Posts com a Tag : AFC South

Os Jovens Titãs e seu novo líder

Vale recapitular a bela história de impossibilidade do ano passado. Semana 13, o time de Mike Mularkey chegava a um 8-4, empatado com os Jaguars, que chamavam muito mais atenção – sem muito alarde e brilho, parecia claro que Mariota e seus amigos chegariam pela primeira vez aos playoffs.

Entretanto, três derrotas seguidas (em que sequer conseguiu interceptar Gabbert, e depois se mostrou muito menor que Garoppolo e Goff) deixaram Jacksonville fora de alcance e a batata do treinador claramente assando – então todos já relembravam que Mularkey nunca foi tão bom assim.

Os Titans chegaram na última rodada com boas chances de se classificar: bastava vencer o Jaguars, carregados pela defesa e buscando embalar para a pós-temporada (já classificados) eliminando um rival de divisão (não que as rivalidades da AFC South, entre times que mal chegaram à maioridade, seja grande coisa): parecia a receita perfeita para derrubar um treinador na corda bamba.

Mas eles voltaram aos playoffs pela primeira vez desde 2008. Mesmo assim, todos sabiam que Mularkey era fraco e apenas chegar em janeiro não mudaria essa impressão. Além disso, os Titans enfrentariam uma equipe muito superior, os Chiefs, favoritos por 9 pontos e que abriram 18 ainda no primeiro tempo.

Parecia, óbvia e finalmente, o fim de Mularkey (sério: esse texto foi lançado no meio do jogo). Com direito a TD recebido de Marcus Mariota (antes de Nick Foles) lançado por ele mesmo, os Titans viraram e venceram a primeira partida na pós-temporada desde 2003.

No momento em que Mularkey parecia garantido por ao menos mais um ano – afinal, fora muito mais longe do que se esperava no início de 2017 e até ali nós, pessoas de bem, não podíamos resistir a sonhar com uma vitória sobre o Patriots.

Um 35-14 simples, entretanto, foi o suficiente para provar que a diretoria em Tennessee estava apenas esperando que o time entrasse de férias para se livrar de um Mike. Para seu lugar, trouxeram outro Mike, o Vrabel.

Fé no pai que agora vai.

Uma defesa de talento

Algo que sempre será questionado, até que um deles quebre a maldição, é se os treinadores da “árvore” de Bill Belichick são realmente bons, ou apenas tiveram a sorte de parecer úteis à sombra do mestre.

Com Mike Vrabel, o questionamento não será diferente: apesar de ter sido comprovadamente um grande líder nos tempos de jogador, com 14 temporadas e três Super Bowls conquistados, amado e elogiado por muitos, seus resultados como treinador se limitam a ter lidado com grandes LBs nos Texans (que já eram talentosos, como Clowney, Cushing ou Mercilus) e, em seguida, ter liderado a pior defesa (em número de pontos cedidos) em Houston em 2017.

A sorte de Vrabel é que ele continuará trabalhando com jogadores talentosos do lado defensivo. Os craques são o All-Pro Safety Kevin Byard, que produziu incríveis oito interceptações em 2017, e o Pro Bowler DL Jurrell Casey, ambos jogadores que não tem na mídia espaço equivalente ao seu talento.

E Kevin Byard não está sozinho na secundária, que mesmo assim esteve na parte de baixo das jardas aéreas cedidas: o CB recém-contratado Malcolm Butler e o já estabelecido Logan Ryan, bicampeões do Super Bowl por New England, devem ser titulares, enquanto os jovens LeShaun Sims e Adoree Jackson brigam pela terceira posição enquanto não desbancam Ryan (vai acontecer).

O time ainda terá uma disputa interessante entre Kendrick Lewis e Kenny Vaccaro para complementar a dupla de Safeties, jogadores que já mostraram talento, mas ainda não conseguiram se firmar.

O front seven também apresenta novidades. Rashaan Evans tem tudo para seguir uma longa tradição de grandes ILBs de Alabama na NFL, desde que a lesão misteriosa (Mike Vrabel não discute lesões na pré-temporada) sofrida no training camp seja apenas algo leve.

LEIA TAMBÉM: Um peru amargo, um golpe de marketing e um time ruim

Por outro lado, Harold Landry foi selecionado para colaborar com a rotação e melhorar os números dos pass rushers com Brian Orakpo e Derrick Morgan, que produziram apenas 14.5 sacks em 2017 – número insuficiente, que reflete diretamente na secundária. Por último, a linha adicionou 143kg de puro Bennie Logan para substituir o decepcionante Sylvester Williams, que durou apenas um de seus três anos de contrato.

Ataque também conta com nova liderança

Talvez a contratação mais interessante do time de treinadores dos Titans não seja Mike Vrabel. Como o head coach vem de uma carreira inteira dedicada à defesa, é natural que ele tenha mais conhecimento e uma vontade maior de lidar com esse setor do time – o que abre espaço para um líder do ataque (pense em Kyle Shanahan/Dan Quinn e Pat Shurmur/Mike Zimmer).

O nome desse cidadão é Matt LaFleur, que sai da sombra de Sean McVay em Los Angeles, tendo trabalhado também nos Redskins de RG3 e Cousins e com Kyle Shanahan nos Falcons.

Seu desafio é fazer com Mariota o que fez com Jared Goff – podendo trabalhar as devidas proporções, claro. Por um lado, os Rams contavam com WRs de verdade e Sean McVay para dar apoio; por outro, Mariota tem alguma experiência e já fez boas apresentações, demonstrando mais talento do que Goff havia demonstrado antes de LaFleur.

Além disso, Jared nunca lançou um passe para ele mesmo nos playoffs (na realidade, Mariota é o único a realizar o feito). De qualquer forma, se o efeito LaFleur for qualquer coisa próxima da evolução de 6 TDs em 7 jogos para 28 TDs em 15 pela qual passou Goff, Mariota (que produziu 28 TDs e apenas 9 turnovers em 2016) deverá ser brilhante em 2018.

É válido relembrar a temporada de 2016 porque lá Mariota também não tinha grande alvos: pelo terceiro ano consecutivo, Delanie Walker e Rishard Matthews (quase 200 bolas lançadas na direção de cada um nos últimos dois anos, enquanto Demarco Murray, já fora do time, vem em um distante terceiro lugar com 114) são as opções mais sólidas.

A grande expectativa para melhorar as opções do jovem QB fica por um grande ano de Corey Davis, 5ª escolha do draft de 2017 que teve problemas com lesões durante a temporada passada, mas recebeu seus dois primeiros TDs na NFL no último jogo da temporada, contra os Patriots. Corey tem a obrigação de se colocar como WR1 de Mariota para não ser considerado um bust.

Se os recebedores não empolgam, a dupla de backfield, porém, conseguiu ficar ainda mais interessante. Derrick Henry recebe finalmente o título de carregador de piano e segundo jogador mais importante desse ataque com a saída já mencionada do (surpreendentemente) velho Demarco – menos de 300 tentativas e 10 TDs para ele, aproveitando um novo estilo de chamadas de ataque, buscando abrir espaços para Mariota brincar.

Para complementá-lo, os Titans trouxeram o baixinho Dion Lewis, que esteve presente nos 16 jogos da temporada pela primeira vez em 2018 e, mesmo entre os 15 RBs que os Patriots costumam utilizar, produziu incríveis 896 jardas. Uma excelente dupla para fazer companhia ao quarterback atrás da linha.

Nunca falamos o suficiente da linha ofensiva

Aqui importante dar destaque para o trabalho que Tennessee está fazendo: o LT Taylor Lewan, que foi ao Pro Bowl nas últimas duas temporadas, recebeu um novo contrato valendo 80M durante a pré-temporada. O RG Josh Kline foi outro que renovou com a equipe (26M, 4 anos) e o C Ben Jones é uma âncora sólida.

O RT Jack Conklin (All-Pro em 2016, quando rookie) infelizmente sofreu uma lesão no joelho contra os Patriots nos playoffs, mas o time se preparou bem ao proporcionar tempo para ele se recuperar e, de quebra, encontrar um LG no processo, competindo com os já presentes Quinton Spain e Dennis Kelly.

O Titans ainda trouxe Xavier Su’a-Filo (LG titular dos Texans e 33ª escolha do draft de 2013) e Kevin Pamphile (LG titular nos Buccaneers). Quando essas disputas se definirem, será fácil cravar que Mariota e Henry terão uma bela proteção.

Palpite

Talvez Tennessee seja o time mais equilibrado de uma divisão que poderia ter qualquer uma das quatro franquias brigando forte nos playoffs, caso tudo encaixasse da maneira esperada. Como a equipe nunca venceu Andrew Luck e tomou incríveis 57 (!!!) pontos de um Deshaun Watson saudável, fica claro o que poderá segurá-los mais longe do céu. Ambos fatores serão decisivos para uma arrancada inicial: 6 ou 7 vitórias até o primeiro jogo contra Luck, que pode já ter voltado dos mortos até lá, não são inimagináveis caso tudo se encaixasse, levando os Titans ao primeiro título de AFC South desde 2008 – a última campanha vitoriosa da carreira de Jeff Fisher.

Quem culparemos quando Bortles se for?

Performances questionáveis dentro de campo fazem com que times ruins precisem inventar maneiras criativas de atrair torcedores para seus estádios. Em Jacksonville, houve uma época em que a ruindade era tanta que o time teve o trabalho de construir uma piscina com vista para o campo. Não era incomum que as imagens dos sofridos torcedores se refrescando no calor da Flórida fossem mais interessantes do que a performance dos atletas em campo.

Mas o tempo em que o principal atrativo de um jogo em Jacksonville era a piscina já ficou para trás. Depois de anos de poucas vitórias e de muita chacota, o Jaguars passou a ser um time respeitável e, muito mais do que isso, um dos principais candidatos a representar a AFC no Super Bowl.

Em 2017, carregado por uma defesa que produziu números históricos, o Jacksonville Jaguars chegou à final da AFC contra o New England Patriots. O confronto de um time em ascensão, que até há pouco tempo era uma grande piada, contra a grande potência do século XXI pode parecer desproporcional, mas no início do último quarto da partida Jacksonville liderava por 10 pontos. O final, é claro, não foi feliz, mas mostra o quão perto o Jaguars está de conquistar o Lombardi Trophy. Se antes o time tinha que administrar decepções, agora precisa controlar as expectativas. Jacksonville vive uma nova era.

