Arquivo da categoria : You like that

Análise Tática #29: As cinco melhores jogadas de Andrew Luck

Véspera do Thursday Night Football da semana 5 entre Colts e Patriots, partida com a narrativa interessante provocada pelas peripécias de Josh McDaniels na intertemporada. Apesar de Chris Ballard, GM dos Colts, ter jogado para a torcida com seu “The rivalry is back on”, a verdade é que os Patriots são totalmente favoritos à partida, esperando-se até uma goleada. Apesar disso, o site Pick Six, que em seus 40% é Indianapolis Colts, e esta é uma casa em que o clubismo não é só permitido como também incentivado, trouxemos uma análise tática exclusiva sobre as cinco melhores jogadas de Andrew Luck, escolhidas após uma larga análise de nossa equipe (à moda caralha).

Após a notícia de que Andrew Luck, não a pessoa original, apenas a sua mente transferida para um novo corpo de anfitrião (quem viu a segunda temporada de Westworld sabe do que estou falando), finalmente retornou aos treinos sem limitações (traduzindo, finalmente conseguiram ensinar o corpo robótico a jogar futebol americano), cabe a este redator exercer o seu direito INALIENÁVEL de CLUBISMO e defender o atleta em questão, apesar de atuações inconsistentes contra Redskins e Eagles e fios de esperança contra Bengals. A atuação COMO NAS ANTIGAS contra os Texans dá novamente ao torcedor de Indianapolis O DIREITO DE SONHAR.

Sem estar saudável desde a temporada de 2014, graças ao trabalho da dupla dinâmica Ryan Grigson e Chuck Pagano (parte 1, parte 2), e pelo fato de o time dos Colts ser ruim, as pessoas esqueceram como Andrew Luck é bom. Não as culpo, por que uma temporada com Scott Tolzien e Jacoby Brissett faz até o mais apaixonado dos torcedores repensar as suas opções na vida.

#05 – Passe de 42 jardas para TD vs Detroit. Semana 13, 2012

A primeira jogada do nosso ranking é uma da temporada de calouro, em 2012. Jogo fora de casa contra o Detroit Lions, em mais uma das viradas que marcaram a carreira do camisa 12.

Na situação, Luck era treinado por Bruce Arians e Clyde Christensen, em meio às turbulências da leucemia que acometeu Chuck Pagano em 2012, que rendeu a campanha #ChuckStrong, servindo até como motivação extra-campo. Como viu-se ao longo da carreira de Andrew Luck, o Colts tinha dificuldade em começar os jogos, obrigando o quarterback a resgatar o time nos momentos finais quase que semanalmente. Assim foi no Ford Field na semana 13 de 2012, com os Colts virando um 23 a 14 em determinado momento do terceiro quarto.

A jogada que veremos aqui ocorreu quando a partida estava 21 a 33 aos 2:45 restantes do último quarto, em uma 1ª para 10.

Indianapolis parte de uma formação shotgun singleback com um set de recebedores em 3×1. Partindo de um conceito derivado do Levels, a combinação de rotas causa um estresse entre o safety e o corner back da parte inferior da jogada. Lavon Brazill (sdds) consegue a separação. Enquanto isso, Andrew Luck enfrenta pressão pelo lado direito, escapa para o lado oposto e encontra a janela para uma bomba precisa até a redzone.

Essa jogada mostra a capacidade de Andrew Luck em arriscar em profundidade sob pressão, algo que foi necessidade por boa parte de sua carreira. Vários drives do Indianapolis Colts sobreviviam aos erros mentais da linha ofensiva graças às jogadas de grande ganho.

#04 – Passe de 8 jardas para TD vs Denver. Semana 09, 2015

O cenário: Colts capengando em uma temporada que deveria ser Super Bowl contender, tendo Luck perdido dois jogos por lesão nas costelas, enfrentam um Denver Broncos (que viria a ser campeão do Super Bowl), invictos com sete vitórias, em um jogo vespertino no Lucas Oil Stadium. Empate por 17 a 17 no início do último quarto.

Na jogada anterior, Luck tinha sofrido um tackle de Danny Trevathan que no dia seguinte saberíamos que renderia uma laceração nos rins. Luck enfrenta uma blitz de três homens vindos pelo weakside, com os demais homens da linha aplicando stunts. Essa jogada é um exemplo do que faltou para ajudar Andrew Luck na sua carreira: rotas rápidas para queimar a blitz.

Ahmad Bradshaw adota uma posição de bloqueio, mas no ponto do snap, parte explorando o ponto vazio deixado por T.J. Ward (blitzer). Em uma jogada bem desenhada, Luck dá apenas um passo de dropback e planta os pés para o passe, enquanto Bradshaw se projeta à endzone por inércia.

Escolhi essa jogada pois demonstra o que Luck é capaz de fazer. O cara lançou um TD contra a melhor defesa da NFL à época, encarando um matchup desfavorável com uma HEMORRAGIA NOS RINS.

#03 – Passe de 32 jardas vs Denver. AFC Divisional, 2014

No que talvez foi o maior upset promovido pelo Indianapolis Colts de Chuck Pagano, Luck teve uma de suas melhores partidas de sua carreira, principalmente por ter convertido as jogadas em momentos decisivos. Essa é uma delas, passe numa 3rd & 16 no terceiro quarto, contra uma secundária, se ainda não era tudo o que foi capaz de fazer, já era notável na liga.

Essa jogada mostra bem o que Luck é capaz de fazer tendo um pocket minimamente limpo. A linha ofensiva conteve muito bem um four-men-rush com Von Miller, Derek Wolfe, Malik Jackson e DeMarcus Ware, dando tempo para Luck encontrar uma janela estreita para Coby Fleener na rota seam em meio ao tráfego de defensores.

Conversão fundamental para Indianapolis ter construído a vantagem que gerou a vitória. Destaque para o trabalho de pernas de Luck no 3-step-dropback, enquanto ele movimenta o pescoço em relação às duas laterais antes do passe.

#02 – Passe de 36 jardas para TD vs Cincinnati. AFC Wild Card, 2014

Voltamos à semana anterior em relação à outra posição de nosso ranking. Jogo de wild card contra o Cincinnati Bengals, que de certa forma o Colts controlou com facilidade, raridade durante o regime de Chuck Pagano, em que o time se esforçava para dificultar jogos exatamente fáceis.

Nessa jogada em questão, vemos o atleticismo espetacular de Andrew Luck, capaz de zipar um passe de 36 jardas sem o apoio dos pés no chão, ao se projetar em velocidade escalando o pocket, enquanto Carlos Dunlap tentava o sack.

O passe em questão parte em uma jogada de play action e é pura obra-prima. Biomecanicamente falando, Luck usa sua quantidade de movimento para projetar a bola, juntamente com a força do braço. Pela falta dos pés plantados, a espiral não sai perfeita, mas com uma potência suficiente para encontrar Donte Moncrief na lateral da endzone. Outro destaque vai pela capacidade do quarterback em enxergar o espaço para escalar o pocket sem tirar os olhos do fundo de campo.

#01 – Passe de 64 jardas para TD vs. Kansas City. AFC Wild Card, 2013

Talvez o jogo mais espetacular da carreira de Andrew Luck até aqui. Protegendo a bola, não foi uma atuação segura, já que as 3 interceptações nos primeiros 40 minutos de jogo ajudaram a cavar o buraco de 38 a 10 que o time se meteu em determinado momento da partida.

No momento em que a partida estava 44 a 38 para Kansas City, Luck tinha um drive de 80 jardas para percorrer e tomar a liderança pela primeira (e que seria a única) vez na partida.

No que parecia se desenvolver um drill de média duração para sobretudo queimar o relógio, Luck e TY Hilton aproveitaram para atacar em profundidade com uma rota post. Cover 2 beater clássico, com a bola viajando 45 jardas pelo ar e atingindo Hilton no exato ponto em que as duas zonas dos safeties se encontravam. Observe que os mesmos se chocam, facilitando o caminho para Eugene carregar a bola até a endzone.

  • Diego Vieira já está preparado para a traulitada de quinta à noite, pois Colts é isso aí mesmo, errado é quem espera diferente.

Cleveland, Joe Thomas, LeBron e Mayfield: uma nova (velha) cidade 635 dias depois

O que você faz em 635 dias?

Não existem canções de amor para Cleveland – ou, se elas existem, bem, não conhecemos. Mas não é como se ela precisasse de sua própria versão para “Sweet Home Alabama”.

Cleveland está no meio do nada, as margens do Lago Erie, em algum lugar entre a Pennsylvania, Michigan e Indiana; como quase tudo nessa vida, claro, localização é mera questão de perspectiva. Não que um estrangeiro não consiga se apaixonar por ela; é calma e aconchegante, diferente dos grandes centros dos EUA. Mas também vazia: desde 1950, a cidade perdeu mais da metade de sua população.

Cleveland agora está em uma encruzilhada entre passado e futuro: andar por suas ruas é como visitar décadas diferentes. Você vê pessoas em esquinas tentando se esconder do frio e, três quarteirões depois, está em um típico bairro de algum subúrbio norte-americano de classe média. E se o centro é limpo e agradável, repleto de vida, normalmente orbitando seus hospitais – a cidade, inegavelmente, é referência em saúde –, a leste, a poucos passos dali, você entra em um deserto pós-industrial.

Cleveland está para baixo”, conta-me um morador de rua, que vive próximo ao First Energy Stadium, casa do Cleveland Browns. “Só quero voltar para Chicago”, continua, antes de me mostrar a direção correta.

someone sed i should write

something constructive

about east cleveland”

Turistinha procurando clichês.

Literatura

Darryl Allan Levy (d.a. levy) morava próximo ao rio Cuyahoga, que desaguá no Lago Erie. Ele olhava pela janela e via a ponte Lorain-Carnegie e os “Guardians of Transportation”, esculturas que dão vida àquela passagem. Ele via Cleveland como ela era, mas sempre a imaginava além, queria mais para sua cidade.

Diariamente escrevia seus próprios poemas e, depois, caminhava sobre a ponte – mas ninguém que o via ali conseguiria imaginar que Levy se tornaria uma figura central na contracultura de Cleveland e, como consequência, seria alvo da polícia graças a sua literatura “subversiva”.

LEIA TAMBÉM: Um conto de dois Flaccos

Em 1964, Levy passou uma temporada em Nova York, lendo sua poesia pelos cafés da cidade, mas sempre se queixara do espírito cosmopolita da cidade: “Quase odeio aqui – quero a Cleveland confortável, sofisticada e indiferente”, escreveu a um amigo.

Queixava-se que a cidade que amava não era representada como merecia na literatura; falava sobre Sandburgh, Crane e Williams e como Chicago ou o Brooklyn tinham grandes obras literárias.

Por isso, provavelmente, escreveu “Cleveland Undercovers“, repleto de alusões aos naufrágios no Lago Erie, ao Assassino do Tronco, famoso serial killer que assombrou o estado de Ohio na década de 30, ou ainda profanando Moses Cleaveland, fundador da cidade. Levy é a versão beatnik de Ohio, que o ungiu, da mesma forma que Jack Kerouac e Allen Ginsbergm, a porta-voz de uma juventude que se rebelava para quebrar antigos costumes.

Roteiro fácil, claro, o apreço pela maconha e pelo LSD fez de Levy um alvo da polícia. Em 1966 ele foi indiciado e no ano seguinte acabou preso, sob a acusação de “contribuir com a deliquência”; ele havia permitido que menores de idade lessem seus poemas, permeados por sexo e drogas, algo considerado obsceno na época.

Sua prisão colocou Cleveland no centro de uma discussão nacional e nomes como o próprio Ginsberg e Gary Snyder (vencedor do Pulitzer em 1975) sairiam em sua defesa. Mas Levy nunca se recuperou do episódio e em 1968 confidenciou a vários amigos que deixaria a cidade. Em 24 de novembro daquele mesmo ano, ele se suicidou.

Cleveland, eu dei-lhe

os poemas que ninguém nunca

escreveu sobre você

e você não me deu

NADA”

Há ainda muito de seus poemas naqueles que vivem em Cleveland: você a ama, não quer deixá-la, mas ela não consegue lhe oferecer nada em troca. Então, caso insista em ficar, você precisa se apegar a algo e, bem, só existem três opções. Mesmo que elas teimem em lhe maltratar.

Algo a se apegar: basquete

Na offseason de 2010, LeBron James fez tudo errado. Hoje ele sabe disso. Sua quase cidade natal ligou-se a ele, mas ele decidiu cortar essa ligação da pior forma possível para que o rejeitassem com tanta força que James acabaria em um limbo, uma fadiga mental e física, da qual ele só conseguiria sair mais de um ano depois, durante as finais da NBA de 2011 – para então conquistar seus dois primeiros títulos.

Mas ele nunca se esqueceu do que aconteceu e, no fundo, sempre quis ser perdoado. Quatro anos depois, na offseason de 2014, o roteiro já estava escrito – e ele não se transformou em um reality show televisionado, como em 2010.

James não disse uma palavra. LeBron sequer insinuou algo ou especulou sobre sua decisão: ele a anunciou em um misto entre declaração de amor e pedido por perdão. E então voou para o Brasil assistir a Copa do Mundo.

Logo no primeiro ano, Cleveland retornou as finais da NBA, mas parou no Golden State Warriors. Há uma frase de David Blatt, técnico do Cavaliers na época, capaz de sintetizar o sentimento da cidade em relação aos esportes: “Estamos em Cleveland: nada é fácil por aqui”.

Mas no ano seguinte, LeBron e o Cavs recuperaram um déficit de três jogos para derrotar o mesmo Warriros e dar um título a cidade após 52 anos.

Quando retornou, James escreveu:

“Antes de qualquer um se importar com o lugar onde eu iria jogar basquete, eu era só um garoto do noroeste do estado de Ohio. Foi lá que eu andei, corri e chorei. É onde eu sangrei. É um local que tem um lugar especial no meu coração. As pessoas lá me viram crescer, eu quero dar a eles tanto quanto puder. Quero inspirá-los quando eu puder. Minha relação com o noroeste de Ohio é maior do que o basquete”.

