Posts com a Tag : Aaron Rodgers

Ainda odiados, cada vez melhores: nada muda em New England

Não somos fãs de discussões definitivas sobre aqueles que são, eventualmente, os melhores da história dentro de campo – invariavelmente, não se chega a lugar algum: Manning pode ter sido melhor que Brady e, na verdade, isso pouco importa. Hoje, e talvez até mesmo quando o sol engolir o planeta terra e todos derretermos, pode ser possível que Rodgers seja enfim considerado um atleta melhor e mais completo que Brady. Ou tudo isso é um misto de delírio e negação e, bem, Brady é melhor que Montana, Elway e Marino somados.

O fato é que se dentro das quatro linhas sempre haverá margem para discussões, fora delas, Bill Belichick construiu um império particular capaz de suplantar qualquer dúvida: em 17 anos, o New England Patriots têm 15 títulos de divisão, chegou no AFC Championship Game 12 vezes e ao Super Bowl outras sete – o número de anéis, claro, você já sabe de cor.

Falando em números, quando isolamos as conquistas do Patriots – e as quantificamos – em um recorte de tempo histórico, eles soam ainda mais irritantes. E ainda assim, não são capazes de contar a história em sua totalidade.

O domínio na AFC é produto direto da máquina que Bill construiu e aperfeiçoou a cada temporada – ele é o Head Coach, o GM e, por um momento, também foi coordenador defensivo; hoje ele talvez mande mais que Robert Kraft e ninguém saiba.

E enquanto é possível comparar jogadores, é quase impossível colocar Bill ao lado de outras treinadores e traçar comparações sólidas: não há HC na NFL contemporânea que sequer se aproxime de seus êxitos e, caso voltemos muito no tempo, pesará a seu favor a longevidade; enquanto grandes nomes como Vince Lombardi e Bill Walsh estiveram na NFL por uma década, nada indica que Belichick não chegará aos 20 anos comandando o Patriots – e, nas próximas semanas, ao seu oitavo Super Bowl, com o sexto título conquistado.

Sim, se existe uma sabedoria popular que deveria ser incorporada ao imaginário coletivo é esta: quando antes você aceitar seu triste destino, menor será frustração. Pode soar duro, mas é a mais pura verdade: estamos todos prestes a entrar em uma realidade em que Brady e Belichick venceram o Super Bowl seis vezes.

Bem louco.

Por que pode dar errado?

A sabedoria popular também nos ensina que quando tudo parece que dará errado é preciso se apegar ao passado. Mesmo dominantes, as derrotas de New England contaram com, claro, o destino: David Tyree recebeu um passe com o capacete, Asante Samuel caiu em desesperança, Randy Moss não alcançou bolas que normalmente alcançaria. Tudo ao mesmo tempo.

Enfim, mesmo para as equipes que costumeiramente estão no topo, algumas vezes, vencer ou perder pode ser determinado por um capacete.

Por que o Patriots vencerá?

Porque, afinal, está é a ordem natural das coisas: nada parece estar acontecendo e, mesmo assim, o New England Patriots está no topo da NFL. Eles podem não ter Tom Brady por quatro jogos, mas Brissett ou Jimmy G (também conhecido como o homem mais lindo que já pisou na terra) darão conta do recado.

Você também pode não ter escolhas de primeira rodada no draft e, mesmo assim, o planeta continuará girando normalmente: tudo está sempre sob controle e nada fará com que a franquia faça uma movimentação desesperada. Com o Patriots aprendemos sempre a esquecer o presente, afinal, eles estão sempre um passo a frente.

É tudo resultado de um longo processo, que pode parecer complexo, mas na verdade é essencialmente simples: faça as coisas certas, repetidamente. Em algum momento elas já funcionaram e você sabe o resultado final. Repita o processo ao longo dos anos e, invariavelmente, os resultados aparecerão.

Lógico, é impossível vencer sempre: times comuns implodem ao não saber lidar com suas frustrações, além de não ser possível controlar todos os fatores, como o capacete de Tyree ou as mãos de Wes Welker.

Ao olhar o sucesso do Patriots, entendemos porque nos desesperamos com os altos e baixos das demais franquias: é inacreditável o que o Vikings vem fazendo, mas parece que, para eles, é a última oportunidade de alcançar a glória – e, caso ela não venha, tudo será implodido. Lembramos que, por muito tempo, Indianapolis rodeou Peyton Manning por idiotas sem a mínima coordenação motora e esperou que seus milagres se repetissem até fevereiro. Ou ainda ficamos pasmos ao sermos confrontados com a ideia de que o Packers está desperdiçando os melhores anos de Aaron Rodgers com uma defesa, ano após ano, composta exclusivamente por débeis mentais.

Enquanto isso, em New England, absolutamente nada sai de controle.

Esperança.

O que nos resta?

O esporte é usado como válvula de escape para nossas frustrações, então é difícil, mas compreensível, aceitarmos o sucesso alheio repetido exaustivamente diante de nossos olhos. Queremos esforço coletivo e jornadas heroicas; queremos que David derrube Golias com uma frequência quase diária – para que assim possamos nos sentir vingados, seja de um boleto atrasado, de um chefe babaca ou do aumento da gasolina.

Por que alguns têm tanto enquanto nós temos tão pouco? De certa forma, a inveja é essencial para a evolução humana. Schadenfreude, palavra alemã que emprestamos para um segmento de nosso podcast (e o resto da civilização também emprestou para usar como julgar melhor), refere-se basicamente à felicidade que sentimos com a desgraça alheia.

Algo, ao mesmo tempo, humano e desprezível, mas que, de alguma forma, tentamos transparecer ainda mais no esporte, ainda mais em nossa relação com o New England Patriots: assim como o resto da liga, queremos ver seu reinado em chamas – mas ao mesmo tempo, podemos deixar esse egoísmo de lado e apreciar um momento tão raro como este, aproveitando o que resta disso: nenhuma dinastia dura para sempre.

A do Patriots, por exemplo, deve durar só mais uma década ou duas décadas. Começando no próximo dia 4.

OBS: se Blake Bortles e os Jaguars vencerem domingo, por favor, esqueçam esse monte de merda.

O primeiro dia após a neve

No interior do Wisconsin, assim como em qualquer canto dos EUA, dizem os mais antigos que o pior dia é aquele após a neve. E se há algo que não devemos nunca desconsiderar é a sabedoria popular. No trajeto entre Milwaukee e Madison, no sábado, a previsão do tempo indicava neve no caminho – e, claro, ela estava ali.

Como um bom lugar para guardar na memória o Camp Randall merece estar lá; são 100 anos de história completados há poucos dias, guardados pela proximidade com a catedral da Universidade de Wisconsin. Os Badgers aproveitam essa atmosfera, e preenchem cada detalhe de sua casa com seus feitos, dos títulos da Big Ten às conquistas no Rose Bowl.

A banda, claro, honra as tradições e, embora mais famosa por suas celebrações pós-jogo, mantendo o público no Camp Randall por uma hora ou mais após o apito final, faz, como quase todas as universidades americanas uma grande performance no intervalo. Mas é só em Wisconsin você poderá encontrar o “5th quarter”.

Há, também, outra tradição, mas essa não tão conhecida – ao menos se você tiver a sorte de passar por Madison em um sábado gelado de novembro: é ali que acontece o que os estudantes chamam de “On Wisconsin Finale”, um coro de 80 mil pessoas no intervalo da última partida em casa. A rotina permanece basicamente a mesma desde 1976: durante a canção, a banda passa de uma série de linhas laterais até fluir naturalmente para uma formação que revela a frase “On Wis”.

Já dentro de campo, o Badgers não deu chance para Michigan, e venceu por 24 a 10 sem maiores problemas. Ao final do dia, foi um bom sábado em Wisconsin – mas por favor, não esqueça da sabedoria popular.

Universitário é doido em qualquer lugar.

Brett Hundley e a profanação de um tempo sagrado

Em Green Bay o sol serve como uma espécie de alento para um inverno que parece durar o ano todo; mas aqueles que se encontram nos arredores do Lambeau Field pouco ou nada parecem se importar. com a temperatura Já na entrada do estádio há um átrio enorme, que mais lembra a entrada de uma catedral: a fachada de vidro, com cinco ou seis andares, parece mais apropriada para uma igreja do que para um estádio de football – não que ambos não possam coexistir.

Logo na entrada, vemos flâmulas com os nomes daqueles que ajudaram a levar Green Bay para o mundo: Don Hutson, Tony Cadeo, Bart Starr, Ray Nitschke, Reggie White e Brett Favre. E, embora você talvez duvide, o carinho por White é maior do que o reservado para Favre. A explicação é lógica: “Brett foi trazido até nós, Reggie nos escolheu”, diz um senhor na fileira acima, explicando a história de seu time para turistas ingleses que, assim como nós, estavam no Lambeau pela primeira vez.

A esperança, ao menos para aqueles mais experientes, como o senhor daquela fileira logo acima, durou cerca de dois minutos e um drive, até Brett Hundley ser interceptado na endzone após dois bons passes – no jogo, o QB ainda seria interceptado outras duas vezes, e sofreria um fumble.

Em nome de Favre e White (e outros). Amém.

Quebrando uma clavícula (e a esperança)

No instante em que o LB Anthony Barr, do Minnesota Vikings, correu em direção a Aaron Rodgers durante a partida da week #6, ele não atingiu apenas a clavícula direita do QB. Ele também partiu todos os sonhos de Green Bay. Naquele domingo ainda havia um certo otimismo de que Aaron poderia retornar em meados de dezembro, mas agora o enredo já indica que não há motivo para vê-lo em campo nesta temporada: o Packers é uma equipe morta, e no fundo todos já sabíamos disso no instante da lesão, embora os atletas tentassem negar.

“Basta que todos façam seu trabalho da melhor maneira possível. E quando isso acontece, grandes coisas podem acontecer”, disse Mike Daniels antes da derrota diante do Lions, segundo jogo sem seu QB titular. “Temos um grupo confiante”, completou o S Morgan Burnett. Frases que nem o mais ingênuo cabeça-de-queijo cogitou acreditar.

Não há vida sem Aaron Rodgers

4th & 8, menos de um minuto no relógio. Rodgers encontra Randall Cobb livre em algum ponto do gramado. Dois anos atrás, milagres já não eram incomuns para Aaron. Ok, o lance famoso como “The Miracle in Motown” ou mesmo a Hail Mary que acabou em nada contra Arizona talvez estejam mais frescos na memória – e também talvez sejam mais impactantes -, mas ali, no Soldier Field, provavelmente foi a primeira vez que muitos pensaram: “Rodgers é o melhor quarterback que já vi”.

E entenda que não queremos dizer que ele é o maior QB de todos os tempos – esta é uma conversa diferente (e, ao nosso ver, entediante) que envolve variáveis subjetivas e que não temos controle algum, então a deixemos para mais tarde: apreciar o jogo de Aaron Rodgers agora não é algo sobre o número de conquistas ou influência dos talentos que o cercam; é algo sobre viver momentos individuais, quase de maneira isolada.

E leve em consideração que estamos escrevendo isso em Green Bay, onde os Packers são parte de tudo: cada estrada tem um outdoor, e seja na propaganda de um banco ou de clínicas de saúde, Aaron Rodgers e os Packers estão ali. Aliás, Cobb e Jordy Nelson nos receberam na cidade.

Aaron, por exemplo, é reverenciado em cada esquina, e é fácil entender os motivos: por mais de 15 anos, Green Bay teve um Hall of Fame QB, que quebrou recordes, “traiu” a cidade e foi “perdoado” – como toda boa história de amor precisa terminar. Mas de alguma forma, seu substituto é ainda melhor.

A lesão de Rodgers, porém, escancarou a realidade: o Packers tem, há anos, um time medíocre, que tem suas muitas falhas escondidas pelo talento do quarterback. E para ser uma ameaça, o Packers precisa de Aaron Rodgers – e isso não tem relação alguma com números ou com a falta de coordenação motora de Brett Hundley: está em jogadas como aquela em que Aaron encontrou Davante Adams contra o Jaguars no jogo de abertura da temporada passada ou na calma com que fez a bola chegar em Jared Cook nos playoffs da mesma temporada.

A coisa mais triste que alguém já viu em um campo de football veste a camisa 7 e estava prestes a ser interceptada novamente.

E hoje, embora por uma questão cultural, por mera formalidade, a torcida apoie, o Lambeau sabe que não há vida sem Aaron Rodgers. “Desculpem, visitantes: está é a coisa mais triste que já vi em um campo de football”, diz o mesmo senhor da fileira acima, que ao menos dessa vez, consegue arrancar alguns risos. Como diz a sabedoria popular, o dia depois da neve é mesmo o pior.

Alex Smith como você nunca viu

Um dos maiores erros cometidos quando falamos de draft – e dos jogadores nele selecionados – é acreditar que se trata de uma ciência linear. Nós achamos que os resultados são sempre constantes em função do jogador selecionado, e tudo que muda é o time que escolheu uma pessoa ao invés da outra.

O melhor exemplo recente disso é Dak Prescott, selecionado pelo Cowboys na quarta rodada e que se tornou um dos melhores jovens QBs da NFL. Muitos analistas começaram a apontar o grande erro de estratégia dos outros times da NFL em não selecionar um jovem franchise QB em Prescott quando tiveram a chance, esquecendo que o próprio Cowboys passou Dak três vezes e só selecionou o camisa 4 depois de não conseguir DUAS opções que preferiam a ele, Paxton Lynch e Connor Cook (cuzão).