Um pilar chamado defesa

O sucesso do Jaguars em 2017 pode ser creditado em grande parte à defesa. Considerada por muitos analistas como uma das melhores da história, a unidade terminou a temporada passada na liderança da NFL em várias das principais estatísticas defensivas: TDs defensivos, jardas aéreas permitidas por jogo, QB rating permitido, porcentagem de passes completos e fumbles forçados. Parece pouco? A defesa do Jaguars ainda terminou em segundo na liga em jardas totais permitidas por jogo, pontos permitidos por jogo, turnovers e sacks, o que levou à criação do apelido de qualidade duvidosa “Sacksonville”, usado inclusive como nome no Twitter.

Nomes infelizes à parte, a defesa foi simplesmente espetacular. Esperar que os resultados estatísticos se repitam em 2018 pode parecer utópico demais, mas ao mesmo tempo não há indícios de uma queda de performance significativa. Além de não ter perdido nenhum jogador fundamental, a defesa ainda foi reforçada no draft.

A linha defensiva, que já tinha Calais Campbell, Yannick Ngakoue, Dante Fowler e Malik Jackson, responsáveis por 42,5 sacks combinados em 2017, viu a chegada de Taven Bryan logo no primeiro round. A escolha não deixa de ser uma surpresa, já que a linha defensiva não tinha nenhuma carência que precisasse ser suprida, mas Bryan é o típico caso de tentativa de reforçar o que já era forte e adicionar flexibilidade tática e profundidade no roster em caso de lesões.

A DL conseguirá colocar pressão nos QBs adversários, não restam dúvidas sobre isso, mas precisa fazer um trabalho melhor contra o jogo corrido: na temporada passada foi a sétima que mais cedeu jardas aos RBs adversários (4,3 por jogada). A melhora nessa estatística passa pela evolução do nose tackle Marcell Dareus (que, perceba, não apareceu na lista de monstros anterior), que chegou via troca no meio da temporada passada e agora terá todo o tempo necessário para se adaptar ao esquema defensivo.

O grupo de linebackers perdeu um dos mais emblemáticos Jaguars nos últimos anos: Paul Posluszny, que se aposentou. Blair Brown deve ser o seu substituto e se junta à atlética dupla de LBs Myles Jack e Telvin Smith, que produziram juntos 192 tackles na temporada passada.

DUUUUVAL

A melhor secundária da liga em 2017 retorna praticamente intacta e não mostra sinais de que possa perder o posto. Extremamente físico, Jalen Ramsey é um monstro e não é exagero considerá-lo o melhor CB da NFL. Para piorar, A.J. Bouye se junta a ele para formar a melhor dupla de CBs da liga. Os safeties Tashaun Gipson e Barry Church completam a base da secundária que, contando apenas esses quatro jogadores, conseguiu espantosas 18 INTs em 2017.

Ataque: a obrigação de dar o próximo passo

Carregado pela excelente defesa, o objetivo ofensivo do Jacksonville Jaguars parece ser apenas um: correr com a bola e administrar o jogo. Em 2017, o time liderou a NFL em corridas (527) e jardas (2262), e foi o segundo em TDs terrestres (18). O RB Leonard Fournette foi o responsável por virtualmente metade dos números conseguidos pelo time nesse departamento, tanto em jardas quanto em TDs.

Os números são bons, especialmente considerando que foram conseguidos em apenas 13 jogos, mas há espaço para evolução: suas 3,9 jardas por tentativa não são nenhum primor. A participação no jogo aéreo também deixou um pouco a desejar, com apenas 302 jardas recebidas e 1 TD; muito distante de jogadores como Le’Veon Bell e Todd Gurley, se é que essa comparação é justa. De qualquer forma, Fournette deve continuar sendo a base ofensiva do time enquanto sua saúde durar.

E não podemos questionar, pois correr muito com a bola parece ser a melhor opção quando o nome do seu quarterback é Blake Bortles. Um dos QBs mais controversos da liga, Bortles teve o menor número de INTs de sua carreira em 2017 e não cometeu nenhum turnover na pós-temporada – basicamente muito mais do que se esperava dele.

Demorou, mas lá vem ele chegando no seu texto…

Em compensação, das temporadas em que jogou todas as partidas, a de 2017 foi a que produziu o menor número de jardas por jogo: 230,4. Sua performance foi suficiente para colocar Jacksonville apenas na metade do ranking de ataques aéreos da liga. Mesmo não tendo sido convincente, a temporada do QB parece ter sido boa o suficiente para o time oferecer uma extensão contratual que o coloca como titular do time nas próximas duas temporadas. Ao mesmo tempo em que manter o QB que esteve na final de conferência parece ser uma decisão razoável, é um pouco questionável pelo fato de Bortles estar longe de ser o tipo de QB que faz a diferença. Na verdade, ele precisa se manter às sombras de uma boa defesa e de um jogo corrido eficiente; se algum desses pilares desabar, é provável que o time todo desabe junto, pois seu QB não será o salvador da pátria.

Para 2018, Bortles terá dois obstáculos a superar além de si mesmo. O primeiro é a linha ofensiva que, apesar de ter contratado o left guard Andrew Norwell, é apenas a 15ª melhor da liga, de acordo com o site Pro Football Focus.

Outra barreira é o grupo de recebedores, que perdeu a dupla de Allens (Robinson e Hurns) e agora conta com jogadores puramente medianos, que não são capazes de elevar o ataque a um nível acima. Donte Moncrief chega de Indianapolis tentando mostrar que pode fazer algo sem Andrew Luck (spoiler: não vai conseguir). Do draft, o Jaguars trouxe o WR DJ Chark, de LSU, no segundo round.

Marqise Lee, Dede Westbrook e Keelan Cole já tiveram momentos promissores, mas estão longe de ser uma garantia de produtividade. Dos cinco jogadores citados, não há certeza sequer de quem serão os dois ou três titulares, o que evidencia que o grupo faz parte do mesmo poço de mediocridade.

Na posição de TE, importante como válvula de escape para um QB medíocre como Bortles, o time dispensou Marcedes Lewis, um jogador bastante útil, após 12 temporadas. O substituto é Austin Seferian-Jenkins, que pode tranquilamente ser descrito pela mesma mediocridade dos WRs.

Palpite

Em uma divisão que parece estar em constante crescimento, mas que ainda tem consideráveis pontos de interrogação, o Jaguars não parece ter muitas barreiras para repetir 2017 e terminar em primeiro lugar. Se estar em campo em janeiro é praticamente uma certeza, é preciso se preparar para o próximo passo. Quando estiver liderando a final da AFC por 10 pontos no último quarto, é preciso finalizar a vitória. Bortles precisa ser melhor, pois não é sempre que a defesa vai compensar as falhas do ataque, especialmente nos playoffs. O problema é que contar com a evolução de um QB que parece já ter atingido o teto do seu desempenho e que não tem grandes recebedores para mascarar suas falhas não é uma boa ideia. O Jaguars vencerá pelo menos um jogo na pós-temporada, novamente carregado pela defesa, mas será eliminado por um adversário com mais poderio ofensivo. As questões que ficarão para 2019 são: por que foi dada uma extensão contratual para Blake Bortles? E quem será o seu substituto?

A vida é feita de ciclos

O Colts sempre teve sua história associada a um grande jogador. Nos primórdios da franquia, ainda em Baltimore, esse cara era Johnny Unitas. Em Indianapolis, vieram Erick Dickerson e depois Marshall Faulk. E, por fim, você deve se lembrar de um moço alto chamado Peyton Manning. Parece que lançava a bola, o rapaz.

Essa sucessão não parou com a saída de Peyton. Aliás, essa saída se deu muito por conta disso: a ideia de continuar o sucesso que a franquia havia conquistado. Em 2012, menos de um ano depois de ostentar o pior record da NFL, Indianapolis escolheu o QB Andrew Luck, de Stanford.

E tudo parecia seguir de acordo com os planos: Andrew levou a franquia aos playoffs em seus primeiros anos na liga, chegando até a final da AFC em 2014/15, em campanha que contou inclusive com vitória sobre Manning (aquele, não o outro) nos playoffs. Se quiser saber um pouco mais dessa história, falamos sobre isso aqui.

Em 30 segundos, tudo pode mudar

A trajetória vencedora de Luck foi interrompida em 2015. Em meio a um início ruim, o jogador sofreu múltiplas lesões e acabou a temporada na lista de contundidos. Em 2016, o trabalho para recuperar o ombro, lesionado no ano anterior, exigiu muito do jogador e a melhora esperada não veio. Para 2017, o time e o QB optaram por uma cirurgia no ombro – a ideia era deixar quaisquer resquícios da lesão para trás, agora de uma vez por todas.

O resultado você já conhece. O tempo de recuperação foi se estendendo, até chegar no ponto em que a participação de Andrew na temporada fosse descartada. O ombro não mostrava sinais de recuperação, e o ano já parecia perdido mesmo.

Após reavaliar o ombro e alterar um pouco os trabalhos de reabilitação, Luck vai jogar a temporada normalmente. A dúvida fica por conta de como serão suas atuações, já que seu último jogo foi há mais de 500 dias.

Pagano vs Grigson: a origem da ruína

A saga de Andrew Luck foi apenas a cereja no bolo de um processo inevitável, mas que, ironicamente, era mascarado pela própria capacidade de Luck dentro de campo. O time, apesar dos bons resultados, não era bom. Após receber o prêmio de “executivo do ano” (sim) em 2012, Ryan Grigson, o então GM da equipe, não conseguiu realizar bons drafts ou reforçar o time à altura no mercado. Chuck Pagano, o head coach, não mostrava competência para dirigir sequer um bom time, quem dirá um questionável.

