Arquivo da categoria : You like that

Análise Tática #17 – A “defesa” de Dom Capers

O conceito de novidade é definido, pelo dicionário, como algo novo. Também pode significar inovação. Em termos técnicos, de direitos autorais, novidade é requisito para a existência de um invento e, como consequência, direito de propriedade.

Mesmo as melhores invenções sucumbem ao Pai Tempo, e as pessoas precisam se atualizar para continuarem desempenhando de forma excelente seus trabalhos (eu mesmo leio semanalmente uma porção de textos do Inside The Pylon para produzir essas análises). Isso não é diferente para os técnicos da NFL, ainda mais em um ambiente que trata o esporte como ciência e produz horas de vídeos para descobrir as tendências dos adversários.

Ernest Dominic “Dom” Capers é um técnico da NFL desde 1984, e com uma carreira toda voltada para defesas, assumiu a função de coordenador defensivo do Green Bay Packers em 2009. Vindo da coaching tree de Marty Schottenheimer, também passou pelo staff de Bill Cowher e Dick Lebeau nos Steelers. Esse último, o leitor provavelmente deve conhecer como o criador do conceito defensivo de zone blitz. Ao assumir a posição de DC, Capers passou a implantar o que aprendeu desse esquema. Tal sistema foi desenvolvido para ser eficiente contra ataques de rotas curtas e que dependiam muito do timing entre recebedor e QB, como a West Coast Offense.

Segundo o Pro Football Reference, a defesa dos Packers sob o comando de Capers foi ranqueada no top-10 em jardas ou em pontos cedidos em apenas 2009 e 2010, nos primeiros dois anos de sua gestão, o que culminou com a conquista do Super Bowl XLV. Em 2011, temporada que os Packers tiveram a melhor campanha da NFL, a defesa foi a pior ranqueada em jardas cedidas. Em 2016, a unidade esteve em 21º em pontos e 22º em jardas. Evidentemente, existem estatísticas avançadas e métricas melhores para avaliar do que os parâmetros supracitados.

Utilizando a fonte do Football Outsiders, um dos melhores sites que cobrem a NFL em termos de estatísticas avançadas, o desempenho da defesa dos Packers teve uma clara queda. O sistema DVOA resumidamente analisa o desempenho de uma unidade em relação à média dos adversários da NFL. Para defesas, a porcentagem negativa é melhor pois significa menor pontuação cedida. A variância representa a consistência da defesa ao longo da temporada. Evidentemente, lesões de jogadores podem influir nessas estatísticas.

Temporada DVOA Variância Ranking
2009 -18% 11% 2
2010 -13,90% 3,70% 2
2011 8,60% 3% 25
2012 -7% 2,90% 8
2013 14,40% 4,00% 31
2014 -1% 7,40% 16
2015 -7,30% 5% 9
2016 3% 6,10% 20
Fonte: Football Outsiders

Após essa breve divagação sobre estatística do esporte, voltando aos aspectos táticos, a defesa dos Packers se baseia em um front de 3-4 com conceitos de zone blitz. Evidentemente, com a maior tendência dos ataques em prol do passe, a mesma começa a jogar em um 3-3-5 em formação nickel. O conceito de zone blitz tem por objetivo confundir a capacidade de detecção do quarterback em relação à pressão extra do pass-rush. Isso ocorre, por que nesse tipo de front, há rushers que jogam em posição de 3 apoios (mão na grama) ou dois apoios (em pé).

A blitz consiste em mandar mais que quatro homens em direção ao QB, entretanto, o esquema de Dom Capers realiza isso sem ficar totalmente desprotegido contra o passe (ou pelo menos no campo das ideias), tanto que esse sistema derivado do original de Dick LeBeau é costumeiramente chamado de Fire Zone Blitz na literatura especializada. Geralmente, um dos rushers que mostram a blitz recua em zona para cobrir o passe, o que combinado com o uso de stunts (jogadores de linha defensiva se cruzando para confundir os bloqueios), dificulta o diagnóstico de pressão pelo quarterback.

Com jogadores alinhados em posturas direrentes, uma fire zone blitz de 3-4 pode combinar os mais diversos tipos de pressão, desde o comum ataque dos OLBs, até o uso de CBs e safeties em situações de pressão com delay. Os jogadores do front precisam ser dedicados ao gap da jogada, e o jogador que recua precisa executar essa função no tempo correto. Normalmente, a divisão de tarefas da defesa é de 5 jogadores dedicados à pressão, 3 cobrindo as primeiras 10 jardas após a linha de scrimmage e 3 cobrindo o fundo do campo, esses últimos em zona.

A grande desvantagem desse esquema, é o constante uso de pick plays pelos ataques. Esse tipo de jogada é o uso legal de bloqueios dentro do limite de 5 jardas, evitando que jogadores de cobertura de passe se posicionem corretamente, geralmente aplicado em situações de poucas jardas, como na red zone, por exemplo. Como a zone blitz tem por objetivo mostrar uma hot-read para o quarterback inicialmente e rotacionar a defesa em torno dessa leitura, tirando o passe curto. Com isso, o QB pode induzir os adversários a cobrir uma rota de armadilha, carregando a defesa para um lado do campo com os olhos (lembre-se, a secundária está em zona), e então atacar outro ponto do campo livre com o passe rápido.

Na imagem acima, observa-se dois esquemas de pressão baseados em fire zone blitz. No esquema à esquerda, a zona rotaciona no sentido do strongside, enquanto o LOLB recua. Para a jogada à direita, a rotação é no sentido anti-horário, enquanto a blitz vem do FS. Agora, vamos observar isso no vídeo da jogada, o espaço amostral utilizado será o jogo da semana contra o Chicago Bears. Aqui, há dois agravantes: o ângulo lateral de All-22 do Soldier Field é uma piada de mal gosto. John Fox também é uma piada de mau gosto como técnico.

Isso aqui é uma SACANAGEM, caro leitor.

Observando as estatísticas do jogo, a defesa dos Packers cedeu 21 passes completos de 35 tentados, sendo 5 sacks para perda de 29 jardas. Foram 268 jardas aéreas, sendo 6.7 por tentativa de passe. No jogo corrido, foram 55 jardas de 17 corridas, explicado pelo fato de que os Bears sempre estiveram atrás do placar na partida, o que força situações de passe. Além disso a defesa dos Packers não cedeu nenhuma possibilidade de ataque dentro da redzone, e o único touchdown cedido na partida pelos Packers foi já no último quarto (passe de 46 jardas para Josh Bellamy – o famoso QUEM).

Nessa jogada, observa-se que o Packers apresenta um esquema de blitz a partir da formação nickel em que o guerreiro #27 ataca o right guard. Dentro do esquema de fire zone blitz, esse é o design mais simples pois não há o disfarce. Clay Matthews é o mais próximo de conseguir o sack pois vence seu bloqueio através de um stunt em direção ao B-gap (espaço entre o LT e o LG). Em contrapartida, um 3-step dropback de Mitchell Trubisky e um passe no flat para Tarik Cohen dá um ganho de 10 jardas para os Bears.

Observe nesta jogada de sack em terceira descida, que a secundária dos Packers mostra uma forma de cobertura single-high pré-snap. Observe que a secundária desliza no sentido-horário, formando uma cover-2-zone, já que os cornerbacks estão em zona (repare nos quadris voltados ao QB).

O ataque dos Bears tenta atacar essa cobertura com um conceito z-spot. Porém, em uma blitz de 6 homens, a linha ofensiva não é capaz de dar o tempo necessário a Mitch Trubisky executar o passe.

Um gif para analisar o desenvolvimento das rotas:

Agora analisando o front dos Packers, observe que de todos os sete jogadores que mostram a blitz, apenas Clay Matthews e Blake Martinez recuam em zona. Para aumentar o grau de confusão do QB e da OL em detectar os homens que irão para a pressão, Martinez sai em motion do edge para o box, enquanto Matthews se posiciona em frente ao right guard.

O nickel corner também vai para a blitz, executando stunts em conjunto com o ROLB. A linha ofensiva dos Bears não sabe quem bloquear, resultando em um sack na terceira descida.

 

  • Diego Vieira torce para o Vasco e para o Indianapolis Colts. É.

Kirk Cousins: você gosta disso, Redskins?

Antes de entrarmos nessa discussão é preciso ter consciência de que salários de quarterbacks raramente fazem sentido, sobretudo porque a própria realidade da NFL raramente permite que eles sejam pautados pela lógica. Lembre-se: Jay Cutler recebeu mais dinheiro garantido na assinatura de sua renovação com o Bears do que contrato vigente de Aaron Rodgers. Mais que os mesmos aproximados US$ 30 milhões que estão pingando na conta de nomes como Matt Ryan, atual MVP, e Alex Smith, futuro MVP. Não podemos esquecer também que Brock Osweiler já fez muito, muito dinheiro.

O fato é que, muitas vezes, os melhores quarterbacks são ridiculamente mal pagos em comparação com jogadores abaixo da linha de mediocridade, mas que calharam estar no lugar certo, na hora certa. Um jogador, porém, pode alterar novamente a perspectiva dessa mercado: Kirk Cousins. Talvez não esteja exatamente no lugar certo, mas seu contrato, mais uma vez, acabará na melhor hora – ao menos para ele.

Cousins é um Teste de Rorschach (“o que você vê neste borrão, caro amigo?”) em forma de quarterback: ainda há um debate constante sobre o quão bom ele realmente é. Claro, você pode enxergá-lo da forma que lhe convir, mas sua opinião final revelará muito mais sobre como você enxerga o football e a NFL atual, do que sobre o talento do QB do Redskins. Kirk é um quarterback capaz de vencer na pós-temporada? Ou é um mero produto de estatísticas que apenas evidenciam que passar para mais de 4 mil jardas já não é algo mais tão extraordinário?

Afinal, lembre-se: Andy Dalton tem mais temporada de 4 mil jardas do que John Elway e Joe Montana somados – hoje, qualquer QB com o mínimo de coordenação motora é capaz de esticar o campo e produzir números capazes de impressionar.

Um bom malandro, conquistador…

Oferta e demanda

O preço a se pagar por um bom quarterback aumentou consideravelmente conforme a importância de um bom quarterback dentro de campo também cresceu (menos em Jacksonville, mas lá a coisa é meio louca mesmo). E se antes a posição já era considerada de forma quase unânime a mais importante entre todos os esportes, em algum momento ela se tornou ainda mais importante.

