Posts com a Tag : AFC

Quem culparemos quando Bortles se for?

Performances questionáveis dentro de campo fazem com que times ruins precisem inventar maneiras criativas de atrair torcedores para seus estádios. Em Jacksonville, houve uma época em que a ruindade era tanta que o time teve o trabalho de construir uma piscina com vista para o campo. Não era incomum que as imagens dos sofridos torcedores se refrescando no calor da Flórida fossem mais interessantes do que a performance dos atletas em campo.

Mas o tempo em que o principal atrativo de um jogo em Jacksonville era a piscina já ficou para trás. Depois de anos de poucas vitórias e de muita chacota, o Jaguars passou a ser um time respeitável e, muito mais do que isso, um dos principais candidatos a representar a AFC no Super Bowl.

Em 2017, carregado por uma defesa que produziu números históricos, o Jacksonville Jaguars chegou à final da AFC contra o New England Patriots. O confronto de um time em ascensão, que até há pouco tempo era uma grande piada, contra a grande potência do século XXI pode parecer desproporcional, mas no início do último quarto da partida Jacksonville liderava por 10 pontos. O final, é claro, não foi feliz, mas mostra o quão perto o Jaguars está de conquistar o Lombardi Trophy. Se antes o time tinha que administrar decepções, agora precisa controlar as expectativas. Jacksonville vive uma nova era.

Um pilar chamado defesa

O sucesso do Jaguars em 2017 pode ser creditado em grande parte à defesa. Considerada por muitos analistas como uma das melhores da história, a unidade terminou a temporada passada na liderança da NFL em várias das principais estatísticas defensivas: TDs defensivos, jardas aéreas permitidas por jogo, QB rating permitido, porcentagem de passes completos e fumbles forçados. Parece pouco? A defesa do Jaguars ainda terminou em segundo na liga em jardas totais permitidas por jogo, pontos permitidos por jogo, turnovers e sacks, o que levou à criação do apelido de qualidade duvidosa “Sacksonville”, usado inclusive como nome no Twitter.

Nomes infelizes à parte, a defesa foi simplesmente espetacular. Esperar que os resultados estatísticos se repitam em 2018 pode parecer utópico demais, mas ao mesmo tempo não há indícios de uma queda de performance significativa. Além de não ter perdido nenhum jogador fundamental, a defesa ainda foi reforçada no draft.

A linha defensiva, que já tinha Calais Campbell, Yannick Ngakoue, Dante Fowler e Malik Jackson, responsáveis por 42,5 sacks combinados em 2017, viu a chegada de Taven Bryan logo no primeiro round. A escolha não deixa de ser uma surpresa, já que a linha defensiva não tinha nenhuma carência que precisasse ser suprida, mas Bryan é o típico caso de tentativa de reforçar o que já era forte e adicionar flexibilidade tática e profundidade no roster em caso de lesões.

A DL conseguirá colocar pressão nos QBs adversários, não restam dúvidas sobre isso, mas precisa fazer um trabalho melhor contra o jogo corrido: na temporada passada foi a sétima que mais cedeu jardas aos RBs adversários (4,3 por jogada). A melhora nessa estatística passa pela evolução do nose tackle Marcell Dareus (que, perceba, não apareceu na lista de monstros anterior), que chegou via troca no meio da temporada passada e agora terá todo o tempo necessário para se adaptar ao esquema defensivo.

O grupo de linebackers perdeu um dos mais emblemáticos Jaguars nos últimos anos: Paul Posluszny, que se aposentou. Blair Brown deve ser o seu substituto e se junta à atlética dupla de LBs Myles Jack e Telvin Smith, que produziram juntos 192 tackles na temporada passada.

DUUUUVAL

A melhor secundária da liga em 2017 retorna praticamente intacta e não mostra sinais de que possa perder o posto. Extremamente físico, Jalen Ramsey é um monstro e não é exagero considerá-lo o melhor CB da NFL. Para piorar, A.J. Bouye se junta a ele para formar a melhor dupla de CBs da liga. Os safeties Tashaun Gipson e Barry Church completam a base da secundária que, contando apenas esses quatro jogadores, conseguiu espantosas 18 INTs em 2017.

Ataque: a obrigação de dar o próximo passo

Carregado pela excelente defesa, o objetivo ofensivo do Jacksonville Jaguars parece ser apenas um: correr com a bola e administrar o jogo. Em 2017, o time liderou a NFL em corridas (527) e jardas (2262), e foi o segundo em TDs terrestres (18). O RB Leonard Fournette foi o responsável por virtualmente metade dos números conseguidos pelo time nesse departamento, tanto em jardas quanto em TDs.

Os números são bons, especialmente considerando que foram conseguidos em apenas 13 jogos, mas há espaço para evolução: suas 3,9 jardas por tentativa não são nenhum primor. A participação no jogo aéreo também deixou um pouco a desejar, com apenas 302 jardas recebidas e 1 TD; muito distante de jogadores como Le’Veon Bell e Todd Gurley, se é que essa comparação é justa. De qualquer forma, Fournette deve continuar sendo a base ofensiva do time enquanto sua saúde durar.

E não podemos questionar, pois correr muito com a bola parece ser a melhor opção quando o nome do seu quarterback é Blake Bortles. Um dos QBs mais controversos da liga, Bortles teve o menor número de INTs de sua carreira em 2017 e não cometeu nenhum turnover na pós-temporada – basicamente muito mais do que se esperava dele.

Demorou, mas lá vem ele chegando no seu texto…

Em compensação, das temporadas em que jogou todas as partidas, a de 2017 foi a que produziu o menor número de jardas por jogo: 230,4. Sua performance foi suficiente para colocar Jacksonville apenas na metade do ranking de ataques aéreos da liga. Mesmo não tendo sido convincente, a temporada do QB parece ter sido boa o suficiente para o time oferecer uma extensão contratual que o coloca como titular do time nas próximas duas temporadas. Ao mesmo tempo em que manter o QB que esteve na final de conferência parece ser uma decisão razoável, é um pouco questionável pelo fato de Bortles estar longe de ser o tipo de QB que faz a diferença. Na verdade, ele precisa se manter às sombras de uma boa defesa e de um jogo corrido eficiente; se algum desses pilares desabar, é provável que o time todo desabe junto, pois seu QB não será o salvador da pátria.

