Kirk Cousins: você gosta disso, Redskins?

25/out/17


Antes de entrarmos nessa discussão é preciso ter consciência de que salários de quarterbacks raramente fazem sentido, sobretudo porque a própria realidade da NFL raramente permite que eles sejam pautados pela lógica. Lembre-se: Jay Cutler recebeu mais dinheiro garantido na assinatura de sua renovação com o Bears do que contrato vigente de Aaron Rodgers. Mais que os mesmos aproximados US$ 30 milhões que estão pingando na conta de nomes como Matt Ryan, atual MVP, e Alex Smith, futuro MVP. Não podemos esquecer também que Brock Osweiler já fez muito, muito dinheiro.

O fato é que, muitas vezes, os melhores quarterbacks são ridiculamente mal pagos em comparação com jogadores abaixo da linha de mediocridade, mas que calharam estar no lugar certo, na hora certa. Um jogador, porém, pode alterar novamente a perspectiva dessa mercado: Kirk Cousins. Talvez não esteja exatamente no lugar certo, mas seu contrato, mais uma vez, acabará na melhor hora – ao menos para ele.

Cousins é um Teste de Rorschach (“o que você vê neste borrão, caro amigo?”) em forma de quarterback: ainda há um debate constante sobre o quão bom ele realmente é. Claro, você pode enxergá-lo da forma que lhe convir, mas sua opinião final revelará muito mais sobre como você enxerga o football e a NFL atual, do que sobre o talento do QB do Redskins. Kirk é um quarterback capaz de vencer na pós-temporada? Ou é um mero produto de estatísticas que apenas evidenciam que passar para mais de 4 mil jardas já não é algo mais tão extraordinário?

Afinal, lembre-se: Andy Dalton tem mais temporada de 4 mil jardas do que John Elway e Joe Montana somados – hoje, qualquer QB com o mínimo de coordenação motora é capaz de esticar o campo e produzir números capazes de impressionar.

Um bom malandro, conquistador…

Oferta e demanda

O preço a se pagar por um bom quarterback aumentou consideravelmente conforme a importância de um bom quarterback dentro de campo também cresceu (menos em Jacksonville, mas lá a coisa é meio louca mesmo). E se antes a posição já era considerada de forma quase unânime a mais importante entre todos os esportes, em algum momento ela se tornou ainda mais importante.

E antes de Matthew Stafford, nesta última offseason, Derek Carr já havia quebrado o recorde de maior contrato da NFL – que Andrew Luck, indiscutivelmente mais talentoso que ambos, quebrara em sua renovação mais recente.

Contexto é fundamental para um QB conseguir um contrato de seis dígitos e, goste você ou não, Cousins atingiu o topo da lei de oferta e procura nas duas vertentes do mercado: mesmo que não seja um cenário dos sonhos, Kirk é bom o suficiente para qualquer boa equipe. Do outro lado da moeda, para franquias que insistem em maltratar nossos olhos, ele alcançou o melhor status possível: simplesmente está disponível.

Um sonho de verão na capital

Mesmo que o futuro de Kirk tenha sido debatido a exaustão durante a última offseason, todos sabíamos que ele não acabaria em lugar algum além de Washington: os US$ 24 milhões de sua franchise tag soaram como decisão óbvia em um liga onde Mike Glennon é considerado um free agent de US$ 15 milhões e, bem, não vamos lembrar quanto o Houston Texans “investiu” em Brock Osweiler.

Lógico, fãs de football, sobretudo do Washington Redskins, podem considerar o valor exorbitante, mas jogadores como Kirk são caros porque se provaram extremamente confiáveis – e quase nunca estão disponíveis. O próprio Redskins, por exemplo, não escalava o mesmo quarterback por quatro temporadas desde 1993. Quem quebrou esse cenário de incertezas? Kirk, titular indiscutível desde as últimas seis partidas da temporada de 2014.