LEIA TAMBÉM: Manning e Andrew Luck: os mesmos erros, as mesmas histórias

Por conta dessa incompetência, tudo que Andrew não controlava fedia: a linha ofensiva, o jogo corrido e a defesa como um todo. Viradas milagrosas e uma AFC South que beirava o amadorismo ocultavam a verdade: Indianapolis não tinha um bom time.

Sem Andrew Luck, as deficiências da equipe e a ruindade de Grigson e Pagano ficaram escancaradas. Em um intervalo de menos de um ano, ambos foram chutados da franquia.

Reconstruindo (do inglês rebuild)

Para consertar o “elenco” deixado por Ryan Grigson, os Colts foram atrás de Chris Ballard, que é muito bem visto dentro da liga e tido por muitos como um dos melhores avaliadores de talento da NFL.

Daddy.

Em seu primeiro ano como GM, porém, ele não foi bem. O time não contou com Andrew Luck, claro, mas Chris não se mostrou muito ativo ao lidar com a situação. Se os Patriots não tivessem proposto uma troca, Indianapolis teria jogado 2017 com Scott “are you serious?” Tolzien como seu QB. Além disso, a equipe montada não se mostrou competitiva como se deseja, mesmo o trabalhando apenas se iniciando.

Finalmente e, sim, estávamos evitando, chegamos em 2018

Como tudo na vida é um ciclo, o dos Colts está se fechando agora. O ciclo que se inicia lembra muito aquele de 2012: um ou outro nome reconhecível e a esperança que Luck seja o diferencial da equipe. Se antes o ataque tinha Reggie Wayne, hoje ele tem TY Hilton. Se antes a defesa tinha Robert Mathis, hoje ela tem Jabaal Sheard. Não é um cenário animador.

Todos sabemos que um time que tem apenas três jogadores de nível de Pro Bowl (estamos ignorando Jack Doyle e Adam Vinatieri da lista, você não é o único que percebeu) não vai chegar muito longe, mas Indianapolis tem uma carta na manga: a juventude.

O elenco é hoje formado por alguns medalhões (os que já citamos, Eric Ebron, Anthony Castonzo, Al Woods, John Simon…) e muitos jovens. As três escolhas na segundo rodada, um grupo de RBs liderado pelo apenas segundo-anista Marlon Mack, além dos 1st rounders Quenton Nelson e Malik Hooker, e mais um bando de meninos que você não conhece, tornam os Colts um dos 5 times mais jovens da NFL.

Isso torna a temporada de Indy extremamente imprevisível. Se alguns desses jogadores jogarem em alto nível, daqui a um ano provavelmente estaremos falando de uma equipe pronta para disputar a AFC por anos. Por outro lado, se o desempenho for de medíocre pra baixo, a situação pode ser crítica a ponto de vermos a franquia de novo com uma escolha no top 5 do draft.

Um passo de cada vez

Se antes a ruindade do time apareceu quando Andrew Luck se machucou, agora os Colts estão fazendo de tudo para evitar que isso aconteça. A linha ofensiva foi ponto focal da offseason, menos de um ano depois de jogadores como Jeremy Vujnovich atuarem em todos jogos da temporada.

“Como é que eu vim parar aqui?”

A unidade agora conta com Anthony Castonzo, que, no geral, não compromete; Quenton Nelson, talvez o único prospecto universalmente aceito como BOM; Ryan Kelly, que quando jogou foi bem (porém tem sofrido com lesões); Matt Slauson, veterano que já joga na liga há alguns bons nove anos; e Austin Howard, também veterano. Além deles, o calouro Braden Smith, escolha de segunda rodada esse ano, fica na reserva para suprir uma inevitável lesão. Não é o melhor grupo da liga, claro, mas não é a calamidade que vimos nos últimos anos.

LEIA MAIS: Ryan Grigson estrelando: “Como Vencer Na Vida Mesmo Sendo Um Completo Imbecil”

Se antes a linha ofensiva, o jogo corrido e a defesa eram ruins, agora podemos riscar pelo menos a linha ofensiva dessa lista. E isso apenas sete anos depois que Andrew Luck entrou na liga.

Tudo isso, não mais comandado por Chuck Pagano

É importante ressaltar que, também pela primeira vez em sua carreira, Luck terá o que achamos ser um Head Coach de verdade, não apenas um gerador de clichés motivacionais.

Reich chega depois que Josh McDaniels recusou o cargo, e só citamos isso aqui pra deixar bem claro que isso não influenciará em nada na temporada de Indy. Frank chega aos Colts com a credencial de ser uma das mentes envolvidas no processo que culminou com Nick Foles sendo o MVP do Super Bowl.

Tal qual um rookie, tudo que podemos dizer sobre Frank Reich é: esperamos que faça um bom trabalho e, pior que do que estava, dificilmente fica.

Palpite: “É muito difícil saber o que esperar desse time em 2018. Muitos jogadores pouco ou nada jogaram na liga, tornando o nível da equipe extremamente imprevisível. No melhor dos cenários, pode brigar por playoffs e, no pior, pode acabar com uma pick alta no ano que vem. Como o meio-termo talvez seja a opinião mais sensata, um record entre 6 e 10 e 7 e 9 é onde esse time deve terminar o ano.”

(De novo) esperando que ninguém se machuque de novo

Expectativa é algo recorrente no Houston Texans, especialmente porque, nos últimos anos, a franquia tem ostentado alguns dos melhores elencos da NFL. Mas como na offseason todos os times são bons, nem sempre essa realidade permanece quando a temporada se inicia.

Problemas médicos

Um dos principais fatores para que os Texans assustem tanto a cada offseason e não correspondam à expectativa (além de serem os Texans) em setembro são os frequentes problemas de lesões que acometem o time ao longo das últimas temporadas.

Quase como uma “maldição”, Houston sofre com a perda de jogadores importantes à medida em que se aproxima a hora em que a “onça bebe água”. Na última temporada, tivemos Whitney Mercilus, Deshaun Watson, C.J. Fiedorowicz, Devin Street, D’Onta Foreman e J.J. Watt (esse já sócio do departamento médico) frequentando a Injury Reserve em algum ponto da temporada.

Watt, franchise player dos Texans desde que Andre Johnson parou de ser o santo milagreiro da casa, esteve em campo por apenas oito jogos nas últimas duas temporadas. Jadeveon Clowney sofreu com lesões graves em seus primeiros anos antes de começar a causar impacto na defesa.

JJ, aliás, jogador espetacular dentro e fora do campo, talvez já tenha passado de seu auge físico e técnico por causa das sucessivas graves lesões, algo a se confirmar quando a temporada começar de fato (você viu primeiro aqui).

Tentando ISOLAR as lesões.

Quando as coisas pareciam se ajustar em meio a esse turbilhão que mais parecia um episódio old school de House, e um sopro de esperança parecia se desenvolver em Deshaun Watson, o QB, responsável por um dos jogos mais espetaculares da temporada em 2017, machucou-se exatamente na semana seguinte, rompendo o ligamento cruzado anterior em uma sessão de treinos individuais. Fim de temporada para o calouro, que no momento da lesão, mostrava-se uma das histórias mais sensacionais daquele ano.

Watson vem para a temporada de 2018 com um histórico de ruptura do ligamento cruzado anterior nos dois joelhos, um deles à época em que jogava na universidade de Cleiton, Clemerson, CLEMSON.

O azar em Houston não chega ao nível do Chargers (esse, que aparentemente trocou a saúde de seus jogadores pelo direito de se mudar de cidade), mas o front office aparentemente não se ajudou. Assim como o Vasco contratou Marcelo Oliveira em 2013 após este ser BI-VICE da Copa do Brasil pelo lendário Coritiba-que-chegou-duas-vezes-seguidas-na-final-da-Copa-do-Brasil, os Texans contrataram Tyrann Mathieu, chutado de Arizona pelos constantes problemas de lesão. Um casamento perfeito. Unha e carne.

As entradas

Além do Texugo do Mel™, outras chegadas interessantes em Houston se dão pelo CB Johnson Bademosi e o OG Zach Fulton (fingimos que os conhecemos pra parecer que estudamos o jogo). O time renovou os contratos do CB Johnathan Joseph, um dos melhores da defesa, e do punter já idoso Shane Lechler.

Os Texans não tiveram a escolha de primeira rodada devido à troca do ano anterior, que resoltou na escolha de Deshaun Watson. A primeira pick foi apenas na 68ª escolha, o safety Justin Reid, de Stanford. Com outras duas escolhas ainda na terceira rodada, vieram o T Martinas Rankin, de Mississippi State e TE Jordan Akins, de Central Florida.

Jogadores escolhidos no terceiro dia do draft raramente prosseguem na NFL, então não vamos fingir que entendemos sobre eles. Talvez o DE Duke Ejiofor seja um nome em que o caro leitor se lembre, devido a algum Bowl suspeito visto na TV no final do ano passado.

As saídas

Após ter garantido a vida das próximas três gerações da família Osweiler, os Texans basicamente pagaram uma escolha de segunda rodada para o Cleveland Browns a fim de se livrarem do cap hit e, principalmente, da ruindade do “jogador”.

Outras perdas notáveis se deram pela aposentadoria do TE C.J. Fiedorowicz e pela dispensa do LB Brian Cushing. Este último era um frequentador do tópico de lesões no início do texto, mas ainda assim, uma perda importante de liderança na defesa e daqueles companheiros de equipe que querem crescer seus músculos “naturalmente”.

Um ataque para chamar de seu

Após anos jogando bola trajando chinelo, Bill O’Brien finalmente ganhou uma chuteira oficial em 2017 com a aquisição de Deshaun Watson. Junto com Lamar Miller, D’Onta Foreman e DeAndre Hopkins, o ataque dos Texans parecia ser uma das boas notícias da temporada. Três vitórias e três derrotas antes da bye-week, e um jogo sensacional de Watson contra uma defesa de Seattle que, até aquele momento, ainda não havia sucumbido.

Entretanto, tudo se perdeu como lágrimas na chuva quando Deshaun estourou o joelho nos treinos. A partir de então, os Texans venceram apenas uma das nove partidas restantes. A esperança é a última que morre, então o torcedor espera que as peças do ataque, principalmente os calouros, retornem saudáveis para que a boa impressão deixada nas primeiras semanas de 2017 seja o que esse time verdadeiramente é. 

