Arquivo da categoria : Relax

Power Ranking Offseason #3 – Abril e Maio

Maio e junho são os meses mais parados da NFL (junto com julho). E, se você está consumindo muito futebol americano nesse período, recomendamos o uso de drogas mais leves, como campeonato brasileiro – infelizmente temos falado sobre Série B mais do que seria saudável.

Alguém pode argumentar que abril não se encaixa nessa categoria por causa do draft: concordamos. Mas não fingimos entender o que aconteceu no draft e nem vamos tentar. E outra: o responsável pela coluna, este que vos fala, estava muito entretido assistindo Avengers: Infinity McGuffins três vezes para soltar o Power Ranking perto do draft (paga nois, Marvel!)

(sério, paga nois, pode ser com chaveiros do Pantera Negra)

Vamos ao que interessa (ou nem tanto né, é junho):

1 – Los Angeles Rams (2)

O time finalmente encerra sua empreitada rumo ao topo do nosso Power Ranking, conquistando, assim, o título simbólico de porcaria nenhuma. Essa equipe rodeada por estrelas, claro, tem tudo pra dar errado.

2 – Philadelphia Eagles (1)

O time é ótimo e terá nossa eterna gratidão por ter nos poupado de ver New England vencendo mais um Super Bowl. Mas será que Carson Wentz estará saudável em setembro? Você finge que está tranquilo, mas é só porque tenta não pensar nisso.

3 – New England Patriots (4)

O Patriots funciona como o Brasil na Copa: só consegue vencer quando parece que dessa vez não vai, portanto, pelo nosso próprio bem, devemos elevar o hype em torno de Brady & amigos sempre que for possível.

4 – New Orleans Saints (5)

Por motivos de Drew Brees finalmente ter um time (e, principalmente, uma defesa) ao seu lado depois de muito tempo. E também por motivos Drew Brees.

LEIA TAMBÉM: REFAZENDO O DRAFT 2017

5 – Minnesota Vikings (3)

A franquia conseguiu a vitória mais emocionante da história dos playoffs para depois se transformar em um bando de crianças brincando de jogar cocô uma na outra na semana seguinte. Mesmo com um bom time, não podemos confiar em Minnesota.

6 – Atlanta Falcons (6)

Nos esquecemos como esse time é bom, mas isso não aconteceria se não tivessem peidado no Super Bowl LI. A culpa, exclusivamente nesse caso, é da vítima.

7 – Pittsburgh Steelers (8)

Nada como alguns meses sem jogos para nos fazer esquecer que esse SUPER BOWL CONTENDER foi destroçado por Blake Bortles e seus receivers reservas em casa.

8 – Green Bay Packers (10)

Segue anexo:

Anexo 1.

9 – Los Angeles Chargers (11)

Como já dissemos, nada como alguns meses sem jogos. Todo ano caímos na armadilha de acreditar nos Chargers e, agora, no meio da offseason, estamos na época ideal para fazê-lo.

10 – San Francisco 49ers (12)

Segue anexo 2.

Anexo 2.

11 – Jacksonville Jaguars (7)

Times que têm Blake Bortles, por melhor que sejam, não merecem estar entre os 10 melhores nem da liga de casados x solteiros do bairro.

12 – Kansas City Chiefs (9)

Se pararmos para pensar, por mais que o ataque vá ser bem legal, a defesa é meio bostinha.

13 – Carolina Panthers (13)

Os talentos do time dependem de uma variável apenas para chegar longe: se Cam vai conseguir correr e/ou lançar a bola.

14 – Baltimore Ravens (15)

A essa altura o corpo de WRs já tem mais reboots que o Batman e o Homem-Aranha juntos, mas precisávamos dar pontos ao time por finalmente ter se preparado para chutar a bunda de Joe Flacco.

15 – Tampa Bay Buccaneers (21)

A raiva passou e nos permitimos nos empolgar de novo com o time que está preparado para COMER VITÓRIAS em 2018.

16 – Chicago Bears (19)

O hype em torno cresce a cada momento que percebemos que eles podem ser divertidos esse ano. A tendência é, claro, que tudo dê errado.

17 – Houston Texans (14)

Tirando os bons jogadores (são alguns), você não conhece 70% desse roster. Se conhece, vá fazer algo melhor com a sua vida, porque em junho já deveria ter esquecido quem joga ao lado dos craques.

18 – Dallas Cowboys (16)

Bom o suficiente para estar em todos jogos de horário nobre do ano, ruim o suficiente pra encher o saco por isso.

19 – Denver Broncos (21)

Se Case Keenum der certo (aprox. 32% de chance), pode até ser uma jornada divertida. Se não der, John Elway terá o status de “gênio”, adquirido três anos atrás, removido em definitivo.

20 – Tennessee Titans (18)

A gente não gosta deles e pode até que ser que o time jogue bem esse ano. Por isso essa posição meio sem graça.

LEIA TAMBÉM: JARED GOFF ESTRELANDO “O VERDADEIRO BUST ERA JEFF FISHER”

21 – Detroit Lions (17)

Vamos supôr que supere todas as expectativas em 2018. Resultado: não passa do Wildcard.

22 – New York Giants (30)

Porque um pouco do ceticismo foi embora. E aqui parece a posição ideal para uma equipe que pode ter ou uma temporada mágica ou uma temporada bosta.

23 – Seattle Seahawks (20)

A offseason bastante suspeita aliada a decadência já sentida nos últimos anos coloca os Seahawks em uma posição que só não é de anonimato porque o time enchia o saco recentemente e vai ser divertido ver seu colapso. Russell Wilson é capaz de salvar tudo?

24 – Washington Redskins (26)

Você não quer ler sobre os Redskins e eu não quero falar sobre eles. Todo mundo sai ganhando.

25 – Cleveland Browns (23)

CARALHO COLOQUEI O BROWNS NA 23 NO ÚLTIMO POWER RANKING só que agora com um pouco mais de parcimônia.

26 – Oakland Raiders (24)

Em breve serão abertas mais vagas para aqueles que quiserem assistir esse experimento de Jon Gruden falhar junto conosco.

27 – New York Jets (27)

Porque não faria sentido mudá-los de posição quando o time não mudou nada, mas conseguiu seu quarterback que não vamos fingir saber se dará certo ou não.

28 – Buffalo Bills (25)

Sei lá cara, mas Josh Allen tem cheirinho de bust. O problema é que tem tanta gente falando isso que estamos quase começando a torcer pelo cara.

29 – Cincinnati Bengals (28)

Ver: REDSKINS, Washington

30 – Arizona Cardinals (31)

Torcendo por Josh Rosen e MEU Larry Fitz, mas o time não inspira confiança em ninguém.

31 – Miami Dolphins (29)

O draft não corrigiu a offseason que, quanto mais olhamos, mais cara de culpada parece ter.

32 – Indianapolis Colts (32)

Se Andrew Luck não voltar jogar, pelo menos o time parece que vai ter uma linha ofensiva agora. E, se você for olhar, além de TY Hilton, não tem nenhum WR que passe mais confiança que o goleiro Karius. Estamos em 2018 e não cabe mais falar sobre a defesa da franquia.

Refazendo o Draft 2017

Todos amamos o draft: mesmo sem assistir boa parte dos jogadores achamos que entendemos alguma coisa, afinal durante abril qualquer beco da internet tem seu próprio mock.