E antes de Matthew Stafford, nesta última offseason, Derek Carr já havia quebrado o recorde de maior contrato da NFL – que Andrew Luck, indiscutivelmente mais talentoso que ambos, quebrara em sua renovação mais recente.

Contexto é fundamental para um QB conseguir um contrato de seis dígitos e, goste você ou não, Cousins atingiu o topo da lei de oferta e procura nas duas vertentes do mercado: mesmo que não seja um cenário dos sonhos, Kirk é bom o suficiente para qualquer boa equipe. Do outro lado da moeda, para franquias que insistem em maltratar nossos olhos, ele alcançou o melhor status possível: simplesmente está disponível.

Um sonho de verão na capital

Mesmo que o futuro de Kirk tenha sido debatido a exaustão durante a última offseason, todos sabíamos que ele não acabaria em lugar algum além de Washington: os US$ 24 milhões de sua franchise tag soaram como decisão óbvia em um liga onde Mike Glennon é considerado um free agent de US$ 15 milhões e, bem, não vamos lembrar quanto o Houston Texans “investiu” em Brock Osweiler.

Lógico, fãs de football, sobretudo do Washington Redskins, podem considerar o valor exorbitante, mas jogadores como Kirk são caros porque se provaram extremamente confiáveis – e quase nunca estão disponíveis. O próprio Redskins, por exemplo, não escalava o mesmo quarterback por quatro temporadas desde 1993. Quem quebrou esse cenário de incertezas? Kirk, titular indiscutível desde as últimas seis partidas da temporada de 2014.

Também é compreensível demonstrar certo receio em distribuir valores entre US$22 e US$27 milhões ao longo de cinco temporadas – a receita básica e usual para destruir um salary cap – se você não tem a absoluta certeza de estar diante de um quarterback cujo a habilidade é capaz de preencher grande parte das falhas em um elenco com seu talento.

Mas após dois anos de ótimas atuações, Kirk tem mostrado esse talento, sobretudo em um Washington Redskins já plenamente moldado ao seu estilo de jogo – agora restam pouco mais de dois meses para a franquia encontrar a certeza que está diante de seu futuro.

Controlando as ações

Joe Banner, com passagens em cargos gerenciais em franquias como Eagles, Browns e Falcons, afirmou recentemente ao Washington Post que nunca viu um atleta com tanto controle sobre as negociações e seu futuro quanto Kirk: ele simplesmente não precisa assinar com o Redskins por menos que um contrato enorme que o fará, ao menos durante próximo verão, o quarterback mais bem pago da NFL.

É uma alteração significativa em todo o sistema econômico de uma liga multimilionária: Kirk Cousins será o FA mais cobiçado desde Peyton Manning em 2012. Sim, você leu isso. O “porém” é que, além disso, o contexto em que Cousins está inserido é melhor que o de Manning há cinco anos: ele estará completando 30 anos, o que o fará assinar o maior contrato da história ou obrigará o Redskins a usar a franchise tag novamente, dessa vez por algo em torno de US$34 milhões (!).

Os reflexos em toda a NFL serão diretos: considere que a média salarial de Aaron Rodgers é, hoje, algo em torno de US$22 milhões. Parece óbvio, então, que qualquer renovação com um nome de seu calibre seja pautada por um cenário em que ele receba ao menos US$ 30 milhões anuais – ao menos em um mundo onde Kirk está tendo seus vencimentos nesta faixa.

Ao Redskins, só há um cenário em que sua situação pode melhorar (pouco) diante de todo o contexto: os números de Kirk em campo diminuírem significativamente. Mesmo assim, Cousins seguirá no controle: ele sabe que a taxa de sucesso para quarterbacks selecionados na primeira rodada do Draft gira em torno de 50% – e talvez o próprio Washington ainda esteja curando as feridas da escolha gasta com o RGIII (descanse em paz). E caso a franquia deixe Kirk escapar, precisará mergulhar na free agency, um território em que eles sabem que nunca encontrarão alguém como Kirk; o mesmo território em que Mike Glennon conseguiu encontrar alguém para depositar US$ 16 milhões em sua conta bancária (#dabears).

Kirk terá ainda muitos pretendentes; se o 49ers, agora comandado por seu antigo coordenador, Kyle Shanahan, parece o favorito e o cenário ideal (não mais pois Cousins perdeu a disputa para um QB mais bonito), é preciso considerar que há muitas equipes além de San Francisco com espaço disponível para pagar o que Cousins pretende receber; o Jets, por exemplo, terá mais de US$56 milhões livres em seu salary cap.

You Like That?

Claro, alguns QBs poderiam conseguir um bom nível de sucesso em Washington, mas não há garantia alguma de que deixar Kirk partir traria um deles para o Redskins. E, independente da forma como esta temporada termine – parece difícil chegar aos playoffs em um cenário em que o Eagles mantenha o nível e já com duas derrotas para o rival direto – a decisão de Washington para o próximo ano se resumirá a o quão confiante a franquia está em seu sistema ofensivo, e se ele por si só é capaz de transformar qualquer quarterback em um atleta que funcione dentro da estrutura já existente.

Por ora, Cousins pode pensar em pedir o quanto quiser, mas sua melhor arma para conseguir o maior contrato da história é continuar mostrando que pode transformar o ataque aéreo de Washington em um dos mais eficientes da NFL – em uma liga em que Joe Flacco está recebendo US$25 milhões para lançar passes de 3 jardas, talvez a melhor alternativa seja dar a Kirk o valor que ele realmente merece – ou que o mercado diz que ele merece. 

Show me the money!

Jared Goff estrelando “O verdadeiro bust era Jeff Fisher”

O que faz um bom jogador? Talvez essa seja a pergunta mais difícil de se responder no futebol americano – e se soubéssemos a resposta já estaríamos ricos. Anualmente, milhares de jovens deixam suas faculdades para entrar na NFL, onde as franquias procuram filtrar esses atletas para selecionar os melhores. Mas como isso é feito? Algumas equipes apostam no atleticismo, outras apostam no conhecimento de jogo, outras no potencial e algumas tentam aliar as três características.

E, anualmente, percebemos que não sabemos qual desses atributos é o mais importante ao avaliar quem será a próxima estrela da liga. Tom Brady teve testes ridículos no Combine e seu talento não era visto por ninguém como algo transcendental. Mas o que permitiu a Brady atingir o (enorme) sucesso que ele alcançou?

Primeiramente, seu próprio mérito, principalmente o comprometimento com o jogo e como ele se prepara para ele. Além, claro do seu talento, temos que avaliar o contexto: quando estreou na liga, Tom não precisou carregar um bando de imbecis – o bando de imbecis não era um bando de imbecis, mas jogadores que ajudaram a tirar a pressão e o peso de seus ombros. Além disso, Brady contou uma comissão técnica extremamente eficiente e que permitiu a ele jogar de acordo com suas capacidades.

Nosso último texto também discutiu essa questão, ao abordar o caso de Alex Smith: até que ponto o ambiente em torno de um jovem prospecto influencia seu jogo? Mais uma vez, não sabemos a resposta exata para essa pergunta, mas uma coisa podemos ter certeza: é melhor ser treinado por Andy Reid e Jim Harbaugh do que por seja lá quem treinou Alex no início de sua carreira. Ou por Jeff Fisher.

Como tentar estragar a carreira de um jovem e ainda gastar múltiplas escolhas do draft no processo

Quando foi selecionado com a primeira escolha geral do draft em 2016, Jared Goff se encaixava na categoria do “jogador com potencial”. Sabia-se que ele era “cru”, muito em função do esquema em que estava inserido na faculdade. Jared talvez precisasse até mesmo não jogar em sua temporada de calouro, primeiro porque ele não tinha a capacidade de fazê-lo, segundo porque um ano ruim pode desgraçar a cabeça de alguém para sempre – e aí já era.

Os Rams sabiam de tudo isso quando escolheram Goff, mas o que talvez a franquia não sabia (nós sabíamos, você sabia, o mundo sabia) era que Jeff Fisher é um péssimo técnico. Além disso, na comissão comandada por Fisher, não havia nenhuma mente ofensiva brilhante capaz de ajudar a desenvolver o talento de seu quarterback: Rob Boras, o coordenador ofensivo, é hoje técnico de Tight Ends no Buffalo Bills. Chris Weinke, o técnico de QBs, é hoje “analista ofensivo” em Alabama (seja lá o que isso queira dizer).

Los Angeles até começou fiel ao plano de manter Jared no banco ao início da temporada, mas as atuações errantes de Case Keenum (mais um nome que compõe a lista de pessoas-que-você-não-quer-ensinando-o-seu-franchise QB) fizeram com que Goff assumisse a posição de titular. Vamos poupar sua visão dos números, mas acredite, eles são horríveis – coloque no Google estando ciente dos riscos.

Novos amigos

O tempo passou, Jeff Fisher (sdds) foi demitido e os Rams iniciaram o processo de consertar as merdas feitas. Abordamos elas aqui (spoiler: são muitas). A franquia sabia que poderia resolver todos seus problemas, mas de nada adiantaria se Jared Goff continuasse sendo um QB abaixo da linha da crítica (em linguagem popular: ruim para caralho). Para isso, o foco na contratação do novo treinador era apenas um: encontrar alguém que fosse capaz de fazer Jared jogar bola como gente.

Sean McVay foi o escolhido e teve a liberdade de remontar o ataque da forma como entendia (e ele entende para caralho). No draft (nós criticamos, é verdade) as escolhas de Cooper Kupp e Gerald Everett deram a Goff duas armas confiáveis: um TE  atlético e um slot receiver confiável (até certo ponto). Na free agency, o LT Andrew Whitworth foi contratado para melhorar uma linha ofensiva que era qualquer coisa, menos confiável.

“Aquilo ali é um hater?”

Esses movimentos têm se mostrado acertados: Kupp tem 19 recepções, 265 jardas e 2 TDs; Everett não tem números brilhantes, mas já foram três jogadas para mais de 20 e uma para mais de 40 jardas – em 2016 os Rams simplesmente não tinham peças explosivas como ele na posição. Já Whitworth tem sido sólido como era esperado, e se não sabemos como ele estará nos próximos anos em função da sua idade, pelo menos agora ele tem proporcionado mais segurança do que alguém como Greg Robinson (hahahahaha) um dia proporcionou.

