tem 34 anos e está em fim de carreira. Vernon Hargreaves teve apenas uma interceptação em sua temporada de rookie, mesmo jogando razoavelmente bem. O problema é que a profundidade acaba aí. O Bucs parece ter direcionado a maior parte de seus recursos para melhorar o ataque. O time até investiu uma escolha de segundo round no safety Justin Evans, mas é difícil acreditar que sua contribuição seja efetiva já em seu ano de calouro, principalmente em uma divisão com ataques tão potentes.

Palpite: Se fosse obrigado a escolher um time alternativo para chegar ao Super Bowl, seria o Tampa Bay Buccaneers, mas a paixão muitas vezes nos cega. Quero acreditar que o time estará nos playoffs e terá uma participação digna, mas sei que posso estar sendo enganado por mim mesmo. Porém, continuarei otimista e meu coração prevê um surpreendente Bucs na final da NFC.

Top Pick Six #3: os 15 melhores TEs da NFL

Quinta-feira, dia mais um ranking no ar! Nos mesmos moldes da lista que fizemos com os WRs e CBs, ao todo 8 pessoas selecionaram seus 15 melhores TEs entrando na temporada de 2017. Não é uma lista que contém os 15 melhores do ano passado. Não é uma lista contendo os 15 melhores para o futuro da franquia. É uma lista com os 15 melhores, jogadores essenciais e que podem fazer a diferença para seus times já na próxima temporada – desconsiderando o draft, claro.

Para confecção do ranking, cada um selecionou 15 jogadores. Se o jogador estava na posição 1, lhe atribuí 1 ponto. Na posição 2, 2 pontos, e assim sucessivamente. Se o jogador não apareceu na sua lista, atribuí 16 pontos. Os jogadores com menos pontos, em média, (soma dos valores dividido por 8) ficou em primeiro lugar, e assim por diante. É possível verificar as somas na tabela ao final desta coluna.

Um bom Tight End é especialista em recepções e bloqueios. São geralmente jogadores fortes fisicamente, mas com habilidade atlética e velocidade. Exige bom uso das mãos, até por isso temos vários ex-jogadores de basquete que atuam ou atuaram como TEs, como Tony Gonzalez, Jimmy Graham e Antonio Gates. Tony Gonzalez, inclusive, é o segundo atleta com o maior número de recepções na história da NFL, com 1.325, atrás apenas de Jerry Rice (1.549).

Participaram da formulação do ranking:

Integrantes do Pick Six: Cadu, Digo, Ivo, Murilo e Xermi.

Duas pessoas referência na internet quando o assunto é NFL e que, diferente de nós, realmente sabem o que falam sobre football: Felipe, do @oQuarterback e Vitor, do @tmwarning.

– E um leitor convidado!

Embaixo dos nomes dos jogadores, colocamos a ordem que cada um de nós classificou este jogador. Caso ele não esteja no top 15 de alguém, um traço está no lugar. A ordem é Xermi, Digo, Cadu, Murilo, Ivo, Felipe, Vitor e Ana Clara. Vamos ao que interessa! 

15° Jared Cook

– | – | 13 | 8 | 15 | – | – | 11

Time: Oakland Raiders

Idade: 29 anos

Draft: 2009 / Round: 3 / Pick: 89

College: South Carolina

Career Stats: 303 recepções, 3.880 jardas recebidas, 17 TDs

Em 15° temos um jogador que tinha tudo pra fazer uma temporada espetacular ao lado de Aaron Rodgers, mas infelizmente, devido a lesões, não conseguiu aproveitar totalmente a chance. Seu lance de destaque aconteceu no round divisional dos playoffs, contra os Cowboys, quando fez uma recepção milagrosa na lateral do campo e armou o FG da vitória de seu time. Com a contratação de Bennett pelos Packers, Cook procura um novo lar.

14° Hunter Henry

11 | 11 | 14 | 9 | 13 | 14 | – | 15

Time: Los Angeles Chargers

Idade: 22 anos

Draft: 2016 / Round: 2 / Pick: 35

College: Arkansas

Career Stats: 36 recepções, 478 jardas recebidas, 8 TDs

Garoto que já mostrou muito potencial em 2016, mas que sofreu com fumbles. Talvez por esse motivo não tenha assumido a titularidade. Com certeza será um dos grandes jogadores da liga daqui pra frente, especialmente quando assumir a posição de titular, com a eminência da aposentadoria de Antonio Gates.