DeAndre Hopkins assumiu o fardo de ser o principal recebedor da equipe após a saída de Andre Johnson em 2015, e produziu números significativos em suas temporadas, por pior que fosse o cidadão que lançasse (ou pelo menos tentasse jogar) a bola em sua direção. Seu pior desempenho desde o ano de calouro foi exatamente em 2016, quando ocorreu o experimento Brock Osweiler. Em contrapartida, produziu mais de 1000 jardas nas temporadas restantes. Will Fuller aparece como um bom coadjuvante no grupo de recebedores, tornando o ataque muito perigoso verticalmente.

“Poderia jogar a próxima mais na minha direção, por favor?”

Um ataque de propensão vertical precisa que o QB seja hábil o suficiente para se esquivar e uma linha que bloqueie razoavelmente (veja que, por falta desse item, Andrew Luck deixou este mundo). Entretanto, a linha ofensiva dos Texans foi problemática em 2017. O center Nick Martin talvez seja o melhor bloqueador da unidade, enquanto paira a incerteza de se os reforços trarão o impacto (positivo) necessário.

No backfield, D’Onta Foreman, Alfred Blue e Lamar Miller dividirão snaps. Enqunto Foreman se recupera de uma ruptura de tendão de aquiles ocorrida em novembro, Miller perdeu carregadas para Blue, que apesar de bom, não é tanto assim. Essa é a receita preparada para que Deshaun Watson seja bastante exigido a sair do pocket, o que não é muito recomendável quando se já teve os dois joelhos reconstruídos cirurgicamente.

Uma defesa em busca de afirmação 

Durante os anos em que não teve um QB, Houston, como todo bom menino mimado, decidiu que ninguém poderia ter um e, portanto, buscou construir uma defesa com uma única missão: assassinar os signal callers adversários.

another-day-at-the-office.jpeg

Com as lesões de Whitney Mercilus e JJ Watt, além das perdas na secundária, que caiu da melhor contra o passe para apenas a 24ª no quesito em apenas um ano, a defesa, outrora poderosa, virou um ponto de interrogação. Jadeveon Clowney se tornou um lobo solitário. Entretanto, acredita-se que Mercilus e Watt retornem 100% ao início da temporada, resta saber se os mesmos permanecerão saudáveis. Em uma defesa com atletas que jogam com muita intensidade física e são excelentes tackleadores, lesões são risco a se assumir.

A tabela

Um fator muito importante, que às vezes é deixado de fora da análise é a ordem dos jogos na tabela. Uma sequência de jogos positiva ou negativa pode influir mentalmente no time, ditando assim o rumo de sua temporada. No caso dos Texans, três dos quatro primeiros jogos são fora de casa, um deles em New England (onde os bons morrem cedo). Apesar dessa sequência forte no início, a coisa deve se tornar mais tranquila ao decorrer da temporada.

Palpite

Expectativa é a mãe de todas as derrotas, e uma tabela desfavorável deve complicar as coisas para os Texans numa disputa pela divisão, enquanto os Jaguars possuem um dos melhores elencos da NFL e os Colts rezam para que ocorra o milagre da vida com Andrew Luck. Um ataque com propensão vertical e uma linha com problemas na proteção do passe devem ser fatores que limitarão o desempenho de Deshaun Watson, que ficará sobrecarregado se o trio de running backs não cooperar. Uma campanha 9-7 ou 10-6 deve ser a realidade em Houston, enquanto eles precisarão fazer contas no mês de dezembro para saber o record será suficiente para vencer uma divisão que deve ser embolada. Talvez o time descole uma vaga marota no Wild Card da poderosíssima-mas-só-que-não AFC.

Análise Tática #22 – Os seis anos de Chuck Pagano – Parte 2

A estadia de Chuck Pagano em Indianapolis foi tão absurda que precisamos dividir essa análise em duas partes. Segue a primeira.

A temporada de 2014

Andrew Luck e o Indianapolis Colts como um todo tiveram seus melhores desempenhos em 2014. Atingindo 40 TDs e mais de 4000 jardas, Luck jogou como MVP em seu terceiro ano, e sequer entrou na conversa por causa de um Aaron Rodgers espetacular, principalmente no baixo número de turnovers.

A partir de então tornou-se mais claro que o Colts era um time atrapalhado por sua comissão técnica. Pep Hamilton era criticado pelo baixo desempenho do time na redzone e Greg Manusky principalmente nas derrotas produzidas em shootouts: 42-20 contra os Patriots em Indianapolis, 34-51 contra os Steelers em Pittsburgh, 07-42 contra os Cowboys em Dallas. Além disso, o Colts perdeu as duas primeiras partidas da temporada contra os Broncos (24-31 após sair perdendo por 24-0) e Eagles (30-27 após sair vencendo por 6-20), o que viria a ser cotidiano desde então.

Apesar da grande temporada no geral, os pontos negativos foram bem agravantes: várias partidas com inícios lentos (3-and-out nos primeiros drives), defesa mal preparada contra bons QBs, péssima execução na redzone, além da recorrente instabilidade da linha ofensiva. O placar não mostra, mas o time sofreu em algumas vitórias que deveriam ser fáceis, como os Browns e o segundo jogo contra os Texans.

Em nenhum dos 16 jogos da temporada regular de 2014 o Colts teve seu drive inicial da partida terminando em touchdown. Em cinco partidas foram field goals, e no restante muitos punts e turnovers. Basicamente, o time precisou correr atrás do placar na maioria dos jogos, o que diminui o balanço de snaps com jogo corrido, e restringe as possibilidades do plano de jogo.

Como Pep Hamilton é da escola West Coast, provavelmente as jogadas de Indianapolis no início da partida eram previamente designadas, desconsiderando o que o adversário colocava em campo. Outro ponto que prejudicou o desenvolvimento dos drives iniciais foram os erros mentais: muitas faltas de false start holding prejudicavam o andamento.

O problema de ritmo no ataque

Para exemplificar, observe o three-and-out dos Colts contra os Patriots na semana 11 de 2014:

O Colts utiliza um set de 3 WRs, um TE (Coby Fleener) e RB (Trent Richardson), todos alinhados em um conjunto que seria 5 WR. O objetivo é atacar o fundo do campo. Com o lado direito mais carregado, o Colts tenta induzir a defesa dos Patriots àquele lado. O erro aqui é que nenhuma rota ataca o lado esquerdo, abrindo a defesa. O Patriots responde em um conjunto de zonas e anula todas as rotas.

Enquanto isso, o defensive tackle vence seu duelo contra o center e desmonta o pocket, obrigando Luck a ir para o scramble, ganho de 4 jardas.

Na jogada seguinte, uma formação big com twin-TEs, terminando em ganho de 1 jarda de Trent Richardson.

Na terceira jogada, Pep Hamilton mais uma vez tentou atacar a defesa dos Patriots com um conceito de rotas verticais, que responde anulando TY Hilton com a combinação de press coverage e uma marcação em zona no fundo do campo.

Luck realiza sua progressão em leitura hi-lo e termina fazendo o checkdown.

Pep Hamilton tinha problemas para estabelecer um ritmo no ataque dos Colts com suas chamadas, o time era muito dependente de big plays para progredir em campo, e, quando chegava à redzone, estancava exatamente pelo curto espaço de campo. A falta de um jogo terrestre mínimo tornava as coisas ainda mais unidimensionais.

Essas situações criaram um cenário de risco para o jogo de Andrew Luck: sendo obrigado a atacar o campo, o QB conseguiu sua melhor temporada em jardas e TDs, ao mesmo tempo que voltou a crescer em número de turnovers.

Os problemas contra o jogo terrestre

Como mostramos com exemplos de 2012, a defesa dos Colts ainda era muito soft contra a corrida, e Bill Belichick aproveitou-se disso nas duas situações que enfrentou Indianapolis. Na temporada regular, o desconhecido Jonas Gray anotou 4 TDs corridos em pleno Lucas Oil Stadium.

No AFC Championship Game em Foxborough, LeGarrette Blount teve 30 carregadas para 148 jardas e 3 TDs. Comecemos a observar os problemas defensivos do Colts analisando a corrida mais longa de Blount no jogo, para 22 jardas.

O Patriots executa uma outside zone partindo do 22 personnel, indicando uma formação clara de corrida, que mesmo assim o Colts não conseguiu parar. Há pelo menos dois momentos em que a jogada poderia ser encerrada antes de se tornar uma big play. Mesmo preenchendo os gaps de forma correta, nenhum dos jogadores consegue fechar o tackle.

Retira-se essa jogada das estatísticas e ainda temos 29 carregadas para 126 jardas, resultando em 4,34 jardas por tentativa. Mais de um first down a cada 3 jogadas.

A temporada de 2015

O quarto ano do regime Pagano começou com a ilusão de que o Colts seria Super Bowl contender, mesmo o vídeo do jogo contra os Patriots na final de conferência mostrando o contrário.

O pior é que Jim Irsay acreditou e contratou vários veteranos para legitimar esse processo: WR Andre Johnson, RB Frank Gore, G Todd Herremans e OLB Trent Cole chegaram por contratos elevados, embalados pelo win-now. No Draft, Ryan Grigson pensou que nomes como Malcom Brown, Landon Collins, Erick Kendricks não eram bons o suficiente e escolheu Phillip Dorsett, WR de Miami.

Um time com problemas de trincheiras resolveu que a melhor solução era lotar o elenco de skill players, e a realidade de setembro provou que isso foi uma estratégia equivocada. Nos dois primeiros jogos da temporada, Rex Ryan (Bills) e Todd Bowles (Jets) não se intimidaram em atacar Luck com blitzes e capitalizar com erros.

Foram cinco interceptações e três touchdowns em dois jogos. Para exemplificar, vamos observar como as blitzes de Todd Bowles fizeram Luck cometer erros de leitura e como Pep Hamilton não ajustava o esquema para se aproveitar disso.

Hamilton mais uma vez desenha um conceito de rotas longas para iniciar o jogo, enquanto o RB não percebe a blitz chegando pelo lado esquerdo, deixando Luck em apuros.