Adicione a isso duas novas dimensões: Todd Gurley voltou a correr como gente e Sammy Watkins é uma ameaça perigosa. Gurley deixou o péssimo ano de 2016 para trás, e tem sido uma arma confiável tanto recebendo passes como correndo com a bola. Assim, o ataque fica mais balanceado e a ameaça de um jogo terrestre eficiente abre espaços para os Rams lançarem passes. Sammy Watkins ainda não teve uma atuação astronômica, mas seu talento e ameaça em profundidade abrem novas dimensões para o jogo de Los Angeles. Além disso, quantos jogadores na liga fazem jogadas como essa?

Os tempos de “dar um jeito de colocar a bola nas mãos de Tavon Austin” ser a principal jogada da equipe acabaram. Hoje, Austin é só mais um role player que, devido ao seu salário, mais um grande legado de Jeff Fisher, não deve durar muito tempo em Los Angeles.

Você é com quem você anda

Criada toda uma estrutura em seu entorno, Goff finalmente recebeu a oportunidade de brilhar: sua primeira partida no ano, um duelo contra os Colts de Scott Tolzien, serviu para dar confiança na temporada que começava; sua defesa jogou bem, marcou pontos e, contra a fragilizada secundária de Indianapolis, Jared lançou mais de trezentas jardas pela primeira vez na carreira.

Na semana seguinte, vimos que ainda havia muito a ser feito: os números pioraram, e uma interceptação no final do jogo custou aos Rams a chance de vencer o jogo. Repare como a jogada foi juvenil: Goff olha para o seu recebedor desde o momento que recebe o snap. O LB, percebendo isso, consegue interceptar o passe.

Em seguida, duas vitórias maiúsculas: contra os 49ers, em que Goff lançou 3 TDs e completou mais de 78% de seus passes naquele que foi o primeiro jogo de horário nobre da sua carreira: o país todo viu que ele não era mais a desgraça em forma de QB. A segunda vitória, em Dallas, mostrou para todos que Goff, mesmo com números razoáveis, não ia estragar tudo: os Rams merecem ser levados a sério.

O duelo contra Seattle foi duro. Jared completou menos da metade de seus passes e lançou duas interceptações, mas, incrivelmente, o saldo final foi positivo. Contra uma das melhores defesas da liga, Goff levou seu time até o campo de ataque no final do jogo e, se não fosse pelo drop de Cooper Kupp, os Rams teriam vencido a partida. Repare uma evolução em relação ao último drive que Goff teve para tentar vencer o jogo. Veja esse belo passe:


Agora, com o auxílio do All 22, perceba que Goff olhou para o outro lado o tempo todo e assim conseguiu tirar Earl Thomas da jogada.

O mesmo aconteceu no já citado drop de Kupp, e o próprio Thomas reconheceu isso.

Somos amadores e mesmo assim temos uma chance 74% maior de perceber esses detalhes do jogo que Jeff Fisher.

Afinal, quem é Jared Goff?

Goff não é o bust que seu primeiro ano indicava, disso podemos ter certeza: afinal, ser ruim daquele jeito constantemente talvez seja humanamente impossível (até Blake Bortles já conseguiu enganar). Mesmo assim, ainda não sabemos quem ele será. Talvez não se torne um Aaron Rodgers – aquele tipo de QB que transforma qualquer grupo de palermas ao seu redor em bons jogadores; mas o início da atual temporada indica que Jared pode ser capaz de levar longe um grupo bem treinado e recheado de boas peças – veja o quanto vale um Kirk Cousins, por exemplo.

É apenas sua segunda temporada, que poderíamos estar chamando de primeira. Jared ainda tem muito que jogar, evoluir e aprender. Afinal, agora, como você definiria o estilo de jogo dele? Ainda é cedo pra dizer. O que sabemos é que hoje Goff está em posição de mostrar suas habilidades: não precisando mais se preocupar com seu entorno, ele depende só de si para ser a cara do Los Angeles Rams por muitos anos.

Mais do que tudo, o exemplo de Goff nos mostra como é difícil avaliar um jogador em um esporte tão coletivo como a NFL. Se mesmo com carreiras longas não sabemos o que pensar de alguns jogadores (oi de novo, Alex Smith!), tirar uma conclusão sobre alguém em 13 jogos é mais que precipitado: é burrice.

Um final feliz.

OBS: Acontece que ser burro é muito mais fácil que esperar para tirar conclusões. É o que fazemos aqui no Pick Six e por isso falamos tanta bobagem.

Alex Smith como você nunca viu

Um dos maiores erros cometidos quando falamos de draft – e dos jogadores nele selecionados – é acreditar que se trata de uma ciência linear. Nós achamos que os resultados são sempre constantes em função do jogador selecionado, e tudo que muda é o time que escolheu uma pessoa ao invés da outra.

O melhor exemplo recente disso é Dak Prescott, selecionado pelo Cowboys na quarta rodada e que se tornou um dos melhores jovens QBs da NFL. Muitos analistas começaram a apontar o grande erro de estratégia dos outros times da NFL em não selecionar um jovem franchise QB em Prescott quando tiveram a chance, esquecendo que o próprio Cowboys passou Dak três vezes e só selecionou o camisa 4 depois de não conseguir DUAS opções que preferiam a ele, Paxton Lynch e Connor Cook (cuzão).

Mas o mais importante as pessoas estão esquecendo: caso Dak Prescott não fosse para Dallas, existe uma chance bastante considerável de que ele nunca teria tido o 2017 que teve, e não teria se tornado o QB que aparenta ser hoje. Ambiente, complementos e desenvolvimento contam muito para a evolução de qualquer jogador, e Dak pode passar seu ano de calouro jogando atrás da melhor linha ofensiva da NFL, complementado por um devastador ataque terrestre que tirava a atenção da defesa de suas costas.

Pense nisso: se Prescott tivesse acabado em um time como o Browns, passado o ano todo tendo que se preocupar em fugir da pressão atrás de uma linha ofensiva ruim, precisando lançar bolas demais por jogar atrás no placar, e sem um jogo terrestre dominante, podem ter certeza que Prescott não teria se desenvolvido tão bem e hoje não seria visto como metade do jogador que é em Dallas. Contexto importa, desenvolvimento importa ainda mais, e esquecemos disso com uma frequência impressionante.

Comparação

Na história recente da NFL talvez não exista um melhor exemplo disso do que Alex Smith. Primeira escolha no draft de 2005 – 23 escolhas antes de Aaron Rodgers – Smith durante muito tempo foi considerado um dos grandes busts da história da NFL.

As estatísticas ajudavam a ratificar essa impressão; entre 2005 e 2010, Alex Smith jogou 54 jogos e completou apenas 57.1% dos seus passes, com 51 TDs, 53 INT, 6.2 Y/A, 5,3 AY/A e um rating de 72.1. Com Aaron Rodgers assumindo a titularidade e se tornando uma superestrela em Green Bay, a narrativa cada vez mais forte era de que o 49ers tinha feito a escolha errada.

Mas embora seja muito provável que San Francisco realmente tenha feito a escolha errada, assumir que o resultado teria sido o mesmo (mas trocado) para os jogadores e times envolvidos é ignorar os trajetos totalmente opostos que Smith e Rodgers enfrentaram na NFL. Smith, quando chegou a San Francisco como escolha #1, enfrentou a pior situação possível para o desenvolvimento de um jovem QB: colocado logo de cara no fogo, atrás de uma horrível linha ofensiva e sem alvos para ajudá-lo, Alex passou seus primeiros anos correndo pela vida, incapaz de desenvolver as habilidades certas por estar sempre precisando jogar atrás no placar e fugir da defesa adversária.

Além disso, em seus primeiros sete anos de NFL, Alex Smith teve seis técnicos e sete coordenadores ofensivos diferentes, um constante fluxo de mudanças que impediam que o jovem QB aprendesse e desenvolvesse um playbook consistente, e cada troca vinha com novas adaptações, novas mudanças, e novas jogadas. Adicione a isso lesões no ombro – geradas e agravadas pelas repetidas pancadas sofridas atrás dessa fraca linha ofensiva – e a verdade é que Alex Smith nunca recebeu em seus anos formadores a condição de se desenvolver e ter sucesso como QB titular de NFL.

Do outro lado, Rodgers teve a melhor situação possível. Ficou três anos aprendendo com a tutela de um QB Hall of Famer (Brett Favre), sem nenhuma pressão ou desespero. Seu técnico, seu playbook, seu estilo de jogo – tudo permaneceu constante desde que chegou à NFL, o que ajudou demais seu desenvolvimento. Quando Rodgers enfim se tornou titular em 2008, estava muito mais maduro e pronto, conhecedor de um playbook estável, em um bom time. A chance de alguém se desenvolver assim era muito maior.

Então sim, é possível que Rodgers desde o começo simplesmente fosse melhor que Smith e merecedor da escolha #1. Mas a verdade é que, se você trocasse Smith e Rodgers na noite do draft, a carreira de ambos teria sido totalmente diferente. Smith nunca teria lidado com tantos problemas e teria se desenvolvido melhor, e Rodgers nunca – repetindo: NUNCA – teria se tornado o QB que é hoje se tivesse começado sua carreira na horrível situação que lhe seria proporcionada pelo 49ers, desenvolvendo maus hábitos e com aprendizado interrompido por constantes mudanças e uma péssima infraestrutura.

A sorte bate a porta

A sorte – e a narrativa sobre a carreira – de Smith mudou em 2011, com a chegada de Jim Harbaugh. Pela primeira vez Smith tinha não apenas um bom técnico e ótimo mentor de QBs para guiá-lo, como também não precisava ser ou se desenvolver em alguém que não era. Harbaugh desenhou todo o playbook do 49ers não em torno de algo que Smith deveria ser, mas do que ele tinha de melhor: a inteligência, paciência, precisão nos passes e boa leitura de jogo.

Agora, atrás de uma boa linha ofensiva e um poderoso jogo terrestre, e complementado pela melhor defesa da NFL, Smith não precisava fazer passes difíceis ou soltar grandes bombas para vencer. O 49ers precisava que ele tomasse conta da bola, trabalhasse o play action, tomasse boas decisões e fosse um complemento, uma peça a mais em um time completo e muito bem montado.