Mas o mais importante as pessoas estão esquecendo: caso Dak Prescott não fosse para Dallas, existe uma chance bastante considerável de que ele nunca teria tido o 2017 que teve, e não teria se tornado o QB que aparenta ser hoje. Ambiente, complementos e desenvolvimento contam muito para a evolução de qualquer jogador, e Dak pode passar seu ano de calouro jogando atrás da melhor linha ofensiva da NFL, complementado por um devastador ataque terrestre que tirava a atenção da defesa de suas costas.

Pense nisso: se Prescott tivesse acabado em um time como o Browns, passado o ano todo tendo que se preocupar em fugir da pressão atrás de uma linha ofensiva ruim, precisando lançar bolas demais por jogar atrás no placar, e sem um jogo terrestre dominante, podem ter certeza que Prescott não teria se desenvolvido tão bem e hoje não seria visto como metade do jogador que é em Dallas. Contexto importa, desenvolvimento importa ainda mais, e esquecemos disso com uma frequência impressionante.

Comparação

Na história recente da NFL talvez não exista um melhor exemplo disso do que Alex Smith. Primeira escolha no draft de 2005 – 23 escolhas antes de Aaron Rodgers – Smith durante muito tempo foi considerado um dos grandes busts da história da NFL.

As estatísticas ajudavam a ratificar essa impressão; entre 2005 e 2010, Alex Smith jogou 54 jogos e completou apenas 57.1% dos seus passes, com 51 TDs, 53 INT, 6.2 Y/A, 5,3 AY/A e um rating de 72.1. Com Aaron Rodgers assumindo a titularidade e se tornando uma superestrela em Green Bay, a narrativa cada vez mais forte era de que o 49ers tinha feito a escolha errada.

Mas embora seja muito provável que San Francisco realmente tenha feito a escolha errada, assumir que o resultado teria sido o mesmo (mas trocado) para os jogadores e times envolvidos é ignorar os trajetos totalmente opostos que Smith e Rodgers enfrentaram na NFL. Smith, quando chegou a San Francisco como escolha #1, enfrentou a pior situação possível para o desenvolvimento de um jovem QB: colocado logo de cara no fogo, atrás de uma horrível linha ofensiva e sem alvos para ajudá-lo, Alex passou seus primeiros anos correndo pela vida, incapaz de desenvolver as habilidades certas por estar sempre precisando jogar atrás no placar e fugir da defesa adversária.

Além disso, em seus primeiros sete anos de NFL, Alex Smith teve seis técnicos e sete coordenadores ofensivos diferentes, um constante fluxo de mudanças que impediam que o jovem QB aprendesse e desenvolvesse um playbook consistente, e cada troca vinha com novas adaptações, novas mudanças, e novas jogadas. Adicione a isso lesões no ombro – geradas e agravadas pelas repetidas pancadas sofridas atrás dessa fraca linha ofensiva – e a verdade é que Alex Smith nunca recebeu em seus anos formadores a condição de se desenvolver e ter sucesso como QB titular de NFL.

Do outro lado, Rodgers teve a melhor situação possível. Ficou três anos aprendendo com a tutela de um QB Hall of Famer (Brett Favre), sem nenhuma pressão ou desespero. Seu técnico, seu playbook, seu estilo de jogo – tudo permaneceu constante desde que chegou à NFL, o que ajudou demais seu desenvolvimento. Quando Rodgers enfim se tornou titular em 2008, estava muito mais maduro e pronto, conhecedor de um playbook estável, em um bom time. A chance de alguém se desenvolver assim era muito maior.

Então sim, é possível que Rodgers desde o começo simplesmente fosse melhor que Smith e merecedor da escolha #1. Mas a verdade é que, se você trocasse Smith e Rodgers na noite do draft, a carreira de ambos teria sido totalmente diferente. Smith nunca teria lidado com tantos problemas e teria se desenvolvido melhor, e Rodgers nunca – repetindo: NUNCA – teria se tornado o QB que é hoje se tivesse começado sua carreira na horrível situação que lhe seria proporcionada pelo 49ers, desenvolvendo maus hábitos e com aprendizado interrompido por constantes mudanças e uma péssima infraestrutura.

A sorte bate a porta

A sorte – e a narrativa sobre a carreira – de Smith mudou em 2011, com a chegada de Jim Harbaugh. Pela primeira vez Smith tinha não apenas um bom técnico e ótimo mentor de QBs para guiá-lo, como também não precisava ser ou se desenvolver em alguém que não era. Harbaugh desenhou todo o playbook do 49ers não em torno de algo que Smith deveria ser, mas do que ele tinha de melhor: a inteligência, paciência, precisão nos passes e boa leitura de jogo.

Agora, atrás de uma boa linha ofensiva e um poderoso jogo terrestre, e complementado pela melhor defesa da NFL, Smith não precisava fazer passes difíceis ou soltar grandes bombas para vencer. O 49ers precisava que ele tomasse conta da bola, trabalhasse o play action, tomasse boas decisões e fosse um complemento, uma peça a mais em um time completo e muito bem montado.

Em 2011, Smith teve seu melhor ano na carreira até então, completando 61.7% dos passe para 17 TDs e 5 INTs, 7.1 jardas por passe (Y/A) e 7.3 jardas ajustadas por passe (AY/A). Com Smith no comando, o 49ers chegou até as Finais da NFC e só não foi ao Super Bowl por conta de dois fumbles em retornos de punt (a atuação de Smith contra o Saints nos playoffs ainda é uma das mais impressionantes da história recente da NFL).

No ano seguinte, porém, Smith acabou indo para o banco depois de uma lesão em favor do maior potencial de Colin Kaepernick, mas novamente vinha tendo um grande ano: 70.2%, 13 TDs, 5 INTs, 8,0 Y/A, 8.1 AY/A. Ao todo, Alex Smith jogou 26 jogos completos sob Jim Harbaugh, e o 49ers venceu 20 deles.

Mas apesar do sucesso individual e coletivo sob Harbaugh, Smith ainda continuava preso aos rótulos. Se agora não era mais o rótulo de bust, o fracasso no draft, agora era um novo: “Game manager”. A ideia era de que Smith tinha sucesso por ser alguém que apenas “gerenciava” o jogo, alguém que só era capaz de evitar erros, dar a bola para o running back, e confiar na defesa – ele não perdia jogos, mas não ganhava, então só teria sucesso em um time que pudesse ganhar jogos por ele. E, apesar de performances como seu lendário jogo contra o Saints em 2011, por exemplo, começou a se espalhar a ideia de que ser um QB sólido, consistente, que fazia as coisas para ajudar seu time a ganhar, mas não lançava para 300 jardas e 3 TDs, não era uma coisa BOA – o que é bastante idiota.

Talvez fosse verdade de que Alex Smith não seria capaz de carregar nas costas rumo ao sucesso um elenco medíocre como, por exemplo, o do Colts, mas até quantos QBs na NFL seriam? Cinco? Ser um QB capaz de levar um bom time longe era bastante valioso por si só, mas a narrativa fez parecer uma coisa ruim, com se Alex fosse incapaz de fazer mais.

Nas seis temporadas desde a chegada de Harbaugh (duas em SF e quatro em Kansas City), Smith jogou 85 jogos na temporada regular como titular, seu time venceu 60 delas e foi cinco vezes aos playoffs (incluindo 2012). E, de alguma forma, a narrativa fazia crer que Smith ainda não era um QB bom o suficiente para ser um titular de um time que aspirasse a mais na NFL.

Trabalhando dentro do limites

As críticas a Smith se baseavam no seu estilo de jogo. Suas forças indiscutivelmente estavam nos passes curtos, na precisão, no controle de jogo e na inteligência, e muito de seus playbooks foram montados em torno dessas características, de forma a minimizar as jogadas de alto risco e focar em eficiência e ganhos curtos. Dadas as forças e fraquezas de Smith, era uma forma inteligente de montar seu ataque, mas não significava que o camisa 11 não era capaz de fazer nada mais.

E, no entanto, foi assim que a narrativa se desenvolveu, ao ponto de que seu próprio time – que foi aos playoffs três vezes na divisão mais competitiva da NFL com Smith – foi atrás de um substituto no draft, trocando múltiplas escolhas para selecionar Pat Mahomes, um quarterback bastante cru, mas com um braço extremamente forte. Ou seja, exatamente o oposto de Smith. O tempo de Alex Smith em Kansas City parecia contado, e os pedidos para que Mahomes fosse titular aumentavam a cada dia, dizendo que era a única chance do Chiefs de subir de patamar ofensivamente.

O verdadeiro MVP

Tudo que Smith fez desde então foi devorar planetas e chutar bundas. Em cinco semanas de NFL, Alex Smith tem sido talvez o melhor jogador da liga. Seus números parecem coisa de videogame: 76.6% de aproveitamento, 11 touchdowns, 0 interceptações, 8.8 jardas por passe, 10.2 jardas ajustadas por passe, 125.8 de rating, 68.1 QBR – tirando touchdowns (onde Smith era #3 depois da Semana 5) e QBR (#4), todas essas marcas lideram a NFL com MUITA folga.

Após cinco rodadas, Smith e o Chiefs tem a melhor campanha da NFL a 5-0, e tem o melhor time, melhor ataque, e o melhor ataque aéreo da NFL (em DVOA), tendo vencido no processo os times #2 (Washington), #5 (Eagles) e #6 (Houston) da NFL em DVOA (além de New England, atualmente #22). Sob qualquer medida possível, é um dos inícios individuais e coletivos mais dominantes da história da NFL, e embora seja precoce falar isso, Smith parece hoje um dos favoritos ao prêmio de MVP da liga, enquanto Kansas City vai se consolidando como o time a ser batido de 2017. Os pedidos por Pat Mahomes parecem a cada dia mais distantes.

Como diabos isso está acontecendo

Mas o mais interessante não é só que Smith tem jogado em nível MVP, mas sim como isso está acontecendo. Durante anos, a história contada sobre Alex Smith era de que seu braço era fraco demais para a NFL, um QB incapaz de fazer passes longos e que só conseguia ser eficiente, o que era de certa maneira um reflexo de seu estilo de jogo; de acordo com o site especializado Football Outsiders, até o começo da temporada 2016 Alex Smith era o quarterback cujos passes viajavam a menor distância em toda a NFL, com seus passes viajando 6.81, 5.97 e 6.87 jardas além da linha de scrimmage em média durante suas três primeiras temporadas no Chiefs (2013-2015). Em 2016, apenas 9,4% de seus passes (46) viajaram mais de 20 jardas no ar, segunda pior marca da NFL entre QBs qualificados, e completou apenas 32.6% deles para 521 jardas e 2 TDs contra 2 interceptações, um rating medíocre de 72.8.

Elite?

Em 2017, no entanto, a história tem sido outra. Nessas cinco rodadas, 12% (19) dos passes do camisa 11 tem sido de mais de 20 jardas, uma marca que teria sido #11 em 2016. Sua média de distância no ar por passe também subiu consideravelmente, para 7.7 em 2017, 18ª melhor marca da NFL (entre 33 QBs qualificados). Smith está lançando bolas longas e passes mais distantes com frequência maior do que em qualquer momento na carreira desde sua volta por cima em 2011, e seus resultados também tem sido melhores do que nunca: nesses passes Smith tem aproveitamento de 57.9% (#1 na NFL), com 440 jardas (#2 na NFL) e 3 TDs (#2 na NFL) contra 0 interceptações, que garantem um rating de 142.0 – a melhor marca de toda a liga.

Alguns desses passes foram jogadas fáceis, como o TD de Tyreek Hill contra o Patriots em uma falha de marcação, mas outros tem sido passes difíceis absolutamente perfeitos, como esse passe maravilhoso para Travis Kelce em rede nacional contra o Redskins, o TD de Hill contra o Chargers e a perfeita bomba para Hill na lateral contra o Texans – jogadas que mostram bastante habilidade e toque nos passes em profundidade.

Essa nova faceta do seu jogo tem um efeito bem maior do que somente as jogadas longas em si. Antes, era muito mais fácil para as defesas se aproximarem da linha de scrimmage – até como precaução contra o forte jogo terrestre do Chiefs – de forma a evitar os passes curtos, e desafiando Smith a vencer com passes longos que castigassem essa formação. Agora que as defesas precisam se preocupar com os passes longos, forçando os safeties a jogarem mais atrás e a defesa a respeitar a zona intermediária, abre-se demais o campo para o jogo terrestre e os passes curtos (ainda a especialidade de Smith), ainda mais em um time com muitas ameaças para conseguir jardas depois da recepção.

E me chamem de cínico, mas pessoalmente não acredito que um QB de 33 anos que até 8 meses atrás não tinha capacidade de lançar bolas longas de repente aprendeu a fazer isso da noite para o dia. Ainda que seja nítido que Smith melhorou o seu jogo em 2017, não é o tipo da coisa que você simplesmente absorve nessa altura da vida. O mais provável é algo que muitos defendiam faz algum tempo: ainda que não seja sua especialidade, Smith tem total capacidade de executar lançamentos mais longos e difíceis, e que se a falta dessa dinâmica no jogo do Chiefs estava limitando a franquia, a solução não era buscar um substituto, e sim dar mais condições e liberdade para Smith explorar essa parte do seu jogo.