Para 2018, Bortles terá dois obstáculos a superar além de si mesmo. O primeiro é a linha ofensiva que, apesar de ter contratado o left guard Andrew Norwell, é apenas a 15ª melhor da liga, de acordo com o site Pro Football Focus.

Outra barreira é o grupo de recebedores, que perdeu a dupla de Allens (Robinson e Hurns) e agora conta com jogadores puramente medianos, que não são capazes de elevar o ataque a um nível acima. Donte Moncrief chega de Indianapolis tentando mostrar que pode fazer algo sem Andrew Luck (spoiler: não vai conseguir). Do draft, o Jaguars trouxe o WR DJ Chark, de LSU, no segundo round.

Marqise Lee, Dede Westbrook e Keelan Cole já tiveram momentos promissores, mas estão longe de ser uma garantia de produtividade. Dos cinco jogadores citados, não há certeza sequer de quem serão os dois ou três titulares, o que evidencia que o grupo faz parte do mesmo poço de mediocridade.

Na posição de TE, importante como válvula de escape para um QB medíocre como Bortles, o time dispensou Marcedes Lewis, um jogador bastante útil, após 12 temporadas. O substituto é Austin Seferian-Jenkins, que pode tranquilamente ser descrito pela mesma mediocridade dos WRs.

Palpite

Em uma divisão que parece estar em constante crescimento, mas que ainda tem consideráveis pontos de interrogação, o Jaguars não parece ter muitas barreiras para repetir 2017 e terminar em primeiro lugar. Se estar em campo em janeiro é praticamente uma certeza, é preciso se preparar para o próximo passo. Quando estiver liderando a final da AFC por 10 pontos no último quarto, é preciso finalizar a vitória. Bortles precisa ser melhor, pois não é sempre que a defesa vai compensar as falhas do ataque, especialmente nos playoffs. O problema é que contar com a evolução de um QB que parece já ter atingido o teto do seu desempenho e que não tem grandes recebedores para mascarar suas falhas não é uma boa ideia. O Jaguars vencerá pelo menos um jogo na pós-temporada, novamente carregado pela defesa, mas será eliminado por um adversário com mais poderio ofensivo. As questões que ficarão para 2019 são: por que foi dada uma extensão contratual para Blake Bortles? E quem será o seu substituto?

A vida é feita de ciclos

O Colts sempre teve sua história associada a um grande jogador. Nos primórdios da franquia, ainda em Baltimore, esse cara era Johnny Unitas. Em Indianapolis, vieram Erick Dickerson e depois Marshall Faulk. E, por fim, você deve se lembrar de um moço alto chamado Peyton Manning. Parece que lançava a bola, o rapaz.

Essa sucessão não parou com a saída de Peyton. Aliás, essa saída se deu muito por conta disso: a ideia de continuar o sucesso que a franquia havia conquistado. Em 2012, menos de um ano depois de ostentar o pior record da NFL, Indianapolis escolheu o QB Andrew Luck, de Stanford.

E tudo parecia seguir de acordo com os planos: Andrew levou a franquia aos playoffs em seus primeiros anos na liga, chegando até a final da AFC em 2014/15, em campanha que contou inclusive com vitória sobre Manning (aquele, não o outro) nos playoffs. Se quiser saber um pouco mais dessa história, falamos sobre isso aqui.

Em 30 segundos, tudo pode mudar

A trajetória vencedora de Luck foi interrompida em 2015. Em meio a um início ruim, o jogador sofreu múltiplas lesões e acabou a temporada na lista de contundidos. Em 2016, o trabalho para recuperar o ombro, lesionado no ano anterior, exigiu muito do jogador e a melhora esperada não veio. Para 2017, o time e o QB optaram por uma cirurgia no ombro – a ideia era deixar quaisquer resquícios da lesão para trás, agora de uma vez por todas.

O resultado você já conhece. O tempo de recuperação foi se estendendo, até chegar no ponto em que a participação de Andrew na temporada fosse descartada. O ombro não mostrava sinais de recuperação, e o ano já parecia perdido mesmo.

Após reavaliar o ombro e alterar um pouco os trabalhos de reabilitação, Luck vai jogar a temporada normalmente. A dúvida fica por conta de como serão suas atuações, já que seu último jogo foi há mais de 500 dias.

Pagano vs Grigson: a origem da ruína

A saga de Andrew Luck foi apenas a cereja no bolo de um processo inevitável, mas que, ironicamente, era mascarado pela própria capacidade de Luck dentro de campo. O time, apesar dos bons resultados, não era bom. Após receber o prêmio de “executivo do ano” (sim) em 2012, Ryan Grigson, o então GM da equipe, não conseguiu realizar bons drafts ou reforçar o time à altura no mercado. Chuck Pagano, o head coach, não mostrava competência para dirigir sequer um bom time, quem dirá um questionável.

LEIA TAMBÉM: Manning e Andrew Luck: os mesmos erros, as mesmas histórias

Por conta dessa incompetência, tudo que Andrew não controlava fedia: a linha ofensiva, o jogo corrido e a defesa como um todo. Viradas milagrosas e uma AFC South que beirava o amadorismo ocultavam a verdade: Indianapolis não tinha um bom time.

Sem Andrew Luck, as deficiências da equipe e a ruindade de Grigson e Pagano ficaram escancaradas. Em um intervalo de menos de um ano, ambos foram chutados da franquia.

Reconstruindo (do inglês rebuild)

Para consertar o “elenco” deixado por Ryan Grigson, os Colts foram atrás de Chris Ballard, que é muito bem visto dentro da liga e tido por muitos como um dos melhores avaliadores de talento da NFL.