Mas a verdade é que nem aqueles que são pagos pra avaliar jogadores não têm a menor ideia do que estão fazendo: mesmo os melhores “talent evaluators” fazem algumas escolhas – e draft completos – extremamente questionáveis.

Só existe um exercício que permite acertar em cheio as escolhas: refazê-las. E é por isso que faremos esse divertido ensaio por aqui, porque estar certo só não é melhor que ver o New England Patriots perdendo.

Algumas regras simples: como o board está diferente, retiramos as trocas que foram feitas durante o evento. Não faria sentido para Chiefs e Texans trocar pra cima com uma oferta diferente do que aconteceu em 2017. Além disso, o cenário é basicamente aquele de maio/2017: as escolhas de Bengals e 49ers mostrarão isso.

1 – Cleveland Browns: Deshaun Watson (Texans) 

O mais curioso é que os Browns poderiam ter escolhido o melhor QB da classe na #14, porém… Browns. Os fãs de Sashi Brown não querem que você perceba isso, mas Watson vale mais do que a escolha #4 que o time conseguiu por ele.

Já ficava lindão de laranja.

2 – San Francisco 49ers: Marshon Lattimore (Saints) 

Richard Sherman só chegou um ano depois e nem solução sabemos se é. O 49ers pega o melhor CB da classe e que tem potencial pra ser All Pro. O time vai atrás de Kirk Cousins na janela do ano que vem, só não vê quem não quer.

3 – Chicago Bears: Patrick Mahomes (Chiefs)

Mitch Trubisky mostrou vários nada em 2017. O time ainda tem fé nele, mas tudo indica que Patrick Mahomes será um QB melhor.

4 – Jacksonville Jaguars: Kareem Hunt (Chiefs) 

Leonard Fournette foi bem, mas Kareem Hunt foi melhor. Um time que tem Blake Bortles tem que tirar a bola das mãos dele mesmo.

5 – Tennessee Titans: Juju Smith-Schuster (Steelers)

Se é pra fazer um reach por um Wide Receiver, que pelo menos seja pelo melhor da classe, ao menos pelo que vimos em 2017.

6 – New York Jets: Jamal Adams (Jets) 

Nada como ter uma boa peça para começar a reconstruir a secundária, o que se mostrou claramente um dos planos da equipe nos últimos dois anos.

7 – Los Angeles Chargers: Pat Elflein (Vikings)

O time focou em reforçar o interior da linha em 2017, e escolher um dos melhores rookies do ano que pode jogar como Guard ou Center ajudaria a manter Phillip Rivers vivo pelos próximos anos.

8 – Carolina Panthers: Alvin Kamara (Saints)

Alvin Kamara foi o que se esperava de Christian McCaffrey. Não precisamos falar mais nada.

9 – Cincinnati Bengals: Cam Robinson (Jaguars) 

A linha ofensiva foi deprimente em 2017. Muito melhor escolher um LT que um WR que você está pensando em transformar em CB. 

10 – Buffalo Bills: Mitch Trubisky (Bears)

Esperando um ano atrás de Tyrod Taylor, Mitch dá aos Bills a oportunidade de não se desesperar por um QB de 2018 em diante.

11 – New Orleans Saints: Tre’Davious White (Bills)

Não tendo mais Marshon Lattimore, os Saints conseguem um CB de nível de Pro Bowl do mesmo jeito.

Não preciso nem pegar o avião pra se mudar.

12 – Cleveland Browns: Myles Garrett (Browns) 

O mundo dá voltas. Talvez se tivesse jogado todos jogos da temporada, Garrett estaria mais valorizado aqui.

13 – Arizona Cardinals: Evan Engram (Giants) 

Não dá pra lançar bolas só pra Larry Fitzgerald e querer ser feliz ao mesmo tempo.

14 – Philadelphia Eagles: Leonard Fournette (Jaguars)

O time, à essa altura, não tinha RB. E Fournette jogando nesse ataque ao lado de Carson Wentz seria divertido demais.

15 – Indianapolis Colts: TJ Watt (Steelers) 

O time tem uma quantidade enorme de buracos, e pass rusher é uma delas. Bem, não é como se o Colts fosse ser bom mesmo, então o ideal é ir adicionando talento.

16 – Baltimore Ravens: Corey Davis (Titans) 

O jogo contra os Patriots mostrou que Davis pode ser um bom jogador. Como é WR e foi para o Ravens nesse cenário, provavelmente não será.

17 – Washington Redskins: Jonathan Allen (Redskins) 

Allen foi bem até se machucar. Não tem porque o Redskins fazer diferente aqui.

18 – Tennessee Titans: Derek Barnett (Eagles)

Barnett fazia parte da rotação dos Eagles, e se fosse titular absoluto provavelmente teria um impacto ainda maior. Faz sentido para o Titans.

19 – Tampa Bay Buccaneers: Dalvin Cook (Vikings)

Os Bucs queriam Cook, e dessa vez não inventaram moda.

Dias de um futuro esquecido.

20 – Denver Broncos: Ryan Ramczyk (Saints)

Bolles não foi tão mal, mas Ramczyk foi um OT melhor.

21 – Detroit Lions: Adoree’ Jackson (Titans)

Nada como um CB para jogar oposto a Darius Slay. O torcedor dos Lions (o único que conheço) não gostava de Nevin Lawson.

22 – Miami Dolphins: Solomon Thomas (49ers)

Thomas não empolgou em 2017, mas ainda podemos esperar algo dele daqui pra frente. De qualquer forma, Charles Harris também não empolgou mesmo.

23 – New York Giants: Garett Bolles (Broncos)

Porque Eli Manning precisa de mais de um segundo para lançar a bola.

24 – Oakland Raiders: Marcus Williams (Saints) 

Alguém precisa interceptar bolas nessa defesa, e Marcus Williams é esse cara. Não deixe a jogada que marcou sua carreira até aqui te enganar: Williams é um baita jogador.

25 – Houston Texans: Christian McCaffrey (Panthers)

Se o time ainda não tem um QB, que pelo menos consiga um jogador versátil pra tirar a bola das mãos de seja lá quem estiver lançando a bola.

26 – Seattle Seahawks: Dion Dawkins (Bills)

A linha ofensiva é medonha. Dion Dawkins deixou o Bills confortável para trocar Cordy Glenn e com certeza é melhor que seja lá quem o Seahawks escala na ponta da OL.

27 – Kansas City Chiefs: DeShone Kizer (Browns)

Kizer foi colocado numa situação impraticável em Cleveland. Em Kansas City ele teria a oportunidade de não ser fritado. Andy Reid confia no próprio taco a ponto de fazer essa escolha.

28 – Dallas Cowboys: David Njoku (Browns) 

Jason Witten é imortal, mas nem tanto.

29 – Green Bay Packers: Carl Lawson (Bengals) 

Clay Matthews não é confiante como pass rusher há muito tempo. E Carl Lawson jogou mais que muito jogador escolhido na primeira rodada.

30 – Pittsburgh Steelers: John Johnson III (Rams)

Porque o time precisa de ajuda na posição de Safety. Alguém precisa derrubar Chris Hogan correndo livre por aquela secundária.

31 – Atlanta Falcons: OJ Howard (Buccaneers) 

OJ não correspondeu as expectativas em 2017, mas não é todo TE que joga bem como calouro.