É mais simbólico do que pode parecer e é provável que você só compreenda quando passar por Cleveland. “Meus primos, por exemplo, foram embora de Cleveland. Talvez como LeBron fez, agora eles possam pensar um dia em voltar”, me confidenciou um atendente de um Starbucks no caminho para a Quick Loans Arena, em novembro de 2017 – horas antes do Cavs vencer o Pistons pela temporada regular da NBA.

Destino: felicidade.

Kyrie Irving acabara de partir para Boston; a outra estrela do Cavs também havia recém deixado a equipe. Pergunto como a cidade lidara com um novo abandono. “Se James aprendeu ao partir, nós também: não temos nenhuma mágoa e, bem, lembra daquele arremesso no ano passado?”, diz o jovem, ao relembrar a cesta que garantiu o primeiro título para a franquia. Como já dissemos, a relação da cidade com o esporte, vai além de qualquer simbolismo tangível para aqueles que não estão lá.

VEJA TAMBÉM: O primeiro dia após a neve

Antes de sair, relembro a conversa com o morador de rua e confesso que gostei mais de Cleveland do que de Chicago, por onde havia passado dias antes – ele se assusta, e pergunta se eu poderia viver ali.

Claro”, respondo. “Bom, não é uma cidade moderna, normalmente é cinzenta, mas você não verá trânsito e o aluguel é barato. Então não descarte essa possibilidade”, diz, antes de se despedir.

Algo a se apegar: football

Você pode não acreditar, mas nas ruas de Cleveland, existe apenas uma pessoa tão respeitada como LeBron James: não é absurdo cravar que a devoção por Joe Thomas está no mesmo patamar. E para entender essa relação, é preciso voltar para 2007: LeBron perderia sua primeira final da NBA naquele ano, mas o Browns tiveram aquele que continua sendo sua melhor temporada na última década.

Cleveland venceu 10 partidas no ano de rookie de Joe Thomas e ele foi ao Pro Bowl pela primeira vez na carreira (ele seria selecionado para o jogo das estrelas em todas as temporadas entre 2007 e 2016). Parecia o desenho de anos promissores, mas o Browns entrou em um espiral de disfunção e desde então foram seis HCs, uma infinidade de OCs e, bem, se contamos direito, 21 quarterbacks iniciando uma partida como titular até o último TNF contra o Jets.

Voltando a Joe Thomas, é difícil expressar o que um LT pode representar para uma organização – a dimensão dos feitos na posição raramente são mensurados por números, mas mesmo assim, Joe conseguiu quebrar essa barreira; ele esteve em campo em todos os snaps até uma lesão (posteriomente) encerrar sua carreira. Ele foi ao Pro Bowl em todas as temporadas que completou. E ele nunca deixou Cleveland.

Hoje entendo LeBron, claro, mas Joe nunca foi embora: ele nos escolheu”, me conta o vendedor da loja oficial do Browns no First Energy Stadium. “Bem, é óbvio que Jim Brown é o maior jogador da história do Browns – não por acaso há uma estátua dele logo ali. Mas mesmo assim, era outra época, uma época em que mesmo o Cleveland Indians havia vencido poucos anos antes, então é difícil expressar o quanto amamos Joe”.

LEIA TAMBÉM: Um bate-papo com Joe Thomas

Em 10 anos, Joe viveu apenas uma temporada com mais vitórias do que derrotas. Seu maior feito, porém, não está dentro de campo: Joe conseguiu ensinar para uma cidade que esporte é muito mais do que vencer; é sobre querer estar onde se está e, por mais difícil que pareça, ser alguém a quem é possível se apegar enquanto a maré não acalma é tão representativo quanto qualquer troféu.

Ame este homem.

Novos ventos

O que você faz em 635 dias? Nesse período o Cleveland Browns perdeu. Mas no TNF da semana 3 desta temporada, Baker Mayfield deu ao Browns algo que ele não tinha há 635 dias: uma vitória.

Substituindo Tyrod Taylor após uma concussão, a primeira escolha geral do draft de 2018 explodiu uma vantagem de 14 pontos do New York Jets contaminando o estádio com um sentimento até então distante: esperança. E inspirando torcedores ao redor do PLANETA a torcer por um franquia até então motivo apenas de COMPAIXÃO.

Ao final de seu primeiro drive, Mayfield já tinha mais jardas do que Tyrod Taylor havia conseguindo em praticamente dois quartos – ele terminaria a partida com 17 passes completos em 23 tentativas para 201 jardas. Assim que Baker pisou em campo, parecia que o Browns havia desbloqueado diversas jogadas antes travadas em seu playbook – ele simplesmente era capaz de fazer o que Tyrod não conseguia.

O cenário em que tudo isso ocorreu dificilmente seria pensado por um ótimo roteirista especialista em CLICHÊS: jogo transmitido nacionalmente, três escolhas de primeira rodada do último draft e, bem, um running back correndo entre o estádio e o hospital enquanto esperava o nascimento de seu primeiro filho – no dia do seu aniversário.

Tudo é épico na vitória comandada por Mayfield: ele levou a equipe a um FG na primeira campanha, recebeu uma conversão de dois pontos ao final do terceiro quarto para empatar a partida e viu o então futuro pai, Carlos Hyde, anotar o TD da vitória.

Direto do túnel do tempo.

O caminho até ali

Nos primeiros 28 minutos de partida Cleveland foi o que havia sido nos últimos anos: uma equipe apática. O ataque estava imóvel enquanto Tyrod Taylor lutava contra sua própria incapacidade (foram quatro passes completos em 14 tentativas) e a de seus companheiros – Antonio Callaway deixou um TD fácil escapar e o jogo corrido simplesmente não fluía.

Para tornar tudo ainda mais cruel, Isaiah Crowell, ex-Browns, anotou dois TDs – no segundo, moleque travesso e rancoroso (rancor, o sentimento mais belo que um ser humano pode cultivar e alimentar), limpou-se com a bola e atirou na arquibancada. Mas logo depois Taylor precisou sair de campo e, com 1 minuto e 23 segundos no relógio, Baker entrou em campo disposto a interromper anos de sofrimento.

Dilly dilly!

Após a vitória, Joe Thomas perguntou a Mayfield onde ele encontrara confiança para jogar, já que não havia treinando como titular durante a semana. “Por mais engraçado que isso possa parecer, foi assim minha vida inteira”, respondeu, antes de perguntar. “Os bares ainda estão abertos? Dilly dilly!”, disse, se referindo a promessa de cerveja gratuita em caso de vitória dos Browns.

Na última quinta-feira, Baker não ganhou apenas um jogo, ele ganhou o direito de construir sua própria narrativa na NFL – assim como já havia feito em sua carreira universitária, onde escreveu sua história semana após semana. Mayfield não apenas derrotou os Buckeyes em Ohio; eles os derrotou e cravou a bandeira de Oklahoma em pleno Ohio Stadium.

Ele não apenas conquistou a titularidade em Texas Tech em seu primeiro ano; ele o fez e então se transferiu para Oklahoma, não apenas inspirando pessoas a fazerem camisas o criticando – ele as comprou para vestir. Mas como o próprio Baker disse após o jogo: “Passado é passado. Você precisa apertar o botão de reset e dar o próximo passo em frente”.

Agora não importa mais se Cleveland teve um dos maiores jogadores da história do basquete (e indiscutivelmente o melhor de sua geração) por 10 anos e o transformou em apenas um título. Não mais importa se Cleveland teve o melhor OT da história da NFL e não conseguiu nada além do que transformá-lo em um símbolo para cidade.

Na última quinta-feira, tudo valeu a pena, afinal, 635 dias depois, Cleveland bebeu cerveja de graça.

Análise Tática #22 – Os seis anos de Chuck Pagano – Parte 2

A estadia de Chuck Pagano em Indianapolis foi tão absurda que precisamos dividir essa análise em duas partes. Segue a primeira.

A temporada de 2014

Andrew Luck e o Indianapolis Colts como um todo tiveram seus melhores desempenhos em 2014. Atingindo 40 TDs e mais de 4000 jardas, Luck jogou como MVP em seu terceiro ano, e sequer entrou na conversa por causa de um Aaron Rodgers espetacular, principalmente no baixo número de turnovers.

A partir de então tornou-se mais claro que o Colts era um time atrapalhado por sua comissão técnica. Pep Hamilton era criticado pelo baixo desempenho do time na redzone e Greg Manusky principalmente nas derrotas produzidas em shootouts: 42-20 contra os Patriots em Indianapolis, 34-51 contra os Steelers em Pittsburgh, 07-42 contra os Cowboys em Dallas. Além disso, o Colts perdeu as duas primeiras partidas da temporada contra os Broncos (24-31 após sair perdendo por 24-0) e Eagles (30-27 após sair vencendo por 6-20), o que viria a ser cotidiano desde então.

Apesar da grande temporada no geral, os pontos negativos foram bem agravantes: várias partidas com inícios lentos (3-and-out nos primeiros drives), defesa mal preparada contra bons QBs, péssima execução na redzone, além da recorrente instabilidade da linha ofensiva. O placar não mostra, mas o time sofreu em algumas vitórias que deveriam ser fáceis, como os Browns e o segundo jogo contra os Texans.

Em nenhum dos 16 jogos da temporada regular de 2014 o Colts teve seu drive inicial da partida terminando em touchdown. Em cinco partidas foram field goals, e no restante muitos punts e turnovers. Basicamente, o time precisou correr atrás do placar na maioria dos jogos, o que diminui o balanço de snaps com jogo corrido, e restringe as possibilidades do plano de jogo.

Como Pep Hamilton é da escola West Coast, provavelmente as jogadas de Indianapolis no início da partida eram previamente designadas, desconsiderando o que o adversário colocava em campo. Outro ponto que prejudicou o desenvolvimento dos drives iniciais foram os erros mentais: muitas faltas de false start holding prejudicavam o andamento.

O problema de ritmo no ataque

Para exemplificar, observe o three-and-out dos Colts contra os Patriots na semana 11 de 2014:

O Colts utiliza um set de 3 WRs, um TE (Coby Fleener) e RB (Trent Richardson), todos alinhados em um conjunto que seria 5 WR. O objetivo é atacar o fundo do campo. Com o lado direito mais carregado, o Colts tenta induzir a defesa dos Patriots àquele lado. O erro aqui é que nenhuma rota ataca o lado esquerdo, abrindo a defesa. O Patriots responde em um conjunto de zonas e anula todas as rotas.

Enquanto isso, o defensive tackle vence seu duelo contra o center e desmonta o pocket, obrigando Luck a ir para o scramble, ganho de 4 jardas.

Na jogada seguinte, uma formação big com twin-TEs, terminando em ganho de 1 jarda de Trent Richardson.

Na terceira jogada, Pep Hamilton mais uma vez tentou atacar a defesa dos Patriots com um conceito de rotas verticais, que responde anulando TY Hilton com a combinação de press coverage e uma marcação em zona no fundo do campo.

Luck realiza sua progressão em leitura hi-lo e termina fazendo o checkdown.

Pep Hamilton tinha problemas para estabelecer um ritmo no ataque dos Colts com suas chamadas, o time era muito dependente de big plays para progredir em campo, e, quando chegava à redzone, estancava exatamente pelo curto espaço de campo. A falta de um jogo terrestre mínimo tornava as coisas ainda mais unidimensionais.

Essas situações criaram um cenário de risco para o jogo de Andrew Luck: sendo obrigado a atacar o campo, o QB conseguiu sua melhor temporada em jardas e TDs, ao mesmo tempo que voltou a crescer em número de turnovers.

Os problemas contra o jogo terrestre

Como mostramos com exemplos de 2012, a defesa dos Colts ainda era muito soft contra a corrida, e Bill Belichick aproveitou-se disso nas duas situações que enfrentou Indianapolis. Na temporada regular, o desconhecido Jonas Gray anotou 4 TDs corridos em pleno Lucas Oil Stadium.

No AFC Championship Game em Foxborough, LeGarrette Blount teve 30 carregadas para 148 jardas e 3 TDs. Comecemos a observar os problemas defensivos do Colts analisando a corrida mais longa de Blount no jogo, para 22 jardas.

O Patriots executa uma outside zone partindo do 22 personnel, indicando uma formação clara de corrida, que mesmo assim o Colts não conseguiu parar. Há pelo menos dois momentos em que a jogada poderia ser encerrada antes de se tornar uma big play. Mesmo preenchendo os gaps de forma correta, nenhum dos jogadores consegue fechar o tackle.

Retira-se essa jogada das estatísticas e ainda temos 29 carregadas para 126 jardas, resultando em 4,34 jardas por tentativa. Mais de um first down a cada 3 jogadas.

A temporada de 2015

O quarto ano do regime Pagano começou com a ilusão de que o Colts seria Super Bowl contender, mesmo o vídeo do jogo contra os Patriots na final de conferência mostrando o contrário.

O pior é que Jim Irsay acreditou e contratou vários veteranos para legitimar esse processo: WR Andre Johnson, RB Frank Gore, G Todd Herremans e OLB Trent Cole chegaram por contratos elevados, embalados pelo win-now. No Draft, Ryan Grigson pensou que nomes como Malcom Brown, Landon Collins, Erick Kendricks não eram bons o suficiente e escolheu Phillip Dorsett, WR de Miami.

Um time com problemas de trincheiras resolveu que a melhor solução era lotar o elenco de skill players, e a realidade de setembro provou que isso foi uma estratégia equivocada. Nos dois primeiros jogos da temporada, Rex Ryan (Bills) e Todd Bowles (Jets) não se intimidaram em atacar Luck com blitzes e capitalizar com erros.

