Análise Tática #21 – Semana #15: O plano de jogo do Pittsburgh Steelers

21/dez/17


A análise tática semanal dá mais um passo no entendimento do jogo (ou não). Nas últimas semanas, introduzimos alguns conceitos de situações espeíficas, como trabalho do quarterback, jogo terrestre, two-minute drill. O objetivo do texto dessa semana é introduzir a percepção de como se desenvolve o plano de jogo de uma equipe durante uma partida, no caso, o ataque do Pittsburgh Steelers contra o New England Patriots na semana 15 da temporada de 2017.

O amigo leitor sabe que o futebol americano é um jogo estratégico, um “xadrez dentro de campo” (marca registrada). Apesar de eu odiar essa analogia, ela faz o perfeito sentido. Segundo Pat Kirwan, o desenvolvimento do plano de jogo começa logo após o encerramento da partida anterior, e se estende ao longo dos treinamentos até os ajustes de intervalo.

No aspecto ofensivo, um quarterback experiente como Ben Roethlisberger participa de todo esse processo, seja vendo vídeos de partidas anteriores para detectar as tendências e deficiências da defesa adversária, junto com o setor de scouting. Também opinar sobre aquilo o que ele se sente confortável a executar durante a partida, juntamente com os técnicos.

Em um aspecto macro, é trabalho do head-coach e do coordenador ofensivo, ao obterem as informações vindas do setor de scouting, saber determinar as próprias tendências. Assim, a defesa adversária mantém-se em dúvida sobre qual tipo de jogada será executada quando observa um determinado pacote em campo. Assim se instala o jogo de futebol americano, na maioria dos casos, quem consegue ocultar melhor suas características, leva vantagem no plano estratégico.

Em uma jornada semanal completa (o time joga aos domingos), a detecção de tendências geralmente ocorre às segundas e terças, enquanto o plano é levado a campo a ser passado aos jogadores de quarta à sexta. O sábado é focado em ajustes e testes de sincronismo aos jogadores, por que provavelmente o time se concentrará em algum hotel da cidade ou necessita viajar ao local da partida.

Tratando, especificamente da partida, a situação ideal de plano de jogo. Como inativos, o Steelers teve apenas os OT Matt Feller, TE Vance McDonald e WR Justin Hunter, nenhum ponto central do ataque. Já como deficiências do adversário, podemos sinalizar de imediato a falta de um pass-rush dominante e a falta de linebackers como principais pontos do New England Patriots. Dont’a Hightower está fora da temporada e o time ainda teve a ausência do DT Alan Branch no último domingo.

Apesar de que bons técnicos são capazes de contornar essas situações, a falta de estrelas em uma unidade afeta a construção estratégica, por que o time precisa considerar o planejamento de prancheta só se converterá em campo se houver no elenco as peças certas para tal. Parece um ponto óbvio, mas acredite leitor, vemos muitas equipes no domingo tentando executar sistemas que não são capazes, não à toa temos tantos times abaixo da média na liga (16 ataques com DVOA negativo em 2017).

Em termos estatísticos, o ataque dos Steelers executou 63 jogadas, sendo 22/30 passes (completos/tentados) para 270 jardas, 31 tentativas de corridas para 143 jardas. Houve uma interceptação, justamente a que deu a vitória ao New England Patriots, e Roethlisberger sofreu sack em duas ocasiões. Esse montante se desenvolveu em 9 drives ofensivos, 5 punts, 3 touchdowns ofensivos e 1 field goal. A campanha mais longa se desenvolveu no segundo quarto, totalizando 15 jogadas. As demais tiveram entre 6 e 8 snaps.

Observando jogada a jogada cada formação colocada em campo pelo ataque dos Steelers, percebemos um determinado padrão. Roethlisberger alinhou 30 vezes em shotgun em situações de corrida e 24 vezes em situações de passe, maioria absoluta (das 31 tentativas de corrida e 32 dropbacks), destes, os 22 primeiros snaps foram com Big Bem alinhado 5 jardas atrás do center.