Em 2011, Smith teve seu melhor ano na carreira até então, completando 61.7% dos passe para 17 TDs e 5 INTs, 7.1 jardas por passe (Y/A) e 7.3 jardas ajustadas por passe (AY/A). Com Smith no comando, o 49ers chegou até as Finais da NFC e só não foi ao Super Bowl por conta de dois fumbles em retornos de punt (a atuação de Smith contra o Saints nos playoffs ainda é uma das mais impressionantes da história recente da NFL).

No ano seguinte, porém, Smith acabou indo para o banco depois de uma lesão em favor do maior potencial de Colin Kaepernick, mas novamente vinha tendo um grande ano: 70.2%, 13 TDs, 5 INTs, 8,0 Y/A, 8.1 AY/A. Ao todo, Alex Smith jogou 26 jogos completos sob Jim Harbaugh, e o 49ers venceu 20 deles.

Mas apesar do sucesso individual e coletivo sob Harbaugh, Smith ainda continuava preso aos rótulos. Se agora não era mais o rótulo de bust, o fracasso no draft, agora era um novo: “Game manager”. A ideia era de que Smith tinha sucesso por ser alguém que apenas “gerenciava” o jogo, alguém que só era capaz de evitar erros, dar a bola para o running back, e confiar na defesa – ele não perdia jogos, mas não ganhava, então só teria sucesso em um time que pudesse ganhar jogos por ele. E, apesar de performances como seu lendário jogo contra o Saints em 2011, por exemplo, começou a se espalhar a ideia de que ser um QB sólido, consistente, que fazia as coisas para ajudar seu time a ganhar, mas não lançava para 300 jardas e 3 TDs, não era uma coisa BOA – o que é bastante idiota.

Talvez fosse verdade de que Alex Smith não seria capaz de carregar nas costas rumo ao sucesso um elenco medíocre como, por exemplo, o do Colts, mas até quantos QBs na NFL seriam? Cinco? Ser um QB capaz de levar um bom time longe era bastante valioso por si só, mas a narrativa fez parecer uma coisa ruim, com se Alex fosse incapaz de fazer mais.

Nas seis temporadas desde a chegada de Harbaugh (duas em SF e quatro em Kansas City), Smith jogou 85 jogos na temporada regular como titular, seu time venceu 60 delas e foi cinco vezes aos playoffs (incluindo 2012). E, de alguma forma, a narrativa fazia crer que Smith ainda não era um QB bom o suficiente para ser um titular de um time que aspirasse a mais na NFL.

Trabalhando dentro do limites

As críticas a Smith se baseavam no seu estilo de jogo. Suas forças indiscutivelmente estavam nos passes curtos, na precisão, no controle de jogo e na inteligência, e muito de seus playbooks foram montados em torno dessas características, de forma a minimizar as jogadas de alto risco e focar em eficiência e ganhos curtos. Dadas as forças e fraquezas de Smith, era uma forma inteligente de montar seu ataque, mas não significava que o camisa 11 não era capaz de fazer nada mais.

E, no entanto, foi assim que a narrativa se desenvolveu, ao ponto de que seu próprio time – que foi aos playoffs três vezes na divisão mais competitiva da NFL com Smith – foi atrás de um substituto no draft, trocando múltiplas escolhas para selecionar Pat Mahomes, um quarterback bastante cru, mas com um braço extremamente forte. Ou seja, exatamente o oposto de Smith. O tempo de Alex Smith em Kansas City parecia contado, e os pedidos para que Mahomes fosse titular aumentavam a cada dia, dizendo que era a única chance do Chiefs de subir de patamar ofensivamente.

O verdadeiro MVP

Tudo que Smith fez desde então foi devorar planetas e chutar bundas. Em cinco semanas de NFL, Alex Smith tem sido talvez o melhor jogador da liga. Seus números parecem coisa de videogame: 76.6% de aproveitamento, 11 touchdowns, 0 interceptações, 8.8 jardas por passe, 10.2 jardas ajustadas por passe, 125.8 de rating, 68.1 QBR – tirando touchdowns (onde Smith era #3 depois da Semana 5) e QBR (#4), todas essas marcas lideram a NFL com MUITA folga.

Após cinco rodadas, Smith e o Chiefs tem a melhor campanha da NFL a 5-0, e tem o melhor time, melhor ataque, e o melhor ataque aéreo da NFL (em DVOA), tendo vencido no processo os times #2 (Washington), #5 (Eagles) e #6 (Houston) da NFL em DVOA (além de New England, atualmente #22). Sob qualquer medida possível, é um dos inícios individuais e coletivos mais dominantes da história da NFL, e embora seja precoce falar isso, Smith parece hoje um dos favoritos ao prêmio de MVP da liga, enquanto Kansas City vai se consolidando como o time a ser batido de 2017. Os pedidos por Pat Mahomes parecem a cada dia mais distantes.

Como diabos isso está acontecendo

Mas o mais interessante não é só que Smith tem jogado em nível MVP, mas sim como isso está acontecendo. Durante anos, a história contada sobre Alex Smith era de que seu braço era fraco demais para a NFL, um QB incapaz de fazer passes longos e que só conseguia ser eficiente, o que era de certa maneira um reflexo de seu estilo de jogo; de acordo com o site especializado Football Outsiders, até o começo da temporada 2016 Alex Smith era o quarterback cujos passes viajavam a menor distância em toda a NFL, com seus passes viajando 6.81, 5.97 e 6.87 jardas além da linha de scrimmage em média durante suas três primeiras temporadas no Chiefs (2013-2015). Em 2016, apenas 9,4% de seus passes (46) viajaram mais de 20 jardas no ar, segunda pior marca da NFL entre QBs qualificados, e completou apenas 32.6% deles para 521 jardas e 2 TDs contra 2 interceptações, um rating medíocre de 72.8.

Elite?

Em 2017, no entanto, a história tem sido outra. Nessas cinco rodadas, 12% (19) dos passes do camisa 11 tem sido de mais de 20 jardas, uma marca que teria sido #11 em 2016. Sua média de distância no ar por passe também subiu consideravelmente, para 7.7 em 2017, 18ª melhor marca da NFL (entre 33 QBs qualificados). Smith está lançando bolas longas e passes mais distantes com frequência maior do que em qualquer momento na carreira desde sua volta por cima em 2011, e seus resultados também tem sido melhores do que nunca: nesses passes Smith tem aproveitamento de 57.9% (#1 na NFL), com 440 jardas (#2 na NFL) e 3 TDs (#2 na NFL) contra 0 interceptações, que garantem um rating de 142.0 – a melhor marca de toda a liga.

Alguns desses passes foram jogadas fáceis, como o TD de Tyreek Hill contra o Patriots em uma falha de marcação, mas outros tem sido passes difíceis absolutamente perfeitos, como esse passe maravilhoso para Travis Kelce em rede nacional contra o Redskins, o TD de Hill contra o Chargers e a perfeita bomba para Hill na lateral contra o Texans – jogadas que mostram bastante habilidade e toque nos passes em profundidade.

Essa nova faceta do seu jogo tem um efeito bem maior do que somente as jogadas longas em si. Antes, era muito mais fácil para as defesas se aproximarem da linha de scrimmage – até como precaução contra o forte jogo terrestre do Chiefs – de forma a evitar os passes curtos, e desafiando Smith a vencer com passes longos que castigassem essa formação. Agora que as defesas precisam se preocupar com os passes longos, forçando os safeties a jogarem mais atrás e a defesa a respeitar a zona intermediária, abre-se demais o campo para o jogo terrestre e os passes curtos (ainda a especialidade de Smith), ainda mais em um time com muitas ameaças para conseguir jardas depois da recepção.

E me chamem de cínico, mas pessoalmente não acredito que um QB de 33 anos que até 8 meses atrás não tinha capacidade de lançar bolas longas de repente aprendeu a fazer isso da noite para o dia. Ainda que seja nítido que Smith melhorou o seu jogo em 2017, não é o tipo da coisa que você simplesmente absorve nessa altura da vida. O mais provável é algo que muitos defendiam faz algum tempo: ainda que não seja sua especialidade, Smith tem total capacidade de executar lançamentos mais longos e difíceis, e que se a falta dessa dinâmica no jogo do Chiefs estava limitando a franquia, a solução não era buscar um substituto, e sim dar mais condições e liberdade para Smith explorar essa parte do seu jogo.

E foi o que aconteceu em 2017: em parte porque o elenco de apoio (em especial o veloz Tyreek Hill e a ascensão contínua de Travis Kelce) agora está mais capacitado para esse tipo de jogada, talvez até mesmo pelo esquema tático já ter sido um pouco modificado pensando em Mahomes, mas o Chiefs finalmente começou a colocar Smith em situações favoráveis para esses passes, e com o sucesso e aumento de confiança do seu QB, começou até a usá-lo em situações não tão óbvias ou favoráveis, e em geral com bons resultados.

Até onde se pode chegar

Smith não se tornou Brett Favre da noite para o dia – sua principal força ainda é a inteligência e os passes curtos, e seus números de uso de bolas longas ainda é apenas médio da NFL. Nunca será sua maior força ou o foco do ataque de Kansas City. Mas Smith finalmente ganhou a oportunidade de explorar a totalidade das suas habilidades, e os resultados tem sido melhores do que até o mais otimista defensor de Smith (que devo ser o autor deste texto) se atrevia a sonhar, para ele e para o time.

A pergunta que fica então é o quanto esse nível de performance é sustentável. Smith não passará o ano todo sem interceptações – mesmo em seu melhor ano no quesito (2011) o camisa 11 ainda foi interceptado em 1.1% de seus passes, e isso fazendo passes muito menos complexos e arriscados do que os desse ano.

Me engulam.

Também é difícil acreditar que Smith manterá seus números em aproveitamento, jardas por passe e jardas por passe ajustadas, que atualmente se encontram em níveis que superam os que Tom Brady jamais conseguiu em qualquer ano da carreira. Times agora terão mais vídeos para estudar desse novo Alex Smith, e a novidade que são seus passes longos tende a perder alguma da efetividade com o tempo. Algumas big plays não conseguirão ser repetidas com tanta frequência, e seus números mais absurdos tendem a regredir para a média com o tempo.

Mas a questão mais importante é que sua performance não precisa se manter nesse nível. Claro, seria ótimo para o Chiefs que seu QB repentinamente se tornasse uma mistura de Tom Brady e John Elway, mas ninguém espera que isso aconteça. Mas se Smith já era um QB bom o bastante para levar o Chiefs aos playoffs ano após ano e seu maior problema era a falta de potencial do ataque devido ao seu estilo conservador, a verdade é que esse problema provavelmente não existe mais.