32 – New England Patriots: Takkarist McKinley (Falcons)

Porque esse time não tinha pass rusher nem quando terminaria a temporada invicto.

A alegria de vazar da NFC.

É mais difícil do que parece, amigos.

Power Ranking Offseason #2 – Março

Não escondemos de ninguém que é muito mágico projetar a força de equipes sem vê-las jogando. Ano após ano  caímos nessa, mesmo sendo criados no país que gerou a inesquecível seleção de 2006, o melhor time do mundo quando o assunto é papel.

Por isso, já com muitas mudanças em relação a temporada 2017/18, tudo que está escrito abaixo tem uma enorme chance de se provar uma enorme asneira em setembro. Enfim, do jeito que a gente gosta.

1 – Philadelphia Eagles (1)

O melhor time da NFL teve reforços pontuais nas posições em que sofreu perdas. O maior “desfalque” em 2018 será Torrey Smith, mas não podemos sequer chamá-lo de desfalque.

2 – Los Angeles Rams (5)

Aqib Talib e Marcus Peters em uma secundária comandada por Wade Phillips é assustador. Já amávamos os Rams e eles conseguiram nos dar ainda mais motivos para continuarmos essa relação. Que sejo eterno enquanto dure.

3 – Minnesota Vikings (8)

Será mesmo que Kirk Cousins um upgrade em relação ao Case Keenum de 2017? Talvez não muito, mas o time é o mesmo e poderia ter vencido o Super Bowl não fosse uma noite de histeria coletiva na Philadelphia.

4 – New England Patriots (2)

O time sofreu diversas perdas no mercado e, pelo menos na última offseason, as movimentações de Bill Belichick não se mostraram tão acertadas. Mas duvidar dos Patriots é o caminho mais fácil pra ter a boca calada em janeiro/fevereiro.

Acabou?

5 – New Orleans Saints (3)

O Saints sempre se reforça de forma estranha, mas, reforços à parte, o time que vem de 2017 é extremamente competitivo. Com a volta de Drew Brees e um ano mais experiente, a equipe pode fazer barulho. Pena que só descobriremos em seis meses.

6 – Atlanta Falcons (4)

Os nomes que deixaram a franquia, assim como os que chegaram, não mudam o fato de que é um time forte e jovem. Porém a franquia não fez nada demais até aqui na offseason, assim fica difícil falar bem em um mundo em que o que importa é o que está bombando agora no Twitter.

7 – Jacksonville Jaguars (6)

O time manteve Blake Bortles, mas contratou Andrew Norwell para tentar correr ainda mais com a bola. No entanto, contratar Donte Moncrief e renovar com Marqise Lee foi pior do que renovar com Allen Robinson. Apostar na defesa novamente talvez seja arriscado.

8 – Pittsburgh Steelers (7)

Poucas mudanças, como era de se esperar. A dúvida fica por conta de LeVeon Bell, que quer um contrato novo (e de preferência que não seja de apenas um ano).

9 – Kansas City Chiefs (9)

O ataque promete ser no melhor estilo dedo no cu, gritaria e bola longa. Pode dar certo, pode dar errado, mas será divertido. Não sabemos o que esperar da defesa, mas Eric Berry de volta aquece o coração de toda e qualquer pessoa de bem.

10 – Green Bay Packers (11)

Os reforços da Free Agency foram bons, mas seriam excelentes se estivéssemos em 2014. De qualquer forma você já sabe que só um nome importa em Green Bay: DeShone Kizer Aaron Rodgers.

R-E-L-A-X.

11 – Los Angeles Chargers (15)

Estamos há tempos removidos daquele mês de setembro em que os kickers de San Diego chutaram até tiro de meta para fora. O time é bom, mas sempre encontra maneiras revolucionárias de perder, mas não na offseason.

12 – San Francisco 49ers (12)

Richard Sherman pode se mostrar um baita reforço, e o ataque só deve evoluir. Jimmy continua e continuará lindo.

13 – Carolina Panthers (10)

Um time que perde um Guard All Pro e troca um bom CB jovem por um WR decadente só merece cair na nossa lista.

14 – Houston Texans (13)

Os reforços até que foram interessantes, mas o que importa mesmo é saber se JJ Watt e Deshaun Watson voltarão com tudo.

15 – Baltimore Ravens (17)

Melhorar na posição de receiver só não era mais difícil que piorar, e os Ravens melhoraram (um pouco). O time, assim como Joe Flacco, ainda não inspira confiança.

16 – Dallas Cowboys (16)

Quase nada mudou. No time e no nosso Power Ranking. Ainda não sabemos se Dak Prescott é bom (2016) ou ruim (2017).

17 – Detroit Lions (19)

O time parece empenhado em fazer o jogo corrido voltar a funcionar, pena que com as escolhas erradas. Porém, os jogos mais divertidos do primeiro horário você só vê aqui.

18 – Tennessee Titans (20)

Qualquer movimentação interessante fica desinteressante quando sabemos que foi feita pelo Tennessee Titans. Pelo menos se livraram dos pesos mortos (Murray, Mularkey, Decker).

19 – Chicago Bears (26)

Candidato fortíssimo ao “Los Angeles Rams de 2017”, esse time está a um Sean McVay e um salto do naipe Goff-16>17 de ser interessante.

20 – Seattle Seahawks (14)

A franquia tenta, a cada ano, diminuir o número de jogadores de verdade que jogam ao lado de Russell Wilson. O último que sair apague a luz.

Rindo, mas de nervoso.

21 – Tampa Bay Buccaneers (23)

Talvez agora, no segundo ano do “agora vai”, o time, enfim, vá.

22 – Denver Broncos (21)

Case Keenum é um upgrade na posição mais importante do jogo, mas não é como se estivéssemos falando de Peyton Manning. E será que a defesa ainda é tão forte? Talvez não.

23 – Cleveland Browns (32)

Isso mesmo, nenê! Na offseason você não perde todos os jogos que disputa e, no caso dos Browns, você pode fazer movimentos interessantes. Tyrod Taylor não é a solução, mas pode tomar conta das crianças enquanto vocês ajeitam os horários de trabalho.

24 – Oakland Raiders (22)

A defesa ainda conta com vários “ninguém” esperando Khalil Mack fazer algo. O ataque não inspira confiança, e Jordy Nelson está mais próximo da aposentadoria do que das 1000 jardas.

25 – Buffalo Bills (18)

O time está em claro rebuild, mas por enquanto as escolhas do draft ainda não formam um time. E é melhor que o QB escolhido comece jogando no dia 1, por motivos de Nathan Peterman.

26 – Washington Redskins (27)

Porque pela primeira vez em anos a franquia finalmente tem o QB que quer. Uma pena que o time não seja tão bom.

27 – New York Jets (29)

A franquia vai atrás de um QB no draft, isso está bem claro. O resto do time talvez já seja melhor que o que estava disponível em 2017.

28 – Cincinnati Bengals (31)

Um Left Tackle já ajuda muito em uma OL que contava com praticamente nada. Quem sabe Andy Dalton não volta a jogar como o décimo sétimo melhor QB que ele de fato é?

29 – Miami Dolphins (24)

Coloque uma criança de seis anos que não sabe ler para jogar o modo franquia no Madden (paga nois, EA Sports). Talvez os moves façam mais sentido do que os que a diretoria de Miami fez nessa offseason.