Talvez a artrose não permita mais cenas como essa.

13° Antonio Gates

– | 9 | 10 | – | – | – | 11 | 7

Time: Los Angeles Chargers

Idade: 36 anos

Draft: 2003, Undrafted

College: Kent State

Career Stats: 897 recepções, 11.192 jardas recebidas, 111 TDs

Se fizéssemos esse ranking há 4-5 anos, Gates figuraria no top 3. Acontece que, para 2018, a idade já pesou. Com 36 anos e uma vasta experiência, Gates vem sofrendo há tempos com lesões e logo logo deve encerrar sua carreira. Talvez ele esteja no ranking mais pelo seu nome do que pela perspectiva pra próxima temporada.

TOP PICK SIX 1: Os 15 melhores WRs da NFL

12° Cameron Brate

5 | – | – | 14 | 11 | 8 | 14 | 14

Time: Tampa Bay Buccaneers

Idade: 25 anos

Draft: 2014, Undrafted

Career Stats: 81 recepções, 965 jardas recebidas, 11 TDs

Sim, coloquei Brate em quinto lugar do meu ranking. Talvez tenha sido um pouco alto demais, se comparado aos meus colegas, mas o que vi dele ano passado foi uma consistência incrível. Atuando em um ataque potente, com Jameis Winston, Mike Evans e DeSean Jackson, Brate deve ter ainda mais sucesso em 2017, com chances inclusive de brigar no top 5 da posição, em número de jardas recebidas e, principalmente, de TDs.

11° Zach Ertz

13 | 8 | 9 | 12 | 9 | – | 10 | 13

Time: Philadelphia Eagles

Idade: 26 anos

Draft: 2013 / Round: 2 / Pick: 35

College: Stanford

Career Stats: 247 recepções, 2.840 jardas recebidas, 13 TDs

Zach Ertz divide opiniões. Está na liga desde 2013, mas não tem feito as temporadas excepcionais e explosivas que esperávamos dele. Poderia ser porque os QBs não ajudasvam, mas agora ele tem Carson Wentz, que teve flashes de brilhantismo ano passado. Se o time do Eagles realmente engrenar o ataque – o que pode acontecer com a contratação de Alshon Jeffery e Torrey Smith – provavelmente Ertz terá melhores números.

10° Jason Witten

9 | 10 | 15 | 11 | – | 11 | 7 | 10

Time: Dallas Cowboys

Idade: 34 anos

Draft: 2003 / Round: 3 / Pick: 69

College: Tennessee

Career Stats: 1.089 recepções, 11.388 jardas recebidas, 63 TDs

Outra lenda da posição, Jason Witten, acumula sucessos e insucessos jogando pelos Cowboys. Sucessos porque ele se tornou um dos melhores em sua posição. Insucessos porque, mesmo atuando com bons times em Dallas, não conseguiu o tão sonhado título. A chegada de Dak Prescott e Ezekiel Elliott deram um novo ânimo ao Cowboys, e isso pode ajudar Witten a conseguir o anel que lhe falta.

09° Kyle Rudolph

14 | 7 | 11 | 13 | 10 | 6 | 12 | 12

Time: Minnesota Vikings

Idade: 27 anos

Draft: 2011 / Round: 2 / Pick: 43

College: Notre Dame

Career Stats: 265 recepções, 2.621 jardas recebidas, 29 TDs

Achei a posição 9 um pouco demais pra Rudolph, visto que ele não conseguiu se firmar como um dos grandes TEs, desde que entrou na liga, em 2011. Isso posto, vale frisar que ano passado ele foi uma das principais peças do ataque dos Vikings. Se Sam Bradford continuar saudável (duvidamos), Rudolph pode ter em 2017 a melhor temporada de sua carreira.

Vem ser feliz em Green Bay, amigo!

08° Martellus Bennett

10 | – | 8 | 7 | 7 | 10 | 8 | 9

Time: Green Bay Packers

Idade: 30 anos

Draft: 2008 / Round: 2 / Pick: 61

College: Texas A&M

Career Stats: 403 recepções, 4.287 jardas recebidas, 30 TDs

Em oitavo lugar, Martellus Bennett, jogador que ainda não conseguiu se firmar efetivamente em uma equipe, mas que já mostrou todo seu talento. Após uma boa temporada o com os Patriots (e Tom Brady), este será um ano ainda melhor pra ele, pois jogará ao lado de Aaron Rodgers, sendo o principal TE de Green Bay.