Smith não vai ser tão eficiente assim o ano todo nos passes longos, mas só dessa dimensão existir e estar sendo explorada – e Alex e o Chiefs estarem confortáveis com ela – já muda totalmente o quão bom Alex Smith é, e o quão bom ele e o ataque de Kansas City podem ser com ele no comando.

As estatísticas avançadas dizem que o Chiefs é com folga o melhor time da NFL (em DVOA, o time #2 da NFL – Washington – está mais perto do #10 – Bills – do que do #1 Chiefs), as estatísticas mais básicas (inclusive número de vitórias) concordam, e o teste visual corrobora essa informação. O teto desse time está mais alto do que jamais foi: ninguém está jogando melhor, e o Chiefs parece ter se estabelecido como um dos grandes favoritos ao título da temporada. Tudo graças a Alex Smith, uma frase que pareceria impossível sete anos atrás, mas que pode ser a consagração de uma das histórias de superação mais divertidas que a NFL viu em anos.

JJ Watt e Houston: football é maior fora de campo

Houston vem passando por uma série de catástrofes naturais: as chuvas e os eventos decorrentes do furacão Harvey deixaram a cidade destruída e debaixo d’água. Para colocar em perspectiva, na última semana, as chuvas no local foram o equivalente aos últimos 13 meses de precipitação em Manhattan.

Como você pode imaginar, muitas pessoas perderam tudo que tinham e, alguns lugares – casas, inclusive -, acabaram destruídos. O Astrodome, um dos estádios da cidade, tem servido de abrigo para muitos desabrigados.

É uma situação tensa, que tampouco conseguimos mensurar em palavras – a maioria de nós tem a sorte de nunca perder nada em situações como estas, e não conseguimos imaginar o tamanho da dor e dificuldades que quem sofre as consequências está passando. Mas, em momentos como esse, vemos alguns motivos para, com o perdão do clichê, não perder a fé na humanidade.

Robert Kraft, dono dos Patriots; Amy Adams, dona dos Titans; Christopher Johnson, dono dos Jets e Bob McNair, dono dos Texans doaram, cada um, um milhão de dólares para ajudar na reconstrução de Houston e da vida de seus habitantes.  

Mas quem tem mesmo se destacado é JJ Watt. O DE do Texans começou uma campanha no Twitter para arrecadar 250 mil dólares em doações. A visibilidade de Watt permitiu que a meta fosse, cada vez mais, aumentando. 500 mil dólares foram arrecadados em um um dia. Ao tempo da publicação desse texto, o número já era de 6 milhões e a meta de 10 – esperamos que continue crescendo.

Jogadores como Ezekiel Elliott, Dez Bryant e Chris Paul, da NBA, ajudaram na campanha que começou com uma doação de 100 mil dólares do próprio JJ. O DE tem atualizado seu perfil no Twitter a medida que as metas são batidas, incentivando as pessoas a doar.

O exemplo que ele vem dando mostra a importância dos atletas profissionais para a sua comunidade. Além de proporcionar alegrias dentro de campo, muitos jogadores se comprometem a ajudar os habitantes de suas cidades de outras maneiras. O esporte é uma forma de escapar dos problemas e o impacto no cotidiano das pessoas é ainda maior que aquele causado por uma jogada importante.

Home Sweet Dome

Talvez a história que melhor exemplifica a importância do esporte para uma cidade seja o punt bloqueado pelos Saints contra os Falcons. Em decorrência do furacão Katrina, que devastou New Orleans, os Saints não jogaram sequer um jogo da temporada de 2005 em seu estádio, que serviu de abrigo para os moradores da cidade. Assim, a equipe mandou suas partidas em diferentes locais: no Giants Stadium (em um jogo contra os Giants, teoricamente em casa); no Alamodome, em San Antonio, Texas; e no Tiger Stadium, em Baton Rouge, Louisiana.

No retorno do time ao Superdome, a jogada, logo no ínicio do jogo, mostrou uma torcida em êxtase por ter seu time de volta após tempos difíceis, tanto para a equipe, quanto para a cidade. O fato de o jogo ter sido no horário nobre (Monday Night Football) apenas elevou a emoção do momento.

Renascimento.

Esses são exemplos do legado mais importante que um atleta – ou uma equipe – profissional pode deixar. Dentro de campo, times e jogadores podem fazer a alegria (ou a tristeza) de milhões de pessoas e servir de inspiração para muitas delas.

Por isso, inspirados em momentos como esses, separamos alguns casos em que jogadores mostram que o esporte é ainda maior fora de campo. Afinal, a NFL está repleta de exemplos como o de JJ Watt. Jogadores que, por afinidade com uma causa, um ideal a seguir, ou até mesmo pura bondade no coração, fazem muito fora de campo. Mais do que a sua diversão nas tardes de domingo, eles proporcionam a outras pessoas oportunidades de construir uma vida melhor.

Andrew Luck: um clube do livro.

Você já conhece o Andrew Luck dos passes para touchdown e das grandes jogadas. O que você talvez não conhece sobre o quarterback dos Colts é a sua paixão pela leitura. E que ele tem um clube do livro.

A ideia surgiu a partir de brincadeiras de membros da imprensa que, ao descobrirem a paixão de Luck, sugeriram a criação de um clube do livro; em abril de 2016, Andrew lançou o Andrew Luck Book Club. É um espaço onde ele, quatro vezes por ano, durante a offseason, dá sugestões de livros. Um para crianças, incluindo aqueles que ele lia quando era mais novo, e um para adultos, que ele leu recentemente ou está lendo no momento.

Desde que me entendo por gente, eu amo ler. Devo isso aos meus pais, que liam para mim todas as noites até eu conseguir fazê-lo sozinho. Eles sempre encorajaram a mim e a meus irmãos a ler“, explicou Luck sobre o seu fascínio pelos livros. “Sempre senti algo relaxante e agradável em relação à leitura, em parte porque sempre via meus pais lendo. Lembro das viagens de carro de 18 horas que fazíamos todo verão, indo de Houston ao Colorado nas férias da família. Sempre tinha a minha cara enfiada em um livro e ficava em silêncio por pelo menos 10 horas. Isso fazia o tempo passar muito mais rápido e eu sentia que podia “escapar” mais em um livro do que em um filme ou qualquer outra coisa. E ainda sinto isso hoje: ler é a melhor forma de esvaziar a cabeça e dar uma desacelerada“, completa.

Luck também trouxe a paixão pela leitura para dentro do vestiário: desde o início de sua carreira em Stanford, ele trocava livros e sugestões com seus colegas de equipe e técnicos. E essa tradição se manteve na NFL, onde  encontrou mais jogadores que compartilhavam o hábito, como Vick Ballard, Matt Hasselbeck e Joe Reitz.

Na verdade, nunca fiz parte de um clube do livro antes. Queria ter certeza de que, de qualquer forma, fosse simples e divertido e que incentivasse as pessoas a pegar um livro, sentar e ler.” O clube do livro também encoraja os leitores a interagir nas redes sociais e, em algumas oportunidades, o próprio Luck participa, seja por meio de perguntas e respostas ou por vídeos, até mesmo ao vivo.

Andrew conta que a organização já recebeu retorno de bibliotecas, livrarias, autores, professores, pais e até mesmo de editoras pedindo para promover a iniciativa. Algumas escolas também começaram programas de leitura baseados na ideia. Durante essa inter-temporada, enquanto se recupera de cirurgia no ombro, Luck tem cultivado também o hábito de ler para crianças, em escolas ou hospitais infantis.

Lendo livros e defesas.

É fato que a leitura desempenha um papel importante na formação do ser humano, seja na infância ou na fase adulta. Ler quando pequeno é ainda mais importante, porque assim a pessoa desenvolve esse hábito para a vida toda. Ter um ídolo como Luck, que estimula crianças a ler e vai até elas para isso, cria uma nova geração de leitores. 

Tom Brady: sabendo ser ídolo.

Brady sabe do seu tamanho como jogador; e quando o assunto é ajudar a comunidade, ele fica ainda maior. Logan Schoenhardt, um jovem de 10 anos com um grave câncer no cérebro, ao realizar uma cirurgia, pediu para o médico gravar o número 12 em seu crânio. Quando ficou sabendo da notícia, Tom gravou uma mensagem de apoio ao seu fã.

Infelizmente o câncer retornou, dessa vez com pouca chance de cura. Logan fez uma lista de desejos, e um deles era conhecer seu ídolo. Brady se prontificou a conhecer o menino que, infelizmente, não conseguiu vencer sua doença. Apesar de ser uma história triste, que não teve um final feliz, o quarterback dos Patriots se mostrou muito solidário, realizando o último desejo de um dos seus maiores fãs.

Outra história que envolve o quarterback, é a Calvin Riley – um jovem de 20 anos e tinha um futuro promissor no baseball quando foi baleado enquanto brincava de Pokemon Go. Calvin, que havia estudado na mesma escola que Tom, infelizmente não sobreviveu. Não havia nada que Brady pudesse fazer nessa situação, mas ele enviou uma carta de duas páginas, escrita à mão, para a família. A família se recusou a revelar o conteúdo do texto, mas disse que foi uma forma de conforto em meio a uma situação tão triste.

Larry Fitzgerald e Anquan Boldin: saindo da zona de conforto.

Em 2012 os WRs Anquan Boldin e Larry Fitzgerald fizeram uma visita a Etiopia. Boldin, quando conheceu um pouco mais sobre a realidade do país, resolveu ir pra lá ajudar e, para isso, chamou o amigo e ex-companheiro de time nos Cardinals. Larry e Anquan trabalharam carregando pedras, sob a restrição de não dar dinheiro para os habitantes locais: um simples “presente” de 30 dólares para alguém poderia desequilibrar toda a ordem social ali existente. Ao final da viagem, inconformados com a pouca ajuda que puderam oferecer, os jogadores compraram, cada um, uma vaca para a região.

Um ano depois, eles estavam de novo no continente africano, dessa vez no Senegal e com mais um companheiro: o WR Roddy White. Os três visitaram um vilarejo que mal tinha água, e participaram do dia a dia da comunidade, procurando encontrar diferentes formas de ajudar. Boldin destacou a importância de levar a história desses lugares para cada vez mais pessoas.

Dois caras fodas.