30 – New York Giants (28)

Por mais que eles tentem acreditar, esse time não vai longe em 2018. Além disso, menos dois jogadores bons na linha ofensiva mais um jogador bom na linha ofensiva dá menos um jogador bom na linha ofensiva como resultado. A matemática é básica.

Do tempo que o torcedor dos Giants podia sorrir.

31 – Arizona Cardinals (25)

Que tal se livrar de um dos pilares da sua defesa pra contratar um QB sem joelho por 20 milhões por ano e Mike Glennon? Será um último ano difícil para Larry Fitz.

32 – Indianapolis Colts (30)

Por incrível que pareça, o time só conseguiu piorar até aqui. Ainda bem que existe o draft e a possibilidade do renascimento de Andrew Luck.

Power Ranking Offseason #1 – Fevereiro

Power Rankings são um exercício mental pouco prático: um ou outro resultado aqui, uma ou outra troca bem feita ali (Jimmy Garoppolo cough cough) e o que você escreveu uma semana atrás não faz mais sentido. Mas o que faz menos sentido ainda é fazer um Power Ranking quando nenhum jogo está sendo jogado.

Vinte equipes sequer jogaram esse ano, e outras nós nem lembrávamos que chegaram aos playoffs, como é o caso do Buffalo Bills. Por isso, junte-se a nós e acompanhe um monte de bobagens que fará ainda menos sentido depois de Free Agency, Draft e, principalmente, jogos sendo jogados. 

1 – Philadelphia Eagles

Não apenas por ter vencido o Super Bowl, mas por ter vencido o Super Bowl sobre o New England Patriots. Isso ganha muitos pontos conosco. O Eagles tem o melhor roster da NFL e parece também ter dois QBs capazes de jogar bola, enquanto muitas franquias não possuem sequer um.

O bem venceu.

2 – New England Patriots

A defesa é ruim. Você descobriu quem era Marquise Flowers no meio do Super Bowl, e Kyle Van Noy é o melhor LB da unidade, já que Dont’a Hightower tem ossos de vidro. Porém não podemos descartar Tom Brady e Bill Belichick, por mais que um deles tenha feito algumas cagadas no Super Bowl.

3 – New Orleans Saints

A defesa finalmente encontrou um rumo, e deve continuar melhorando com a chegada de mais peças em 2018. O ataque tem Drew Brees, Michael Thomas, Alvin Kamara e uma boa linha ofensiva. Ano que vem vai.

4 – Atlanta Falcons

Ainda acreditamos que há gasolina no tanque. O ataque é forte e é ainda melhor quando consegue superar as elucubrações de Steve Sarkisian. Vai dar algum jeito de pipocar em algum momento da temporada, mas, no papel, ainda é uma baita equipe.

5 – Los Angeles Rams

Aaron Donald foi eleito o Defensive Player of the Year e Todd Gurley foi eleito Offensive Player of The Year. Sean McVay também ganhou o prêmio na categoria de técnico. E o resto do time é bom. E agora mais experiente.

6 – Jacksonville Jaguars

Um pouquinho mais de inspiração no ataque e eles poderiam ter chegado no Super Bowl. Pouca coisa vai mudar na defesa e, na pior das hipóteses, Blake Bortles está um pouco mais confiante. O ideal seria que ele estivesse bem longe.

7 – Pittsburgh Steelers

Foi atropelado em casa pelos Jaguars, e a sensação é de que a janela está se fechando. Mesmo assim, ainda é um time forte e que vai incomodar. Resta saber até quando.

8 – Minnesota Vikings

O time tem 3 QBs, mas nenhum deles é mais confiável que Nick Foles, que por sua vez não é confiável. O ataque vai voltar à Terra. A defesa continua forte, mesmo depois de ser violentada pelo já citado Nick Foles.

Esperando um novo milagre.

9 – Kansas City Chiefs

A defesa melhora com a volta de Eric Berry, e Patrick Mahomes dará uma nova dimensão ao ataque. Resta saber quando Andy Reid vai explodir tudo em algum momento importante.

10 – Carolina Panthers

Cam Newton é um pouco inconstante em seus passes, mas fatal correndo com a bola. A defesa é boa. No dia certo pode incomodar qualquer um, mas nunca sabemos quando é esse dia.

11 – Green Bay Packers

O time passa confiança? Não. Mas Aaron Rodgers passa. E ele estará de volta.

12 – San Francisco 49ers

Até que ponto o time está no nível de Jimmy Garoppolo? Ainda não sabemos, mas sabemos que os Niners têm o melhor quarterback da liga e é isso que importa.

G.O.A.T.

13 – Houston Texans

Se Deshaun Watson voltar 100% e JJ Watt voltar 80%, dará medo. Acontece que é difícil de confiar no Texans.

14 – Seattle Seahawks

Parece que em Seattle o último que sair apaga a luz. Ainda não aconteceu. O time continuará bom, no entanto.

15 – Los Angeles Chargers

Estaria acima, se não soubéssemos que o time sempre arruma formas diferentes & inovadoras de perder jogos.

16 – Dallas Cowboys

Dak Prescott precisa decidir se sabe ou não jogar bola. A defesa sempre é melhor do que achamos que será, principalmente quando o joelho de Sean Lee está firme.

17 – Baltimore Ravens

Não muito ruim, nem muito bom: esse é o nosso Ravens, esse é o seu quarterback.

18 – Buffalo Bills

Quem sabe o time não melhore se finalmente parar de jogar tentando boicotar seu próprio QB.

19 – Detroit Lions

A mediocridade pelo menos pode produzir jogos divertidos, ainda mais quando seu QB é Matthew Stafford.

20 –  Tennessee Titans

Se não fossem as lesões dentro da divisão esse time nem saberia a cor dos playoffs. Pelo menos mandaram Mike Mularkey embora.

21 – Denver Broncos

Às vezes Brock Osweiler ou Trevor Siemian fazem uns jogos OK (não é o caso de Paxton Lynch). O torcedor só espera não ver mais nenhum deles com a camisa do time.

A melhor movimentação dos Broncos na posição desde Peyton Manning.

22 – Oakland Raiders

Você finalmente descobriu que Derek Carr é overrated. A defesa é tenebrosa. A despedida de Marshawn Lynch não deu muito certo. Muitos buracos pra se fechar nessa offseason.

23 – Tampa Bay Buccaneers

Jameis Winston precisa focar em duas coisas: melhorar (ou acabar com) seus discursos e parar de tentar fazer magia o tempo todo. A defesa terminou o ano no Departamento Médico, mas pode ser boa.

24 – Miami Dolphins

Adam Gase talvez não seja tudo isso. E todos que acreditamos nesse time em 2017 deveríamos sentir vergonha. Não se repetirá em 2018.

25 – Arizona Cardinals

Sem QB, talvez sem Larry Fitzgerald. E o Head Coach parece que foi a opção D. A defesa vai ter muito trabalho em 2018.

26 – Chicago Bears

O time está melhorando, mas ainda não bota medo em ninguém. Pode até ser que tenha um ano bom, mas não recomendaríamos investir dinheiro nisso.

27 – Washington Redskins

Porque nada ali é inspirador.

28 – New York Giants

Eli Manning é ex-jogador em atividade, mas em Nova York ainda não perceberam isso. A defesa também não é capaz de mover montanhas, como antes se imaginava.