07° Delanie Walker

7 | 13 | 7 | 6 | 5 | 7 | 5 | 8

Time: Tennessee Titans

Idade: 32 anos

Draft: 2006 / Round: 6 / Pick: 175

College: Central Missouri

Career Stats: 405 recepções, 4.814 jardas recebidas, 31 TDs

Um dos principais TEs da atualidade, Walker teve excelentes anos nos Titans. Sua boa sequência deve continuar, especialmente com a evolução de seu QB, Marcus Mariota. Acredito que pode finalizar o ano no top 5 em TDs recebidos de toda a liga e, claro, conseguir uma vaga nos playoffs jogando na AFC South.

06° Jimmy Graham

8 | 6 | 3 | 10 | 4 | 5 | 9 | 6

Time: Seattle Seahawks

Idade: 30 anos

Draft: 2010 / Round: 3 / Pick: 95

College: Miami (FL)

Career Stats: 499 recepções, 6.280 jardas recebidas, 59 TDs

Se tivesse continuado no Saints, Graham poderia ser hoje o melhor TE da liga. Se não tivesse sofrido uma séria lesão no tendão patelar, Graham poderia ser hoje o melhor TE da liga. Como o mundo não é feito de “se”, Graham está em sexto lugar. Todos sabem de seu potencial, mas jogando em um time cujo foco é o jogo corrido, e tendo sofrido uma lesão tão séria, fica justo ele estar fora do top 5. Talvez com um ano iluminado dos Seahawks, ele volte a figurar entre os principais TEs da NFL.

TOP PICK SIX #2: Os 15 melhores CBs da NFL

05° Tyler Eifert

6 | 4 | 6 | 5 | 8 | 9 | 6 | 5

Time: Cincinnati Bengals

Idade: 26 anos

Draft: 2013 / Round: 1 / Pick: 21

College: Notre Dame

Career Stats: 123 recepções, 1.491 jardas recebidas, 20 TDs

Assolado por seguidas lesões, Eifert perdeu muitos jogos durante sua carreira. De qualquer forma, é um dos principais alvos de Andy Dalton quando saudável e, entrando em 2017 com novo gás, Eifert pode entregar não somente os TDs de redzone que já está acostumado, como aumentar seu número de jardas recebidas por jogo.

04° Jordan Reed

4 | 5 | 5 | 2 | 6 | 3 | 4 | 3

Time: Washington Redskins

Idade: 26 anos

Draft: 2013 / Round: 3 / Pick: 85

College: Florida

Career Stats: 248 recepções, 2.602 jardas recebidas, 20 TDs

Outro atleta que vem sofrendo com lesões. Mesmo assim, Reed se destaca como o principal atleta do ataque dos Redskins, anotando TDs importantes e fazendo jogadas de efeito. Com Kirk Cousins ainda no comando, ele deve ser beneficiado e, além disso, a equipe ganhou um reforço na posição de WR, com a chegada de Terrelle Pryor.

TOP PICK SIX #4: OS 15 MELHORES LBS DA NFL

03° Greg Olsen

2 | 3 | 2 | 4 | 3 | 4 | 3 | 4

Time: Carolina Panthers

Idade: 32 anos

Draft: 2007 / Round: 1 / Pick: 31

College: Miami (FL)

Career Stats: 622 recepções, 7.365 jardas recebidas, 52 TDs

Um dos melhores jogadores de sua posição em atividade, Olsen abre o top 3. É, sem dúvidas, o alvo de segurança de Cam Newton. Falta-lhe o título de Super Bowl, e se Cam Newton jogar em 2017 o que jogou em 2015, isso é totalmente possível.

Além de tudo, é lindo.