E foi o que aconteceu em 2017: em parte porque o elenco de apoio (em especial o veloz Tyreek Hill e a ascensão contínua de Travis Kelce) agora está mais capacitado para esse tipo de jogada, talvez até mesmo pelo esquema tático já ter sido um pouco modificado pensando em Mahomes, mas o Chiefs finalmente começou a colocar Smith em situações favoráveis para esses passes, e com o sucesso e aumento de confiança do seu QB, começou até a usá-lo em situações não tão óbvias ou favoráveis, e em geral com bons resultados.

Até onde se pode chegar

Smith não se tornou Brett Favre da noite para o dia – sua principal força ainda é a inteligência e os passes curtos, e seus números de uso de bolas longas ainda é apenas médio da NFL. Nunca será sua maior força ou o foco do ataque de Kansas City. Mas Smith finalmente ganhou a oportunidade de explorar a totalidade das suas habilidades, e os resultados tem sido melhores do que até o mais otimista defensor de Smith (que devo ser o autor deste texto) se atrevia a sonhar, para ele e para o time.

A pergunta que fica então é o quanto esse nível de performance é sustentável. Smith não passará o ano todo sem interceptações – mesmo em seu melhor ano no quesito (2011) o camisa 11 ainda foi interceptado em 1.1% de seus passes, e isso fazendo passes muito menos complexos e arriscados do que os desse ano.

Me engulam.

Também é difícil acreditar que Smith manterá seus números em aproveitamento, jardas por passe e jardas por passe ajustadas, que atualmente se encontram em níveis que superam os que Tom Brady jamais conseguiu em qualquer ano da carreira. Times agora terão mais vídeos para estudar desse novo Alex Smith, e a novidade que são seus passes longos tende a perder alguma da efetividade com o tempo. Algumas big plays não conseguirão ser repetidas com tanta frequência, e seus números mais absurdos tendem a regredir para a média com o tempo.

Mas a questão mais importante é que sua performance não precisa se manter nesse nível. Claro, seria ótimo para o Chiefs que seu QB repentinamente se tornasse uma mistura de Tom Brady e John Elway, mas ninguém espera que isso aconteça. Mas se Smith já era um QB bom o bastante para levar o Chiefs aos playoffs ano após ano e seu maior problema era a falta de potencial do ataque devido ao seu estilo conservador, a verdade é que esse problema provavelmente não existe mais.

Smith não vai ser tão eficiente assim o ano todo nos passes longos, mas só dessa dimensão existir e estar sendo explorada – e Alex e o Chiefs estarem confortáveis com ela – já muda totalmente o quão bom Alex Smith é, e o quão bom ele e o ataque de Kansas City podem ser com ele no comando.

As estatísticas avançadas dizem que o Chiefs é com folga o melhor time da NFL (em DVOA, o time #2 da NFL – Washington – está mais perto do #10 – Bills – do que do #1 Chiefs), as estatísticas mais básicas (inclusive número de vitórias) concordam, e o teste visual corrobora essa informação. O teto desse time está mais alto do que jamais foi: ninguém está jogando melhor, e o Chiefs parece ter se estabelecido como um dos grandes favoritos ao título da temporada. Tudo graças a Alex Smith, uma frase que pareceria impossível sete anos atrás, mas que pode ser a consagração de uma das histórias de superação mais divertidas que a NFL viu em anos.

Enfrentando os mesmos velhos problemas

Após uma nova implosão e a perda do NFC Championship Game para o Atlanta Falcons por 44 a 21 – aliás, a segunda vez que Green Bay bateu na porta do Super Bowl em três anos –, Aaron Rodgers foi a público, com ar não tão sutil como o habitual.

Não creio que precisamos nos reconstruir. Precisamos, na verdade, nos recarregar”, disse naquela noite após a derrota. “Temos apenas que ter certeza que temos todo o necessário para vencer a cada ano”, completou.

O fato é que as expectativas sempre estarão altas quando nos referirmos a um ataque comandado por Aaron Rodgers; as esperanças dos cheeseheads de retornar ao Super Bowl estão seguras enquanto Rodgers liderá-los. O outro lado da linha, porém, é onde está o caminho para o sucesso: mais uma vez, os sonhos de Green Bay, passam pela defesa.

Reconstruindo sem implodir

Green Bay viu nesta offseason um Ted Thompson mais arrojado (para os padrões de Ted Thompson, claro), com alguns movimentos na free agency e uma dúzia de escolhas no draft focadas em preencher buracos específicos no roster: a cobertura contra o passe, por exemplo, beirou a tragédia na última temporada, então o GM trouxe Davon House de volta para Wisconsin e selecionou o CB Kevin King no topo da segunda rodada também para reforçar o setor.

Já para o corpo de linebackers, Thompson trouxe o veterano Ahmad Brooks, cortado pelo 49ers – você pode não se empolgar com esta contratação, e será compreensível, mas lembre-se do novo gás que o Packers proporcionou para a carreira do também veterano Julius Peppers quando o contratou. Já para o ataque, a adição do TE Martellus Bennett fez com que a equipe nada se importasse com a perda de Jared Cook.

Pelo chão

Um sucesso ofensivo de Green Bay ainda maior que o esperado passa por seu jogo corrido: Ty Montgomery agora é o motor de arranque inquestionável deste sistema ofensivo – e uma ameaça constante; obviamente, seu passado recente como WR mostra que ele pode alternar posições e se tornar um recebedor confiável, tornando-se uma possibilidade a mais que defesas adversárias terão que encontrar forma de neutralizar.

Mas apesar do sucesso na metade final do ano passado, Ty ainda precisará provar que pode lidar com a carga de uma temporada completa – e, para isso, ele contará com a ajuda de três rookies: Jammal Wiliams, Aaron Jones e Devante Mays, selecionados na quarta, quinta e sétima rodadas do último draft.

Durante a pré-temporada, William se mostrou um ótimo bloequador, enquanto Aaron Jones teve algumas boas jogadas explosivas – já Mays tende a alternar entre o nada e o Practice Squad. De qualquer forma, já é um cenário melhor para o jogo terrestre do que aquele que o Packers viveu nos últimos anos – Lacy nos deixou pela gastronomia de Seattle e James Starks (obrigado por tudo) já deve estar curtindo a aposentadoria.

Pode confiar.

Uma incógnita em forma de linha

Green Bay teve uma das melhores OLs da NFL na temporada passada – mas perdeu TJ Lang e JC Tretter nesta offseason. O adeus de Tretter não seria tão sentido se Corey Linsley não estivesse retornando de (mais uma) cirurgia no tornozelo; Corey é um ótimo C, mas perdeu 10 partidas nas duas últimas temporadas, então sua saúde se torna uma questão central, já que não há um substituto viável para ele.

Já a deserção de Lang para Detroit (Deus encarregou de puni-lo o despachando para aquela desgraça de time), é muito mais preocupante: apesar da tristeza por vê-lo vestindo azul, é inegável que TJ se consolidou com um dos melhores G da NFL em Green Bay – além de um dos melhores atores que Hollywood já viu.

TJ será substituído por Jahri Evans e só de pensar nisso meus olhos já sangram. Como se isso não bastasse, há ainda Lane Taylor, outra desgraça em forma de guard. O lado bom é que os tackles David Bakhtiari e Bryan Bulaga retornam e, considerando o estado atual do interior da OL de Green Bay, isso já deve bastar para deixar Aaron Rodgers minimamente feliz.

Pelo ar

O arsenal ofensivo de Rodgers permanece praticamente o mesmo, exceto pela partida de Jared Cook – Cook sempre foi um alvo cobiçado por qualquer franquia, especialmente devido ao seu potencial atlético, mas também é verdade que ele nunca respondeu a altura das expectativas.

Para seu lugar foi contratado Martellus Bennett, e nenhum torcedor do Packers em sã consciência sentirá saudades de Cook. Martellus, aliás, vem de uma temporada em que recebeu 55 passes para 701 jardas e 7 TDs com os Patriots; ele será um alvo intermediário para Aaron muito mais confiável do que foram Cook e Richard Rodgers nos últimos anos.

Como WRs, as três principais opções se mantém: Jordy Nelson, um dos melhores WRs da NFL (aceitem logo e parem de negar a verdade), recém completou 32 anos, então um pequeno declínio pode ser sentido, mas com Nelson se mantendo saudável, nada que possa preocupar. Randall Cobb, porém, precisa se recuperar após duas temporadas medianas e com algumas lesões, enquanto para Davante Adams basta repetir 70% do que fez em 2016 e o torcedor do Packers já estará feliz.

A grande interrogação

A principal razão para Green Bay ter iniciado a última temporada com 4 vitórias e 6 derrotas foi a desgraça que se tornou sua secundária: nenhum CB foi minimamente confiável. Então utilizar sua primeira escolha no draft em um atleta da posição foi natural.

Kevin King veio de Washington para preencher esta lacuna, mas apesar de talentoso e com ótimo potencial físico, trata-se de um jogador ainda cru, que talvez precise de algumas semanas para assumir a titularidade. Enquanto isso não ocorre, também para o setor, há o retorno de Davon House, que lutou contra um Jaguars horrível no último ano, mas mesmo assim teve bons jogos individuais.

Já com os S não há tanto com o que se preocupar: Morgan Burnett e HaHa Clinton-Dix são ótimos talentos, e não existe razão para acreditar que eles irão regredir, já que estão com 28 e 24 anos respectivamente – aliás, Burnett entra em seu ano final de contrato com os Packers, que também podem significar seus últimos dias em Green Bay antes de garantir a aposentadoria dos seus bisnetos.

Já Julius Peppers retornou a Carolina, deixando com o recém chegado Ahmad Brooks a função de preencher os espaços deixados por Clay Matthews, já que há muito tempo, lutando contra lesões, Clay não é mais o mesmo. O ponto positivo é que Nick Perry (11 sacks em 2016) retorna cada vez melhor e tanto Kyler Fackrell e Vince Biegel (este quando conseguir estrear), podem trazer um pouco mais de profundidade ao setor.

Para a DL, Green Bay trouxe Ricky Jean-Francois na FA e Montravius Adams na terceira rodada do draft; ambos devem alternar com Kenny Clark, que deve retornar melhor após uma temporada de estreia apenas razoável. O melhor jogador, porém, seguirá sendo Mike Daniels – subestimado, afinal, os números não refletem seu real valor.

Palpite: enquanto existir Aaron Rodgers e uma defesa minimamente capaz de permanecer em pé, Green Bay levará a NFC North. Para trazer o Lombardi Trophy de volta para o Wisconsin, porém, é preciso de muito mais que um sistema defensivo com coordenação motora e hoje Green Bay não possui uma grande defesa. É preciso então que essa infinidade de rookies se encaixem sem maiores problemas, quase que com uma sinergia cósmica. A boa notícia é que estamos em um ano em que os planetas estarão perfeitamente alinhados, então resta apenas esperar, gelar a cerveja e se decepcionar novamente em janeiro.

O que foi, o que poderia ter sido e o que certamente não será

I feel, after what I’ve done in my career, I deserve to be paid $18M next year

Ah, isso é um site sobre NFL em português, traduz

Melhor ainda: vamos à história. Do porquê Peterson é um hall of famer e, ao mesmo tempo, uma das figuras que você não desejaria ter no seu time no próximo ano. Em 2004, como calouro em Oklahoma, ele já se tornou, na época, o novato melhor posicionado em um Heisman Trophy (perdeu para o saudoso QB Matt Leinart, de USC). Em 2006, ele resolveu se jogar de cabeça na endzone e quebrou uma clavícula (história que já contamos aqui), sendo que nos anos anteriores a “saúde do seu ombro” já tinha levantado dúvidas.

Mesmo sendo considerado um dos melhores jogadores daquele draft (ali, ao lado de Joe Thomas e Calvin Johnson), tendo participado do Combine um dia após ter o meio-irmão assassinado, seis times decidiram que Adrian não valia o risco. Até que o Minnesota Vikings, mesmo contando com o útil Chester Taylor (1504 jardas em 2006), se apaixonou por ele e não deixou a oportunidade passar. Lembrancinha para o draft, também, crianças: só é necessário que um time se apaixone por você.

Como rookie, All-Day fez chover, inclusive batendo o recorde de maior número de jardas corridas em um só jogo contra os pobres Chargers, com 296 jardas em 30 tentativas (SIM ISSO É UMA MÉDIA DE 10 POR CORRIDA). Em 2008, ele já chegava à temporada prometendo que, mais cedo ou mais tarde, correria para 2000 jardas e seria MVP da NFL; conseguiu 1760 em seu primeiro ano como titular absoluto do time, liderando a liga, carregando o time de Tarvaris Jackson aos playoffs (e morrendo na praia rapidinho em duas ou três big plays de Donovan McNabb).

Após dois anos carregando o time nas costas e tendo que receber bolas do medíocre Tarvaris (que futuramente seria campeão do Super Bowl 48 com os Seahawks, rs), em 2009, os Vikings finalmente trouxeram um QB de verdade para liderar o ataque: a lenda do maior rival, Brett Favre. E talvez nada pudesse ser mais mágico.