Os jogadores ainda desenvolvem trabalhos na África. Fitzgerald, inclusive, participa de organizações que ajudam pessoas com AIDS no continente. Boldin ganhou, em 2015, o Walter Payton Man of the Year Award, prêmio que a NFL dá aos jogadores que mais se envolvem em trabalhos voluntários e de caridade.

Brandon Marshall: defendendo a conscientização.

A bipolaridade é uma doença real, mas que tem como principal adversária a forma como é vista na sociedade: muitas vezes romantizada, muita gente não sabe que existem pessoas que sofrem com a doença. O WR Brandon Marshall é uma delas. Desde que foi diagnosticado com o transtorno, Brandon luta pela causa, criando uma fundação com seu nome para alertar sobre os problemas da doença. O jogador já foi até mesmo multado pela NFL por usar chuteiras verdes – a cor escolhida para a conscientização sobre o assunto.

Pierre Garçon e Ricky Jean François: ajuda humanitária.

Quando o furacão Matthew passou pelo Haiti, Pierre Garçon e Ricky Jean François, então companheiros de equipe em Washington, de descendência haitiana, viajaram em um avião do dono da franquia para levar mantimentos ao país. Pierre e Ricky se mobilizaram também nas redes sociais, para ajudar a conseguir recursos. No país, eles ajudaram a entregar as doações.

Chris Long: o “cara da água”.

O DE Chris Long viajou para a Tanzânia pela primeira vez em 2013, para escalar o monte Kilimanjaro. O jogador se apaixonou pelo lugar, mas, em outras visitas, ficou assustado com a qualidade da água que as pessoas bebiam: a água é marrom com algumas coisas verdes nela. Para ajudar na situação, Chris criou a ONG Waterboys, que tem por objetivo melhorar a qualidade do recurso em países africanos. A iniciativa tem apoio de muitos jogadores da liga, e da própria NFL Network.

Você diria não a esse homem?

Andre Johnson, Steve Smith e Pat McAfee: presentes de Natal.

Todo natal o WR Andre Johnson leva crianças em lojas de brinquedo e gasta mais de 15 mil dólares em presentes. Mesmo depois de se aposentar, ele manteve o costume. O WR Steve Smith também tomou parte na ação, que é uma tradição no Baltimore Ravens. No último natal, o P Pat McAfee pagou a conta de luz de 115 famílias em Indianapolis, evitando inclusive que pessoas tivessem a sua eletricidade cortada.

JJ Watt, te amamos

Já falamos de JJ Watt no caso das enchentes de Houston, mas não é de agora que ele mostra seu talento fora de campo. JJ é o criador da JJ Watt Foundation, ONG que procura levar recursos a escolas para que elas possam desenvolver seus programas esportivos. Watt também é um apoiador dos militares, fazendo até mesmo campanhas em parceria com seu patrocinador, a Rebook, para auxiliar veteranos.

O jogador dos Texans também reconhece seus fãs: recentemente, um jovem foi atropelado em Houston e teve sua jersey, do próprio JJ, destruída. Quando ficou sabendo, Watt respondeu que iria ao hospital entregar pessoalmente uma nova camisa. E ele não só cumpriu a promessa, como deu uma de cada modelo para o menino.

Colin Kaepernick: um ativista.

É impossível fazer uma lista como essa sem citar Colin Kaepernick. Deixando toda polêmica de lado, o antigo quarterback dos 49ers já mostrou que não tem medo de manifestar suas ideologias. Ajoelhar durante o hino incomoda muita gente e, devido ao patriotismo de muitos americanos, dá pra entender (com um baita esforço) a rejeição ao jogador.

Acontece que seu gesto, conseguiu o que ele queria: chamar a atenção para a causa do racismo. Não só politicamente, Colin também é engajado na caridade. Recentemente, ele conseguiu um avião para levar água e suprimentos para os necessitados na Somália, doando cerca de 100 mil dólares. Goste ou não de Kaepernick, ele certamente tem um impacto fora de campo, maior até do que aquele que produziria dentro de um estádio.

Cam Newton: amigo da garotada.

Cam Newton é um exemplo um pouco diferente: o jogador, à sua maneira, age dentro e fora de campo. Cam tem o hábito de entregar as bolas dos touchdowns que marca para crianças e, apesar de ser um gesto simples, pode melhorar o dia de quem recebe o souvenir. Newton também tem uma fundação, que tem como missão “garantir que as necessidades sócio-econômicas, educacionais, físicas e emocionais das crianças sejam atendidas.

Já é tradição.

Ndamukong Suh: gigante fora de campo.

A revista Forbes é conhecida por suas listas e, dentre elas, está a de celebridades que mais fazem doações. Na lista de 2012, Ndamukong Suh foi o jogador da NFL que apareceu mais alto: Suh doou 2.6 milhões de dólares para a Universidade de Nebraska, sendo 2 milhões para o departamento atlético e 600 mil para a faculdade de Engenharia poder dar bolsas de estudo. Era, ali, a maior doação única de um jogador de futebol americano.

Esses são alguns exemplos de jogadores que tomam um pouco do seu tempo e dinheiro para ajudar outras pessoas. Ciente que essa é uma prática comum na liga, a NFL (que é extremamente rigorosa com os códigos de uniforme) estabeleceu, desde a última temporada, que os jogadores teriam uma semana para usar chuteiras personalizadas com as causas que quiserem divulgar.

A ação foi amplamente divulgada, e, durante as transmissões, alguns jogadores inclusive falavam da sua chuteira e o que ela estava representando. O resultado foi muito interessante. Você também pode fazer sua parte. Pesquise sobre seu jogador preferido, provavelmente ele tem algum projeto que você pode ajudar de alguma forma!

Um novo messias em Los Angeles

Sean McVay. Nessa altura do campeonato, você já deve ter ouvido seu nome algumas vezes no noticiário, afinal ele é o novo head coach da principal (eles são os donos do futuro estádio, não é) franquia da segunda maior cidade dos Estados Unidos: o fracassado Los Angeles Rams.

Após cinco temporadas abaixo de 50% de aproveitamento com o histórico Jeff Fisher, Stan Kroenke e cia resolveram inovar. E, por inovar, entendam de todas as maneiras possíveis: McVay é o HC mais jovem da história da NFL, com apenas 30 anos; quando ele nasceu, Jeff Fisher estava começando sua carreira como treinador. Além disso, Sean era também um ilustre desconhecido: seu trabalho na ascensão de Kirk Cousins era visível, mas se cruzássemos com ele na rua, provavelmente pensaríamos estar vendo Carson Wentz; se ouvíssemos seu nome, provavelmente pensaríamos em algum destes novos atores que surgem no Netflix – e desaparecem na mesma velocidade.

O início

Como é de se imaginar, Sean tem bons contatos no mundo NFL. Seu avô, John McVay, foi treinador do New York Giants no final da década de 70 (demitido após o primeiro “Miracle in the Meadowlands”). John também foi uma das peças principais do front office da dinastia que levou cinco Super Bowls em San Francisco – Sean, por outro lado, não era sequer nascido nas duas primeiras conquistas.

McVay cresceu em Atlanta e teve uma boa carreira no ensino médio, quando foi eleito jogador de ataque do ano da Georgia como QB e ainda jogou dois anos na Universidade de Miami (Ohio) até 2007, sem grandes aspirações a NFL. Novamente, para dar uma ideia de sua juventude: o último jogador com carreira na liga a sair desta universidade foi Ben Roethlisberger, draftado em 2004.

Tempo bom que não volta mais.

Assim que se graduou, conseguiu uma vaguinha como assistente em Tampa Bay, com o irmão daquele que lhe daria a grande oportunidade, Jon Gruden. No ano seguinte, foi trabalhar na extinta UFL, em um time em que Jay Gruden era coordenador ofensivo. Em 2010, foi contratado pelos Redskins como “assistente de treinador de tight ends” e, no final dessa mesma temporada, acabou promovido porque o responsável pela posição abandonou o cargo para virar HC de uma equipe de college football.

Dessa forma, com 24 anos, ele era responsável por um jogador como Chris Cooley, um veterano estabelecido três anos e meio mais velho que ele e em uma de suas melhores temporadas; a princípio, ele desconfiou das capacidades do jovem treinador, mas assim que Sean abriu a boca, Cooley acabou impressionado: “Aprendi mais sobre football em quatro semanas do que tinha aprendido em toda a minha carreira”.

Washington Redskins

Uma rápida pesquisa é suficiente para encontrar diversas declarações apaixonadas dos TEs que trabalharam com McVay. Jordan Reed, que teve grandes temporadas sempre sob a tutela do treinador, pediu especificamente para continuar realizando trabalhos individuais com ele quando Sean foi promovido a coordenador ofensivo entre a demissão de Mike Shanahan (e do treinador dos 49ers, Kyle Shanahan) e a contratação de Jay Gruden (em 2014).

Logan Paulsen, hoje nos 49ers, ressalta a facilidade que McVay tem de recordar nomes e tratar de maneira extremamente pessoal cada pessoa que trabalhava nos Redskins, desde outros treinadores às tias da limpeza. Essa mesma habilidade foi apontada por jornalistas que lhe entrevistaram durante o encontro anual de treinador em Phoenix: estudioso, conhecia e se referia a cada repórter pelo primeiro nome ao dar as respostas. O já citado Cooley, talvez seu maior fã depois do próprio pai, falava já no início de 2016 para quem quisesse ouvir que McVay ia ser head coach em 2017. A princípio, riram dele.

Entretanto, o novo treinador dos Rams não ganhou a sua posição por um bom trabalho com TEs. Talvez não por ter sido excepcional em suas duas entrevistas com o seu novo chefe – durante a qual Kevin Demoff, da diretoria dos Rams, enviou uma mensagem para Jon Gruden dizendo “meu deus, ele é igualzinho a você”.

Seu trabalho com Kirk Cousins, um jogador draftado na quarta rodada exclusivamente para ser reserva de RG3, levando ele ao nível que sempre se esperou alcançar com Griffin, foi o que lhe garantiu um novo emprego. Recordes consecutivos de jardas lançadas em Washington foram quebrados (4.917 em 2016), além de um rating de elite e 63 TDs ao longo de dois anos inteiro juntos, resultando também em mais de 40 milhões de dólares que Kirk recebeu com sua franchise tag dupla; como princípio de funcionamento do ataque, o objetivo era sempre ter Cousins em uma posição favorável de terceiras descidas.

Brothers.