29 – New York Jets

O time foi muito acima das expectativas em 2017. O talento, porém, ainda não empolga, e não temos a menor ideia de quem lançaria a bola se o Jets tivesse que jogar um amistoso hoje.

30 – Indianapolis Colts

Enquanto Andrew Luck não der sinais de vida, não dá pra avaliar o time. Pelo menos não é o pior da NFL.

In Memoriam

31 – Cincinnati Bengals

Se nem eles se respeitam, também não o faremos.

32 – Cleveland Browns

Mais fácil do que o Philadelphia Eagles. Quem sabe não conseguimos colocar Alabama aqui em 2018?

#SuperBowlChallenge: nossos palpites

O Pick Six é composto por pessoas que não entendem porcaria nenhuma e gostam de cagar regra. Mas mesmo assim vocês pediram, e aqui estamos expondo nossos palpites para o #SuperBowlChallenge.

Obviamente, passaremos vergonha e seremos humilhado por algum leitor mentalmente mais capaz que nós (convenhamos, está longe de ser algo difícil).

Aliás, se você ainda não se inscreveu na disputa pelo já tradicional MIMO SURPRESA, pare o que está fazendo e distribua pitacos abalizados e coerentes – isso, claro, antes de ler nossos palpites logo abaixo; não se deixe influenciar por nosso retardo mental.

Cadu

É difícil imaginar um cenário em que New England Patriots e Pittsburgh Steelers não estejam na final da AFC. Mas se tem um time que pode surpreender é o Kansas City Chiefs. O provável confronto com o Patriots no Divisional Round é o que teremos de mais emocionante na Conferência. De qualquer forma, o vencedor será derrotado na final pelo Steelers, que seguirá para o Super Bowl e ganhará seu sétimo título.

Na NFC, fazer previsões é um desafio enorme. Com exceções de Carolina Panthers e Philadelphia Eagles, que parecem estar um pouco abaixo dos demais, o equilíbrio toma conta da Conferência. O confronto Los Angeles Rams x Atlanta Falcons tem o potencial de criar um monstro, já que o vencedor deve sair muito embalado.

O grande desafio estará nas mãos do time que passar por Minnesota. Se o Rams bater Falcons e Vikings em sequência, não terá dificuldade para vencer o Saints, que é um time bom, mas não com a força necessária para vencer qualquer outro na final da NFC.

Diego

A rodada de wild card, principalmente na AFC é um grande “é o que sobrou”; Chiefs e Jaguars devem passar já que são times mais organizados que os adversários, enquanto em Falcons @ Rams e Panthers @ Saints aposto no homefield advantage. Para a rodada divisional, o Eagles é o grande candidato a one and done pelo simples fator Nick Foles, enquanto o Vikings deve sobreviver.

Já na AFC, todo mundo sabe que só há três formas de derrotar o New England Patriots nos playoffs: ser Mark Sanchez, ser Joe Flacco ou não deixar o time de Foxborough terminar com a seed #1. Como nenhum dessas três coisas aconteceu, o Patriots deve ser o representante da AFC no Super Bowl, enquanto a maldição da sede não deixará os Vikings passarem do NFC Championship Game. Duelo de QBs no Super Bowl LII com vitória dos Patriots, pois Belichick é um melhor técnico que Sean Payton e, aceitemos, isso fará a diferença.

Digo

O palpite mais clubista do PickSix está aqui mesmo. Será dolorido quando der errado, mas tem sua lógica além da própria torcida. Porém, pelo começo: Kansas City é o único certeiro (queira José Aldo ou não); Jaguars e Saints são apostas seguras porque, bem, Bills e Panthers parecem já ter feito demais só por chegar até aqui.

Por último, Rams e Falcons são o jogo mais difícil para apostas – combinando a “tentativa de escolher enfrentar os Eagles na segunda parte dos playoffs ao escalar o time reserva contra Garoppolo” e o peso da inexperiência de Goff e cia, o Falcons é quem passa de fase.

Nas semifinais de conferência, Falcons e Steelers passam por ser simplesmente melhores e mais completos que seus adversários (Philadelphia provavelmente é o time com menos chance de Super Bowl entre os 12). O Vikings passa por já ter demonstrado ser capaz de parar qualquer grande ataque, enquanto a defesa dos Saints parece destinada a uma pipocada quando menos se espera; Kansas City de Alex Smith, sim, é uma escolha do coração. Esse time já mostrou ser capaz de parar Belichick e Brady uma vez, por que não uma segunda?

Seguindo a mesma lógica, um Pittsburgh Steelers mais descansado é simplesmente melhor que os Chiefs, como já mostraram na semana 6. E se os Vikings são capazes de parar um ataque da NFC South, por que não dois? E apostar contra o próprio time em um Super Bowl em casa simplesmente seria inumano (nota do editor: ou burro. O que é o caso).

Murilo

O Titans sequer existe e não gastarei meu tempo com ele – assim como o Chiefs não deverá gastar. A história do Bills foi linda (obrigado, Joe Flacco), mas infelizmente ela acabará no próximo domingo. É triste aceitar que o já citado Chiefs será triturado por Tom Brady, que posteriormente também acabará com Big Ben & companhia – se você acha que o Jaguars terá alguma chance, por favor, procure um médico: você está delirando.

Do outro lado, a defesa do Rams triturá Matty Ice e depois comerá Case Keenum com farinha – tudo isso enquanto você, enfim, se convence que está assistindo o início da jornada de Jared Thomas Goff rumo ao Hall of Fame (quanto antes você aceitar, melhor).

O Saints sofrerá um pouco, apenas por esporte, mas no fim do dia vencerá o Panthers e depois passará sem problemas pelo Eagles – que nestes playoffs, graças ao óbito de Carson Wentz (descanse em paz!), só é mais relevante que o Titans – que como já citamos, nem existe. Sério, parem de inventar times.

Voltando o que interessa, uma final entre Saints e Patriots será algo mágico, mesmo que todos saibamos que, bem, essa desgraça comandada por Tom Brady vencerá novamente.

Mas é indigno vencer algo apostando no Patriots; seria como faturar uma grande BOLADA, mas lá no fundo saber que se trata de DINHEIRO SUJO. E, bem, eu não conseguiria conviver com minha consciência comemorando uma vitória do Patriots.

Então pela minha família, pelos meus filhos (que nem nasceram), pelo Brasil e pelo povo brasileiro, o Saints vencerá essa merd*.

Rafael

Panthers, Titans e Bills são times que já chegam na rodada do Wild Card mortos. Queremos acreditar que o Falcons ainda está vivo, mas a verdade é que o time sensacional que vemos no papel não existe, e a equipe será eliminada pelo Rams.

Chiefs e Jaguars não têm forças pra vencer Patriots e Steelers, respectivamente. Não se engane com o duelo da temporada regular: Pittsburgh vai dar uma sova em #Sacksonville (foram vocês que financiaram essa merd*) e não sobrará um defensor para contar história. Aceitemos: os playoffs da AFC só serão interessantes daqui a duas semanas.

O Eagles também chega morto & enterrado na pós-temporada, por motivos de Nick Foles. O Saints só precisa não se boicotar pra chegar na final da NFC, onde enfrentará o Vikings que, assim como na temporada regular, vencerá o Rams (<\3).

Na final da AFC, é bem impossível que Belichick perca para os Steelers novamente (o jogo da temporada regular ele perdeu no campo e sabe disso), ainda mais jogando em Foxborough. Acontece que não quero estar certo se isso significar ver o lado negro da força no Super Bowl novamente.