Mas, obviamente, morrer na praia é, ironicamente, a cara dos Vikings.Contra o New Orleans Bountygaters, todos nos lembramos daquela jogada crucial em que Brett Favre não quis (ou não pôde?) correr: alerta a qualquer pessoa que tem coração: dói.

O sorriso de 18 milhões de dólares.

A criação da lenda

2010 foi um ano merda porque os Vikings não souberam aceitar a aposentadoria de Favre. 2011 foi ainda pior com toda a greve da liga, seguida da mediocridade de McNabb e logo a do rookie Christian Ponder. Se já parecia ruim, 2011 acabou pior ainda: contra Washington, em um tackle normal, daqueles baixos nas pernas (única maneira de derrubar Adrian), ele sentiu o joelho. Rompeu os ligamentos, o tipo de lesão que, se já é difícil para um jogador normal voltar, para um que vive de encarar pancadas parecia praticamente impossível.

Mas 2012 não era um ano qualquer para a história. Lembro tão claramente quanto lembro dos dias seguintes à lesão no joelho, em que ainda tínhamos esperança de que não fosse tão grave quanto um rompimento. O gênio do começo daquele ano se chamava Percy Harvin, não Adrian. Toda vez em que ele recebia a bola do eficiente Ponder, bonitas coisas aconteciam. All-Day, para fechar o trio, era trazido de volta ao seu jogo com um snap count bem administrado.

Entretanto, na metade da temporada, Harvin voltou ao seu antigo problema com lesões (agora com uma lesão no tornozelo e, conta a história, sem a vontade necessária para retornar ao time, o que o fez ser trocado no ano seguinte para o fim da sua carreira). Foi aí SAIU DA JAULA O MONSTRO™. Com uma média superior a 6 jardas por corrida e mesmo sendo o ponto focal do ataque, Adrian carregou Ponder e o time inteiro, novamente, nas costas à última rodada. All-Day tinha 1897 jardas corridas em 15 jogos.

Ali, precisando de uma vitória contra o time de Aaron Rodgers, claramente superior, a mágica que é esperada daquele que foi conhecido como MVP e jogador ofensivo do ano de 2012, aconteceu: 199 jardas, 2 TDs e o recorde de Eric Dickerson mantido por apenas 8 jardas; a vitória que levou o time aos playoffs veio e com ela toda a consagração necessária. Desnecessário lembrar que, no final das contas, o então sólido Ponder machucou o braço e Joe Webb acabou insuficiente para aprontar alguma coisa em Green Bay. E que Peterson só perdeu o “comeback player of the year” porque, bom, Peyton Manning tinha que ganhar algo.

A culpa é sempre dos Vikings?

Não vamos negar: o time roxo do centro-norte dos Estados Unidos tem uma forte tendência ao fracasso. Não tenho nem 10 anos como torcedor deles e já tive decepções para uma vida. E Adrian faz parte delas.

Que ele é um monstro com a bola nas mãos, tem uma visão de jogo invejável e uma combinação de velocidade-força inigualável, ninguém poderá negar. Mas isso não o torna um jogador capaz de ser útil em todas as fases do jogo. Mesmo após prometer ano após ano, em cada training camp, que aprendeu a bloquear e receber passes, são necessárias apenas duas ou três rodadas para saber que, mais um ano, ele falhará nisso. Provavelmente com um fumble crucial aqui e ali.

Além disso, ele não será feliz sendo apenas um auxiliar em algum ataque – hey, pode parecer que já não dá mais, mas Adrian provavelmente ainda acredita que alcançará o recorde de Emmitt Smith (18355 jardas na carreira, em comparação às atuais 11747 de Peterson) e vai querer receber as oportunidades para isso. Mais do que isso, como diz a primeira frase desse texto, ele vai querer ser pago como tal.

E ele pode falar o quanto quiser de Super Bowl, mas não acredito que seja essa a sua grande prioridade. Futuros empregadores: cuidem com os detalhes.

O polêmico Adrian Peterson

O Deus estava criado, mas as conquistas coletivas não haviam chegado. 2013 veio e se foi e, em meio ao fracasso de Christian Ponder, Josh Freeman, Leslie Frazier, Bill Musgrave (sim, o atual mago dos Raiders) e alguns demitidos mais, a temporada passou rápido. Também em 2013, um filho que Peterson não conhecia, aproximadamente da mesma idade de Adrian Peterson Jr (o filho que ele tem com sua esposa), foi assassinado pelo padrasto.

A exemplo de 2011, lembro bem do drama de 2014. Os Vikings tinham novamente um QB novato, muita esperança e vontade de contar com seu HOFer para facilitar as coisas para Teddy Bridgewater. Depois de uma bela estreia do time de Mike Zimmer, surrando os então St Louis Rams, Peterson não apareceu no treino na semana seguinte; poucas horas depois, foi anunciado que Adrian estava sendo indiciado por maltrato de menor e não jogaria a segunda semana. No fim das contas, ele não voltaria mais em 2014.

Em uma comunidade já revoltada com as atitudes de Ray Rice e o seu vídeo no elevador, o mesmo TMZ conseguiu e postou fotos do que Adrian, conhecido por ter o aperto de mãos mais forte da NFL e fazer coisas como isso, fez com um de seus filhos quando este foi visitá-lo por alguns dias em Minnesota. Para tentar ser o mais breve possível, uma surra com vara por todo o corpo do garoto – de acordo com ele, o mesmo que ele sofria quando não se comportava de criança.

Como essa história acabou? Com um aumento. Depois de ficar um ano inteiro sem jogar, suspenso ao lado de figuras como Rice e Greg Hardy (na “lista de exceção do Comissário da NFL”), tudo o que Peterson tinha a dizer era que se sentiu traído porque os Vikings não ficaram ao seu lado naquele momento complicado.

Após declarações do nível “a NFL na verdade é um modo de escravidão moderno” em referência ao poder que os times têm em relação a contratos garantidos/não garantidos, como pedido de desculpas, Rick Spielman e Mike Zimmer foram buscar Adrian Peterson em sua casa, no Texas, pedir para que ele voltasse e “corrigindo” seu contrato, adicionando dois anos mais de salários garantidos (um total de 27.4 milhões de dólares), com os quais All-Day voltou feliz a ser um Viking – talvez sempre tivesse sido sempre sobre dinheiro?

Just another day.

Voltando ao “normal”?

2015 foi novamente um ano típico para Adrian (liderando o ataque de Minnesota e a liga em jardas e TDs), voltando aos playoffs ao lado de Bridgewater – e, não fosse por Blair Walsh (e, ADIVINHA, um fumble crucial de Peterson), talvez o Vikings tivesse ido mais longe.

Já 2016, não foi típico de uma maneira boa. Após o time perder Teddy para a temporada em uma lesão bizarra nos treinamentos, novamente se contava com todo o poder do running back para que o ataque pudesse ajudar um pouco a poderosa defesa, foco do time.

Contra Tennessee, na primeira rodada, algo não encaixou e Adrian correu para uma média de 1.6 jardas por corrida. Contra os Packers, na inauguração do seu novo estádio, essa média se repetiu até que ele machucasse o joelho. Tudo bem que talvez a de 2016 tenha sido a pior linha ofensiva da história de Minnesota, mas já lhe vi fazendo coisas incríveis com Ryan Cook, Anthony Herrera e Vlad Ducasse “abrindo” espaços. Mesmo sem o craque do time, os Vikings tiveram o incrível começo que vimos; em seguida a ainda mais surpreendente decadência.

Então, sem que o time tivesse chances de playoffs, Adrian mostrou toda a sua competitividade e comprometimento com os companheiros e deu o tradicional “migué”, mesmo recuperado da lesão: voltou contra os Colts, na rodada 16, correu para 22 jardas em 6 corridas e voltou a sentir o joelho. Naquele que provavelmente foi seu último jogo vestindo roxo.

É preciso especular

Com tudo isso resumido, como vai o desejo em ter Adrian no seu time? Ainda que a idade possa bater a qualquer momento (ou talvez já tenha batido, não temos certeza), o seu corpo biônico também pode simplesmente voltar e produzir mais algumas temporadas de 1000 e poucas jardas. Ele já não é mais o MVP ou o melhor RB da liga como foi outrora (especialmente em meio a jogadores completos como LeVeon Bell e David Johnson).

Seu desejo original seria voltar ao Texas, como repetiu e flertou tantas vezes com Jerry Jones. Entretanto, com Lamar Miller e Zeke Elliot com opções por ali, lhe faltaria o espaço necessário. Giants e Raiders são opções faladas, mas estas têm um problema grave: Peterson não sabe correr da formação shotgun (3 WRs; QB posicionado ao lado do RB), muito utilizada por estes dois times em que o passe é prioridade.

Entre os times em que a formação seria mais adequada a ele, estariam Patriots e Packers, acostumados aos trombadores Lacy e Blount. Entretanto, estes são times que certamente não abrirão os cofres da maneira que ele gostaria, o que dificulta as negociações.

É inegável que, mesmo que decadente, Peterson ainda seria um upgrade para metade da NFL; entretanto, o draft também tem uma quantidade absurda de opções muito mais baratas. E, apesar de que a sua prioridade seja inflar números e solidificar-se como a lenda que é, é difícil imaginá-lo jogando em Cleveland ou San Francisco.

Então talvez, no final da história, Adrian volte e encerre a carreira nos Vikings, por duas razões: no final das contas, Minnesota será o time que aceitará pagar uns 8,5 milhões de dólares anuais para ele e, como uma velha ex-namorada, o único a aguentar toda sua chatice. Com sorte, ele também volte grato e disposto a dividir oportunidades com McKinnon e algum outro jovem – obviamente há de se duvidar, mas um torcedor pode ter esperanças, certo?

Tempo perdido: Jay Christopher Cutler, você não sabe jogar!

2009 já parece um tanto distante, mas a lista de qualidades que apontavam Jay Cutler como o salvador do Chicago Bears era relativamente palpável: Chicago era uma franquia historicamente sedenta por quarterbacks e Jay era um jovem de 25 anos que vinha de uma temporada de 4500 jardas e 25 touchdowns – poderia não ser perfeito, mas era, ao menos, uma esperança concreta, mesmo que fosse preciso relevar a petulância de seus últimos dias em Denver.

Agora já se vão oito anos desde aquela noite de abril. E do instante em que Cutler posou com Lovie Smith e Jerry Angelo no Hallas Hall, já passaram por Chicago outros dois head coaches e dois GMs, além de meia dúzia de coordenadores ofensivos. E com Cutler, Chicago foi aos playoffs apenas uma vez, o mesmo número de presenças na pós-temporada entregue por quarterbacks como Rex Grossman e Kyle Orton.

Hoje, a história entre Cutler e sua equipe, está naquele ponto em que uma decisão precisa ser tomada. E sabemos que desistir é, no fundo, uma grande merda. Desde o início de nossas vidas, somos ensinados a nunca desistir. É o que também esperamos daqueles que estão dentro de um campo de football, afinal, ele é um reflexo bem próximo da vida. Mas em alguns casos você irá perceber que na verdade não está desistindo de nada: você só está preso a um jogador horrível e precisa admitir que após anos e anos de tentativas frustradas, é hora de seguir em frente.

O caminho até a NFL

Criticar o destino final conhecendo o caminho percorrido é extramente confortável, então vamos olhar em retrospecto. A classe de 2006 do draft não foi lá muito prolífica em QBs, mas mesmo assim nomes como Mike Mayock e Steve Young saíram em defesa de Cutler – deixando atrás Matt Leinart, vencedor do Heisman em 2004 (15 TDs e 21 INT em sua carreira na NFL) e Vince Young, este com 45 TDs e 51 INT em seis anos de liga.

Paradoxalmente, enquanto Leinart e Young protagonizaram um dos maiores jogos da história do college football, a carreira universitária de Cutler em Vanderbilt terminava com uma derrota para Kentucky – e tanto Leinart quanto Young venceram mais jogos em 2005 do que Cutler em todo seu período na universidade. Mas conforme o draft se aproximava, a narrativa sobre Jay tomava um novo rumo: tudo que ele havia conquistado em Vanderbilt (basicamente um First Team All-SEC em 2005), ele fizera sem muito auxílio; Cutler não tinha os holofotes que Leinart e Young tinham, mas contava com um braço assustadoramente forte e, sobretudo, vontade de usá-lo. “Creio que ele tem um release mais rápido que qualquer um dos dois. É um cara duro e acho que ele jogou atrás de uma linha ofensiva muito pobre”, era o que diziam analistas na época.

Na semana do draft, especulava-se que ao menos seis equipes estariam interessadas em Jay Cutler: Floyd Reese, GM do Titans, o encontrou várias vezes. O New York Jets também estava bem posicionado para selecioná-lo, mas foi Denver quem agiu, subiu posições e o escolheu na 11ª posição.

Primeiras impressões

Já nos cinco jogos finais de sua primeira temporada, Cutler colocou Jake Plummer no banco; Jake ostentava 39 vitórias e 15 derrotas em temporada regular com os Broncos, mas vinha de sua pior fase e, enfim, as perspectivas futuras com Cutler pareciam muito mais promissoras do que manter Plummer.