Foram cinco interceptações e três touchdowns em dois jogos. Para exemplificar, vamos observar como as blitzes de Todd Bowles fizeram Luck cometer erros de leitura e como Pep Hamilton não ajustava o esquema para se aproveitar disso.

Hamilton mais uma vez desenha um conceito de rotas longas para iniciar o jogo, enquanto o RB não percebe a blitz chegando pelo lado esquerdo, deixando Luck em apuros.

Andre Johnson não consegue se livrar do press coverage e o timing com Luck é prejudicado. Ele toca a bola e a deixa no ar, interceptada por Buster Skrine.

Problemas de constante pressão contra blitz e rotas longas resultaram na lesão de Luck na semana 3 contra os Titans, que o tirou dos jogos contra Jacksonville e Houston. Luck voltou contra Patriots (o clássico jogo do fake punt), Saints, Panthers e Broncos, quando sofreu a lasceração de rim que o tirou do restante da temporada.

A temporada de 2015 foi atípica, record de 2-5 com Luck em campo e 5-3 com Matt Hasselbeck. Ao todo 10 QBs estiveram no roster de Indianapolis, sendo que além dos dois, Charlie Whitehurst, Josh Freeman e Ryan Lindley também tiveram snaps.

A ineficiência ofensiva dos Colts resultou na demissão de Pep Hamilton após a semana 6 contra os Panthers, e o cargo de coordenador ofensivo dos Colts foi assumido por Rob Chudzinski.

A temporada de 2016

Finalmente chegamos ao ponto em que a habilidade de Andrew Luck não foi mais suficiente para esconder a deficiência técnica dentro de campo e de planejamento dos Colts.

Apesar do segundo melhor ano estatisticamente do quarterback, foram oito derrotas, algumas delas com o que o time podia fazer de pior, como ceder 54 jardas em 35 segundo contra os Lions, ceder 14 pontos seguidos contra Brock Osweiler após estar vencendo por 23-9.

Além disso, o Colts perdeu jogos importantes contra Houston em Indianapolis e Oakland, quando possuía chances de tomar a liderança da AFC South, mesmo com campanha medíocre. Por toda a temporada, Luck teve sessões de treino limitadas devido ao que depois descobrimos ser sua lesão no ombro que o segura até hoje, além de perder o jogo de Thanksgiving na semana 12 por concussão.

Mesmo draftando Ryan Kelly na primeira rodada e ter contratado Joe Philbin para técnico de OL, Luck sofreu 15 sacks nos quatro primeiros jogos, 5 contra Denver e 6 contra Jacksonville. Em contrapartida, a OL melhorou bastante nos bloqueios de jogo terrestre e Frank Gore conquistou 100 jardas em um jogo algumas vezes, fato que não ocorria desde 2012 com Vick Ballard na semana 17.

Após Irsay renovar os contratos de Pagano e Ryan Grigson por 4 anos em janeiro de 2016, a temporada acabou com a demissão do GM. Chris Ballard foi contratado e mesmo assim obrigado a manter Chuck Pagano em 2017.

A temporada de 2017

A offseason de 2017 foi preenchida pela dúvida quanto à saúde de Andrew Luck. Irsay por vezes garantiu que o jogador estaria pronto para a semana 1, enquanto Chris Ballard não prometia nada. A verdade é que o quarterback foi colocado no IR após voltar a sentir dores no mês de outubro, e seguiu para tratamentos alternativos na Holanda.

Com isso, os Colts tiveram que se virar com Scott Tolzien e Jacoby Brissett, obtido por troca com o New England Patriots. O principal fator problemático em 2017 foi a quantidade de viradas que o time sofreu pela falta de ajustes no intervalo, destacando-se jogos contra Seattle, Tennessee, Houston, Pittsburgh, Denver e Baltimore.

A defesa adquiriu boas peças pela estratégia de Ballard em contratar jogadores que brigam por posição. Nomes como Jabaal Sheard, John Simon, Henry Anderson, Quincy Wilson, Malik Hooker, Nate Hairston, Rashaan Melvin e Johnathan Hankins desempenharam bons papéis enquanto estiveram em campo.

No ataque, Chudzinski tentou montar um ataque simplificado em run-pass-option, para facilitar a vida de Brissett, mesmo não sendo sua escola. O QB desempenhou um bom trabalho em algumas partidas, mas erros de leitura e falta de senso de urgência em algumas progressões se tornaram comuns. O ataque não conseguia se manter em campo e ajudar a defesa a descansar, além de não existirem ajustes da comissão técnica como um todo.

O Colts de 2017 é um time com bons valores individuais e sem o plano de jogo ideal, o que recai nos técnicos. Brissett sofreu 51 sacks em 2017, segunda maior marca da história da franquia, somando sua baixa capacidade técnica de se livrar da bola nos momentos certos e a regressão da linha ofensiva após pequena melhora no final de 2016.

Após a demissão de Pagano, o cenário para o Colts em 2018 é de uma reconstrução que na verdade nunca houve. Seis anos de um bom quarterback foram desperdiçados por decisões ruins dentro e fora de campo em todos os escalões do front office, e agora não sabemos em que condições Luck retornará a campo (ou se voltará).

Há diversas opções de jogadores que podem mudar de patamar tanto a defesa quanto o ataque no Draft de 2018. Jim Irsay não pode mais ignorar o fato de que a carreira de seu franchise QB está passando e precisa considerar bons nomes para sua nova comissão técnica para ajudá-lo, e não torcer para que o mesmo resolva tudo, como é padrão em Indianapolis desde os tempos de Jeff George.

  • Diego torce para os Colts e já está pedindo a demissão do próximo técnico.

Análise Tática #22 – Os seis anos de Chuck Pagano – Parte 1

O Pick Six traz para você leitor um trabalho mostrando como o Indianapolis Colts, que teve a sorte grande de draftar dois hall of famers seguidamente, conseguiu não traduzir tal feito em múltiplos Super Bowls. Iremos revisitar em duas partes todos os seis anos de Charles David Pagano como head coach dos Indianapolis Colts. Para você que é um leitor neutro, segue a oportunidade de uma ótima forma de entretenimento.

Chuck Pagano foi contratado pelo Indianapolis Colts em 2012, após a franquia ter demitido o mestre do controle de relógio Jim Caldwell e todas as sus expressões faciais. Em 2011, o torcedor dos Colts que ainda não tinha percebido descobriu que na verdade era Peyton Manning quem carregava o piano, e mesmo com jogadores históricos como Reggie Wayne, Robert Mathis e Dwight Freeney, sem seu QB o time não valia mais que aquele dinheirinho que vem em pipoca doce.

E 2012 começou assim, como reconstrução. Embalado pelo #SuckForLuck, Jim Irsay demitiu Caldwell, Bill e Chris Polian, HC, VP e GM do time, respectivamente, além de ter permitido com que Peyton Manning procurasse outro time para ser feliz. O processo de reconstrução começou com a contratação da dupla Ryan Grigson e Charles Pagano. Grigson tinha histórico do setor de scout no Philadelphia Eagles (apesar de seus colegas de trabalho não entenderem por que ele conseguiu tal emprego). Já Pagano veio tratado como mente defensiva, o guru de DBs que iria revolucionar a defesa dos Colts com coberturas homem-a-homem e single high, após anos executando a defasada Tampa 2 na gestão Dungy-Caldwell.

O draft de 2012 aconteceu e Jim Irsay chamou a responsabilidade garantindo a escolha de Andrew Luck sem mistério nenhum, semanas antes do Colts sequer entrar no relógio. Indianapolis garantiria mais 15 anos de franchise QB ao mesmo tempo em que Grigson garantiu armas para Luck draftando Coby Fleener, Dwayne Allen e T.Y. Hilton.

A temporada de 2012

O coaching staff dos Colts em 2012 era Charles Pagano como HC, Bruce Arians como OC e Greg Manusky como DC. Clyde Christensen permaneceu da gestão anterior para ser o técnico de QBs e desenvolver o talento de Andrew Luck. A primeira partida foi uma derrota por 41-21 contra os Bears de Jay Cutler no Soldier Field, e seria apenas a primeira de onze derrotas (e contando) em seis anos cedendo mais que 40 pontos ao adversário, pior marca da NFL.

Na segunda rodada, Andrew Luck liderou os Colts à sua primeira vitória na liga, em um 23-20 contra o Minnesota Vikings. Após liderar por 20-6 em três quartos, o Colts cedeu o empate tomando 14 pontos seguidos (familiar, caro leitor?). Luck botou o time no braço e colocou Adam Vinatieri em condição de chutar o field goal da vitória.

Bruce Arians enquanto coordenador ofensivo foi responsável por fazer Luck “perder o medo” de arriscar em profundidade, excelente trabalho inclusive que o rendeu o emprego que possui hoje no Arizona Cardinals.

Luck veio do College Football como o prospecto mais completo da história, basicamente o trabalho dos Colts era plugar e jogar, tendo que corrigir alguns erros pequenos como a tendência a arriscar demais. Entretanto, como sabemos, Luck tomava riscos por que sabia que era capaz de converter jogadas, o famoso “só bate quem erra”. Arians então aproveitou-se da capacidade de seu QB para desenvolver um ataque vertical, diferente do que Luck executava em Stanford, um híbrido de West Coast Offense clássica e Spread.

Nessa formação observamos um esquema que foi bastante utilizado no ano de calouro de Luck, e também foi uma das razões o qual era exposto a bastante sacks. Dois TEs em campo, singleback e dois receivers em lados opostos do campo. Reggie Wayne atrai a marcação no meio de campo e Donnie Avery encara seu marcador na rota fly. Luck aproveita o playaction fake e junto com um 5-step dropback, manda um passe perfeito, nada mal para um calouro em seu primeiro jogo em casa.

Normalmente, QBs calouros necessitam de um esquema que mascare suas deficiências para render, isso não aconteceu com Andrew Luck. Pagano e Arians não tiveram medo de expor seu signal-caller a leituras totais de campo, jogadas verticais, ajustes de proteção e option-routes, situações que geralmente apenas QBs com tempo de experiência profissional precisam enfrentar.

Durante o game-winning drive da partida entre Vikings e Colts, o ataque executou o conceito dagger, em que o alvo da jogada foi Reggie Wayne. Inclusive, o camisa 87 foi o principal alvo de Luck durante o ano de calouro e também um dos responsáveis por moldar o jogo de TY Hilton à sua imagem e semelhança. Repare nas rotas profundas e no 5-step drop, constante durante todo regime de Pagano.

Outra característica no jogo de Luck evidente desde suas primeiras atuações é a precisão de passe em janelas curtas. Na jogada abaixo, observe o QB anotando um TD ainda no jogo contra os Vikings em 2012. Esquema desenhado para aproveitar-se do release e do tamanho de Dwayne Allen como alvo na redzone. Luck coloca a bola na altura do peito de Allen com três defensores chegando na jogada, um passe fora de posição provavelmente seria defendido ou interceptado.

A defesa prevent

Uma característica dos Colts sob o comando de Chuck Pagano é diminuir a agressividade em situações de vantagem no placar ou campanhas de dois minutos. Basicamente, esse setor do time não encontrava respostas para os ataques adversários no momento em que era necessário dar um passo a frente, situação que custou derrotas ou precisou de que Andrew Luck resgatasse o time em desvantagem.

Esse tipo de coisa (contra Ponder ou não) foi comum.

Por muitas vezes, a defesa dos Colts parece uma unidade despreparada em campo, como se não houvesse nenhuma detecção dos padrões do adversário, além da baixa ou nula capacidade de ajustes de Chuck Pagano. Em 2012, isso ficou evidente na partida contra os Jaguars, encabeçado na época por Blaine Gabbert e Maurice Jones-Drew. Após abrir 14-3 antes do intervalo, os Colts cederam 19 pontos no segundo tempo para a derrota.

A defesa dos Colts tinha propensão a ceder big plays no jogo terrestre, mesmo contra times que o tinham como ponto primordial do ataque, como os Jaguars anteriormente mencionados. Alternaram-se os problemas de profundidade de elenco na defesa ao longo desses seis anos: quando havia bons LBs (Jerell Freeman), não havia DLs. Quando o front seven foi estabilizado com Cory Redding, houve o experimento LaRon Landry. Observe abaixo a ausência de atleticismo da linha defensiva em 2012 de proteger os gaps contra uma trap.

A campanha “Chuck Strong”

É impossível falar sobre a temporada de 2012 do Indianapolis Colts sem mencionar a ausência de Chuck Pagano de 12 jogos por conta do tratamento de leucemia. Diagnosticado na semana 4, bye week dos Colts, o técnico ficou ausente até a semana 17, quando retornou contra o Houston Texans. O impacto desse fato em campo é notável, por que após uma campanha 1-2, o time venceu 10 dos últimos 13 jogos da temporada, garantindo vaga nos playoffs como wild card.

Esse contexto é importante por que na época não se imaginava que um QB calouro como Andrew Luck, por melhor que fosse, seria capaz de transformar o time imediatamente. Com Bruce Arians acumulando as funções de head coach e coordenador ofensivo, o ataque teve um salto de qualidade, somado aos intangíveis relacionados ao tratamento de Pagano.

Em termos de plano de jogo e auxílio técnico, os 12 jogos de Luck sob a tutela de Bruce Arians e Clyde Christensen foram os melhores em sua carreira. Nesse período, o QB estabeleceu sua química com o veterano Reggie Wayne, principalmente em conversões de terceira descida, ao mesmo tempo em que TY Hilton aumentava gradativamente sua carga de snaps.

O jogo da semana 5 de 2012 contra os Packers é memorável nesse aspecto. Após sofrer 21-0 no primeiro tempo, os Colts conseguiram a primeira grande virada da carreira de Andrew Luck, vencendo por 27-30. Outras vitórias importantes nessa fase foram contra os Lions na semana 13 e contra os Texans na semana 17. Ao mesmo tempo, duas das derrotas foram acachapantes: Contra os Jets (9-35) e Patriots (24-59).