Daddy.

Em seu primeiro ano como GM, porém, ele não foi bem. O time não contou com Andrew Luck, claro, mas Chris não se mostrou muito ativo ao lidar com a situação. Se os Patriots não tivessem proposto uma troca, Indianapolis teria jogado 2017 com Scott “are you serious?” Tolzien como seu QB. Além disso, a equipe montada não se mostrou competitiva como se deseja, mesmo o trabalhando apenas se iniciando.

Finalmente e, sim, estávamos evitando, chegamos em 2018

Como tudo na vida é um ciclo, o dos Colts está se fechando agora. O ciclo que se inicia lembra muito aquele de 2012: um ou outro nome reconhecível e a esperança que Luck seja o diferencial da equipe. Se antes o ataque tinha Reggie Wayne, hoje ele tem TY Hilton. Se antes a defesa tinha Robert Mathis, hoje ela tem Jabaal Sheard. Não é um cenário animador.

Todos sabemos que um time que tem apenas três jogadores de nível de Pro Bowl (estamos ignorando Jack Doyle e Adam Vinatieri da lista, você não é o único que percebeu) não vai chegar muito longe, mas Indianapolis tem uma carta na manga: a juventude.

O elenco é hoje formado por alguns medalhões (os que já citamos, Eric Ebron, Anthony Castonzo, Al Woods, John Simon…) e muitos jovens. As três escolhas na segundo rodada, um grupo de RBs liderado pelo apenas segundo-anista Marlon Mack, além dos 1st rounders Quenton Nelson e Malik Hooker, e mais um bando de meninos que você não conhece, tornam os Colts um dos 5 times mais jovens da NFL.

Isso torna a temporada de Indy extremamente imprevisível. Se alguns desses jogadores jogarem em alto nível, daqui a um ano provavelmente estaremos falando de uma equipe pronta para disputar a AFC por anos. Por outro lado, se o desempenho for de medíocre pra baixo, a situação pode ser crítica a ponto de vermos a franquia de novo com uma escolha no top 5 do draft.

Um passo de cada vez

Se antes a ruindade do time apareceu quando Andrew Luck se machucou, agora os Colts estão fazendo de tudo para evitar que isso aconteça. A linha ofensiva foi ponto focal da offseason, menos de um ano depois de jogadores como Jeremy Vujnovich atuarem em todos jogos da temporada.

“Como é que eu vim parar aqui?”

A unidade agora conta com Anthony Castonzo, que, no geral, não compromete; Quenton Nelson, talvez o único prospecto universalmente aceito como BOM; Ryan Kelly, que quando jogou foi bem (porém tem sofrido com lesões); Matt Slauson, veterano que já joga na liga há alguns bons nove anos; e Austin Howard, também veterano. Além deles, o calouro Braden Smith, escolha de segunda rodada esse ano, fica na reserva para suprir uma inevitável lesão. Não é o melhor grupo da liga, claro, mas não é a calamidade que vimos nos últimos anos.

LEIA MAIS: Ryan Grigson estrelando: “Como Vencer Na Vida Mesmo Sendo Um Completo Imbecil”

Se antes a linha ofensiva, o jogo corrido e a defesa eram ruins, agora podemos riscar pelo menos a linha ofensiva dessa lista. E isso apenas sete anos depois que Andrew Luck entrou na liga.

Tudo isso, não mais comandado por Chuck Pagano

É importante ressaltar que, também pela primeira vez em sua carreira, Luck terá o que achamos ser um Head Coach de verdade, não apenas um gerador de clichés motivacionais.

Reich chega depois que Josh McDaniels recusou o cargo, e só citamos isso aqui pra deixar bem claro que isso não influenciará em nada na temporada de Indy. Frank chega aos Colts com a credencial de ser uma das mentes envolvidas no processo que culminou com Nick Foles sendo o MVP do Super Bowl.

Tal qual um rookie, tudo que podemos dizer sobre Frank Reich é: esperamos que faça um bom trabalho e, pior que do que estava, dificilmente fica.

Palpite: “É muito difícil saber o que esperar desse time em 2018. Muitos jogadores pouco ou nada jogaram na liga, tornando o nível da equipe extremamente imprevisível. No melhor dos cenários, pode brigar por playoffs e, no pior, pode acabar com uma pick alta no ano que vem. Como o meio-termo talvez seja a opinião mais sensata, um record entre 6 e 10 e 7 e 9 é onde esse time deve terminar o ano.”

De Peyton Manning a Andrew Luck: mesmos erros, mesmas histórias

Com a primeira escolha geral do draft de 1998, o Indianapolis Colts selecionou o quarterback Peyton Manning, de Tennessee. Com a primeira escolha geral do draft de 2012, o Indianapolis Colts selecionou o quarterback Andrew Luck, de Stanford.

Não é só a posição em que foram escolhidos que aproxima a carreira dos dois melhores QBs que a cidade de Indianapolis já viu. Peyton Manning enfrentou dificuldades nos seus primeiros anos na liga e Andrew Luck também o fez. Peyton teve um head coach questionado no início de sua carreira, Andrew ainda o tem. Manning comandava um ataque explosivo quando jovem e Luck ainda o faz.

Esses aspectos em comum trazem a tona a seguinte questão: por que o Colts não consegue aproveitar seus jovens quarterbacks ao máximo? Por que um time que contou com Peyton Manning e conta com Andrew Luck tem um Super Bowl a menos que a franquia que venceu a liga duas vezes com Joe Flacco (aquele!) e Trent Dilfer (quem?) no mesmo período?

Direto do túnel do tempo

Peyton Manning chegou em Indianapolis em 1998, após o time ter uma temporada 3-13. Em seu primeiro ano na liga ele lançou 29 interceptações e os Colts terminaram com o mesmo recorde anterior. Ruim, óbvio, mas aceitável para um rookie, afinal, desde que abandonara Baltimore na calada da noite, a franquia nunca teve uma mentalidade vencedora. A exigência não era a maior do mundo.