Na NFC, muita coisa mudou desde que Vikings e Saints se encontraram lá na semana 1. Mas Minnesota, com uma ótima defesa e com um ataque capaz de vencer a defesa de New Orleans, vencerá o jogo. Será a vingança daquele jogo em que Brett Favre teve uma de suas múltiplas cãibras mentais.

Enfim, valerá a máxima: ataques vencem jogos, defesas vencem campeonatos. A ofensiva dos Steelers será anulada pela defesa dos Vikings no primeiro Super Bowl jogado pelo time da casa. Se preparem para viver em um mundo em que Minnesota (!), e Case Keenum (!!!!) possuem um anel. Talvez assim finalmente consigamos acabar com a NFL.

(nota da edição: outro idiota)

Semanas #13 e #14: os melhores piores momentos

Depois de merecidas férias, voltamos com a coluna que já faz parte da cultura brasileira e é um patrimônio nacional.

Vamos direto ao que interessa.

1 – Fuck It, I’m Going Deep Fan Club

À essa altura, todos já aprenderam a amar e respeitar o Fã Clube que mais cresce no Brasil e no mundo.

1.1 – Semana 14

1.1.1 – Tom Brady

Mostrando que, cedo ou tarde, todos querem estar aqui.

1.1.2 – Jay Cutler 

Figurinha carimbada, não só por aqui, mas também na coluna. Repare na situação que Jay resolveu ir deep.

1.1.3 – Russell Wilson 

Intended for Jimmy Graham. Que ainda cometeu falta no lance. Não dá pra nos deixar mais felizes.

1.2 – Semana 13 

1.2.1 – Jay Cutler 

É claro.

1.2.2 – Blaine Gabbert

É claro. intensfies 

1.2.3 – Brett Hundley

A coluna sentirá saudades.

2 – Punts 

Você tira os olhos da TV por um instante e, quando olha, deu merda.

2.1 – Miami Dolphins (Semana 14) 

Fica feio por esse ângulo, né? Então… Só piora.

2.2 – Tennessee Titans (Semana 14)

Teve gente falando em Mike Mularkey pra Coach of the Year. Gente que foi PAGA pra isso.

2.3 – Carolina Panthers (Semana 13)

Aqueles deliciosos casos em que a descrição da jogada é tão boa que merece ser colocada aqui.

3 – Imagens que trazem PAZ.

3.1DeVante Parker (Semana 14)

Dar uma carada na bola infelizmente se mostrou uma estratégia falha para conseguir a recepção.

3.2 – Estatísticas (Semana 14) 

Porque sim.

3.3 – Por que jogar no Special Teams é uma merda (Semana 14)

3.4 – Joe Flacco (Semana 13) 

Faltaram palavras.

3.5 – A defesa dos Redskins (Semana 13)

Da série: estratégias ousadas que infelizmente falharam.

4 – Nossos lances preferidos 

4.1 – Semana 13: William Jackson

Porque cãibras mentais são reais.

4.2 – Semana 14: DeShone Kizer

Porque tudo nessa jogada é lindo. E porque é o Browns.

5 – Troféu Dez Bryant da Semana

Você já sabe do que estamos falando. Aquele jogador de nome que some quando seu time precisa.

Deixa o esquema tático pra depois. Os jogadores do outro time não são tão técnicos. Joga a bola no Dez Bryant. Vai sem medo…

Foram duas interceptações. Nenhuma terceira descida convertida. Um QBR que foi metade do de Jay f*cking Cutler. Por tudo isso, e mais (mais o quê especificamente preferimos não comentar), TOM BRADY vence o Troféu Dez Bryant, o único que faltava na sua coleção. Parabéns!

Mas o que é isso?

Semana #12: os melhores piores momentos

75% da temporada da NFL já foi jogada. Já estreamos novos segmentos, consagramos jogadores e vimos muita desgraça até aqui. Porém, a coluna só trouxe uma certeza até hoje: se ela for continuar em 2018, certamente não serei eu que a farei. Eu não aguento mais. O leitor não liga para os meus desabafos, então vamos lá:

1 – Fuck It I’m Going Deep Fan Club

Quando o Quarterback (semana passada vimos que nem sempre só o quarterback) resolve jogar a bola longe sem medo de ser feliz.

1.1 – Matt Moore 

Quando o DB disputa com outro DB quem vai agarrar a bola, certamente não foi uma boa decisão.

1.2 – Marcus Mariota

Baseado na jurisprudência do caso anterior, além de que o drop do Darius Butler e o receiver escorregando mereceram ser destacados.

1.3 – Tyrod Taylor (part. especial: Marcus Peters)

Nada como ter o defensor do seu lado.

1.4 – Joe Flacco

Claramente procurando Rahim Moore na secundária.

2 – O Fumble Bowl 

2.1 – Malcom Jenkins

Sempre muito triste sofrer um fumble depois de interceptar um passe.

2.2 – Mitch Trubisky

Quando draftado, sabia-se que Trubisky precisaria de um tempo para se adaptar. Mas, porra, no College tu não segurava snap também não?

2.3 – Jay Ajayi

Quando a vontade de se consagrar é maior que a vontade de segurar a bola.

3 – Imagens que trazem PAZ

3.1 – Brock Osweiler

3.2 – Broncos @ Raiders 

3.3 – Robbie Anderson (assista com áudio)

3.4 – A defesa do Oakland Raiders, Paxton Lynch e… isto.

A primeira interceptação do Raiders na temporada veio em grande estilo.

3.5 – Este idiota dos Redskins

Repare como ele desconhece a regra do touchback. Seu companheiro de equipe conhecia, e ficou pistola.

3.6 – O center de New England

Tentou dar uma chance aos Dolphins. Não adiantou.

3.7 – Tyreek Hill e outro guerreiro de Kansas City 

A imagem que simboliza como o ataque dos Chiefs derreteu de algumas rodadas pra cá.

4 – Troféu Dez Bryant da Semana

Sabe quando seu time tem um jogo complicado e precisa que o jogador de nome apareça? O torcedor dos Cowboys sabe. O torcedor dos Cowboys também sabe que Dez Bryant não é o nome ideal para esses momentos.

Por tudo isso, o vencedor do troféu Dez Bryant da Semana é Leonard Fournette. Parabéns!

 

Semana #11: os melhores piores momentos

Já estamos na semana 11.  Passou rápido, não é? A essa altura já sabemos quem é quem na NFL (embora não precisássemos chegar até aqui pra lembrar que Jay Cutler não presta), e as brigas já estão definidas – lembrando que a temporada da NFL antecede aquilo que realmente importa: o Draft.

Sem mais enrolações, vamos ao que importa: o piores momentos da semana 11, a última com times de folga!

1 – Fuck It I’m Going Deep Fan Club

A cada semana, mais jogadores (até mesmo de outras posições!) se juntam a SEITA criada por ele, Rex Grossman.

1.1 – Jared Goff 

Ainda ocupa um lugar especial em nossos corações, mesmo tendo lançado em cobertura tripla.

1.2 – Brett Hundley

O homem que destruiu os sonhos do dono do site.

1.3 – Dak Precott 

Porque, toda rodada, alguém nos lembra do conceito conhecido como “PUNT COM O BRAÇO”.