É fato que muito se fala de Kyle Shanahan em San Francisco como destino de Kirk quando ele inevitavelmente não consiga o contrato que ele quer em Washington para continuar ali nas próximas temporadas; entretanto, seu sucesso realmente veio com McVay. Obviamente, o jovem treinador tem um desafio interessante em Los Angeles, mas se tudo der errado com Jared Goff, atenção a esse leilão em 2018.

O desafio Goff

Pouco preocupa a defesa dos Rams. Esse lado do time está muito bem resolvido ancorado pelo monstruoso Aaron Donald; melhor do que isso, McVay agiu rapidamente e contratou Wade Phillips (Texans, Broncos) para ser seu coordenador defensivo. Se alguma coisa vai mudar por ali, será para melhor. Isso dá uma boa base para um setor ofensivo que precisará fazer o mínimo para chegar longe, especialmente em uma NFC sempre tão disputada.

Todd Gurley também deverá voltar a jogar bem – é difícil acreditar que aquele talento do primeiro ano tenha desaparecido; é bem mais fácil botar a culpa em Jeff Fisher e sua incapacidade generalizada. O time também trouxe reforços para a linha ofensiva, como os veteranos Andrew Witworth, ex-Bengals, e John Sullivan, ex-Vikings – inclusive, dois dos três únicos jogadores que são mais velhos que McVay: o Rams é o time mais jovem da liga já há alguns anos.

Mas a eficiência do setor ofensivo passa pelo QB. O dos Rams, de quem já falamos aqui e zoamos sempre que possível, não é grande coisa. Na verdade, até o momento, provou ser um bust daqueles. Tentando observar por outra perspectiva, seus números podem equivaler-se àqueles que Kirk Cousins tinha antes de encontrar seu guru em McVay – como última curiosidade etária, se pode esperar ao menos que McVay se entenda bem com Goff, somente oito anos mais jovem que ele; Belichick, por exemplo, tem 25 anos a mais que Brady.

Novo no pedaço.

Além disso, não se deve riscar qualquer jogador depois de apenas sete partidas: sempre soubemos, Goff era um “projeto” a ser desenvolvido e não é culpa dele que os Rams tenham investido tudo o que investiram; eles não têm o direito de esperar retorno imediato.

De qualquer forma, não será por falta de trabalho da parte do treinador. Dormir entre 22h e 23h é comum para Sean, assim como acordar no dia seguinte às 4 da manhã. E, como brinca Chris Cooley, dá um soco no ar de animação para mais um dia de football. Esperemos apenas que Goff ou, vai saber, Sean Mannion ou algum outro desavisado que passe na frente do CT e saiba, realmente, lançar uma bola, não destrua todo este entusiasmo.

Atlanta, Kansas City, a touchdown: a talk with Dontari Poe

What’s your favorite play from last season? One of Antonio Brown’s insane receptions? A spetacular catch from Odell? Le’Veon Bell smoothly running through defenders? Maybe the blocked FG that the Broncos returned to score two points against the Saints?  Or Julian Edelman’s miracle in the Super Bowl?

Well, we respect your choice, but we believe there’s no debate: nothing was prettier than NT Dontari Poe and his 340 pounds finding TE Demetrius Harris completely open in the endzone on Christmas’ night – sending home the former Super Bowl champions Denver Broncos.

Until that moment, no NFL teams had trusted someone like Poe to throw a football – and the Chiefs trusted him to end the postseason chances of one of their biggest rivals. The play starred by Dontari was something extremely rare and beautiful: a guy with his size speeds up, suddenly stops and then rises up, almost in slow motion, and finds the open receiver… the truth is huge bodies aren’t supposed to move so “poetically”. And heavy human beings shouldn’t be capable of putting such a delicate touch on the ball.

You know, sometimes we played during practice. I like to throw the ball without great pretensions. We practiced the play a lot. Inside the field, it’s all about being prepared.”, says Poe, who currently plays for the Atlanta Falcons, in an interview for Pick Six. “Deep inside, I knew it would work, because we practiced that several times. It was a fun play to execute”, he adds.

Poe became the heaviest player in NFL’s history to pass for a TD. The previous record belonged to JaMarcus Russel, with 265 pounds and, well, Russel was a quarterback, not a nose tackle – and it’s Worth remembering that, in the end of 2015, Dontari also had become the heaviest man to run for a TD, passing William “Refrigerator” Perry and his “insignificant” 335 pounds.

A nice guy!

Roots

Another unusual fact in Dontari’s life is that, unlike most Young americans, he had never played football before high school. “I was part of the school’s band, coach Miller saw me and wanted me to play. It was simple: I ended up liking and he motivated me to get better”, he remembers.

Poe then consolidated himself as one of the most promissing prospects of the state of Tennessee and decided to join University of Memphis, where he spent three years before declaring for the NFL draft and becoming the school’s first player to be selected in the first round.

Looking back now, it may seem unbelievable… But I work really hard”, he says. “I had many amazing teammates and coaches. If you have a dream, in the end of the day, it’s just about how much you’re going to work hard to achieve it”.

The connection to Memphis remains untill now: if the city launched Poe to pursue his dreams and football changed his life, making him a professional athlete, his goal now is to retribute. “The Poe Man’s Dream Foundation’s objective is helping kids. I wanted to give something back to Memphis, it was a very good place for me”, he adds.

We want to give the chidren the abilities and the resources that will allow them to be successfull. We are just starting and are going to work to check their needs and help them”, he completes, reminding that his Project has multiple pilars, like food, education and, of course, sports.

Past and future

During the last free agency period, Dontari visited multiple cities, like Indianapolis, Jacksonville and Miami. But he opted for Atlanta, in a one year contract to prove his value and rejoin Scott Piolli, now assistant general manager for the Falcons – when he was Chiefs’ GM, Pioli selected Poe with the pick 11 of the 2012 draft.

I’m grateful for the opportunity Scott gave me in Kansas City. Of course, Pioli being here is a great bonus, but, anyway, Atlanta has a great team and I can contribute to the franchise: I’m anxious to be a Falcon”, he says, without forgetting the five years he spent in Kansas City.

Chiefs fans are great. They supported me during the whole time there and I will miss them. Believe what you hear on TV: they are really loud, but it gives you energy to play hard, after all, you don’t want to disappoint them.”

Atlanta, Kansas City, um TD: uma conversa com Dontari Poe

Qual sua jogada favorita da última temporada? Alguma recepção insana de Antonio Brown? Um TD improvável de Odell? Algum momento em que Le’Veon Bell tenha desfilado em campo? Talvez o bloqueio de FG retornado para dois pontos pela defesa do Broncos contra o Saints? Ou ainda o milagre de Julian Edelman no Super Bowl?

Bom, respeitaremos sua escolha, mas acreditamos que não há debate: nada foi mais bonito que o NT Dontari Poe e suas 340 libras (ou quase 155 kg) encontrando o TE Demetrius Harris livre na endzone na noite de natal – e eliminando o então campeão Denver Broncos.

Até então nenhuma equipe da NFL havia confiado em alguém como Poe para lançar uma bola – e os Chiefs confiaram nele para sepultar as chances de pós-temporada de um de seus maiores rivais. O momento protagonizado por Dontari foi algo extremamente raro e belo: alguém com seu tamanho aumentar a velocidade, parar repentinamente e então levantar quase em câmera lenta e encontrar um recebedor livre… a verdade é que nenhum corpo tão imenso pode se mover tão poeticamente. E nenhum ser humano tão pesado seria humanamente capaz de colocar na bola um toque tão delicado.

Sabe, às vezes nós brincávamos durante o treino. Gosto de lançar a bola sem maiores pretensões de vez em quando. Treinamos a jogada bastante. Dentro de campo, é tudo sobre estar preparado”, diz Poe, hoje no Atlanta Falcons, em entrevista ao Pick Six. “No fundo, sabia que daria certo porque nós treinamos isso várias vezes. Foi uma jogada divertida de se executar”, completa.

E assim Poe se tornou o jogador mais pesado da história da NFL a passar para um TD. O recorde anterior pertencia a JaMarcus Russel, com 265 libras (120kg) e, bem, Russel era um quarterback, não um nose tackle – e é válido lembrar que, no final de 2015, Dontari também já havia se tornado o homem mais pesado a marcar um TD correndo, quebrando a marca de William “Refrigerator” Perry e suas insignificantes 335 libras.

É muita simpatia!

Raízes

Outro fato inusitado na vida de Dontari é que, diferente da maioria dos jovens americanos, ele nunca havia jogado football antes do high school. “Estava na bandinha, o técnico Miller me viu e quis que eu jogasse. Foi simples: acabei gostando e ele me incentivou a melhorar”, relembra.

Poe então se consolidou como um dos prospectos mais promissores do estado do Tennessee e decidiu se juntar a Universidade de Memphis, onde passaria três anos antes de se declarar para o draft e se tornar o primeiro jogador da história da universidade a ser selecionado na primeira rodada.

Olhando agora, pode parecer inacreditável… Mas realmente trabalho duro”, diz. “Tive muitos colegas e treinadores incríveis. Se você tem um sonho, no final do dia, é sobre o quanto você irá trabalhar e se esforçar para alcançá-lo”.

A ligação com Memphis segue até os dias de hoje: se a cidade impulsionou Poe atrás de seus sonhos e o football mudou sua vida, tornando-o um atleta profissional, seu objetivo agora é retribuir. “A Poe Man’s Dream Foundation é para ajudar as crianças. Quis dar algo de volta para Memphis, foi um lugar muito bom pra mim”, reforça.

Queremos dar às crianças as habilidades e os recursos necessários para terem sucesso. Só estamos começando e vamos trabalhar para ver quais são as necessidades e, assim, ajudá-las”, completa, lembrando que seu projeto trabalha diversos pilares, que vão desde a alimentação a educação, além, claro, do esporte.

Passado e futuro

Na última free agency, Dontari visitou diversas cidades, como Indianapolis, Jacksonville e Miami. Mas acabou optando por Atlanta, em um contrato de um ano para provar seu valor e novamente encontrar Scott Pioli, hoje assistente geral dos Falcons – ainda como GM do Chiefs, Pioli selecionara Poe com a pick 11 do draft de 2012.

Sou grato pela oportunidade que Scott me deu em Kansas City. Claro, Pioli estar aqui é um ótimo bônus, mas de qualquer forma, Atlanta tem um ótimo time e posso contribuir bastante com a franquia: estou ansioso para fazer parte do Falcons”, afirma, sem esquecer os cinco anos que passou em Kansas.