Andre Johnson não consegue se livrar do press coverage e o timing com Luck é prejudicado. Ele toca a bola e a deixa no ar, interceptada por Buster Skrine.

Problemas de constante pressão contra blitz e rotas longas resultaram na lesão de Luck na semana 3 contra os Titans, que o tirou dos jogos contra Jacksonville e Houston. Luck voltou contra Patriots (o clássico jogo do fake punt), Saints, Panthers e Broncos, quando sofreu a lasceração de rim que o tirou do restante da temporada.

A temporada de 2015 foi atípica, record de 2-5 com Luck em campo e 5-3 com Matt Hasselbeck. Ao todo 10 QBs estiveram no roster de Indianapolis, sendo que além dos dois, Charlie Whitehurst, Josh Freeman e Ryan Lindley também tiveram snaps.

A ineficiência ofensiva dos Colts resultou na demissão de Pep Hamilton após a semana 6 contra os Panthers, e o cargo de coordenador ofensivo dos Colts foi assumido por Rob Chudzinski.

A temporada de 2016

Finalmente chegamos ao ponto em que a habilidade de Andrew Luck não foi mais suficiente para esconder a deficiência técnica dentro de campo e de planejamento dos Colts.

Apesar do segundo melhor ano estatisticamente do quarterback, foram oito derrotas, algumas delas com o que o time podia fazer de pior, como ceder 54 jardas em 35 segundo contra os Lions, ceder 14 pontos seguidos contra Brock Osweiler após estar vencendo por 23-9.

Além disso, o Colts perdeu jogos importantes contra Houston em Indianapolis e Oakland, quando possuía chances de tomar a liderança da AFC South, mesmo com campanha medíocre. Por toda a temporada, Luck teve sessões de treino limitadas devido ao que depois descobrimos ser sua lesão no ombro que o segura até hoje, além de perder o jogo de Thanksgiving na semana 12 por concussão.

Mesmo draftando Ryan Kelly na primeira rodada e ter contratado Joe Philbin para técnico de OL, Luck sofreu 15 sacks nos quatro primeiros jogos, 5 contra Denver e 6 contra Jacksonville. Em contrapartida, a OL melhorou bastante nos bloqueios de jogo terrestre e Frank Gore conquistou 100 jardas em um jogo algumas vezes, fato que não ocorria desde 2012 com Vick Ballard na semana 17.

Após Irsay renovar os contratos de Pagano e Ryan Grigson por 4 anos em janeiro de 2016, a temporada acabou com a demissão do GM. Chris Ballard foi contratado e mesmo assim obrigado a manter Chuck Pagano em 2017.

A temporada de 2017

A offseason de 2017 foi preenchida pela dúvida quanto à saúde de Andrew Luck. Irsay por vezes garantiu que o jogador estaria pronto para a semana 1, enquanto Chris Ballard não prometia nada. A verdade é que o quarterback foi colocado no IR após voltar a sentir dores no mês de outubro, e seguiu para tratamentos alternativos na Holanda.

Com isso, os Colts tiveram que se virar com Scott Tolzien e Jacoby Brissett, obtido por troca com o New England Patriots. O principal fator problemático em 2017 foi a quantidade de viradas que o time sofreu pela falta de ajustes no intervalo, destacando-se jogos contra Seattle, Tennessee, Houston, Pittsburgh, Denver e Baltimore.

A defesa adquiriu boas peças pela estratégia de Ballard em contratar jogadores que brigam por posição. Nomes como Jabaal Sheard, John Simon, Henry Anderson, Quincy Wilson, Malik Hooker, Nate Hairston, Rashaan Melvin e Johnathan Hankins desempenharam bons papéis enquanto estiveram em campo.

No ataque, Chudzinski tentou montar um ataque simplificado em run-pass-option, para facilitar a vida de Brissett, mesmo não sendo sua escola. O QB desempenhou um bom trabalho em algumas partidas, mas erros de leitura e falta de senso de urgência em algumas progressões se tornaram comuns. O ataque não conseguia se manter em campo e ajudar a defesa a descansar, além de não existirem ajustes da comissão técnica como um todo.

O Colts de 2017 é um time com bons valores individuais e sem o plano de jogo ideal, o que recai nos técnicos. Brissett sofreu 51 sacks em 2017, segunda maior marca da história da franquia, somando sua baixa capacidade técnica de se livrar da bola nos momentos certos e a regressão da linha ofensiva após pequena melhora no final de 2016.

Após a demissão de Pagano, o cenário para o Colts em 2018 é de uma reconstrução que na verdade nunca houve. Seis anos de um bom quarterback foram desperdiçados por decisões ruins dentro e fora de campo em todos os escalões do front office, e agora não sabemos em que condições Luck retornará a campo (ou se voltará).

Há diversas opções de jogadores que podem mudar de patamar tanto a defesa quanto o ataque no Draft de 2018. Jim Irsay não pode mais ignorar o fato de que a carreira de seu franchise QB está passando e precisa considerar bons nomes para sua nova comissão técnica para ajudá-lo, e não torcer para que o mesmo resolva tudo, como é padrão em Indianapolis desde os tempos de Jeff George.

  • Diego torce para os Colts e já está pedindo a demissão do próximo técnico.

Análise Tática #22 – Os seis anos de Chuck Pagano – Parte 1

O Pick Six traz para você leitor um trabalho mostrando como o Indianapolis Colts, que teve a sorte grande de draftar dois hall of famers seguidamente, conseguiu não traduzir tal feito em múltiplos Super Bowls. Iremos revisitar em duas partes todos os seis anos de Charles David Pagano como head coach dos Indianapolis Colts. Para você que é um leitor neutro, segue a oportunidade de uma ótima forma de entretenimento.

Chuck Pagano foi contratado pelo Indianapolis Colts em 2012, após a franquia ter demitido o mestre do controle de relógio Jim Caldwell e todas as sus expressões faciais. Em 2011, o torcedor dos Colts que ainda não tinha percebido descobriu que na verdade era Peyton Manning quem carregava o piano, e mesmo com jogadores históricos como Reggie Wayne, Robert Mathis e Dwight Freeney, sem seu QB o time não valia mais que aquele dinheirinho que vem em pipoca doce.

E 2012 começou assim, como reconstrução. Embalado pelo #SuckForLuck, Jim Irsay demitiu Caldwell, Bill e Chris Polian, HC, VP e GM do time, respectivamente, além de ter permitido com que Peyton Manning procurasse outro time para ser feliz. O processo de reconstrução começou com a contratação da dupla Ryan Grigson e Charles Pagano. Grigson tinha histórico do setor de scout no Philadelphia Eagles (apesar de seus colegas de trabalho não entenderem por que ele conseguiu tal emprego). Já Pagano veio tratado como mente defensiva, o guru de DBs que iria revolucionar a defesa dos Colts com coberturas homem-a-homem e single high, após anos executando a defasada Tampa 2 na gestão Dungy-Caldwell.

O draft de 2012 aconteceu e Jim Irsay chamou a responsabilidade garantindo a escolha de Andrew Luck sem mistério nenhum, semanas antes do Colts sequer entrar no relógio. Indianapolis garantiria mais 15 anos de franchise QB ao mesmo tempo em que Grigson garantiu armas para Luck draftando Coby Fleener, Dwayne Allen e T.Y. Hilton.

A temporada de 2012

O coaching staff dos Colts em 2012 era Charles Pagano como HC, Bruce Arians como OC e Greg Manusky como DC. Clyde Christensen permaneceu da gestão anterior para ser o técnico de QBs e desenvolver o talento de Andrew Luck. A primeira partida foi uma derrota por 41-21 contra os Bears de Jay Cutler no Soldier Field, e seria apenas a primeira de onze derrotas (e contando) em seis anos cedendo mais que 40 pontos ao adversário, pior marca da NFL.

Na segunda rodada, Andrew Luck liderou os Colts à sua primeira vitória na liga, em um 23-20 contra o Minnesota Vikings. Após liderar por 20-6 em três quartos, o Colts cedeu o empate tomando 14 pontos seguidos (familiar, caro leitor?). Luck botou o time no braço e colocou Adam Vinatieri em condição de chutar o field goal da vitória.

Bruce Arians enquanto coordenador ofensivo foi responsável por fazer Luck “perder o medo” de arriscar em profundidade, excelente trabalho inclusive que o rendeu o emprego que possui hoje no Arizona Cardinals.

Luck veio do College Football como o prospecto mais completo da história, basicamente o trabalho dos Colts era plugar e jogar, tendo que corrigir alguns erros pequenos como a tendência a arriscar demais. Entretanto, como sabemos, Luck tomava riscos por que sabia que era capaz de converter jogadas, o famoso “só bate quem erra”. Arians então aproveitou-se da capacidade de seu QB para desenvolver um ataque vertical, diferente do que Luck executava em Stanford, um híbrido de West Coast Offense clássica e Spread.

Nessa formação observamos um esquema que foi bastante utilizado no ano de calouro de Luck, e também foi uma das razões o qual era exposto a bastante sacks. Dois TEs em campo, singleback e dois receivers em lados opostos do campo. Reggie Wayne atrai a marcação no meio de campo e Donnie Avery encara seu marcador na rota fly. Luck aproveita o playaction fake e junto com um 5-step dropback, manda um passe perfeito, nada mal para um calouro em seu primeiro jogo em casa.

Normalmente, QBs calouros necessitam de um esquema que mascare suas deficiências para render, isso não aconteceu com Andrew Luck. Pagano e Arians não tiveram medo de expor seu signal-caller a leituras totais de campo, jogadas verticais, ajustes de proteção e option-routes, situações que geralmente apenas QBs com tempo de experiência profissional precisam enfrentar.

Durante o game-winning drive da partida entre Vikings e Colts, o ataque executou o conceito dagger, em que o alvo da jogada foi Reggie Wayne. Inclusive, o camisa 87 foi o principal alvo de Luck durante o ano de calouro e também um dos responsáveis por moldar o jogo de TY Hilton à sua imagem e semelhança. Repare nas rotas profundas e no 5-step drop, constante durante todo regime de Pagano.