Claramente Mike Tomlin deu um padrão a ser observado por Bill Belichick e Matt Patricia nos ajustes de intervalo. Em relação aos personnel (quantidade de TEs e RBs em campo, ajuda a saber se o ataque está propenso ao passe ou à corrida), destacou-se o 11 personnel, que apareceu em 21 ocasiões de passe e 17 ocasiões de corrida. Quanto às descidas, a relação foi a seguinte:

  • 1st down: 12 passes, 17 corridas.
  • 2nd down: 7 passes, 15 corridas
  • 3rd down: 15 passes, 1 corrida.

Aqui cabe a observação que em nenhum momento do jogo o time da Pensilvânia arriscou uma tentativa de conversão de 4th down. No primeiro tempo da partida, os Steelers concentraram a maior quantidade de jogadas de passe no jogo, situação que se reverteu na metade seguinte. O objetivo foi basicamente comprometer a defesa com a bidimensionalidade do ataque, permitindo com que Bem Roethlisberger explorasse o play action fake, fato que se sucedeu principalmente em terceiras descidas.

Depois dessa quantidade de números, vamos finalmente tratar dos conceitos apresentados em campo. Afinal, essa coluna é a análise tática, então vocês esperam ver prints com rotas desenhadas no paint e GIFs, certo?

A inside zone dos Steelers

Em termos de jogo terrestre , a jogada mais executada na partida foi a inside zone. Valendo-se da elusividade de Le’Veon Bell, os Steelers utilizaram esse conceito de forma direta em sete oportunidades. Conta-se outros formatos de corrida que contam com esse tipo de bloqueio indiretamente. Em contrapartida, o outro método que vimos semana passada, a outside zone, foi executada em quatro oportunidades.

Houve uma diferença básica apresentada pelos Steelers nesse jogo. Como o time correu 30 vezes do shotgun, isso causa uma pequena diferença conceitual: o mesh point ocorre quase ao mesmo tempo em que Bell recebe o handoff. Isso obriga o RB a observar antecipadamente a disposição da defesa em campo ao mesmo tempo em que recebe a bola em mãos, fato que explica por que vemos Bell lenta e pacientemente observando os bloqueios se estabelecerem em vez de atacar o gap à toda velocidade.

A vantagem é que essa é exatamente a melhor característica do jogador, e o Steelers a utiliza com perfeição, exemplo de um plano de jogo montado às características dos skill players disponíveis. Se Bell não jogasse, com certeza veríamos números diferentes aos mostrados acima. O desenvolvimento de uma inside zone pode ser visto no gif abaixo.

A trap como contrapeso

A trap é um tipo de corrida em bloqueio por zona que depende do atleticismo dos jogadores de linha ofensiva. Basicamente, um dos guards é o lead blocker e deverá se deslocar ao lado oposto ao que está alinhado, enquanto o restante da linha bloqueia no sentido inverso. O RB deverá desenvolver sua leitura seguindo o bloqueio do guard.

Na imagem acima, vemos uma situação logo do início da partida, bola na linha de 28 do campo de defesa, uma 2nd & 15, com 13:05 de relógio. Foi a primeira vez que o Steelers estabeleceu a trap na partida. New England mostra um formato de Cover 2-Man, contra o shotgun singleback weak com recebedores em 1×2 de Pittsburgh. O safety mais próximo a parte inferior da tela mostra a blitz seguidas vezes de forma a tentar confundir a leitura do QB, até o ponto em que ele se mostra estar reagindo ao que Le’Veon Bell fará na jogada, tornando a defesa em Cover 1.

A jogada se desenvolve com o camisa #66 sendo o lead blocker para o lado direito, enquanto Le’Veon Bell o acompanha. O RB tropeça e encerra o que poderia ser uma jogada de grande avanço.

Na partida do último domingo observamos os Steelers bastante comprometidos com o jogo corrido, seja de forma a dominar o tempo de posse de bola contra o New England Patriots (manter Brady fora de campo é uma das premissas para derrotar o time de Foxboro), seja estruturando Bell como o ponto central do ataque. Outra possibilidade estratégica é explorar a fragilidade dos inside linebackers de New England: sem Dont’a Hightower fora da temporada por lesão, Kyle van Noy e Elandon Roberts, não são as opções mais apropriadas para conter um jogador elusivo como Le’Veon Bell.