Na temporada seguinte o time de Jim Mora terminou o ano 13-3, vencendo 11 dos últimos 12 jogos. Manning foi escolhido para o Pro BowlSecond Team All Pro. Além disso, o RB Edgerrin James despontou na liga e foi escolhido como rookie ofensivo do ano. Mas tal rendimento na temporada regular não garantiu uma boa estreia nos playoffs: derrota por 19-16 para os Titans, jogo em que Peyton completou 19/42 passes, não lançou nenhum touchdown e, mais assustador, correu pra um. Apesar da eliminação, o futuro se mostrava promissor no RCA Dome.

2000 foi marcado pela irregularidade dos Colts e o resultado final de 10-6 evidenciou isso. Mais uma vez, Manning foi Second Team All-Pro e escolhido para o Pro Bowl juntamente com o WR Marvin Harrison e o RB Edgerrin James. Nos playoffs, porém, nova decepção: mais um jogo ruim de seu quarterback (197 jardas e 1 touchdown) e os Colts deixaram uma vantagem de 14 pontos no intervalo escapar para o Dolphins do glorioso Jay Fiedler – uma espécie de Dan Marino ao contrário. Além disso, o kicker Mike Vanderjagt perdeu o que seria o FG da vitória; para se ter uma noção do feito, essa é a vitória mais recente do time de Miami nos playoffs. Sim, há quase 20 primaveras.

Ainda estamos vários parágrafos distantes dessa cena.

Depois de duas derrotas nos playoffs, o técnico Jim Mora – na época o mais velho da NFL – era questionado por não conseguir fazer a equipe dar o “próximo passo”. Nada mudou e a temporada de 2001 foi péssima. A defesa dos Colts permitiu uma média de 30 pontos por jogo, Peyton lançou 23 interceptações e foi sackado 29 vezes, maior marca de sua longa carreira. Após terminar a temporada 6-10, Mora acabou demitido, deixando como legado um dos maiores vídeos da história do futebol americano.

Mudanças (mas nem tanto)

Em 2002, Indianapolis foi buscar o técnico Tony Dungy com o objetivo de consertar aquilo que alguns tinham a audácia de chamar de defesa. Foi também o primeiro ano da equipe na AFC South, depois de 32 temporadas na AFC East. Após 10 vitórias e 6 derrotas na temporada regular, o Colts foi humilhados pelos Jets nos playoffs, perdendo por 41-0. Manning lançou pra 137 jardas e 2 INTs na oportunidade, mesmo tendo novamente sido escolhido para o Pro Bowl naquele ano.

Para curar a ressaca, 2003 foi um grande ano para o time e para Peyton: o time chegou a final da AFC após um recorde de 12-4 na temporada regular. Na vitória por 41-10 no wild card contra os Broncos, Manning teve um rating perfeito (158.3) pela segunda vez na temporada. No Divisional, vitória por 38-31 sobre os Chiefs, em mais um sólido jogo: 304 jardas e 3 TDs. Na final da AFC, uma derrota amarga para os Patriots por 24-14: Peyton foi interceptado e sackado quatro vezes e teve terceiro pior rating da carreira (35,5). Como prêmios individuais, ele foi escolhido 1st Team All Pro, Pro Bowl além de dividir o prêmio de MVP com o também QB Steve McNair.

A temporada de 2004 dos Colts foi marcada por um ataque colossal: 522 pontos totais – os 277 no primeiro tempo dos jogos foi maior que a marca total de 7 equipes naquele ano (para se ter uma ideia, o ataque dos Rams em 2016 marcou 224, ou seja, precisaria de 2,33 temporadas pra alcançar o mesmo que o sistema ofensivo de Indianapolis consegui só em 2004).

Manning lançou ainda 49 TDs, batendo o recorde que na época pertencia a Dan Marino (48), foi novamente MVP, jogador ofensivo do ano, 1st Team All Pro e Pro Bowler. A equipe terminaria a temporada 12-4 e tornaria a vencer os Broncos no Wild Card em mais um grande jogo de seu quarterback: 27/33, 4 TDs 1 INT, uma corrida de 4 jardas pra TD e 145,7 de rating. Já no Divisional, derrota por 20-3 em New England, em partida que a defesa permitiu mais de 200 jardas terrestres e o ataque foi neutralizado.

Mesmo roteiro ou filme repetido? 2005 foi mais um grande ano dos Colts e, como já se tornara habitual, de Manning. O time venceu 14 jogos na temporada regular, incluindo um convincente 40-21 sobre o New England Patriots em Foxborough. Em uma das poucas oportunidades em que lançou para menos de 4000 jardas, ainda assim Peyton teve o melhor rating da liga (104.1). Não foi o suficiente para ser novamente MVP: o camisa 18 ficou atrás de Shaun Alexander na votação. As escolhas para o Pro Bowl e 1st Team All Pro, porém, se mantiveram, além do Walter Payton Man of The Year, conquistado pela primeira vez.

Mas a derrota nos playoffs foi de partir o coração. Enfrentando o último classificado, Pittsburgh, Indianapolis poderia ter passado de fase se não fosse por um jogador esfaqueado que não conseguiu escapar do tackle do ultra-atlético-só-que-não Ben Roethlisberger e um kicker idiota que desperdiçou um chute para empatar a partida com 17s restantes no relógio.

Como o tempo é capaz de curar tudo, 2006 finalmente foi o nosso ano caralho chegou e, com ele, mais recordes foram quebrados: os Colts se tornaram o primeiro time da história a vencer seus nove primeiros jogos em duas temporadas consecutivas. Nos playoffs, Indianapolis derrotou Kansas City por 23-8, em jogo tranquilo. Já no Divisional, em Baltimore, não houve tanta facilidade. Nenhum dos times conseguiu marcar touchdowns e Adam Vinatieri, kicker então recém-contratado, exorcizou todos os demônios imagináveis e marcou 5 FGs na vitória por 15-6.