Outra característica no jogo de Luck evidente desde suas primeiras atuações é a precisão de passe em janelas curtas. Na jogada abaixo, observe o QB anotando um TD ainda no jogo contra os Vikings em 2012. Esquema desenhado para aproveitar-se do release e do tamanho de Dwayne Allen como alvo na redzone. Luck coloca a bola na altura do peito de Allen com três defensores chegando na jogada, um passe fora de posição provavelmente seria defendido ou interceptado.

A defesa prevent

Uma característica dos Colts sob o comando de Chuck Pagano é diminuir a agressividade em situações de vantagem no placar ou campanhas de dois minutos. Basicamente, esse setor do time não encontrava respostas para os ataques adversários no momento em que era necessário dar um passo a frente, situação que custou derrotas ou precisou de que Andrew Luck resgatasse o time em desvantagem.

Esse tipo de coisa (contra Ponder ou não) foi comum.

Por muitas vezes, a defesa dos Colts parece uma unidade despreparada em campo, como se não houvesse nenhuma detecção dos padrões do adversário, além da baixa ou nula capacidade de ajustes de Chuck Pagano. Em 2012, isso ficou evidente na partida contra os Jaguars, encabeçado na época por Blaine Gabbert e Maurice Jones-Drew. Após abrir 14-3 antes do intervalo, os Colts cederam 19 pontos no segundo tempo para a derrota.

A defesa dos Colts tinha propensão a ceder big plays no jogo terrestre, mesmo contra times que o tinham como ponto primordial do ataque, como os Jaguars anteriormente mencionados. Alternaram-se os problemas de profundidade de elenco na defesa ao longo desses seis anos: quando havia bons LBs (Jerell Freeman), não havia DLs. Quando o front seven foi estabilizado com Cory Redding, houve o experimento LaRon Landry. Observe abaixo a ausência de atleticismo da linha defensiva em 2012 de proteger os gaps contra uma trap.

A campanha “Chuck Strong”

É impossível falar sobre a temporada de 2012 do Indianapolis Colts sem mencionar a ausência de Chuck Pagano de 12 jogos por conta do tratamento de leucemia. Diagnosticado na semana 4, bye week dos Colts, o técnico ficou ausente até a semana 17, quando retornou contra o Houston Texans. O impacto desse fato em campo é notável, por que após uma campanha 1-2, o time venceu 10 dos últimos 13 jogos da temporada, garantindo vaga nos playoffs como wild card.

Esse contexto é importante por que na época não se imaginava que um QB calouro como Andrew Luck, por melhor que fosse, seria capaz de transformar o time imediatamente. Com Bruce Arians acumulando as funções de head coach e coordenador ofensivo, o ataque teve um salto de qualidade, somado aos intangíveis relacionados ao tratamento de Pagano.

Em termos de plano de jogo e auxílio técnico, os 12 jogos de Luck sob a tutela de Bruce Arians e Clyde Christensen foram os melhores em sua carreira. Nesse período, o QB estabeleceu sua química com o veterano Reggie Wayne, principalmente em conversões de terceira descida, ao mesmo tempo em que TY Hilton aumentava gradativamente sua carga de snaps.

O jogo da semana 5 de 2012 contra os Packers é memorável nesse aspecto. Após sofrer 21-0 no primeiro tempo, os Colts conseguiram a primeira grande virada da carreira de Andrew Luck, vencendo por 27-30. Outras vitórias importantes nessa fase foram contra os Lions na semana 13 e contra os Texans na semana 17. Ao mesmo tempo, duas das derrotas foram acachapantes: Contra os Jets (9-35) e Patriots (24-59).

O encerramento da temporada de 2012 veio pela eliminação no wild card contra o Baltimore Ravens (que viriam a ser campeões) por 9 a 24.

A temporada de 2013

Bruce Arians saiu de Indianapolis rumo ao cargo de head coach em Arizona, e para sua reposição, os Colts trouxeram de Stanford o coordenador Pep Hamilton, familiar a Andrew Luck. A intenção com esse movimento era clara: implantar conceitos semelhantes à West Coast Offense híbrida que Luck operou em seus anos de College Football, sob a tutela de Jim Harbaugh e David Shaw.

A temporada de 2013 também pode ser lembrada como aquela em que os Colts derrotaram os melhores times à época: vitórias contra 49ers, Seahawks, Broncos e Chiefs em contextos inexplicáveis. Mas também houve derrotas por mais de 20 pontos contra Rams, Cardinals e Bengals.

A instabilidade na posição de Center

Após anos com uma das melhores duplas QB-Center da história em Peyton Manning e Jeff Saturday, o Colts teve dificuldades ao encontrar estabilidade em um parceiro confiável para Andrew Luck. Nomes como AQ Shipley, Samson Satele, Khaled Holmes e Jonnothan Harrison (este ultimo mais recentemente) se revezaram na posição fundamental da linha ofensiva.

Apesar de o left tackle geralmente ser o jogador mais bem pago, por inúmeras vezes enfrentar o melhor pass rusher adversário, quase sempre individualmente, e proteger o lado cego do quarterback, considera-se o center como posição mais importante taticamente, pois este jogador é responsável por identificar o tipo de front utilizado pelo adversário, se há blitz, e orientar pré-snap os demais jogadores em suas tarefas.

Além disso, o ato do snap é uma tarefa subestimada. Uma boa dupla pode utilizar de hardcount e fazer com que defensores cometam offside, um bom snap também determina a velocidade com que a jogada se desenvolve, dando um segundo a mais para o QB no pocket, que pode ser precioso ao completar um passe.

Por vezes vimos em Samson Satele essas duas deficiências. Guard de origem, o jogador tinha dificuldade em realizar o snap e identificar seus bloqueios. Observe nessa outside zone¸ que Satele não consegue engajar em nenhuma de suas funções na jogada, primeiro e segundo nível. A jogada não é bem-sucedida por outros fatores além.

O experimento Trent Richardson

Para tratar de Trent Richardson nos Colts, é interessante retornarmos ao draft de 2009.

Fonte: Bleacher Report

Na primeira rodada daquele draft, Bill Polian selecionou Donald GODDAMIT Brown, o escolhido para ser o contrabalanço a Peyton Manning no crepúsculo de sua carreira. Obviamente, a escolha deu errado e Donald nunca foi um jogador de elite na NFL, enquanto Polian afirma que teria escolhido Clay Matthews se não fosse por um trade up dos Packers à escolha anterior à sua (você não engana ninguém, Bill) ou mesmo ter passado LeSean McCoy (escolhido na segunda rodada pelos Eagles naquela ocasião).

Mas o que isso tem a ver com Trent Richardson? Bem, após ter ficado óbvio que Donald Brown ter sido uma escolha ruim, Jim Irsay foi para o movimento arriscado. Ryan Grigson e ele concordaram que era uma boa ideia trocar uma escolha de primeira rodada por Trent Richardson. A ideia era acelerar o processo de transformação dos Colts a postulante ao Super Bowl rapidamente. Em campo, o que se viu foi um running back muitas vezes acima do peso que não conseguia realizar as leituras corretas.

Em amarelo, o caminho ideal, em vermelho o caminho que ele escolheu. Fonte: SB Nation

O desenvolvimento da jogada anterior:

Por fim, um lance que talvez estivesse nos melhores piores momentos da semana se a coluna existisse à época. Em um jogo de playoffs, Trent Richardson se atrapalha em trocar a bola de mãos enquanto tenta cortar pelo meio da defesa do Kansas City Chiefs.

 

  • Diego Vieira torce pelo Indianapolis Colts e não sabe como sobreviveu a esse sofrimento.

31 times que não irão ganhar o Super Bowl (e o Indianapolis Colts)

Finalmente acabamos de produzir todos os previews da temporada de 2017! Talvez você, leitor, nessa vida atribulada, não tenha tido tempo ou sequer vontade de ler todos, mas para facilitar sua vida, trazemos agora, um compilado de todos os textos.

E para dar um pouco mais de graça e não ser apenas um índice, adicionamos aquela razão pela qual seu time inevitavelmente morrerá na praia mais uma vez: com vocês, o guia final de previews – basta clicar no nome da equipe que desejar ler uma análise aprofundada e isenta de clubismo!

Enfim, reeditando o texto do ano passado: 31 times que não vencerão o Super Bowl (e os Colts) versão 2.0.

OBS: Na versão 1.0 acertamos 31 de 32 comentários. Esperamos repetir o aproveitamento!

AFC South

Houston Texans: Uma defesa que simplesmente não consegue ter todos os melhores jogadores juntos (por exemplo, AJ Bouye se destacou e já vazou – agora que JJ Watt volta. E também um head coach especialista em QBs que não consegue escolher um; não é exatamente um receita para o sucesso.

Jacksonville Jaguars: Blake Bortles, caras! Blake Bortles – aliás, não percam nossa promoção no Twitter!

Tennessee Titans: Dissemos que EVENTUALMENTE Mariota pode chegar lá – não que a grande (?) torcida dos Titans já deveria estar preparando os fogos para o Super Bowl LII.

Pensa em um dia massa.

NFC South

Atlanta Falcons: Provavelmente o preview que menos vale a pena ler: não importa se Matt Ryan e Julio Jones são os melhores do mundo; ressaca pós-perda de Super Bowl é uma realidade. E a regressão ao perder o verdadeiro gênio desse ataque (Kyle Shanahan) também.

Carolina Panthers: Lenta e dolorosamente começaremos a aceitar que, no final das contas, talvez Cam Newton não seja tudo aquilo.

New Orleans Saints: Drew Brees e Adrian Peterson seria a dupla dos sonhos para se ter no Madden NFL 2012. E, bem, essa defesa é de gelatina.

Tampa Bay Buccaneers: Jameis Winston pode muitas vezes parecer promissor ou mesmo uma realidade, mas ele ainda tem que lançar menos (bem menos) interceptações para poder sonhar com Super Bowl.

AFC West

Denver Broncos: Não é apenas uma questão de que somente com um bom QB é possível ganhar o grande título, mas é que a defesa já não é mais aquilo que um dia foi.

Kansas City Chiefs: Seria a franquia mais indicada para ganhar o Super Bowl depois do jogo de estreia, mas qual foi o último time que ganhou a grande final do futebol americano com o QB do futuro no banco?

