Arquivo da categoria : Relax

Top Pick Six #2: os 15 melhores CBs da NFL

Continuando a série de rankings de jogadores, iniciada com nossa lista com os melhores WRs da NFL contemporânea, agora listamos os 15 melhores cornerbacks em atividade na NFL, pensando na temporada de 2017.

Os cornerbacks são jogadores de defesa responsáveis por cobrir as laterais do campo, normalmente alinhando contra os WRs. Os principais nomes na história da posição são Dick LeBeau, Deion “Prime Time” Sanders, Mel Blount, Dick Lane, Rod Woodson, Charles Woodson, entre outros.

Nos mesmos moldes da lista que fizemos dos WR, ao todo 8 pessoas fizeram uma lista com seus 15 melhores entrando na temporada de 2017. Não é uma lista que contém os 15 melhores do ano passado. Não é uma lista contendo os 15 melhores para o futuro da franquia. É uma lista com os 15 melhores, jogadores essenciais e que podem fazer a diferença para seus times nesse ano.

Para confecção do ranking, cada um selecionou 15 jogadores. Se o jogador estava na posição 1, lhe atribuí 1 ponto. Na posição 2, 2 pontos, e assim sucessivamente. Se o jogador não apareceu na sua lista, atribuí 16 pontos. Os jogadores com menos pontos, em média, (soma dos valores dividido por 8) ficou em primeiro lugar, e assim por diante. É possível verificar as somas na tabela ao final desta coluna.

Participaram da formulação do ranking:

Integrantes do Pick Six: Cadu, Digo, Ivo, Murilo e Xermi.

Duas pessoas referência na internet quando o assunto é NFL e que, diferente de nós, realmente sabem o que falam sobre football: Felipe, do @oQuarterback e Vitor, do @tmwarning.

– E um leitor convidado por ranking!

Embaixo dos nomes dos jogadores, coloquei a ordem que cada um de nós classificou este jogador. Caso ele não esteja no top 15 de alguém, um traço está no lugar. A ordem é Xermi, Digo, Cadu, Murilo, Ivo, Felipe, Vitor e Vinicius. Vamos ao que interessa!

15° Morris Claiborne
– | – | – | 12 | 9 | – | – | 6
Time: New York Jets
Idade: 27 anos
Draft: 2012, round 1, pick 6
College: LSU
Career Stats: 151 tackles, 4 INT, 27 passes defendidos, 1 fumble forçado, 3 fumbles recuperados, 1 TD.

Abrindo nosso top 15 está Morris Claiborne. O atleta que nesta offseason trocou o Cowboys pelo Jets, poderia até estar mais bem colocado, não fosse a sequência de lesões que teve ao longo de sua carreira: tendão patelar, tornozelo e coxa. Talvez por isso e apenas três “eleitores” citaram Claiborne no ranking e, como dois o colocaram no top 10, Morris acabou entrando na classificação final.

14° Darius Slay
14 | 12 | 13 | 14 | – | – | 5 | –
Time: Detroit Lions
Idade: 26 anos
Draft: 2013, round 2, pick 36
College: Mississippi State
Career Stats: 198 tackles, 6 INT, 48 passes defendidos, 0 TD

Hoje um dos melhores atletas da posição, Slay teve um início de carreira mais lento, iniciando a temporada de 2013 como reserva, quando começou como starter apenas quatro jogos. Em 2016 assinou uma extensão de contrato com os Lions no valor de 50,2 milhões de dólares, claramente bem pagos ao atleta com 6 INT na carreira e uma das principais peças da defesa de Detroit.

Big Play Slay.

13° Jason Verrett
13 | 14 | 9 | – | 11 | – | 8 | –
Time: Los Angeles Chargers
Idade: 25 anos
Draft: 2014, round 1, pick 25
College: TCU
Career Stats: 79 tackles, 5 INT, 19 passes defendidos, 1 TD

Verrett, uma estrela em ascensão, com certeza estaria rankeado mais alto, não fosse a lesão que sofreu em outubro do ano passado. O rompimento do ligamento cruzado do joelho o tirou da temporada, e claramente preocupa o Chargers, visto que a recuperação dessa cirurgia é lenta e pode tirar a segurança do atleta.

TOP PICK SIX 1: Os 15 melhores WRs da NFL

12° Jalen Ramsey
9 | – | 11 | 8 | – | 11 | 15 | –
Time: Jacksonville Jaguars
Idade: 22 anos
Draft: 2016, round 1, pick 5
College: Florida State
Career Stats: 65 tackles, 2 INT, 14 passes defendidos, 1 fumble forçado, 1 TD.

Draftado no ano passado, Ramsey deu uma nova cara para a defesa contra o passe dos Jaguars. Na primeira temporada já anotou 2 INT, um TD, e jogou como veterano a partir da metade de 2016. Seu jogo deve ser desenvolvido ainda mais em 2017 e com isso o Jaguars volta a ter esperanças de classificar-se aos playoffs, após uma campanha pífia em ano passado.

11° Janoris Jenkins
12 | 13 | 5 | – | 5 | 5 | – | –
Time: New York Giants
Idade: 28 anos
Draft: 2012, round 2, pick 39
College: North Alabama
Career Stats: 306 tackles, 13 INT, 67 passes defendidos, 2 sacks, 7 TDs.

O veterano Jenkins, que começou sua carreira nos Rams, hoje defende os Giants. Sua melhor temporada foi a de estreia, em 2012, mas em geral, Janoris vem sendo um jogador regular, com bons números. No ano passado, pelos Giants, anotou 3 INTs e fez grandes jogos contra bons WRs, como quando segurou A.J. Green em apenas 23 jardas. Muita divergência de opiniões nesse jogador, com três colocando Jankins no top 5, 2 no top 15, e três deixando-o fora da lista.

10° Casey Hayward
11 | 6 | 12 | 10 | 8 | 9 | 12 | –
Time: Los Angeles Chargers
Idade: 27 anos
Draft: 2012, round 2, pick 62
College: Vanderbilt
Career Stats: 226 tackles, 16 INT, 55 passes defendidos, 1 fumble forçado, 2 TDs.

Draftado pelos Packers em 2012, Hayward teve o melhor ano da carreira em 2016, atuando pelos Chargers, quando anotou 7 INTs. Jogador extremamente habilidoso, Hayward vem crescendo a cada ano e deve ser uma das principais peças da defesa do Los Angeles (como é estranho escrever isso) Chargers em 2017.

09° A.J. Bouye
8 | 11 | – | 6 | 4 | 10 | – | 4
Time: Houston Texans
Idade: 25 anos
Draft: 2013, Undrafted
College: UCF
Career Stats: 140 tackles, 6 INTs, 32 passes defendidos, 1 sack, 1 fumble forçado, 1 TD

Outro atleta em ascensão, Boyue ocupa a nona posição de nosso ranking. Pode ser uma das mais valiosas peças da defesa dos Texans em 2017, mesmo não tendo o mesmo hype que J.J. Watt e Jadeveon Clowney. De qualquer forma, seu valor será testado na Free Agency.

08° Josh Norman
10 | 9 | 3 | 9 | 13 | – | 7 | 7
Time: Washington Redskins
Idade: 29 anos
Draft: 2012, round 5, pick 143
College: Coastal Carolina
Career Stats: 248 tackles, 10 INT, 56 passes defendidos, 6 fumbles forçado, 2 TDs

Se o ranking tivesse sido feito enquanto Norman estava em Carolina, certamente ele teria sido ranqueado mais alto. Mas em Washington, apesar de ter jogado bem, ele não foi o mesmo jogador e isso pode ter tirado um pouco a confiança de todos que o ranquearam aqui. Cadu o colocou em terceiro e o Felipe sequer o mencionou, então parece que a metade do ranking é uma posição justa para Norman.

07° Richard Sherman
7 | 5 | 7 | 11 | – | 8 | 3 | 12
Time: Seattle Seahawks
Idade: 28 anos
Draft: 2011, round 5, pick 154
College: Stanford
Career Stats: 332 tackles, 30 INT, 92 passes defendidos, 5 fumbles forçado, 2 TDs

Um dos atletas mais bem pagos da posição e também um dos mais polêmicos da liga, Sherman faz parte de uma defesa sensacional como conjunto – Ivo mesmo acredita que o Sherman só é quem é, por ser produto do Earl Thomas. A verdade é Sherman, mesmo com um título da NFL no currículo, não está no top 5 da posição pra 2017. Mesmo assim, baita carreira pra um atleta draftado no round 5.

06° Malcolm Butler
2 | 7 | 2 | – | 6 | 7 | 13 | 2
Time: New England Patriots
Idade: 26 anos
Draft: 2014, Undrafted
College: West Alabama
Career Stats: 145 tackles, 6 INT, 35 passes defendidos, 1 fumble forçado, 1 sack, 0 TDs

Iniciando na NFL como undrafted, esse achado do Tio Bill (mais um) foi o grande responsável pela vitória do Patriots contra os Seahawks no Super Bowl XLIX, quando interceptou uma bola na goal line faltando 20 segundo para o término do jogo. De lá pra cá, só melhorou e tem sido um shutdown corner desde então, fato este que motivou três votantes a colocá-lo no top 3.

05° Marcus Peters
3 | 1 | 8 | 4 | 15 | 1 | 9 | 13
Time: Kansas City Chiefs
Idade: 24 anos
Draft: 2015, round 1, pick 18
College: Washington
Career Stats: 105 tackles, 14 INT, 46 passes defendidos, 2 fumbles forçado, 2 TDs

Um atleta brilhante, Peters anotou 8 INTs e 2 TDs em sua temporada de estreia pelos Chiefs, fechando o ano como líder de INTs na posição. Em 2016, nova boa temporada, o que deve fazer o número de interceptações por ele realizadas baixarem nos próximos anos, já que os QBs vão começar a evitá-lo. Excelente jogador, merece estar no top 5.

Dança da manivela.

04° Xavier Rhodes
5 | 3 | 10 | 3 | 7 | 4 | 10 | 8
Time: Minnesota Vikings
Idade: 26 anos
Draft: 2013, round 1, pick 25
College: Florida State
Career Stats: 207 tackles, 7 INT, 50 passes defendidos, 2 fumbles forçados, 1 TDs

Rhodes elevou o nível do seu jogo em 2016 e com isso garantiu a posição 4 no nosso ranking. O atleta do Vikings foi draftado no primeiro round em 2013 e foi fundamental pra transformar a defesa do time e Minnesota em uma das melhores da liga, especialmente na primeira metade do ano passado.

TOP PICK SIX #3: Os 15 melhores TEs da NFL

03° Chris Harris Jr.
6 | 8 | 4 | 7 | 3 | 2 | 1 | 5
Time: Denver Broncos
Idade: 27 anos
Draft: 2011, Undrafted
College: Kansas
Career Stats: 373 tackles, 14 INTs, 66 passes defendidos, 3.5 sacks, 3 TDs

Com excelentes campanhas com o Denver Broncos desde 2011, inclusive um título da NFL, conquistado no Super Bowl 50 contra os Panthers, Harris é um atleta de alto nível e que merece abrir o top 3. Jogando com outro bom cornerback (Talib), Harris foi ao Pro Bowl nas últimas três temporadas e em 2017 terá experiência suficiente para ser o melhor da liga.