Era tudo tão mágico que o AFC Championship Game foi um dos jogos mais memoráveis da história. Sério: se você nunca assistiu, assista. Após estar atrás por 21-3 em determinado ponto do jogo, os Colts conseguiram uma dramática vitória por 38-34, em um jogo que contou inclusive com 2 TDs marcados por jogadores de linha ofensiva.

Estávamos diante dos portões do paraíso: o Super Bowl XLI, disputado em Miami contra o Chicago Bears, aconteceu sob forte chuva, que a cada gota que tocava o sagrado uniforme de Indy, lavava anos e mais anos de desgraças intermináveis. No campo, ambas as equipes foram prejudicadas pela bola molhada, mas, no final, o estilo de jogo conservador dos Colts, distribuindo passes curtos, prevaleceu. A franquia e Peyton Manning, finalmente alcançaram o objetivo maior e, enfim, no fundo todos sabíamos que os deuses do football não cometeriam a heresia de permitir que Rex Grossman levantasse o Vince Lombardi.

Ano após ano, nosso time sempre caía. E isso era decepcionante“, disse um emocionado Manning, escolhido MVP da partida. “De alguma forma achamos um jeito de aprender com essas derrotas. E nos tornamos um time melhor por causa disso“, completou.

Aconteceu? É real?

De volta à realidade

Os Colts entraram em 2007 como favoritos para vencer o Super Bowl e o time mostrou sua força no início da temporada. As sete vitórias nos sete primeiros jogos por três anos seguidos foi mais um recorde batido pela equipe. O S Bob Sanders foi escolhido Defensive Player of The Year. Terminando a temporada 13-3, Manning recebeu Phillip Rivers (que mesmo com o ligamento rompido terminou o jogo: abraços, Jay Cutler) e os Chargers naquele que foi o último jogo do RCA Dome. Ele lançou 402 jardas e 3 TDs, mas as 2 interceptações foram custosas na derrota por 28-24, em um duelo de muitas alternâncias de liderança.

Já o início de 2008 não foi muito promissor, mas após 9 vitórias consecutivas, Manning levou os Colts para os playoffs e o seu terceiro prêmio de MVP para casa, além da seleção para mais um 1st Team All Pro. Nos playoffs, o time não conseguiu a revanche contra os Chargers: após empate no tempo normal, San Diego venceu o coin toss e anotou o touchdown na prorrogação.

Para a temporada seguinte, Tony Dungy, técnico hoje no Hall da Fama, se aposentou e em 2009 os Colts contavam com Jim Caldwell como seu novo head coach. Tal mudança no comando não atrapalhou o rendimento da equipe, que terminou o ano 14-2, incluindo uma vitória memorável contra os Patriots, em virada emocionante no último quarto. Peyton foi, pela quarta e última vez em Indianapolis, MVP e 1st Team All Pro, junto com Dallas Clark e Dwight Freeney. Na rodada Divisional dos playoffs, uma vitória tranquila sobre os Ravens em Indy levou os Colts a final da AFC contra os Jets de Mark Sanchez & Rex Ryan (sim!). Após começar atrás, Manning comandou a equipe lançando pra mais de 350 jardas e 3 TDs para chegar a seu segundo Super Bowl. Então no quarto SB da franquia, os Colts enfrentaram o New Orleans Saints: derrota por 31-17 na partida que ficou marcada por um onside kick de New Orleans voltando do intervalo e do “retorno pra história” de Tracy Porter.

2010 foi o último ano de Manning como quarterback titular dos Colts. Naquele ano, ele completou 450 passes (melhor marca da história até então, que o próprio Peyton empatou em 2013) para 4700 jardas (também melhor marca pessoal até então) para levar Indianapolis a um recorde de 10-6 e mais uma pós-temporada. Dessa vez, os Jets de Mark Sanchez & Rex Ryan (sim!) levaram a melhor no Lucas Oil Stadium, vencendo o jogo com o relógio expirado. E aquele foi o último jogo de Peyton Manning pelo Indianapolis Colts: após múltiplas cirurgias no pescoço, Peyton perdeu toda a temporada 2011 e os Colts acabaram o ano 2-14 (você ainda lembra de Curtis Painter?), assegurando a primeira escolha do draft seguinte.

Um novo começo

A primeira escolha geral do draft de 2012 e as incertezas em relação ao estado de saúde de Manning fizeram com que os Colts dispensassem seu quarterback para ir atrás de uma reposição mais jovem e que, para muitos, tinha potencial parecido com o de Peyton: Andrew Luck.

Recomeçando essa desgraça.

O primeiro ano de Luck na liga foi um ótimo cartão de visitas. O recorde final de 11-5 veio com muitas viradas emocionantes, incluindo uma partida sensacional contra o Detroit Lions e o provável melhor jogo de Reggie Wayne com a camisa dos Colts. Luck foi selecionado para o Pro Bowl e, para alguns, deveria também ter sido o calouro ofensivo do ano. Ele também quebrou o recorde de jardas lançadas por um rookie, com 4374. Além da escolha de Andrew, o Indianapolis selecionou outros jogadores para compor o ataque da equipe, como o WR TY Hilton e os TEs Coby Fleener e Dwayne Allen. Nos playoffs, os Colts não marcaram touchdowns e acabaram derrotados pelos Ravens, que seriam campeões naquele ano, por 24-9.

Como o ano anterior na verdade era visto como um período de reconstrução, as expectativas para 2013 eram ainda maiores. E, apesar de inconsistente, os Colts fizeram uma boa temporada: vitórias sobre os finalistas da NFC Seahawks e 49ers, além de um jogo inesquecível contra os Broncos no primeiro reencontro de Manning com a equipe. O resultado foi o mesmo do ano anterior: 11-5. Mas Luck teve o seu melhor ano protegendo a bola, lançando 9 INTs, sofrendo apenas um fumble e novamente sendo selecionado para o Pro Bowl.

