Análise Tática #25 – Parte 3: a defesa dos Eagles

02/fev/18


A terceira parte da nossa análise sobre o Super Bowl contempla a defesa dos Eagles. A unidade coordenada por Jim Schwartz foi uma das melhores da temporada, e fator importante para o time ter conseguido a seed #1 mesmo com a lesão de Carson Wentz.

A defesa dos Eagles nos playoffs apareceu sobretudo no jogo da rodada divisional contra o Atlanta Falcons, segurando o time da Georgia a apenas 10 pontos. Nessa partida, o ponto-chave da atuação da Philadelphia foi a atuação na redzone, reduzindo Atlanta a um field goal logo no primeiro drive da partida e um touchdown três campanhas depois.

Defesa de Redzone

O primeiro drive dos Falcons estancou na redzone após 7 jogadas partindo da linha de 26 jardas do campo de defesa. Ao chegar na linha 17 do campo de ataque, os Falcons correram a primeira descida, completaram um passe de 3 jardas na segunda e um passe incompleto na terceira, resultando em um field goal de 33 jardas por Matt Bryant.

Claro que a inépcia ofensiva dos Falcons se deve muito à capacidade de Steve Sarkisian, mas aqui não vamos considerar a capacidade de Jim Schwartz de ajustar sua defesa no campo curto. Esse ajuste será importantíssimo no Super Bowl LII, pois seria inocência pensar que um ataque comandado Tom Brady não conseguirá chegar à redzone algumas vezes durante a partida. Reduzir os Patriots a field goals será substancial para que a defesa ajude o ataque dos Eagles mantenha o controle da partida.

Q1 10:38 – 1st & 10 at PHI 17

Observando a distribuição do front de Philadelphia, observamos que os Falcons parte de uma jogada com dois motions para uma formação pesada de corrida (Strong, com Levine Toilolo ao lado do LT) e uma outside zone para o weakside. Hooper e Alex Mack são os dois jogadores que pela filosofia de bloqueios em zona (“bloqueie o homem à sua frente ou ao seu lado no sentido em que vai a jogada”), atacam o segundo nível.

O único defensor que fica desbloqueado a priori é o LB Mychal Kendricks, camisa 95. Ele é o mesmo que fecha o tackle. Observe que o camisa 71 Wes Schweitzer tenta engajar um bloqueio em Kendricks, mas tarde demais e o Eagle fecha a jogada. Perda de uma jarda por Devonta Freeman.

Q2 09:58 – 2nd & 11 at PHI 18

Os Falcons tentam atacar a defesa dos Eagles com um passe rápido no flat, a partir de um conceito semelhante com o smash (forçando a barra, é verdade, mas preciso dar alguma referência). Apesar disso, Jalen Mills (camisa 31) consegue fechar o tackle marcando essa região do campo em zona.

O pass rush ataca com um 4-men-rush, porém a velocidade do passe de Matt Ryan permite que o passe fosse completo. Aqui, provavelmente era uma jogada de passe designado e o QB fez uma leitura rápida, Com 11 jardas para o first down, Mills consegue fechar bem o ângulo do tackle, evitando que Austin Hooper conseguisse contornar em direção à endzone. Ganho de três jardas, que colocou os Falcons em situação óbvia de passe.

Q1 09:14 – 3rd & 8 at PHI 15

Nessa jogada ficam claros dois pontos: a inépcia ofensiva dos Falcons em concentrar as rotas no miolo do campo, e a capacidade da defesa dos Eagles em ler rotas de opção. Esse tipo de rota não dá para ter certeza da existência e de como eles operam realmente, a menos que se tenha o playbook. Mas conseguimos ter pistas de acordo com a movimentação do wide receiver.

No nível mais simples, o WR atinge o mesh point e quebra a rota para uma direção ou outra de acordo com a marcação na região em que se encontra. Mas na maioria das vezes, o uso de rotas de opção tende a ser mais complexo que isso e exige uma coordenação de leitura absurda entre QB e WR. Em algumas situações em que vemos QBs lançando passes totalmente fora de alcance é por que provavelmente ocorreu uma falta de sintonia no sentido da leitura da opção correta.

Falando especificamente sobre a jogada, os Falcons concentraram 3 rotas cortando para a região central do campo, facilitando o trabalho da defesa dos Eagles. O backfield com formação splitbacks tem o objetivo de tentar abrir a defesa, mas não é o que acontece.

Quando a jogada se desenvolve, toda a possibilidade de Matt Ryan explorar os matchups nas rotas wheel acaba pela ferocidade do pass rush dos Eagles, e ele tem que agir rápido e procurar uma opção para soltar a bola. Ele encontra Taylor Gabriel próximo a linha de 10 jardas mas não é suficiente para converter em um novo grupo de descidas. Excelente defesa de redzone por parte dos Eagles.

A Pick Six contra os Vikings

O NFC Championship Game foi destacado pela explosividade do ataque dos Eagles utilizando a Run/Pass Option. Entretanto, a defesa dos Eagles conseguiu um touchdown quando a partida ainda estava empatada, o que ajudou a mudar o momentum.

Conceito semelhante ao dagger, enquanto a defesa dos Eagles responde com uma Cover 2-Man híbrida, com marcação individual apenas no recebedor Z, enquanto o outro lado da jogada permanece totalmente em marcação em zona. O alvo da jogada é Adam Thielen, alinhado no slot do lado direito, e executará uma rota corner.

Patrick Robinson alinhado em um espaço de 8 jardas de Thielen, dá a entender que está marcando individualmente, mas ao realizar o bump-and-run, ele permanece em zona. Keenum não percebe a mudança e lança a bola em Thielen. Robinson no meio do caminho, a intercepta e a leva para endzone.

Pontos-chave para o Super Bowl (Capitão Óbvio)

É de conhecimento geral de que a melhor forma para vencer Tom Brady é pressioná-lo pelo meio da linha. A forma utilizada por Steve Spagnuolo no Super Bowl XLII se tornou quase um mantra na mente dos adversários do New England Patriots nos playoffs desde então.

Claro que essa estratégia deu certo algumas vezes, como no Super Bowl XLII e XLVI e no AFC Championship Game da temporada de 2015, ao mesmo tempo em que o Atlanta Falcons sackou Tom Brady 5 vezes no Super Bowl LI e não conseguiu a vitória. Times como o Indianapolis Colts de 2006 e o Baltimore Ravens de 2012 conseguiram outras estratégias defensivas para vencer o New England Patriots.

Apesar disso, a melhor forma condizente com as capacidades do Philadelphia Eagles aqui é não ceder touchdowns em campanhas na redzone. Como observamos anteriormente, o time lida muito bem com coberturas híbridas. Essa habilidade da defesa de Jim Schwartz pode ser essencial no confronto de pranchetas contra Josh McDaniels.

Mesclar coberturas é essencial para dificultar a leitura de Tom Brady e principalmente não cair no erro do Atlanta Falcons e do Jacksonville Jaguars. Duas defesas fortes em marcação individual mas que na hora decisiva tiveram que mudar para coberturas em zona por causa do cansaço dos atletas. Se o Eagles conseguir marcar com a mesma eficiência das duas formas, tende a levar vantagem e ajudar o front seven a conseguir os sacks.

 

 

Tags: , , , ,

COMPARTILHE