O encerramento da temporada de 2012 veio pela eliminação no wild card contra o Baltimore Ravens (que viriam a ser campeões) por 9 a 24.

A temporada de 2013

Bruce Arians saiu de Indianapolis rumo ao cargo de head coach em Arizona, e para sua reposição, os Colts trouxeram de Stanford o coordenador Pep Hamilton, familiar a Andrew Luck. A intenção com esse movimento era clara: implantar conceitos semelhantes à West Coast Offense híbrida que Luck operou em seus anos de College Football, sob a tutela de Jim Harbaugh e David Shaw.

A temporada de 2013 também pode ser lembrada como aquela em que os Colts derrotaram os melhores times à época: vitórias contra 49ers, Seahawks, Broncos e Chiefs em contextos inexplicáveis. Mas também houve derrotas por mais de 20 pontos contra Rams, Cardinals e Bengals.

A instabilidade na posição de Center

Após anos com uma das melhores duplas QB-Center da história em Peyton Manning e Jeff Saturday, o Colts teve dificuldades ao encontrar estabilidade em um parceiro confiável para Andrew Luck. Nomes como AQ Shipley, Samson Satele, Khaled Holmes e Jonnothan Harrison (este ultimo mais recentemente) se revezaram na posição fundamental da linha ofensiva.

Apesar de o left tackle geralmente ser o jogador mais bem pago, por inúmeras vezes enfrentar o melhor pass rusher adversário, quase sempre individualmente, e proteger o lado cego do quarterback, considera-se o center como posição mais importante taticamente, pois este jogador é responsável por identificar o tipo de front utilizado pelo adversário, se há blitz, e orientar pré-snap os demais jogadores em suas tarefas.

Além disso, o ato do snap é uma tarefa subestimada. Uma boa dupla pode utilizar de hardcount e fazer com que defensores cometam offside, um bom snap também determina a velocidade com que a jogada se desenvolve, dando um segundo a mais para o QB no pocket, que pode ser precioso ao completar um passe.

Por vezes vimos em Samson Satele essas duas deficiências. Guard de origem, o jogador tinha dificuldade em realizar o snap e identificar seus bloqueios. Observe nessa outside zone¸ que Satele não consegue engajar em nenhuma de suas funções na jogada, primeiro e segundo nível. A jogada não é bem-sucedida por outros fatores além.

O experimento Trent Richardson

Para tratar de Trent Richardson nos Colts, é interessante retornarmos ao draft de 2009.

Fonte: Bleacher Report

Na primeira rodada daquele draft, Bill Polian selecionou Donald GODDAMIT Brown, o escolhido para ser o contrabalanço a Peyton Manning no crepúsculo de sua carreira. Obviamente, a escolha deu errado e Donald nunca foi um jogador de elite na NFL, enquanto Polian afirma que teria escolhido Clay Matthews se não fosse por um trade up dos Packers à escolha anterior à sua (você não engana ninguém, Bill) ou mesmo ter passado LeSean McCoy (escolhido na segunda rodada pelos Eagles naquela ocasião).

Mas o que isso tem a ver com Trent Richardson? Bem, após ter ficado óbvio que Donald Brown ter sido uma escolha ruim, Jim Irsay foi para o movimento arriscado. Ryan Grigson e ele concordaram que era uma boa ideia trocar uma escolha de primeira rodada por Trent Richardson. A ideia era acelerar o processo de transformação dos Colts a postulante ao Super Bowl rapidamente. Em campo, o que se viu foi um running back muitas vezes acima do peso que não conseguia realizar as leituras corretas.

Em amarelo, o caminho ideal, em vermelho o caminho que ele escolheu. Fonte: SB Nation

O desenvolvimento da jogada anterior:

Por fim, um lance que talvez estivesse nos melhores piores momentos da semana se a coluna existisse à época. Em um jogo de playoffs, Trent Richardson se atrapalha em trocar a bola de mãos enquanto tenta cortar pelo meio da defesa do Kansas City Chiefs.

 

  • Diego Vieira torce pelo Indianapolis Colts e não sabe como sobreviveu a esse sofrimento.

Jimmy, San Francisco e a procura pelo QB ideal

Existe uma questão que praticamente todo time da NFL que passa por uma reconstrução precisa cedo ou tarde responder. E a resposta para essa pergunta, muitas vezes, pode determinar o sucesso ou fracasso de um período inteiro de reconstrução, e definir o futuro da franquia.

Como conseguir o seu quarterback para o futuro?

Querendo ou não, a posição de QB é de longe a mais importante do futebol americano, e muitas vezes o diferencial entre o sucesso e o fracasso. Existe um motivo pra que 90% dos vencedores do prêmio de MVP sejam quarterbacks. Então se você é um time ruim que quer ser bom, a melhor forma de atingir essa virada – e, talvez mais importante, de garantir que essa virada seja sustentável no médio e longo prazo – é conseguir acertar em cheio no jogador que você escolhe para comandar o ataque da sua franquia. Times como Jets e Texans tentaram se reconstruir muitas vezes nos últimos anos, mas sem achar uma solução para a posição, sempre dependeram de um sucesso pontual em meio a diversos anos decepcionantes (o Texans, claro, parece enfim ter encontrado seu QB). O Browns nunca conseguiu uma reconstrução em parte por nunca ter achado o seu quarterback. Times como o Jaguars – que deve finalmente voltar aos playoffs esse ano e está 9-4 – podem conseguir um bom ano atrás de uma dominante defesa apesar de ter Blake Bortles como titular. Mas pense em quantos anos de boas defesas não foram desperdiçados em Jacksonville, Chicago, Saint Louis (descanse em paz) e Minnesota devido à incerteza na principal posição do jogo.

Por isso times que estão em reconstrução precisam, em algum momento, encarar essa mesma questão e decidir de onde vão tirar um quarterback para chamar de seu. E, como todo jogador, existem três formas de se adquirir um: por troca, pelo Draft, ou contratando um agente livre. E o pior, ou talvez mais interessante, é que não existe uma resposta certa. Todos os três meios têm seus prós e contras, e não existe uma maneira segura de garantir que seu time vai encontrar uma solução para os próximos 10 anos. GMs inteligentes em reconstruções são os que mantém as três vias abertas e manipulam seus ativos de forma a maximizar suas chances, e se colocam assim em uma boa situação para aproveitar as oportunidades que aparecem.

O Draft costuma ser a via mais utilizada por tais times em busca de um franchise QB, o que faz bastante sentido. Times em reconstrução costumam ser ruins e ganhar poucos jogos, o que significa que escolhem perto do topo do Draft com frequência – o lugar onde costumam se encontrar os melhores QBs. Dos 32 QBs titulares “ideais” nesse ano na NFL, 20 deles foram selecionados na primeira rodada, e 5 outros na segunda rodada. Uma escolha alta no Draft é, em tese, a melhor maneira de garantir que esses jogadores estejam no seu time.

Outro benefício de encontrar esse jogador no Draft é que isso garante a você 5 anos baratos (no caso da primeira rodada, ou 4, no caso de outras rodadas e, por fim, se você for um mago do scouting, 3 anos no caso de jogadores Undrafted) para a posição mais cara do time, economizando assim um valioso dinheiro que pode ser usado em outras posições importantes (Russell Wilson, escolha de 3ª rodada, é o melhor exemplo disso: durante 4 anos o Seahawks teve seu Franchise QB ganhando 1 milhão por ano, e pôde gastar esse dinheiro para ir na free agency contratar estrelas e renovar com seus melhores jogadores, montando assim a espinha dorsal do time campeão em 2013).

Mas o Draft também é de certa forma uma loteria. O índice de acertos não é grande o suficiente para essa ser uma opção de baixo risco, e escolher o QB errado no topo do Draft é uma coisa que pode atrasar sua reconstrução em anos enquanto a franquia fica comprometida com um jogador ruim. O Rams escolheu Sam Bradford, não deu certo, e demorou 8 anos até voltar a ser um time competitivo (embora Jeff Fisher tenha lá sua parcela de culpa). Titans, Jaguars e Vikings escolheram, respectivamente, Jake Locker, Blaine Gabbert e Christian Ponder no mesmo Draft, e demoraram anos para se recuperar da decisão. O Broncos parece ter errado feio com Paxton Lynch, e agora tem talvez a pior situação de QBs da NFL segurando o que deveria ser um ótimo time. E, para para piorar o problema, muito do sucesso no Draft envolve a forma como os times desenvolvem os jovens talentos que adquiriram, e um time em reconstrução normalmente não tem grandes peças para colocar em volta de um jovem QB e auxiliar seu desenvolvimento (pense em Alex Smith, escolha #1 de 2005, com os 49ers), o que pode diminuir as chances de sucesso de uma escolha desse tipo. É uma opção de alto risco.

Buscar esse QB na free agency não tem o mesmo risco, mas também é uma oportunidade infinitamente mais limitada por um simples motivo: franchise QBs simplesmente não chegam no mercado. A estrutura de salários da NFL – em especial a Franchise Tag – gera incentivos muito maiores para os times manterem suas grandes estrelas, e como QB é a posição mais importante do time, esses são os jogadores que as equipes concentram esforços para manter. Situações como as de Drew Brees e Peyton Manning são enormes outliers – contextos muito únicos com questões complicadas de lesões para adicionar – que times em reconstrução dificilmente podem prever ou se apoiar como uma estratégia confiável. Os QBs que normalmente se encontram no mercado são os medianos , os Tyrod Taylors e Jay Cutlers da vida, que podem até servir em um situação favorável, mas estão longe de serem uma garantia – caso contrário não estariam disponíveis. Certo, Brock Osweiler?

O que o desespero não faz com as pessoas.

Geralmente os melhores resultados na free agency vêm para times que fazem compras baratas e apostam em um jogador que floresce em um contexto favorável e específico, com o Vikings encontrou esse ano com Case Keenum ou o Cardinals com Carson Palmer. Mas esses casos são minoria, e ambos tiveram sucesso em parte porque encontraram uma situação muito favorável e um time extremamente completo e bem montado ao seu redor, situação que um time ruim em reconstrução dificilmente pode proporcionar. Além disso, não é como se fossem apostas feitas com convicção: Keenum foi contratado para ser a terceira opção atrás de Bradford e um Teddy Bridgewater em recuperação, e se o Vikings tivesse a menor ideia de que Keenum iria explodir em Minnesota, com certeza teria oferecido a ele um contrato mais longo que mantivesse-o sob controle da franquia por mais tempo (e a um baixo custo).

Por fim, as trocas são as situações mais imprevisíveis das três. Franchise QBs raramente ficam disponíveis para troca, e os jogadores que ficam muitas vezes são os que enfrentam muitas dúvidas ou que dependiam muito de um esquema tático específico. A melhor situação é algo como o que  aconteceu com Alex Smith – um bom QB “forçado” ao banco por uma opção melhor – e ainda assim são situações que costumam envolver um alto preço, muitas vezes em escolhas de Draft, que um time em reconstrução pode hesitar em pagar, a menos que o interesse seja muito grande – ou a janela esteja fechando. É talvez a opção mais interessante por oferecer maior variedade de situações, e a que os GMs mais precisam estar alertas para aproveitar quando aparece, mas também é uma via bastante escassa.

Então considerando a imprevisibilidade e alto custo da primeira opção, e a baixa oferta das últimas duas, não é de se espantar que tantos times esbarrem na dificuldade de achar um bom quarterback para seu time, especialmente um que faça sentido com a timeline do resto do seu elenco. Cometa um erro com a opção errada, e seu time pode se atrasar em anos até voltar a ser competitivo. Deixe passar uma boa opção, e seu emprego estará em xeque com sua cabeça sendo pedida por boa parte da mídia e dos torcedores (como aconteceu com o Browns, por exemplo). É uma situação delicada, uma fina linha entre explorar o máximo de vias possíveis enquanto não compromete os recursos de forma apressada, e saber exatamente a hora (e o custo) certo para se fazer uma aposta. Paciência, pensamento de longo prazo e – sejamos sinceros – uma boa dose de sorte costumam fazer a diferença nessas horas.

A reconstrução do 49ers

O 49ers era um dos times que estava nessa situação no ano passado. Com Jed York finalmente admitindo o erro passado e aceitando que a franquia precisava recomeçar quase do zero, San Francisco dispensou os resquícios da antiga gestão (incluindo seu QB titular, Colin Kaepernick), trouxe um novo técnico e um novo GM, e anunciou sua intenção em enfim focar no longo prazo (a decisão correta, com dois anos de atraso). E, claro, parte importante desse processo (especialmente tendo dispensado um QB que te levou ao Super Bowl quatro anos antes) era descobrir quem seria o novo quarterback de uma franquia com uma longa tradição na posição.

E o interessante é que o novo GM John Lynch tinha à sua frente múltiplas opções para tomar na busca pelo novo QB do futuro da franquia, e sendo seu primeiro cargo executivo na NFL, muitas pessoas especulavam se essa falta de experiência levaria Lynch a querer ir para o Home Run logo de cara com alguma grande movimentação nesse sentido. No entanto, Lynch fez aquilo que, a meu ver, foi a decisão mais correta no momento: ele não fez nada.

Com a escolha #2 do Draft, San Francisco estava em boas condições de ir atrás de um QB como Mitch Trubsky ou Deshaun Watson, consideradas as duas melhores opções do ano na posição. No entanto, a avaliação de Lynch era de que nenhum dos dois valeria essa escolha – uma avaliação partilhada por mim e grande parte dos analistas – então Lynch inteligentemente foi na direção oposta, trocando suas escolhas para descer no Draft e acumular seleções extras (como times em reconstrução deveriam fazer). Ajudou também o fato que o Chicago Bears aparentemente não tem a menor ideia do que está fazendo. 

O que o desespero não faz com as pessoas.