02° Aqib Talib
4 | 4 | 1 | 1 | 1 | 6 | 4 | 1
Time: Denver Broncos
Idade: 31 anos
Draft: 2008, round 1, pick 20
College: Kansas
Career Stats: 394 tackles, 33 INTs, 111 passes defendidos, 3 fumbles forçados, 9 TDs

Com 9 TDs e 33 INTs na carreira, Aqib Talib é um monstro e foi o mais votado como melhor CB para 2017. Não ganhou pela média, mas é justíssima sua segunda colocação. Talib é um dos cabeças da defesa de Denver ao lado de Von Miller e pode jogar pelo menos mais um ano em alto nível.

TOP PICK SIX #4: OS 15 MELHORES LBS DA NFL

01° Patrick Peterson
1 | 2 | 6 | 2 | 2 | 3 | 2 | 3
Time: Arizona Cardinals
Idade: 26 anos
Draft: 2011, round 1, pick 5
College: LSU
Career Stats: 297 tackles, 20 INTs, 63 passes defendidos, 2 sacks, 5 TDs (4 retornando)

Até podemos questionar, mas no fundo é justíssimo ele ser o mais cotado para ser o melhor CB de 2017. Os números de 2016 não impressionam tanto, mas Peterson já está em um patamar em que os QBs adversários evitam lançar em sua direção. Sem contar que ele é o único CB decente dos Cardinals e com Mathieu lesionado, era esperada uma queda de rendimento do sistema defensivo. De qualquer forma, a pick 5 do draft de 2011 vem fazendo jus a posição que foi escolhido.

Algumas curiosidades do ranking:

– Nenhum jogador foi unanimidade no top 3, nem no top 5;
– Somente 4 jogadores foram unanimidades no top 10: Peterson, Talib, Harris Jr., Rhodes;
– Somente 5 jogadores são comuns aos 8 rankings (Peterson, Talib, Harris Jr., Rhodes, Peters);
– Um total de 28 jogadores diferentes foram citados, veja na tabela final abaixo;
– O top 15 contempla 7 jogadores da NFC e 9 da AFC;
– 7 jogadores foram escolhas de primeiro round em seus drafts (Peterson, Talib, Rhodes, Peters, Ramsey, Verrett, Claiborne);
– 3 jogadores não foram draftados (Bouye, Butler, Harris Jr.);
– Somente 4 são campões do Super Bowl (Talib, Harris Jr., Butler, Sherman);
– Marcus Peters e Malcolm Butler são os dois jogadores que aparecem com maior diferença de posição entre dois rankings: Peters foi colocado em primeiro pelo Digo e Felipe e em décimo quinto pelo Ivo. Butler foi colocado em segundo pelo Xermi, Cadu e Vinicius, e não aparece no ranking do Murilo;
– Aqib Talib foi o jogador mais citado como número 1, em 4 dos 8 rankings;
– Apenas dois times, Broncos e Chargers, ambos da AFC West, tiveram 2 jogadores entre o top 15: Talib/Harris Jr., e Verrett/Heyward. A dupla Talib e Harris Jr. está no top 3;
– Ficaram fora do top 15, em ordem: Brent Grimes (TB), Desmond Trufant (ATL), Sean Smith (OAK), Dominique Rodgers-Cromartie (NYG), Brandon Carr (DAL), Prince Amukamara (JAX), Tramaine Brock (SF), Jimmy Smith (BAL), David Amerson (OAK), Trumaine Johnson (LAR), Vontae Davis (IND), Stephen Gilmore (BUF), Lamarcus Joyner (LAR).
– 21 dos 32 times da liga tem jogadores nos rankings. Não foram citados jogadores de: CIN, CLE, PIT, CHI, GB, TEN, CAR, NO, MIA, NYJ, PHI.
– Todos os atletas citados são milionários!

Confira todos os votos do nosso “colegiado”:

Top Pick Six #1: os 15 melhores WRs da NFL

Rankings. Nós amamos rankings. Por mais que eles não signifiquem muita coisa (NADA), é sempre legal termos rankings para nos apegarmos. Quem é o melhor QB da história? Qual foi o melhor Super Bowl já disputado? Qual a recepção mais milagrosa? Enfim, rankings! Pensando nisso, resolvemos nos perguntar: atualmente quem são os melhores jogadores nas principais posições da NFL?

Encabeçando uma série de rankings que faremos (WR, CB, TE, DE, RB, S, K e LB), vamos abrir com os wide receivers. A NFL já teve grandes nomes da posição, como o lendário Jerry Rice, o monstro Michel Irvin, os falastrões Chad Ochocinco e Terrell Owens e outros gênios da posição, como Randy Moss, Marvin Harrison, Isaac Bruce e Torry Holt.

Ao todo oito pessoas fizeram uma lista com seus 15 melhores WRs que devem estar na temporada de 2017. Não é uma lista que contém os 15 melhores do ano passado. Não é uma lista contendo os 15 melhores para o futuro da franquia. É uma lista com os 15 melhores, com jogadores essenciais e que podem fazer a diferença para seus times agora.

Para confecção do ranking se o jogador estava na posição 1, lhe atribuí 1 ponto. Na posição 2, 2 pontos, e assim sucessivamente. Se o jogador não apareceu na sua lista, atribuí 16 pontos. O jogador com menos pontos, em média, (soma dos valores dividido pelo total de votos) ficou em primeiro lugar e assim por diante. É possível verificar as somas na tabela ao final desta coluna.

Participarão da formulação dos rankings semanais:

Integrantes do Pick Six: Cadu, Digo, Ivo, Murilo e Xermi.

Duas pessoas referência na internet quando o assunto é NFL e que, diferente de nós, realmente sabem o que falam sobre football: Felipe, do @oQuarterback e Vitor, do @tmwarning.

– E um leitor convidado por ranking!

Embaixo dos nomes dos jogadores, coloquei a ordem que cada um de nós classificou este jogador. Caso ele não esteja no top 15 de alguém, um traço está no lugar. A ordem é Xermi, Digo, Cadu, Murilo, Ivo, Felipe, Vitor e Henrique. Vamos ao que interessa!

15° Doug Baldwin
10 | – | 15 | – | – | 8 | 15 | –
Time: Seattle Seahawks
Idade: 28 anos
Draft: 2011, Undrafted
College: Stanford
2016 stats: 16 jogos, 94 recepções, 1128 jardas, 7 TDs

Baldwin é um dos melhores valores que estão no elenco dos Hawks. Jogador que não foi draftado, mas que soma boas temporadas pelo time de Seattle, Doug tem sido fundamental nas boas campanhas de sua equipe. Mesmo o time não lhe dando muitas oportunidades – Russell Wilson não é conhecido por ser um cara que sempre passa pra muitas jardas, além do esquema ter sempre sido focado no jogo terrestre – Baldwin é peça chave no elenco de Pete Carroll e teve participação direta nas duas finais que seu time fez nos últimos anos. É, com certeza, um dos principais alvos de Russell Wilson.

14° Jarvis Landry
– | – | – | 11 | 8 | 14 | 11 | 15
Time: Miami Dolphins
Idade: 24 anos
Draft: 2014, round 2, pick 63
College: LSU
2016 stats: 16 jogos, 94 recepções, 1136 jardas, 4 TDs

Talvez eu, Digo e Cadu não tenhamos incluído Landry em nossos rankings por ele não ter conseguido fazer grandes temporadas, o que era esperado de um jogador de sua categoria. O amiguinho de Odell poderia se dar melhor em outro time, e vem sofrendo com os jogos fracos de seu QB Ryan Tannehill. De qualquer forma, ficou válida a décima quarta posição para o campeão do torneio de Best Hands do Pro Bowl. Com um pouco mais de ajuda se seus companheiros de equipe, pode chegar no top 10 em 2017.

Pena que joga com o Tannehill.

13° Alshon Jeffery
– | 8 | 10 | 14 | 11 | – | – | –
Time: Chicago Bears
Idade: 26 anos
Draft: 2012, round 2, pick 45
College: South Carolina
2016 stats: 12 jogos, 52 recepções, 821 jardas, 2 TDs

Esse é um dos que mais discordo de meus colegas votantes. Talento puro, mas não demonstra. Lesões atrás de lesões atrapalham muito a carreira de Jeffery. Sem contar os quarterbacks de seu time, que não são lá essas coisas (Jay, cof, cof, Cutler). Em todo caso, até aceito que coloquem ele no ranking, mas em oitavo não dá, Digo! Talvez eu me engane, mas acredito que Jeffery é um desses atletas que teve uma ou duas boas temporadas e não se recupera mais. Veremos agora, já que provavelmente ele irá para outro time na free agency, se eu, Felipe, Vitor e Henrique mandamos muito mal de não colocá-lo em nossos rankings, ou se estávamos certos e meus colegas de site errados.

TOP PICK SIX #2: Os 15 melhores CBs da NFL

12° Allen Robinson
9 | 6 | 11 | – | – | – | – | –
Time: Jacksonville Jaguars
Idade: 23 anos
Draft: 2014, round 2, pick 61
College: Penn State
2016 stats: 16 jogos, 73 recepções, 883 jardas, 6 TDs

De mito em 2015 para bust em 2016, essa é a história de Allen Robinson por enquanto. Jogou demais pelos Jaguars há 2 anos, porém na temporada passada deixou a desejar, muito por conta da fraca performance de Blake Bortles, o que pode ter pesado para 5 dos 8 votantes não terem o incluído em seus rankings. Muitos associaram o fracasso de Bortles ao esquema de jogo, até por isso houve substituição na comissão técnica. Com um novo head coach na cidade, a esperança é de que, por fim, o Jaguars volte a ser um time competitivo. Se isso acontecer, e pelo visto poucos acreditam que seja possível, o jogador de 23 anos será um dos principais responsáveis. Atleticismo e talento ele já mostrou que tem!

11° Amari Cooper
15 | – | 9 | 12 | 13 | 10 | 13 | 10
Time: Oakland Raiders
Idade: 22 anos
Draft: 2015, round 1, pick 4
College: Alabama
2016 stats: 16 jogos, 68 recepções, 1153 jardas, 4 TDs

Cooper teve uma temporada de calouro excelente, porém ano passado caiu de produção. Isso é o mais estranho, visto que o time do Raiders melhorou muito, fez uma campanha sensacional, com um QB que jogou muito. Por isso acredito que Cooper caiu muito nos rankings, mas não me surpreenderia se ele subisse no próximo ano. Derek Carr é a nova cara da franquia e, se não fosse sua lesão no fim da temporada, o time poderia ter ido mais longe. A tendência é que Cooper melhore cada vez mais, elevando seu jogo ao nível dos grandes nomes da posição nos próximos 2/3 anos.