Também é compreensível demonstrar certo receio em distribuir valores entre US$22 e US$27 milhões ao longo de cinco temporadas – a receita básica e usual para destruir um salary cap – se você não tem a absoluta certeza de estar diante de um quarterback cujo a habilidade é capaz de preencher grande parte das falhas em um elenco com seu talento.

Mas após dois anos de ótimas atuações, Kirk tem mostrado esse talento, sobretudo em um Washington Redskins já plenamente moldado ao seu estilo de jogo – agora restam pouco mais de dois meses para a franquia encontrar a certeza que está diante de seu futuro.

Controlando as ações

Joe Banner, com passagens em cargos gerenciais em franquias como Eagles, Browns e Falcons, afirmou recentemente ao Washington Post que nunca viu um atleta com tanto controle sobre as negociações e seu futuro quanto Kirk: ele simplesmente não precisa assinar com o Redskins por menos que um contrato enorme que o fará, ao menos durante próximo verão, o quarterback mais bem pago da NFL.

É uma alteração significativa em todo o sistema econômico de uma liga multimilionária: Kirk Cousins será o FA mais cobiçado desde Peyton Manning em 2012. Sim, você leu isso. O “porém” é que, além disso, o contexto em que Cousins está inserido é melhor que o de Manning há cinco anos: ele estará completando 30 anos, o que o fará assinar o maior contrato da história ou obrigará o Redskins a usar a franchise tag novamente, dessa vez por algo em torno de US$34 milhões (!).

Os reflexos em toda a NFL serão diretos: considere que a média salarial de Aaron Rodgers é, hoje, algo em torno de US$22 milhões. Parece óbvio, então, que qualquer renovação com um nome de seu calibre seja pautada por um cenário em que ele receba ao menos US$ 30 milhões anuais – ao menos em um mundo onde Kirk está tendo seus vencimentos nesta faixa.

Ao Redskins, só há um cenário em que sua situação pode melhorar (pouco) diante de todo o contexto: os números de Kirk em campo diminuírem significativamente. Mesmo assim, Cousins seguirá no controle: ele sabe que a taxa de sucesso para quarterbacks selecionados na primeira rodada do Draft gira em torno de 50% – e talvez o próprio Washington ainda esteja curando as feridas da escolha gasta com o RGIII (descanse em paz). E caso a franquia deixe Kirk escapar, precisará mergulhar na free agency, um território em que eles sabem que nunca encontrarão alguém como Kirk; o mesmo território em que Mike Glennon conseguiu encontrar alguém para depositar US$ 16 milhões em sua conta bancária (#dabears).

Kirk terá ainda muitos pretendentes; se o 49ers, agora comandado por seu antigo coordenador, Kyle Shanahan, parece o favorito e o cenário ideal (não mais pois Cousins perdeu a disputa para um QB mais bonito), é preciso considerar que há muitas equipes além de San Francisco com espaço disponível para pagar o que Cousins pretende receber; o Jets, por exemplo, terá mais de US$56 milhões livres em seu salary cap.

You Like That?

Claro, alguns QBs poderiam conseguir um bom nível de sucesso em Washington, mas não há garantia alguma de que deixar Kirk partir traria um deles para o Redskins. E, independente da forma como esta temporada termine – parece difícil chegar aos playoffs em um cenário em que o Eagles mantenha o nível e já com duas derrotas para o rival direto – a decisão de Washington para o próximo ano se resumirá a o quão confiante a franquia está em seu sistema ofensivo, e se ele por si só é capaz de transformar qualquer quarterback em um atleta que funcione dentro da estrutura já existente.

Por ora, Cousins pode pensar em pedir o quanto quiser, mas sua melhor arma para conseguir o maior contrato da história é continuar mostrando que pode transformar o ataque aéreo de Washington em um dos mais eficientes da NFL – em uma liga em que Joe Flacco está recebendo US$25 milhões para lançar passes de 3 jardas, talvez a melhor alternativa seja dar a Kirk o valor que ele realmente merece – ou que o mercado diz que ele merece. 

Show me the money!

Tags: , ,

COMPARTILHE