Enxergando (novamente de forma correta) que não teria à sua disposição como adereçar a questão do QB de forma satisfatória e ao preço certo no momento (e, talvez, que não fosse a hora para isso), o GM do Niners se preocupou em manter as opções em aberto para o ano seguinte. A classe de QBs de 2018 prometia ser bastante intrigante com Josh Rosen e Sam Darnold. As escolhas de Draft extras que Lynch acumulou no seu primeiro recrutamento como GM deram ao 49ers um rico baú de ativos que poderia usar caso quisesse entrar em alguma negociação de troca, ou até para subir no próximo Draft. E, no horizonte, Kirk Cousins estava ameaçando virar free agent depois de dois anos jogando sob a Franchise Tag e múltiplos dissabores com a diretoria de Washington. O Chicago Bears é, novamente, o exemplo de quem não sabia o que estava fazendo. Mike Glennon, gente. Mike Glennon. 

Ao invés de tentar resolver tudo de uma vez só, Lynch enxergou no horizonte possibilidades muito melhores se desenhando para ano que vem, e posicionou o time de forma a explorar todas elas conforme fossem aparecendo. Enquanto isso, manteve a pólvora seca: trouxe Brian Hoyer na free agency, um QB veterano que já tinha trabalhado com Kyle Shanahan e iria ajudar a implementar seu esquema tático, e usou uma escolha de terceira rodada (luxo que poderia se dar com tantas escolhas adicionais) em CJ Beathard. Nenhuma das duas era um movimento que fosse provável resolver a posição para o futuro, mas foram dois movimentos de baixo custo que poderiam dar resultados modestos no médio prazo, apostas inteligentes de baixa probabilidade, mas baixo custo – e, afinal, ALGUÉM precisava jogar de QB para esse time.

Lynch faz o seu movimento

Agora todos já sabemos como essa história terminou. Depois de passar boa parte do ano esperando o mercado se desenhar enquanto Beathard e Hoyer não funcionaram como titulares (quem poderia imaginar, QUEM?), o 49ers eventualmente acabou enviando sua escolha de segunda rodada de 2018 (um preço bastante em conta considerando que San Francisco tem escolhas extras de segunda e terceira rodada em 2018, rodada graças às trocas do Draft passado) para New England em troca de Jimmy Garoppolo, o promissor QB que não encontrou espaço para jogar graças a um tal de Tom Brady.

O preço de uma escolha de segunda rodada por Jimmy G é bastante modesto comparado ao que New England supostamente estava pedindo ano passado e até no Draft desse ano, que variava entre múltiplas escolhas de primeira rodada ou uma escolha alta de primeira rodada. E isso é um testamento ao quão bem o 49ers jogou o jogo da paciência. A impressão que dá, entre tudo que é era reportado vindo de Foxborough, é que a vontade de Bill Belichick sempre foi manter Brady E Garoppolo (o que, de certa forma, já é um elogio imenso à capacidade do camisa 10) no time. Belichick tentou caminhar a linha de manter os dois jogadores até que concluiu que não seria possível, e acabou aceitando a proposta do 49ers.

Tente não se apaixonar.

Lynch lidou com a situação de forma perfeita. Se essa troca fosse feita no começo do ano, teria custado bem mais ao 49ers, pois o Patriots ainda estava com a força das negociações e tentando manter os dois QBs. Ao invés disso, Lynch esperou até o momento que o Patriots enfraqueceu sua posição e chegou a um bom acordo com um dos GMs mais difíceis de negociar da NFL.

Claro que o Niners poderia ter simplesmente esperado acabar o ano e tentar pegar Garoppolo então, mas isso também envolveria muitos riscos. New England ainda poderia usar a Franchise Tag (e nesse caso dificilmente o preço cairia mais), e mesmo se ele chegasse ao mercado, isso significaria que o 49ers teria que entrar em uma provável batalha financeira com outros times interessados, o que aumentaria consideravelmente o preço financeiro do negócio, e aumentaria também as chances do Niners NÃO conseguir o jogador. E, se conseguisse, provavelmente seria em um contrato longo e muito custoso, para um jogador que o 49ers teria  tido apenas DOIS jogos como titular em New England (ambos ano passado, em um esquema tático diferente e conhecido por “proteger” seu QBs e fazer jogadores medianos parecerem muito melhores) para avaliar. É o tipo de jogada all-in de altíssimo risco que o 49ers deveria evitar (e vem evitando), e trocando por Garoppolo agora não só San Francisco se colocou com todas as cartas para manter o jogador no time no longo prazo por um contrato menor do que daria no mercado, como também ganhou meia temporada para avaliá-lo, seja jogando como titular, seja nos treinos e como se relaciona com a comissão técnica, antes de tomar a decisão se quer apostar seu futuro no jogador.

E o mais interessante é o seguinte: com o contrato expirante de Jimmy, essa troca em nenhum momento compromete as outras possibilidades para o 49ers de conseguir um QB. Se Garoppolo não fosse/for bem ou o time avaliasse/avaliar que não valeria a pena seguir investindo no jogador, San Francisco poderia simplesmente deixá-lo ir embora, aceitar a escolha compensatória pelo jogador (inferior à que o time pagou por ele, sem dúvida, mas um preço que o time pode se dar o luxo de pagar), e voltar sua atenção para as opções no topo do Draft ou para Kirk Cousins. Isso teria um custo, mas a informação e a posição de força nas negociações adquirida teriam valido a pena, e a franquia poderia não se comprometer com uma opção sub-ótima, mantendo ainda as opções muito abertas.

Mas, claro, até aqui parece muito improvável que vá chegar a isso.

Jimmy Garoppolo em campo

Dois jogos não fazem uma carreira, sem dúvida. É impossível avaliar um jogador com tão pouco, e mesmo em cinco jogos (a quantidade de jogos que Garoppolo pode ter de titular antes de virar free agent) muita coisa ainda será um mistério. Quase qualquer QB ruim (menos Paxton Lynch) da NFL pode pegar dois jogos da carreira e apontar para eles como sendo uma amostra de que é um bom jogador. Então sempre temos que tomar cuidado para não ler demais em informações de menos.

Mas é humanamente impossível não se empolgar com o que Jimmy Garoppolo está mostrando em suas duas primeiras partidas como titular. Não é a questão da sua produção, embora essa também esteja sendo ótima: 66,7%, 9.0 Y/A, 8,3 AY/A, 645 jardas, 2 TDs, 2 INTs. Seu QBR seria 6º na NFL inteira, e seu DVOA seria #2, logo na frente de Tom Brady. Mas vocês não vão me ver referenciando esses números de novo nessa coluna, simplesmente porque eles não importam. 2 jogos é uma amostra pequena demais, e nenhuma estatística tem valor com uma amostra insignificante dessas. Não são os números que estão enchendo os olhos. É como Jimmy está jogando.

O 49ers teve uma abordagem cautelosa com seu novo QB. Ao invés de jogar Garoppolo no fogo de cara, mantiveram o camisa 10 no banco enquanto ele aprendia o playbook e o Niners esperava sua boa dupla de tackles (Trent Brown e Joe Staley) voltarem do departamento médico. Ainda assim, Jimmy entrou em uma situação bastante complicada após a lesão de Beathard, conhecendo apenas uma parte pequena do playbook, e com um elenco de apoio bem abaixo da média em termos de alvos e linha ofensiva.

E apesar disso, nesses dois jogos Garoppolo mostrou que estava mais do que pronto para o desafio. Apesar do conhecimento limitado do playbook e o pouco entrosamento com o resto do ataque, a simples presença de um QB capaz de ler e executar as jogadas já abriu muito esse ataque. Kyle Shanahan está conseguindo chamar mais jogadas e explorar mais jogadores e movimentações do que jamais conseguiu com Beathard e Hoyer, e o comando do ataque que Garoppolo já tem é surreal para alguém com tão pouco tempo de casa. Seu entendimento do jogo e da posição permitiu que isso fosse possível, e sua entrada já destravou mais o ataque do que poderíamos imaginar. 

Mas o que mais chama a atenção em Garoppolo é sua capacidade de lidar com a pressão. Na semana 14, desfalcado de seu RT e sofrendo pressão em incríveis 47% das jogadas de passe (maior marca da rodada), ele mostrou todo seu repertório depois de alguns passes ruins no começo do jogo. Em parte por sua força no braço, Jimmy tem no seu currículo o lançamento patenteado de Aaron Rodgers em movimento, que consegue lançar a bola com velocidade e precisão impressionantes só com o movimento do pulso, e o QB sabe usar isso muito bem. Ele espera até o último segundo para soltar a bola (e seu lançamento é incrivelmente rápido) e tem a combinação de conseguir sentir e lidar com o jogador de defesa no seu cangote enquanto mantém os olhos na secundária para continuar achando as jogadas, fazendo com que repetidamente vença a blitz em conversões cruciais e transforme situações negativas em ganhos. Nos seus dois jogos como titular (contra duas defesas acima da média) Garoppolo continuou mantendo campanhas vivas com conversões longas em terceiras descidas apesar de jogar com um defensor pendurado nele o tempo todo. Essa é uma das habilidades mais importantes de um QB no nível profissional, e Garoppolo está mostrando ser um dos melhores no negócio.

A verdade é que nesses dois jogos Jimmy mostrou todas as habilidades que você procura em um franchise QB. Sua inteligência em campo e sua leitura de jogo são excelentes. Ele consegue jogar em alto nível tanto dentro do pocket como saindo dele. Tem uma excelente precisão e ótima força no braço, e está se mostrando capaz de executar praticamente todos os passes que o ataque de Shanahan exige. Sua capacidade de lidar com a pressão é ainda mais impressionante. E se você acredita que para ser QB na NFL você precisa de uma certa qualidade quase “mística” de incentivar e motivar os companheiros, você não precisa ir muito longe para tropeçar em algum jogador do 49ers derramando elogios sobre seu novo signal caller. Até agora, Jimmy G parece ser o pacote completo. The real deal. 

Clowney who?

Novamente, é importante frisar o quanto dois jogos não servem para fazer uma avaliação exaustiva e completa de nenhum jogador. Nós só podemos avaliar o que nós vimos nesses dois jogos, mas não necessariamente Garoppolo será sempre o que foi neles. Nossa avaliação é limitada a esse respeito, graças a uma amostra pequena.

Mas também é importante lembrar que a avaliação do 49ers sobre Garoppolo não se limita apenas aos jogos. Além do que vemos em campo, o Niners tem Garoppolo nos treinos, aprendendo o playbook, lidando com jogadores e comissão técnica. Essa também é uma valiosa fonte de informações e muito maior e mais rica em qualidade do que nós, observadores externos, podemos captar. E é esse conhecimento agregado que só o Niners possui é o que vai fazer a diferença na hora do time decidir o que fazer com a situação do seu QB para 2018. Lembre-se: Belichick queria mantê-lo no elenco, e isso se deve muito ao fato de tê-lo observado nos treinos por anos.

Por enquanto, o que podemos dizer é que tudo indica que o 49ers achou o seu QB do futuro, e que ele é realmente muito bom – o tipo do jogador em torno do qual você constrói algo maior. O 49ers até aqui jogou todas as suas cartas com perfeição, maximizando suas avenidas para achar esse jogador, e os primeiros retornos indicam que o time conseguiu cumprir essa complicadíssima tarefa com bastante sucesso.

Ainda temos que ver como o 49ers vai dar os próximos passos nessa situação, e qual vai ser sua abordagem em 2018. Mas é difícil não se animar com o que estamos vendo do casamento entre Garoppolo e Kyle Shanahan, e com uma offseason inteira para se reforçar pela frente (na qual San Francisco deve ter mais salary cap do que qualquer organização da NFL tirando o Browns, ou seja, o time da NFL com mais espaço), esse ataque pode começar a fazer barulho muito antes do que o esperado. Dedos cruzados.

Análise Tática #20 – As particularidades de um jogo na neve

Football Weather” é a expressão repetida pelas pessoas ligadas a NFL nos meses de dezembro e janeiro. Em contrapartida ao baseball, jogado durante o verão, e ao basquete, jogado em ambientes fechados, o futebol americano é o esporte que simboliza a expressão “não tem tempo ruim”.

Além dos aspectos culturais de ser um esporte a ser tipicamente jogado no inverno, as regras da NFL permitem que partidas se desenvolvam em situações adversas. Jogos históricos aconteceram sob temperaturas baixíssimas, a liga escolheu Nova York como sede do Super Bowl XLVIII na esperança deste ser um épico na neve, uma partida sob neblina permitiu uma das melhores inovações da temporada. Uma dinastia nasceu sob nevasca. A única exceção recente foi um jogo do Buffalo Bills contra o New York Jets em 2014 remarcado para Detroit, por que a neve atingiu níveis absurdos, que nem a permissividade do esporte a ambientes extremos pôde suportar.

Assim foi o Indianapolis Colts vs Buffalo Bills em Orchard Park no último domingo. Não são dois dos melhores times da temporada, longe disso inclusive. Mas por que estamos falando especificamente deste jogo na análise tática e não em outra coluna do site? O que uma partida se desenvolvendo sob condições impróprias pode oferecer ao esporte além da estética? Bem, instintivamente concluímos que o jogo aéreo é basicamente esquecido em situações como essa.

Tal como o jogo aéreo na NFL não se resume em apenas a pessoas correndo em quaisquer direções e o quarterback passando a bola, o jogo terrestre também não significa torcer para o running back atravessar a pilha de homens à sua frente e ganhar algumas jardas. Existem variações de métodos para correr com a bola: gap schemes, zone blocking, inside, outside zones, trap, counter. Vários desses termos que podemos encontrar nos playbooks de Madden ou em outras literaturas referentes à parte tática do esporte.

Já estabelecemos em textos anteriores que os bloqueios da linha ofensiva são o elemento primário do jogo terrestre, também já abordamos sobre a filosofia conhecida como zone blocking. O que falta para completar o aspecto teórico básico é tratar sobre os gap-schemes. Assim como o zone blocking tem a intenção de se aproveitar de fronts agressivos e os induzir a se deslocar para determinado ponto do campo, exigindo que o ball carrier realize leituras sobre os pontos em que deverá passar pelo tráfego, o power blocking tem o objetivo de criar este espaço, fazendo com que os jogadores de linha ofensiva ataquem a defesa e abram os espaços à força, designados em cada jogada, não exigindo a capacidade de leitura do corredor.