E assim foram os dois anos seguintes de Jay Cutler na NFL; um misto entre indícios de um futuro possível e um presente irrelevante. Em 2008, porém, forçado por um defesa ridícula, Jay precisou lançar 616 passes, que resultaram em 4526 jardas, 25 touchdowns e 18 INT. Ao final daquela temporada, Mike Shanahan perdeu o emprego e os Broncos buscaram o OC Josh McDaniels em New England. E foi quando tudo começou a ruir.

Aquela carinha de “foda-se”.

O Jay Cutler que conhecemos e a oportunidade única

Bus Cook, agente de Cutler, disse à AP que Denver, junto com McDaniels, iria trazer Matt Cassel, que acabara de substituir Tom Brady por um ano e tivera 10 vitórias. O que sabemos nunca aconteceu. E Cutler reagiu da maneira que Jay Cutler reagiria: recusou-se a falar tanto com McDaniels como com Pat Bowlen, proprietário do Broncos.

E apesar de mais tarde Cutler ter negado que teria pedido uma troca, suas declarações iam na direção contrária das de seu agente. “Não me importa se você fala em trocá-lo por Matt Cassel, Matt Ryan ou Tom Brady, você não está dando um voto de confiança para ele. É assim que Jay vê, e eu faria da mesma forma”, afirmou Bus. Já McDaniels declarava que não queria trocar Cutler, que ele era o quarterback do Broncos. Então, 40 dias depois, Cutler desembarcava no Soldier Field.

Jerry Angelo, GM de Chicago por mais de uma década, definiu a chegada de Cutler como “uma oportunidade única”. Para ele, franchise quarterbacks de 26 anos não se tornavam disponíveis e era preciso agarrá-los, mesmo que o preço fosse salgado – e Jay (mais uma escolha de quinto round) custou para os Bears duas escolhas de primeira rodada, uma de terceira, além de Kyle Orton. Mas, como Angelo insistia em frisar, era uma oportunidade única, um mergulho na loucura para que os Bears deixassem uma mediocridade já latente.

Início de um longo pesadelo

A primeira temporada de Cutler em Chicago foi uma grande tragédia. Logo em sua estreia, ele lançou quatro interceptações – em uma partida que o Bears perdeu por apenas seis pontos. Naquele mesmo dia, o LB Brian Urlacher, que passaria seus 13 anos de carreira em Chicago, fraturou o pulso e ficou fora do restante da temporada. Foi a gota d’água para o sistema defensivo do Bears, então um dos mais confiáveis da NFL, implodir.

Lançando passes freneticamente, Cutler terminaria o ano com 26 INT, sendo que em sete das 16 partidas ele foi interceptado mais de uma vez. Ao final daquela temporada também teríamos o início de um filme reprisado intensamente na era Cutler em Chicago: o OC Ron Turner, incapaz de extrair o melhor de seu novo QB, jovem e brilhante, foi demitido; começava a relação cíclica dos Bears com seus OCs, tão estável quanto relacionamentos adolescentes.

Já o segundo ano de Jay em Chicago, 2010, traz um paradoxo: o Bears venceu muito naquela temporada; foram 11 vitórias e o título da NFC North. Mas isso pouco tem a ver com seu ataque; na offseason Chicago assinou com um Julius Peppers em sua melhor forma o que, junto ao retorno de Urlacher, reacendeu o sistema defensivo – que saltaria da 21ª em 2009 para a 4ª posição em 2010, claramente entre as melhores da NFL. Já o ataque, bem, Cutler foi sackado incríveis 52 vezes naquela temporada, que resultaram em mais de 350 jardas perdidas; foram ainda 23 TDs e 16 INT, para um rating de 86.3.

Tudo isso culminou no NFC Championship, que deve assombrar os torcedores de Chicago e Jay Cutler até hoje: logo no início da partida, Cutler torceu o joelho e os Bears precisaram contar com um inútil Todd Collins (que durou menos que Cutler em campo) e, logo depois, Caleb Haine, que praticamente estreava na NFL em um Championship Game. Mesmo com a defesa segurando Aaron Rodgers e o Packers em 21 pontos, era um ataque inexistente e tudo foi em vão.

Com o ataque paralisado e Cutler na sideline, as críticas eram inevitáveis. Darnell Dockett, DE do Cardinals, esculachou. Mike Ditka, um dos técnicos mais vitoriosos da história do Bears, também não deixou barato. Cutler era, pela primeira vez, o alvo real da ira de toda comunidade de Chicago.

“Neva até soterrar esse demente”, teria pedido um torcedor do Bears.

Recomeço?

Com um novo ano, há sempre novos planos e após perder a chance de chegar ao Super Bowl, Chicago começou a temporada com uma campanha 7-3, com Cutler com os melhores números de sua carreira, e a defesa novamente no topo da NFL. Próximos da sétima vitória, porém, Jay Cutler lançou uma interceptação, recebeu um bloqueio e aquela que provavelmente foi sua última real chance de redenção se despedaçou com seu polegar direito – o Bears foi forçado a seguir com Caleb Haine, que teve uma vitória nas seis partidas seguintes.

Ao final daquela temporada, muito mudou em Chicago. Jerry Angelo foi o primeiro a deixar Illinois. Phil Emery assumiu o cargo de GM e passaria os próximos quase dois anos tentando construir um ambiente favorável para Jay; todos os movimentos foram pensados para ajudá-lo a prosperar: Emery conseguiu uma troca que trouxe o WR Brandon Marshall, com quem Cutler tivera relativo êxito no Broncos, além de buscar Alshon Jeffery no draft. Mesmo vencendo 10 partidas em 2012, o Bears não chegou aos playoffs, então Emery julgou o momento como certo par demitir o HC Lovie Smith, que foi substituído por Marc Trestman, reconhecido em toda NFL por seu trabalho com quarterbacks. Já da free agency chegaram o TE Martellus Bennet e o LT Jermon Bushrod, enquanto o G Kyle Long foi selecionado na primeira rodada do draft para tornar o OL ainda mais consistente: em 18 meses Emery tinha mudado toda a estrutura do Bears, moldando o ataque do time às características de seu QB.

O objetivo, de certa forma, foi atingido: Brandon Marshall era um dos melhores WRs da NFL, Jeffery uma estrela em ascensão e Cutler atingia seu melhor rating desde que deixara Denver. Mas estamos falando de Jay Cutler e com ele não há um ano sem que haja uma turbulência: passada metade da temporada, Jay lesionou a virilha, dando lugar a Josh McCown, que postou um rating de 109, lançou 13 TDs e apenas 1 INT durante o período em que comandou o ataque do Bears. Quando Cutler foi liberado pelo departamento médico para retornar, claro, não houve unanimidade. Mas Trestman optou por Jay, e na semana 17 um tropeço contra Green Bay lhes custou a vaga nos playoffs.

Tudo isto culminou em… um novo e gigantesco contrato para Cutler. Tudo bem, era preciso considerar o ano anterior e o fato de que tanto Marshall como Jeffery tinham sinergia com Jay, então suas deficiências passadas pareciam contornadas. Além de Emery ter montado uma equipe para Cutler: ele finalmente seria o jogador que o Bears esperava, então Phil lhe entregou um contrato de sete anos no valor de US$ 126 milhões, sendo US$54 milhões garantidos.

Na época, o novo acordo foi considerado um preço a ser pago na NFL e moldou os contratos seguintes de quarterbacks. Mesmo assim, muitos o apontaram como o tipo de contrato que só é estabelecido com um QB que você tem plena certeza que o levará ao SB.

De qualquer forma, para Chicago, não era algo normal, mas talvez também estivesse longe de ser algo absurdo, afinal ainda havia um resquício de chance de Jay se tornar o franchise QB que o Bears buscara em abril de 2009. Era preciso acreditar nisso, era preciso ter fé. E foi o que Emery e Trestman fizeram; eles tiveram fé em Jay Cutler, apenas para  ela se provar errada e ambos terminarem o ano desempregados.

Presos no tempo

Tudo isto nos mostra que a relação entre Cutler e Chicago não é apenas um recorte interno da história do próprio Bears, não é apenas sobre Jay Cutler, ano após ano, se afogando em um mar de desculpas esfarrapadas. O que aconteceu com Chicago e Jay ao longo destes oito anos é um reflexo real da nossa forma de arrumar desculpas diariamente: quando caras como Lovie Smith, Marc Trestman ou mesmo Mike Shanahan se tornam bodes expiatórios, quando tantos outros são culpados por um problema, substituídos, mas o problema persiste, talvez você não esteja identificando o real problema.

“Foi culpa da defesa”, “No final das contas, foi uma boa temporada”, “Precisamos ser mais compreensivos”, “Há alguns jovens que precisam de mais tempo para se desenvolver”… Foram vários os discursos recorrentes que acabaram soando como as mesmas velhas desculpas. E enquanto elas eram repetidas, Cutler seguia ali: ele já não era mais tão jovem, mas a decepção continuava.

Talvez não exista em nenhum esporte coletivo uma posição com a carga de representatividade que um quarterback traz consigo. Nos atendo apenas a NFL, você pode ter o melhor RB disponível, dois WRs incríveis ou mesmo uma defesa espetacular: no fim do dia, é naquele cara que está logo atrás do center que você deposita suas esperanças; é ele quem precisa liderar, é ele quem deve fazer tudo funcionar.

Lógico, uma equipe pode vencer sem um bom QB, mas se ele não vai bem, sempre haverá essa preocupação recorrente; maus quarterbacks podem despedaçar qualquer sonho de um fã de football. E nos últimos oito anos não existiu alguém que destruísse sonhos com tanta eficiência como Jay Christopher Cutler. E Cutler sempre teve tudo o que precisou para ser um franchise quarterback, mas ele não é confiável, ele não pode liderar a equipe.

Em linhas gerais, Síndrome de Estocolmo é o nome dado a um estado psicológico particular em que uma pessoa, submetida a um tempo prolongado de intimidação, passa a ter algum tipo de simpatia por quem a tortura. Se ela pode ser transposta à NFL, não há um exemplo melhor que a relação entre Cutler e o Bears: enquanto Chicago sempre procurou alguém para culpar, proprietários, treinadores, linha ofensiva ou qualquer outro elemento, talvez finalmente estejamos chegando no momento em que só reste admitir que Jay Cutler simplesmente não sabe jogar. Que Jay Cutler simplesmente não se importa.

Kyle Shanahan e Matt Ryan (ou porque devemos levar o Falcons a sério)

Do quarteto que chega às finais de conferência de 2017, você certamente já ouviu falar muito sobre Tom Brady, seu retorno após suspensão e como ele fica melhor com o passar do tempo; do assustador trio BBB do ataque de Pittsburgh e dos milagres de Aaron Rodgers. Já a opinião sobre o quarto time deste seleto grupo, antes da temporada iniciar, estava restrita a um “vai cumprir tabela e ser interessante para o fantasy”, afinal o potencial desse ataque para produzir era claro – mas obviamente não esperávamos nada além disso, especialmente porque se acreditava que a mediocridade tomaria conta de Matt Ryan: hoje, um QB que passa para 4000 jardas e 25 TDs em 16 partidas é considerado normal? Sam Bradford conseguiu praticamente a mesma coisa! E, bem, também se esperava que a defesa de Atlanta fosse perder muitos jogos.

Tínhamos em Atlanta os Bengals da NFC (perdão, amigos!); era o time menos atrativo da sua divisão, já que o Saints e Brees PRECISAM ALGUM DIA conseguir não perder para a própria defesa; o Panthers vinha de um Super Bowl com o atual MVP da liga e Tampa Bay era uma equipe em franco crescimento e que deve incomodar mais ainda nos próximos anos.

Mas obviamente nos enganamos. Nada fora do padrão Pick Six – e aqui já adiantamos que ninguém será demitido por isso.

A defesa de Dan Quinn

Há muitos anos o elo fraco da equipe é seu sistema defensivo, tanto que, em 2015, a equipe contratou o DC da mítica defesa de Seattle para tentar consertar seu caos particular. O 8-8 da temporada passada mesmo com Devonta Freeman e Julio Jones inspiradíssimos rodada após rodada, contando também com o líder de sacks do time, Vic Beasley, conseguindo quatro na temporada toda, mostra que o processo não ocorreu tão rapidamente quanto se gostaria. E logo no primeiro jogo de 2016 o time sofreu 31 pontos dos Buccaneers, então a certeza era de que a sina continuaria.

Já quando o time chegou à semana 11 cedendo menos de 20 pontos somente uma vez (para Trevor Siemian!) e mais de 30 em metade dos jogos, parecia questão de tempo até que os velhos hábitos voltassem e o Falcons acabasse inevitavelmente fora dos playoffs com um ataque espetacular. Mas os ajustes aconteceram. Os turnovers (por exemplo, Beasley e o rookie S Keanu Neal são números 1 e 2 em fumbles forçados com 6 e 5 respectivamente) só aumentavam as chances de um ataque que marca pontos em mais da metade das suas posses de bola (obviamente líder da NFL no quesito). O sinal da evolução, porém, só ficou claro logo após a bye week: nas 7 vitórias que teve desde o descanso, o Falcons cedeu mais de 20 pontos somente uma vez. Contra New Orleans, claro, em nome da tradição.