10° Larry Fitzgerald
11 | – | – | 15 | 10 | 12 | 9 | 7
Time: Arizona Cardinals
Idade: 33 anos
Draft: 2004, round 1, pick 3
College: Pittsburgh
2016 stats: 16 jogos, 107 recepções, 1023 jardas, 6 TDs

Uma baita injustiça por parte dos meus colegas Digo e Cadu. Larry é um dos melhores WRs da história, com certeza vai pro Hall da Fama. OK, mas o ranking é pra 2017… Mesmo assim, Larry deveria estar nele. Em 2016 ele liderou a NFL em recepções com 107, mesmo já tendo 33 anos. Em fim de carreira, Fitz pensou em se aposentar, mas resolveu retornar pra mais uma temporada com os Cardinals. Os pássaros do Arizona devem ter um ano melhor em 2017 do que o que tiveram em 2016, quando eram considerados favoritos na conferência e acabaram tendo uma temporada decepcionante.

09° DeAndre Hopkins
8 | 7 | 7 | 9 | 12 | 13 | 4 | 14
Time: Houston Texans
Idade: 24 anos
Draft: 2013, round 1, pick 27
College: Clemson
2016 stats: 16 jogos, 78 recepções, 954 jardas, 4 TDs

Coitado desse garoto. Um talento nato, que vai se perdendo por conta de um QB horrível (leia-se Brock Osweiler / Edward Cullen). De qualquer forma, Hopkins é bom demais para ser deixado de fora de qualquer ranking de WRs. As recepções sensacionais de Hopkins nos últimos dois anos fizeram os torcedores dos Texans não sentirem saudades do grande Andre Johnson. Esperamos que Bill O’Brien ache uma luz no fim do túnel e consiga um QB decente para Houston (Romo?), aí poderemos ver mais deste grande talento que é DeAndre Hopkins.

08° T.Y. Hilton
6 | 10 | 8 | 8 | 9 | 11 | 8 | 12
Time: Indianapolis Colts
Idade: 27 anos
Draft: 2012, round 3, pick 92
College: Florida International
2016 stats: 16 jogos, 91 recepções, 1448 jardas, 6 TDs

Difícil jogar contra os números de Hilton em 2016. Atuou em todos os jogos e, de quebra, foi o líder em jardas recebidas da temporada. Jogando em um ataque explosivo junto com Andrew Luck, Hilton só não foi melhor porque o Colts tem uma linha ofensiva de papel, o que acarreta em pressão excessiva em seu QB e, por consequência, menos recepções e jardas para ele. De qualquer forma, acredito em nova boa temporada de T.Y., que a cada ano que passa mostra que foi uma baita escolha no draft de 2012, quando os Colts usaram apenas uma escolha de terceiro round para drafta-lo. Com a saída de Ryan Grigson, espera-se um melhor draft por parte do time de Indianapolis e, com isso, melhora na linha ofensiva que tanto atrapalha esse time recheado de talentos.

“Beijos, Brad Wells”.

07° Jordy Nelson
12 | 12 | 12 | 5 | 7 | 7 | 6 | 9
Time: Green Bay Packers
Idade: 31 anos
Draft: 2008, round 2, pick 36
College: Kansas State
2016 stats: 16 jogos, 97 recepções, 1257 jardas, 14 TDs

Opiniões diferentes aqui nesse ranking, comigo, Digo, Cadu e Henrique colocando Nelson mais abaixo, e Murilo, Ivo, Felipe e Vitor mais acima. Acredito que meus outros 3 colegas que também colocaram Nelson mais abaixo acham que muito do talento dele vem de seu QB, Rodgers, que faz qualquer um estar apto a receber uma bola. Sabemos que não é assim, tão óbvio, e que Nelson tem talento. Mas para estar no top 5, o jogador tem que ser mesmo muito bom (indireta para excesso de clubismo). Agora  veremos o que acontece, a idade pode pesar e o jogador passou por lesões nas duas últimas temporadas.

06° Mike Evans
4 | 9 | 3 | 7 | 5 | 5 | 10 | 5
Time: Tampa Bay Buccaneers
Idade: 23 anos
Draft: 2014, round 1, pick 7
College: Texas A&M
2016 stats: 16 jogos, 96 recepções, 1321 jardas, 12 TDs

Um dos principais nomes de 2016, Mike Evans jogou muito. Temos que tirar o chapéu para este garoto que é um dos melhores em sua posição. Acho que o Digo e o Vitor estão loucos de colocá-lo em nono e décimo, e arrisco dizer que o Murilo também está louco de deixá-lo em sétimo. Evans é uma máquina, ganha jogadas em double coverage, é rápido, forte e habilidoso. Com certeza vai figurar no top 5 por muito tempo. Com a evolução do jogo de Jameis Winston, seu QB, ele pode melhorar ainda mais. Não espero nada menos que uma nova temporada de mais de mil jardas e dez touchdowns para 2017.

05° Dez Bryant
7 | 4 | 6 | 6 | 4 | 6 | 7 | 6
Time: Dallas Cowboys
Idade: 28 anos
Draft: 2010, round 1, pick 24
College: Oklahoma State
2016 stats: 13 jogos, 50 recepções, 796 jardas, 8 TDs

Não fossem as lesões, Dez poderia até estar ranqueado mais alto. Porém há algum tempo ele já vem sofrendo com isso, perdendo jogos durante a temporada e prejudicando seus números com a camisa dos Cowboys. Mas mesmo com essas lesões, Dez tem tudo pra fazer um grande ano em 2017. Se ficar saudável, arrisco dizer que entra no top 3. Isso porque o Cowboys achou um excelente QB em Dak Prescott e, com a atenção das defesas focada em parar o jogo corrido de Ezekiell Elliott, Bryant pode sobrar. Nenhuma loucura aqui, acredito que os oito votantes deste ranking estão corretos em suas posições quanto à Dez Bryant.

TOP PICK SIX #3: Os 15 melhores TEs da NFL

04° A.J. Green
5 | 5 | 5 | 3 | 3 | 4 | 3 | 2
Time: Cincinnati Bengals
Idade: 28 anos
Draft: 2011, round 1, pick 4
College: Georgia
2016 stats: 10 jogos, 66 recepções, 964 jardas, 4 TDs

A.J. Green é a primeira unanimidade no top 5 e ele merece estar aqui. Não fosse a lesão que sofreu no fim da temporada, Green teria tido sua sexta temporada seguida com mais de mil jardas recebidas. Apesar de Andy Dalton não ser nada demais, ele também não compromete. Mestre em conexões longas, Green deve se recuperar bem na offseason e voltar a ter mais um ano bom, acima de mil jardas recebidas, Pro Bowl nas costas e talvez uma volta dos Bengals aos playoffs – para, claro, passar vergonha em janeiro.

03° Odell Beckham Jr
3 | 1 | 2 | 4 | 6 | 3 | 5 | 4
Time: New York Giants
Idade: 24 anos
Draft: 2014, round 1, pick 12
College: LSU
2016 stats: 16 jogos, 101 recepções, 1367 jardas, 10 TDs

O que falar deste gênio do football? Odell, apesar de momentos “chilquentos”, é um tremendo jogador. Não à toa Digo o colocou como o WR número 1. Cadu deixou o clubismo de lado e o colocou como número 2. O fato é que as recepções incríveis de Odell, com uma mão só, acabam por vezes mascarando o quão bom esse jogador é. Rotas precisas, velocidade e atleticismo são só algumas das suas qualidades. O futuro da franquia está aqui. Eli Manning é um bom QB, mas já em fim de carreira. Isso deve fazer o Giants procurar um novo QB logo, pois seria um desperdício ter um talento como esse jogando com QBs ruins.

Peguei.

02° Julio Jones
2 | 2 | 1 | 2 | 1 | 2 | 2 | 3
Time: Atlanta Falcons
Idade: 28 anos
Draft: 2011, round 1, pick 6
College: Alabama
2016 stats: 14 jogos, 83 recepções, 1409 jardas, 6 TDs

Julio é a única unanimidade no top 3 e isso fez com que a ele fosse agraciada a segunda posição deste ranking. Não é pra menos: as recepções milagrosas que ele fez no Super Bowl deixaram qualquer um de boca aberta. Um acerto na mosca dos Falcons no draft de 2011, Jones vem sendo, desde que entrou na liga, uma das estrelas de seu time. Com a evolução e amadurecimento de Matt Ryan, o time do Falcons se tornou uma poderosa máquina ofensiva que, pelo ar, chega a dar pena dos adversários. Pra 2017, acredito em mais uma boa temporada de Jones e dos Falcons.

TOP PICK SIX #4: OS 15 MELHORES LBS DA NFL

01° Antonio Brown
1 | 3 | 4 | 1 | 2 | 1 | 1 | 1
Time: Pittsburgh Steelers
Idade: 28 anos
Draft: 2010, round 6, pick 195
College: Central Michigan
2016 stats: 15 jogos, 106 recepções, 1284 jardas, 12 TDs

O único jogador que levou cinco votos pra número 1, tem que acabar o ranking no topo. Antonio Brown é um monstro e todos sabemos. Uma verdadeira steal no draft de 2010, Brown foi selecionado apenas no sexto round, na pick 195. Um jogador versátil, com precisão invejável, ele vem ajudando os Steelers a se manterem no topo. É outro que pode sofrer caso Big Ben se aposente, mas acredito que Ben ainda volta pra essa temporada e Brown terá pelo menos mais um ano fenomenal, com Pittsburgh novamente nos playoffs.

Algumas curiosidades:

– 3 jogadores foram unanimidade no top 5 (Brown, Jones, Green);

– Apenas 1 jogador foi unanimidade no top 3 (Julio Jones);

– 9 jogadores são comuns aos 8 rankings (Brown, Jones, Beckham, Green, Bryant, Evans, Nelson Hilton, Hopkins);

– Um total de 23 jogadores diferentes foram citados, veja na tabela final abaixo;

– O top 15 contempla 9 jogadores da NFC e 6 da AFC;

– 8 jogadores foram escolhas de primeiro round em seus drafts (Jones, Beckham, Green, Bryant, Evans, Hopkins, Fitzgerald, Cooper);

– Somente dois são campões do Super Bowl (Nelson e Baldwin – já Julio Jones foi por apenas três quartos);

– DeAndre Hopkins é o jogador que aparece com maior diferença de posição (10) entre dois rankings: 14° pelo Henrique e 4° pelo Vitor;

– Antonio Brown foi o jogador mais citado como número 1, em 5 dos 8 rankings;

– Apenas dois times, Broncos e Jets, tiveram 2 jogadores citados: Thomas/Sanders e Marshall/Decker. Nenhum dos 4 está entre os 15 melhores;

– Ficaram fora do top 15, em ordem: Brandon Marshall (NYJ), Julian Edelman (NE), Demaryius Thomas (DEN), DeSean Jackson (WAS), Sammy Watkins (BUF), Emmanuel Sanders (DEN), Eric Decker (NYJ), Stefon Diggs (MIN);

– 21 dos 32 times da liga tem jogadores nos rankings. Não foram citados jogadores de: BAL, CLE, TEN, KC, SD, PHI, DET, CAR, NO, STL, SF;

– Todos os atletas citados são milionários!

Confira todos os votos do nosso “colegiado”:

Troféu Alternativo Pick Six #1: premiando aquilo que realmente importa

O ser humano é fascinado por premiações, não importa o quão relevantes elas sejam. Do Miss Universo ao vencedor do Prêmio Puskas, da final do BBB a eleição para síndico do condomínio, invariavelmente queremos contemplar alguém com um troféu, mesmo que imaginário.