Já na pós-temporada, o time conseguiu a segunda maior virada da história dos playoffs, revertendo uma desvantagem de 28 pontos em mais um jogo épico que você deveria assistir. No Divisional, a equipe viajou até New England e tomou uma sova: Luck lançou 4 INTs e a defesa permitiu mais de 200 jardas para os RBs adversários, além de seis (sim, SEIS!) touchdowns terrestres.

Está conseguindo encontrar um padrão? Então, lá vamos nós novamente! 2014 foi o melhor ano de Luck na NFL, quebrando recordes e se estabelecendo como um dos grandes nomes da liga: ele bateu o recorde de jardas lançadas da franquia, passando Peyton Manning (4761 x 4700), além de outras marcas importantes. Os bons números e boas atuações eram comemorados, mas faltava dar um passo adiante: contra adversários como New England e Pittsburgh, Indianapolis não conseguia jogar bem, só tomando lavadas. Devido a essa inconsistência, o recorde foi de 11-5 pelo terceiro ano consecutivo.

No Wild Card os Colts jogaram bem e passaram pelos Bengals sem maiores sustos por 26-10. No Divisional a equipe viajou até Denver para enfrentar, mais uma vez, Peyton Manning. Já sentindo a idade, o xerife não jogou bem e os Colts controlaram a partida para vencer por 24-13. O AFC Championship Game, felizmente para os Colts, ficou mais marcado por fatores extra-campo: no jogo que ficou conhecido pelo Deflategate, New England mais uma vez passou o carro sobre a fraca defesa de Indianapolis. Andrew Luck lançou apenas 126 jardas e 2 INTs na derrota por 45-7. E, convenhamos, se as bolas estivessem devidamente infladas não mudaria porra nenhuma.

Novos anos, novas expectativas

Mesmo assim, 2015 chegou com muitas expectativas. As contratações na free agency e a empolgação vinda do ano anterior criaram uma necessidade grande de vencer. Muitos torcedores e analistas usavam inclusive a expressão Super Bowl or Bust. Mas nada saiu como o esperado. Andrew Luck começou o ano de forma irregular, inclusive perdendo alguns jogos por lesão. Quando as coisas pareciam entrar nos trilhos, o QB dilacerou o rim em uma jogada contra os Broncos. Apesar dos esforços do backup Matt Hasselbeck (que também não sobreviveu a linha ofensiva do time até o final da temporada), o ano acabou com um 8-8 e as férias chegaram mais cedo.

Na Black Monday daquela temporada, a expectativa era que o HC Chuck Pagano, então com o contrato terminado, deixasse a franquia. A relação com o GM Ryan Grigson não era das melhores e haviam inclusive relatos de que eles não se falavam. Após uma longa reunião, já no final daquele dia, Pagano e Grigson tiveram seus contratos renovados – vale lembrar que Grigson ainda tinha um ano vigente, mas como uma espécie de “prêmio” pelos bons serviços prestados (HAHAHA), recebeu uma extensão.

Então chegou 2016 e com ele muitas interrogações. Já não se esperava muito daquele mesmo time, e a percepção geral indicava que os Colts só conseguiam bons resultados por jogar em uma divisão fraca. A ideia era consertar a linha ofensiva e reforçar a defesa, os principais problemas da equipe. No draft, quatro OLs foram selecionados, além de outros quatro defensores. Na temporada regular, os Colts perderam muitos jogos no final e/ou por margens pequenas porque, na maioria das vezes, a defesa não conseguiu segurar a vantagem que o ataque construiu.

Andrew Luck ainda perderia um jogo por causa de concussão, além de ser poupado em boa parte dos treinos, mas mesmo assim terminaria o ano com sua melhor taxa de acerto de passe (63,5%) e melhor média de jardas por tentativa completada (7.8); por outro lado igualou o pior número de sacks sofridos na carreira (41, como em 2012): assim, o Colts ficou fora dos playoffs pelo segundo ano consecutivo e pela primeira vez desde 2001 ficou fora da pós-temporada tendo seu QB titular jogando.

Havia a expectativa da demissão de Chuck Pagano, mas ela não aconteceu. Na verdade, quem rodou foi o idiota do Ryan Grigson. Toda esta história apenas nos mostra um padrão, apenas nos evidencia que apenas um Super Bowl nesse longo período está longe de ser o ideal.

Aquela carinha de quem não aguenta mais apanhar.

Mesmos erros, mesmas “desculpas”

Peyton Manning se estabeleceu como um dos maiores quarterbacks da história jogando em Indianapolis, mas diversos fatores que estavam fora de seu controle não permitiram que ele vencesse mais que um SB. Já em quatro anos com o Denver Broncos, o camisa 18 conseguiu os mesmos números do que em 13 temporadas (excluindo 2011) em Indy, quando o assunto é “anéis no dedo”. É, inclusive, emblemático que sua última conquista tenha vindo com ele atuando como coadjuvante, sendo a defesa a grande estrela do time.

Em alguns momentos faltou sorte para os Colts quando Peyton comandava a equipe e podemos dizer que, se não fosse um certo time de New England, Indianapolis poderia ter chegado a mais finais da NFL. Mas também é inegável que faltou competência: o padrão de um sistema defensivo aparentemente mentalmente incapaz de segurar vantagens de 10, 14 pontos nos últimos períodos, além de permitir toneladas de jardas terrestres nos momentos decisivos, é notório.

As semelhanças entre Andrew Luck e Peyton Manning são grandes, mas também é importante ressaltar algumas diferenças. Apesar de não ter as defesas mais fortes da liga, Peyton via algumas estrelas do outro lado da bola em sua equipe: Dwight Freeney, Robert Mathis e Bob Sanders eram capazes de mudar jogos. A linha ofensiva também fazia sua parte e, na primeira metade da carreira, Edgerrin James ajudava muito o ataque. Não podemos esquecer ainda que Tony Dungy era uma grande mente defensiva e Bill Polian entrou para o Hall da Fama na NFL.