E se Matt Ryan é o MVP da NFL e quem está carregando esse time nas costas, lembre-se que Atlanta também tem seu próprio projeto de Von Miller: o já citado Vic Beasley, aquele que liderou o time em 2015 com quatro sacks, repetindo o feito esse ano com incríveis 15.5, dessa vez liderando também a NFL, deixando para trás outros nomes muito mais famosos.

Foto artística.

Válido também acentuar outro grande responsável por essa ascensão, o veterano dos spin moves que chegou esse ano para provavelmente encerrar a carreira em Atlanta: Dwight Freeney tomou o jovem para ensiná-lo de perto desde a pré-temporada e demonstrou orgulho do seu pupilo, o considerando defensor do ano: “Agora mesmo, acho que nossa defesa está jogando melhor que a dos Broncos. Acho que isso diz muito sobre o que Vic tem feito. E acho que seria incrível que seu nome fosse mencionado”, disse Dwight.

Um trio ou quarteto ou quinteto ou… um conjunto!

Todos esperavam uma temporada decente de Ryan, do nível que ele é acostumado a proporcionar ano após ano – em comparação a negações que temos por aí, Ryan sempre mostrou “bons” resultados, mas nunca suficientes para enfrentar a elite de QBs da liga e carregar uma defesa sofrível.

Mas desta vez ele veio provar que estávamos enganados. Obviamente, como diria gente velha, “uma andorinha sozinha não faz verão” – e, curiosamente, o paralelo com Cincinnati, especialmente o do ano passado, na melhor temporada da vida de Dalton (atenção aos parênteses), fica assustadoramente claro; como ponto positivo, aqui se nota a diferença que Matt Ryan faz em relação a Andy Dalton, produzindo bem mais e não pipocando, contra um sempre bom time dos Seahawks.

Mas como elenco de apoio, para a sorte dos Falcons, há talentos genuínos, e não simplesmente fabricados por um QB mágico: Julio Jones (AJ Green) e suas 1409 jardas recebidas, independente de quanto marcado esteja; Devonta Freeman (Giovani Bernard) e sua capacidade de achar 1541 jardas totais, além de 13 TDs só no rebolado; Tevin Coleman (Jeremy Hill) atropelando defesas para complementar o jogo corrido; além de Mohamed Sanu e Taylor Gabriel, complementando o rolê fazendo os alvos de segurança. Somado a isso, todos estes jogadores conseguiram manter-se saudáveis: a linha ofensiva é uma das únicas que repetiu a mesma formação em todas as partidas da temporada, garantindo estabilidade e entrosamento.

E assim, graças a todo um grande conjunto, Matt Ryan produziu sua grande temporada – ainda que, por comparação, percebemos que ele poderia ter simplesmente atrapalhado. Mas assim como Dalton teve em seu tempo o auxílio de Hue Jackson, Matt Ryan também tem uma grande cabeça ao seu lado.

Sangue no zóio.

O verdadeiro MVP

Confesso que existia vontade de questionar seriamente o título que Ryan inevitavelmente ganhará no sábado de Super Bowl, falando em Tom Brady (que, de qualquer forma, já ganhou tantas vezes que é quase um hors concours) ou em como Derek Carr tinha um time inferior ao seu redor e mesmo assim foi mais divertido. Mas o grande mestre que poderia (deveria) tirar o título de Ryan não compete com ele; na verdade é talvez o grande responsável pela inevitável coroação de Matt: Kyle Shanahan – enquanto digitamos estas linhas, ainda OC dos Falcons, mas provavelmente em um futuro não muito distante HC dos 49ers.

Filho do lendário Mike Shanahan (head coach dos Broncos de John Elway bicampeões do Super Bowl), Kyle chegou à liga com aquela ajuda do papai, alguma indicação aqui e ali, tornou-se o coordenador ofensivo mais jovem da história da NFL, mas manteve-se nela porque realmente entende os “X’s and O’s” do esporte, como ele mesmo gosta de dizer.

Um nerd assumido, Kyle teve problemas até para fazer seus próprios jogadores compreenderem os conceitos de seu ataque. “No primeiro ano ele quis fazer tudo do jeito dele e tivemos problema em entender que tínhamos os mesmos objetivos”, comentou Julio Jones, que ainda assim recebeu para 1871 jardas em 2015. Entretanto, o time também foi o que mais cometeu turnovers na redzone na temporada passada, fazendo com que mesmo sendo o sétimo em número de jardas, algo habitual na carreira de Shanahan, que coordenou um ataque top10 em jardas sempre que teve um QB minimamente capaz, fosse apenas o 21º ataque em número de pontos.

Já em 2016 o time claramente entendeu a proposta de Shanahan, finalmente transformando jardas em pontos e vitórias. “Ele entende como colocar-nos em posições para fazer o que fazemos melhor. Ele entende o que todos fazem e o que ele quer que eles façam nesse ataque. E nós também”, disse o WR Aldrick Robinson.

O Ludacris torce para o Falcons?

E basta observar alguns lances de Ryan e compará-los com outros QBs para entender o poder que Shanahan tem nesse ataque. É tudo tão bem desenhado que, desde que todos executem suas funções estabelecidas e as leituras sejam bem-feitas (SEMPRE TEM ALGUÉM LIVRE), a defesa não terá opção senão tentar minimizar danos, seja no jogo aéreo das mãos de Ryan, seja no jogo corrido com a dupla Coleman-Freeman.

Sem mágicas, sem jogadas criadas no calor da partida; o verdadeiro MVP dos Falcons é um gênio que tem tudo desenhado antes da jogada acontecer. Mesmo que ele não esteja tão certo disso: “Minha esposa, Mandy, seria a primeira a dizer que eu não sou tão inteligente assim. Ela te contaria quantas vezes não consigo encontrar as chaves do carro. Ou seja, se eu não servisse para o football, estaria em grandes problemas”.

Sobre arte, Bauman, football, MMA e Meryl Streep

Enquanto recebia o Cecil B. DeMille, prêmio pelo trabalho desenvolvido ao longo de sua carreira, durante o Globo de Ouro no último domingo (8), Meryl Streep sorria. Seu discurso, logo em seguida, foi direcionado quase em sua totalidade ao presidente eleito dos EUA, Donald Trump.

Vocês e todos nós nessa sala pertencemos aos segmentos mais vilanizados na sociedade americana atual. Pensem nisso: Hollywood, estrangeiros e imprensa. Mas quem somos nós? E o que é Hollywood?”, questionou. “Só um bando de pessoas de outros lugares. Eu nasci, fui criada e educada nas escolas públicas de Nova Jersey; Viola nasceu em uma cabana em uma plantação na Carolina do Sul; Sarah Paulson nasceu na Flórida e foi criada por uma mãe solteira no Brooklyn“, lembrou ela antes de citar outros artistas que vieram de partes diferentes do mundo, como Natalie Portman, de Israel, e Ryan Gosling, do vizinho Canadá.

Hollywood está cheia de forasteiros e estrangeiros e, se expulsarmos todos eles, vocês não vão ter nada para assistir além de football e MMA, que, aliás, não são arte“, completou. Como temos aqui a premissa de não entrar em discussões políticas e pretendemos mantê-la, nossa conversa começa exatamente neste ponto.

Critico, mas faço igual.

Universalidade

O esporte, assim como o cinema, é um fenômeno social universal, capaz de superar barreiras de gêneros, crenças religiosas, linguagem e, até mesmo, etnias. É tão dinâmico que é criado, recriado, transmitido e transformado pelo homem ao longo da história; hoje é impossível compreendê-lo de maneira uniforme ou linear. Há tantas significações intrínsecas que seu caráter polissêmico é inegável.

A própria definição de “arte” traz consigo discursos distintos, que organizam campos do conhecimento também diferentes entre si. Zygmunt Bauman, sociólogo polonês que faleceu no início deste ano e uma das maiores referências em estudos culturais, em “Ensaios Sobre o Conceito de Cultura”, define “Cultura” como algo ambíguo, sobretudo pela incompatibilidade entre as inúmeras linhas de pensamento que buscam compreendê-la.

Claro, Bauman não se refere à cultura como “arte”, é algo infinitamente mais complexo, mas com um pouco de esforço podemos transpor seus conceitos para ela: é impossível mensurar a evolução da humanidade, sobretudo sua evolução cultural, desde que o homem começou a produzi-la.

Por tudo isso deveria soar óbvio que o próprio conceito de “arte” já se viu esgotado em sua própria definição. E hoje tanto o cinema quanto o esporte influenciam nossa compreensão do mundo: ambos são propriedades adquiridas, que podem ser transformadas e moldadas e fazem parte de um conjunto de práticas que dão forma a padrões culturais; para qualquer sociedade, esporte não é apenas “esporte”, assim como cinema está longe de ser apenas “cinema”. Restringi-los é reduzir a discussão exatamente como Streep fez ao afirmar football e MMA não são formas de arte.

A arte está em constante evolução devido ao encontro de diversas culturas; ela é feita pelo homem ao mesmo tempo em que faz parte do processo de construção da sua identidade. Arte, ou seja, esporte e cinema e o que mais coloquemos nesta categoria, não se trata exclusivamente de elementos tangíveis; ela não pode estar restrita a elementos totalmente conscientes – sempre existirá nela mais do que temos consciência.

Arte, cinema e esporte estão ali, diretamente relacionados à capacidade humana de pensar, produzir e reproduzir símbolos. É perfeitamente possível relacioná-los a partir do momento em que os entendemos de maneira ampla e diversificada: são meios que encontramos para expressar sentimentos e emoções, meios que representam medos, angústias e anseios. Esporte e cinema são, em sua essência, cultura humana estruturada em uma forma de linguagem que permite representar o homem simbolicamente. E isso é arte: não apenas carga emocional, mas também intertextualidade, crítica social e, sobretudo, identidade.

Ignorância gera ignorância

No mesmo discurso, em determinado momento, Meryl afirmou que “desrespeito convida ao desrespeito, a violência incita a violência”. Partindo deste princípio, também parece claro que, para ela, ignorância gera ignorância. Meryl, claro, não ficou sem resposta – e não me refiro à metralhadora verborrágica de Donald Trump direcionada à atriz, o que aqui pouco ou nada nos importa, mas sim às duas comunidades indiretamente atingidas por ela.

Scott Coker, presidente do Bellator, logo escreveu uma carta a convidando para assistir uma luta. Já Kerry Howley, professora da Universidade de Iowa e autora de “Throw”, obra baseada em sua experiência de três anos convivendo com lutadores de MMA disse o óbvio em seu Twitter: o MMA é mais internacional que Hollywood. Além da internacionalidade, é também mais, digamos, ‘democrático’, quando comparado a uma indústria cinematográfica predominantemente branca.

Os lutadores que conheço se identificam como artistas. São pessoas que procuram um estilo de vida que provavelmente não irá torná-los ricos, que é muito difícil e que são estigmatizados, como acabamos de ver”, afirmou Kerry em entrevista à The Atlantic.

E eles fazem isso porque há algo belo e estranho nesta experiência de se abrir a este tipo de violência. Claro, se você não está imerso neste mundo, você só vê Ronda Rousey e pode dizer: ‘oh, ela está atrás de fama e filmes B’. Mas a maioria dos lutadores nunca será Ronda e tem consciência disso. São pessoas que amam o que estão fazendo e buscam aperfeiçoar uma série de artes distintas que foram trazidas aqui a partir de outras culturas”, completou.

Miočić: vencedor do Oscar de melhor atuação inusitada de 2016.

Reflexo social

Passados alguns dias das declarações de Meryl Streep ainda é difícil encontrar um consenso sobre como football ou MMA se misturaram às suas palavras. A aversão de uma parcela da sociedade americana a eles talvez esteja no fato de que ambos são expressões que melhor retratam o que os EUA é hoje. Sim, e aqui não há margem para discussão: atualmente, tanto o MMA como o football são um retrato mais fiel da América contemporânea do que o cinema.

Eles são um microcosmo do que o mesmo EUA que elegeram Donald Trump, a quem Meryl tanto tem aversão, é atualmente. Football é 22 pessoas na mesma faixa de espaço, se debatendo e impulsionando seus pares em frente; nesta mesma faixa há um claro abismo econômico, entre posições “desimportantes” e aquele que rege a orquestra – ou você é capaz de mensurar o tempo necessário para um punter ter o mesmo sucesso financeiro que um quarterback?

Há ainda, naquela mesma faixa de campo, tensões étnicas, cada equipe trazendo consigo características únicas de sua comunidade e, apesar das adversidades, precisando se unir para chegar ao objetivo. MMA, bem, MMA é duas pessoas confinados em uma jaula, cada um por si, a essência do egoísmo humano, lutando por aquilo que acreditam. Quer algo mais norte-americano do que egoísmo e violência?

E se como dissemos no início, a cultura muda ao longo do tempo, algo que não mudou na cultura americana é o amor pelo football – Peter Morris, certa vez, chegou a afirmar: “Se o Beisebol é o passatempo dos EUA, o football é sua paixão”.

Não é só um jogo

Agora voltando ao discurso de Streep, em determinado momento ela afirma que “esse instinto de humilhar, quando é exibido por alguém em uma plataforma pública, por alguém poderoso, é filtrado na vida de todo mundo, porque meio que dá permissão para outras pessoas fazerem o mesmo.  Quando os poderosos usam sua posição para impor, todos perdemos”. Bem, ela tem empatia o suficiente para perceber o que significa alguém ali, com sua representatividade, rebaixar as preferências daqueles que não tem o mesmo poder? Reduzir aquelas pessoas que valorizam o esporte como expressão artística? Guardadas as devidas proporções, é usar o mesmo expediente em que se baseou para criticar Trump.