1.4 – Travis Kelce

Uma participação mais que especial. “TEs não são interceptados!”, ele deve ter pensado. Aham, fera. vai nessa.

2 – Imagens que trazem PAZ

2.1 – Este cidadão

A desgraça que é trabalhar para a franquia Chicago Bears. Força, Cairo! 

2.2 – Joe Flacco

A culpa provavelmente foi do Center. Mas o que vale é a narrativa.

2.3 – A defesa dos Saints

Sabe quando você manda aquele All Out Blitz e ainda marca para a defesa ir contra a corrida no Madden (paga nois, EA Sports)? Então…

2.4 – Delanie Walker

Mike Tirico chegou a gritar “TOUCHDOWN“. Errou, pois duvidou da capacidade do ser humano de ser imbecil.

2.5 – O guerreiro #30 de Dallas

Retardado, imbecil, idiota, feio, bobo.

2.6 – O guerreiro #16 de Oakland 

Quase caiu no chão e resolveu descontar no coleguinha. Note como ele dá passos serelepes em direção ao jogador dos Patriots.

2.7 – Connor Barth

Entenda aqui porque Cairo Santos é o novo kicker do Chicago Bears. (Assista com áudio)

2.8 – Este cidadão 

Temos certeza que não é assim que as crianças aprendem a bloquear nas Pee Wee Leagues.

2.9 – Tahir Whitehead

2.10 – Os idiotas do STs de Atlanta

Qualquer kickoff que acaba com o time que chutou pode demitir 11 homens por justa causa.

2.11 – Os idiotas do STs de Seattle

A culpa provavelmente é do técnico que chamou essa merda, mas vamos culpar quem executou mesmo.

3 – A semana do Quarterback 

A cada jogo um desgraçado diferente na posição mais importante do jogo.

3.1 – Brett Hundley

Hundley já teve uma de suas peripécias mostrada acima, mas ele merece ser citado novamente. A falta de perspectiva que o “jogador” dá ao seu time é desanimadora e, segundo relatos de nossa equipe no Lambeau Field, torcedores diziam coisas como “Desculpe, essa é a coisa mais triste que mais vi em um campo de football.” Porém, um alívio: o apito final, e um grito de “HUNDLEY, YOU SUCK!”, que foi acompanhado por uma meia dúzia.

Crack.

3.2 – Marcus Mariota

O queridinho de muitos torcedores que se apoiam em seus stats na redzone, mas nunca viram Mariota com um jogo memorável contra um time de verdade. A verdade é que Marcus é hoje um QB bom, mas as pessoas esperam que ele seja mais. A atuação desastrosa contra os Steelers mostrou que ele ainda precisa evoluir muito se quiser mudar de prateleira. Inclusive quem viu a Análise Tática da Semana pôde acompanhar uma de suas interceptações sendo ESMIUÇADA.

Um dos meus analistas de football preferidos é o Kevin Clark. Para os próximos dois QBs, vou usar as palavras dele como minhas.

3.3 – Jay Cutler

“Quando o RedZone corta pro Jay Cutler em uma terceira descida longa no campo de defesa, o potencial de retorno é bem baixo.”

“O maior truque de Jay Cutler foi convencer o Miami Dolphins que ele tinha deixado a aposentadoria.”

3.4 – Nathan Peterman

“Nathan Peterman é um personagem fictício inventado por uma propaganda de Tyrod Taylor.”

“Nathan Peterman é o primeiro jogador na história dos esportes cuja simples existência é forma de motivação para o time adversário.”

4 – Prêmio Dez Bryant da Semana

Sabe quando seu time precisa que a estrela brilhe, afinal é um momento importante? Dez Bryant sabe, mas ele não consegue brilhar nesses momentos. O Prêmio Dez Bryant da Semana premia o jogador de nome que some durante a partida e/ou em um momento decisivo dela. E, dessa vez, o vencedor do prêmio veste as mesmas cores que Dez.

Podem falar de qualquer ausência, mas Prescott teve um jogo ruim, horrível, o que acabou me custando uma vitória no Fantasy. Acabou a paz em Dallas.

5 – Nosso lance preferido da semana

Como você pôde ver acima, a disputa foi bem acirrada. Mas uma quase-Pick Six de Brock Osweiler, encerrada por um auto-fumble acabou levando o prêmio.

Você pode nos ajudar a fazer essa coluna semanalmente! Viu algo de horrível que acha que deve ser destacado? Mande para o nosso Twitter que com certeza vamos considerar!

Semana #10: os melhores piores momentos

Em uma realidade desconexa em que o Los Angeles Rams e o Jacksonville Jaguars possuem times de respeito, e o New Orleans Saints tem uma defesa, já estamos na semana 10 e a única conclusão que chegamos é que não entendemos nada de futebol americano (e não cansamos de usar esse comentário batido pra introduzir aproximadamente 87% dos textos do site).

Então vamos logo ao que interessa.

1 – Fuck It, I’m Going Deep Fan Club 

Se você entende inglês, a imagem já é auto-explicativa. Se não entende, as imagens abaixo te mostrarão do que se trata o fã clube que mais cresce no Brasil.

1.1 – Ben Roethlisberger 

Como o jogo era contra os Colts, Big Ben deve ter pensado “dá nada pá nóis”. E então, na segunda jogada do jogo, ele viu que seria fácil, mas nem tanto.

1.2 – Blake Bortles 

Existem motivos para a nossa promoção da temporada ser essa. Este é um deles.

1.3 – Ryan Fitzpatrick versus Josh McCown

Deixemos as imagens falarem por si só.

2 – Chaz Green, ou “acredite em seus sonhos”

Tyron Smith é um dos melhores Left Tackles da liga, e com uma lesão na virilha, era de se esperar que o Dallas Cowboys sentiria falta dele.

Seu substituto, Chaz Green, provavelmente é um sócio-torcedor que venceu a promoção de poder entrar em campo pelo seu time do coração. Deu certo (para os Falcons).

 

Repare que o que Adrian Clayborn faz nas jogadas é basicamente a mesma coisa: correr na direção de Dak Prescott. Ainda descontentes com a situação, os Cowboys colocaram um substituto à altura: Byron Bell. Clayborn não precisou mudar sua estratégia para conseguir o sack, o sexto (!!!) dele no jogo.

3 – Decisões questionáveis

Tão questionáveis quanto aquelas que você toma na sua vida.

3.1 – John Fox

Imagine se você desafiasse uma jogada na esperança de conseguir um touchdown, mas acabasse recebendo um turnover em troca. Qual seria a sua reação? A de John Fox foi essa:

3.2 – Hue Jackson

O relógio, a distância, o tempo de jogo, a situação, tudo mostrava que a jogada certa a se fazer era qualquer uma, menos a que foi escolhida.

4 – Imagens que trazem PAZ

4.1 – Antonio Brown e a secundária dos Colts

Os defensores bateram cabeça. Aparentemente isso atrapalhou Antonio Brown, que deixou a bola passar entre suas mãos. Talvez tenha sido apenas um belo gesto de fair play. Nunca saberemos.

4.2 – Brock Osweiler

Temos certeza que ele enxerga como um QB de NFL deveria?

4.3 – Los Angeles Chargers of Carson by the way of San Diego, California 

Infelizmente não temos como colocar os últimos 4 minutos de tempo regulamentar daquele jogo por aqui. Mas você pode assistir sem medo. O jogo nos rendeu sequências como esta:

5 – Prêmio Dez Bryant da Semana

Nenhum jogador nos chamou atenção essa semana a ponto de ser digno de merecer o prêmio. Triste, porém verdade.