Na NFL não seria diferente e passamos horas e horas discutindo ou mesmo procurando uma hipotética justiça em premiações definidas de maneira arbitrária – e diversas vezes um tanto quanto óbvias. Pensando nisso e inspirados na já tradicional premiação que os colegas do Bola Presa fazem para as bizarrices da NBA, o Pick Six lança sua premiação alternativa, afinal, sabemos que o Framboesa de Ouro é muito mais divertido que o Oscar, não é? Então antes de coroarmos os vencedores, anunciamos nossas categorias.

TROFÉU WES WELKER: com ele premiamos o “melhor” drop da temporada e homenageamos o WR (indiretamente?) responsável por um dos melhores momentos de Gisele Bundchen na NFL. Além, claro, de estar no hall dos grandes drops que o SB já nos proporcionou.

TROFÉU SKIP BAYLESS: uma homenagem a uma das maiores metralhadoras de bosta que a imprensa norte-americana já produziu. Dá nome a este glorioso prêmio o cidadão que já afirmou que Manti Te’o seria o próximo Ray Lewis, que preferia RGIII a Andrew Luck, Josh Freeman a Cam Newton e, bem, vamos parar por aqui. Então o vencedor desta honraria é o integrante da dita “imprensa especializada” responsável por proferir mais asneiras ao longo da temporada.

Metralhadora de bosta.

TROFÉU MICHAEL FABIANO: ele é o guru do fantasy da NFL.com. Mas também já destruiu muitos sonhos dourados neste jogo com suas dicas imbecis, então nada mais justo que o atleta que foi uma decepção na temporada de Fantasy Football levar para casa uma estatueta com o nome do mito Michael Fabiano.

TROFÉU SEXY REX(y) GROSSMAN: Rex Grossman deve ser o garoto propaganda do que é ser um quarterback medíocre: com menos de 50 partidas iniciadas, ele tem mais derrotas do que vitórias – e mais interceptações do que touchdowns. Mesmo assim, escorado por uma forte defesa, ele chegou ao Super Bowl XLI, quando silenciou os críticos com vitórias contra Seahawks e Saints nos playoffs – para logo depois voltar a realidade e ser destruído por Peyton Manning e companhia na grande decisão. Por isso o prêmio para melhor atuação de jogador irrelevante homenageia o ex-QB do Chicago Bears (e de mais uma dúzia de outros times)!

TROFÉU BLAKE BORTLES: Blake é um dos reis da irrelevância, o cara mais clutch quando nada importa, possivelmente o único capaz de fazer três touchdowns nos seis minutos finais, quando seu time precisaria de uns seis, mas isso pouco interessa. Por isso o troféu que leva seu nome premia o verdadeiro MVP: o MVP DO GARBAGE TIME.

TROFÉU JIM KELLY: Kelly levou o Buffallo Bills a quatro Super Bowls seguidos. E perdeu todos. Nada mais justo que dar nome ao prêmio que agraciará o melhor jogador de time que só perde.

TROFÉU NOT COMEBACK PLAYER OF THE YEAR: sejamos honestos: o prêmio original, Comeback Player of The Year, é um dos mais sem sentido já criados pela NFL – não pela mensagem, claro, mas pelo simples fato de que todo ano três ou quatro jogadores merecem ganhar essa desgraça e raramente temos uma unanimidade. Então criamos o NCPOY, para premiar aquele ser que teoricamente teria um grande retorno, mas na verdade era melhor nem ter voltado dos mortos.

TROFÉU CRAQUE NETO: “Acabei de saber que o Ronaldo está trazendo o Seedorf para o Corinthians”. Mais não precisamos falar. E com esta honraria premiamos a maior besteira escrita ou falada por um integrante do Pick Six – acreditem: falamos muita besteira.

TROFÉU DAVE SHULA: Dave Shula nunca fez muita coisa para justificar um cargo como HC na NFL. Exceto, claro, ser filho de Don e irmão de Mike Shula. Tanto que quando chegou ao cargo e lá ficou por cinco longos anos obteve uma gloriosa carreira em Cincinnati,com 19 vitórias e 52 derrotas. Por isso o troféu que premia o conjunto da obra de piores e mais bizarras decisões de um HC na temporada leva seu nome!

TROFÉU JAMARCUS RUSSELL: JaMarcus talvez seja o maior bust da história da NFL. Primeira escolha geral do draft de 2007 pelo Oakland Raiders, em três temporadas Russell deixou a liga com um recorde de 7-18, 18 TDs e 23 INT. Ah, a escolha seguinte a ele foi um tal de Calvin Johnson, mas não vamos falar sobre isso. De qualquer forma, a honraria que leva seu nome premia a escolha de primeiro round que em sua temporada de estreia provou ter potencial para se tornar um tremendo bust.

TROFÉU TRENT RICHARDSON: Trent chegou a NFL como terceira escolha de primeira rodada do draft e, sendo gentil, sua carreira se resume a corridas de três jardas seguidas por um tombo com a cara no chão. Além de um especialista na arte dos bloqueios, já que sendo o próprio bloqueio, ele era poupado do trabalho de bloquear. Para homenageá-lo, este troféu premia a decepção do ano – e, algumas vezes, da vida.

TROFÉU CHUCK PAGANO: Chuck Pagano foi um dos responsáveis por uma das jogadas mais ridículas da história da NFL (relembre este momento mágico). Por isso o troféu que premia a jogada mais imbecil da temporada leva seu nome!

Agora vamos aos vencedores:

TROFÉU WES WELKER: Odell Beckham teve uma estreia na pós-temporada, digamos, complicada. Mas a culpa poderia recair sobre Justin Bieber. A piada, claro, só se tornou possível porque o WR e seus colegas de time decidiram ir para Miami logo após a vitória contra os Redskins, que eliminou o rival de divisão – e, apesar de todos terem voltado a tempo para se preparar para o jogo contra Green Bay, preferimos polemizar.

De qualquer forma, vamos nos ater aos drops, ambos ridículos para um atleta do nível de Odell. O primeiro veio em uma 3&5 dentro da linha de 30 jardas do Packers quando o placar ainda estava zerado. E foi um drop ridículo. Já o segundo, bem, essa era um touchdown certo. Claro, a culpa da eliminação não deve recair apenas sobre Odell – Sterling Shepard também jogou fora um TD fácil, mas Odell Beckham Jr é o merecedor da primeira edição do TROFÉU WES WELKER de pior drop do ano.

Menção honrosa: Tashaun Gipson & Prince Amukamara. Eles merecem!

Esse dia foi massa.

TROFÉU SKIP BAYLESS*: terminada a temporada para algumas equipes, alguns “jornalistas” percebem uma situação difícil: a vontade de falar sobre o time é grande, mas não há muito o que ser dito. Alguns resolvem não falar nada, outros preferem falar sobre outros assuntos. Mas esses não nos interessam. Vamos destacar aqui aquele que decidiu que a melhor opção era falar merda. Muita merda. É o caso de Brad Wells ou, se você preferir, apenas mais um “Zé Mané” que habita esse mundo.

Wells “cobre” o Indianapolis Colts e já foi o editor chefe do blog da equipe no SB Nation. Hoje ele é só mais um rostinho não tão bonito no Twitter. Segundo o próprio, ele sequer tem fontes em Indianapolis, ou pelo menos foi o que disse em meados outubro.

Esse manja.

Porém, quando o ano acabou, talvez ele tenha se sentido muito à toa e resolveu que seria uma boa ideia brincar com nossa cara, cravando que os Colts iriam atrás de Jon Gruden para cargo de head coach, pois Chuck Pagano balançava no cargo. Além disso, disse também que, a menos que Peyton Manning fosse contratado, Ryan Grigson permaneceria como GM em Indy. Brad Wells ficou quase duas semanas martelando sua “tese” nas redes sociais para que, no final, tudo acontecesse exatamente ao contrário. Até ele achou estranho, o que traduziu brilhantemente como “algo aconteceu”. É claro que algo aconteceu, Brad: você bateu a cabeça em algum momento da sua vida.

Você deve imaginar que, depois disso, Brad Wells resolveu ficar calado. Mas persistente que é, ele retomou sua saga em 2017 com muita #analise. Para ele, seria razoável que os Colts cortassem o CB Vontae Davis, também conhecido como “o único defensor da defesa dos Colts”. Davis está no último ano de seu contrato em Indianapolis e, apesar de uma temporada abaixo para de seus padrões, foi selecionado para o Pro Bowl nas duas temporadas anteriores.

Mas isso não é tudo. Para Brad Wells, que só não é um GM da NFL porque (ainda) não temos cotas para idiotas, o novo GM deveria trocar o WR TY Hilton, líder da NFL em jardas na última temporada. Como argumentos, ele destacou que “ninguém liga para isso” e que o recorde dos Colts na temporada foi 8-8. Sensato, se você for um idiota.

Por fim vale ressaltar que, apesar de ser uma fonte de desinformação, Brad Wells é um cara simpático: ele só conta vantagem por seu número de seguidores de vez em quando. Por tudo isso, Brad Wells é o vencedor do TROFÉU SKIP BAYLESS de integrante da imprensa especializada que mais falou bosta ao longo do ano.

Olha meus followers, galera!

*Colaborou @ColtsNationBR

TROFÉU MICHAEL FABIANO: temos plena consciência de que a culpa não é só dele. Aliás, talvez ele nem tenha culpa, afinal de contas tudo o que pode ser medíocre nessa última temporada em Los Angeles, foi em nome de Jeff Fisher. Mas não é como se 2015 tivesse sido muito melhor; Case Keenum era o mesmo, algo como um saco de bosta, e Todd Gurley ainda assim pareceu o substituto de Adrian Peterson, mesmo voltando de uma lesão de joelho, correndo para mais de 1100 jardas em 13 jogos.

Saudável era esperado que Gurley carregaria sozinho um ataque medíocre, a aposta perfeita para ser um dos primeiros escolhidos no draft. E assim diversos incautos gastaram as primeiras escolhas com Gurley em suas equipes de Fantasy. Resultado: em 2016 ele pareceu que estava voltando de uma lesão grave, correndo para uma média de menos de um first down a cada três corridas. Sugado para o mundo de tristeza de Jeff Fisher, Gurley acabou sendo a principal decepção do ano no fantasy e por isso vence o TROFÉU MICHAEL FABIANO.

Deu ruim.

TROFÉU SEXY REX(y) GROSSMAN: Se você não joga fantasy, a chance de já ter ouvido falar nele é muito baixa. Se você acompanha a NFL regularmente e joga fantasy, essa chance aumenta, mas você provavelmente deixou passar. A verdade é que Dwayne Allen é um dos raros casos em que um jogador já é draftado destinado a reserva, afinal ele chegou aos Colts junto com Coby Fleener, para ser, sei lá, o quarto ou quinto alvo de Andrew Luck – e, mesmo com as constantes lesões e agora saída de seu titular, sua maior produção anual foi de apenas 45 recepções, em sua temporada de rookie.