Los Angeles Chargers: Lesões. Amamos a franquia secundária de Los Angeles muito mais do que o povo da cidade, mas é difícil acreditar que esse time possa estar saudável em novembro – quanto mais em fevereiro.

Oakland Raiders: Tudo bem que, no final das contas, tudo acaba em dinheiro. Mas um time cujo dono se vendeu para Las Vegas não merece ganhar nem rifa de escola.

NFC West

Arizona Cardinals: Vamos combinar que Drew Stanton não tem bola para ganhar nada na pós-temporada, não é? O que? Você realmente acredita que Carson Palmer aguenta vivo 19 jogos?

Los Angeles Rams: O espírito de Jeff Fisher ainda ronda os corredores, o que deverá garantir mais uns três anos de campanhas com 8 vitórias em ritmo de “reconstrução”.

San Francisco 49ers: Sabe qual o título do nosso preview? “Eu escolhi esperar”. Então esperem.

Seattle Seahawks: Porque, eventualmente, algum jogador da linha defensiva que tem tantas opções vai ter que passar para o outro lado e jogar pela linha ofensiva, que tem como melhor jogador os dibres de Russel Wilson.

AFC East

Buffalo Bills: Se eles não tentarão ganhar, nós também não perderemos tempo tentando justificar porque eles não ganharão.

Miami Dolphins: Se Jay Cutler ganhar um Super Bowl, é melhor mudarmos o nome do site para, sei lá, fly out ou double play e começar a cobrir baseballque pelo menos tem Tim Tebow, uma pessoa bem mais legal do que o Cutler.

New England Patriots: Todo mundo viu o jogo de quinta-feira. Parece bem claro que Tom Brady e a sua dinastia está acabada. É hora de começar a dar ritmo de jogo para o Garoppolo pensando em um 2018 melhor.

New York Jets: Se eles não tentarão ganhar, nós também não perderemos tempo tentando justificar porque eles não ganharão, parte 2.

NFC East

Dallas Cowboys: Qual foi o último time que gerou muitas expectativas na imprensa e não decepcionou? Com Dallas não será diferente.

New York Giants: Não vai ganhar o Super Bowl porque se perde muito tempo elogiando um ataque mediano, sendo que o time terá que ser carregado pela defesa.

Philadelphia Eagles: Porque só de imaginar pessoas comemorando a noite inteira pelas ruas da Filadélfia cantando “fly Eagles fly” incessantemente, o próprio universo atua e bloqueia qualquer alegria que esse povo poderia receber.

Washington Redskins: Kirk Cousins já está pensando e estudando em que cidade da Califórnia ele poderá ser mais rico e feliz.

AFC North

Baltimore Ravens: Cite três jogadores dos Ravens que podem ser considerados Top 15 na liga.

Cincinnati Bengals: Vencer o Super Bowl para os Bengals seria ter mais uma temporada bosta com cinco vitórias e que o dono decidisse fazer uma limpa neste roster desgraçado.

Cleveland Browns: Pequenos passos, pequenos passos. Ao menos já evoluiu o suficiente para ser considerado entre os 31 times sérios da NFL. Nesse ritmo, quem sabe lá por 2031.

Pittsburgh Steelers: Defense wins championships. E esse time é puro ataque – o que fará ser muito divertido, mas não ganhar títulos.

NFC North

Chicago Bears: Até elogiamos bastante, mas não nos EMPOLGUEMOS tanto.

Detroit Lions: Matthew Stafford vai levar Detroit pelo caminho que Drew Brees e Flacco levaram seus times: ganhando muito mais dinheiro do que o time poderia pagar e sacrificando a qualidade do elenco. A diferença é que os outros dois ganharam um Super Bowl antes.

Green Bay Packers: Seria uma pena se football fosse um esporte coletivo e você dependesse da ajuda de outros 52 animais para ganhar algo, não é mesmo, Aaron Rodgers?

Minnesota Vikings: Quem tem dois quarterbacks, na verdade, não tem nenhum. O retorno de Bridgewater vai bagunçar o time e, para ajudar, o Super Bowl é em Minnesota.

*Indianapolis Colts: Eles só perderam os dois melhores jogadores do ataque e o melhor da defesa. E não fazem ideia de quando qualquer um deles voltará. Por ora, não dá mais para chamar os restos mortais de Indy sequer de time.

Podcast #2 – uma coleção de asneiras II

Olá amigos do Pick Six! Um dia histórico: o nosso podcast volta ao ar!

Trazemos as principais notícias das últimas semanas (sobre incríveis jogadores, como Jacoby Brissett, TJ Clemmings e Andy Lee) e, como é habitual no começo da temporada, mandamos aquele tradicional SPOILER. Se você quer evitá-los, não ouça; mas lembre-se: só quem ouvir poderá rir da nossa cara e apontar que erramos ao final da temporada.

Edit 1: precisamos de menos de 10 horas para apontarem nossos erros

Agradecemos a atenção e desde já nos desculpamos por pequenas falhas no áudio – somos amadores e estamos em processo de aprendizagem. Prometemos que, se existir um próximo, será melhor. E, dessa vez, estamos mais confiantes que existirá!

Missão Tennessee: surfando em direção ao Super Bowl

Uma outra verdade irrefutável da NFL é que o Tennessee Titans é um time irrelevante e sem graça. Reflita: você, leitor, conhece algum torcedor verdadeiramente apaixonado pelo Titans? Ou então, tem algum amigo que odeia o time de Tennessee do fundo do seu coração? Provavelmente não, porque o Titans, com raras exceções, não desperta amores e ódios. É uma franquia que vive no limbo do pior dos sentimentos: a indiferença.

Isso acontece porque, desde que deixou de ser Houston Oilers para se tornar Tennessee Titans, em 1997, o time não tem incomodado ninguém. É verdade que, em 1999, com apenas dois anos de idade, o Titans chegou ao Super Bowl e esteve a, literalmente, centímetros de levar o Lombardi Trophy para casa, mas o destino, talvez por mero bom senso, não quis que acontecesse. Desde a improvável aparição no SB, foram apenas duas vitórias em playoffs, em 2002 e 2003, ainda nos tempos do QB Steve McNair, umas das poucas estrelas que vestiram o bonito uniforme azul. Sem vencer em pós-temporadas há 14 anos, o Titans tem sido, no máximo, um figurante na NFL.

Não deu.

Novos ventos

Mas isso tudo vai mudar. Apesar do negativismo do início do texto, podemos afirmar com uma boa dose de certeza que esse cenário de mediocridade está muito próximo de ser superado. Sim, é arriscado e corremos o risco de amargar um profundo arrependimento no futuro, mas temos que dizer que, em breve, o Tennessee Titans será uma das grandes forças da NFL.

A reviravolta vai começar já em 2017 e o responsável por ela se chama Marcus Mariota. Enquanto outros times (oi, Browns e Jets) vivem uma luta eterna para encontrar seu franchise QB, o Titans já tem o seu. Em duas temporadas como titular, Mariota não foi perfeito – inclusive cometeu erros difíceis de aceitar –, mas mesmo assim mostrou que tem qualidade mais do que suficiente para tirar a franquia do ostracismo e ser um dos grandes QBs da NFL.

Em 2016, na temporada regular, Mariota passou para 3426 jardas, 26 TDs e apenas nove interceptações, o que resultou em um excelente rating de 95,6. Uma das estatísticas mais impressionantes do QB do Titans é a de eficiência na red zone: de acordo com o site Pro Football Focus, Mariota completou 64% dos passes que tentou nas últimas 20 jardas do campo com 33 TDs e nenhuma interceptação. É necessário repetir e enfatizar: Marcus Mariota nunca lançou uma interceptação na red zone.

É impressionante e, claro, difícil acreditar que esse ritmo possa ser mantido. Porém, mesmo que haja uma regressão nos números, se conseguir terminar uma temporada saudável e reduzir o número de fumbles sofridos (apenas em 2016 foram nove), Canton é o limite para Marcus.

Nota do editor: calma, cara!

Cercado por talento

Reconhecendo a qualidade do QB que tem e a necessidade de aumentar a dose de talento ao redor dele, os técnicos do Tennessee Titans decidiram renovar o corpo de recebedores à disposição de Mariota. O mediano Kendall Wright e o sexagenário Andre Johnson foram dispensados e o time investiu duas altas escolhas do draft de 2017 em WRs: Corey Davis, no primeiro round, e Taywan Taylor, no terceiro. Na free agency, o time contratou o bom Eric Decker, que terá que superar uma contusão no ombro que o tirou da temporada 2016. Os recém-chegados se juntam ao bom Rishard Matthews e a um dos melhores Tight Ends da liga, Delaine Walker.

Além do grupo de recebedores acima da média, Tennessee ainda tem talvez a melhor dupla de RBs da NFL, o que é muito importante para um time que, em 2016, teve a terceira maior porcentagem de corridas da liga e ficou em quarto em jardas por carregada.

Por terra, DeMarco Murray tem tudo para repetir as 1287 jardas corridas que conquistou na temporada passada, a segunda melhor marca de sua carreira. Murray, porém, já tem bastante kilometragem na liga, e precisa de descanso; por isso, Derrick Henry, que não foi tão acionado quanto Murray no ano passado, mostrou que pode e deve ser mais utilizado. Com um ataque aéreo mais perigoso e com uma participação maior de Henry, o Tennessee Titans tem tudo para, no mínimo, estar no top 10 ofensivo da NFL em 2017.

Destino: Canton.

Evolução

O sistema defensivo do Tennessee Titans terminou a temporada 2016 na média em quase todas as estatísticas, apesar de ter tido momentos de brilho, como na vitória por 47×25 contra o Green Bay Packers, em que Aaron Rodgers foi interceptado duas vezes. A força da defesa foi o grupo de DL e LB, responsáveis por 40 sacks, sexta melhor marca da liga. Jurrell Casey, Brian Orakpo e Derrick Morgan, responsáveis por 24 dos 40 sacks de 2016 continuam no time e formam um grupo que pode tanto ser eficiente parando o jogo corrido adversário quanto pressionando o QB.