Apenas essa diferença básica de filosofias explicadas resumidamente – os conceitos são bem mais complexos que eu sou capaz de explicar – já permite grandes desdobramentos para o jogo corrido. Cada um desses sistemas necessita de tipos diferentes de atletas de linha ofensiva e corredores. Além disso, essas filosofias costumam coexistir em alguns times da NFL, a fim de permitir leituras diferentes para os setores de scouting adversários. Obviamente, as franquias que o fazem, não executam os dois sistemas com o mesmo nível de aproveitamento, além disso, não é possível afirmar se um método é melhor que o outro, ao longo da história da liga, equipes fizeram sucesso das duas formas, sempre contando a capacidade de execução das jogadas como aspecto determinante.

Falando sobre o jogo em Buffalo especificamente, tivemos um duelo equilibrado em termos de posse de bola e snaps ofensivos: os Bills tiveram 67 jogadas em 32’25” e os Colts realizaram 69 snaps em 36’02”. Deste total, os times realizaram 51 e 46 tentativas de corrida respectivamente, resultando em 227 jardas para os Bills e 163 jardas para os Colts, dados obtidos do chart da ESPN. Estes últimos, inclusive, passaram todo o primeiro quarto da partida sem executar uma jogada de passe.

Proporcionalmente, os Colts tiveram 22 tentativas de passe para 11 completos e os Bills 16 tentativas para 7 completos, mostrando que o passe nesse jogo foi tratado apenas como uma maneira de desafogar as opções de corrida, não gastar todas as alternativas logo de início. Os times arriscaram mais quartas descidas que a média da liga, já que o jogo de special teams era inviável até certo ponto (a não ser que seu técnico seja Chuck Pagano). A partir do intervalo, quando a nevasca diminuiu, que se pôde observar mais punts e tentativas de field goal, como o épico extra-point de 43 jardas que levou o jogo à prorrogação.

O melhor momento da partida

Resultou em:

O Aspecto físico

Introduzimos o aspecto sistêmico, falamos de proporção passe-corrida. Mas o que o clima causa para os jogadores? Além do frio insuportável e as reações biológicas, a neve acumulada no gramado não permite principalmente, que o footwork dos jogadores se desenvolva melhor. Basicamente, todo o aspecto técnico da posição de linha ofensiva é comprometido, o que torna o jogo mais “feio”. É como correr na areia molhada, os pés afundam e os jogadores se desgastam mais rápido.

Como o plano de jogo já não existe e as condições climáticas prejudicam a técnica, observamos mais improvisações, como no gif abaixo. Observamos o que talvez seria uma jogada de bubble-screen virar um scrambling de Nathan Peterman pois a linha ofensiva não conseguiu se deslocar a tempo da jogada, como a dificuldade de locomoção equipara os times, o front dos Colts abriu o espaço em que o QB de Buffalo ganhou 7 jardas.

Big Plays no jogo terrestre

O smash mouth football propriciou algumas big plays, contando com o cansaço da defesa. Jogo terrestre desgasta mais fisicamente que o jogo aéreo, e isso foi somado à adversidade climática. Apesar dos grandes destaques da partida ter sido LeSean McCoy com 32 tentativas para 156 jardas e Frank Gore com 36 carregadas – recorde da carreira – quem abriu os trabalhos foi o calouro Marlon Mack.

Uma corrida de 20 jardas. Apesar da baixa visibilidade, conseguimos perceber que se trata de uma inside zone tomando como referência o goalpost. A linha se move para o lado de dentro da hashmark em que a bola está posicionada, no caso a direita da tela. Se a jogada se desenvolvesse para o sentido oposto partindo da mesma posição em relação às laterais do campo, teríamos uma outside zone.

É com isso que eu tenho que trabalhar.

Marlon Mack consegue ler o ponto em que abre o gap e o ataca com eficiência. No atleticismo, consegue atingir o segundo nível da defesa e ganha 20 jardas para o Colts. Esse drive resultou em uma tentativa bizarra de field goal em uma 4ª para 1, um oferecimento de Charles David Pagano.

Foi quase.

Agora pelo lado do Buffalo Bills, pós quase 30 minutos de jogadas para ganhos de poucas jardas, LeSean McCoy conseguiu DESENCANTAR. Assim como os Colts, o time da gélida Buffalo também é adepto do zone blocking, e conquistou dois grandes avanços no drive final do primeiro tempo, resultante no TD de Kelvin Benjamin.

Como os tipos de bloqueios já foram devidamente explorados, agora vamos focar nos tipos de leitura que o running back deve fazer:

A leitura ocorre em um ponto específico (mesh point) do backfield após o corredor receber o handoff, pode-se fazer uma analogia com o ponto de proteção que o QB deve se posicionar para executar o passe após o dropback. No bounce, o RB deve contornar a linha ofensiva pelo lado mais externo, geralmente offtackle, como se fosse “dobrar a esquina”. No bang, o RB realiza um corte seco para o meio em relação ao centro das hashmarks, e por fim, o bend é um cutback no sentido oposto ao qual a linha ofensiva se desloca para os bloqueios. Como nos mostra Chris B. Brown em seu livro The Essential Smart Football (alô Amazon, quero pelo menos um kindle, dá uma força aí), Alex Gibbs, arquiteto do zone blocking  no Denver Broncos do final dos anos 1990, exigia que todos os jogadores do ataque conhecessem a jogada por um todo, assim, os ajustes eram feitos mais rápidos (O OL pistolava com o RB caso ele perdesse uma leitura e vice-versa).

Essas leituras se desenvolvem de acordo com o posicionamento dos linebackers, pelo menos uma das três “rotas” ficará aberta. No gif abaixo, LeSean McCoy toma o bounce e conquista um grande avanço.

Já na jogada seguinte, McCoy toma as duas leituras restantes: a partir do mesh point, ele ataca o bang. Ao atingir o segundo nível, ele observa o ângulo que o safety toma para o tackle e realiza um cutback para o Bend. As duas jogadas resultaram em ganhos de 48 jardas em um único drive.

Um conto de dois Joe Flaccos

Diante da ave feia e escura,
Naquela rígida postura,
Com o gesto severo, — o triste pensamento
Sorriu-me ali por um momento,
E eu disse: “O tu que das noturnas plagas
Vens, embora a cabeça nua tragas,
Sem topete, não és ave medrosa,
Dize os teus nomes senhoriais;
Como te chamas tu na grande noite umbrosa?”
E o corvo disse: “Nunca mais”.

Dois escritores

Todo 19 de janeiro, durante quase 70 anos, entre meia noite e o nascer do sol, um homem com um casaco longo e uma bengala dourada deixou três rosas e meia garrafa de conhaque no túmulo do escritor Edgar Allan Poe, em Baltimore – a última vez o que o viram foi em janeiro de 2009 e, antes disso, contam que o homem cobria o rosto para não ser identificado. O ritual coincidia com o dia de nascimento de Poe – que veio ao mundo em Boston, mas o deixou em Baltimore. A única pessoa que afirmava saber a identidade do misterioso visitante morreu sem revelar o segredo.

O fato é que ninguém sabe o que diabos levou Poe a Baltimore ou o que ele fez entre 27 de setembro e 03 de outubro de 1849 – data em que foi encontrado nas ruas, vagando bêbado ou drogado, sem maiores explicações. Ele viria a falecer quatro dias depois, já no hospital, que não conseguiu justificar a morte do escritor; não existe um atestado de óbito, e as especulações transitam entre diabetes, todo tipo de tumores, raiva, alguma DST ou ainda overdose de alguma porcaria (o Ravens ainda não existia na época, então descartamos a possibilidade do desgosto).

A história, porém, tratou de tornar Allan Poe muito maior na morte do que em vida. Edgar é considerado o pai das histórias de detetive, do conto de horror, uma espécie de expoente do movimento gótico e ele provavelmente teve mais influência na cultura pop do que qualquer escritor de língua inglesa do século XIX: sem Poe, H. P. Lovecraft e Stephen King não seriam os mesmos; Thriller, de Michael Jackson, é inegavelmente influenciado por sua obra e saiba que todas as características de Sherlock Holmes existiam muito antes de Arthur Conan Doyle dar vida ao mais famoso detetive da literatura (Google: Auguste Dupin pesquisar). E, bem, não temos certeza, mas talvez até mesmo o Batman seja um corvo, e não um morcego.

Mas o que se sabe sobre sua obra mais famosa, “O Corvo”, um poema assustador que tem se mantido vivo por mais de 170 anos? Bom, desde sua publicação, em 1845, ela foi tão amada quanto desprezada – e se boa parte da crítica tripudiou as linhas traçadas por Poe, o público amou e o fez o escritor de todos os EUA.

Naquelas linhas, perda, claro, é o tema central, assim como em toda a obra de Edgar. “De todos os temas melancólicos, qual, de acordo com a compreensão universal da humanidade, é o mais melancólico?”. Poe uma vez se perguntou. “A morte”, ele mesmo respondeu, de certa forma revisitando sua vida.

Seu pai, um bêbado contumaz, o abandonou, enquanto sua mãe morreu vítima de tuberculose quando Allan ainda era uma criança – ele então foi separado de seus irmãos e criado por uma família adotiva; sua “nova” mãe, pouco tempo depois também foi vítima da tuberculose, enquanto o pai o rejeitava. A morte também bateu a sua porta mais uma vez, quando levou sua esposa, Virginia, aos 25 anos (ela se casara com o escritor aos 13). Você ganhará um prêmio se adivinhar qual doença a matou.

Hoje falar sobre Poe em Baltimore é uma experiência confusa: há sempre dois Poes. Há pessoas que o amam e que o odeiam. Há o Poe gênio, na mesma medida em que há o Poe farsante. Há o poeta melancólico, mas também há o beberrão irremediável. Há o inventor de um estilo literário, da mesma forma que há o viciado charlatão.

Mas também ainda há sua presença nas ruas da cidade onde ele foi encontrado vagando sem rumo antes de sua morte; uma cidade que se orgulha de seu legado, afinal de contas, ninguém se veste de preto melhor do que aquele que inventou um estilo sombrio por natureza – e nada combina mais com um corvo do que as ruas mal iluminadas de Baltimore.

Daqui nada se leva?

Duas cidades

Em 2015, a morte de Freddie Gray, um afro-americano que estava sob custódia da polícia desencadeou uma reação em massa – tudo isso enquanto Baltimore registrava a maior taxa de assassinatos (344 no ano) de sua história. E se em 2016 a cidade registrou 318 homicídios, o número até dezembro deste ano já chega a 319; mantida a média mensal até aqui, Baltimore quebrará um recorde do qual não se orgulha.

É uma guerra de gangues, uma batalha pelas ruas. Você tem jovens de 18 anos matando uns aos outros. Muitos são de famílias ‘quebradas”. É um problema tão intratável que estará conosco por muito tempo”, disse Michael Olesker, ex-colunista do Baltimore Sun, ao Guardian.

Esse foi o mundo retratado em The Wire, seriado da HBO exibido entre 2002 e 2008. Provavelmente uma das melhores séries da história da televisão (se não concorda, pode discordar aí na sua casa e não nos encha o saco), The Wire expôs a sociedade de Baltimore ao mostrar a guerra diária entre policiais e traficantes nas ruas da cidade – o efeito direto da batalha exibido na tela mostrava a quebra de confiança entre polícia e as comunidades mais pobres.

The Wire nunca ganhou um Emmy ou foi um sucesso estrondoso de audiência; seu mérito está em transformar a televisão em algo mais denso (e intelectualmente aceitável) do que jamais fora até ali, incomodando até mesmo autoridades da cidade; o criador do programa, David Simon, relatou diversas vezes que algumas pessoas tornaram as histórias pessoais, embora ele afirmasse que tanto questões até certo ponto mais simples como as próprias histórias narradas ali existiam nacionalmente.

Mesmo assim, a mistura de tráfico, violência, desemprego e falta de perspectivas relatados por The Wire persiste em Baltimore 15 anos depois. Em abril deste ano, o prefeito da cidade chegou a pedir ajuda ao FBI para combater o alto número de assassinatos.

Quando Freddie Gray morreu aos 25 anos em abril de 2015, seis policiais foram acusados, mas nenhum foi condenado. Na época, um relatório do departamento de justiça apontou diversos indícios de discriminação por parte da polícia – mesmo em atos cotidianos, como buscas e apreensões. O mesmo relatório apontou ainda que os moradores acreditavam existir duas Baltimores: uma rica e próspera e a outra pobre e discriminada – como a região de Greenmount West, a mesma retratada em The Wire, 15 anos atrás.

15 anos depois quase nada mudou.

Quase invisível

Você dificilmente perceberá Joe Flacco ao longo de uma temporada regular da NFL – exceto, claro, se você for um torcedor do Ravens ou ele acabou em seu time de fantasy; um sinal de que, bem, você perdeu o controle de sua vida.

Flacco nunca teve um jogo para mais de 400 jardas e só passou da marca das 4 mil em uma temporada – ele também nunca correu para mais de 200 jardas em um ano. Aliás, em toda sua carreira, ele só teve dois jogos com 4 TDs e um com 5 TDs.

Mas o que mantém Joe Flacco na NFL até hoje? Primeiro, um mercado na posição extremamente complexo e, por vezes, incompreensível. Segundo, regularidade (nada como transitar na linha da mediocridade): em suas primeiras sete temporadas, Flacco venceu 72 de 112 partidas. Terceiro, e talvez a explicação mais provável, a simples existência de Rahim Moore, que perdeu a cabeça alguns anos atrás.