Isso já seria suficiente para caracterizá-lo como irrelevante no grande mundo da nossa liga favorita. Mas, claro, every dog has its day. O de Allen chegou em uma bonita tarde de dezembro, em um jogo (praticamente) tão irrelevante como ele mesmo. Mas, por alguns momentos, foi bonito. Fora de casa, contra o New York Jets, aproveitando-se da inspiração de Andrew Luck, o tight end recebeu nada menos do que 3 TDs somente no primeiro tempo de partida, a metade de seu total na temporada e, junto com ninguém menos que Antonio Brown, um dos dois jogadores a receber 3 passes na endzone em 2016, ganhando assim o TROFÉU SEXY REX(y) GROSSMAN de momento estrela dentro de uma vida de irrelevância. Não surpreendentemente, Dwayne Allen recebeu somente mais um passe nesse jogo, acabando com apenas 70 e poucas jardas.

Que que tá acontecendo, caras?

TROFÉU BLAKE BORTLES: voltemos para aquele glorioso TNF entre Titans e Jaguars (saudades!), vencido pelos amigos de Mariota por 36 a 22. Se você olhar apenas para as estatísticas, dirá que Blake Bortles jogou bem. E você estará errado. Os números gerais mostram que Blake completou 33 de 54 passes, para 337 jardas e três touchdowns. Mas vamos isolar os números: no primeiro tempo, Blake completou 8 de 16 tentativas para 64 jardas e o Titans foi para o vestiário com o placar apontando 27 a 0. Já no segundo tempo, Blake completou 25 de 38 passes para 273 jardas… mas, e daí? Com quase quatro touchdowns de vantagem, a defesa de Tennessee dormia em campo enquanto assistia o quarterback de Jacksonville completar dúzias de passes curtos e o relógio implodir. Estamos sendo injustos? Então isolemos as estatísticas da carreira de Blake até a semana #8 da última temporada:

Primeiro período: 1.598 jardas, 4 touchdowns

Segundo período: 2.356 jardas, 15 touchdowns

Terceiro período: 1.912 jardas, 13 touchdowns

Quarto período: 3,364 jardas 26 touchdowns

Blake é um gênio do quarto período, quando nada mais importa. Porque se Bortles estivesse fazendo isso para liderar o Jaguars as vitórias, tudo bem, mas na verdade estamos longe, muito longe disso. Na week #2, por exemplo, os 14 pontos de Jacksonville contra o Chargers vieram no último período, quando San Diego já vencia por 35 a 0. Por tudo isso Blake Bortles leva com folga a primeira edição do TROFÉU BLAKE BORTLES – e infelizmente acreditamos que ele levará todos os anos.

“Virei punter“.

TROFÉU JIM KELLY: Não há qualquer dúvida de que Drew Brees é um dos maiores QBs da história da NFL e um dia terá seu busto exposto em Canton, no Hall of Fame da liga. Comandando o potente ataque do New Orleans Saints, Brees conseguiu se tornar o detentor de grande parte dos recordes de jardas e de passes completados da liga. Entre 2006 e 2016, por exemplo, o QB do Saints liderou a liga em jardas passadas em sete temporadas, ultrapassando a marca de 5000 jardas em cinco delas, também o recorde da NFL. Brees coleciona 54 partidas em sua carreira com 70% dos passes completados e sem interceptações. Em 2015, ainda empatou o recorde de passes para TD em um mesmo jogo, com sete. De forma resumida, se você procurar os recordes de passe da NFL encontrará diversas vezes o nome Drew Brees. O problema é que Brees está condenado a jogar em um time constantemente ruim. Desde que chegou ao New Orleans Saints, em 2006, mesmo obtendo diversos recordes e performances históricas, Brees só viu o recorde da equipe mostrar mais vitórias do que derrotas em cinco temporadas. Nas últimas três, por exemplo, o Saints deixou Jeff Fischer orgulhoso: 7-9. A mediocridade do time parece ser a regra e nem um dos melhores QBs da história consegue superá-la. Nesta última temporada a história não foi diferente e por isso Drew Brees é o vencedor do TROFÉU JIM KELLY de jogador bom condenado a um time ruim.

“Não aguento mais essa merda”

TROFÉU NOT COMEBACK PLAYER OF THE YEAR: Em 2012, quando foi eleito Rookie of the Year e comandou o potente e surpreendente ataque do Washington Redskins, Robert Griffin III nos deixou uma excelente primeira impressão. Ameaça pelo ar e pelo chão, RGIII era o pesadelo das defesas adversárias, que pareciam não encontrar resposta para o seu dinamismo. O sonho, porém, durou pouco: contusões minaram o que tornava Griffin um QB diferente e, como resultado, seguiram três temporadas com números horríveis, com polêmicas diversas e, finalmente, com Griffin sentado no banco assistindo o sucesso de Kirk Cousins.

A dispensa pelo Washington Redskins, após o fim da temporada 2015, poderia ser a chance de recomeço para RGIII, que escolheu assinar com o sofrido Cleveland Browns. A mistura de um QB que ainda nos traz boas lembranças com um time desesperado por um salvador nos fez acreditar que uma bela história poderia estar sendo construída. Estávamos completamente enganados. Griffin novamente teve uma contusão séria e parece ter consolidado a imagem de QB de vidro. Mesmo no pouco tempo que esteve em campo, nada de bom foi mostrado: em cinco partidas, RGIII lançou dois TDs, três INTs e sofreu 22 sacks, números suficientes para vencer o não tão desejado TROFÉU NOT COMEBACK PLAYER OF THE YEAR.

Fu-deu.

TROFÉU CRAQUE NETO: Os primeiros textos (sérios) do Pick Six foram focados em extensos previews da temporada de cada um dos 32 times da NFL. Ao final de cada um deles, fazíamos apostas sobre o que se podia esperar para o ano que estava começando. Não se pode acertar todos, claro, e ainda que exista muita coisa certa, os erros são mais incríveis. Sério: talvez valha a pena revermos todos só para comparar o antes e depois. E um em especial aconteceu no preview do Atlanta Falcons:

“Palpite: a grande e dura verdade é que NINGUÉM SE IMPORTA. O Falcons cumpriu sua missão na NFL quando deu Brett Favre para Green Bay. Poderia ter acabado ali e nos poupado de todo o resto – inclusive deste preview. Seis vitórias e fechem a franquia na temporada que vem; não queremos escrever sobre eles novamente.”

Hum, acho que nos equivocamos levemente. Atlanta teve o ataque mais eletrizante do ano (e um dos melhores da história), junto com MVP e o título do Super Bowl… Bem, ao menos até o terceiro quarto. E nós merecemos o TROFÉU CRAQUE NETO.

TROFÉU DAVE SHULA: Quando um time vai de favorito ao Super Bowl a uma campanha de 6 vitórias sem sequer esboçar qualquer reação ao longo da temporada, especialmente contando com a volta do (ao menos pensávamos) segundo melhor jogador, a primeira pessoa a ser cobrada será o treinador. Obviamente não é culpa dele se os drops se multiplicaram de maneira absurda, a proteção falha constantemente, os LBs antes absolutos começam a perder tackles ou se o GM deixa seu melhor jogador defensivo partir, mas existe uma história que mostra que talvez a cabeça de Ron Rivera estava em outro lugar.

Cam Newton, MVP da temporada de 2015, teve problemas com as bagagens na viagem a Seattle e acabou sem uma camisa social para usar na viagem, optando assim por uma gola rolê, com a qual, em suas próprias palavras, “não faria sentido algum usar uma gravata”. Entretanto, o traje de viagens dos Panthers, estabelecido por Rivera, exige o uso de gravata. Resultado: o grande Derek Anderson iniciou o jogo como titular e lançou uma interceptação em seu primeiro passe, contando com um drop de seu RB. Com isso, Seattle marcou logo um FG fácil e saiu na frente no jogo. Então Ron Rivera recebe o primeiro TROFÉU DAVE SHULA do Pick Six.

Tá tranquilo, tá favorável.

TROFÉU JAMARCUS RUSSELL: Após Sam Bradford não ter se tornado o messias que salvaria a franquia e Nick Foles ter se revelado um presente de grego, Jared Goff deveria ser a solução dos problemas para o Rams, tanto que Los Angeles trocou duas escolhas de primeira rodada, outras duas picks de segundo round e mais duas escolhas de terceira rodada para consegui-lo. Mas ele passou dez semanas, 70 dias de temporada regular, sentado no banco enquanto assistia uma tragédia chamada CASE KEENUM. Ninguém é banco de Case Keenum por dez rodadas por acaso. E quando entrou em campo, Jared não tornou as coisas melhores: em sete partidas, foram 1089 jardas, para 5 touchdowns e 7 interceptações – e um rating de 63.6. E em nenhuma atuação ele teve mais de 65% dos passes completos. Seu “grande” momento aconteceu na week #11, contra os restos mortais de um San Francisco 49ers já cambaleante. Por tudo isso, Jared Goff levou com tranquilidade o TROFÉU JAMARCUS RUSSELL!

TROFÉU TRENT RICHARDSON: Invariavelmente um dos prêmios mais concorridos da temporada. Há muitos candidatos: Allen Robinson teve um ano trágico, assim como Blake Bortles – mas este talvez só tenha retornado a realidade. DeAndre Hopkins era outro de quem talvez esperássemos mais, assim como Todd Gurley, nosso vencedor do TROFÉU MICHAEL FABIANO. Darrele Revis, então, foi umas das coisas mais tristes de se asssitir em um campo de football nesta temporada. Mas nenhum deles foi de MVP a, bem, uma tragédia ambulante.

Cam Newton teve um 2015 dos sonhos. Mais do que isso, haviam motivos claros para confiar que não se tratava de um mero “produto do meio”: Cam nos lembrou Peyton Manning fazendo uma linha ofensiva medíocre parecer a Muralha da China™ e emulou Drew Brees, fazendo recebedores igualmente abaixo da média, como Corey Brown ou Ted Ginn Jr, produzirem decentemente.

Com a volta de Kelvin Benjamin, seu melhor amigo de 2014, se esperavam grandes coisas em 2016. Mas sua temporada de MVP pareceu um sonho distante. Mesmo lançando o maior número de passes de sua carreira, Cam teve 300 jardas menos que em 2015 e praticamente a metade de TDs: foram apenas 19 TDs (mais 5 TDs corridos), para 14 INTs e um rating de 75.8. O maior número de interceptações desde sua temporada de rookie e o pior rating de sua carreira. Até mesmo seus números de corridas, uma de suas maiores armas, foram os piores de sua história.

Ressaca pós Super Bowl? Os pesadelos com Von Miller e um certo fumble não recuperado teriam atrapalhado o sono e suas atuações? Se ele usasse uma gravata sempre tudo melhoraria? Ou Newton nunca foi tudo aquilo e 2015 foi apenas uma temporada da qual teremos saudades, mas jamais se repetirá? Só descobriremos nos próximos meses. Enquanto isso Cam Newton leva o TROFÉU TRENT RICHARDSON de decepção do ano.

Bonita gravata.

TROFÉU CHUCK PAGANO: É difícil descrever certas situações, então deixemos as imagens falarem. Apenas assistam e tentem nos explicar o que aconteceu. Esse talvez seja o maior legado de Rex e Rob Ryan para os Bills. Talvez seja o maior legado da família Ryan para a NFL. Mesmo eles tendo sido demitidos uma semana antes. Foi lindo, mas não entendemos nada – e talvez seja melhor assim; se nem o Twitter oficial do Bills entendeu, por que nós entenderíamos? Então ficaremos com a tese de que tudo não passou de um PROTESTO por todo sofrimento passado pelo roster de Buffalo nas mãos de Ryan ao longo da temporada.