A secundária, ponto fraco do time na temporada anterior, foi onde o Titans mais investiu. No draft, Tennessee investiu uma de suas escolhas de primeiro round no CB Adoree Jackson, que tem habilidade atlética semelhante a Darrelle Revis e Patrick Peterson e deve ser colocado instantaneamente como titular. Do outro lado do campo, o Titans deve ter o veterano CB Logan Ryan, que chegou do New England Patriots na free agency com um contrato de três anos valendo 30 milhões de dólares. Além deles, a secundária será reforçada pelo ex-Jaguar Johnathan Cyprien, que será um dos safeties titulares.

Com a base da linha defensiva mantida e com as adições à secundária, a única possibilidade para a defesa do Titans é a evolução. É claro que não se trata de uma defesa do mesmo nível de Denver Broncos, Houston Texans ou Seattle Seahawks, mas deve ser suficiente para, junto com um ataque equilibrado, levar o time à pós-temporada pela primeira vez desde 2008.

Palpite: Las Vegas acredita que o Tennessee Titans conseguirá 8,5 vitórias em 2017. Nós discordamos e acreditamos em uma temporada com 10 vitórias e o título de uma divisão que terá apenas um real adversário: o Houston Texans. Nos playoffs, não seria nada surpreendente se o Titans conseguisse pelo menos uma vitória, se tiver a sorte de enfrentar um adversário favorável. Mesmo que o sucesso não chegue tão logo quanto 2017, lembre-se que o Pick Six foi o primeiro a te alertar sobre o futuro brilhante do Tennessee Titans.

A nova esperança e uma mentira chamada Blake Bortles

Uma das verdades inexoráveis do mundo dos esportes é que não há nada que resista a magia de um nome campeão. E talvez seja nisto que residam as expectativas do sofrido torcedor do Jacksonville Jaguars: duas décadas depois, Tom Coughlin está de volta a Flórida.

Contratado no já distante mês de janeiro, Tom tem a responsabilidade de trazer um pouco de respeito, qualquer resquício que seja, para uma franquia que insiste em nos encher de esperanças ano após ano apenas para, no final das contas, despedaçá-las, enterrá-las e nos encher de vergonha.

Com o pomposo cargo que em uma tradução amadora para a língua tupiniquim poderia ser resumido em “vice-presidente executivo de operações de football”, Coughlin chega cercado de expectativas, mas o fato é que, embora o Jaguars tenha feito alguns (bons) movimentos na free agency, tudo dependerá de… Blake Bortles. Um grande bust ou um quarterback pronto para a redenção?

Bem, por mais segurança que uma defesa liderada por Jalen Ramsey e os recém chegados AJ Bouye, Calais Campbell e Barry Church possam proporcionar, o Jaguars não irá a lugar algum caso não marque pontos.

Apenas um dia normal na Flórida.

O fundo do poço é logo ali

Não nos furtemos em reconhecer que, na temporada passada, Jacksonville enganou boa parte do mundo da NFL: de apaixonados a especialistas, passando para pobres coitados (nós), muitos confiaram em Blake Bortles. Tanto que ao final da primeira partida, quando foi derrotado pelo Green Bay Packers em uma péssima chamada em um 4th down no minuto final, John Lynch, então analista da Fox e hoje GM do San Francisco 49ers, cravou: “Eu realmente creio que o Jaguars será um bom time de football nesta temporada” – acreditem, está gravado!

A verdade, porém, é que Jacksonville esteve longe, muito longe, de ser uma equipe minimamente respeitável, conquistando apenas três vitórias – e nos últimos cinco anos, venceu, atenção, dois, quatro, três, cinco e três partidas, respectivamente.

Claro, há culpa sobre os ombros de Blake, mas a temporada que passou também escancarou algo que já era evidente: Gus Bradley é um dos piores HCs que já passou pela NFL – sua porcentagem de vitórias (míseros 22%) é a segunda pior da história da liga para treinadores com ao menos 50 partidas.

Já sobre seu quarterback, resta esperar que ele melhore ou encontrar uma forma de vencer apesar dele – os movimentos da offseason e do draft, como a seleção de Leonard Fournette, dão a entender que a franquia aposta na segunda opção, mas falaremos disso depois; por enquanto, aproveitemos estas linhas para destilar nosso ódio por Bortles.

Confissão de culpa

Em 2015, quando enganou inocentes (nós), Bortles teve números decentes. Mas em 2016, tudo implodiu: Blake fedia cada vez mais conforme os minutos passavam. Vê-lo lançar um passe fazia nossos olhos sangrarem – era como se um jovem estivesse jogando beisebol em um campo de football.

Estamos cansados de estar abaixo da média e não ter sucesso, quando sentimos que temos capacidade de ser uma boa equipe”, declarou o quarterback ao Jacksonville.com. “Não temos tido êxito e é hora de mudar. É preciso fazer algo a respeito”, completou.

O tempo e as desculpas, porém, estão se esgotando, afinal Jacksonville acredita ter fornecido boas armas para seu QB: embora não ao mesmo tempo, o corpo de recebedores mostrou diversos sinais de consistência – Marqise Lee sempre pareceu um WR3 confiável, enquanto os irmãos Allen (Robinson & Hurns) ultrapassaram as 1000 jardas em 2015, mas caíram de produção no ano seguinte, seja por ser o novo foco das defesas adversárias (Robinson) ou por lesões (Hurns).

A maior frustração da última temporada é que eu era um jogador melhor”, disse Robinson. “Eu corria rotas melhores, pensei que estava criando mais separação. Mesmo que o resultado não chegasse, eu estava certo disso”.

Para 2017, uma nova chance para o trio, além da adição de Dede Westbrook (na pior das hipóteses, um dos nomes mais divertidos da liga), que pode ser tornar uma opção válida como slot – em sua última temporada no college, Westbrook teve 80 recepções, mais de 1500 jardas e 17 TDs; uma média de mais de 19 jardas por recepção, a melhor do football universitário entre jogadores com ao menos 75 recepções.

Outro alento é que a experiência com o TE Julius Thomas foi um fracasso – alguém acreditava em outro final? – e, ao menos, Thomas não atrapalhará mais o sistema ofensivo, já que foi enviado para o Miami Dolphins em troca de um pacote de balas (na verdade, o LT Branden Albert, que se aposentou antes de sofrer com Bortles).

Coitado.

Uma nova esperança

Enquanto o jogo aéreo de Jacksonville retorna com as mesmas peças, a dinâmica ofensiva por terra tem um novo ator principal: com a quarta escolha no último draft, o Jaguars selecionou o RB Leonard Fournette, já comparado com Hershel Walker (a imprensa norte-americana usa drogas).

Outros, aliás, afirmaram que Fournette é a melhor perspectiva de corrida que a NFL tem desde Adrian Peterson (já dissemos que a imprensa norte-americana trabalha sob o efeito de entorpecentes?). De qualquer forma, já é um cenário mais alentador do que um ataque terrestre comandado por TJ Yeldon e Chris Ivory; Leonard abrirá espaços e ótimas janelas de oportunidade para Bortles, resta saber se o quarterback conseguirá reconhecê-las e aproveitá-las.

Spoiler: não.

Claro, o sucesso do novo RB dependerá da linha ofensiva, historicamente mais triste do que a fome – agora, porém, há um alento, já que a escolha de segunda rodada foi usada em Cam Robinson, que deve rapidamente se tornar um oásis em meio ao deserto trágico que se tornou a OL de Jacksonville.

De todo modo, Fournette pode mudar o panorama do Jaguars – é um tanto “velha guarda” construir seu futuro em torno de um running back em uma NFL moderna que, cada vez mais, foca no jogo aéreo. O próprio Doug Marrone, novo HC, que fugiu de Buffalo na calada da noite sem maiores explicações, já declarou que pretende correr com a bola como se sua vida dependesse disso – e, enfim, talvez ela realmente dependa.

E, obviamente, também é arriscado depositar tanta esperança em um rookie, mas é algo que pode funcionar com um jogo corrido extremamente físico personificado no novo RB e, do outro lado da bola, uma defesa sólida e consistente.

Um filme repetido

Como mencionamos, Jacksonville mais uma vez fez (teoricamente) boas adições na free agency, boa parte delas focando em reforçar o sistema defensivo. Seria lindo, se eles já não fizessem o mesmo todos os anos e sempre acabasse dando m**da: o Jaguars talvez seja a prova ambulante de que tentar construir um sistema durante a FA normalmente não funciona.

De qualquer forma, o DT Calais Campbell, vindo de Arizona, talvez seja o grande novo (velho) nome na Flórida – mas como estamos falando do Jaguars e de sua sina particular, fica a questão se a franquia não está pagando pelo passado de Calais.

Outro nome que desembarca para curtir o clima agradável da cidade é o CB AJ Bouye, trazido para substituir os restos mortais de Prince Amukamara. Inegavelmente, Bouye vem de uma excelente temporada com o Texans, mas novamente, estamos falando de Jacksonville, então é justo questionar se ele teria sido tão eficaz fora de um sistema em que Whitney Mercilus e Jadeveon Clowney trituram QBs adversários apenas com a força do olhar. Outro ponto discutível é que poucas franquias compreendem tão bem a importância de seu sistema defensivo e o papel de suas peças como Houston, então o fato do Texans sequer ter esboçado qualquer esforço para manter seu antigo CB já deveria ser suficiente para levantar dúvidas nas piscinas do Everbank Field.

Na secundária, vindo do Dallas Cowboys, o S Barry Church supostamente deveria formar uma dupla de respeito ao lado de Tashaun Gipson – isso se Gipson não tivesse sido uma piada de péssimo gosto em seu primeiro ano com o Jaguars e Church fosse humanamente capaz de voltar alguns anos no tempo.

Palpite: Jacksonville é uma das piores equipes da NFL há um bom tempo, mas sempre esperamos que isto mude na temporada que irá nascer. Não vão nos enganar novamente: embora sua defesa pareça melhor e permita que eles se mantenham vivos em determinadas partidas, o Jaguars continuará perdendo enquanto Blake Bortles estiver em campo. Sério, Blake: você não nos engana mais!