Já Andrew não conta com a mesma sorte: o melhor defensor da equipe era Mathis que, no final da sua carreira, já não tinha tanto gás. Vontae Davis teve um grande ano em 2014, mas não mostrou a mesma consistência em outros momentos. A defesa, inclusive, sofre muito para chegar ao QB adversário, o que não era um problema para Freeney. Bob Sanders jogou pouco tempo na liga, mas mesmo assim mostrou mais bola que todos os safetys que os Colts contam hoje no elenco somados. Há, ainda, a questão da linha ofensiva, que paradoxalmente parece tentar matar Luck a cada jogo, e não protegê-lo. Pese também o fato de que o jogo corrido dos Colts só parou de feder em 2016 (não vamos nem falar o que veio antes disso). Chuck Pagano deveria montar uma grande defesa, mas até aqui ele só falhou, e nunca cansaremos de repetir: Ryan Grigson é um imbecil.

A amostragem é menor, mas durante a “era Andrew Luck“, os Colts cometem erros que cometeram com Peyton no início de sua jornada e a insistência com um técnico questionado e a incapacidade de construir uma defesa consistente se destacam. Agora parece que, dessa vez, esses erros se somam a outros ainda maiores: Luck é o QB que mais apanha na NFL e faltam playmakers na defesa.

Tal pai, tal filho.

É claro que não podemos afirmar isto com exatidão, mas em um exercício de imaginação, dá para acreditar que Luck conseguiria levar times como Denver e Seattle ao Super Bowl, como as próprias franquias fizeram nos últimos anos. Ou até mesmo resolver os problemas de equipes que tinham sólidas defesas, mas precisavam de um quarterback, como Bills e Jets em determinados recortes específicos de tempo.

Jim Irsay sabe que tem que aproveitar mais um grande QB em sua franquia e espera que os Colts vençam ao menos dois Super Bowls nessa nova era. Para que isso aconteça, ele precisa tomar as decisões corretas e se livrar de Ryan Grigson foi o primeiro passo. De qualquer forma, é impossível prever o futuro, então resta esperar que Andrew Luck supere as limitações que seu próprio time lhe impõe ou que os Colts, em algum momento, consigam montar uma equipe vencedora ao seu redor. Luck não pode fazer tudo sozinho; na NFL, ninguém é capaz disso.

*Rafael é administrador do @ColtsNationBR e está procurando um lugar no corpo para tatuar o rosto de Chris Ballard.

Ryan Grigson estrelando “Como vencer na vida mesmo sendo um imbecil”

Que Ryan Grigson é um imbecil não é novidade alguma. A única forma de não saber que ele é um completo imbecil, é se você não o conhece – mas como estamos em um site sobre NFL, provavelmente você sabe que nos referimos ao homem responsável por comandar as operações do Indianapolis Colts entre 2012 e o início de 2017.

De qualquer forma, por algum motivo obscuro que vai além da compreensão humana, seu contrato foi renovado. Mas como já dizia o famoso ditado, “Deus marca touchdowns com passes de merda”, Ryan recentemente foi demitido, naquele que também ficou conhecido como “o primeiro dia do resto de nossas vidas”.

Você pode pensar que estamos exagerando, mas antes de afirmar que fomos tomados pelo clubismo doentio, procure a reação de atletas que trabalharam com Grigson ao logo da carreira. O punter Pat McAfee, aliás, foi um show à parte nas redes sociais.

É difícil encontrar casos tão explícitos de difamação pública de um ex-colega de equipe como os que ocorreram envolvendo Ryan. Além disso, antes mesmo de ser chutado de Indianapolis, já se questionava como diabos Grigson era um General Manager na NFL.

Então para lhe convencer que Ryan Grigson é o que é afirmamos (um completo idiota), elaboramos uma lista com seus “feitos” em Indianapolis. Cuide para não vomitar:

O Draft de 2013

Naquele já distante ano, Grigson escolheu: Bjorn Werner no primeiro round (24ª escolha); Hugh Thornton no terceiro round (86ª escolha); Khaled Holmes no quarto round (121ª escolha); Montori Hughes no quinto round (139ª escolha); John Boyett no sexto round (192ª escolha) e Kerwynn Williams (230ª escolha) e Justice Cunningham no sétimo round (254ª escolha). A escolha de segunda rodada, ele havia trocado por Vontae Davis. O engraçado, porém, é que dois anos após a absurda seleção de Khaled, Grigson deu uma explicação complexa sobre os motivos da escolha, que poderia ser resumida em “fizemos nosso dever de casa”.

Em um pequeno exercício mental, lembraremos que pouco após a seleção de Werner, o Vikings selecionou Xavier Rhodes, CB que já frequentou o Pro Bowl. E Bjorn? Não fazemos ideia de onde está, só sabemos que não é na NFL.

O mais triste é que três anos se passaram desde daquela “aula” sobre construção de elenco ministrada por Grigson e das oito escolhas daquele mesmo draft, nenhum jogador, exceto Thornton que frequentou mais o IR do que um campo de football e não deve voltar para o time em 2017, está hoje no elenco do Colts.

Construindo uma peneira defensiva

Entre 2012 e 2015, Ryan Grigson, o mago do gerenciamento, escolheu um total de 12 jogadores de defesa. Vamos listá-los:

– Josh Chapman no quinto round de 2012 (136ª escolha);

– Tim Fugger no sétimo round de 2012 (214ª escolha;

– Bjorn Werner no primeiro round de 2013 (24ª escolha);

– Montori Hughes no quinto round de 2013 (139ª escolha);

– John Boyett no sexto round de 2013 (192ª escolha);

– Jonathan Newsome no quinto round de 2014 (155ª escolha);

– Andrew Jackson no sexto round de 2014 (203ª escolha);

– D’Joun Smith no terceiro round de 2015 (65ª escolha);

– Henry Anderson no terceiro round de 2015 (93ª escolha);

– Clayton Geathers no quarto round de 2015 (109ª escolha);

– David Parry no quinto round de 2015 (151ª escolha);

– Amarlo Herrera no sexto round de 2015 (207ª escolha);

Para facilitar a visualização destacamos os jogadores que ainda continuam no roster em vermelho sangue – uma clara alusão ao nosso sofrimento diário. Enfim, Grigson conseguiu jogar no lixo todas as escolhas de draft defensivas entre 2012 e 2014 e ainda teve a pachorra de colocar a culpa do fraco desempenho do setor no contrato de Andrew Luck. “Quando você paga a Andrew Luck o que pagamos, vai levar tempo para construir algo no outro lado da bola (defesa)”, disse este jumento ao Indianapolis Star.