Temporada que vem tem mais!

Dinheiro, pra que te quero? Trazemos os atletas mais bem pagos da NFL

O mundo dos esportes movimenta bilhões de dólares anualmente. É uma das indústrias mais ricas do planeta e, claro, a NFL tem grande parte dessa fatia, afinal é o esporte mais popular dos EUA. Como curiosidade, separamos alguns rankings envolvendo os salários e incentivos dos atletas da NFL, para você entrar em depressão ao perceber o quão pobre é!

Começamos com a listagem da Forbes, que anualmente separa os 100 atletas mais bem pagos do mundo, juntando salários e patrocínios. Confira baixo o top 10 geral, que da NFL contém apenas o QB Cam Newton, atual MVP da liga:

Top 10 Forbes 2016

Forbes Rank – Total Pay – Sport (Club/Country)

  1. Cristiano Ronaldo – 88M – Futebol (Real Madrid)
  2. Lionel Messi – 81,4 M – Futebol (Barcelona)
  3. LeBron James – 77,2M – NBA (Cleveland Cavaliers)
  4. Roger Federer – 67,8M – Tênis (Suíça)
  5. Kevin Durant – 56,2M – NBA (Golden State Warriors)
  6. Novak Djokovic – 55,8M – Tênis (Sérvia)
  7. Cam Newton – 53,1M – NFL (Carolina Panthers)
  8. Phil Mickelson – 52,9M – Golfe (USA)
  9. Jordan Spieth – 52,8M – Golfe (USA)
  10. Kobe Bryant – 50M – NBA (Aposentado, ex Los Angeles Lakers)

Abaixo separamos todos os atletas da NFL que fazem parte do ranking da Forbes de 2016. Além de Cam, outros 21 atletas estão na lista, em sua maioria QBs.

img_5936

Entre os grandes em salário e também na moda.

Football Players on Forbes 2016 – NFL

NFL Rank – (*em ordem: total – salário – patrocínios – posição no ranking)

  1. Cam Newton, QB, Carolina Panthers – 53,1M – 41,1M – 12M – 7º
  2. Eli Manning, QB, New York Giants – 45M – 37M – 8M – 13º
  3. Joe Flacco, QB, Baltimore Ravens – 44,5M – 44M – 500K – 14º
  4. Tom Brady, QB, New England Patriots – 44,1M – 36,1M – 8M – 15º
  5. Russell Wilson, QB, Seattle Seahawks – 41,8M – 31,8M – 10M – 18º
  6. Philip Rivers, QB, San Diego Chargers – 38M – 37,5M – 450K – 20º
  7. Marcell Dareus, DT, Buffalo Bills – 35,2M – 35,1M – 100K – 26º
  8. Peyton Manning, QB, Aposentado – 34,2M – 19,2M – 15M – 27º
  9. AJ Green, WR, Cincinnati Bengals – 33,3M – 32,8M – 500K – 30º
  10. Drew Brees, QB, New Orleans Saints – 31M – 19M – 12M – 35º
  11. Olivier Vernon, DE, New York Giants, – 29M – 28,8M – 200K – 39º
  12. Julio Jones, WR, Atlanta Falcons – 27,2M – 26M – 1,2M – 43º
  13. Luke Kuechly, LB, Carolina Panthers – 27,1M – 26,1M – 1M – 44º
  14. Cameron Jordan, DE, New Orleans Saints – 25,9M – 25,8M – 100K – 51º
  15. Trent Williams, OT, Washington Redskins – 25,6M – 25,5M – 75K – 53º
  16. Sam Bradford, QB, Minnesota Vikings – 24,3M – 24M – 300K – 60º
  17. Dez Bryant, WR, Dallas Cowboys – 23,5M – 23M – 500K – 71º
  18. Demaryius Thomas, WR, Denver Broncos – 23,4M – 22,2M – 1,2M – 73º
  19. Anthony Castonzo, OT, Indianapolis Colts – 22,5M – 22,5M – 35K – 79º
  20. Justin Houston, LB, Kansas City Chiefs – 21,8M – 21,7M – 100K – 89º
  21. Cameron Heyward, DE, Pittsburgh Steelers – 21,2M – 21M – 150K – 94º

Abaixo você pode ver uma listagem com os atletas que mais vão ganhar em 2016.

25 Maiores salários em 2016 

1 Andrew Luck, QB, Indianapolis Colts, $24,594,000

2 Carson Palmer, QB, Arizona Cardinals, $24,350,000

3 Drew Brees, QB, New Orleans Saints, $24,250,000

4 Joe Flacco, QB, Baltimore Ravens, $22,133,133

5 Aaron Rodgers, QB, Green Bay Packers, $22,000,000

6 Russell Wilson, QB, Seattle Seahawks, $21,900,000

7 Ben Roethlisberger, QB, Pittsburgh Steelers, $21,850,000

8 Eli Manning, QB, New York Giants, $21,000,000

9 Philip Rivers, QB, San Diego Chargers, $20,812,500

10 Cam Newton, QB, Carolina Panthers, $20,760,000

11 Matt Ryan, QB, Atlanta Falcons, $20,750,000

12 Tom Brady, QB, New England Patriots, $20,500,000

13 Kirk Cousins, QB, Washington Redskins, $19,953,000

14 Ryan Tannehill, QB, Miami Dolphins, $19,250,000

15 Von Miller, LB, Denver Broncos, $19,083,333

16 Ndamukong Suh, DT, Miami Dolphins, $19,062,500

17 Colin Kaepernick, QB, San Francisco 49ers, $19,000,000

18 Jay Cutler, QB, Chicago Bears, $18,100,000

19 Tony Romo, QB, Dallas Cowboys, $18,000,000

20 Tyrod Taylor, QB, Buffalo Bills, $18,000,000

21 Brock Osweiler, QB, Houston Texans, $18,000,000

22 Matthew Stafford, QB, Detroit Lions, $17,666,667

23 Sam Bradford, QB, Minnesota Vikings, $17,500,000

24 Muhammad Wilkerson, DE, New York Jets, $17,200,000

25 Fletcher Cox, DT, Philadelphia Eagles, $17,100,000

Como normalmente os QBs são os atletas mais bem pagos da NFL, separamos um ranking por posição que leva em conta o total cash ganho pelo atleta em 2016. Esse valor é diferente da média anual do jogador, ou seja, leva em conta apenas o bruto recebido pelo atleta em 2016 e não a média considerando todo o contrato (presente e futuro) do atleta.

Top 5 por posição (Total Cash) 2016

Total Cash = Base salary + signing cash + roster bonus + option + restructure + workout + incentives.

QUARTERBACKS

  1. Drew Brees (NO): $31,250,000
  2. Andrew Luck (IND): $30,000,000
  3. Joe Flacco (BAL): $29,000,000
  4. Tom Brady (NE): $28,764,705
  5. Philip Rivers (SD): $22,000,000

WTF: Jared Goff (LA – 10) e Carson Wentz (PHI – 11), calouros, ganham mais que nomes como Aaron Rodgers (GB – 19) e Russell Wilson (SEA – 20).

RUNNING BACKS

  1. Ezekiel Elliot (DAL): $16,800,066
  2. Adrian Peterson (MIN): $12,000,000
  3. Lamar Miller (HOU): $8,500,000
  4. Doug Martin (TB): $8,000,000
  5. Chris Ivory (JAX): $7,468,750

WTF: Todd Gurley (LA – 40), David Johnson (ARI – 104), LeVeon Bell (PIT – 50) ganham menos que Theo Riddick (DET – 13) e Bilal Powell (NYJ – 17).

Ohio State’s Ezekiel Elliott poses for photos upon arriving for the first round of the 2016 NFL football draft at the Auditorium Theater of Roosevelt University, Thursday, April 28, 2016, in Chicago. (AP Photo/Nam Y. Huh)

Sendo o mais bem pago, quem sabe ele começou a comprar camisas inteiras.

FULLBACKS

  1. Ryan Hewitt (CIN): $2,100,000
  2. Cory Harkey (LA): $2,000,000
  3. Jamize Olawale (OAK): $2.000,000
  4. Mike Tolbert (CAR): $1,825,000
  5. Zach Line (MIN): $1,671,000

WTF: John Kunh é o 8º, Patrick DiMarco 9º e Kyle Juszczyk 12º.

WIDE RECEIVERS

  1. Demaryius Thomas (DEN): $20,000,000
  2. Dez Bryant (DAL): $16,000,000
  3. Keenan Allen (SD): $15,171,000
  4. Alshon Jeffery (CHI): $14,599,000
  5. Julio Jones (ATL): $13,500,000

WTF: Antonio Brown (PIT) fecha o top 10, mesmo sendo o melhor WR da liga. Na frente dele está Michael Crabtree (OAK), acredite se quiser. Jordy Nelson (GB) é apenas o 28º.

TIGHT ENDS

  1. Dwayne Allen (IND): $11,906,250
  2. Charles Clay (BUF): $11,500,000
  3. Travis Kelce (KC): $10,646,000
  4. Jordan Reed (WAS): $10,468,750
  5. Zach Ertz (PHI): $9,138,527

WTF: Cadê o Gronk (NE)? Apenas em 27º, atrás de nomes como Lance Kendricks, James Hanna e Jermaine Gresham. Sim, é verdade!

OFFENSIVE LINE

  1. Cordy Glenn (BUF): $19,000,000
  2. David DeCastro (PIT): $18,070,000
  3. Trent Williams (WAS): $16.968,750
  4. David Bakhtiari (GB): $16,757,117
  5. Ronnie Stanley (BAL): $13,547,695

WTF: Maurkice Pouncey, Anthony Castonzo, Nate Solder, todos aparecem mais abaixo.

LINEBACKERS

  1. Von Miller (DEN): $25,100,000
  2. Justin Houston (KC): $23,500,000
  3. Brandon Marshall (DEN): $12,553,000
  4. Bruce Irvin (OAK): $12,500,000
  5. Jerry Hughes (BUF): $10,675,000

WTF: Clay Matthews é 11º, Chandler Jones 14º, Bobby Wagner 18º e, acreditem, Luke Kuechly 20º. DeMarcus Ware, pela idade, é o 25º.

DEFENSIVE LINE

  1. Olivier Vernon (NYG): $29,000,000
  2. Fletcher Cox (PHI): $27,299,000
  3. Muhammad Wilkerson (NYJ): $22,000,000
  4. Malik Jackson (JAX): $18,000,000
  5. Joey Bosa (SD): $14,914,642

WTF: Joey já está no top 5. O cara é calouro e mal jogou profissionalmente. Ganha mais que: Ndamukong Suh (6º), Marcell Dareus (7º), JJ Watt (13º), Cameron Jordan (16º), Cameron Heyward (20º) e Everson Griffen (26º).

CORNERBACKS

  1. Darrelle Revis (NYJ): $17,000,000
  2. Janoris Jankins (NYG): $16,000,000
  3. Darius Slay (DET): $15,650,000
  4. Jalen Ramsey (JAX): $15,632,546
  5. Trumaine Johnson (LA): $13,952,000

WTF: Josh Norman (6º), Richard Sherman (7º), Joe Haden (10º) e Patrick Peterson (11º). Não faz sentido!