Uma qualidade inegável, porém, é a força de seu braço, evidenciada em uma estatística chamada “clutch-weighted expected points based on penalties”, a qual vamos humildemente traduzir para “jogue a porra da bola longe, torça por uma falta e veja o que diabos acontece”. Bem, Flacco liderou a NFL neste “quesito” em muitas de suas temporadas, seja lá o que diabos isso signifique.

De certa forma, Flacco resiste por sua durabilidade, bolas jogadas para o alto e defesas adversárias cometendo “pass interference”. Ninguém em sã consciência gostaria de justificar o alto salário do seu quarterback apenas com esse pacote, não é? Mas ainda que pareça estranho, para o torcedor de Baltimore, parece haver um pouco de sentido nesta equação.

“O melhor quarterback da NFL”

Joe Flacco chegou ao Ravens em 2008 e logo levou a equipe a pós-temporada. As duas primeiras aventuras em janeiro, porém, não trazem boas lembranças aos torcedores do Ravens: nos cinco primeiros jogos, ele nunca passou de 200 jardas, e seu rating transitou entre incríveis 10 e 89.4 – foram seis interceptações, apenas um TD; aliás, o jogo contra o Steelers, em 2009, teve três delas.

Mas no terceiro ano, tudo começou a mudar, mesmo que timidamente: foram duas partidas longe de Baltimore, a primeira uma vitória arrasadora contra Kansas City – a partida seguinte terminaria com mais uma derrota para o grande rival; naquele ano, contra o Steelers, Joe completou 16 passes em 30 tentativas, para 125 jardas, 1 TD e 1 INT, terminando com um rating de 61.1. No inverno seguinte, mais duas partidas, uma vitória contra Houston e uma derrota apertada para New England (vai pro inferno, Billy Cundiff).

Sabemos como a temporada de 2012 terminou: a química com Torrey Smith atingiu o ápice, Flacco teve 11 TDs e nenhuma interceptação e seu menor rating foi de 106.2, o que levou John Harbaugh (amamos mesmo assim) a proferir frase a seguir: “Joe é o melhor quarterback da NFL”.

Não há muita lógica nas palavras de Harbaugh e elas não precisam ser levadas a sério; era apenas um HC defendendo seu QB. Mesmo assim lembre-se: na última semana da temporada atual, apenas cinco quarterbacks que iniciaram a rodada como titulares já venceram um Super Bowl. Flacco é um deles – esse número chegaria no máximo a sete, caso Aaron Rodgers estivesse vivo e Ben McAdoo não fosse um completo retardado.

Mas, da mesma forma que é verdade que o Ravens venceu o Super Bowl XLVII muito por méritos, digamos, extra-Flacco (Ray Rice e Bernard Pierce foram melhores que qualquer alma que pisou no M&T Bank Stadium nos últimos cinco anos, e Torrey Smith e Anquan Boldin, cada um sem um braço, hoje seriam melhor que qualquer WR que o Ravens tem em campo) os números já citados também mostram que ele foi espetacular naquela pós-temporada.

Aqueles quatro jogos, porém, em janeiro também foram a única vez que Flacco teve uma sequência de 10 TDs sem nenhuma interceptação. Durante toda sua carreira, ele esteve muito abaixo disso: seu melhor ano foi 2014, com 27 TDs, 12 INT e um rating de 91 – as mais de 4 mil jardas viriam apenas em 2016 (com 20 TDs e 15 INT). E Joe nunca esteve no top 10 em qualquer estatística durante dez temporadas na NFL.

De certa forma, o ataque do Ravens nos últimos anos se resumiu a estratégia “deixe Joe lançar a maldita bola”. O problema é que, como qualquer outra equipe, eles precisam de peças ao redor para que o plano, por mais primitivo que pareça, possa funcionar – ele funcionou quando Baltimore teve Ray Rice em grande fase, além de WRs com coordenação motora. Hoje, porém, o ataque se limita a Joe: RBs não vão brotar no gramado e não há um recebedor minimamente confiável – se você confia em Maclin, você tem sérios problemas e aconselhamos procurar um médico.

Mas quando você olha ao redor, de certa forma, você percebe que Baltimore segue sendo Baltimore: há Suggs e CJ Mosley aterrorizando QBs; há Eric Weddle ainda extremamente confiável liderando uma unidade interessante, mas que oscila um pouco. Há Justin Tucker, o melhor K da NFL, e há John Harbaugh, um dos melhores HCs da liga.

Tudo isso é suficiente para três meses de temporada regular: controlar linhas ofensivas, forçar turnovers, fazer uma ou duas grandes jogadas por partida, posicionar a bola pouco ou nada a frente do meio campo enquanto aguarda um petardo de Tucker. Então, de repente, você está na briga por playoffs e ninguém ao redor da liga compreende de fato como diabos isso aconteceu.

Será que sabe mesmo?

Uma partida, duas sensações

O Ravens venceu o Texans no MNF da semana #12, mas esteve longe de um desempenho de encher os olhos – no início do segundo tempo, vaias e gritos “Vamos, Joe”, se misturavam nas arquibancadas. A relação do torcedor com seu QB é marcado por um misto de amor e ódio; gratidão e desilusão se confundem, enquanto passes de quatro jardas não são completados.

Dentro de campo a OL de Baltimore foi péssima contra uma defesa de Houston entediada – Jadeveon Clowney, sozinho indiretamente determinou o que o Ravens devia ou não fazer. Nem mesmo a defesa manteve o nível das partidas anteriores: foram seis faltas (uma ou outra inexistente) e a secundária passou vergonha contra DeAndre Hopkins; Brandon Carr, aliás, é uma das decepções do ano. Mesmo assim, foram dois turnovers fundamentais, forçados nos momentos certos.

Terrell Suggs, porém, continua a desafiar o tempo: foram dois sacks, o último deles forçando um fumble que praticamente selou a vitória do Ravens – embora o pass rush não tenha funcionado, ele apareceu quando mais era preciso e a torcida já flertava com a impaciência.

E para compensar a ineficácia ofensiva, Harbaugh precisou ser extremamente agressivo, arriscando em um fake punt e uma 4&1 ainda no primeiro tempo. Conversões fundamentais para colocar Baltimore no controle do jogo – John sabia que era uma partida em que vencer era a única alternativa.

Amor e ódio

E Flacco? Bem, ele terminou o jogo com 20 passes completos em 32 tentativas, para 141 jardas – uma média incrível de 4.4 jardas por tentativa. Ele também não teve nenhuma grande jogada; o momento em que mais chegou perto  disso foi em uma bomba lançada para Mike Wallace, aparentemente incapaz de escapar da marcação e alcançar a bola.

Foi terrível e agressivo aos olhos na maior parte do tempo, marcado pelo ar de decepção e pelos gritos de “C’mon, Joe”. Mas, claro, com Joe há sempre aquele ponto fora de curva, aquele grande momento solitário em meio ao mar de tristeza habitual: uma corrida de 25 jardas, para encerrar a partida, que faz cada torcedor do Ravens crer que Joe tem capacidade de ser melhor do que realmente é. Que na maior parte do tempo ele pode ser aquele QB que venceu New England em Foxborough em janeiro – e vendeu caro as derrotas.

E é aqui que chegamos ao velho debate, hoje quase uma piada. Nós lutamos contra o legado de Joe Flacco e parece cada vez mais provável que as próximas gerações também lutem: por que devemos valorizar alguns jogos incríveis de Joe enquanto temos diante de nossos olhos uma quantidade esmagadora de péssimas partidas?

Em 2017, Joe tinha 1734 jardas até a semana 12, com míseros 9 TDs e 11 INT – um rating de 74.4, pouco acima do pior de sua carreira (73,1 em 2013) – em algumas estatísticas isoladas, aliás, Flacco tem um ano pior que nomes como Trevor Siemian (rating) e DeShone Kizer (jardas passadas).

Ninguém aguentava mais.

Quando os números ao seu redor expõe uma realidade que você não quer ver, é preciso se agarrar àquilo que o faz seguir em frente, seja um poema de Allan Poe, um dos melhores seriados de TV da história ou, para o torcedor do Ravens, aquilo que seu quarterback pode se tornar em janeiro. É isso que mantém viva a relação entre Baltimore e Joe: o Ravens pode chegar aos playoffs e, se chegarem, Flacco pode ser diferente.

No fundo, sabemos que é mera ilusão de ótica, e na verdade o torcedor do Ravens está amarrado a Flacco ao menos até 2020 – em 2016 Baltimore assinou uma extensão de três anos com o QB, que lhe garantiu um bônus de US$ 40 milhões, além de US$ 44 milhões em dinheiro garantido.

Mesmo assim você não pode julgar um torcedor por se agarrar em falsas esperanças. Baltimore é tradicionalmente um lugar onde é preciso se agarrar a falsas esperanças, afinal lá há dois Poes, duas cidades e, claro, na melhor das hipóteses, dois Joe Flaccos.

Um peru amargo, um golpe de marketing e um time ruim

Você deve se perguntar porque diabos, ano após ano, o Lions passa vergonha no dia de Ação de Graças. A resposta óbvia é, que bem, é uma tradição – e todos sabemos que tradições devem ser respeitadas. Então, todos os anos, desde 1934 – excetuando uma pequena interrupção durante o período da segunda Guerra Mundial -, o Detroit Lions entra em campo na quinta-feira de Thanksgiving.

O fato é que hoje os Lions não são sinônimo de muitas coisas boas, então talvez a associação com o dia de “Ação de Graças” seja a melhor delas.

História

Há quase oito décadas, na última quinta-feira de novembro, Detroit se divide entre perus e a bola oval – seja nas épocas boas (qualquer ano com Barry Sanders carregando a pelota em direção ao nada), ou nas más (volte na linha do tempo até 2008 e relembre a gloriosa temporada 0-16).

A tradição, porém, começou com um golpe publicitário de fazer inveja a qualquer agência descolada da Vila Olimpia (SP) nos dias atuais: em 1934 os Lions estavam em sua primeira temporada em Detroit, após deixar Portsmouth (Ohio), ainda como Spartans; uma bela cidade, dizem os registros, mas pequenas demais para uma franquia da NFL.
Mas, mesmo com uma campanha com 10 vitórias e apenas uma derrota, os registros de público eram constrangedores: em média 10 mil #guerreiros acompanhavam o time, em uma cidade cujo a grande paixão era o baseball – o próprio Detroit Tigers tinha vencido um bilhão de jogos naquele distante ano, ocupando todo o espaço no coração daquele sofrido povo de Michigan.

À essa altura ainda havia esperança.

Desesperado para parar de passar vergonha, George A. Richards, proprietário de uma rede de rádios e que havia comprado a franquia e a levado para Detroit teve então a brilhante ideia de “adiantar” o duelo contra o Bears alguns dias – além de usar sua influência para que mais de 90 estações de rádios ao redor dos EUA transmitissem a partida.

Detroit, claro, perdeu, mas uma multidão para os padrões da época (26 mil desocupados) passou pelas catracas, além de muitos (10 mil, esses ainda mais desocupados), terem acompanhado a partida nos arredores do University of Detroit Stadium.

Hoje o Lions tem um campanha de 36 vitórias, 39 derrotas e 2 empates em jogos no dia de Ação de Graças. Entre 2004 e 2012, aliás, uma sequência de 9 derrotas – interrompida por quatro animadores triunfos nos anos seguintes. De qualquer forma, frustrar uma torcida também parece ser tradição em Motor City.

Tradição

Por que passar o feriado mais importante do país sentado ao longo da avenida Woodward enquanto suas extremidades congelam lentamente? Tradição e família, responderá qualquer morador de Detroit, que chegou à Woodward antes mesmo das 8 horas da manhã.

Um povo sofrido.

Então resta acompanhar um dos maiores desfiles do país por cerca de três horas e entao rumar para o Ford Field, assistir o Lions. A casa da franquia, aliás, traz um pouco de calor: é um dos estádios mais charmosos da NFL e, quase como aquela sua tia simpática, o presenteia logo na chegada.c

Dias antes do jogo, em entrevista à imprensa local, o S Glover Quin foi questionado sobre sua memória favorita do dia de Ação de Graças: “Vencer, eu acho. Eu estou invicto”, respondeu. E até então, o Lions vinha com uma campanha incrível em novembro sob o comando de Jim Caldwell (11 vitórias e 3 derrotas, desde 2014). Aliás, com Caldwell como HC, foram 4 vitórias na tradicional data.

“O duelo contra o Eagles foi muito divertido”, relembrou o QB Matthew Stafford, se referindo a partida de 2015. “Sempre que você vence, o peru tem um gosto melhor”, completou.

Naquele dia, Stafford completou 27 passes em 38 tentativas, para 5 TDs e mais de 300 jardas. E, bem, foi um bom dia em Detroit.

Ganhar é melhor que perder. Mas perder faz parte. 

“Tudo bem perder”

Nesta quinta-feira de Ação de Graças o Lions recebeu o Vikings, disputando o topo da NFC North, já que o Bears não merece ser levado a sério e o Packers sem Aaron Rodgers é, na melhor das hipóteses, um amontado de figurantes de The Walking Dead.

E o Lions perdeu, é claro. Como quase sempre perde. Stafford foi irreconhecível nos primeiros trinta minutos e Jim Caldwell ainda não percebeu que tem um time física e mentalmente incapaz de correr com a bola. Mesmo assim, Eric Ebron não dropou nenhuma bola, chocando a torcida local em um claro milagre de Thanksgiving.

A calmaria antes da tempestade.

Mas, por um momento, Detroit empatou o jogo nos instantes finais, bloqueando um FG e retornando-o para TD (confira o lance aqui). Durante aqueles poucos segundos, desconhecidos se abraçaram, o Lions ganhou alguns novos torcedores e tudo fez sentido – mesmo que na realidade, Darius Slay tenha cometido uma falta e Nevin Lawson tenha corrido 85 jardas em vão.