Já em outra parte de sua fala, ela afirma:O único trabalho do ator é entrar na vida de pessoas diferentes de nós e fazer você sentir como é. Houve muitas, muitas, muitas  atuações poderosas este ano que fizeram exatamente isso”. Ironicamente, Aaron Rodgers havia feito algo semelhante horas antes de Meryl subir ao palco – e no instante em que a bola chegou às mãos de Randal Cobb, alguém pulava no chão da sala enquanto um amigo torcedor do New York Giants socava o sofá. É a essência da construção de uma narrativa particular, não importa a dimensão de seu alcance.

Candidato ao Globo de Ouro de Melhor Milagre de 2017.

Paradoxalmente, um dos lances mais marcantes de Pelé, um dos maiores jogadores de futebol da história, é um gol perdido. E, claro, há inúmeros outros exemplos de instantes em que o esporte flerta diretamente com a arte. Mas ninguém respondeu Streep melhor que Deshaun Watson e Clemson, na final do college football, um dia depois. Com apenas dois minutos no relógio, o peso da derrota no ano anterior em suas costas, eles venceram uma partida carregada de emoção no último segundo. O que aconteceu naquele último segundo foi arte em seu mais puro estado.

Quaisquer que sejam os méritos ou deméritos do football, MMA, basquete, beisebol ou qualquer outro esporte, críticas como a de alguém na posição de Meryl Streep fazem apenas com que determinados nichos se fechem e deixem de perceber semelhanças entre esportes e atividades como cinema, música ou teatro. Todos eles, à sua maneira, são extensões da vida cotidiana, recortes da sociedade e estão cheio de dramas particulares. Ou há algo mais dramático que aqueles segundos que separaram Deshaun Watson do maior momento de sua carreira? O mesmo jovem, que quatro anos antes, disse isto:

Football, MMA e cinema são o que são graças a seu talento para nos cativar, sua capacidade para fazer com que dediquemos tempo, dinheiro e, acima de tudo, nossas histórias para eles. É neles que montamos nossas narrativas, somos parte ou até mesmo autores de histórias. Não há nada mais humano que buscar extrair algum significado enquanto tentamos dar sentido às nossas emoções, seja na frente de uma tela enquanto comemos pipoca, observando as jardas que nos separam da endzone ou movendo aquele chute do atacante adversário em direção a trave no minuto final.

Um filme nunca foi e nunca será apenas um filme. E Meryl, goste ou não, esporte nunca foi e nunca será só um jogo.

De Rodgers a Ty, passando por Cook: como o Packers voltou a ser Packers

Considerando a frieza dos números, podemos afirmar sem medo que, por mais de um ano, Aaron Rodgers não foi ele mesmo. Já abordamos os problemas de Green Bay há alguns meses, de qualquer forma, é fato que desde a semana 6 de 2015, um dos melhores quarterbacks da NFL lutava contra a mediocridade: partindo da derrota para Denver por 29 a 10 ainda na temporada passada, seus últimos 10 jogos naquele ano trouxeram um percentual de passes completos de apenas 57%, aproximadamente seis jardas por tentativa e um rating inferior a 82; nesse período foram 16 touchdowns e seis interceptações. Green Bay foi derrotado em seis dessas dez partidas, chegando a pós-temporada como wild card após perder para o Vikings em casa na semana 17, em partida que valia o título da NFC North.

O início de 2016 também foi cambaleante, com apenas quatro vitórias nas dez primeiras partidas – que contou com uma sequência de quatro derrotas consecutivas, uma delas uma atuação embaraçosa diante do Titans em Tennessee capaz de justificar qualquer eventual demissão (ou prisão por falta de vergonha) e outra partida constrangedora contra o Redskins.

Hoje, olhando em retrospecto, não havia um sinal claro de que Rodgers ressurgiria antes da sequência de vitórias. Eram números razoáveis para os padrões de Aaron Rodgers, e derrotas como as que ocorreram contra o Falcons ou o Colts estiveram longe de ser vergonhosas. De qualquer forma, o que também precisamos enxergar naquela sequência, é que enquanto o Packers parecia implodir na NFC North, o que o manteve vivo foi o fato de Aaron ser a única peça minimamente funcional em uma equipe aparentemente quebrada.

R-E-L-A-X.

Voltando à velha forma

Se para analisar a queda de produção de Rodgers – e, por consequência, do Packers – era preciso olhar para diversos fatores, compreender o retorno de sua produtividade habitual é um pouco mais simples: o principal fator a ser considerado passa pela melhora na precisão do quarterback; durante a primeira metade da temporada atual, Aaron completou pouco mais de 60% das tentativas, enquanto nas últimas seis partidas, esse número saltou para mais de 70%.

Nesse cenário, o jogo do camisa 12 flui, principalmente, graças a seu talento único para realizar ajustes em janelas de tempo estreitas, fator fundamental para um sistema ofensivo como o de Green Bay, baseado em rotas longas que espera que Rodgers tenha tempo e confie em seus recebedores, exige que eles simplesmente estejam onde se supôs que iram estar para que então Rodgers lance a bola naquele local. Quando isto ocorre, estamos diante de um ataque imprevisível, quase impossível de ser marcado; já quando algo sai errado, mas é dado a Aaron um pouco de tempo, resta ainda um QB capaz de improvisar e encontrar alternativas.

Danny Kelly, em artigo publicado no The Ringer, relembra uma entrevista antiga de Rodgers, onde o quarterback reflete sobre seu estilo de jogo. “Não importa o quão próxima esteja a marcação. Se o defensor me deu as costas, se posso ler seu nome e não vejo a sua cara, considero o recebedor livre e vou lançar a bola sempre. Na hora em que ele vira e encontra a bola, já é tarde. Confio que o nosso cara vai vencê-lo e ficar com a bola”.

O autor então relembra uma gama infinita de lances com as características descritas acima por Rodgers. Na semana 14, contra o Seahawks, Davante Adams bateu DeShawn Shead para um TD de 66 jardas . Já na semana 15, diante do Bears, talvez o melhor exemplo do que Rodgers dissera: uma bomba de 60 jardas para Jordy Nelson, sem nenhuma chance para o CB Cre’von LeBlanc.

Foram esses passes, essas jogadas, que falharam por um longo ano, entre a já citada semana 6 de 2015 e as 11 primeiras semanas desta temporada: agora Rodgers voltou a atacar, sem medo, toda e qualquer cobertura. Outro ponto notável no crescimento do sistema ofensivo de Green Bay é que se seu QB pode castigar a defesa adversária quando está retido no pocket, ele também tem uma capacidade única para escapar da pressão e encontrar a melhor alternativa – fora do pocket, Rodgers terminou ao lado de Jameis Winston em passes para TD (13 de seus 40, mais de 30%).

Quarterbacks comuns normalmente se desesperam quando sob pressão; perdem de vistas seus recebedores, se debatem no pocket enquanto ele entra em colapso e, bem, apenas torcem para não terem uma costela quebrada. Para Aaron Rodgers, porém, trata-se de uma oportunidade para encontrar touchdowns. E mesmo que ele eventualmente não consiga encontrar um recebedor disponível, ele ainda é uma ameaça com os pés – na última partida da semana regular, diante do Lions, foram convertidos três 3rd downs para 8 jardas ou mais; um deles proporcionou um corrida de 25 jardas, a maior do Packers na partida.

Como um WR se tornou o melhor RB de Green Bay

Ty Montgomery alinhou como RB pela primeira vez na semana 3 e, bem, ali, parecia apenas mais um truque de Mike McCarthy, fadado ao fracasso, afinal, quantas vezes vimos, vez ou  outra, Randall Cobb no backfield nos últimos anos? Ele estava ali para correr contra uma defesa naturalmente preparada para conter apenas o passe, quase que como uma pequena piada interna, criada para criar alguns desajustes no adversário, claro, mas em nenhum momento sólida o suficiente para construir um sistema ofensivo ao seu redor.

Mas três semanas depois, Eddie Lacy (que Deus o tenha), com uma lesão no tornozelo, deu adeus à temporada. O joelho de James Starks também não resistiu e ele foi posto de molho na mesma semana e ali Ty começou a ser forçado a participar mais ativamente como um RB regular: foram 16 tentativas para 113 jardas nas semanas seguintes – uma média de mais de 7 por tentativa. Mas ainda assim soava mais como desespero do que qualquer outra coisa: Green Bay apenas lutava contra o tempo e lesões enquanto entregava a bola para um WR(!) correr, não é mesmo?

Um RB em forma.

Para o bem ou para o mal, Starks foi liberado momentaneamente na semana 10, mas algo havia acontecido nas três semanas em que ele esteve ausente: o Packers percebeu que aquela piada inicial, na verdade, se tornara uma das boas histórias desta temporada: Ty Montgomery era o melhor RB de seu elenco. E na semana 15, com 162 jardas em 16 tentativas para dois TDs, Ty sepultara qualquer dúvida: ali ele deixara de ser um tampão, uma alternativa emergencial, para provavelmente se tornar um RB em quem o Packers pode confiar seu futuro.

Para a maior parte dos jogadores, fazer esta transição de WR para RB leva anos. Mas Montgomery, além da adaptação, mostrou também uma capacidade de pensar um ou dois passos adiante. Agora ele não soa mais com um truque; ele corre em grande nível, é extremamente físico e protege a bola de uma maneira que, por exemplo, Starks, RB de ofício, já não protegia mais. Ty também é capaz de antecipar o contato e reagir de forma que o impacto não o derrube.

Como segundo corredor, há ainda Christine Michael, que parece ter se reencontrado em Green Bay após ser chutado de Seattle. Montgomery e Michael forneceram, contra o fraco Chicago na semana 15, uma dupla no backfield que o Packers não tinha desde quando Lacy não lutava contra a balança (nota de edição: tempo em que ele TEORICAMENTE não lutava, já que né) e James Starks não sentia ainda efetivamente o peso da idade. E estes elementos são influências diretas no crescimento de Aaron Rodgers: o quarterback agora tem consigo os benefícios apenas proporcionados pelo equilíbrio entre jogo corrido e jogo aéreo.

“Um TE para chamar de meu”

No início de novembro, quando tentamos diagnosticar os problemas de Green Bay, abordamos a inclusão efetiva de um TE no plano de jogo como uma das soluções para o Packers. Um tight end atlético, quando envolvido no ataque, pode avançar pelo meio do campo abrindo espaço e, consequentemente, diversas novas possibilidades. Já falamos sobre como Rodgers reencontrou sua melhor forma e você provavelmente sabe que Jordy Nelson levará o Comeback Player of the Year. O que talvez não seja tão simples de enxergar é a participação de Jared Cook nisto.

Mesmo quando não é concretamente acionado, ele confere uma nova dimensão ao playbook – o que no Packers, por exemplo, resultou nos já citados lances de Davante Adams contra Seattle e Jordy Nelson diante do Bears. Seu impacto pode ser mais nitidamente sentido na frieza dos números: Green Bay está 8-2 na temporada quando Cook esteve em campo, com média de mais de 28 pontos por jogo, 25 TDs e apenas uma interceptação e seu quarterback com um rating de 114. Já sem ele a campanha cai para 2-4, a média para 24,7 pontos, são 15 TDs e 6 interceptações, além de um rating de 92,3 para Aaron Rodgers.

Jared retornou de lesão na semana 11 e, desde então, em situações de 3rd downs, foram 13 passes em sua direção, com 10 recepções para 175 jardas (e um rating de 118,2). “Creio que o retorno de Cook tem sido importante. Obviamente, ele normalmente é marcado por um linebacker e, nessas situações, isso é uma vantagem, como vimos em vários jogos”, disse Rodgers em entrevista à ESPN.  “Tenho falado sobre isso desde que cheguei: o caminho mais rápido à endzone é pelo centro do campo. Então quanto maior o alvo que você tem recebendo passes, melhor para o QB. Quanto particularmente mais atlético, maior raio de recepção. E Jared Cook tem todas essas qualidades”, completou o head coach Mike McCarthy.

Ajudo e não atrapalho.

Diferenciando-se dos mortais

Hoje Green Bay é um time mais completo; com o braço ou com as pernas, Aaron Rodgers pode vencer qualquer adversário na NFL. É um repertório difícil de ser previsto quando usado em sua totalidade; dispondo de rotas curtas, lances de alta velocidade no meio do campo com Cook ou lançamentos de mais de 50 jardas para Nelson ou Adams. E se algo sair errado, ainda é possível escapar da pressão e avançar no campo com os pés.

Assim, tudo que o Packers fez nas últimas semanas prova que se você der a Rodgers uma equipe versátil, ele tornará jogadores comuns, como Davante Adams, bons jogadores. Tornará ótimos recebedores, como Nelson, ainda melhores. E desde a semana 12, quando Rodgers sugeriu que seria perfeitamente possível para o Packers “run the table”, ele beirou à perfeição: seis vitórias em sequência, o título da NFC North e hoje o Packers é o adversário que ninguém quer enfrentar na pós-temporada; seja o Giants ou qualquer outra equipe que cruze o caminho de Green Bay nos playoffs, ele irá entrar em campo temendo um ataque recheado de possibilidades, irá entrar em campo receoso, sobretudo, com o que Aaron Rodgers vem fazendo.