SAFETIES

  1. Tyrann Mathieu (ARI): $16,671,407
  2. Harrison Smith (MIN): $15,278,000
  3. Eric Berry (KC): $10,806,000
  4. Malcolm Jenkins (PHI): $10,000,000
  5. Devin McCourty (NE): $9,937,500

WTF: Earl Thomas (SEA – 8º), Kam Chancellor (SEA – 17º), TJ Ward (DEN – 23º).

KICKERS

  1. Justin Tucker (BAL): $8,000,000
  2. Mason Crosby (GB): $6,150,000
  3. Sebastian Janikowski (OAK): $3,600,000
  4. Matt Prater (DET); $3,300,000
  5. Adam Vinatieri (IND): $3,250,000

WTF: Stephen Gostkowski (NE – 11º), Dan Bailey (DAL – 12º) e Cairão da Massa (KC – 600K).

O único chutador que merece ganhar mais de um salário mínimo (brasileiro).

O único chutador que merece ganhar mais de um salário mínimo (brasileiro).

PUNTERS

  1. Marquette King (OAK): $5,250,000
  2. Dustin Colquitt (KC): $3,650,000
  3. Thomas Morstead (NO): $3,500,000
  4. Jon Ryan (SEA): $3,400,000
  5. Sam Martin (DET): $3,175,000

WTF: Nada de estranho e não que alguém realmente se importe. Colocamos aqui apenas pra deixar todos tristes em saber que ganhamos muito menos que um punter!

Caso queriam fuçar mais nos salários dos atletas, o site spotrac é bem completo e tem diversos filtros, como busca por time, posição, tipo de ganho, entre outros.

8 maneiras estúpidas que jogadores (e um punter) encontraram para se machucar

Lesões são um dos grandes medos de um jogador profissional, ainda mais na NFL, já que a temporada é muito curta e é importantíssimo estar no seu melhor nível em todos os jogos. Apesar disso, lesionar-se é muito comum entre jogadores; estar sempre saudável é exceção.

Entretanto, todos os dias, jogadores de futebol americano se esforçam para provar que não estão longe se serem gênios que valem os milhões de dólares que recebem anualmente.

Essa coletânea é mais uma prova disto: uma coleção de maneiras idiotas em que, por culpa própria ou de outros fatores, atletas acabaram se lesionando.

Jason Pierre-Paul não sabe brincar com fogos de artifício

Essa talvez seja a história mais famosa, especialmente por ser mais recente. Jason Pierre-Paul, defensive end dos New York Giants, vindo de uma ótima temporada, uma das grandes promessas defensivas da NFL, pronto para destruir linhas ofensivas mais um ano e ganhar um contrato multimilionário, resolveu aproveitar o tradicional de feriado de 4 de julho como um bom americano: explodindo fogos de artifício. O problema é que, como um festeiro descuidado, um deles explodiu em sua mão.

Resultado final: várias cirurgias e, em um ato de coragem para tentar acelerar a sua recuperação, JPP amputou 2 dedos da mão. Perdeu todo o treinamento da offseason, alguns jogos da temporada regular e, quando jogou, foi obrigado a usar uma luva bizarra que prejudicou seu desempenho. Além disso, sabe-se lá quando ele voltará a ter oportunidade de garantir aquele contrato gigantesco que, como os tais fogos de artifício, escapou entre seus dedos (desculpem!)

Cause, baby, you're a firework / Come on show 'em what you're worth

Cause, baby, you’re a firework / Come on show ‘em what you’re worth

Gramados não são piscinas: não mergulhe!

Esta lesão não é exatamente de um jogador que já estava na NFL, mas um que era destinado a ela. Adrian Peterson já era um monstro no college football e provavelmente uma das primeiras escolhas do draft de 2007. Só que, na sua última temporada por Oklahoma, em um jogo ganho (27-9, final do último quarto), ele conseguiu mais uma de suas grandes corridas, 53 jardas para o touchdown e a brilhante ideia de mergulhar de cabeça na endzone

Resultado final: uma clavícula quebrada e AP nunca mais voltou a jogar pelos Sooners, e perdendo a oportunidade de bater vários recordes da universidade. Além disso, passou todo o período pre-draft imerso em dúvidas sobre sua condição física, o que fez com que “caísse” no draft, só sendo selecionado na sétima posição pelo Minnesota Vikings. Bom, não posso deixar de ser grato por aquele mergulho!

Os super protetores

Se há algo que nunca esqueceremos é que jogadores de futebol americano ganham MUITO DINHEIRO, então seria natural imaginar que eles se importassem menos que reles mortais com “ter que ir e comprar de novo” algo que eventualmente quebrou, especialmente se, para salvar tal objeto, seja necessário algum movimento muito brusco e perigoso. Bem, não é o caso de Nate Burleson e Darren McFadden.

Comecemos com Burleson. Acidentes de carro são mais comuns do que deveriam entre jogadores da NFL, mas normalmente envolvem drogas ou álcool. Nesse caso, a culpada foi de uma pizza. Sim, de uma pizza!

Nate voltava tranquilamente para casa com duas caixas de pizza no banco do passageiro, quando a de cima deslizou um pouco e ele tentou salvá-la. Fez um movimento brusco, perdeu o controle do carro e bateu na divisória no meio da pista, quebrando o braço em dois lugares e perdendo boa parte da temporada de 2009.

Pior que ele (afinal pizzas SÃO sagradas) só o que fez McFadden, um jogador já conhecido mais por seu potencial desperdiçado entre lesões que por suas atuações. Eis que Darren estava belo e feliz com seu celular, quando, como já aconteceu com todos nós, o celular cai e em um movimento protetor o gênio se joga para tentar salvá-lo. Resultado: caiu sobre o cotovelo e quebrou o osso, o que o fez perder sessões de treinamento e deixar sua titularidade no Dallas Cowboys mais ameaçada do que nunca.

Já sobre o celular, não temos maiores informações, tampouco sabemos seu paradeiro.

“Não sabemos comemorar”

Aqui a coletânea é grande. Provavelmente é ainda maior do que os já listados, mas vamos aproveitar o que temos à disposição. Dois romperam o joelho e um… bem, deixemos para o final.

O primeiro idiota é Lamarr Houston. Último quarto, os Bears perdendo por 25 pontos, QB reserva dos Patriots em campo, Lamarr Houston consegue um sack. Ao invés de simplesmente voltar para sua posição como seria normal aqueles que estão tomando 25 cocos na cabeça, Houston resolve comemorar com um salto a la Cristiano Ronaldo e, como seria esperado, rompeu o ACL, ficando de fora do resto da temporada.

O próximo da nossa lista fez algo parecido, mas pelo menos tinha razão em estar comemorando. Bill Gramática, jogador dos Cardinals, acertou um chute de 43 jardas no primeiro quarto contra o Giants e saiu comemorando dando um soco no ar, como l faria Pelé, mas como fez Lamarr Houston, Bill caiu de mau jeito e estourou o joelho.

E por último, a comemoração das comemorações, o gênio dos gênios: Gus Frerotte, enquanto jogava pelos Redskins. Sunday Night Football, começo de jogo, o quarterback marca um TD corrido e sai comemorar emocionado, então faz o que qualquer pessoa normal faria, não é? Dá uma cabeçada no muro que separa os torcedores do campo de jogo. Resultado: machucou o pescoço e saiu do jogo, prejudicando seu time, que acabou empatando em 7-7.

O curioso caso do punter Chris Hanson

Obviamente devíamos ter um integrante dessa classe maravilhosa de jogadores que não são exatamente jogadores de futebol americano. Mais do que isso, Chris Hanson é protagonista de dois acidentes bizarros.

O primeiro ocorreu em 2002, na casa do kicker Jaret Holmes, quando uma panela de fondue virou e causou queimaduras de primeiro e segundo grau nos pés dos dois. Por sorte, o acidente foi durante as férias e eles já estavam prontos para o Training Camp.

O segundo ocorreu no ano seguinte, quando o time do Jaguars havia começado a temporada com três derrotas e o treinador Jack del Rio tentou trazer uma nova filosofia para o vestiário: “Keep Chopping Wood” (algo no sentido de “continue lutando, ultrapassando os obstáculos”). Para isso, ele levou um toco de árvore e um machado para o vestiário, e os jogadores iam cortando pedaços do toco todos os dias após os treinamentos.

Um belo dia, após o treinamento, Hanson e outro kicker, Seth Marlen, foram os primeiros no vestiário, quando o punter resolveu deixar a sua marca no toco também. Mas ele errou. Sim, ele errou! Bem, machado fincado no pé direito (pelo menos não era o pé bom, de novo), sangue por todo o vestiário, punter fora da temporada e, pior: o treinador provavelmente teve que buscar um novo slogan para a equipe.

Árbitros também podem causar lesões

Essa história ocorreu dentro de campo, mas não teve nada a ver com a partida. Ou quase nada. O árbitro Jeff Triplette lançou o pano amarelo, em uma ação corriqueira de jogo. Só que dessa vez o pano voou e acertou diretamente o olho direito de Orlando Brown, um dos jogadores de linha ofensiva mais bem pagos daquele ano.

Brown levou a mão ao olho e logo em seguida empurrou a zebra ao chão, o que causou sua expulsão. Foram três anos para se recuperar da lesão e uma indenização de mais de 15 milhões de dólares ao jogador por parte da NFL.

Sinta a ameaça.

Sinta a ameaça.

Más companhias

Além de pouco inteligentes, também é notório que a maioria dos jogadores da NFL vem de lugares, digamos, “complicados” e seguem frequentando tais lugares mesmo depois de estarem na liga. Por isso, parece quase natural que se envolvam em acidentes. Em um destes se envolveu Linval Joseph, que havia acabado de assinar um contrato de 5 anos e 31,5 milhões de dólares com Minnesota Vikings (<3).

Joseph estava na saída de um clube perto da hora de fechamento em agosto, pouco antes do início da temporada, quando um atirador disparou aparentemente de maneira aleatória pelo lugar e atingiu o defensive tackle de raspão na perna, além de mais nove pessoas. Joseph acabou perdendo a maioria dos jogos da preseason, apesar de não ter sofrido maiores problemas na temporada regular.

Válido lembrar: Plaxico Burress ficou dois anos preso após atirar acidentalmente na própria perna em um clube de Nova York.

Geno Smith apanha por $600

IK Enemkpali era um linebacker em seu segundo ano de NFL, que resolveu convidar o QB titular do seu time, o New York Jets, para um football camp na offseason do ano passado e até pagou a passagem para que ele comparecesse. Por problemas pessoais, Geno Smith não pode ir. IK então pediu que ele devolvesse os 600 dólares que teoricamente lhe haviam custado a passagem, com o que Smith concordou.

O problema aconteceu quando o Geno aparentemente esqueceu de devolver o dinheiro e, em uma manhã de treinamentos, foi confrontado pelo linebacker. Ninguém tem informações exatas de como aconteceu, mas a discussão acabou com um soco que quebrou a mandíbula do então quarterback titular dos Jets. Graças a lesão, Smith ficou fora várias semanas e com isso perdeu a titularidade para Ryan Fitzpatrick, que quase levou o time aos playoffs – o que não aconteceria com Geno. Apenas pela campanha positiva, 10-6, os torcedores do Jets já podem agradecer IK Enemkpali!