02° Travis Kelce

3 | 2 | 4 | 3 | 2 | 1 | 2 | 2

Time: Kansas City Chiefs

Idade: 27 anos

Draft: 2013 / Round: 3 / Pick: 63

College: Cincinnati

Career Stats: 224 recepções, 2.862 jardas recebidas, 14 TDs

Com certeza Kelce merece o segundo lugar. É um atleta completo, com combinação de atleticismo, físico, rotas precisas e boas mãos. Pode ser, no futuro, o melhor da posição – Felipe, aliás, já o considera: “não há dúvida nenhuma que, em termos de talento puro, Rob Gronkowski é o melhor TE da NFL: ele combina tamanho, velocidade, bloqueios e força de uma forma que poucos da posição conseguiram. No entanto, a grande questão que dá vantagem pro Kelce (principalmente nessa última temporada) é a durabilidade. Enquanto o TE do Chiefs participou de todos os 48 jogos desde 2014, Gronk participou de 38 no mesmo período (e só oito em 2016). Nas estatísticas de jogo, os números dos dois são bem parecidos porque Gronk conta com a vantagem de ter um dos melhores QBs na história da NFL lançando passes. Mas nas estatísticas mais avançadas, a vantagem é de Kelce, que ficou pelo menos no Top 10 em DYAR/DVOA nessas últimas três temporadas enquanto Gronkowski teve desempenho um pouco pior em decorrência de contusões. E tudo isso recebendo passes de Alex Smith“, justifica.

De qualquer forma, sua temporada de 2016 foi muito boa e pode ficar ainda melhor em 2017, caso o ataque dos Chiefs melhore (o que é um pouco complicado por motivos já citados como… Alex Smith).

01° Rob Gronkowski

1 | 1 | 1 | 1 | 1 | 2 | 1 | 1

Time: New England Patriots

Idade: 27 anos

Draft: 2010 / Round: 2 / Pick: 42

College: Arizona

Career Stats: 405 recepções, 6.095 jardas recebidas, 69 TDs

Gronk era a única chance de termos uma unanimidade entre jogadores de ataque, como o primeiro da posição: não conseguimos. Gronk é um monstro em campo, ainda mais jogando com Brady. Ninguém supera. Porém, desde que iniciou sua carreira, vem sofrendo com lesões sérias e que o afastam por muito tempo dos gramados. Ano passado mesmo, ele não jogou o Super Bowl. Para a próxima temporada, o Patriots está montando um ataque versátil, que conta com Brady, Edelman, Gronk, Cooks, etc. Rob tem tudo para se tornar ainda mais letal neste sistema.

Algumas curiosidades do ranking:

– Apenas Rob Gronkowski foi unanimidade no top 3. Inclusive, ele levou 7 votos para número 1. Apenas o Felipe, do @OQuarterback, o colocou em segundo.

– No top 5, tivemos 3 unanimidades: Gronk, Kelce e Olsen.

– 8 jogadores são comuns aos 8 rankings: Gronk, Kelce, Olsen, Reed, Eifert, Graham, Walker e Rudolph.

– Um total de 23 jogadores diferentes foram citados, veja na tabela final abaixo.

– O top 15 contempla 9 jogadores da NFC e 6 da AFC, porém no top 5 temos 3 da AFC e 2 da NFC.

– Somente 2 jogadores foram escolhas de primeiro round em seus drafts: Olsen e Eifert.

– 2 jogadores não foram draftados: Gates e Brate.

– Somente 2 são campões do Super Bowl: Gronk e Bennett;

– Bennett, Witten e Gates são os jogadores que aparecem com maior diferença de posição entre dois rankings: 9 posições.

– Apenas um time teve dois jogadores entre o top 15: Henry/Gates (LAC).

– Ficaram fora do top 15, em ordem: Eric Ebron (DET), Ladarius Green (PIT), Coby Fleener (NO), Jack Doyle (IND), Dennis Pitta (BAL), Gary Barnidge (CLE), Austin Hooper (ATL), Zach Miller (CHI).

– 22 dos 32 times da liga tem jogadores nos rankings. Não foram citados jogadores de: BUF, MIA, NYJ, HOU, JAX, DEN, OAK, NYG, LAR, SF.

– Dois jogadores que tiveram muito destaque nos últimos anos não foram sequer citados: Vernon Davis, que foi importantíssimo enquanto jogou nos 49ers e teve lampejos nos Redskins, e Julius Thomas, que fez campanhas boas com o Broncos na época que Peyton Manning era o QB – mas no Jaguars, não jogou nada.

– Todos os atletas citados são milionários!