O complexo paradoxo “Aaron Rodgers-Mike McCarthy”

O que lhe vem a mente quando você pensa em Aaron Rodgers? Passes rápidos sob pressão? Boas decisões tanto no pocket como fora dele? Jogadas eficientes em 3rd downs? De qualquer forma, seriam estes alguns dos fatores que viriam a tona se você deixasse os últimos 12 meses de lado: a realidade é que hoje Rodgers nem de longe lembra o quarterback vencedor do MVP em 2014.

A temporada de 2016, aliás, tem se assemelhado a uma montanha russa. Voltemos, por exemplo, a semana 2, quando contra o Vikings Aaron completou apenas 56% dos passes para apenas 213 jardas e dois turnovers. E, sim, ele foi superado por Sam Bradford: ali, ele já não era Aaron Rodgers, duas vezes MVP; era apenas a memória de um grande quarterback.

R-E-L-A-X

Em meados de 2014, Rodgers tranquilizou todo o Wisconsin com uma palavra de duas sílabas. Mas o que aconteceu até aqui pouco se assemelha com aquele início cambaleante de dois anos atrás; já não se trata apenas de uma queda de produção que poderia ser relativizada ou de se acostumar a um novo sistema. Para um jogador como Aaron Rodgers se trata de uma batalha prolongada para reencontrar o bom football e a consistência que, hoje, faz todo este processo soar estranho e desconfortável.

E se em 2014 Green Bay se recuperou rapidamente após iniciar o ano com uma vitória e duas derrotas, vencendo 11 das 13 últimas partidas – Rodgers terminou aquela temporada com 38 touchdowns e cinco interceptações –, para compreender o momento atual dos Packers é preciso ir além das 10 primeiras semanas de 2016: após a derrota para o Seahawks na decisão da NFC, Green Bay iniciou 2015 com seis vitórias e nenhuma derrota e naquele período, Aaron completou 68% dos passes, com mais de 8 oito jardas por tentativa, para 15 TDs e apenas duas interceptações, além de um rating médio de 115,9.

Veio, porém, a derrota para Denver por 29 a 10 e com ela o início de uma mediocridade ofensiva preocupante: os últimos 10 jogos de Rodgers em 2015 trouxeram um percentual de passes completos de apenas 57%, aproximadamente seis jardas por tentativa e um rating inferior a 82; nesse período foram 16 touchdowns e seis interceptações. Green Bay foi derrotado em seis dessas dez partidas, chegando a pós-temporada como wild card após perder para o Vikings em pleno Lambeau Field na semana 17, em partida que valia o título da NFC North

Por mais estranho que poderia parecer na época, os playoffs reservaram algumas surpresas: a vitória contra o Redskins, em Washington, pode ser classificada como tranquila, enquanto a derrota para Arizona veio apenas no overtime em uma situação atípica, incapaz de ser prevista ou controlada.

Mas aqui também é preciso ressaltar que, apesar de uma última jogada milagrosa, Aaron Rodgers completou apenas 56,3% dos passes para apenas 5,9 jardas por tentativa naquela pós-temporada.

As origens do problema

Quando alguém com tanto talento como Aaron Rodgers oscila por um período de tempo tão extenso é tentamos encontrar uma explicação lógica. Podemos imaginar que a origem desta queda acentuada talvez esteja no início de 2015, quando Mike McCarthy passou a responsabilidade das jogadas ofensivas para Tom Clements; em meados de dezembro, porém, o próprio Mike retomou a função e não houve nenhuma melhora significativa. Outro motivo poderia ser a ausência de Jordy Nelson, seu principal alvo, lesionado na semana 2 da pré-temporada de 2015 e ausente durante toda a última temporada. Tese que perde um pouco de força pelo simples fato de que o sistema ofensivo ainda não teve evolução evidente desde seu retorno.

O dia em que tudo começou a foder.

O dia em que tudo começou a foder.

De qualquer forma, o que todos esses fatores nos mostram, quando aliados a um esquema ofensivo inflexível e engessado, a falta de um recebedor para rotas longas durante a ausência de Nelson, é a potencialização das piores características de alguém com talento inegável: Aaron Rodgers passou a tentar resolver tudo sozinho.

Ao mesmo tempo que possui, indiscutivelmente, o braço mais potente de toda a NFL (nota do Digo: clubismo. Joe Flacco Mr Elite é o braço mais potente) e é capaz de fazer jogadas que aparentemente nenhum outro quarterback no planeta conseguiria, ele se tornou extremamente dependente de seu talento e, ao longo do caminho, foi deixando de lado alguns fundamentos básicos – sobretudo devido a um estilo de jogo que passou a ser unidimensional. E foi assim que Rodgers perdeu sua capacidade de encontrar soluções por conta própria.

Uma montanha russa particular

Rodgers tem em si elementos raros de serem combinados em outros jogadores da posição: atletismo, visão de campo e uma velocidade de raciocínio que o ajuda a liberar a bola das mãos em um piscar de olhos. Tudo isto faz com que ele seja capaz de criar soluções fora do playbook em uma fração de segundos e exemplos disso ainda surgem semana após semana. Para compreender isso, lembremos da partida contra Jacksonville na abertura da temporada atual, quando, improvisando, Rodgers garantiu a vitória para Green Bay.

Em um de seus passes para touchdown, Aaron transitou em um pocket prestes a entrar em colapso, se deslocou para a área mais congestionada da jogada e encontrou Nelson na parte posterior da endzone, enquanto o WR mergulhava em direção ao passe. Como ele enxergou Jordy em meio ao caos? Coisas que só o bom e velho Aaron Rodgers conseguiria fazer. Já o passe para Davante Adams foi ainda mais impressionante. Novamente, ele escapou da pressão enquanto o pocket ruía e, ao mesmo tempo em que postava os pés no chão e era puxado pela camisa, encontrou um passe no único local em que Davante poderia alcançá-lo.

Já o que aconteceu no último confronto contra o Colts foi completamente diferente. O Packers teve diversas oportunidades para dominar a partida e reverter o placar. Talvez por já estar atrás do marcador com 15 segundos de jogo, a “escolha” foi ir desde o início para big plays, sem necessidade alguma. Outra decisão inexplicável foi o retorno da formação com 3 WRs, 1 TE e 1 RB, que há dois anos não funciona em Green Bay, abdicando de uma spread offense que funcionou efetivamente nos dois jogos anteriores à derrota diante de Indianapolis.

O que vimos foi um ataque prepotente, que acreditou que venceria a partida quando bem entendesse, com o fraco TE Richard Rodgers totalmente envolvido no plano de jogo, que em diversos drives se resumiu ao ridículo “duas corridas e um passe”. Nesse cenário, Rodgers se restringiu a ir para o home run e abdicou do básico, esqueceu passes curtos e, bem, inventou demais.

Essa confiança excessiva em suas habilidades talvez explique a queda de produção de Aaron Rodgers nos últimos anos: segundo o Pro Football Focus, Aaron completou 80,6% dos passes em 2011. Em 2012 esse número caiu para 80,2%, para em 2013 chegar a 79,3% e em 2014 na casa dos 75%. Já na temporada passada, foram apenas 73,1%. Em passes para mais de 20 jardas, por exemplo, entre 2011 e 2014, ele nunca esteve abaixo de 51,8%, enquanto em 2015 esse indicador chegou a 39,1%.

Quando o buraco é mais profundo do que pensamos

A pouca versatilidade de seus WRs isenta um pouco Rodgers e torna mais difícil para ele confiar nas opções que dispõe, o que limita significativamente o playbook de McCarthy, excessivamente dependente de atletas que superem coberturas por conta própria. Assim Aaron precisa confiar que seus recebedores estarão onde deveriam estar, combinando velocidade, profundidade e sincronia exatas que a rota pré-estabelecida exige. O que, claro, é diretamente influenciado por situações que muitas vezes fogem do controle dos próprios WRs: um passo mais lento que o previsto já é suficiente para tudo ruir; é quando Rodgers precisa esperar e o desenho da jogada implode, o que o deixa se movimentando dentro do pocket enquanto tenta encontrar alguma solução mágica. 

Um ponto nítido do ataque de Mike McCarthy é que com ele não há meio termo: é quase impossível de defender quando Aaron Rodgers e seus WRs estão sincronizados, como vimos no Super Bowl XLV contra os Steelers ou, mais recentemente, durante toda a temporada regular de 2014. Mas, como citamos anteriormente, a margem de erro é mínima e quando o Packers não tem o tipo de talento necessário para fazê-lo funcionar, tudo falha.

Agora Green Bay precisa encontrar soluções e acrescentar possibilidades que não dependam exclusivamente de fatores como profundidade e separação em sincronia, precisa encontrar opções que não estejam restritas a slants padrões e rotas go. Em poucas palavras, é preciso facilitar o ataque.

Saudades.

Saudades.

Um TE no natal (ou saudades, Finley)

Outro fato significativo é que, atualmente, para parar o ataque do Packers basta ser físico com os recebedores na linha de scrimmage. Como tudo indica que McCarthy não irá alterar o plano de jogo (falaremos especificamente sobre o tamanho deste problema logo a seguir), uma parte dos problemas de Green Bay seria solucionada com um TE eficiente e veloz (Jermichael Finley, quem lembra?).

A ideia era que Jared Cook fosse esse jogador, porém aparentemente foram contratados apenas seus restos mortais. Já Richard Rodgers tem a velocidade de uma paca obesa pós-almoço. Atacar o meio do campo abriria novas possibilidades para Aaron Rodgers, mas para isso é preciso um TE atlético e veloz e hoje o TE de Green Bay é incapaz de vencer um linebacker com sono na velocidade.

A parcela de culpa do chefe

Poderíamos acrescentar nesta conversa toda aquela ladainha, hoje em voga, sobre a importância de evoluir, afinal é inegável que a NFL, assim como qualquer grande liga, evolui diariamente. E grande parte deste processo evolutivo vem desde o college football, passando pela formação inicial de atletas, expostos a técnicas e treinamentos cada vez mais complexos e sofisticados, até toda e qualquer pessoa direta ou indiretamente envolvida com o esporte.

Amigos para sempre é o que nós iremos ser, na primavera ou em qualquer das estações.

Amigos para sempre é o que nós iremos ser, na primavera ou em qualquer das estações.

Neste cenário de constantes mudanças quem mais precisa se adaptar são os head coaches. Há planos de jogos desenvolvidos há décadas que até hoje são confiáveis; há elementos que serão funcionais e úteis independente da época. Assim como, em alguns casos, é preciso abandonar o que não está mais dando certo. E aqui é inegável que o play calling de Green Bay há tempos é duramente criticado pelo simples fato de não funcionar. Ou por já ter se tornado óbvio.

Olhando em retrospecto, McCarthy assumiu o Packers em 2006 e desde então levou a equipe a 108 vitórias, 60 derrotas e um empate. A análise fria dos números indicaria um treinador inquestionável, já que em 11 anos esteve na pós-temporada em oito deles. É aí, porém, que os números começam a pesar contra Mike: nos 15 jogos de playoffs sob seu no comando foram apenas oito vitórias (quatro delas na campanha que trouxe o Super Bowl ao Lambeau Field) e sete derrotas.

O que torna tudo mais triste é que neste período McCarthy teve Brett Favre e Rodgers como quarterbacks. É pouco para uma franquia com tamanha grife e com dois dos melhores QBs da história em suas trincheiras. A realidade é que os melhores anos de Aaron Rodgers estão sendo desperdiçados. Mas ao mesmo tempo em que esta realidade pode soar como um “tapa na cara” para o Packers, é nela que reside a solução: hoje não há nada errado com Rodgers fisicamente e ele continua sendo um dos melhores QBs que a NFL já viu.

Mas, mesmo com um Rodgers oscilante, é preciso que McCarthy tenha consciência que precisa evoluir e abandonar a convicção que restringe Green Bay a um jogo baseado em tempo e precisão. Sem um Jordy Nelson totalmente funcional e saudável, ainda reencontrado o ritmo, é necessário incorporar combinações que não dependam exclusivamente de profundidade-separação e dar chance para jogadores com características distintas serem envolvidos. Do contrário, Aaron Rodgers seguirá pressionado por resultados enquanto tenta resolver tudo por conta própria.  

“Aaron Rodgers é um ótimo quarterback e isso não vai mudar. Ele teve fases em que não jogou tão bem? Claro. Mas aí você coloca pressão e quando se coloca pressão geralmente coisas ruins vão acontecer”, disse Brett Favre. “Ele precisa de um pouco de folga. Ele vai conseguir hoje? Ele vai conseguir semana que vem? Não sei, mas ele é um excelente QB e esse é o ponto principal”, completou o ex-quarterback de Green Bay em entrevista recente a Fox Sports.

É claro que o Packers pode ter sucesso com Rodgers tentando fazer tudo sozinho e é extremamente plausível que, enquanto ele estiver em Green Bay, a pós-temporada seja sempre uma realidade tangível. Porém, o tempo está passando e também é necessário reconhecer que ele dificilmente voltará a ser o quarterback imparável que vimos entre 2011 e 2014 sem um esquema tático que lhe dê algum suporte.