Isso aconteceu também no jogo aéreo, em que os Steelers aproveitaram-se de passes curtos e laterais para aproveitar a velocidade de seus recebedores contra os linebackers adversários.

O passe curto

O subtítulo acima pode ser confuso e contraditório, mas no início da partida, Pittsburgh utilizou passes curtos como contrabalanço, de forma a manter a defesa dos Patriots com um mesmo conjunto defensivo em campo, principalmente em situações de terceira descida.

Como observamos, os Steelers concentraram a grande quantidade das jogadas de passe no primeiro tempo, e as jogadas de poucas jardas aéreas serviram como análogo ao jogo terrestre. Le’Veon Bell aparece novamente aqui executando com perfeição a wheel route. Foram três recepções executando essa rota, duas delas em shotgun weakside singleback (11 personnel) e uma em shotgun strongside singleback (10 personnel). Nenhuma, entretanto, foi para pontuação, apesar de que uma dessas se deu em conversão de terceira descida.

Na figura acima, observa-se o uso da wheel route em situação de primeira descida. O objetivo é deixar LeVeon Bell sem marcação nenhuma, enquanto dois recebedores percorrem rotas verticais e os mais internos realizam um conceito mesh. Isso permite que Bell ganhe várias jardas após a recepção pela incapacidade física dos LBs de o acompanhar e pela distância do safety responsável por aquele lado do campo.

O Steelers utilizou novamente essa combinação de duas rotas verticais e duas que se cruzam no meio do campo em conjunto com a wheel na conversão de terceira descida. Aqui, objetivo era guiar os linebackers ao fundo do campo e deixar Bell apenas acompanhado pelos safeties, que chegariam tardiamente na jogada.

Em uma situação de poucas jardas, o Patriots naturalmente protegeu a linha de first down, mas não foi suficiente para evitar a conversão.

As jogadas de pontuação

O Steelers conquistou 3 TDs em uma partida que terminou em uma derrota de 27-24. Vamos a cada um deles.

O primeiro touchdown de Pittsburgh na partida foi obtido em um mismatch entre o WR Eli Rogers e um linebacker. O recebedor executou uma angle route em direção ao meio do campo e venceu seu marcador na agilidade. No decorrer da jogada, a cobertura não foi capaz de alcançá-lo antes da endzone.

Esse é o típico caso em que a leitura do QB pré-snap sobre a defesa traz bons frutos. Big Ben observou o matchup favorável e fez o ajuste por meio de audibles. A defesa de New England não reagiu e o TD aconteceu. Reparem que a situação é tão favorável que os demais recebedores sequer correm suas rotas até o final e mesmo assim a jogada é bem-sucedida.

Antes ao intervalo, o Steelers executou seu melhor drive na partida. Foram 15 jogadas que consumiram 8 minutos de relógio, terminando em TD, mostrado na imagem acima. Os Steelers partiram de uma formação 1×3, e Bell saiu em motion para sobrecarregar o strongside, alinhando como recebedor. O WR à esquerda também se deslocou para esse lado, formando o conceito Strong Flood. O recebedor com a rota em laranja se desloca em sentido inverso, com o objetivo de se desmarcar com o tráfego no meio do campo.

Ben Roethlisberger executa um lob pass, e mesmo bem marcado, Martavis Bryant consegue fazer a recepção.

Lembra-se da trap que terminou em um tropeção de LeVeon Bell, caro leitor? Bem, ela reaparece aqui, dessa vez para render 6 pontos aos Steelers, no que foi sua última pontuação no jogo. O conceito é semelhante: o right guard será o lead blocker e guiará LeVeon Bell. O RB usa a inércia e se projeta na endzone mesmo sofrendo o tackle.

Como dito anteriormente, o New England Patriots venceu fora de casa por 27 a 24, situação que o deixou confortável na briga pela home field advantage. Porém, observamos que mesmo com a derrota, o Steelers, em seu plano de jogo, foi fiel às características das peças de seu ataque e conseguiu executar, em alguns momentos de manual o que foi planejado.

Mesmo com a derrota, o time de Pittsburgh conseguiu explorar as deficiências do adversário, não conseguiu vencer por que na outra fase do jogo havia um Rob Gronkowski em dia inspirado.

Tags: , ,

COMPARTILHE