Se um torcedor começa a espumar de raiva quando ouve falar em Ryan Grigson, tenha certeza: ele está certo.

Ryan Grigson negociando em busca de mais um WR.

Contratando os caras “certos”

A temporada de 2014 foi um bom ano para os torcedores do Colts. Foi tão boa que provavelmente a alegria invadiu o cérebro de Grigson, afetando ainda mais sua (falta de) inteligência. Então em 2015 ele decidiu utilizar o bom espaço disponível no Salary Cap para investir em veteranos, trazendo nomes como o WR Andre Johnson (três anos / US$ 21 milhões), que passou apenas uma temporada em Indianapolis e hoje curte sua aposentadoria; o OLB Trent Cole (dois anos / US$ 14 milhões), que jogou tão mal em sua primeira temporada que logo em seguida precisou aceitar reduzir seu salário para não estar hoje na fila do INSS; além dos restos mortais do RB Frank Gore e do DE Kendall Langford que, bem, ao menos não têm nos envergonhado.

Após todos estes investimentos certeiros, o Colts terminou 8-8 e não foi aos playoffs. No mesmo ano, Andrew Luck conseguiu machucar o ombro, as costelas e dilacerar um rim. Como prêmio, Ryan Grigson teve seu contrato renovado.

Uma dupla da pesada: LaRon Landry & Greg Toler (ou Greg Toler & LaRon Landry)

Três anos de contrato e 15 milhões de dólares para Greg Toler; quatro anos de contrato e 24 milhões de dólares para LaRon Landry. Se você não sabe quem são esses caras, saiba que os Colts deram 39 milhões de dólares para eles. Se você sabe quem são esses caras, saiba que os Colts deram 39 milhões de dólares para eles.

Hoje Greg Toler é reserva nos Redskins, enquanto LaRon Landry não fazemos questão nenhuma de saber onde diabos está.

Este idiota está milionário enquanto reclamamos dele estar milionário.

Saudades, Jerrel Freeman!

O contrato do LB Jerrell Freeman terminou em 2015. A ideia do jogador era continuar em Indianapolis e, quando ele disse para a diretoria que tinha uma proposta de três anos e 12 milhões de dólares dos Bears, disseram pra ele aceitá-la. Freeman teve a melhor nota de LBs de acordo com o Pro Football Focus, enquanto os Colts tiveram cinco LBs titulares diferentes durante a última temporada.

A inexplicável escolha de Philip Dorsett

Esta talvez nem o próprio Grigson consiga explicar. No mesmo ano em que contratou o já citado ex-WR em atividade Andre Johnson por US$21 milhões, Ryan gastou sua escolha de primeira rodada com sim, isso mesmo, outro WR. Naqueles dias, Indianapolis estava desesperado por um Safety, mas por algum motivo desconhecido para qualquer pessoa que tenha no mínimo três neurônios, o Colts deixou Landon Collins para trás e selecionou Phillip Dorsett.

O fim desta história só seria possível em Indianapolis: Dorsset, uma máquina de drops, têm 51 recepções para 753 jardas e incríveis dois TDs desde aquele dia. Já Landon Collins flerta com o Defensive Player of the Year, foi para o Pro Bowl e também selecionado como 1st Team All Pro.

O curioso caso de Trent Richardson

Richardson tem uma média de 3,3 jardas por carregada. Mas isso até seria razoável, não é mesmo? Seria, se você desconsiderar o fato de que Trent não é um jogador de football, então vamos deixar as imagens falarem por si: digite “Trent Richardson Holes” no Google e se divirta com a desgraça alheia.

Sendo gentil, podemos dizer que a carreira de Trent na NFL se resume em corridas de três jardas seguidas por um tombo com a cara no chão. Além de um especialista na arte dos bloqueios, já que sendo o próprio bloqueio, ele é poupado do trabalho de bloquear.

Não bastasse tudo isso, sua primeira corrida nos playoffs foi um fumble! E pouco mais de um ano após ser contratado, Richardson nem viajou com o time para a final da AFC em 2014. Sim, Ryan Grigson deu uma escolha de primeira rodada por esta desgraça.

O futuro é logo ali

Considerando aqueles jogos sem graça, a demissão de Ryan Grigson foi o que de melhor aconteceu no fim de semana das finais de conferência. Apesar de Chuck Pagano ainda estar entre nós, o futuro para os torcedores de Indianapolis já não é tão nebuloso. Já é hora de seguirmos em frente, mas sem nunca esquecer o glorioso legado do maior imbecil que já pisou na face da terra: Ryan Grigson.

*Rafael é administrador do @ColtsNationBr e acredita que Ryan Grigson é o culpado de todos os seus problemas.

Podcast #1 – uma coleção de asneiras

Olá amigos do Pick Six! Um dia histórico: está no ar nosso primeiro podcast!

Nele falamos sobre nada (Jared Goff) e coisa nenhuma (Sam Bradford). Também distribuímos pitacos, discutimos racismo e prevemos tudo que irá ocorrer nesta temporada em nossa querida NFL (se você não gosta de spoilers e não quer saber quem leva o Super Bowl, não ouça).

Agradecemos a atenção e desde já nos desculpamos por pequenas falhas no áudio – somos amadores e estamos em processo de aprendizagem. Prometemos que, se existir um próximo, será melhor.