Os torcedores de Kansas City são ótimos. Eles me apoiaram durante toda minha passagem e sentirei falta deles. Pode acreditar no que ouve pela TV: são realmente barulhentos, mas isso só te dá energia para jogar duro, afinal, você não quer decepcioná-los”.

 

Do desapego a um ciclo sem fim: o método Belichick

A NFL está repleta de jogadores com que ninguém se importa – o terceiro CB que só os torcedores conhecem, o backup OL que nunca entrou em campo, ou até mesmo uma escolha do draft do tempo que você não entendia bulhufas sobre futebol americano (também conhecido como “semana passada”).

E, a cada ano, esse ciclo de desconhecidos se renova, com centenas de atletas entrando e saindo da liga: não se engane, aquelas listas intermináveis de cortes no início da temporada são compostas por seres humanos reais, como eu e você.

Mas e se seu time conseguisse encontrar, nesses jogadores desconhecidos, indesejados ou supostamente irrelevantes, peças importantes para montar o elenco? A verdade é que na maioria esmagadora das vezes esses atletas realmente não são grandes talentos – afinal, se fossem, não estariam escondidos no meio do roster do Detroit Lions.

Mesmo assim, eles podem ter um conjunto único de características e habilidades que, se aproveitados corretamente, irão produzir um jogador eficiente na rotação ou até mesmo um titular de qualidade.

Tomemos como exemplo as mais recentes aquisições (via troca) do New England Patriots: o CB Eric Rowe, do Philadelphia Eagles, o TE Martellus Bennett, do Chicago Bears e o LB Kyle Van Noy, do Detroit Lions. Rowe era uma escolha de 2ª rodada que não se firmou em Philly, tanto que Howie Roseman não exitou em despachá-lo para o norte por uma escolha de 4ª rodada em 2018 (!!!).

Já Bennett é figurinha conhecida na liga, já tendo mostrado o seu valor em diversas oportunidades. Mesmo assim, Chicago achou interessante se livrar do jogador e de uma escolha de 6ª rodada por uma de 4ª. Sabe quando você tem uma figurinha que seu amigo precisa e, mesmo ela sendo rara, você troca ela pau a pau? Foi isso que Ryan Pace fez.

Só bala boa.

Enfim, sobre Van Noy, em respeito a sua inteligência, caro leitor, não vou sequer fingir saber quem era, mas Bill Belichick viu valor suficiente no jogador e enviou uma escolha de 6ª rodada para Detroit em troca.

Rowe e Van Noy foram jogadores valiosos na defesa no último ano, tendo coroado temporadas sólidas jogando aproximadamente ⅓ dos snaps da unidade no Super Bowl. Já Bennett substituiu Rob Gronkowski a altura e suas cinco recepções para 62 jardas na final ajudaram os Patriots na maior vitória de sua história.

Apenas para efeito de comparação: as duas trocas de escolhas de fim de draft que o Indianapolis Colts fez para a última temporada, sequer terminaram o ano com a franquia: o LB Sio Moore, que já está na sua 3ª ou 4ª equipe depois que foi chutado, e o DE Billy Winn, que você não deve conhecer, mas jogou em Denver em 2016. Temos certeza que seu time também coleciona alguns fracassos com aquisições do tipo.

Para mostrar que não se trata de um fato isolado, voltemos para 2014, ano em que os Patriots também venceram o Super Bowl e também fizeram algumas aquisições under the radar. Naquela temporada, New England adquiriu o LB Akeem Ayers, dos Titans, e uma escolha de 7ª rodada, por uma de 6ª. Ayers jogou 23% dos snaps na final.

E não são só trocas que ajudam a construir o elenco de New England. As aquisições de jogadores não-muito-gabaritados ao redor da liga permitem ao time manter o Salary Cap sob controle e, ainda assim, reforçar o roster no mercado:

  •  O WR Chris Hogan, o menino destinado a correr eternamente na secundária de Pittsburgh, assinou contrato de 3 anos e 12 milhões de dólares.
  • O RB Dion Lewis, que rodou por metade da liga e achou seu lugar em Foxborough, receberá 1.2 milhões de dólares esse ano.
  • O DT Alan Branch, escolhido em 2007, só foi se firmar na defesa dos Patriots, em 2014. Branch já está no seu terceiro contrato com a franquia.

E a lista continua com nomes como Rob Ninkovich, Jabaal Sheard, Chris Long e Brandon LaFell. Jogadores que não chegaram para resolver problemas, mas ajudar a compôr o elenco e cumpriram/cumprem muito bem esse papel.

Além disso, existe uma categoria especial para aqueles que só renderam em New England, como o RB LeGarette Blount e o S Patrick Chung que, após saírem, só duraram um ano ou menos longe do Gillete Stadium.

E onde está a mágica por trás disso tudo? A resposta é simples. Bill Belichick não busca os jogadores mais talentosos ou com maior hype. O treinador procura jogadores com habilidades que se encaixam no esquema dos Patriots. Você não vê New England com um bando de talentos em determinada posição sem saber utilizá-los, como é o caso de outras equipes – os Rams, por exemplo, estão até hoje tentando entender como usar o WR Tavon Austin.

Uma prova disso é a forma como os Patriots não se apegam a nenhum jogador não chamado Brady: Chandler Jones e Jamie Collins eram dois dos melhores nomes da defesa, mas Belichick preferiu trocá-los nessa temporada. Ambos receberam uma bolada de grana de suas equipes e, enquanto isso, Bill colecionava o quinto anel, chegando ao Super Bowl como uma das melhores defesas da NFL.

Para essa temporada, a fórmula segue a mesma e New England trocou todas as suas escolhas do Draft por jogadores que Belichick queria:

  • primeira rodada pelo WR Brandin Cooks;
  • segunda rodada  pelo DE Kony Ealy (e uma escolha do alto da terceira rodada);
  • quarta rodada pelo TE Dwayne Allen (e uma escolha de sexta rodada).
  • as outras escolhas também foram trocas por jogadores: o já citado Kyle Van Noy, o LB Barkevious Mingo e o TE Michael Williams.

Além disso, mais jogadores da categoria você-não-conhecia-mas-em-New-England-serão-astros foram contratados: RBs Mike Gillislee e Rex Burkhead, além do DT Lawrence Guy.

E, por fim, claro, jogadores caros, sendo Dont’a Hightower a exceção, foram chutados: Logan Ryan assinou com os Titans, Jabaal Sheard assinou com os Colts e Martellus Bennett assinou com os Packers. Com isso Belichick ainda pode receber algumas escolhas compensatórias. E então reiniciar todo esse maldito ciclo com que já estamos acostumados: a cada final de temporada, uma nova velha tristeza.

*Rafael é administrador do @ColtsNationBR e acredita piamente que Chuck Pagano é o próximo Bill Belichick.

From Cleveland to Brazil: Joe Thomas speaks about the Browns future

It is hard to talk about everything that makes Joe Thomas so effective; he’s probably the quintessential offensive tackle: nobody in the NFL can use their hands better or has the same reaction power.

Joe’s individual accomplishments make us realize how good he really is. After all, since he entered the league in 2007, watching a Browns game was, for a long time, summed in watching the OT’s game: 160 games (he started all games since he was drafted) and 10 trips to the Pro Bowl.

On the other hand, Joe also saw 18 quarterbacks, 8 offensive coordinators and 6 head coaches passing through Cleveland in that span. All these changes led the Browns to just 48 wins, 10 of those in his first year as a player and, since then, just one season with more than 5 (7 in 2013).

The selection

Joe was drafted right after Calvin Johnson. Adrian Peterson came off the board four spots after the Wisconsin lineman. Patrick Willis, the linebacker who made history playing for the San Francisco 49ers and Marshawn Lynch, drafted by the Buffalo Bills, were picks 11 and 12 that year. Darrelle Revis was number 14 and the likes of Eric Weddle and Ryan Kalil were drafted only in the second round.

In my freshman year in college, coaches questioned me whether I’d like to participate in the Scouting Combine, to measure my status for the draft”, Joe remembers. “Until that day, I’d never really thought of reaching the NFL, even with a few more years with the Badgers ahead”.

Combine results showed he would be drafted in the beginning of the first round and amplified Joe’s perception: in that moment, he realized the NFL would become a reality. Years later, with the third pick, the Browns drafted Thomas. And, even if the Draft is generally an erroneous science, it is almost unquestionable that, among that years’ picks, Joe has built one of the most solid careers so far.

A nice guy!

A long winter

Thomas landed in Cleveland at the same time as the Cavs were flirting with the NBA Finals and the city was trying to purge its sports curses trough LeBron James, Akron’s prodigy son. “Definitely, there is a different buzz”, Thomas joked in a Grantland interview at the time. “But I know that even if the people are happy about having a great basketball team, deep down, Cleveland is still a football city”.

And even if neither the Cavaliers nor the Browns won titles in 2007, there was a clear excitement in Ohio; Browns won 10 games in Thomas’ rookie season. “You heard about Believeland. People used to hold posters in the stadium. It looked like it was coming back. But in the following year we had a bad season and since then we got into ‘reset mode’”.

The last “reset”

With each new quarterback and each new head coach, Joe realized this also meant two or three more years of rebuilding, and that pushed him away from his objectives: to make the Browns a winning team. After years in this process, projections are great now.

I think the Browns are gonna be much better this year. We’ve had a huge infusion of talent from free agency and more recently from the draft. I think Sashi Brown did an excellent job during the draft picking talented players while also adding picks in future years”, says Joe, who promises to be a mentor to the rookies. “My favorite thing to tell young players is: be on time, pay attention, and work hard. Those are three simple things but they are the keys to success in the NFL”.

Maybe for the first time, Thomas doesn’t hide his excitement: in his Twitter account, Joe affirmed that Myles Garrett, Jabrill Peppers and David Njoku will all be Hall of Famers. And if the future reserves better days to Cleveland, nothing is better than making the franchise global.

I’m really excited to be playing in London this upcoming season and hope the NFL will continue to expand in future years, including Brazil”, says. “I think this international expansion is one of the best things the NFL has done recently. It’s important for us to realize how many fans we have in other countries and how eager those fans are to be able to enjoy the fantastic NFL product in person”.

*Special thanks to @ShikSundar and @EulerBropleh for making this possible.