 

Por muito tempo, o jogo de Ação de Graças trazia consigo uma dualidade para Detroit: uma equipe horrível em campo, mas que por um dia o país pararia assisti-la. Perder, no esporte, normalmente lhe faz mais forte e, de qualquer forma, jogar (e perder) no maior feriado nacional, ano após ano, provavelmente seria uma tradição insignificante para torcedores de Patriots, Packers ou Steelers, franquias acostumadas aos holofotes e ao frio de fevereiro.

Mas ir ao Ford Field após congelar na Woodward Avenue ainda é a única a coisa que os Lions têm – e, graças a Deus, esporte não é sobre vencer.

O primeiro dia após a neve

No interior do Wisconsin, assim como em qualquer canto dos EUA, dizem os mais antigos que o pior dia é aquele após a neve. E se há algo que não devemos nunca desconsiderar é a sabedoria popular. No trajeto entre Milwaukee e Madison, no sábado, a previsão do tempo indicava neve no caminho – e, claro, ela estava ali.

Como um bom lugar para guardar na memória o Camp Randall merece estar lá; são 100 anos de história completados há poucos dias, guardados pela proximidade com a catedral da Universidade de Wisconsin. Os Badgers aproveitam essa atmosfera, e preenchem cada detalhe de sua casa com seus feitos, dos títulos da Big Ten às conquistas no Rose Bowl.

A banda, claro, honra as tradições e, embora mais famosa por suas celebrações pós-jogo, mantendo o público no Camp Randall por uma hora ou mais após o apito final, faz, como quase todas as universidades americanas uma grande performance no intervalo. Mas é só em Wisconsin você poderá encontrar o “5th quarter”.

Há, também, outra tradição, mas essa não tão conhecida – ao menos se você tiver a sorte de passar por Madison em um sábado gelado de novembro: é ali que acontece o que os estudantes chamam de “On Wisconsin Finale”, um coro de 80 mil pessoas no intervalo da última partida em casa. A rotina permanece basicamente a mesma desde 1976: durante a canção, a banda passa de uma série de linhas laterais até fluir naturalmente para uma formação que revela a frase “On Wis”.

Já dentro de campo, o Badgers não deu chance para Michigan, e venceu por 24 a 10 sem maiores problemas. Ao final do dia, foi um bom sábado em Wisconsin – mas por favor, não esqueça da sabedoria popular.

Universitário é doido em qualquer lugar.

Brett Hundley e a profanação de um tempo sagrado

Em Green Bay o sol serve como uma espécie de alento para um inverno que parece durar o ano todo; mas aqueles que se encontram nos arredores do Lambeau Field pouco ou nada parecem se importar. com a temperatura Já na entrada do estádio há um átrio enorme, que mais lembra a entrada de uma catedral: a fachada de vidro, com cinco ou seis andares, parece mais apropriada para uma igreja do que para um estádio de football – não que ambos não possam coexistir.

Logo na entrada, vemos flâmulas com os nomes daqueles que ajudaram a levar Green Bay para o mundo: Don Hutson, Tony Cadeo, Bart Starr, Ray Nitschke, Reggie White e Brett Favre. E, embora você talvez duvide, o carinho por White é maior do que o reservado para Favre. A explicação é lógica: “Brett foi trazido até nós, Reggie nos escolheu”, diz um senhor na fileira acima, explicando a história de seu time para turistas ingleses que, assim como nós, estavam no Lambeau pela primeira vez.

A esperança, ao menos para aqueles mais experientes, como o senhor daquela fileira logo acima, durou cerca de dois minutos e um drive, até Brett Hundley ser interceptado na endzone após dois bons passes – no jogo, o QB ainda seria interceptado outras duas vezes, e sofreria um fumble.

Em nome de Favre e White (e outros). Amém.

Quebrando uma clavícula (e a esperança)

No instante em que o LB Anthony Barr, do Minnesota Vikings, correu em direção a Aaron Rodgers durante a partida da week #6, ele não atingiu apenas a clavícula direita do QB. Ele também partiu todos os sonhos de Green Bay. Naquele domingo ainda havia um certo otimismo de que Aaron poderia retornar em meados de dezembro, mas agora o enredo já indica que não há motivo para vê-lo em campo nesta temporada: o Packers é uma equipe morta, e no fundo todos já sabíamos disso no instante da lesão, embora os atletas tentassem negar.

“Basta que todos façam seu trabalho da melhor maneira possível. E quando isso acontece, grandes coisas podem acontecer”, disse Mike Daniels antes da derrota diante do Lions, segundo jogo sem seu QB titular. “Temos um grupo confiante”, completou o S Morgan Burnett. Frases que nem o mais ingênuo cabeça-de-queijo cogitou acreditar.

Não há vida sem Aaron Rodgers

4th & 8, menos de um minuto no relógio. Rodgers encontra Randall Cobb livre em algum ponto do gramado. Dois anos atrás, milagres já não eram incomuns para Aaron. Ok, o lance famoso como “The Miracle in Motown” ou mesmo a Hail Mary que acabou em nada contra Arizona talvez estejam mais frescos na memória – e também talvez sejam mais impactantes -, mas ali, no Soldier Field, provavelmente foi a primeira vez que muitos pensaram: “Rodgers é o melhor quarterback que já vi”.

E entenda que não queremos dizer que ele é o maior QB de todos os tempos – esta é uma conversa diferente (e, ao nosso ver, entediante) que envolve variáveis subjetivas e que não temos controle algum, então a deixemos para mais tarde: apreciar o jogo de Aaron Rodgers agora não é algo sobre o número de conquistas ou influência dos talentos que o cercam; é algo sobre viver momentos individuais, quase de maneira isolada.

E leve em consideração que estamos escrevendo isso em Green Bay, onde os Packers são parte de tudo: cada estrada tem um outdoor, e seja na propaganda de um banco ou de clínicas de saúde, Aaron Rodgers e os Packers estão ali. Aliás, Cobb e Jordy Nelson nos receberam na cidade.

Aaron, por exemplo, é reverenciado em cada esquina, e é fácil entender os motivos: por mais de 15 anos, Green Bay teve um Hall of Fame QB, que quebrou recordes, “traiu” a cidade e foi “perdoado” – como toda boa história de amor precisa terminar. Mas de alguma forma, seu substituto é ainda melhor.

A lesão de Rodgers, porém, escancarou a realidade: o Packers tem, há anos, um time medíocre, que tem suas muitas falhas escondidas pelo talento do quarterback. E para ser uma ameaça, o Packers precisa de Aaron Rodgers – e isso não tem relação alguma com números ou com a falta de coordenação motora de Brett Hundley: está em jogadas como aquela em que Aaron encontrou Davante Adams contra o Jaguars no jogo de abertura da temporada passada ou na calma com que fez a bola chegar em Jared Cook nos playoffs da mesma temporada.

A coisa mais triste que alguém já viu em um campo de football veste a camisa 7 e estava prestes a ser interceptada novamente.

E hoje, embora por uma questão cultural, por mera formalidade, a torcida apoie, o Lambeau sabe que não há vida sem Aaron Rodgers. “Desculpem, visitantes: está é a coisa mais triste que já vi em um campo de football”, diz o mesmo senhor da fileira acima, que ao menos dessa vez, consegue arrancar alguns risos. Como diz a sabedoria popular, o dia depois da neve é mesmo o pior.

Análise Tática #18 – A perspectiva do jogo pela Sky Cam

Na noite da última quinta-feira, semana 11 da temporada, a NBC transmitiu a partida entre Tennessee Titans e Pittsburgh Steelers por um novo ângulo: a SkyCam ou na tradução mais livre e sacana possível, a câmera do Madden (paga nois, EA Sports).

Evidentemente, o ser humano é uma espécie que cultiva hábitos, e apesar de uma excelente novidade, muitos telespectadores estranharam e reclamaram bastante da nova perspectiva. Se você leitor, é daqueles que, assim como eu, é um  entusiasta do video-game ou da tática do esporte, já estava acostumado com a novidade e provavelmente gostaria que todas as transmissões do seu time fossem assim, para que você possa xingar aquele pereba específico com MAIS PROPRIEDADE e no calor do AO VIVO.

Entretanto, é perfeitamente compreensível que a maioria do público que acompanha a NFL, principalmente no Brasil, não saiba diferenciar um 4-3 under de um 4-3 over, e isso não desclassifica em nada a experiência em relação àquelas pessoas que saibam todos os check-with-me possíveis em situações de passe em uma West Coast Offense. Aliás, entendimento da tática não é fator obrigatório para você acompanhar a NFL, apenas acrescenta em sua experiência, que já é ótima caso você não queira desbravar este campo do conhecimento.

Depois dos panos quentes, vamos ao que interessa. A câmera aérea é um conceito que foi introduzido no futebol americano através da XFL (liga alternativa que teve apenas uma temporada em 2001). Hoje, todas as quatro emissoras que compartilham os direitos de imagem da NFL nos EUA utilizam em suas transmissões. Nesta temporada, a NBC a utilizou previamente no segundo tempo do Sunday Night Football entre Patriots e Falcons, quando a neblina tomou conta do Gillete Stadium e tornou impraticável o uso dos ângulos tradicionais. Na última quinta, esse recurso voltou a ser utilizado como a principal fonte de imagens da partida pelo fato de o TNF ser o ambiente de testes da liga – o que também explica o Color Rush.

Em situações específicas, a direção de TV decidiu retornar aos ângulos tradicionais, como ataques na redzone e terceiras descidas longas. Em outros pontos, o ângulo alternativo não agradou muito, como jogadas de retorno em special teams. Nas situações restantes, foi um deleite acompanhar o desenvolvimento de rotas, quarterbacks realizando a progressão de leitura, bloqueios se desenvolvendo no jogo corrido e comportamento da defesa.  Agora, vamos ELUCIDAR com o auxílio de imagens, o melhor e o pior dessa nova proposta.

O Passe Longo

Observe a seguinte situação:

Os Steelers estão em formação trips-bunch, Roethlisberger (esse nome eu escrevo sem pesquisar no Google) em shotgun e LeVeon Bell à sua esquerda. Antonio Brown, o alvo da jogada, não aparece nesse frame, já que o operador da câmera a aproximou demais do campo (ponto negativo para a utilização do recurso, que se aproveita melhor para a observação tática em tomadas mais abertas). Observe que na linha ofensiva todos os jogadores à exceção do center estão em posição de dois apoios. Juntando todas essas informações, podemos determinar que a jogada será de passe.

Quanto à defesa, os Titans apresentam um safety no fundo do campo, enquanto os corners se aproximam do box (região entre os tackles) por resposta à formação trips-bunch dos recebedores. Observando a jogada em movimento, repare que Ben Roethlisberger, atleta experiente, reconhece a marcação em zona e atrai o safety para o lado direito do campo. Eli Rogers desempenha uma rota nessa região e ajuda a fixar o adversário nessa região do campo. Big Ben conta com excelente proteção da linha ofensiva e percebe Antonio Brown no mano a mano com seu recebedor, um matchup favorável em 90% das vezes – até eu, que não consigo fazer um espiral decente com a bola oval, passaria para o 84 em marcação individual. Bola na endzone e touchdown.

A Interceptação

Nessa jogada protagonizada por Marcus Mariota, o posicionamento defesa e ataque pré-snap é semelhante ao mostrado nas imagens anteriores, com exceção que a defesa dos Steelers mostra um “casco” de cover-2. Se você leu o texto da semana passada, aprendeu sobre o esquema de zone blitz e como os jogadores da secundária rotacionam em direção a um sentido do campo de forma a cobrir o espaço deixado pelos jogadores extras que pressionam o quarterback.

Nesse caso, os Titans utilizam uma combinação de rotas comeback, go e post no lado esquerdo do campo. Devido à blitz, Mariota é obrigado a lançar antes do timing da jogada, a receita para o caos, já que ataques são como relógios e QBs precisam de ritmo.

Na jogada em movimento, pode-se ver a pressão vindo pelo strongside (lado que está posicionado o TE Delanie Walker, camisa 82), apressando o passe, apesar de um pocket razoavelmente limpo. Repare que o jogador do miolo da linha dos Steelers não engaja na pressão, respeitando a possibilidade do scramble de Mariota, postura conhecida como QB-spy. A secundária dos Steelers alterna os jogadores que cobrirão o fundo do campo e Mariota solta uma bola muito alta, que passa por cima da cabeça de Rishard Matthews e é interceptada.

1-segundo-antes-de-dar-merda.jpg

O Jogo Corrido

Podemos afirmar que o principal ganho de perspectiva que a câmera aérea proporciona é em situações de jogo corrido. No ângulo lateral, acompanhamos o desenvolvimento do lance sem vermos como os bloqueios, principais elementos da jogada, são construídos. Basicamente torcemos para que o carregador da bola atravesse a barreira de jogadores e apareça do outro lado.

A transmissão da NBC nesse momento preferiu retornar ao método tradicional, com ângulo da sideline, e foi esse o padrão ao longo da partida: toda vez que um time chegava à redzone, isso acontecia. Agora vamos utilizar o recurso da coaches film para observar o lance anterior em perspectiva semelhante a que a câmera aérea nos proporciona.

Se você leu o texto de semanas atrás sobre Dolphins-Falcons, lembrará-se da filosofia de bloqueios conhecida como zone-blocking, em que cada jogador da linha ofensiva deve bloquear o jogador à sua frente ou ao seu lado na direção em que a jogada se desenvolve. Aqui, temos exatamente essa situação. Os Steelers partem de uma corrida stretch para a direita, em que LeVeon Bell deverá acompanhar a linha e ler o local em que se abrirá o espaço que deverá atacar. O running back dos Steelers é o mais elusivo da liga, então as corridas em zone-blocking são predominantes no playbook de Todd Haley.

LeVeon Bell consegue ler o bloqueio, mas a defesa dos Titans fecha bem o segundo nível no ponto futuro e reduz a jogada que poderia resultar em TD para um ganho de cinco jogadas.