Você pode nos ajudar a fazer essa coluna semanalmente! Viu algo de horrível que acha que deve ser destacado? Mande para o nosso Twitter que com certeza vamos considerar!

Power Ranking: semanas #7, #8 e #9

Estamos na metade da temporada e uma certeza se consolida em nossas mentes: a de que não sabemos nada. Chegamos a dizer que o Tampa Bay Buccaneers era candidato a Super Bowl, mas acabamos vendo Jameis Winston fazendo discursos motivacionais duvidosos antes de derrotas vexatórias. Cravamos que o New York Jets era uma piada completa, mas hoje temos que engolir as quatro vitórias que o bravo time já conseguiu.

A NFL é assim mesmo: difícil de prever. Mesmo assim, continuamos tentando e errando com convicção.

32 – Cleveland Browns (0/ 0-8)

Cleveland só não tem o maior número de derrotas da liga porque tem um jogo a menos que o 49ers.

31 – San Francisco 49ers (0/ 0-9)

Jimmy Garopollo pode até ser a resposta para o futuro, mas em 2017 será apenas submetido a um time completamente sem talento.

Moreno sensual.

30 – Indianapolis Colts (-1/ 3-6)

Andrew Luck deveria ter voltado a jogar há algumas semanas. Hoje, não se sabe nem se ele um dia vai voltar a jogar.

29 – New York Giants (-3/ 1-7)

Jogadores, torcida, imprensa e qualquer pessoa que goste minimamente da NFL estão em vigília pela demissão de Bem McAdoo.

28 – Tampa Bay Buccaneers (-13/ 2-6)

Não é à toa que está colado no Giants no ranking: o Bucs também é um time que já desistiu.

27 – Miami Dolphins (0/ 4-4)

De alguma forma quase inexplicável, um dos piores ataques da história da franquia está 4-4. E agora não tem mais Jay Ajayi.

26 – Chicago Bears (+2/ 3-5)

Mitchell “não me chamem de Mitch” Trubisky tem mostrado que não podemos ridicularizar tanto escolhas de draft, mas o Bears ainda é uma versão mais pobre de algo como um Baltimore Ravens.

25 – Green Bay Packers (-9/ 4-4)

Brett Hundley é a prova de que os times deveriam investir um pouco mais em um bom backup. Saudades, Aaron.

24 – Houston Texans (-13/ 3-5)

Tom Savage é a prova de os times deveriam investir um pouco mais em um bom backup. Saudades, Deshaun.

23 – New York Jets (+7/ 4-5)

O Jets tem sido tão interessante que até dá vontade de torcer por ele, mas logo passa.

22 – Cincinnati Bengals (+1/ 3-5)

O Bengals é tão frustrante que AJ Green já pensa em seguir carreira no MMA.

21 – Baltimore Ravens (+3/ 4-5)

Sem exageros, o Ravens é o time mais chato de assistir.

20 – Arizona Cardinals (0/ 4-4)

O Cardinals é um daqueles times 4-4 que não podem ser levados a sério. Muito em breve tudo vai desmoronar de maneira retumbante.

19 – Los Angeles Chargers (+6/ 3-5)

O Chargers parece ser melhor que o recorde de 3-5. O Chargers parece ser pior que o recorde de 3-5. Sei lá.

18 – Denver Broncos (-14/ 3-5)

Gostaria de anunciar a minha candidatura à presidência da AEDB, a Associação dos Enganados pelo Denver Broncos.

17 – Oakland Raiders (+4/ 4-5)

Será que a divisão ainda está ao alcance do inconstante Raiders ou a vaga para os playoffs virá por Wild Card? Provavelmente nenhuma das duas coisas.

16 – Washington Redskins (-2/ 4-4)

Já disse antes e volto a dizer: é difícil concluir qualquer coisa sobre o Redskins. Talvez seu lugar terno seja exatamente onde está: em cima da linha da mediocridade.

15 – Tennessee Titans (+4/ 5-3)

Não sabemos como, mas o Titans já conseguiu cinco vitórias e vai se distanciando um pouco do rótulo de decepção.

14 – Buffalo Bills (+3/ 5-3)

A derrota para o Jets não estava nos planos, mas o Bills segue na luta para encerrar a atual maior seca de aparições nos playoffs. Acreditem: é possível.

13 – Jacksonville Jaguars (+9/ 5-3)

A defesa vem jogando em nível tão alto que pode entrar para a história da NFL. O problema é se, em algum momento, o time depender de Blake Bortles para vencer. E, se chagar aos playoffs, precisará de seu QB.

12 – Atlanta Falcons (-4/ 4-4)

Decepção. s.f. Sentimento de desgosto, de mágoa ou de desalento; sensação de tristeza; circunstância emocional de melancolia; ausência de alegria.

11 – Detroit Lions (-1/ 4-4)

O Lions é um dos times 4-4 que podem ser levados a sério. Matthew Stafford é um QB que precisa ser mais respeitado.

10 – Seattle Seahawks (+2/ 5-3)

A derrota para o Washington Redskins em casa foi dura de engolir, mas podemos simplesmente culpar o kicker, certo?

9 – New Orleans Saints (+11/ 6-2)

O Saints talvez seja o time mais surpreendente a entrar no top 10. A defesa, que vinha sendo uma piada há anos, parece ter encontrado seu caminho e agora chega a ser temida, acreditem.

8 – Minnesota Vikings (+1/ 6-2)

Grande favorito para vencer a NFC North. Teddy Bridgewater pode voltar a jogar a qualquer momento. Vai fazer diferença? Não muita.

7 – Dallas Cowboys (+6/ 5-3)

Do ataque já esperávamos coisas boas e agora a defesa tem jogado muito bem. O Cowboys está a uma (ou mais) decisão judicial de ser um contender.

6 – Carolina Panthers (0/ 6-3)

Cam Newton lamentou a troca que mandou o WR Kelvin Benjamin para o Bills, mas disse que “o Titanic precisa seguir viagem”. É esperado que o time afunde no próximo Power Ranking, mas por enquanto tudo está sob controle.

5 – Los Angeles Rams (+2/ 6-2)

Vários anos assistindo os times de Jeff Fischer ainda nos fazem olhar meio torto para o Rams, mas é preciso reconhecer que a versão 2017 do time é empolgante.

4 – New England Patriots (+1/ 6-2)

Lembram quando todo mundo estava entrando em pânico com o início da temporada do Patriots? Dois meses depois o time está confortavelmente sentado em um 6-2, como era esperado.

3 – Kansas City Chiefs (-2/ 6-3)

O encanto parece ter acabado, mas a memória das primeiras semanas mantem viva a esperança de ver aquele ataque jogando novamente tudo o que já jogou. A defesa? Bem, a defesa é uma coisa bastante triste.

2 – Pittsburgh Steelers (+1/ 6-2)

Aos poucos, o ataque vai engrenando e pode, facilmente, se tornar o melhor da NFL. Enquanto isso, a defesa é disparada a que menos cede pontos.

Feliz na nova casa.

1 – Philadelphia Eagles (+1/ 8-1)

Em um ano em que não há times verdadeiramente dominantes, o Eagles é o melhor deles.