Enemkpali ainda descolou uma vaga nos Bills do comédia Rex Ryan.

Enemkpali ainda descolou uma vaga nos Bills do comédia Rex Ryan.

9 problemas bizarros com a lei por que passaram jogadores da NFL

Além de lances espetaculares e jogos emocionantes, outra razão que pela qual a NFL está sempre entre as principais manchetes é a quantidade absurda de crimes e prisões em que se envolvem seus jogadores. Pode ser porque a maioria veio de vizinhanças pobres ou porque a quantidade de pancadas na cabeça prejudica seus cérebros e lhes impede de tomar decisões corretas, mas mesmo assim o número de casos é absurdo, e pelos mais variados motivos, desde dirigir sob influência de entorpecentes (os famosos DUIs), até situações mais graves como violência doméstica e maus-tratos de animais.

Além dos motivos mais comuns (que chegaram a um ponto que o que surpreende são semanas sem prisões, e não o contrário), existem também casos especiais, que mostram quão problemáticos são alguns jogadores. E alguns deles já fazem quase parte do folclore da liga.

Eugene Robinson

Comecemos bem para mostrar como NÃO SALVA UM nesse grande circo que é a NFL. O cornerback estava prestes a jogar o seu terceiro Super Bowl seguido no ano de 1999 pelos Falcons, depois de duas aparições e um título com o Packers. No dia anterior ao grande jogo, Robinson recebeu o Bart Starr Award, que busca premiar atletas que mostram grande caráter e liderança em campo e na comunidade. Durante a noite, o jogador foi preso tentando contratar uma policial que estava disfarçada de prostituta.

Para piorar, perdendo uma importante noite de sono pelo incidente, o CB foi apontado como principal culpado em dois TDs (inclusive uma recepção de 80 jardas que deveria estar marcando) que foram cruciais para a vitória por 34-19 dos Broncos.

Eugene Robinson

Exatamente a cara que ele fez quando foi preso. Talvez.

Jeff Reed

Aqui vai a cota de “kickers também são jogadores de futebol americano”, pelo menos quando o quesito é fazer cagada. Jeff Reed sempre foi conhecido pelo seu estilo simpático, mas também por ser um grande apreciador de álcool. Em uma bela madrugada em Pittsburgh, Reed foi usar o banheiro de uma loja de conveniência de beira de estrada quando, absurdamente, descobriu que não havia papel para secar as mãos. Ao invés de secar as mãos na calça ou na camiseta como um bom bêbado e seguir com a vida, o kicker se revoltou, destruindo o depósito de papel que estava vazio e xingando os empregados da loja, que chamaram a polícia.

Kenyatta Jones

O offensive tackle do New England Patriots estava se recuperando de uma lesão no joelho e prestes a voltar aos treinos quando, durante uma provável discussão com seu assistente pessoal (aparentemente jogadores profissionais precisam disso), ele o atacou com água fervendo e acabou preso após causar queimaduras de segundo e terceiro grau no assistente. Jones acabou sendo dispensado do time cinco dias depois do incidente.

Após os acontecimentos de 2003, Jones só voltou a ter outra chance de jogar futebol americano em 2008, pelo Tampa Bay Storm da Arena Football League. Obviamente, nesse ano voltou a ter problemas com a lei, sendo preso por tentar urinar na pista de um clube de Tampa e ainda agredir um policial que tentou pará-lo (lembre-se, o OT tinha 1.93m e mais de 120kg).

Justin Miller

Esse mandou muito bem. É quase normal imaginar os brutamontes da NFL buscando (e encontrando) brigas nas baladas por aí, mas não foi só assim que Miller veio parar nessa lista. O, na época, retornador dos Jets estava em uma festa alcoolizado e, de acordo com o relato da agredida, começou a provocar e tentar acertar socos em um outro grupo que também estava ali, enquanto era contido pelos amigos. O problema é que ele “errou” um desses socos aleatórios e atingiu uma das garotas do grupo com que discutia.

Ao perceber o que tinha feito, o homem mais rápido da NFL em 2006 tentou fugir correndo, mas foi seguido e acabou preso por um policial que passava na região. Para piorar, a mulher atacada era chefe da equipe de Barack Obama, o que só trouxe ainda mais atenção ao caso.

Bobby Massie

Como já dito, beber e dirigir é uma atitude comum entre jogadores da NFL. Nesse caso, o na época right tackle de Arizona (essa temporada ele estará em Chicago) tentou ser um pouco mais consciente que a média. Massie estava bebendo em uma região próxima (aproximadamente 2km) ao centro de treinamentos do time e resolveu dirigir até e estacionar ali, para poder dormir e deixar passar a bebedeira. O problema foi que o segurança do centro não reconheceu o carro do jogador e imediatamente chamou a polícia, que prontamente atendeu ao chamado e prendeu o jogador alcoolizado, o que resultou em uma punição de dois jogos na temporada seguinte ao acontecido (a primeira na história em que um segurança de um clube da NFL foi responsável pela punição do próprio jogador).

**FILE**Atlanta Falcons quarterback Michael Vick scrambles during the first quarter of an exhibition game against the Tennessee Titans on in this Friday, Aug. 19, 2005, file photo in Atlanta. Three games into the season, Michael Vick has yet to get the Atlanta Falcons' passing attack on track. He has completed less than half his throws, is averaging just 123 yards per game through the air and his rating ranks near the bottom of the league. (AP Photo/John Bazemore)

Vick não está na lista porque ele passou dos limites.

Louis Murphy

O medíocre WR dos Raiders foi parado por estar dirigindo com o som do carro muito alto em uma manhã de domingo. Assim tudo começou. Os policiais exigiram identificação, ele se recusou e resistiu ao ser algemado. Assim tudo piorou. Depois de tanta discussão, os policiais fizeram uma revista completa no carro do jogador e o que encontraram foi o que o trouxe para essa lista. Viagra, sem identificação, que de acordo com Murphy era porque ele não queria que sua namorada soubesse que ele precisava do medicamento. No final das contas, ele acabou expondo sua necessidade especial para todo mundo e ainda provavelmente ficando sem seu combustível.

Love Boat

Durante a temporada de 2005, na qual o time do Minnesota Vikings havia começado com 5 derrotas nos primeiros 7 jogos, vários jogadores (as informações chegam a incluir 17 atletas da equipe, entre eles o QB Daunte Culpepper, os DTs Kevin e Pat Williams e o então rookie e futuro bust WR Troy Williamson) organizaram uma festinha com dois barcos alugados no Lago Minnetonka e prostitutas “importadas” de Miami e Atlanta exclusivamente para o evento.

A atenção da polícia foi chamada quando uma mulher lhes chamou porque “sete homens negros saídos de uma limusine urinaram em seu jardim”. No final das contas, além de infinitas histórias bizarras (sério, a internet é incrivelmente cheia delas) sobre acontecimentos na festa e uma tripulação e equipe de limpeza traumatizadas, quatro jogadores acabaram indiciados por exposição indecente e outros crimes menores. Quem levou a pior de verdade foi o então head coach Mike Tice (hoje treinador de linha ofensiva dos Raiders), que teve o evento como uma das principais razões para sua demissão.

Stanley Wilson II

O mais recente dos acontecimentos aqui relatados. O antigo cornerback de Detroit foi encontrado nu na fonte de uma casa em uma região rica de Portland, depois de tentar invadir essa mesma casa e seus moradores chamarem a polícia. Além disso, Wilson também havia sofrido ferimentos de bala, apesar de não correr risco de vida. Tudo isso aconteceu sem maiores explicações – talvez mais um motivo para a NFL continuar com seus estudos sobre os efeitos que tantas pancadas causam na cabeça dos jogadores.

Plaxico Burress

O último artista desta lista! Um dos heróis dos Giants no Super Bowl XLII, com um recém assinado contrato de 35 milhões de dólares. Bem, o wide receiver estava curtindo a noite no clube LQ em Nova York, quando, por alguma razão, meteu a mão no revólver que mantinha no bolso de trás da calça jeans, apertando o gatilho sem querer e dando um tiro na própria perna.

O acidente chamou a atenção da polícia, que descobriu que Plaxico não possuía a Glock legalmente – o que, sendo quem ele era, trouxe muita atenção da mídia e o próprio prefeito Michael Bloomberg exigiu que ele fosse punido severamente. O resultado final foi a dispensa dos Giants e 20 meses na prisão, além de alguns (muitos) milhões mais pobre.

1Plaxico

Agradeça a deus seu talento. Dê um tiro na perna pra comemorar.

As 9 postagens mais imbecis do Facebook de Tom Brady (e uma imagem perdida)

É comum atletas profissionais contratarem equipes inteiras para gerenciar e promover o conteúdo publicado em suas páginas nas redes sociais. Esse parece não ser o caso de Tom Brady. Não se sabe ao certo quem é o responsável pela criação do conteúdo postado em seu Facebook OFICIAL (sim, tem a marquinha lá confirmando), porém o QB do New England Patriots abusa de imagens bem humoradas e de montagens grotescas em seus posts. Se não é um primor de qualidade, o Facebook de Brady mostra o lado humano e, de certa forma, ingênuo de um dos maiores QBs de todos os tempos.

Com muita alegria (e perplexidade) selecionamos os POSTS MAIS BIZARROS DO FACEBOOK DE TOM BRADY:

1 – Tom Brady e Rob Gronkowski parecem ter um relacionamento que vai muito além da melhor dupla de QB e TE que já pisou em um gramado. Aparentemente, por algum motivo que nem o mais competente dos psicólogos conseguiria explicar, Brady sentiu a necessidade de fazer uma montagem saindo de um bolo cor de rosa em homenagem ao aniversário de Gronk.

Brady Gronk I

Gronk retribuiu com uma pegadinha marota de primeiro de Abril durante uma soneca de Tom.

Brady Gronk II

2 – Por que, Tom? Qual o sentido disso? Você é um dos maiores de todos os tempos, Tom. Não tem necessidade.

Edelman Leap

3 – Tom parece ficar bem animadinho quando seu adversário tem um cavalo como mascote.

Colt Bronco

4 – Talvez as duas derrotas para o NY Giants em Super Bowls consigam explicar o que se passa no subconsciente de uma pessoa que produz a imagem abaixo. Entendemos, Tom. Muito didático: o Patriots, com trabalho em equipe, derrubará o gigante.

Giants

5 – Ainda bem que Tom esclareceu que a imagem AINDA não é real.

Cliff Jumping

6 – Pô, Tom, isso é bullying.

Willfork

7 – Brady é um pai muito amoroso e participativo. Neste vídeo podemos ver o momento em que ele sai debaixo de uma pilha de folhas vestido de peru, o que deixou seus filhos completamente aterrorizados.

8 – Além de murchar bolas, Tom parece buscar vantagem competitiva usando uniformes totalmente inapropriados.

Hockey

9 – Será montagem?

Ping pong

10 – Ok, essa não saiu do Facebook, mas não poderia ficar de fora.

Goat